SlideShare uma empresa Scribd logo
LITERATURA III
MODERNISMO:
* PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO
PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO
1922 - 1930
Com a realização da SAM, foi dado um impulso para o processo de renovação da
mentalidade artística nacional, iniciando-se, assim, a Primeira Fase do Modernismo.
Apesar das divergências de ideias dos diferentes grupos que se formaram, pode-se
afirmar que a primeira fase modernismo foi acentuadamente anarquista, revolucionária e
crítica. Atingiu seus objetivos: destruiu as velhas estruturas artísticas e criou uma nova
estética; tirou o país do atraso cultural em se encontrava; levou a inteligência brasileira a
refletir sobre seus problemas, sua gente e sua realidade e buscar soluções dentro do
contexto nacional; fez com que os intelectuais descobrissem as tradições, as lendas, o
folclore e a linguagem popular; libertou o Brasil do fascínio pela Europa; as ideias
modernistas espalharam-se por todo país.
As primeiras reformulações, nesse período ocorreram na poesia.
CONTEXTO HISTÓRICO (1922 – 1930)
Nos anos compreendidos da primeira fase modernista, os imigrantes vinham ao Brasil
para substituir a mão-de-obra dos ex-escravos e também para ocupar os postos de
trabalho nas indústrias, que davam lugar às importações ocorridas a partir da Primeira
Guerra Mundial. Contudo, os produtos importados continuavam vindo pelo porto de
Santos e eram consumidos, em geral, pela população de São Paulo com maior poder
aquisitivo, como os funcionários públicos.
As oligarquias rurais brasileiras dividiam as bases de poder de acordo com o estado ou
região: Minas Gerais ocupava a maioria das cadeiras na Câmara dos Deputados e,
portanto, decidia quanto à aprovação de projetos; o Sul possuía a força militar do país;
já no Nordeste estava concentrada a produção cafeeira, enquanto São Paulo era o
polo de desenvolvimento industrial. Os latifundiários eram praticamente senhores
feudais.
A Primeira Guerra Mundial trouxe instabilidade na economia mundial e somado a isso,
o Brasil estava em um clima de revoltas e mobilizações radicais, inclusive foi criado o
Partido Comunista Brasileiro que, como o próprio nome já diz, adotou uma filosofia
partidária contrária a que se firmava: a do capitalismo. Foi quando no Rio de Janeiro
aconteceu a Revolta do Forte de Copacabana, em 1922, e em São Paulo a Revolta de
1924, com o objetivo de destituir Artur Bernardes da Presidência, cujo governo foi
marcado por censura à imprensa. Alguns meses depois, no Rio Grande do Sul, o
capitão Luís Carlos Prestes liderou gaúchos que enfrentaram alguns combates em prol
dos ideais comunistas, logo após se juntaram a tenentes paulistas, e assim a chamada
Coluna Prestes foi formada.
O objetivo da Coluna Prestes era ir contra as oligarquias. Em 1929, a Bolsa de Valores
de Nova Iorque causou falência a milhares de burgueses no mundo todo, inclusive no
Brasil. A burguesia brasileira encontrava-se envolta nas tradições culturais francesas,
na “Belle Époque”, todo produto francês era bom e refinado.
GRUPOS E TENDÊNCIAS MODERNISTAS
A repercussão das ideias modernistas de SP e RJ contribuiu para animar os grupos de
vanguarda que começavam a surgir em vários pontos do país. Esses grupos tiveram duração
efêmera, mas são um sinal de inquietação artística e cultural que marcou a época.
Movimento Pau-Brasil
Lançado em 1924 por Oswald de Andrade, esse movimento apresenta uma posição
primitivista, buscando uma poesia ingênua, de redescoberta do Brasil. Exalta o progresso e
era presente, ao mesmo tempo em que combate a linguagem retórica e vazia.
Movimento Verde-Amarelo e Grupo da Anta
Recusando todo e qualquer contágio com ideias europeias, este movimento foi uma reação
às intenções primitivas do Movimento Pau-Brasil. Liderado por Cassiano Ricardo, Menotti
Del Picchia e outros, o grupo acabou caindo num nacionalismo ufanista, escolhendo como
símbolo de suas ideias a anta, animal uma função mítica na cultura tupi. Em 1926, esse
movimento converteu-se no chamado Grupo da Anta, que seguiu uma linha de orientação
política nitidamente de direita.
Movimento Antropofágico
Lançado com a publicação da Revista Antropofagia, preparada por Oswald de Andrade,
Antônio de Alcântara Machado, Tarsila do Amaral e outros, esse movimento foi um
desdobramento do primitivismo Pau-Brasil e uma reação ao nacionalismo Verde-
Amarelo.
Tarsila do Amaral
Uma das figuras mais importantes do
modernismo brasileiro.
PRINCIPAIS AUTORES DA PRIMEIRA
FASE MODERNISTA
Mário de Andrade
Mário Raul de Morais Andrade nasceu em São Paulo em 1893. Foi professor de piano e
história da música. Pesquisador incansável, interessou-se pelas mais variadas
manifestações artísticas, escrevendo sobre a literatura, folclore, artes plásticas, música,
etc. Por seu espírito criativo e dinâmico, exerceu grande influência no desenvolvimento do
movimento modernista. De sua produção literária destacam-se os seguintes livros:
• poesia: Há uma gota de sangue em cada poema; Pauliceia desvairada; Losango Cáqui;
Clã do jabuti; Remate de males; Poesias; Lira paulistana;
• prosa: Primeiro andar (contos); Amar, verbo intransitivo (romance); Macunaíma: o herói
sem nenhum caráter (rapsódia); Belzarte (contos); Contos novos;
Oswald de Andrade
José Oswald de Sousa Andrade nasceu em São Paulo, em 1890. Com seu espírito irrequieto e
polêmico, foi uma das figuras mais dinâmicas do movimento modernista. Nas suas viagens à
Europa, entrou em contato com ideias vanguardistas, que depois divulgou no Brasil. Exerceu
inúmeras atividades ligadas à literatura: foi jornalista, poeta, romancista e autor de peças
teatrais. Suas principais obras em verso são: Poesia Pau-Brasil (1925); Primeiro caderno do
aluno de poesia Oswald de Andrade (1927); e Poesias reunidas (1945).
Na prosa merecem destaque: Memórias sentimentais de João Miramar (1924); Serafim Ponte
Grande (1933), entre outras. Escreveu ainda para o teatro as seguintes peças: O homem e o
cavalo (1934); A morta (1937); e O rei da vela (1937).
Retrato de Oswald
pintado por Tarsila do
Amaral, sua esposa.
POEMA:
Canto de regresso à pátria
Oswald de Andrade
Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá
Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro
Minha terra tem mais terra
Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte pra São Paulo
Sem que veja a Rua 15
E o progresso de São Paulo
Atividade:
1- O poema de Oswald de Andrade corresponde às características de qual
grupo de vanguarda modernista? Justifique.
2- O poema lido apresenta um gênero literário que é uma das características
do modernismo. Que gênero é esse?
3 – Que outro poema pode ser lembrado através da leitura deste de Mario de
Andrade?
4- Que ligação tem os títulos das duas poesias? Justifique.
Individual, para ser entregue ao final do período. Copiar as perguntas!
Manuel Bandeira
Manuel Bandeira nasceu em Pernambuco em 1886, mas cedo mudou-se para o Rio de
Janeiro, onde faleceu em 1968. Foi membro da Academia Brasileira de Letras, professor do
Colégio Pedro II e de literatura hispano-americana na Faculdade Nacional de Filosofia.
Colaborou na imprensa, foi tradutor e crítico literário. Escreveu os seguintes livros de poesia:
A cinza das horas (1917); Carnaval (1919); Ritmo dissoluto (1924); Libertinagem (1930);
Estrela da Manhã (1936); Lira dos cinquent’anos (1940); Mafuá do Malungo (1948); Belo
belo (1948); Opus 10 (1952); Estrela da tarde (1960). Em prosa escreveu, entre outros:
Crônicas da província do Brasil (1937); Itinerário de Pasárgada (1954); Os reis vagabundos e
mais 50 crônicas (1966); Andorinha, andorinha (1965);
Surgidos antes de 1922, os dois primeiros livros de Manuel Bandeira, embora mantenham
um tom lírico e melancólico, que lembrava o Simbolismo, já mostravam certa liberdade
formal.
O autor alcançou seu ponto mais alto como modernista no livro Libertinagem (1930), no
qual desenvolve plenamente sua linguagem coloquial e irônica, atingindo grande
dramaticidade.
Primeira Geração Modernista
POEMA:
Vou-me Embora pra Pasárgada
Manuel Bandeira
Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconsequente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive
E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d'água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada
Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcaloide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar
E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.
ATIVIDADE:
1) Ao dizer Vou-me embora pra Pasárgada, você imagina um lugar. Descreva-o.
2) Em Pasárgada, você pode ser “amigo do rei”. O que significa estar em um lugar em que
se pode ser amigo do rei?
3) Insatisfeito no plano afetivo, que vantagem Pasárgada lhe traz?
4) O poema evidência que características modernistas?
Individual, para entregar. Copiar as questões!
Antônio de Alcântara Machado
Antônio Castilho de Alcântara Machado nasceu em 1901, em São Paulo (SP). Formou-se na
faculdade de Direito, durante a qual publicou sua primeira crítica literária para o “Jornal do
Comércio”. Após esse fato, passou a colaborar para o jornal até tornar-se redator-chefe.
Formou-se, mas não chegou a exercer a profissão porque estava atrelado à carreira
jornalística.
Não esteve presente na Semana de Arte Moderna. Contudo, depois de tornar-se amigo de
Oswald de Andrade, adere ao movimento que o tornou um dos nomes mais significativos
da prosa da Geração de 22.
Seu primeiro livro, “Pathé Baby” (com prefácio de Oswald de Andrade), é fruto do que
escreveu para a imprensa em sua viagem à Europa, em 1925. Em 1928 publicou "Brás,
Bexiga e Barra Funda". Neste mesmo ano, já adepto da corrente modernista, Alcântara
Machado participou da fundação das revistas de ideias modernistas. Paralelamente às
atividades de jornalista, foi um cronista e contista notável.
Por volta de 1931, o escritor candidatou-se ao cargo de deputado federal, pelo qual foi
eleito, mas não chegou a tomar posse, pois faleceu aos 34 anos de idade e deixa seu único
romance inacabado “Mana Maria” (1936).
O autor é conhecido por sua linguagem objetiva (provavelmente, advinda da jornalística),
concisa e popular, características que davam dinamismo às suas narrativas.
Primeira Geração Modernista
OUTROS AUTORES DA PRIMEIRA FASE DO
MODERNISMO
Cassiano Ricardo (poesia)
Menotti Del Picchia (poesia)
Guilherme de Almeida (poesia)
Raul Bopp (poesia)
Augusto Meyer (poesia)
Ronald de Carvalho (poesia)
Marques Rebelo – pseudônimo de Eddy Dias da Cruz (prosa)
PRÓXIMO TEMA:
Segunda fase do Modernismo:
Contexto histórico e literário;
A prosa;
Principais autores;
Leituras obrigatórias;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
Annalu Jannuzzi
 
Modernismo primeira fase
Modernismo  primeira faseModernismo  primeira fase
Modernismo primeira fase
Gabriel Monteiro
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
rillaryalvesj
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto
Cláudia Heloísa
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
Sirlene Rosa Santos
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
Andriane Cursino
 
Aula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeiasAula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeias
Abrahão Costa de Freitas
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
Lourdinas
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
Antonio Minharro
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
Andrea Dressler
 
Manuel Bandeira Vida e obras
Manuel Bandeira Vida e obras Manuel Bandeira Vida e obras
Manuel Bandeira Vida e obras
Sirleide Silva
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
Luan Victor
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 

Mais procurados (20)

www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismowww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Literatura - Primeira fase do Modernismo
 
Modernismo primeira fase
Modernismo  primeira faseModernismo  primeira fase
Modernismo primeira fase
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
 
Modernismo 1ª fase
Modernismo 1ª faseModernismo 1ª fase
Modernismo 1ª fase
 
Aula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeiasAula vanguardas europeias
Aula vanguardas europeias
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Manuel Bandeira Vida e obras
Manuel Bandeira Vida e obras Manuel Bandeira Vida e obras
Manuel Bandeira Vida e obras
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 

Destaque

Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Elaine Blogger
 
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
CrisBiagio
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
rillaryalvesj
 
I fase do modernismo (1922 1930)
I fase do modernismo (1922 1930)I fase do modernismo (1922 1930)
I fase do modernismo (1922 1930)
Lybia Sarraff
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Elaine Blogger
 
Primeira fase do Modernismo no Brasil
Primeira fase do Modernismo no BrasilPrimeira fase do Modernismo no Brasil
Primeira fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
1ª Fase Do Modernismo
1ª Fase Do Modernismo1ª Fase Do Modernismo
1ª Fase Do Modernismo
Amandeixom
 
1 fase do modernismo brasileiro
1 fase do modernismo brasileiro1 fase do modernismo brasileiro
1 fase do modernismo brasileiro
Miguel D' Amorim
 
Principais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismoPrincipais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismo
Miquéias Vitorino
 
Apresentação Modernismo Brasileiro
Apresentação Modernismo BrasileiroApresentação Modernismo Brasileiro
Apresentação Modernismo Brasileiro
Kleiner Paulo Geraldi
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Thalles Yvson
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
seixasmarianas
 
Arte moderna slide
Arte moderna slideArte moderna slide
Arte moderna slide
Isabel Aguiar
 
Modernismo.
Modernismo.Modernismo.
Modernismo.
Bruna
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
infoeducp2
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
licss
 
Artistas modernistas
Artistas modernistasArtistas modernistas
Artistas modernistas
Goreti Santos
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Lucas Nascimento
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
Arte Educadora
 

Destaque (20)

Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
Modernismo – 1ª fase (1922 a 1930)
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
 
I fase do modernismo (1922 1930)
I fase do modernismo (1922 1930)I fase do modernismo (1922 1930)
I fase do modernismo (1922 1930)
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Primeira fase do Modernismo no Brasil
Primeira fase do Modernismo no BrasilPrimeira fase do Modernismo no Brasil
Primeira fase do Modernismo no Brasil
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
1ª Fase Do Modernismo
1ª Fase Do Modernismo1ª Fase Do Modernismo
1ª Fase Do Modernismo
 
1 fase do modernismo brasileiro
1 fase do modernismo brasileiro1 fase do modernismo brasileiro
1 fase do modernismo brasileiro
 
Principais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismoPrincipais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismo
 
Apresentação Modernismo Brasileiro
Apresentação Modernismo BrasileiroApresentação Modernismo Brasileiro
Apresentação Modernismo Brasileiro
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
 
Arte moderna slide
Arte moderna slideArte moderna slide
Arte moderna slide
 
Modernismo.
Modernismo.Modernismo.
Modernismo.
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Artistas modernistas
Artistas modernistasArtistas modernistas
Artistas modernistas
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 

Semelhante a Primeira Geração Modernista

O modernismo no brasil
O modernismo no brasilO modernismo no brasil
O modernismo no brasil
Claudinei Jesus
 
1º fase do modernismo
1º fase do modernismo1º fase do modernismo
1º fase do modernismo
Yasmin Pessoa
 
Tdpp2
Tdpp2Tdpp2
Tdpp2
lokitoloko
 
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Thiago Pereira
 
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
Carlos Zaranza
 
Oswalddeandrade
OswalddeandradeOswalddeandrade
Oswalddeandrade
Gustavo Victor
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
Eliete Sampaio Farneda
 
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Brigitte Lispector
 
1 fase do modernismo
1 fase do modernismo1 fase do modernismo
1 fase do modernismo
Laboratório de Informática
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Andriane Cursino
 
1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt
PATRICIA VIANA
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo Desdobramentos
Modernismo DesdobramentosModernismo Desdobramentos
Modernismo Desdobramentos
ISJ
 
Modernismo: FASE HERÓICA
Modernismo: FASE HERÓICAModernismo: FASE HERÓICA
Modernismo: FASE HERÓICA
Letícia Gonçalves
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
PATRICIA VIANA
 
Literatura
Literatura Literatura
Literatura
Lariprieto
 
M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
Prof Palmito Rocha
 

Semelhante a Primeira Geração Modernista (20)

O modernismo no brasil
O modernismo no brasilO modernismo no brasil
O modernismo no brasil
 
1º fase do modernismo
1º fase do modernismo1º fase do modernismo
1º fase do modernismo
 
Tdpp2
Tdpp2Tdpp2
Tdpp2
 
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
Semana de Arte Moderna (1ª geração poesia)
 
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
 
Oswalddeandrade
OswalddeandradeOswalddeandrade
Oswalddeandrade
 
Modernismo segunda fase
Modernismo segunda faseModernismo segunda fase
Modernismo segunda fase
 
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
Segundafasedomodernismonobrasil 120509063705-phpapp02
 
1 fase do modernismo
1 fase do modernismo1 fase do modernismo
1 fase do modernismo
 
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
Análise Libertinagem (Manuel Bandeira)
 
1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo Desdobramentos
Modernismo DesdobramentosModernismo Desdobramentos
Modernismo Desdobramentos
 
Modernismo: FASE HERÓICA
Modernismo: FASE HERÓICAModernismo: FASE HERÓICA
Modernismo: FASE HERÓICA
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Literatura
Literatura Literatura
Literatura
 
M O D E R N I S M
M O D E R N I S MM O D E R N I S M
M O D E R N I S M
 

Mais de Thiago Rodrigues

Redação 1
Redação 1Redação 1
Redação 1
Thiago Rodrigues
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Thiago Rodrigues
 
Orações Subordinadas
Orações SubordinadasOrações Subordinadas
Orações Subordinadas
Thiago Rodrigues
 
Orações Coordenadas
Orações CoordenadasOrações Coordenadas
Orações Coordenadas
Thiago Rodrigues
 
Frase, Oração e Período
Frase, Oração e PeríodoFrase, Oração e Período
Frase, Oração e Período
Thiago Rodrigues
 
Aposto e Vocativo
Aposto e VocativoAposto e Vocativo
Aposto e Vocativo
Thiago Rodrigues
 
Transição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o RomantismoTransição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o Romantismo
Thiago Rodrigues
 
Romantismo na Europa
Romantismo na EuropaRomantismo na Europa
Romantismo na Europa
Thiago Rodrigues
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Thiago Rodrigues
 
Características do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoCaracterísticas do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance Romântico
Thiago Rodrigues
 
Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922
Thiago Rodrigues
 
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no ModernismoMovimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Thiago Rodrigues
 
Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922
Thiago Rodrigues
 
Causas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência UrbanaCausas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência Urbana
Thiago Rodrigues
 

Mais de Thiago Rodrigues (14)

Redação 1
Redação 1Redação 1
Redação 1
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Orações Subordinadas
Orações SubordinadasOrações Subordinadas
Orações Subordinadas
 
Orações Coordenadas
Orações CoordenadasOrações Coordenadas
Orações Coordenadas
 
Frase, Oração e Período
Frase, Oração e PeríodoFrase, Oração e Período
Frase, Oração e Período
 
Aposto e Vocativo
Aposto e VocativoAposto e Vocativo
Aposto e Vocativo
 
Transição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o RomantismoTransição do Arcadismo para o Romantismo
Transição do Arcadismo para o Romantismo
 
Romantismo na Europa
Romantismo na EuropaRomantismo na Europa
Romantismo na Europa
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Características do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoCaracterísticas do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance Romântico
 
Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922Semana de Arte Moderna de 1922
Semana de Arte Moderna de 1922
 
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no ModernismoMovimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
 
Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922Ideias Modernistas antes de 1922
Ideias Modernistas antes de 1922
 
Causas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência UrbanaCausas para explicar a Violência Urbana
Causas para explicar a Violência Urbana
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 

Primeira Geração Modernista

  • 2. PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO 1922 - 1930 Com a realização da SAM, foi dado um impulso para o processo de renovação da mentalidade artística nacional, iniciando-se, assim, a Primeira Fase do Modernismo. Apesar das divergências de ideias dos diferentes grupos que se formaram, pode-se afirmar que a primeira fase modernismo foi acentuadamente anarquista, revolucionária e crítica. Atingiu seus objetivos: destruiu as velhas estruturas artísticas e criou uma nova estética; tirou o país do atraso cultural em se encontrava; levou a inteligência brasileira a refletir sobre seus problemas, sua gente e sua realidade e buscar soluções dentro do contexto nacional; fez com que os intelectuais descobrissem as tradições, as lendas, o folclore e a linguagem popular; libertou o Brasil do fascínio pela Europa; as ideias modernistas espalharam-se por todo país. As primeiras reformulações, nesse período ocorreram na poesia.
  • 3. CONTEXTO HISTÓRICO (1922 – 1930) Nos anos compreendidos da primeira fase modernista, os imigrantes vinham ao Brasil para substituir a mão-de-obra dos ex-escravos e também para ocupar os postos de trabalho nas indústrias, que davam lugar às importações ocorridas a partir da Primeira Guerra Mundial. Contudo, os produtos importados continuavam vindo pelo porto de Santos e eram consumidos, em geral, pela população de São Paulo com maior poder aquisitivo, como os funcionários públicos. As oligarquias rurais brasileiras dividiam as bases de poder de acordo com o estado ou região: Minas Gerais ocupava a maioria das cadeiras na Câmara dos Deputados e, portanto, decidia quanto à aprovação de projetos; o Sul possuía a força militar do país; já no Nordeste estava concentrada a produção cafeeira, enquanto São Paulo era o polo de desenvolvimento industrial. Os latifundiários eram praticamente senhores feudais.
  • 4. A Primeira Guerra Mundial trouxe instabilidade na economia mundial e somado a isso, o Brasil estava em um clima de revoltas e mobilizações radicais, inclusive foi criado o Partido Comunista Brasileiro que, como o próprio nome já diz, adotou uma filosofia partidária contrária a que se firmava: a do capitalismo. Foi quando no Rio de Janeiro aconteceu a Revolta do Forte de Copacabana, em 1922, e em São Paulo a Revolta de 1924, com o objetivo de destituir Artur Bernardes da Presidência, cujo governo foi marcado por censura à imprensa. Alguns meses depois, no Rio Grande do Sul, o capitão Luís Carlos Prestes liderou gaúchos que enfrentaram alguns combates em prol dos ideais comunistas, logo após se juntaram a tenentes paulistas, e assim a chamada Coluna Prestes foi formada. O objetivo da Coluna Prestes era ir contra as oligarquias. Em 1929, a Bolsa de Valores de Nova Iorque causou falência a milhares de burgueses no mundo todo, inclusive no Brasil. A burguesia brasileira encontrava-se envolta nas tradições culturais francesas, na “Belle Époque”, todo produto francês era bom e refinado.
  • 5. GRUPOS E TENDÊNCIAS MODERNISTAS A repercussão das ideias modernistas de SP e RJ contribuiu para animar os grupos de vanguarda que começavam a surgir em vários pontos do país. Esses grupos tiveram duração efêmera, mas são um sinal de inquietação artística e cultural que marcou a época. Movimento Pau-Brasil Lançado em 1924 por Oswald de Andrade, esse movimento apresenta uma posição primitivista, buscando uma poesia ingênua, de redescoberta do Brasil. Exalta o progresso e era presente, ao mesmo tempo em que combate a linguagem retórica e vazia. Movimento Verde-Amarelo e Grupo da Anta Recusando todo e qualquer contágio com ideias europeias, este movimento foi uma reação às intenções primitivas do Movimento Pau-Brasil. Liderado por Cassiano Ricardo, Menotti Del Picchia e outros, o grupo acabou caindo num nacionalismo ufanista, escolhendo como símbolo de suas ideias a anta, animal uma função mítica na cultura tupi. Em 1926, esse movimento converteu-se no chamado Grupo da Anta, que seguiu uma linha de orientação política nitidamente de direita.
  • 6. Movimento Antropofágico Lançado com a publicação da Revista Antropofagia, preparada por Oswald de Andrade, Antônio de Alcântara Machado, Tarsila do Amaral e outros, esse movimento foi um desdobramento do primitivismo Pau-Brasil e uma reação ao nacionalismo Verde- Amarelo. Tarsila do Amaral Uma das figuras mais importantes do modernismo brasileiro.
  • 7. PRINCIPAIS AUTORES DA PRIMEIRA FASE MODERNISTA
  • 8. Mário de Andrade Mário Raul de Morais Andrade nasceu em São Paulo em 1893. Foi professor de piano e história da música. Pesquisador incansável, interessou-se pelas mais variadas manifestações artísticas, escrevendo sobre a literatura, folclore, artes plásticas, música, etc. Por seu espírito criativo e dinâmico, exerceu grande influência no desenvolvimento do movimento modernista. De sua produção literária destacam-se os seguintes livros: • poesia: Há uma gota de sangue em cada poema; Pauliceia desvairada; Losango Cáqui; Clã do jabuti; Remate de males; Poesias; Lira paulistana; • prosa: Primeiro andar (contos); Amar, verbo intransitivo (romance); Macunaíma: o herói sem nenhum caráter (rapsódia); Belzarte (contos); Contos novos;
  • 9. Oswald de Andrade José Oswald de Sousa Andrade nasceu em São Paulo, em 1890. Com seu espírito irrequieto e polêmico, foi uma das figuras mais dinâmicas do movimento modernista. Nas suas viagens à Europa, entrou em contato com ideias vanguardistas, que depois divulgou no Brasil. Exerceu inúmeras atividades ligadas à literatura: foi jornalista, poeta, romancista e autor de peças teatrais. Suas principais obras em verso são: Poesia Pau-Brasil (1925); Primeiro caderno do aluno de poesia Oswald de Andrade (1927); e Poesias reunidas (1945). Na prosa merecem destaque: Memórias sentimentais de João Miramar (1924); Serafim Ponte Grande (1933), entre outras. Escreveu ainda para o teatro as seguintes peças: O homem e o cavalo (1934); A morta (1937); e O rei da vela (1937). Retrato de Oswald pintado por Tarsila do Amaral, sua esposa.
  • 10. POEMA: Canto de regresso à pátria Oswald de Andrade Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá
  • 11. Minha terra tem mais rosas E quase que mais amores Minha terra tem mais ouro Minha terra tem mais terra Ouro terra amor e rosas Eu quero tudo de lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte para lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte pra São Paulo Sem que veja a Rua 15 E o progresso de São Paulo
  • 12. Atividade: 1- O poema de Oswald de Andrade corresponde às características de qual grupo de vanguarda modernista? Justifique. 2- O poema lido apresenta um gênero literário que é uma das características do modernismo. Que gênero é esse? 3 – Que outro poema pode ser lembrado através da leitura deste de Mario de Andrade? 4- Que ligação tem os títulos das duas poesias? Justifique. Individual, para ser entregue ao final do período. Copiar as perguntas!
  • 13. Manuel Bandeira Manuel Bandeira nasceu em Pernambuco em 1886, mas cedo mudou-se para o Rio de Janeiro, onde faleceu em 1968. Foi membro da Academia Brasileira de Letras, professor do Colégio Pedro II e de literatura hispano-americana na Faculdade Nacional de Filosofia. Colaborou na imprensa, foi tradutor e crítico literário. Escreveu os seguintes livros de poesia: A cinza das horas (1917); Carnaval (1919); Ritmo dissoluto (1924); Libertinagem (1930); Estrela da Manhã (1936); Lira dos cinquent’anos (1940); Mafuá do Malungo (1948); Belo belo (1948); Opus 10 (1952); Estrela da tarde (1960). Em prosa escreveu, entre outros: Crônicas da província do Brasil (1937); Itinerário de Pasárgada (1954); Os reis vagabundos e mais 50 crônicas (1966); Andorinha, andorinha (1965); Surgidos antes de 1922, os dois primeiros livros de Manuel Bandeira, embora mantenham um tom lírico e melancólico, que lembrava o Simbolismo, já mostravam certa liberdade formal. O autor alcançou seu ponto mais alto como modernista no livro Libertinagem (1930), no qual desenvolve plenamente sua linguagem coloquial e irônica, atingindo grande dramaticidade.
  • 15. POEMA: Vou-me Embora pra Pasárgada Manuel Bandeira Vou-me embora pra Pasárgada Lá sou amigo do rei Lá tenho a mulher que eu quero Na cama que escolherei Vou-me embora pra Pasárgada Vou-me embora pra Pasárgada Aqui eu não sou feliz Lá a existência é uma aventura De tal modo inconsequente Que Joana a Louca de Espanha Rainha e falsa demente Vem a ser contraparente Da nora que nunca tive
  • 16. E como farei ginástica Andarei de bicicleta Montarei em burro brabo Subirei no pau-de-sebo Tomarei banhos de mar! E quando estiver cansado Deito na beira do rio Mando chamar a mãe-d'água Pra me contar as histórias Que no tempo de eu menino Rosa vinha me contar Vou-me embora pra Pasárgada Em Pasárgada tem tudo É outra civilização Tem um processo seguro De impedir a concepção Tem telefone automático Tem alcaloide à vontade Tem prostitutas bonitas Para a gente namorar E quando eu estiver mais triste Mas triste de não ter jeito Quando de noite me der Vontade de me matar — Lá sou amigo do rei — Terei a mulher que eu quero Na cama que escolherei Vou-me embora pra Pasárgada.
  • 17. ATIVIDADE: 1) Ao dizer Vou-me embora pra Pasárgada, você imagina um lugar. Descreva-o. 2) Em Pasárgada, você pode ser “amigo do rei”. O que significa estar em um lugar em que se pode ser amigo do rei? 3) Insatisfeito no plano afetivo, que vantagem Pasárgada lhe traz? 4) O poema evidência que características modernistas? Individual, para entregar. Copiar as questões!
  • 18. Antônio de Alcântara Machado Antônio Castilho de Alcântara Machado nasceu em 1901, em São Paulo (SP). Formou-se na faculdade de Direito, durante a qual publicou sua primeira crítica literária para o “Jornal do Comércio”. Após esse fato, passou a colaborar para o jornal até tornar-se redator-chefe. Formou-se, mas não chegou a exercer a profissão porque estava atrelado à carreira jornalística. Não esteve presente na Semana de Arte Moderna. Contudo, depois de tornar-se amigo de Oswald de Andrade, adere ao movimento que o tornou um dos nomes mais significativos da prosa da Geração de 22. Seu primeiro livro, “Pathé Baby” (com prefácio de Oswald de Andrade), é fruto do que escreveu para a imprensa em sua viagem à Europa, em 1925. Em 1928 publicou "Brás, Bexiga e Barra Funda". Neste mesmo ano, já adepto da corrente modernista, Alcântara Machado participou da fundação das revistas de ideias modernistas. Paralelamente às atividades de jornalista, foi um cronista e contista notável. Por volta de 1931, o escritor candidatou-se ao cargo de deputado federal, pelo qual foi eleito, mas não chegou a tomar posse, pois faleceu aos 34 anos de idade e deixa seu único romance inacabado “Mana Maria” (1936). O autor é conhecido por sua linguagem objetiva (provavelmente, advinda da jornalística), concisa e popular, características que davam dinamismo às suas narrativas.
  • 20. OUTROS AUTORES DA PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO Cassiano Ricardo (poesia) Menotti Del Picchia (poesia) Guilherme de Almeida (poesia) Raul Bopp (poesia) Augusto Meyer (poesia) Ronald de Carvalho (poesia) Marques Rebelo – pseudônimo de Eddy Dias da Cruz (prosa)
  • 21. PRÓXIMO TEMA: Segunda fase do Modernismo: Contexto histórico e literário; A prosa; Principais autores; Leituras obrigatórias;