SlideShare uma empresa Scribd logo
1
O Antigo Regime e o Absolutismo
Régio
Por Raul Silva
No século XVII, as monarquias absolutas distinguiam-se das que não o eram pelo papel que cabia ao rei
na estrutura do Estado e pela forma como o poder real se exercia. Os reis absolutos foram a primeira e
mais poderosa figura dos seus Estados e exerceram o poder de forma: pessoal (ou seja, personalidade, não
admitindo delegações); absoluta (que não reconhece outro poder além ou acima do seu; que controlo); e
única, isto é, não repartida ou partilhada com ninguém, nem mesmo com as ordens.
A soberania régia era um legado divino, recebido directamente pelos reis no dia da sua coroação, quando
eram ungidos e sacralizados como imagens de Deus sobre a Terra. Assim investido, o poder real parecia
não admitir limites: nenhum privilégio e nenhuma liberdade, privada ou pública, estava acima do rei. O
soberano absoluto detinha superiormente e arbitrariamente todos os poderes políticos: o poder
legislativo. Só o rei podia promulgar ou revogar as leis; ele era a lei viva; o poder judicial. O Rei era o
supremo juiz no seu reino e as suas decisões eram únicas que não admitiam apelação; e o poder
executivo. Do rei dependiam todas as decisões de governação: possuía a chefia suprema do exército e só
ele podia declarar a guerra ou a paz; chefiava superiormente todas as instituições e órgãos
político-administrativos, bem como todo o funcionalismo público, cada vez mais numeroso, mas sempre
de nomeação régia; a ele eram devidos todos os impostos, pois, mesmo quando estes andavam alienados
aos privilegiados, isso acontecia por graça ou concessão régia e nunca por direito das ordens.
As monarquias ocidentais desta época foram de facto absolutas, pois os seus soberanos governaram
sozinhos, não partilhando os atributos da sua soberania nem com os privilegiados, nem com as
corporações profissionais, nem com os organismos administrativos das cidades.
CADERNODIÁRIO
EXTERNATO LUÍS DE
CAMÕES
N.º 6
https://
www.facebook.com/
historia.externato
http://
externatohistoria.blog
spot.pt
externatohistoria@gm
ail.com
25deNovembrode2014
2
CADERNODIÁRIO25deNovembrode2014
Luís XIV
o Rei-Sol
in Flammermont e Tourneux,
Advertências do Parlamento de Paris no
século XVII
É somente na minha pessoa que reside
o poder soberano (…), é somente de
mim que os meus tribunais recebem a
sua existência e a sua autoridade; a
plenitude desta autoridade, que eles não
exercem senão em meu nome,
permanece sempre em mim, e o seu uso
nunca pode ser contra mim voltado; é
unicamente a mim que pertence o
poder legislativo, sem dependência e
sem partilha; é somente por minha
autoridade que os funcionários dos
meus tribunais procedem, não à
formação, mas ao registo, à publicação,
à execução da lei, e que lhes é
permitido advertir-me o que é do dever
de todos os úteis conselheiros; toda a
ordem pública emana de mim, e os
direitos e interesses da nação, de que se
pretende ousar fazer um corpo
separado do monarca, estão
necessariamente inteiramente nas
minhas mãos.
O absolutismo
régio
as caraterísticas
No século XVII, as monarquias
absolutas distinguiam-se das que não o
eram pelo papel que cabia ao rei na
estrutura do Estado e pela forma como
o poder real se exercia.
O poder do monarca absoluto é
sagrado, porque provém de Deus que o
conferiu aos reis para que estes o
exerçam em seu nome. Daqui decorre
que atentar contra o rei é um sacrilégio
e que se deve obedecer ao príncipe por
princípio de religião. Mas, esta origem
divina do poder real, se o torna
incontestável também lhe impõe
limites: os reis devem respeitar o seu
próprio poder e só o devem empregar
para o bem público.
É paternal, por ser este o poder mais
conforme com a natureza humana: a
primeira ideia de poder que existe entre
os homens é a do poder paterno, e
fizeram-se os reis pelo modelo dos pais.
Por isso, o rei deve satisfazer as
necessidades do seu povo, proteger os
fracos e governar brandamente,
cultivando a imagem de pai do povo.
É absoluto, o que significa
independente. Por isso, príncipe não
deve prestar contas a ninguém do que
ordena e não está coagido de forma
alguma.
Está submetido à razão, isto é, à
sabedoria. É esta inteligência, esta
percepção superior das coisas inerente
ao príncipe, esta certa ciência que faz o
povo feliz. O rei, escolhido por Deus,
possui certas qualidades intrínsecas:
bondade, firmeza, força de carácter,
prudência, capacidade de previsão. São
elas que asseguram o bom governo.
O poder real parecia não admitir
limites: nenhum privilégio e nenhuma
liberdade, privada ou pública, estava
acima do rei. O soberano absoluto
detinha superiormente e
arbitrariamente todos os poderes
políticos: o poder legislativo. Só o rei
podia promulgar ou revogar as leis; ele
era a lei viva; o poder judicial. O Rei
era o supremo juiz no seu reino e as
suas decisões eram únicas que não
admitiam apelação; e o poder
executivo. Do rei dependiam todas as
decisões de governação: possuía a chefia
suprema do exército e só ele podia
declarar a guerra ou a paz; chefiava
superiormente todas as instituições e
órgãos político-administrativos, bem
como todo o funcionalismo público,
cada vez mais numeroso, mas sempre
de nomeação régia; a ele eram devidos
todos os impostos, pois, mesmo quando
estes andavam alienados aos
privilegiados, isso acontecia por graça
ou concessão régia e nunca por direito
das ordens.
O Palácio era, simultaneamente, lugar
de governação, de ostentação do poder
e de controlo das ordens privilegiadas.
Responder:
a) Refira as caraterísticas do poder
absoluto.
b) Explicite os poderes do rei
absoluto.
“Gostaria que pudésseis
ver o rei. Tem o ar de um
grande dissimulador e
olhos da raposa. Não fala
nunca dos negócios do
Estado a não ser quando
está em Conselho (…).
O rei faz tudo o que pode
para mostrar que não
está dominado pelos
ministros e nunca
nenhum príncipe foi
menos governado. Quer
saber tudo.”
Primi Visconti
Palácio de Versalhes
O Palácio era, simultaneamente, lugar de
governação, de ostentação do poder e de
controlo das ordens privilegiadas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
Lídia Fortunato
 
RepúBlica Romana
RepúBlica RomanaRepúBlica Romana
RepúBlica Romana
Eder Schultz
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
Susana Simões
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
Carla Teixeira
 
Roma
RomaRoma
O absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º anoO absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º ano
Carla Teixeira
 
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
Edson
 
História de roma oficial
História de roma oficialHistória de roma oficial
História de roma oficial
Nilmar Galvão
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
Sofia Marques
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
JoTita Gonçalves
 
Koneski Aula império Romano
 Koneski Aula império Romano Koneski Aula império Romano
Koneski Aula império Romano
Tavinho Koneski Westphal
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Valeria Kosicki
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRioO Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
Sílvia Mendonça
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
Fernando Fagundes
 
A república romana
A república romanaA república romana
A república romana
historiando
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Juliana_hst
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
HistN
 
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
Norberto Correa
 

Mais procurados (20)

O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
RepúBlica Romana
RepúBlica RomanaRepúBlica Romana
RepúBlica Romana
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
O absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º anoO absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º ano
 
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
 
História de roma oficial
História de roma oficialHistória de roma oficial
História de roma oficial
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
Koneski Aula império Romano
 Koneski Aula império Romano Koneski Aula império Romano
Koneski Aula império Romano
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRioO Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
O Mundo Romano No Apogeu Do ImpéRio
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
A república romana
A república romanaA república romana
A república romana
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
 
ROMA ANTIGA
ROMA ANTIGAROMA ANTIGA
ROMA ANTIGA
 

Destaque

Questionario brincantes-28042014
Questionario brincantes-28042014Questionario brincantes-28042014
Questionario brincantes-28042014
Teresa Kátia A. de Albuquerque
 
Um caso a contar
Um caso a contarUm caso a contar
Um caso a contar
José Edmilson
 
27 04-2014
27 04-201427 04-2014
27 04-2014
Nuno Bessa
 
Formación de grupo I - MANDELA 2014
Formación de grupo I - MANDELA 2014Formación de grupo I - MANDELA 2014
Formación de grupo I - MANDELA 2014
Carlos Orlando Jara
 
70
7070
Sugerencia segundo ciclo (5 a)
Sugerencia segundo ciclo (5 a)Sugerencia segundo ciclo (5 a)
Sugerencia segundo ciclo (5 a)elbaulvolador
 
Investigação aponta invasão da costa do rio por coral assassino
Investigação aponta invasão da costa do rio por coral assassinoInvestigação aponta invasão da costa do rio por coral assassino
Investigação aponta invasão da costa do rio por coral assassino
Ivo Fonseca
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
restartilovee
 
Questionario brincantes-28042014
Questionario brincantes-28042014Questionario brincantes-28042014
Questionario brincantes-28042014
Teresa Kátia A. de Albuquerque
 
Contador
ContadorContador
Contador
JF Moncayo
 
Pode ser que o amanhã tarde será. Omoço do poema que disse.
Pode ser que o amanhã tarde será. Omoço do poema que disse.Pode ser que o amanhã tarde será. Omoço do poema que disse.
Pode ser que o amanhã tarde será. Omoço do poema que disse.
Seduc MT
 
Mês de maria 2014
Mês de maria 2014Mês de maria 2014
Mês de maria 2014
Nuno Bessa
 
Q37
Q37Q37
Graficos
GraficosGraficos
Graficos
zipa1
 
Brief #5 - BITUCAS
Brief #5  - BITUCASBrief #5  - BITUCAS
Brief #5 - BITUCAS
PontoPasta UFPR
 
Hospital campos de batalla
Hospital campos de batallaHospital campos de batalla
Hospital campos de batalla
Actividades Maipú
 
Lista capturas 24 horas
Lista capturas 24 horasLista capturas 24 horas
Lista capturas 24 horas
Horacio Pina
 
Se1
Se1Se1
Se1
lveiga
 
Modelagem matemática atuarial e simulações numéricas
Modelagem matemática atuarial e simulações numéricasModelagem matemática atuarial e simulações numéricas
Modelagem matemática atuarial e simulações numéricas
Universidade Federal Fluminense
 
160614_livro_inst_partic_ambito_seg_pub_cap3
160614_livro_inst_partic_ambito_seg_pub_cap3160614_livro_inst_partic_ambito_seg_pub_cap3
160614_livro_inst_partic_ambito_seg_pub_cap3
Ana Carolina Pekny
 

Destaque (20)

Questionario brincantes-28042014
Questionario brincantes-28042014Questionario brincantes-28042014
Questionario brincantes-28042014
 
Um caso a contar
Um caso a contarUm caso a contar
Um caso a contar
 
27 04-2014
27 04-201427 04-2014
27 04-2014
 
Formación de grupo I - MANDELA 2014
Formación de grupo I - MANDELA 2014Formación de grupo I - MANDELA 2014
Formación de grupo I - MANDELA 2014
 
70
7070
70
 
Sugerencia segundo ciclo (5 a)
Sugerencia segundo ciclo (5 a)Sugerencia segundo ciclo (5 a)
Sugerencia segundo ciclo (5 a)
 
Investigação aponta invasão da costa do rio por coral assassino
Investigação aponta invasão da costa do rio por coral assassinoInvestigação aponta invasão da costa do rio por coral assassino
Investigação aponta invasão da costa do rio por coral assassino
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Questionario brincantes-28042014
Questionario brincantes-28042014Questionario brincantes-28042014
Questionario brincantes-28042014
 
Contador
ContadorContador
Contador
 
Pode ser que o amanhã tarde será. Omoço do poema que disse.
Pode ser que o amanhã tarde será. Omoço do poema que disse.Pode ser que o amanhã tarde será. Omoço do poema que disse.
Pode ser que o amanhã tarde será. Omoço do poema que disse.
 
Mês de maria 2014
Mês de maria 2014Mês de maria 2014
Mês de maria 2014
 
Q37
Q37Q37
Q37
 
Graficos
GraficosGraficos
Graficos
 
Brief #5 - BITUCAS
Brief #5  - BITUCASBrief #5  - BITUCAS
Brief #5 - BITUCAS
 
Hospital campos de batalla
Hospital campos de batallaHospital campos de batalla
Hospital campos de batalla
 
Lista capturas 24 horas
Lista capturas 24 horasLista capturas 24 horas
Lista capturas 24 horas
 
Se1
Se1Se1
Se1
 
Modelagem matemática atuarial e simulações numéricas
Modelagem matemática atuarial e simulações numéricasModelagem matemática atuarial e simulações numéricas
Modelagem matemática atuarial e simulações numéricas
 
160614_livro_inst_partic_ambito_seg_pub_cap3
160614_livro_inst_partic_ambito_seg_pub_cap3160614_livro_inst_partic_ambito_seg_pub_cap3
160614_livro_inst_partic_ambito_seg_pub_cap3
 

Semelhante a Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415

Caderno diário O Absolutismo Régio
Caderno diário O Absolutismo RégioCaderno diário O Absolutismo Régio
Caderno diário O Absolutismo Régio
Laboratório de História
 
O absolutismo régio resumo
O absolutismo régio resumoO absolutismo régio resumo
O absolutismo régio resumo
Escoladocs
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.pptMódulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
NunoFilipeFelixFaust
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
JoanaRitaSilva
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Política
PolíticaPolítica
Política
tsocio
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Nelia Salles Nantes
 
Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo 2013
Absolutismo   2013Absolutismo   2013
Absolutismo 2013
historiando
 
Absolutismo 2014
Absolutismo   2014Absolutismo   2014
Absolutismo 2014
Nelia Salles Nantes
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Laboratório de História
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Historia2000
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
Laboratório de História
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Laboratório de História
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmp
Péricles Penuel
 
SociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavelSociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavel
Matheus Lima
 

Semelhante a Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415 (20)

Caderno diário O Absolutismo Régio
Caderno diário O Absolutismo RégioCaderno diário O Absolutismo Régio
Caderno diário O Absolutismo Régio
 
O absolutismo régio resumo
O absolutismo régio resumoO absolutismo régio resumo
O absolutismo régio resumo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.pptMódulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Política
PolíticaPolítica
Política
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019
 
Absolutismo 2013
Absolutismo   2013Absolutismo   2013
Absolutismo 2013
 
Absolutismo 2014
Absolutismo   2014Absolutismo   2014
Absolutismo 2014
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmp
 
SociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavelSociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavel
 

Mais de Laboratório de História

Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Laboratório de História
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Laboratório de História
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
Laboratório de História
 
O modelo romano 1415
O modelo romano 1415O modelo romano 1415
O modelo romano 1415
Laboratório de História
 
Apresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo atenienseApresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo ateniense
Laboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
 
O modelo romano 1415
O modelo romano 1415O modelo romano 1415
O modelo romano 1415
 
Apresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo atenienseApresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo ateniense
 

Último

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 

Último (20)

O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 

Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415

  • 1. 1 O Antigo Regime e o Absolutismo Régio Por Raul Silva No século XVII, as monarquias absolutas distinguiam-se das que não o eram pelo papel que cabia ao rei na estrutura do Estado e pela forma como o poder real se exercia. Os reis absolutos foram a primeira e mais poderosa figura dos seus Estados e exerceram o poder de forma: pessoal (ou seja, personalidade, não admitindo delegações); absoluta (que não reconhece outro poder além ou acima do seu; que controlo); e única, isto é, não repartida ou partilhada com ninguém, nem mesmo com as ordens. A soberania régia era um legado divino, recebido directamente pelos reis no dia da sua coroação, quando eram ungidos e sacralizados como imagens de Deus sobre a Terra. Assim investido, o poder real parecia não admitir limites: nenhum privilégio e nenhuma liberdade, privada ou pública, estava acima do rei. O soberano absoluto detinha superiormente e arbitrariamente todos os poderes políticos: o poder legislativo. Só o rei podia promulgar ou revogar as leis; ele era a lei viva; o poder judicial. O Rei era o supremo juiz no seu reino e as suas decisões eram únicas que não admitiam apelação; e o poder executivo. Do rei dependiam todas as decisões de governação: possuía a chefia suprema do exército e só ele podia declarar a guerra ou a paz; chefiava superiormente todas as instituições e órgãos político-administrativos, bem como todo o funcionalismo público, cada vez mais numeroso, mas sempre de nomeação régia; a ele eram devidos todos os impostos, pois, mesmo quando estes andavam alienados aos privilegiados, isso acontecia por graça ou concessão régia e nunca por direito das ordens. As monarquias ocidentais desta época foram de facto absolutas, pois os seus soberanos governaram sozinhos, não partilhando os atributos da sua soberania nem com os privilegiados, nem com as corporações profissionais, nem com os organismos administrativos das cidades. CADERNODIÁRIO EXTERNATO LUÍS DE CAMÕES N.º 6 https:// www.facebook.com/ historia.externato http:// externatohistoria.blog spot.pt externatohistoria@gm ail.com 25deNovembrode2014
  • 2. 2 CADERNODIÁRIO25deNovembrode2014 Luís XIV o Rei-Sol in Flammermont e Tourneux, Advertências do Parlamento de Paris no século XVII É somente na minha pessoa que reside o poder soberano (…), é somente de mim que os meus tribunais recebem a sua existência e a sua autoridade; a plenitude desta autoridade, que eles não exercem senão em meu nome, permanece sempre em mim, e o seu uso nunca pode ser contra mim voltado; é unicamente a mim que pertence o poder legislativo, sem dependência e sem partilha; é somente por minha autoridade que os funcionários dos meus tribunais procedem, não à formação, mas ao registo, à publicação, à execução da lei, e que lhes é permitido advertir-me o que é do dever de todos os úteis conselheiros; toda a ordem pública emana de mim, e os direitos e interesses da nação, de que se pretende ousar fazer um corpo separado do monarca, estão necessariamente inteiramente nas minhas mãos. O absolutismo régio as caraterísticas No século XVII, as monarquias absolutas distinguiam-se das que não o eram pelo papel que cabia ao rei na estrutura do Estado e pela forma como o poder real se exercia. O poder do monarca absoluto é sagrado, porque provém de Deus que o conferiu aos reis para que estes o exerçam em seu nome. Daqui decorre que atentar contra o rei é um sacrilégio e que se deve obedecer ao príncipe por princípio de religião. Mas, esta origem divina do poder real, se o torna incontestável também lhe impõe limites: os reis devem respeitar o seu próprio poder e só o devem empregar para o bem público. É paternal, por ser este o poder mais conforme com a natureza humana: a primeira ideia de poder que existe entre os homens é a do poder paterno, e fizeram-se os reis pelo modelo dos pais. Por isso, o rei deve satisfazer as necessidades do seu povo, proteger os fracos e governar brandamente, cultivando a imagem de pai do povo. É absoluto, o que significa independente. Por isso, príncipe não deve prestar contas a ninguém do que ordena e não está coagido de forma alguma. Está submetido à razão, isto é, à sabedoria. É esta inteligência, esta percepção superior das coisas inerente ao príncipe, esta certa ciência que faz o povo feliz. O rei, escolhido por Deus, possui certas qualidades intrínsecas: bondade, firmeza, força de carácter, prudência, capacidade de previsão. São elas que asseguram o bom governo. O poder real parecia não admitir limites: nenhum privilégio e nenhuma liberdade, privada ou pública, estava acima do rei. O soberano absoluto detinha superiormente e arbitrariamente todos os poderes políticos: o poder legislativo. Só o rei podia promulgar ou revogar as leis; ele era a lei viva; o poder judicial. O Rei era o supremo juiz no seu reino e as suas decisões eram únicas que não admitiam apelação; e o poder executivo. Do rei dependiam todas as decisões de governação: possuía a chefia suprema do exército e só ele podia declarar a guerra ou a paz; chefiava superiormente todas as instituições e órgãos político-administrativos, bem como todo o funcionalismo público, cada vez mais numeroso, mas sempre de nomeação régia; a ele eram devidos todos os impostos, pois, mesmo quando estes andavam alienados aos privilegiados, isso acontecia por graça ou concessão régia e nunca por direito das ordens. O Palácio era, simultaneamente, lugar de governação, de ostentação do poder e de controlo das ordens privilegiadas. Responder: a) Refira as caraterísticas do poder absoluto. b) Explicite os poderes do rei absoluto. “Gostaria que pudésseis ver o rei. Tem o ar de um grande dissimulador e olhos da raposa. Não fala nunca dos negócios do Estado a não ser quando está em Conselho (…). O rei faz tudo o que pode para mostrar que não está dominado pelos ministros e nunca nenhum príncipe foi menos governado. Quer saber tudo.” Primi Visconti Palácio de Versalhes O Palácio era, simultaneamente, lugar de governação, de ostentação do poder e de controlo das ordens privilegiadas.