SlideShare uma empresa Scribd logo
Da Monarquia ao Império
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Sociedade romana Ordem senatorial Ordem equestre Plebe Libertos Escravos
Donos de grandes propriedades , possuíam as maiores fortunas e ocupavam os cargos políticos mais importantes no Senado. Possuíam propriedades.
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Eram plebeus  desempregados que viviam à custa das famílias mais ricas . Recebiam destas bens de 1ª necessidade e protecção. Em contrapartida, deviam-lhes respeito ,obediência e lealdade.
Libertos Escravos Eram prisioneiros de guerra ou pessoas que não conseguiam pagar suas dívidas; Faziam trabalhos braçais, ensinavam e outras atividades. ,[object Object]
 
De acordo com as fontes tradicionais, sete reis governaram Roma ao longo de dois séculos e meio, período durante o qual o território dominado pelos romanos passou por uma grande expansão. Roma, que não passava de um aglomerado de aldeias, converteu-se numa verdadeira cidade, na qual os reis etruscos executaram grandes obras públicas: saneamento, construções de templos e de locais públicos de reunião. 1º Rei- Rómulo 7ºRei (último)- Tarquínio, O Soberbo
 
República - (do latim  respublica , 'coisa do povo'); vigorou entre 509 a.C. e 27 a.C.  Órgãos políticos da República ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
Antes da destruição de Cartago, o povo e o senado conduziam a governação  entre si com placidez e moderação e não havia competição entre os cidadãos, em glória  nem em domínio. O medo do inimigo mantinha a cidade no bom caminho. Mas assim , que esse temor se afastou dos espíritos , avançaram aqueles defeitos que a prosperidade favorece, a lascívia e o orgulho. E assim, aquela paz que em situação adversa  tinham desejado , uma vez alcançada, a nobreza  começou a submeter aos seus caprichos  as suas funções, o povo, a liberdade  e cada um a puxar para o seu lado , a arrastar e a roubar.  Na guerra  e paz era o arbítrio de poucos que decidia ; em seu poder estavam o tesouro público, as províncias, as magistraturas. O povo era oprimido pela milícia e pela indigência ; o saque da guerra , delapidavam-no os generais. Assim, a avareza aliada ao poder invadiram , poluíram e devastaram tudo , sem limites nem moderação, sem consideração nem respeito por nada , até que ela caiu  por si mesma… a cidade ficou abalada e como um terramoto, a discórdia civil começou a surgir. Salústio
[object Object],[object Object]
Espártaco organizou uma grande revolta de escravos que lutava pelo fim da condição servil e melhores condições de vida.  Espártaco era  era um ex- escravo que tinha sido um gladiador, ele fugiu  com mais um grupo de companheiros, e em 3 anos chegou a reunir mais de 10 mil escravos fugitivos  O  Senado nomeou o general Licínio Crasso para combater os escravos com um poderoso destacamento de dez legiões.   O exército conseguiu vencer o levante de escravos e para coibir outras possíveis revoltas, crucificou seis mil rebeldes sobreviventes ao longo da via Ápia, uma das estradas que dava acesso a Roma.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
Júlio César líder do partido popular Pompeu General Crasso Ex-Cônsul e muito rico ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
Júlio César, general romano que conquistou a Gália. O senado deu-lhe  o governo de uma parte do Império Romano, mas Júlio César tornou-se muito poderoso, e marchou sobre a cidade de Roma obrigando o Senado  a dar-lhe o poder de governar sobre todo o Império.  Júlio César dominou o Senado .
Com medo que Júlio César se tornasse rei, o Senado manda-o assassinar. Quem o matou foi o seu filho adoptivo, Brutus. Júlio César foi apunhalado nas escadas do Senado
 
Octávio Sobrinho de César Itália Marco António General Oriente Lépido Comandante da cavalaria África ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
Leitura do documento da pág. 77
[object Object],[object Object]
Deste modo , a maior parte dos poderes do Senado e do povo passaram  para as mãos de Augusto e a partir desse momento (27 a. C) foi estabelecida uma verdadeira monarquia. . Mas os romanos detestam de tal modo o nome de monarquia que se recusam  a chamar rei aos seus imperadores, ou qualquer outro nome do género. Todavia , uma vez que a administração do Estado  se encontra nas suas mãos, não podemos considerar que o imperador não seja verdadeiramente rei. É verdade que ainda continuam a existir magistrados , de acordo com as leis, mas todas as decisões verdadeiramente importantes são tomadas por quem detém efectivamente o poder, o imperador. Para darem a aparência de que o seu poder não provém da sua própria vontade , mas de leis , os imperadores fazem-se nomear magistrados , exercendo deste modo cargos , que no tempo da República, dependiam da eleição popular. No entanto, têm o cuidado de nunca se intitularem reis ou ditadores. Graças aos títulos que assim obtêm procedem ao recrutamento de tropas, cobram impostos , declaram guerra e fazem a paz, governam Roma, a Itália e as províncias e podem até condenar à morte senadores e cavaleiros. Deste modo, o Imperador dispõe de poderes, que outrora, pertenciam aos cônsules e magistrados. Dion Cássio,  História Romana Explica o verdadeiro poder das instituições e o verdadeiro poder do imperador .
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Poderes do Imperador
O Imperador estabeleceu uma nova organização administrativa do império assente numa rede complexa de instituições e funcionários, supervisionados e comandados pelo Imperador. Em relação às instituições já existentes, estas perderam poderes: Órgão  Funções Senado  O seu nº de membros  e poderes diminuíram. Deixou de poder comandar o exército e de interferir na política externa Continuaram a controlar a administração local Comícios Perdem todos os seus poderes e apenas reúnem apara investir os novos imperadores
Órgãos Funções Conselho Imperial Órgão consultivo e deliberativo  composto por senadores e magistrados  escolhidos pelo Imperador Cabia-lhe  aconselhar o imperador, preparar as leis que deveriam ser apresentadas ao Senado Funcionários imperiais Recrutados directamente pelo imperador entre as classes mais preparadas Tinham funções administrativas  Guarda pretoriana Corpo militar privado do imperador destinado à sua protecção e policiamento  Eram comandado pelo Prefeito do Pretório nomeado pelo imperador .
 
Lê o documento da pág. 79
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
 
Política do Pão e Circo
 
 
 
Octávio César Augusto  fortaleceu as Fronteiras para proteger o império =  Pax Romana . Neste período, a população romana viveu protegida do seu maior receio: as invasões dos bárbaros que viviam junto às fronteiras, o  limes .  Pax romana  era uma expressão já usada na época, possuindo um sentido de segurança, ordem e progresso para todos os povos dominados por Roma. Os povos, línguas e costumes eram díspares, as tensões, focos de revolta e ameaças germânicas no  limes  eram frequentes. Tornava-se necessário, para além de romanizar, estabelecer e manter condições de tranquilidade e paz, para além de segurança e ordem pública. Para isso, o Império servir-se-ia do exército, cada vez mais profissional e formado a partir de recrutamentos um pouco por todo o território, regido por códigos e normas extremamente rígidos e dotado de uma organização, armamento e disciplina tática nunca antes vistos.
Para além de transmitir elementos da cultura, religião e língua romana às regiões onde se fixavam as guarnições militares, bem como a criação de condições favoráveis para o desenvolvimento das economias locais, a sua presença impunha o respeito e a aceitação incondicional da soberania de Roma: a  Paz Romana . Era uma paz armada e atingível apenas pela presença dos legionários.  O apoio e estímulo à colonização latina do Império deve-se também, em grande parte, à presença militar romana, procurando construir-se as quintas,  villae  ou povoações junto aos aquartelamentos ou próximo de vias militares. As legiões eram assim a garantia de uma conjuntura necessária para o desenvolvimento material e a difusão da civilização romana
[object Object]
 
No Império Romano, a cidadania romana é um meio de distinção entre os Romanos e os habitantes dos territórios incorporados no Império. Esta distinção acaba por desaparecer com a extensão da cidadania a todos os habitantes do Império (Edito do imperador Caracala de 212 d. C.). “ Penso  poder satisfazer a majestade dos deuses imortais de uma maneira ao mesmo tempo grandiosa e religiosa, se introduzir, no culto dos deuses, os peregrinos, sendo que concedo a todos os peregrinos que vivem no território a cidadania romana, salvaguardando os direitos das cidades, com excepção dos Bárbaros vencidos. Assim, este édito aumentará a majestade do povo romano. Caracala, Édito 212 Peregrino- estrangeiro, habitante não romano
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
No entanto, era vulgar a atribuição do título de cidadão romano àqueles que se distinguiam pelo seu mérito ou pelos bons serviços prestados a Roma. Alguns destes novos cidadãos escolhiam viver na capital do Império, onde integravam, livremente, a vida política. Este processo de progressiva elevação das províncias e dos seus habitantes ao mesmo estatuto dos seus dominadores concluiu-se, em 212 d. C., quando o imperador Caracala concedeu a plena cidadania romana a todos os habitantes livres do Império. Num processo lento, mas irreversível, soube  estabelecer a igualdade entre os povos conquistados e o povo conquistador. Este facto, sem paralelo na História dos impérios antigos, contribuiu como nenhum outro para a unidade do mundo romano.
 
 
Leitura dos documentos da pág 81
O Direito é um  conjunto de normas jurídicas que rege a vida de um povo. Desta forma, ele existiu em todas as civilizações do mundo antigo, já que não é possível a convivência humana sem definir o conjunto de regras às quais não se deve desobedecer. Foi a necessidade que conduziu os Romanos ao desenvolvimento do Direito. A administração do seu vasto império e a convivência pacífica das suas gentes não seria possível sem um conjunto de leis abrangente e organizado, que definisse as normas a seguir nos grandes e pequenos problemas da vida quotidiana
Direito espelha o espírito prático e metódico deste povo. Começando praticamente do nada, os juristas romanos não só definiram os princípios básicos a que devem obedecer todas as leis como sistematizaram as suas diferentes áreas de aplicação. Tal como os outros povos, inicialmente, os Romanos não tinham leis escritas. Tuso  se baseava no costume, o  Direito Consuetudinário , e era transmitido oralmente de geração em geração, o que dava origem a frequentes deturpações e arbitrariedades.  Foi contra esta situação que, em meados do século V a. C., os plebeus, classe mais desfavorecida, se revoltaram, exigindo leis escritas.  O códice então elaborado, a Lei das XII Tábuas que se tornou o ponto de partida do Direito Romano e do Direito ocidental. Definidor de regras, garante da ordem e da justiça, o Direito actuou como um importante factor de pacificação e união dos povos do Império. Estes não se sentiam sujeitos a um poder subjetivo mas protegidos por leis claras, justas e adequadas à vida em comunidade
Leitura dos documentos da pág 82
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Patricia .
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
cattonia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
cattonia
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
HCA_10I
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Escoladocs
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
Maria Gomes
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
Carla Teixeira
 
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
Jorge Almeida
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaA economia na Roma antiga
A economia na Roma antiga
Maria Gomes
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
Carla Teixeira
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
Ana Barreiros
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
Carina Vale
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
bamp
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
 
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
A Democracia Ateniense no séc. V a. C.
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
A economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaA economia na Roma antiga
A economia na Roma antiga
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 

Destaque

Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
Sofia Marques
 
Otávio Augusto - História
Otávio Augusto - HistóriaOtávio Augusto - História
Otávio Augusto - História
João Almeida
 
Sociedade romana
Sociedade romanaSociedade romana
Sociedade romana
Jorgelgl
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Roma
RomaRoma
Exame mód. I de HCA
Exame mód. I de HCAExame mód. I de HCA
Exame mód. I de HCA
teresagoncalves
 
00 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_201700 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_2017
Vítor Santos
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 

Destaque (8)

Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
 
Otávio Augusto - História
Otávio Augusto - HistóriaOtávio Augusto - História
Otávio Augusto - História
 
Sociedade romana
Sociedade romanaSociedade romana
Sociedade romana
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Exame mód. I de HCA
Exame mód. I de HCAExame mód. I de HCA
Exame mód. I de HCA
 
00 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_201700 1 preparação_exame_nacional_2017
00 1 preparação_exame_nacional_2017
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 

Semelhante a O poder político em roma

Mundo Romano
Mundo RomanoMundo Romano
Mundo Romano
aninhaoliveeeira
 
M1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoM1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romano
João Neves
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
GEILSONJOSEDASILVA
 
2 roma
2 roma2 roma
2 roma
profrogerio1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
Roma
RomaRoma
Roma das origens à república
Roma   das origens à repúblicaRoma   das origens à república
Roma das origens à república
macariojr
 
Koneski Aula império Romano
 Koneski Aula império Romano Koneski Aula império Romano
Koneski Aula império Romano
Tavinho Koneski Westphal
 
Aula I Imperio Romano
Aula I Imperio RomanoAula I Imperio Romano
Aula I Imperio Romano
guest12728e
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
C:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romanoC:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romano
Professor Duda - História
 
Aula i imperio_romano
Aula i imperio_romanoAula i imperio_romano
Aula i imperio_romano
Professor Duda - História
 
Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11Apresentaçãohistdir11
3° ano - Civilização Romana - aula 1
3° ano - Civilização Romana - aula 13° ano - Civilização Romana - aula 1
3° ano - Civilização Romana - aula 1
Daniel Alves Bronstrup
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Pitágoras
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
Vítor Santos
 

Semelhante a O poder político em roma (20)

Mundo Romano
Mundo RomanoMundo Romano
Mundo Romano
 
M1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoM1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romano
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
 
2 roma
2 roma2 roma
2 roma
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma das origens à república
Roma   das origens à repúblicaRoma   das origens à república
Roma das origens à república
 
Koneski Aula império Romano
 Koneski Aula império Romano Koneski Aula império Romano
Koneski Aula império Romano
 
Aula I Imperio Romano
Aula I Imperio RomanoAula I Imperio Romano
Aula I Imperio Romano
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
C:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romanoC:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romano
 
Aula i imperio_romano
Aula i imperio_romanoAula i imperio_romano
Aula i imperio_romano
 
Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11
 
3° ano - Civilização Romana - aula 1
3° ano - Civilização Romana - aula 13° ano - Civilização Romana - aula 1
3° ano - Civilização Romana - aula 1
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

O poder político em roma

  • 1. Da Monarquia ao Império
  • 2.
  • 3. Sociedade romana Ordem senatorial Ordem equestre Plebe Libertos Escravos
  • 4. Donos de grandes propriedades , possuíam as maiores fortunas e ocupavam os cargos políticos mais importantes no Senado. Possuíam propriedades.
  • 5.
  • 6.
  • 7. Eram plebeus desempregados que viviam à custa das famílias mais ricas . Recebiam destas bens de 1ª necessidade e protecção. Em contrapartida, deviam-lhes respeito ,obediência e lealdade.
  • 8.
  • 9.  
  • 10. De acordo com as fontes tradicionais, sete reis governaram Roma ao longo de dois séculos e meio, período durante o qual o território dominado pelos romanos passou por uma grande expansão. Roma, que não passava de um aglomerado de aldeias, converteu-se numa verdadeira cidade, na qual os reis etruscos executaram grandes obras públicas: saneamento, construções de templos e de locais públicos de reunião. 1º Rei- Rómulo 7ºRei (último)- Tarquínio, O Soberbo
  • 11.  
  • 12.
  • 13.
  • 14. Antes da destruição de Cartago, o povo e o senado conduziam a governação entre si com placidez e moderação e não havia competição entre os cidadãos, em glória nem em domínio. O medo do inimigo mantinha a cidade no bom caminho. Mas assim , que esse temor se afastou dos espíritos , avançaram aqueles defeitos que a prosperidade favorece, a lascívia e o orgulho. E assim, aquela paz que em situação adversa tinham desejado , uma vez alcançada, a nobreza começou a submeter aos seus caprichos as suas funções, o povo, a liberdade e cada um a puxar para o seu lado , a arrastar e a roubar. Na guerra e paz era o arbítrio de poucos que decidia ; em seu poder estavam o tesouro público, as províncias, as magistraturas. O povo era oprimido pela milícia e pela indigência ; o saque da guerra , delapidavam-no os generais. Assim, a avareza aliada ao poder invadiram , poluíram e devastaram tudo , sem limites nem moderação, sem consideração nem respeito por nada , até que ela caiu por si mesma… a cidade ficou abalada e como um terramoto, a discórdia civil começou a surgir. Salústio
  • 15.
  • 16. Espártaco organizou uma grande revolta de escravos que lutava pelo fim da condição servil e melhores condições de vida. Espártaco era era um ex- escravo que tinha sido um gladiador, ele fugiu com mais um grupo de companheiros, e em 3 anos chegou a reunir mais de 10 mil escravos fugitivos O Senado nomeou o general Licínio Crasso para combater os escravos com um poderoso destacamento de dez legiões. O exército conseguiu vencer o levante de escravos e para coibir outras possíveis revoltas, crucificou seis mil rebeldes sobreviventes ao longo da via Ápia, uma das estradas que dava acesso a Roma.
  • 17.
  • 18.  
  • 19.
  • 20.  
  • 21.  
  • 22. Júlio César, general romano que conquistou a Gália. O senado deu-lhe o governo de uma parte do Império Romano, mas Júlio César tornou-se muito poderoso, e marchou sobre a cidade de Roma obrigando o Senado a dar-lhe o poder de governar sobre todo o Império. Júlio César dominou o Senado .
  • 23. Com medo que Júlio César se tornasse rei, o Senado manda-o assassinar. Quem o matou foi o seu filho adoptivo, Brutus. Júlio César foi apunhalado nas escadas do Senado
  • 24.  
  • 25.
  • 26.  
  • 27.  
  • 28. Leitura do documento da pág. 77
  • 29.
  • 30. Deste modo , a maior parte dos poderes do Senado e do povo passaram para as mãos de Augusto e a partir desse momento (27 a. C) foi estabelecida uma verdadeira monarquia. . Mas os romanos detestam de tal modo o nome de monarquia que se recusam a chamar rei aos seus imperadores, ou qualquer outro nome do género. Todavia , uma vez que a administração do Estado se encontra nas suas mãos, não podemos considerar que o imperador não seja verdadeiramente rei. É verdade que ainda continuam a existir magistrados , de acordo com as leis, mas todas as decisões verdadeiramente importantes são tomadas por quem detém efectivamente o poder, o imperador. Para darem a aparência de que o seu poder não provém da sua própria vontade , mas de leis , os imperadores fazem-se nomear magistrados , exercendo deste modo cargos , que no tempo da República, dependiam da eleição popular. No entanto, têm o cuidado de nunca se intitularem reis ou ditadores. Graças aos títulos que assim obtêm procedem ao recrutamento de tropas, cobram impostos , declaram guerra e fazem a paz, governam Roma, a Itália e as províncias e podem até condenar à morte senadores e cavaleiros. Deste modo, o Imperador dispõe de poderes, que outrora, pertenciam aos cônsules e magistrados. Dion Cássio, História Romana Explica o verdadeiro poder das instituições e o verdadeiro poder do imperador .
  • 31.  
  • 32.
  • 33. O Imperador estabeleceu uma nova organização administrativa do império assente numa rede complexa de instituições e funcionários, supervisionados e comandados pelo Imperador. Em relação às instituições já existentes, estas perderam poderes: Órgão Funções Senado O seu nº de membros e poderes diminuíram. Deixou de poder comandar o exército e de interferir na política externa Continuaram a controlar a administração local Comícios Perdem todos os seus poderes e apenas reúnem apara investir os novos imperadores
  • 34. Órgãos Funções Conselho Imperial Órgão consultivo e deliberativo composto por senadores e magistrados escolhidos pelo Imperador Cabia-lhe aconselhar o imperador, preparar as leis que deveriam ser apresentadas ao Senado Funcionários imperiais Recrutados directamente pelo imperador entre as classes mais preparadas Tinham funções administrativas Guarda pretoriana Corpo militar privado do imperador destinado à sua protecção e policiamento Eram comandado pelo Prefeito do Pretório nomeado pelo imperador .
  • 35.  
  • 36. Lê o documento da pág. 79
  • 37.
  • 38.  
  • 39.  
  • 40.  
  • 41. Política do Pão e Circo
  • 42.  
  • 43.  
  • 44.  
  • 45. Octávio César Augusto fortaleceu as Fronteiras para proteger o império = Pax Romana . Neste período, a população romana viveu protegida do seu maior receio: as invasões dos bárbaros que viviam junto às fronteiras, o limes . Pax romana era uma expressão já usada na época, possuindo um sentido de segurança, ordem e progresso para todos os povos dominados por Roma. Os povos, línguas e costumes eram díspares, as tensões, focos de revolta e ameaças germânicas no limes eram frequentes. Tornava-se necessário, para além de romanizar, estabelecer e manter condições de tranquilidade e paz, para além de segurança e ordem pública. Para isso, o Império servir-se-ia do exército, cada vez mais profissional e formado a partir de recrutamentos um pouco por todo o território, regido por códigos e normas extremamente rígidos e dotado de uma organização, armamento e disciplina tática nunca antes vistos.
  • 46. Para além de transmitir elementos da cultura, religião e língua romana às regiões onde se fixavam as guarnições militares, bem como a criação de condições favoráveis para o desenvolvimento das economias locais, a sua presença impunha o respeito e a aceitação incondicional da soberania de Roma: a Paz Romana . Era uma paz armada e atingível apenas pela presença dos legionários. O apoio e estímulo à colonização latina do Império deve-se também, em grande parte, à presença militar romana, procurando construir-se as quintas, villae ou povoações junto aos aquartelamentos ou próximo de vias militares. As legiões eram assim a garantia de uma conjuntura necessária para o desenvolvimento material e a difusão da civilização romana
  • 47.
  • 48.  
  • 49. No Império Romano, a cidadania romana é um meio de distinção entre os Romanos e os habitantes dos territórios incorporados no Império. Esta distinção acaba por desaparecer com a extensão da cidadania a todos os habitantes do Império (Edito do imperador Caracala de 212 d. C.). “ Penso poder satisfazer a majestade dos deuses imortais de uma maneira ao mesmo tempo grandiosa e religiosa, se introduzir, no culto dos deuses, os peregrinos, sendo que concedo a todos os peregrinos que vivem no território a cidadania romana, salvaguardando os direitos das cidades, com excepção dos Bárbaros vencidos. Assim, este édito aumentará a majestade do povo romano. Caracala, Édito 212 Peregrino- estrangeiro, habitante não romano
  • 50.
  • 51. No entanto, era vulgar a atribuição do título de cidadão romano àqueles que se distinguiam pelo seu mérito ou pelos bons serviços prestados a Roma. Alguns destes novos cidadãos escolhiam viver na capital do Império, onde integravam, livremente, a vida política. Este processo de progressiva elevação das províncias e dos seus habitantes ao mesmo estatuto dos seus dominadores concluiu-se, em 212 d. C., quando o imperador Caracala concedeu a plena cidadania romana a todos os habitantes livres do Império. Num processo lento, mas irreversível, soube estabelecer a igualdade entre os povos conquistados e o povo conquistador. Este facto, sem paralelo na História dos impérios antigos, contribuiu como nenhum outro para a unidade do mundo romano.
  • 52.  
  • 53.  
  • 55. O Direito é um conjunto de normas jurídicas que rege a vida de um povo. Desta forma, ele existiu em todas as civilizações do mundo antigo, já que não é possível a convivência humana sem definir o conjunto de regras às quais não se deve desobedecer. Foi a necessidade que conduziu os Romanos ao desenvolvimento do Direito. A administração do seu vasto império e a convivência pacífica das suas gentes não seria possível sem um conjunto de leis abrangente e organizado, que definisse as normas a seguir nos grandes e pequenos problemas da vida quotidiana
  • 56. Direito espelha o espírito prático e metódico deste povo. Começando praticamente do nada, os juristas romanos não só definiram os princípios básicos a que devem obedecer todas as leis como sistematizaram as suas diferentes áreas de aplicação. Tal como os outros povos, inicialmente, os Romanos não tinham leis escritas. Tuso se baseava no costume, o Direito Consuetudinário , e era transmitido oralmente de geração em geração, o que dava origem a frequentes deturpações e arbitrariedades. Foi contra esta situação que, em meados do século V a. C., os plebeus, classe mais desfavorecida, se revoltaram, exigindo leis escritas. O códice então elaborado, a Lei das XII Tábuas que se tornou o ponto de partida do Direito Romano e do Direito ocidental. Definidor de regras, garante da ordem e da justiça, o Direito actuou como um importante factor de pacificação e união dos povos do Império. Estes não se sentiam sujeitos a um poder subjetivo mas protegidos por leis claras, justas e adequadas à vida em comunidade
  • 58.  
  • 59.