SlideShare uma empresa Scribd logo
1
A implantação do Marxismo
Leninismo na Rússia
A revolução do proletariado
Por Raul Silva
Em outubro de 1917, a Rússia viveu uma revolução que fez do país o primeiro Estado
socialista do mundo. Em Marx procuraram os revolucionários a inspiração. Em Lenine
encontraram o líder incontestado e o grande responsável pela implementação dos princípios
marxistas. As suas ideias e a sua ação deram corpo ao chamado marxismo-leninismo.
Na Rússia construiu-se um novo modelo de organização económica, social e política que
deixou profundas marcas na História do século XX.
O marxismo-leninismo caracterizou-se por enfatizar o papel dos operários e camponeses, na
conquista do poder, pela via revolucionária e jamais pela evolução política; a identificação do
Estado com o Partido Comunista, considerado a vanguarda do proletariado; o recurso à força
e à violência na concretização da ditadura do proletariado.
CADERNODIÁRIO
EXTERNATO LUÍS DE
CAMÕES
N.º 16
https://
www.facebook.com/
historia.externato
http://
externatohistoria.blog
spot.pt
externatohistoria@gm
ail.com
20deAbrilde2015
2
CADERNODIÁRIO20deAbrilde2015
1917: o ano das
revoluções
de fevereiro a
outubro
Ao iniciar-se o século XX, o extenso
império russo vivia ainda à maneira
feudal, com 100 milhões de
camponeses (85% da população) a
trabalharem as terras dos nobres,
pouco férteis e geladas, e com
instrumentos rudimentares, de cujo
rendimento tinham de entregar 50%
aos proprietários. O operariado era
escasso (3 milhões) e sofria más
condições de trabalho e de vida. A
burguesia (advogados, médicos,
professores, inteletuais) e nobreza
liberal ansiavam por modernizar o
país, através de reformas. As vozes
descontentes faziam-se ouvir nos
diversos partidos políticos (Sociais-
Democratas, formado por inteletuais no
exílio, como Lenine; Socialistas
Revolucionários, constituído por
operários e inteletuais defensores da
socialização dos meios de produção;
Constitucionais Democratas, composto
por burgueses apoiantes de um governo
parlamentar) apesar da reduzida
liberdade e perseguições à oposição.
Em 1903, devido a divergências de
programa os Sociais-Democratas
dividem-se em bolcheviques, adeptos do
Marxismo-Leninismo e Mencheviques,
adeptos do socialismo reformista.
Enquanto estes partidos vivam na
clandestinidade, o czar Nicolau II
governava autoritariamente rodeado de
uma corte faustosa e corrupta.
Em 1905, o descontentamento era
generalizado, agravado com a derrota
russa frente ao Japão (1904), pela posse
da Manchúria. Após o episódio do
“Domingo Sangrento”, o czar vê-se
obrigado a acalmar os ânimos com
algumas medidas liberais, convocando
eleições para o Parlamento para este
elaborar uma Constituição e abolindo
certos privilégios à nobreza.
Perante deputados “fantoches” ou a
dissolução constante da Duma, a revolta
cresce e acaba por se tornar imparável
com a entrada da Rússia na Grande
Guerra, como membro da Aliança
Entente, ao lado da França. Devido à
má preparação do exército, as derrotas
sucedem-se e custam milhares de
mortos e inválidos e desorganizam a já
débil economia russa. Ao descrédito
militar junta-se a agitação social com o
desemprego, a falta de géneros, inflação
e repressão.
Responder:
a) Enunciar os principais fatores
que levaram à revolução
socialista soviética.
Pesquisar:
https://www.youtube.com/watch?
v=gf3vdUR1R4Y
A Revolução
e os antecedentes
in A. Nenarókov, 1987
“A greve dos operários ontem ocorrida
por motivo de falta de pão prosseguiu
hoje, não tendo trabalhado durante o
dia 131 empresas com 158583
trabalhadores. (...) Entre os
manifestantes observava-se um número
considerável de jovens estudantes. (...)
Hoje a agitação adquiriu ainda maiores
dimensões e pode já assinalar-se um
centro dirigente, de onde são recebidas
as diretivas... Se não forem tomadas
medidas decididas para reprimir as
desordens, é possível que na segunda-
feira sejam erguidas barricadas.
De assinalar-se que entre as unidades
militares chamadas para esmagar as
desordens se observa simpatia pelos
manifestantes, e algumas unidades,
assumindo mesmo uma atitude
protetora, encorajam a multidão
dizendo: avancem com mais força. (...)”
“A 3 de dezembro, o grão
duque Paulo pediu uma
audiência ao czar. (...) Ele
contou toda a
efervescência social de
Petrogrado e Moscovo,
onde as vozes se
tornavam mais atrevidas
e as críticas mais duras.
Falou do
descontentamento do
povo que, desde há
meses, fazia fila para
obter pão, cujo preço
triplicara. (...)”
Princesse Paley, 1923
Czar Nicolau II
Último monarca da longa dinastia dos
Romanov e derradeiro czar da Rússia,
ascendeu ao trono em 1894, com 26 anos,
sucedendo a Alexandre III. Pautou-se por uma
política absolutista.
3
CADERNODIÁRIO20deAbrilde2015
A revolução de
outubro
a revolução do
proletariado
Em 1917, estavam reunidos as
condições para acontecer uma
revolução, que estalaria em fevereiro/
março, onde a burguesia ascende ao
poder, pondo fim ao czarismo e
instaurando um regime republicano,
na Rússia. Os revolucionários exigem
abdicação de Nicolau II e formam um
Governo Provisionário, constituído por
Kerensky e pelo princípe Lvov e mais
nove membros.
Paralelamente, formam-se Sovietes por
todo o país, que serão liderados pelo
Soviete de S. Petersburgo, onde se
destacará Lenine, logo que regressa do
exílio. Verifica-se uma espécie de duplo
poder a atuar em pararelo: o governo
provisório, de cariz burguês, liberal e
reformista e os sovietes, operários e
camponeses adeptos do marxismo. O
governo esforça-se por impor uma
democracia parlamentar e toma várias
medidas liberalizantes: libertação dos
presos políticos e regresso dos exilados;
promulga as liberdades civis;
preparação de eleições para a
Assembleia; separação da Igreja do
Estado. Mas recusou retirar-se da
guerra mundial e a distribuir terras aos
camponeses. A população descontente,
integra-se nos sovietes, controlados
pelos bolcheviques, insurge-se e exige a
retirada da guerra e a confiscação das
terras ou então o derrube do governo
burguês e a entrega do poder aos
sovietes. Em outubro estala uma nova
revolução, liderada pelos bolcheviques,
constituídos em Guardas Vermelhos,
que assaltam o Palácio de Inverno, em
S. Petersburgo, sede do governo
provisório, para assumirem o poder.
Com o poder nas mãos dos Sovietes, são
decretadas, de imediato, medidas
revolucionárias que vão ao encontro das
aspirações da população, sua base social
de apoio: abolição, sem indemnizações,
do direito de propriedade privada sobre
a terra que foi distribuída pelos
camponeses, sem ter de pagar qualquer
renda; controlo operário nas fábricas
privadas pelas comissões de
trabalhadores; nacionalização dos
bancos e comércio externo;
promulgação da 1ª Constituição e
instituição do regime de partido único;
direito de todos os povos do antigo
império russo disporem da sua
soberania, incluindo a independência;
cisão dentro do movimento socialista;
negociações para a Paz com a retirada
imediata da guerra, através do tratado
de Brest-Litovky (março de 1918),
assinado com a Alemanha, embora com
inúmeras perdas: regiões bálticas
(Estónia, Letónia, Lituânia e Finlândia),
Polónia e Ucrânia.
Responder:
a) Explicar as razões da eclosão da
revolução de Outubro.
b) Identificar as primeiras
realizações do Governo
revolucionário.
A Revolução de outubro
e o seu impacto
Lenine, abril de 1917
“3) Nenhum apoio ao governo
provisório.
4) Explicar às massas que os sovietes de
deputados operários são a única forma
possível de um governo revolucionário.
5) Não à república parlamentar, sim à
república de camponeses operários,
assalariados agrícolas e camponeses, no
país inteiro, de baixo até cima (...).
6) Nacionalização de todas as terras no
país; as terras serão postas à disposição
dos sovietes locais de deputados dos
assalariados agrícolas e camponeses. (...)
8) A nossa tarefa imediata não é a de
introduzir o socialismo, mas
unicamente de passar ao controlo da
produção social e da repartição de
produtos pelos sovietes de deputados
operários.”
“O Comité provisório (...)
deixar-se-á guiar pelos
seguintes princípios:
1. Amnistia imediata e
completa (...).
2. Liberdade de palavra,
de imprensa e de reunião,
assim como o direito de
se sindicalizar e de fazer
a greve (...).
3. Abolição de todas as
restrições fundadas na
origem social (...).
4. Preparação de uma
Assembleia Constituinte
(...).”
Propósitos de Governo Provisório,
16 de março de 1917
Lenine
Revolucionário e chefe de Estado russo,
responsável em grande parte pela execução
da Revolução Russa de 1917. Líder do Partido
Comunista e primeiro presidente do Conselho
dos Comissários do Povo da União Soviética.
4
CADERNODIÁRIO20deAbrilde2015
A ditadura do
proletariado
e o comunismo
de guerra
O arrastamento das negociações, a
resistência dos proprietários e
empresários aos novos decretos, o
regresso de 7 milhões de soldados, o
desemprego e a persistência da
agitação social não permitiram a
adesão fácil ao bolchevismo, tendo
resultado numa guerra civil
(1918-1920).
A contra-revolução não se fizera
esperar. Os Mencheviques, apoiados
pela Igreja, latifundiários, burgueses e
potências ocidentais, reuniram-se à
volta do Exército Branco para
enfrentar o já existente Exército
Vermelho, dos bolcheviques.
Os confrontos terminarão devido aos
desentendimentos internos entre
Mencheviques e ao receio da população
em regressar ao passado pelo que
apoiaram o Exército Vermelho.
Saldou-se em 10 milhões de mortos pelo
frio, fome, epidemias e pelos ferimentos.
Embora seguindo os princípios do
Marxismo, Lenine teve de fazer
adaptações ao caso russo,
nomeadamente incluir os camponeses
no proletariado, e enfrentar a pouca
adesão popular aos decretos
revolucionários. Teve, por isso, de atuar
energeticamente perante a guerra civil
através do comunismo de guerra. Nesta
fase, Lenine vê-se obrigado a esquecer a
democracia dos sovietes e a tornar
medidas excepcionais, no sentido de
nacionalizar a economia (os bens na
mãos do estado) para garantir o
abastecimento das populações e do
exército vermelho: os excedentes
agrícolas foram requisitados aos
camponeses que os deviam vender
obrigatoriamente ao estado a preços
fixos e baixos; as indústrias com mais de
100 operários foram retirados aos seus
donos e entregues aos trabalhadores; o
comércio externo e interno livres foram
reduzidos e as embarcações
nacionalizadas; as grandes propriedades
que ainda persistiam foram
expropriadas, sem indemnizações,
sendo entregues aos sovietes ou Comités
agrícolas; o trabalho passou a ser
obrigatório dos 16 anos aos 50 anos e,
muitas vezes, pago em géneros de 1ª
necessidade; os salários eram atribuídos
conforme o rendimento e a indisciplina
laboral reprimida.
Foram proibidos todos os restantes
partidos e os jornais ditos burgueses, os
mencheviques afastados dos sovietes e
dissolvida a Assembleia Constituinte.
Instala-se um clima de Terror com a
polícia política russa - Tcheca - a atuar
como arma do governo e
substituindo-se aos tribunais.
Responder:
a) Enunciar as principais
dificuldades sentidas pelo
Governo revolucionário.
b) Explicar as razões de Lenine para
aplicar a ditadura do proletariado
e o comunismo de guerra.
A ditadura do
proletariado
a caminho do
comunismo
Lenine, O Estado e a Revolução, 1917
“A sociedade capitalista, considerada
nas suas condições de desenvolvimento
mais favoráveis, oferece-nos uma
democracia mais ou menos completa.
Mas esta democracia (...) permanece,
no fundo, uma democracia para a
maioria, unicamente para as classes
possidentes, unicamente para os ricos.
A ditadura do proletariado, isto é, a
organização da vanguarda dos
oprimidos em classe dominante para
abater os opressores, não pode limitar-
se a um simples alargamento da
democracia. (...) Tornada, pela primeira
vez, democracia para o povo e não para
os ricos, a ditadura do proletariado traz
uma série de restrições à liberdade dos
opressores, os exploradores, os
capitalistas. Estes devem ser abatidos a
fim de libertar a humanidade da
escravatura assalariada (...)”
“1) A propriedade dos
proprietários fundiários
sobre a terra é abolida
imediatamente sem
qualquer indemnização.
2) Os domínios dos
proprietários fundiários,
assim como todas as
terras dos mosteiros e da
Igreja, com todos os seus
animais mortos e vivos,
todas as construções e
dependências, são
postos à disposição dos
comités agrários.”
Decreto sobre a terra, 8 de
novembro de 1917
Ditadura do proletariado
A superioridade numérica e a capacidade
revolucionária do proletariado devia traduzir-se
num esforço de cariz revolucionário contra a
burguesia, de modo a desalojá-la do poder e
assim eliminar a economia capitalista.
5
CADERNODIÁRIO20deAbrilde2015
Nova Política
Económica
o abandono do
comunismo de
guerra
Entre 1920 e 1921, a Rússia
encontrou-se num verdadeiramente no
caos económico e as vítimas da fome
ascenderam aos 6 milhões: os
camponeses produziam apenas para
consumo próprio, fazendo descer para
50% da produção agrícola verificada
em 1913 (antes da guerra); a produção
industrial diminuiu, relativamente a
1913, e os caminhos de ferro e
extração mineira estavam parados; a
insatisfação e a miséria generalizaram-
se.
Em 1921, Lenine opta por fazer um
recuo estratégico. A nova política
económica (NEP) consistiu num
conjunto de medidas liberalizadoras da
economia num misto de iniciativa
estatal e privada. Na agricultura, as
requisições das collheitas foram
substituídas por impostos em géneros;
deu liberdade aos camponeses para
cultivarem o que desejassem e de
vender os seus excedentes no mercado
de modo a estimular as trocas e a
produção. Na indústria, as empresas
com menos operários foram entregues
aos seus antigos donos; foi permitida a
entrada de capitais, técnicos e matérias-
primas estrangeiras; criaram-se prémios
de produtividade.
Os resultados desta abertura ao
capitalismo, embora parcial, permitiram
relançar a produção agrícola e as
relações campo-cidade. A produção
industrial foi a que menos cresceu, mas
mesmo assim, as empresas estatais
triplicaram-na em 3 anos. A criação de
uma nova classe média burguesa, de
proprietários rurais abastados e
pequenos comerciantes irá por em
causa o comunismo e chocar com os
bolcheviques.
Responder:
a) Indicar as consequências
económicas, sociais e políticas
da nova política económica.
Pesquisar:
https://www.youtube.com/watch?
v=Zz4xaqdxUz4
A Nova Política
Económica
recuo estratégico
Lenine, 1921
“O comunismo de guerra
particularizava-se pelo facto de nós
tomarmos aos camponeses todos os
excedentes e, por vezes mesmo, uma
parte dos produtos necessários à sua
subsistência, para podermos alimentar
os operários. (...)
Estamos tão arruinados, tão abalados
pelo fardo da guerra, que não podemos
dar ao camponês os produtos industriais
em troca do trigo. (...)
A miséria e a ruína são tais que não
podemos restabelecer a grande
produção socialista, nas grandes
fábricas do Estado. (...) Por conseguinte,
é necessário restabelecer a pequena
indústria.
(...) Que resulta daí? Seguindo uma
certa liberdade de comércio, renascem
a pequena burguesia e o capitalismo.
(...) O capitalismo privado poder ajudar
ao desenvolvimento do socialismo. (...)
Nada há de perigoso nisto enquanto o
proletariado detiver firmemente o
poder, enquanto detiver firmemente
entre as suas mãos os transportes e a
indústria pesada.”
“A fome era tão severa
que era duvidoso que os
grãos de sementes
seriam plantadas em vez
de comidas. Os
camponeses, muitas
vezes tiveram que
recorrer a ervas
alimentares, alimentos
substitutos e até ao
canibalismo tentando
guardar sementes para o
plantio no outono.”
Célia Couto
A Grande Fome
A fome e as epidemias que se lhe seguiram,
causaram mais de 3 milhões de mortos.
Grupos de crianças abandonadas
deambulavam por aldeias e cidades,
esgaravatando no lixo e roubando.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Revolução Russa de Outubro
A Revolução Russa de OutubroA Revolução Russa de Outubro
A Revolução Russa de Outubro
cotaradical
 
3 A revolução russa de 1917 e a implantação do marxismo-leninismo
3 A revolução russa de 1917 e a implantação do marxismo-leninismo3 A revolução russa de 1917 e a implantação do marxismo-leninismo
3 A revolução russa de 1917 e a implantação do marxismo-leninismo
Núria Inácio
 
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Laboratório de História
 
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICOA CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
gofontoura
 
Era estalinista
Era estalinistaEra estalinista
Era estalinista
Cristina Coelho
 
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
Marcos Mamute
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
home
 
O fim do socialismo
O fim do socialismoO fim do socialismo
O fim do socialismo
Marinara Moreira
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
Totalitarismo (salazarismo, franquismo,stalinismo, fascismo,
Totalitarismo  (salazarismo, franquismo,stalinismo, fascismo,Totalitarismo  (salazarismo, franquismo,stalinismo, fascismo,
Totalitarismo (salazarismo, franquismo,stalinismo, fascismo,
Marcos Mamute
 
Regresso ao Demoliberalismo
Regresso ao DemoliberalismoRegresso ao Demoliberalismo
Regresso ao Demoliberalismo
Rui Nobre
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
Sérgio Machado
 
A Revolução Russa
A Revolução Russa A Revolução Russa
A Revolução Russa
cotaradical
 
REVOLUÇÃO RUSSA
REVOLUÇÃO RUSSAREVOLUÇÃO RUSSA
REVOLUÇÃO RUSSA
Professor Duda - História
 
Urss
UrssUrss
Urss
CPH
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
winterverno
 
Revolucao e guerra civil na Russia
Revolucao e guerra civil na RussiaRevolucao e guerra civil na Russia
Revolucao e guerra civil na Russia
Felipe Hiago
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
Fatima Freitas
 
Russia
RussiaRussia
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
Carlos Vieira
 

Mais procurados (20)

A Revolução Russa de Outubro
A Revolução Russa de OutubroA Revolução Russa de Outubro
A Revolução Russa de Outubro
 
3 A revolução russa de 1917 e a implantação do marxismo-leninismo
3 A revolução russa de 1917 e a implantação do marxismo-leninismo3 A revolução russa de 1917 e a implantação do marxismo-leninismo
3 A revolução russa de 1917 e a implantação do marxismo-leninismo
 
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
 
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICOA CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
 
Era estalinista
Era estalinistaEra estalinista
Era estalinista
 
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
Revolução Russa (Revolução e Stalinismo)
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
 
O fim do socialismo
O fim do socialismoO fim do socialismo
O fim do socialismo
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Totalitarismo (salazarismo, franquismo,stalinismo, fascismo,
Totalitarismo  (salazarismo, franquismo,stalinismo, fascismo,Totalitarismo  (salazarismo, franquismo,stalinismo, fascismo,
Totalitarismo (salazarismo, franquismo,stalinismo, fascismo,
 
Regresso ao Demoliberalismo
Regresso ao DemoliberalismoRegresso ao Demoliberalismo
Regresso ao Demoliberalismo
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
A Revolução Russa
A Revolução Russa A Revolução Russa
A Revolução Russa
 
REVOLUÇÃO RUSSA
REVOLUÇÃO RUSSAREVOLUÇÃO RUSSA
REVOLUÇÃO RUSSA
 
Urss
UrssUrss
Urss
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Revolucao e guerra civil na Russia
Revolucao e guerra civil na RussiaRevolucao e guerra civil na Russia
Revolucao e guerra civil na Russia
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Russia
RussiaRussia
Russia
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
 

Destaque

Caderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismoCaderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismo
Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão 1314
Caderno diário a grande depressão 1314Caderno diário a grande depressão 1314
Caderno diário a grande depressão 1314
Laboratório de História
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Laboratório de História
 
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficasApresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo
Caderno Diário Portugal e o Estado NovoCaderno Diário Portugal e o Estado Novo
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo
Laboratório de História
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Laboratório de História
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213
Escoladocs
 
Caderno diário os loucos anos 20
Caderno diário os loucos anos 20Caderno diário os loucos anos 20
Caderno diário os loucos anos 20
Laboratório de História
 
Caderno Diário 1ª guerra mundial
Caderno Diário 1ª guerra mundialCaderno Diário 1ª guerra mundial
Caderno Diário 1ª guerra mundial
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Laboratório de História
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
Vítor Santos
 
A Construção do Estado Novo
A Construção do Estado NovoA Construção do Estado Novo
A Construção do Estado Novo
Ana Batista
 
Portugal: Do Autoritarismo a Democracia
Portugal: Do Autoritarismo a DemocraciaPortugal: Do Autoritarismo a Democracia
Portugal: Do Autoritarismo a Democracia
João Fernandes
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
maria40
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à Democracia
Carlos Vieira
 

Destaque (20)

Caderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismoCaderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismo
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
Caderno diário a grande depressão 1314
Caderno diário a grande depressão 1314Caderno diário a grande depressão 1314
Caderno diário a grande depressão 1314
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
 
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficasApresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
Apresentação Portugal coordenadas económicas e demográficas
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo
Caderno Diário Portugal e o Estado NovoCaderno Diário Portugal e o Estado Novo
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213Caderno Diário Roma 1213
Caderno Diário Roma 1213
 
Caderno diário os loucos anos 20
Caderno diário os loucos anos 20Caderno diário os loucos anos 20
Caderno diário os loucos anos 20
 
Caderno Diário 1ª guerra mundial
Caderno Diário 1ª guerra mundialCaderno Diário 1ª guerra mundial
Caderno Diário 1ª guerra mundial
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
Caderno Diário Imobilismo político e crescimento político do pós guerra a 1974
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
A Construção do Estado Novo
A Construção do Estado NovoA Construção do Estado Novo
A Construção do Estado Novo
 
Portugal: Do Autoritarismo a Democracia
Portugal: Do Autoritarismo a DemocraciaPortugal: Do Autoritarismo a Democracia
Portugal: Do Autoritarismo a Democracia
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à Democracia
 

Semelhante a Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415

Revolução russa de 1917
Revolução russa de 1917Revolução russa de 1917
Revolução russa de 1917
carneiro62
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
dmflores21
 
A revolução russa
A revolução russaA revolução russa
A revolução russa
Martileny Vieira
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
Isabel Aguiar
 
Aimplantacaodomarxismoleninismo
AimplantacaodomarxismoleninismoAimplantacaodomarxismoleninismo
Aimplantacaodomarxismoleninismo
carneiro62
 
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacionalA revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
Evonaldo Gonçalves Vanny
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
josafaslima
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
Rose Vital
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
luizinhovlr
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Denyse Ursulino
 
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
josafaslima
 
Revolução russa 9 ano
Revolução russa 9 anoRevolução russa 9 ano
Revolução russa 9 ano
Frederico Marques Sodré
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
João Marcelo
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdfA revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
Rafa Rafael JW
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
Rita1A1
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Portal do Vestibulando
 
07 revolucao russa
07   revolucao russa07   revolucao russa
07 revolucao russa
Portal do Vestibulando
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Portal do Vestibulando
 

Semelhante a Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415 (20)

Revolução russa de 1917
Revolução russa de 1917Revolução russa de 1917
Revolução russa de 1917
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
A revolução russa
A revolução russaA revolução russa
A revolução russa
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
 
Aimplantacaodomarxismoleninismo
AimplantacaodomarxismoleninismoAimplantacaodomarxismoleninismo
Aimplantacaodomarxismoleninismo
 
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacionalA revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe AssunçãoESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
ESTUDO DIRIGIDO REVOLUÇÃO RUSSA - Prof. Ms. Noe Assunção
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
Roteiro de Aula - Revolução Russa de 1917
 
Revolução russa 9 ano
Revolução russa 9 anoRevolução russa 9 ano
Revolução russa 9 ano
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
 
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdfA revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
A revolução socialista de Outubro de 1917.pdf
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
07 revolucao russa
07   revolucao russa07   revolucao russa
07 revolucao russa
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 

Mais de Laboratório de História

Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Laboratório de História
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Laboratório de História
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
Laboratório de História
 
O modelo romano 1415
O modelo romano 1415O modelo romano 1415
O modelo romano 1415
Laboratório de História
 
Apresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo atenienseApresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo ateniense
Laboratório de História
 
Caderno Diário O modelo ateniense
Caderno Diário O modelo atenienseCaderno Diário O modelo ateniense
Caderno Diário O modelo ateniense
Laboratório de História
 
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e DemográficasApresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Laboratório de História
 
Apresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado NovoApresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado Novo
Laboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
 
O modelo romano 1415
O modelo romano 1415O modelo romano 1415
O modelo romano 1415
 
Apresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo atenienseApresentação O modelo ateniense
Apresentação O modelo ateniense
 
Caderno Diário O modelo ateniense
Caderno Diário O modelo atenienseCaderno Diário O modelo ateniense
Caderno Diário O modelo ateniense
 
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e DemográficasApresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
 
Apresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado NovoApresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado Novo
 

Último

Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 

Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415

  • 1. 1 A implantação do Marxismo Leninismo na Rússia A revolução do proletariado Por Raul Silva Em outubro de 1917, a Rússia viveu uma revolução que fez do país o primeiro Estado socialista do mundo. Em Marx procuraram os revolucionários a inspiração. Em Lenine encontraram o líder incontestado e o grande responsável pela implementação dos princípios marxistas. As suas ideias e a sua ação deram corpo ao chamado marxismo-leninismo. Na Rússia construiu-se um novo modelo de organização económica, social e política que deixou profundas marcas na História do século XX. O marxismo-leninismo caracterizou-se por enfatizar o papel dos operários e camponeses, na conquista do poder, pela via revolucionária e jamais pela evolução política; a identificação do Estado com o Partido Comunista, considerado a vanguarda do proletariado; o recurso à força e à violência na concretização da ditadura do proletariado. CADERNODIÁRIO EXTERNATO LUÍS DE CAMÕES N.º 16 https:// www.facebook.com/ historia.externato http:// externatohistoria.blog spot.pt externatohistoria@gm ail.com 20deAbrilde2015
  • 2. 2 CADERNODIÁRIO20deAbrilde2015 1917: o ano das revoluções de fevereiro a outubro Ao iniciar-se o século XX, o extenso império russo vivia ainda à maneira feudal, com 100 milhões de camponeses (85% da população) a trabalharem as terras dos nobres, pouco férteis e geladas, e com instrumentos rudimentares, de cujo rendimento tinham de entregar 50% aos proprietários. O operariado era escasso (3 milhões) e sofria más condições de trabalho e de vida. A burguesia (advogados, médicos, professores, inteletuais) e nobreza liberal ansiavam por modernizar o país, através de reformas. As vozes descontentes faziam-se ouvir nos diversos partidos políticos (Sociais- Democratas, formado por inteletuais no exílio, como Lenine; Socialistas Revolucionários, constituído por operários e inteletuais defensores da socialização dos meios de produção; Constitucionais Democratas, composto por burgueses apoiantes de um governo parlamentar) apesar da reduzida liberdade e perseguições à oposição. Em 1903, devido a divergências de programa os Sociais-Democratas dividem-se em bolcheviques, adeptos do Marxismo-Leninismo e Mencheviques, adeptos do socialismo reformista. Enquanto estes partidos vivam na clandestinidade, o czar Nicolau II governava autoritariamente rodeado de uma corte faustosa e corrupta. Em 1905, o descontentamento era generalizado, agravado com a derrota russa frente ao Japão (1904), pela posse da Manchúria. Após o episódio do “Domingo Sangrento”, o czar vê-se obrigado a acalmar os ânimos com algumas medidas liberais, convocando eleições para o Parlamento para este elaborar uma Constituição e abolindo certos privilégios à nobreza. Perante deputados “fantoches” ou a dissolução constante da Duma, a revolta cresce e acaba por se tornar imparável com a entrada da Rússia na Grande Guerra, como membro da Aliança Entente, ao lado da França. Devido à má preparação do exército, as derrotas sucedem-se e custam milhares de mortos e inválidos e desorganizam a já débil economia russa. Ao descrédito militar junta-se a agitação social com o desemprego, a falta de géneros, inflação e repressão. Responder: a) Enunciar os principais fatores que levaram à revolução socialista soviética. Pesquisar: https://www.youtube.com/watch? v=gf3vdUR1R4Y A Revolução e os antecedentes in A. Nenarókov, 1987 “A greve dos operários ontem ocorrida por motivo de falta de pão prosseguiu hoje, não tendo trabalhado durante o dia 131 empresas com 158583 trabalhadores. (...) Entre os manifestantes observava-se um número considerável de jovens estudantes. (...) Hoje a agitação adquiriu ainda maiores dimensões e pode já assinalar-se um centro dirigente, de onde são recebidas as diretivas... Se não forem tomadas medidas decididas para reprimir as desordens, é possível que na segunda- feira sejam erguidas barricadas. De assinalar-se que entre as unidades militares chamadas para esmagar as desordens se observa simpatia pelos manifestantes, e algumas unidades, assumindo mesmo uma atitude protetora, encorajam a multidão dizendo: avancem com mais força. (...)” “A 3 de dezembro, o grão duque Paulo pediu uma audiência ao czar. (...) Ele contou toda a efervescência social de Petrogrado e Moscovo, onde as vozes se tornavam mais atrevidas e as críticas mais duras. Falou do descontentamento do povo que, desde há meses, fazia fila para obter pão, cujo preço triplicara. (...)” Princesse Paley, 1923 Czar Nicolau II Último monarca da longa dinastia dos Romanov e derradeiro czar da Rússia, ascendeu ao trono em 1894, com 26 anos, sucedendo a Alexandre III. Pautou-se por uma política absolutista.
  • 3. 3 CADERNODIÁRIO20deAbrilde2015 A revolução de outubro a revolução do proletariado Em 1917, estavam reunidos as condições para acontecer uma revolução, que estalaria em fevereiro/ março, onde a burguesia ascende ao poder, pondo fim ao czarismo e instaurando um regime republicano, na Rússia. Os revolucionários exigem abdicação de Nicolau II e formam um Governo Provisionário, constituído por Kerensky e pelo princípe Lvov e mais nove membros. Paralelamente, formam-se Sovietes por todo o país, que serão liderados pelo Soviete de S. Petersburgo, onde se destacará Lenine, logo que regressa do exílio. Verifica-se uma espécie de duplo poder a atuar em pararelo: o governo provisório, de cariz burguês, liberal e reformista e os sovietes, operários e camponeses adeptos do marxismo. O governo esforça-se por impor uma democracia parlamentar e toma várias medidas liberalizantes: libertação dos presos políticos e regresso dos exilados; promulga as liberdades civis; preparação de eleições para a Assembleia; separação da Igreja do Estado. Mas recusou retirar-se da guerra mundial e a distribuir terras aos camponeses. A população descontente, integra-se nos sovietes, controlados pelos bolcheviques, insurge-se e exige a retirada da guerra e a confiscação das terras ou então o derrube do governo burguês e a entrega do poder aos sovietes. Em outubro estala uma nova revolução, liderada pelos bolcheviques, constituídos em Guardas Vermelhos, que assaltam o Palácio de Inverno, em S. Petersburgo, sede do governo provisório, para assumirem o poder. Com o poder nas mãos dos Sovietes, são decretadas, de imediato, medidas revolucionárias que vão ao encontro das aspirações da população, sua base social de apoio: abolição, sem indemnizações, do direito de propriedade privada sobre a terra que foi distribuída pelos camponeses, sem ter de pagar qualquer renda; controlo operário nas fábricas privadas pelas comissões de trabalhadores; nacionalização dos bancos e comércio externo; promulgação da 1ª Constituição e instituição do regime de partido único; direito de todos os povos do antigo império russo disporem da sua soberania, incluindo a independência; cisão dentro do movimento socialista; negociações para a Paz com a retirada imediata da guerra, através do tratado de Brest-Litovky (março de 1918), assinado com a Alemanha, embora com inúmeras perdas: regiões bálticas (Estónia, Letónia, Lituânia e Finlândia), Polónia e Ucrânia. Responder: a) Explicar as razões da eclosão da revolução de Outubro. b) Identificar as primeiras realizações do Governo revolucionário. A Revolução de outubro e o seu impacto Lenine, abril de 1917 “3) Nenhum apoio ao governo provisório. 4) Explicar às massas que os sovietes de deputados operários são a única forma possível de um governo revolucionário. 5) Não à república parlamentar, sim à república de camponeses operários, assalariados agrícolas e camponeses, no país inteiro, de baixo até cima (...). 6) Nacionalização de todas as terras no país; as terras serão postas à disposição dos sovietes locais de deputados dos assalariados agrícolas e camponeses. (...) 8) A nossa tarefa imediata não é a de introduzir o socialismo, mas unicamente de passar ao controlo da produção social e da repartição de produtos pelos sovietes de deputados operários.” “O Comité provisório (...) deixar-se-á guiar pelos seguintes princípios: 1. Amnistia imediata e completa (...). 2. Liberdade de palavra, de imprensa e de reunião, assim como o direito de se sindicalizar e de fazer a greve (...). 3. Abolição de todas as restrições fundadas na origem social (...). 4. Preparação de uma Assembleia Constituinte (...).” Propósitos de Governo Provisório, 16 de março de 1917 Lenine Revolucionário e chefe de Estado russo, responsável em grande parte pela execução da Revolução Russa de 1917. Líder do Partido Comunista e primeiro presidente do Conselho dos Comissários do Povo da União Soviética.
  • 4. 4 CADERNODIÁRIO20deAbrilde2015 A ditadura do proletariado e o comunismo de guerra O arrastamento das negociações, a resistência dos proprietários e empresários aos novos decretos, o regresso de 7 milhões de soldados, o desemprego e a persistência da agitação social não permitiram a adesão fácil ao bolchevismo, tendo resultado numa guerra civil (1918-1920). A contra-revolução não se fizera esperar. Os Mencheviques, apoiados pela Igreja, latifundiários, burgueses e potências ocidentais, reuniram-se à volta do Exército Branco para enfrentar o já existente Exército Vermelho, dos bolcheviques. Os confrontos terminarão devido aos desentendimentos internos entre Mencheviques e ao receio da população em regressar ao passado pelo que apoiaram o Exército Vermelho. Saldou-se em 10 milhões de mortos pelo frio, fome, epidemias e pelos ferimentos. Embora seguindo os princípios do Marxismo, Lenine teve de fazer adaptações ao caso russo, nomeadamente incluir os camponeses no proletariado, e enfrentar a pouca adesão popular aos decretos revolucionários. Teve, por isso, de atuar energeticamente perante a guerra civil através do comunismo de guerra. Nesta fase, Lenine vê-se obrigado a esquecer a democracia dos sovietes e a tornar medidas excepcionais, no sentido de nacionalizar a economia (os bens na mãos do estado) para garantir o abastecimento das populações e do exército vermelho: os excedentes agrícolas foram requisitados aos camponeses que os deviam vender obrigatoriamente ao estado a preços fixos e baixos; as indústrias com mais de 100 operários foram retirados aos seus donos e entregues aos trabalhadores; o comércio externo e interno livres foram reduzidos e as embarcações nacionalizadas; as grandes propriedades que ainda persistiam foram expropriadas, sem indemnizações, sendo entregues aos sovietes ou Comités agrícolas; o trabalho passou a ser obrigatório dos 16 anos aos 50 anos e, muitas vezes, pago em géneros de 1ª necessidade; os salários eram atribuídos conforme o rendimento e a indisciplina laboral reprimida. Foram proibidos todos os restantes partidos e os jornais ditos burgueses, os mencheviques afastados dos sovietes e dissolvida a Assembleia Constituinte. Instala-se um clima de Terror com a polícia política russa - Tcheca - a atuar como arma do governo e substituindo-se aos tribunais. Responder: a) Enunciar as principais dificuldades sentidas pelo Governo revolucionário. b) Explicar as razões de Lenine para aplicar a ditadura do proletariado e o comunismo de guerra. A ditadura do proletariado a caminho do comunismo Lenine, O Estado e a Revolução, 1917 “A sociedade capitalista, considerada nas suas condições de desenvolvimento mais favoráveis, oferece-nos uma democracia mais ou menos completa. Mas esta democracia (...) permanece, no fundo, uma democracia para a maioria, unicamente para as classes possidentes, unicamente para os ricos. A ditadura do proletariado, isto é, a organização da vanguarda dos oprimidos em classe dominante para abater os opressores, não pode limitar- se a um simples alargamento da democracia. (...) Tornada, pela primeira vez, democracia para o povo e não para os ricos, a ditadura do proletariado traz uma série de restrições à liberdade dos opressores, os exploradores, os capitalistas. Estes devem ser abatidos a fim de libertar a humanidade da escravatura assalariada (...)” “1) A propriedade dos proprietários fundiários sobre a terra é abolida imediatamente sem qualquer indemnização. 2) Os domínios dos proprietários fundiários, assim como todas as terras dos mosteiros e da Igreja, com todos os seus animais mortos e vivos, todas as construções e dependências, são postos à disposição dos comités agrários.” Decreto sobre a terra, 8 de novembro de 1917 Ditadura do proletariado A superioridade numérica e a capacidade revolucionária do proletariado devia traduzir-se num esforço de cariz revolucionário contra a burguesia, de modo a desalojá-la do poder e assim eliminar a economia capitalista.
  • 5. 5 CADERNODIÁRIO20deAbrilde2015 Nova Política Económica o abandono do comunismo de guerra Entre 1920 e 1921, a Rússia encontrou-se num verdadeiramente no caos económico e as vítimas da fome ascenderam aos 6 milhões: os camponeses produziam apenas para consumo próprio, fazendo descer para 50% da produção agrícola verificada em 1913 (antes da guerra); a produção industrial diminuiu, relativamente a 1913, e os caminhos de ferro e extração mineira estavam parados; a insatisfação e a miséria generalizaram- se. Em 1921, Lenine opta por fazer um recuo estratégico. A nova política económica (NEP) consistiu num conjunto de medidas liberalizadoras da economia num misto de iniciativa estatal e privada. Na agricultura, as requisições das collheitas foram substituídas por impostos em géneros; deu liberdade aos camponeses para cultivarem o que desejassem e de vender os seus excedentes no mercado de modo a estimular as trocas e a produção. Na indústria, as empresas com menos operários foram entregues aos seus antigos donos; foi permitida a entrada de capitais, técnicos e matérias- primas estrangeiras; criaram-se prémios de produtividade. Os resultados desta abertura ao capitalismo, embora parcial, permitiram relançar a produção agrícola e as relações campo-cidade. A produção industrial foi a que menos cresceu, mas mesmo assim, as empresas estatais triplicaram-na em 3 anos. A criação de uma nova classe média burguesa, de proprietários rurais abastados e pequenos comerciantes irá por em causa o comunismo e chocar com os bolcheviques. Responder: a) Indicar as consequências económicas, sociais e políticas da nova política económica. Pesquisar: https://www.youtube.com/watch? v=Zz4xaqdxUz4 A Nova Política Económica recuo estratégico Lenine, 1921 “O comunismo de guerra particularizava-se pelo facto de nós tomarmos aos camponeses todos os excedentes e, por vezes mesmo, uma parte dos produtos necessários à sua subsistência, para podermos alimentar os operários. (...) Estamos tão arruinados, tão abalados pelo fardo da guerra, que não podemos dar ao camponês os produtos industriais em troca do trigo. (...) A miséria e a ruína são tais que não podemos restabelecer a grande produção socialista, nas grandes fábricas do Estado. (...) Por conseguinte, é necessário restabelecer a pequena indústria. (...) Que resulta daí? Seguindo uma certa liberdade de comércio, renascem a pequena burguesia e o capitalismo. (...) O capitalismo privado poder ajudar ao desenvolvimento do socialismo. (...) Nada há de perigoso nisto enquanto o proletariado detiver firmemente o poder, enquanto detiver firmemente entre as suas mãos os transportes e a indústria pesada.” “A fome era tão severa que era duvidoso que os grãos de sementes seriam plantadas em vez de comidas. Os camponeses, muitas vezes tiveram que recorrer a ervas alimentares, alimentos substitutos e até ao canibalismo tentando guardar sementes para o plantio no outono.” Célia Couto A Grande Fome A fome e as epidemias que se lhe seguiram, causaram mais de 3 milhões de mortos. Grupos de crianças abandonadas deambulavam por aldeias e cidades, esgaravatando no lixo e roubando.