SlideShare uma empresa Scribd logo
Roma foi fundada na península Itálica
durante o século VIII a.C. Durante os seus
doze séculos de existência, a civilização
romana transitou da monarquia para
uma república oligárquica até se tornar
num vasto império que dominou a
Europa Central e ao redor de todo o Mar
Mediterrâneo através da conquista e
assimilação cultural. Roma contribuiu
muito para o desenvolvimento no mundo
ocidental de várias áreas de estudo,
como o direito, teoria militar, arte,
literatura,arquitetura, lingüística, e a sua
história persiste como uma grande
influência mundial, mesmo nos dias de
hoje.
Meu nome é Obelix. Eu e meu amigo
Asterix vamos contar um pouco da
História de Roma para vocês
História de ROMA
por Obelix e Asterix
Roma foi fundada na península Itálica durante o século
VIII a.C. Durante os seus doze séculos de existência, a
civilização romana transitou da monarquia para uma
república oligárquica até se tornar num vasto império
que dominou a Europa Central e ao redor de todo o
Mar Mediterrâneo através da conquista e assimilação
cultural.
Roma contribuiu muito para o
desenvolvimento no mundo
ocidental de várias áreas de
estudo, como o direito, teoria
militar, arte,
literatura,arquitetura,
lingüística, e a sua história
persiste como uma grande
influência mundial, mesmo nos
dias de hoje.
Você sabia Asterix
quais camadas sociais
compunham a Antiga
roma???
• Patrícios: eram grandes proprietários de
terras, rebanhos e escravos.
Desfrutavam de direitos políticos e
podiam desempenhar altas funções
públicas no exército, na religião, na
justiça ou na administração. Eram os
cidadãos romanos.
• Clientes: eram homens livres que se
associavam aos patrícios, prestando-
lhes diversos serviços pessoais em troca
de auxílio econômico e proteção social.
Constituíam ponto de apoio da
denominação política e militar dos
patrícios.
• Plebeus: eram homens e mulheres livres
que se dedicavam ao comércio, ao
artesanato e aos trabalhos agrícolas.
Não possuíam qualquer tipo de direito
ou participação política.
• Escravos: Representavam uma
propriedade, e, assim, o senhor tinha o
direito de castigá-los, de vendê-los ou de
alugar seus serviços. Muitos escravos
também eram eventualmente libertados.
E os principais
governantes ? Você se
lembra???
Mas teve
muita revolta
plebeia nessa
época
Com o estabelecimento da
República, os plebeus ainda eram
uma classe desprovida de
direitos políticos. Os primeiros
órgãos governamentais só
contavam com os membros da
aristocracia romana.
Antes dessa revolta, os Plebeus eram chamados para
irem para as guerras, deixando de produzir e
deixando para trás sua família. Quando voltavam,
não recebiam nada e tinham perdido tudo pois não
produziam para sustentar sua família.
A partir do século V a.C., uma série de revoltas plebéias se instalaram na
cidade de Roma. Plebeus das mais variadas condições econômicas
exigiram a reforma das instituições políticas romanas. Compondo uma
população bastante numerosa, os plebeus representavam uma grande
ameaça aos interesses dos patrícios. Ao longo de três séculos, um conjunto
de cinco principais revoltas plebéias conseguiu reorganizar o cenário
político romano.
A primeira dessas revoltas, acontecida em 494 a.C., foi dada em um
contexto no qual os plebeus aproveitaram de uma ameaça de invasão
estrangeira à cidade de Roma. Esvaziando as tropas militares da cidade, os
plebeus se refugiaram no Monte Sagrado exigindo a criação de um cargo
político exclusivamente controlado por plebeus. Em resposta, o Senado
Romano constituiu a magistratura dos Tribunos da Plebe, que poderiam
vetar qualquer lei que ferisse o interesse dos plebeus.
O tribuno (em latim tribunus) era o magistrado que atuava junto ao Senado em
defesa dos direitos e interesses da plebe. Os tribunos (a princípio dois; mais tarde
passaram a quatro, cinco e dez em 471 a.C.) eram os representantes da plebe,
extremamente poderosos, eleitos pelos Conselhos da Plebe Diante dessas
assembléias populares, apresentavam proposições de caráter político,
administrativo e militar. Com os tribunos, os plebeus ficavam garantidos contra a
arbitrariedade dos magistrados patrícios, pois os tribunos - cuja inviolabilidade
pessoal lhes era conferida por lei sagrada - detinham o poder de vetar, exceto
durante guerras, ordens ou decisões dos magistrados patrícios (como o cônsul e
os senadores), além de poderem interferir nas eleições, convocações dos
Comícios e outros atos de interesse público; podiam impedi-los, por exemplo. Só
contra o ditador não podiam exercer o poder de veto. Esse veto, entretanto,
podia ser neutralizado pela ação de outro tribuno mais dócil ao patriciado.
Apesar dessa primeira conquista, a tradição oral nas leis
romanas, controladas pelos patrícios, prejudicavam
enormemente os plebeus. Fazendo pressão contra os
patrícios, os plebeus conseguiram a formulação de uma lei
escrita dentro de Roma. Essas leis, criadas em 450 a.C.,
ficaram conhecidas como as Leis das Doze Tábuas. Cinco
anos depois, outra revolta exigiu a permissão do casamento
entre plebeus e patrícios. Através da Lei da Canuléia, que
liberou os casamentos, os plebeus puderam ascender
socialmente e ampliar sua participação política.
Por volta de 367 a.C., uma nova lei foi estabelecida mediante
revoltas plebéias. A extensão das grandes propriedades
patrícias gerava uma desleal concorrência com os plebeus
que eram pequenos proprietários de terra. Não resistindo à
concorrência econômica dos patrícios, muitos plebeus
endividavam-se e eram transformados em escravos. Nesse
contexto, a Lei Licínia Sextia promoveu o fim da escravidão
por dívida e ainda garantiu a participação dos plebeus nas
demais magistraturas e cargos públicos romanos.
Em cerca de 450 a.C., depois de uma revolta
plebéia, uma comissão de dez membros
(decênviros) publicou pela primeira vez um
código de leis válido para todos. Em 445 a.C.,
com a Lei de Canuleio, foi autorizada a união
matrimonial entre patrícios e plebeus. Mas no
ano seguinte, com o fim de impedir que os
plebeus conseguissem o direito de se tornar
cônsules, essa magistratura foi abolida pelos
patrícios.
O consulado, entretanto, foi restabelecido em 366 a.C., e o
acesso a ele foi permitido aos plebeus pelas Leis de Licínio e
Sextio, ambos tribunos da plebe. Foram ainda criadas duas
novas magistraturas (funções políticas) – a dos pretores e a dos
censores –, reservadas com exclusividade aos patrícios e às
quais foi transferida parte dos poderes do antigo consulado. Os
plebeus, contudo, continuaram sua luta, exigindo acesso a
todas as magistraturas, o que lhes foi concedido em 300 a.C.
Por fim, em 286 a.C., através da Lei Hortênsia, os plebiscitos
tornaram-se leis válidas também para os patrícios. A partir de
então passou a ocorrer o comício das tribos ou assembléia
tribal, com a participação de patrícios e plebeus. Em 326 a.C.,
outra medida importante abolira a escravidão por dívidas que
pesava sobre os plebeus empobrecidos.
Com as revoltas plebéias, foram obtidos os
seguintes direitos:Tributos da Plebe,
Assembléia da Plebe, Lei das Doze Tabuas, Lei
Canuléia, Lei Licinia Sextia e ascensão nas
magistraturas. Deixaram de ser escravos por
dívidas e recebiam terras conquistadas por
Roma.
Nos anos 200 a.C., os ataques das tribos bárbaras da
Germânia começaram a ameaçar o Império Romano. Com a
dificuldade que existia para um Imperador defender e
governar a vasta extensão do seu império, em 285,
Diocleciano, decidiu dividi-lo em dois. Assim, Diocleciano,
governou a parte oriental, com a capital em Nicomedia, na
Ásia Menor e o General Maximiliano, governou a parte
ocidental como Imperador, a partir de Milão.
Em 324, Constantino, reunifica o Império, mas em 364 é de
novo dividido. De 364 a 395 foi mais uma vez unificado por
Teodósio I, e depois dividido pela última vez.
A parte ocidental, teve sempre na sua dirigência uma sucessão de
Imperadores fracos, estando o primeiro, Honório, sob a influência de
um General vândalo, Estilicão.
Sob a ameaça de contínuos ataques dos Visigodos e outros Bárbaros,
os Romanos, começaram a abandonar as zonas fronteiriças do
Império pela Britânia, que evacuaram em 407. Três anos decorridos,
os Visigodos, sob o comando de Alarico, saquearam Roma.
Em 451, os Romanos recuperaram o controlo e expulsaram Atila e os
Hunos na Batalha de Châlons-sur-Maine, mas em 455 uma onda
Vândala, saqueou Roma, e a partir daí, foram cada vez mais os
Bárbaros que se instalaram em Itália. O último Imperador Ocidental
foi Rómulo Augusto, deposto em 476.
Essa foi um pouca da
História de Roma...
Um abraço!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em roma
Carla Teixeira
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
Lídia Fortunato
 
Roma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à RepúblicaRoma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à República
Patrícia Costa Grigório
 
Roma slides
Roma slidesRoma slides
Roma slides
Naiani Fenalti
 
Roma
RomaRoma
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
Jonathan Alves
 
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
Edson
 
O Senado Romano Monarquia, República e Império
O Senado Romano Monarquia, República e ImpérioO Senado Romano Monarquia, República e Império
O Senado Romano Monarquia, República e Império
Guilherme Lopes
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
JoTita Gonçalves
 
Cruzadinha sobre a Roma Antiga
Cruzadinha sobre a  Roma AntigaCruzadinha sobre a  Roma Antiga
Cruzadinha sobre a Roma Antiga
Mary Alvarenga
 
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperial
Susana Simões
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
Susana Simões
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Munis Pedro
 
Imperio do brasil primeiro reinado
Imperio do brasil   primeiro reinadoImperio do brasil   primeiro reinado
Imperio do brasil primeiro reinado
Carlos Zaranza
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
Fernando Fagundes
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
Paulo Alexandre
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Laboratório de História
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Janaína Tavares
 
Roma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ ImpérioRoma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ Império
Professora Natália de Oliveira
 

Mais procurados (20)

O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em roma
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
Roma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à RepúblicaRoma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à República
 
Roma slides
Roma slidesRoma slides
Roma slides
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113Módulo 6   monarquia e república romanas 111 112-113
Módulo 6 monarquia e república romanas 111 112-113
 
O Senado Romano Monarquia, República e Império
O Senado Romano Monarquia, República e ImpérioO Senado Romano Monarquia, República e Império
O Senado Romano Monarquia, República e Império
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
Cruzadinha sobre a Roma Antiga
Cruzadinha sobre a  Roma AntigaCruzadinha sobre a  Roma Antiga
Cruzadinha sobre a Roma Antiga
 
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperial
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
 
Imperio do brasil primeiro reinado
Imperio do brasil   primeiro reinadoImperio do brasil   primeiro reinado
Imperio do brasil primeiro reinado
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ ImpérioRoma: Monarquia/ República/ Império
Roma: Monarquia/ República/ Império
 

Destaque

Astérix na hispânia
Astérix na hispâniaAstérix na hispânia
Astérix na hispânia
Natercia
 
Roma Asterix
Roma Asterix Roma Asterix
Roma Asterix
Maria Gomes
 
Os gregos no século v a
Os gregos no século v aOs gregos no século v a
Os gregos no século v a
Teresa Maia
 
Asterix y obelix, asterix legionario y la residencia de los dioses
Asterix y obelix, asterix legionario y la residencia de los diosesAsterix y obelix, asterix legionario y la residencia de los dioses
Asterix y obelix, asterix legionario y la residencia de los dioses
plionio
 
Astérix legionario y la residencia de los dioses
Astérix legionario y la residencia de los diosesAstérix legionario y la residencia de los dioses
Astérix legionario y la residencia de los dioses
ury4
 
Roma Asterix
Roma AsterixRoma Asterix
Roma Asterix
Maria Gomes
 
Asterix sergio muñoz
Asterix sergio muñozAsterix sergio muñoz
Asterix sergio muñoz
Sergio Muñoz
 
Arte e urbanismo de Roma
Arte e urbanismo de RomaArte e urbanismo de Roma
Arte e urbanismo de Roma
Maria Gomes
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
Bruno Ganhão
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Maria Gomes
 
A arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romanoA arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romano
Maria Gomes
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
cruchinho
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
Carla Teixeira
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 

Destaque (14)

Astérix na hispânia
Astérix na hispâniaAstérix na hispânia
Astérix na hispânia
 
Roma Asterix
Roma Asterix Roma Asterix
Roma Asterix
 
Os gregos no século v a
Os gregos no século v aOs gregos no século v a
Os gregos no século v a
 
Asterix y obelix, asterix legionario y la residencia de los dioses
Asterix y obelix, asterix legionario y la residencia de los diosesAsterix y obelix, asterix legionario y la residencia de los dioses
Asterix y obelix, asterix legionario y la residencia de los dioses
 
Astérix legionario y la residencia de los dioses
Astérix legionario y la residencia de los diosesAstérix legionario y la residencia de los dioses
Astérix legionario y la residencia de los dioses
 
Roma Asterix
Roma AsterixRoma Asterix
Roma Asterix
 
Asterix sergio muñoz
Asterix sergio muñozAsterix sergio muñoz
Asterix sergio muñoz
 
Arte e urbanismo de Roma
Arte e urbanismo de RomaArte e urbanismo de Roma
Arte e urbanismo de Roma
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
A arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romanoA arte e o urbanismo romano
A arte e o urbanismo romano
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 

Semelhante a Roma 090507125559-phpapp01

ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
GEILSONJOSEDASILVA
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
vaniareginahistoria1
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
C:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romanoC:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romano
Professor Duda - História
 
Aula i imperio_romano
Aula i imperio_romanoAula i imperio_romano
Aula i imperio_romano
Professor Duda - História
 
A república romana
A república romanaA república romana
A república romana
historiando
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11Apresentaçãohistdir11
Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.
Élen Vanessa Silva
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
Karoline Sena
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Hope Anjo
 
Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
Aula 02 roma
Aula 02   romaAula 02   roma
Aula 02 roma
Jonatas Carlos
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
ElvisJohnR
 
Antiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7anoAntiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7ano
Leonardo Caputo
 

Semelhante a Roma 090507125559-phpapp01 (20)

ROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdfROMA ANTIGA.pdf
ROMA ANTIGA.pdf
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
ImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano BlogImpéRio Romano Blog
ImpéRio Romano Blog
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
C:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romanoC:\fakepath\aula i imperio_romano
C:\fakepath\aula i imperio_romano
 
Aula i imperio_romano
Aula i imperio_romanoAula i imperio_romano
Aula i imperio_romano
 
A república romana
A república romanaA república romana
A república romana
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
 
Roma 2020
Roma 2020Roma 2020
Roma 2020
 
Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11Apresentaçãohistdir11
Apresentaçãohistdir11
 
Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.Império Romano - Resumo.
Império Romano - Resumo.
 
Capítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma AntigaCapítulo 9 - Roma Antiga
Capítulo 9 - Roma Antiga
 
Roma antiga 2
Roma antiga 2Roma antiga 2
Roma antiga 2
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12Apresentaçãohistdir12
Apresentaçãohistdir12
 
Aula 02 roma
Aula 02   romaAula 02   roma
Aula 02 roma
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Antiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7anoAntiguidade clássica roma 7ano
Antiguidade clássica roma 7ano
 

Mais de Paula Pereira

Livrodosdesejos
LivrodosdesejosLivrodosdesejos
Livrodosdesejos
Paula Pereira
 
Testelivro
TestelivroTestelivro
Testelivro
Paula Pereira
 
Mensagem+1+dia++ +2+aluno+problema
Mensagem+1+dia++ +2+aluno+problemaMensagem+1+dia++ +2+aluno+problema
Mensagem+1+dia++ +2+aluno+problema
Paula Pereira
 
PREMIO NACIONAL DE REFERENCIA EM GESTÃO 2014
PREMIO NACIONAL DE REFERENCIA EM GESTÃO 2014PREMIO NACIONAL DE REFERENCIA EM GESTÃO 2014
PREMIO NACIONAL DE REFERENCIA EM GESTÃO 2014
Paula Pereira
 
Nte
NteNte
Terminologia
TerminologiaTerminologia
Terminologia
Paula Pereira
 
Tecnologia Assistiva
Tecnologia AssistivaTecnologia Assistiva
Tecnologia Assistiva
Paula Pereira
 
Tempo Integral
Tempo IntegralTempo Integral
Tempo Integral
Paula Pereira
 
Sb ensino medio para blog
Sb   ensino medio  para blogSb   ensino medio  para blog
Sb ensino medio para blog
Paula Pereira
 
Caderno de boas práticas tempo integral
Caderno de boas práticas tempo integralCaderno de boas práticas tempo integral
Caderno de boas práticas tempo integral
Paula Pereira
 
Projeto Minha Cidade
Projeto Minha CidadeProjeto Minha Cidade
Projeto Minha Cidade
Paula Pereira
 
Curso de Manutenção Preventiva
Curso de Manutenção PreventivaCurso de Manutenção Preventiva
Curso de Manutenção Preventiva
Paula Pereira
 

Mais de Paula Pereira (12)

Livrodosdesejos
LivrodosdesejosLivrodosdesejos
Livrodosdesejos
 
Testelivro
TestelivroTestelivro
Testelivro
 
Mensagem+1+dia++ +2+aluno+problema
Mensagem+1+dia++ +2+aluno+problemaMensagem+1+dia++ +2+aluno+problema
Mensagem+1+dia++ +2+aluno+problema
 
PREMIO NACIONAL DE REFERENCIA EM GESTÃO 2014
PREMIO NACIONAL DE REFERENCIA EM GESTÃO 2014PREMIO NACIONAL DE REFERENCIA EM GESTÃO 2014
PREMIO NACIONAL DE REFERENCIA EM GESTÃO 2014
 
Nte
NteNte
Nte
 
Terminologia
TerminologiaTerminologia
Terminologia
 
Tecnologia Assistiva
Tecnologia AssistivaTecnologia Assistiva
Tecnologia Assistiva
 
Tempo Integral
Tempo IntegralTempo Integral
Tempo Integral
 
Sb ensino medio para blog
Sb   ensino medio  para blogSb   ensino medio  para blog
Sb ensino medio para blog
 
Caderno de boas práticas tempo integral
Caderno de boas práticas tempo integralCaderno de boas práticas tempo integral
Caderno de boas práticas tempo integral
 
Projeto Minha Cidade
Projeto Minha CidadeProjeto Minha Cidade
Projeto Minha Cidade
 
Curso de Manutenção Preventiva
Curso de Manutenção PreventivaCurso de Manutenção Preventiva
Curso de Manutenção Preventiva
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

Roma 090507125559-phpapp01

  • 1. Roma foi fundada na península Itálica durante o século VIII a.C. Durante os seus doze séculos de existência, a civilização romana transitou da monarquia para uma república oligárquica até se tornar num vasto império que dominou a Europa Central e ao redor de todo o Mar Mediterrâneo através da conquista e assimilação cultural. Roma contribuiu muito para o desenvolvimento no mundo ocidental de várias áreas de estudo, como o direito, teoria militar, arte, literatura,arquitetura, lingüística, e a sua história persiste como uma grande influência mundial, mesmo nos dias de hoje. Meu nome é Obelix. Eu e meu amigo Asterix vamos contar um pouco da História de Roma para vocês História de ROMA por Obelix e Asterix Roma foi fundada na península Itálica durante o século VIII a.C. Durante os seus doze séculos de existência, a civilização romana transitou da monarquia para uma república oligárquica até se tornar num vasto império que dominou a Europa Central e ao redor de todo o Mar Mediterrâneo através da conquista e assimilação cultural.
  • 2. Roma contribuiu muito para o desenvolvimento no mundo ocidental de várias áreas de estudo, como o direito, teoria militar, arte, literatura,arquitetura, lingüística, e a sua história persiste como uma grande influência mundial, mesmo nos dias de hoje. Você sabia Asterix quais camadas sociais compunham a Antiga roma???
  • 3. • Patrícios: eram grandes proprietários de terras, rebanhos e escravos. Desfrutavam de direitos políticos e podiam desempenhar altas funções públicas no exército, na religião, na justiça ou na administração. Eram os cidadãos romanos. • Clientes: eram homens livres que se associavam aos patrícios, prestando- lhes diversos serviços pessoais em troca de auxílio econômico e proteção social. Constituíam ponto de apoio da denominação política e militar dos patrícios. • Plebeus: eram homens e mulheres livres que se dedicavam ao comércio, ao artesanato e aos trabalhos agrícolas. Não possuíam qualquer tipo de direito ou participação política. • Escravos: Representavam uma propriedade, e, assim, o senhor tinha o direito de castigá-los, de vendê-los ou de alugar seus serviços. Muitos escravos também eram eventualmente libertados.
  • 4. E os principais governantes ? Você se lembra???
  • 5. Mas teve muita revolta plebeia nessa época Com o estabelecimento da República, os plebeus ainda eram uma classe desprovida de direitos políticos. Os primeiros órgãos governamentais só contavam com os membros da aristocracia romana. Antes dessa revolta, os Plebeus eram chamados para irem para as guerras, deixando de produzir e deixando para trás sua família. Quando voltavam, não recebiam nada e tinham perdido tudo pois não produziam para sustentar sua família.
  • 6. A partir do século V a.C., uma série de revoltas plebéias se instalaram na cidade de Roma. Plebeus das mais variadas condições econômicas exigiram a reforma das instituições políticas romanas. Compondo uma população bastante numerosa, os plebeus representavam uma grande ameaça aos interesses dos patrícios. Ao longo de três séculos, um conjunto de cinco principais revoltas plebéias conseguiu reorganizar o cenário político romano. A primeira dessas revoltas, acontecida em 494 a.C., foi dada em um contexto no qual os plebeus aproveitaram de uma ameaça de invasão estrangeira à cidade de Roma. Esvaziando as tropas militares da cidade, os plebeus se refugiaram no Monte Sagrado exigindo a criação de um cargo político exclusivamente controlado por plebeus. Em resposta, o Senado Romano constituiu a magistratura dos Tribunos da Plebe, que poderiam vetar qualquer lei que ferisse o interesse dos plebeus.
  • 7. O tribuno (em latim tribunus) era o magistrado que atuava junto ao Senado em defesa dos direitos e interesses da plebe. Os tribunos (a princípio dois; mais tarde passaram a quatro, cinco e dez em 471 a.C.) eram os representantes da plebe, extremamente poderosos, eleitos pelos Conselhos da Plebe Diante dessas assembléias populares, apresentavam proposições de caráter político, administrativo e militar. Com os tribunos, os plebeus ficavam garantidos contra a arbitrariedade dos magistrados patrícios, pois os tribunos - cuja inviolabilidade pessoal lhes era conferida por lei sagrada - detinham o poder de vetar, exceto durante guerras, ordens ou decisões dos magistrados patrícios (como o cônsul e os senadores), além de poderem interferir nas eleições, convocações dos Comícios e outros atos de interesse público; podiam impedi-los, por exemplo. Só contra o ditador não podiam exercer o poder de veto. Esse veto, entretanto, podia ser neutralizado pela ação de outro tribuno mais dócil ao patriciado.
  • 8. Apesar dessa primeira conquista, a tradição oral nas leis romanas, controladas pelos patrícios, prejudicavam enormemente os plebeus. Fazendo pressão contra os patrícios, os plebeus conseguiram a formulação de uma lei escrita dentro de Roma. Essas leis, criadas em 450 a.C., ficaram conhecidas como as Leis das Doze Tábuas. Cinco anos depois, outra revolta exigiu a permissão do casamento entre plebeus e patrícios. Através da Lei da Canuléia, que liberou os casamentos, os plebeus puderam ascender socialmente e ampliar sua participação política. Por volta de 367 a.C., uma nova lei foi estabelecida mediante revoltas plebéias. A extensão das grandes propriedades patrícias gerava uma desleal concorrência com os plebeus que eram pequenos proprietários de terra. Não resistindo à concorrência econômica dos patrícios, muitos plebeus endividavam-se e eram transformados em escravos. Nesse contexto, a Lei Licínia Sextia promoveu o fim da escravidão por dívida e ainda garantiu a participação dos plebeus nas demais magistraturas e cargos públicos romanos.
  • 9. Em cerca de 450 a.C., depois de uma revolta plebéia, uma comissão de dez membros (decênviros) publicou pela primeira vez um código de leis válido para todos. Em 445 a.C., com a Lei de Canuleio, foi autorizada a união matrimonial entre patrícios e plebeus. Mas no ano seguinte, com o fim de impedir que os plebeus conseguissem o direito de se tornar cônsules, essa magistratura foi abolida pelos patrícios. O consulado, entretanto, foi restabelecido em 366 a.C., e o acesso a ele foi permitido aos plebeus pelas Leis de Licínio e Sextio, ambos tribunos da plebe. Foram ainda criadas duas novas magistraturas (funções políticas) – a dos pretores e a dos censores –, reservadas com exclusividade aos patrícios e às quais foi transferida parte dos poderes do antigo consulado. Os plebeus, contudo, continuaram sua luta, exigindo acesso a todas as magistraturas, o que lhes foi concedido em 300 a.C. Por fim, em 286 a.C., através da Lei Hortênsia, os plebiscitos tornaram-se leis válidas também para os patrícios. A partir de então passou a ocorrer o comício das tribos ou assembléia tribal, com a participação de patrícios e plebeus. Em 326 a.C., outra medida importante abolira a escravidão por dívidas que pesava sobre os plebeus empobrecidos.
  • 10. Com as revoltas plebéias, foram obtidos os seguintes direitos:Tributos da Plebe, Assembléia da Plebe, Lei das Doze Tabuas, Lei Canuléia, Lei Licinia Sextia e ascensão nas magistraturas. Deixaram de ser escravos por dívidas e recebiam terras conquistadas por Roma.
  • 11. Nos anos 200 a.C., os ataques das tribos bárbaras da Germânia começaram a ameaçar o Império Romano. Com a dificuldade que existia para um Imperador defender e governar a vasta extensão do seu império, em 285, Diocleciano, decidiu dividi-lo em dois. Assim, Diocleciano, governou a parte oriental, com a capital em Nicomedia, na Ásia Menor e o General Maximiliano, governou a parte ocidental como Imperador, a partir de Milão. Em 324, Constantino, reunifica o Império, mas em 364 é de novo dividido. De 364 a 395 foi mais uma vez unificado por Teodósio I, e depois dividido pela última vez. A parte ocidental, teve sempre na sua dirigência uma sucessão de Imperadores fracos, estando o primeiro, Honório, sob a influência de um General vândalo, Estilicão. Sob a ameaça de contínuos ataques dos Visigodos e outros Bárbaros, os Romanos, começaram a abandonar as zonas fronteiriças do Império pela Britânia, que evacuaram em 407. Três anos decorridos, os Visigodos, sob o comando de Alarico, saquearam Roma. Em 451, os Romanos recuperaram o controlo e expulsaram Atila e os Hunos na Batalha de Châlons-sur-Maine, mas em 455 uma onda Vândala, saqueou Roma, e a partir daí, foram cada vez mais os Bárbaros que se instalaram em Itália. O último Imperador Ocidental foi Rómulo Augusto, deposto em 476.
  • 12. Essa foi um pouca da História de Roma... Um abraço!!!