SlideShare uma empresa Scribd logo
1
O Absolutismo Régio
Por Raul Silva
No século XVII, as monarquias absolutas distinguiam-se das que não o eram pelo papel que
cabia ao rei na estrutura do Estado e pela forma como o poder real se exercia. Os reis absolutos
foram a primeira e mais poderosa figura dos seus Estados e exerceram o poder de forma:
pessoal (ou seja, personalidade, não admitindo delegações); absoluta (que não reconhece outro
poder além ou acima do seu; que controlo); e única, isto é, não repartida ou partilhada com
ninguém, nem mesmo com as ordens.
A soberania régia era um legado divino, recebido directamente pelos reis no dia da sua
coroação, quando eram ungidos e sacralizados como imagens de Deus sobre a Terra. Assim
investido, o poder real parecia não admitir limites: nenhum privilégio e nenhuma liberdade,
privada ou pública, estava acima do rei. O soberano absoluto detinha superiormente e
arbitrariamente todos os poderes políticos: o poder legislativo. Só o rei podia promulgar ou
revogar as leis; ele era a lei viva; o poder judicial. O Rei era o supremo juíz no seu reino e as
suas decisões eram únicas que não admitiam apelação; e o poder executivo. Do rei dependiam
todas as decisões de governação: possuía a chefia suprema do exército e só ele podia declarar a
guerra ou a paz; chefiava superiormente todas as instituições e órgãos político-administrativos,
bem como todo o funcionalismo público, cada vez mais numeroso, mas sempre de nomeação
régia; a ele eram devidos todos os impostos, pois, mesmo quando estes andavam alienados aos
privilegiados, isso acontecia por graça ou concessão régia e nunca por direito das ordens.
As monarquias ocidentais desta época foram de facto absolutas, pois os seus soberanos
governaram sozinhos, não partilhando os atributos da sua soberania nem com os privilegiados,
nem com as corporações profissionais, nem com os organismos administrativos das cidades.
CADERNODIÁRIO
EXTERNATO LUÍS DE
CAMÕES
N.º 2
http://
externatohistoria.blog
spot.pt/
externatohistoria@gm
ail.com
8deOutubrode2013
2
Luís XIV e o poder absoluto
“É somente na minha pessoa que reside o poder soberano (…), é somente de mim que os meus tribunais
recebem a sua existência e a sua autoridade; a plenitude desta autoridade, que eles não exercem senão em
meu nome, permanece sempre em mim, e o seu uso nunca pode ser contra mim voltado; é unicamente a mim
que pertence o poder legislativo, sem dependência e sem partilha; é somente por minha autoridade que os
funcionários dos meus tribunais procedem, não à formação, mas ao registo, à publicação, à execução da lei, e
que lhes é permitido advertir-me o que é do dever de todos os úteis conselheiros; toda a ordem pública emana
de mim, e os direitos e interesses da nação, de que se pretende ousar fazer um corpo separado do monarca,
estão necessariamente inteiramente nas minhas mãos.”
Resposta do rei ao Parlamento de Paris, na sessão de 3 de Março de 1766, em Flammermont e Tourneux, Advertências
do Parlamento de Paris no Século XVIII
2. Com base no documento, explique os princípios da doutrina do absolutismo régio.
O Rei Absoluto
“O segredo do rei quanto aos negócios do Estado é incomparável; os ministros vão ao Conselho mas ele não
lhes confia a execução dos seus projectos senão depois de os ter examinado maduramente e depois de ter
tomado uma decisão. Gostaria que pudésseis ver o rei. Tem o ar de um grande dissimulador e olhos da
raposa. Não fala nunca dos negócios do Estado a não ser quando está em Conselho (…).
O rei faz tudo o que pode para mostrar que não está dominado pelos ministros e nunca nenhum príncipe
foi menos governado. Quer saber tudo: pelos ministros, os assuntos do Estado; pelos presidentes, notícias
dos parlamentos provinciais; pelos juízes, as menores coisas. Em suma, acontecem num dia poucos
acontecimentos de que o rei não seja informado e há poucas pessoas de que ele não saiba o nome e os
hábitos. (…) Além disso, nos actos de vida, é muito regrado. Levanta-se sempre às oito horas, participa no
Conselho das dez até ao meio-dia e meia, hora em que vai à missa, sempre me família, com a rainha.
Graças a esta vontade contínua e intensa de presidir a todos os assuntos, tornou-se hábil.”
Primi Visconti, Memórias da Corte de Luís XIV
3. Justifique o papel dos reis como garantia da hierarquia social.
CADERNODIÁRIO8deOutubrode2013
Louis XIV, de Hyacinthe Rigaud (1701)
1. Analisa a fonte, interpreta-a; integra-a na época histórica em que foi realizada.
O Absolutismo Régio
Exercícios
3
O culto à majestade real
“Os cortesãos assíduos vão todas as manhãs assistir ao acordar do rei; há, não obstante, diversos graus para
se ser admitido neste cerimonial. Em primeiro lugar, vêm os que têm direito assistir ao petit lever (despertar).
(…) Este privilégio, ou direito da primeira entrada, atribui ao seu titular notável importância. (…) Houve
mesmo príncipes de sangue, cardeais e outros grandes senhores, presentes na antecâmara, que não tiveram
este direito da primeira entrada. Acontece que a porta do quarto do rei e todo o apartamento onde ele se
deita e se veste lhes permanece fechado, como eu vi fazer muitas vezes com o príncipe de Conde e
semelhantes.”
Spanheim, Relação do Estado de França, 1690
As cortes régias
“Os convites para as frequentes festas ou para os passeios privados em Versalhes foram os meios de que o rei
se serviu para distinguir os cortesãos e para manter todos eles sempre ansiosos por agradar-lhe (...). O rei
olhava continuamente à direita e à esquerda, quando se levantava, ao deitar-se, durante as refeições, ao
passar pelas salas e pelos jardins de Versalhes, o único lugar onde todos os cortesãos tinham liberdade de
segui-lo: via e notava toda a gente, ninguém lhe escapava, nem mesmo aqueles que julgavam não ser vistos
(...). Para as pessoas de maior distinção, era vergonha não viver permanentemente na corte ou ir lá só de
quando a quando.”
Saint-Simon, Memórias
4. Com base nos documentos, identifique os elementos estéticos de encenação ou
representação do poder absoluto.
5. Visiona o filme Marie Antoinette, de Sofia Coppola, e relaciona o seu conteúdo com a
época em análise.
O Absolutismo Régio
Exercícios
CADERNODIÁRIO8deOutubrode2013
Marie Antoinette, de Sofia Coppola (2006)
4
Objetivo 1. Referir as caraterísticas do poder absoluto
No século XVII, as monarquias absolutas distinguiam-se das que não o eram pelo papel que cabia ao rei na
estrutura do Estado e pela forma como o poder real se exercia.
O poder do monarca absoluto é sagrado, porque provém de Deus que o conferiu aos reis para que estes o
exerçam em seu nome. Daqui decorre que atentar contra o rei é um sacrilégio e que se deve obedecer ao
príncipe por princípio de religião. Mas, esta origem divina do poder real, se o torna incontestável também
lhe impõe limites: os reis devem respeitar o seu próprio poder e só o devem empregar para o bem público.
É paternal, por ser este o poder mais conforme com a natureza humana: a primeira ideia de poder que
existe entre os homens é a do poder paterno, e fizeram-se os reis pelo modelo dos pais. Por isso, o rei deve
satisfazer as necessidades do seu povo, proteger os fracos e governar brandamente, cultivando a imagem de
pai do povo.
É absoluto, o que significa independente. Por isso, príncipe não deve prestar contas a ninguém do que
ordena e não está coagido de forma alguma.
Está submetido à razão, isto é, à sabedoria. É esta inteligência, esta percepção superior das coisas inerente
ao príncipe, esta certa ciência que faz o povo feliz. O rei, escolhido por Deus, possui certas qualidades
intrínsecas: bondade, firmeza, força de carácter, prudência, capacidade de previsão. São elas que asseguram
o bom governo.
Objetivo 2. Relacionar a eficiência do aparelho burocrático com a centralização do poder
O poder real parecia não admitir limites: nenhum privilégio e nenhuma liberdade, privada ou pública,
estava acima do rei. O soberano absoluto detinha superiormente e arbitrariamente todos os poderes
políticos: o poder legislativo. Só o rei podia promulgar ou revogar as leis; ele era a lei viva; o poder judicial.
O Rei era o supremo juiz no seu reino e as suas decisões eram únicas que não admitiam apelação; e o poder
executivo. Do rei dependiam todas as decisões de governação: possuía a chefia suprema do exército e só ele
podia declarar a guerra ou a paz; chefiava superiormente todas as instituições e órgãos
político-administrativos, bem como todo o funcionalismo público, cada vez mais numeroso, mas sempre de
nomeação régia; a ele eram devidos todos os impostos, pois, mesmo quando estes andavam alienados aos
privilegiados, isso acontecia por graça ou concessão régia e nunca por direito das ordens.
Objetivo 3. Esclarecer o significado da expressão “encenação do poder”
Na monarquia absoluta, o rei utilizava a vida em corte para mais facilmente controlar a Nobreza e o Clero.
O grupo que rodeava o rei estava constantemente sujeito à vigilância deste. O Palácio era, simultaneamente,
lugar de governação, de ostentação do poder e de controlo das ordens privilegiadas.
Todos os actos quotidianos do rei eram ritualizados, encenados de modo a endeusar a sua pessoa e a
submeter as ordens sociais. Cada gesto tinha um significado social ou político, pelo que, através da etiqueta,
o rei controlava a sociedade. Um sorriso, um olhar reprovador assumiam um significado político,
funcionando como recompensa ou punição de determinada pessoa.
O Absolutismo Régio
Guia de estudo
CADERNODIÁRIO8deOutubrode2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
Ramiro Bicca
 
A Formação do Estado Nacional
A Formação do Estado NacionalA Formação do Estado Nacional
A Formação do Estado Nacional
Indiens
 
Formação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro anoFormação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro ano
Adriano Capilupe
 
Estado absolutista
Estado absolutistaEstado absolutista
Estado absolutista
Ilana Fernandes
 
Direito romanista
Direito romanistaDireito romanista
Direito romanista
Daniele Moura
 
O direito romano i
O direito romano iO direito romano i
O direito romano i
Gabriela Mattos
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
Laboratório de História
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Lorredana Pereira
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Laboratório de História
 
O direito no brasil império
O direito no brasil impérioO direito no brasil império
O direito no brasil império
Agla Santos
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
paulo santos
 
Direito romano segundo_gilissen
Direito romano segundo_gilissenDireito romano segundo_gilissen
Direito romano segundo_gilissen
Daniele Moura
 
O estado moderno
O estado modernoO estado moderno
O estado moderno
André Augusto da Fonseca
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
Isabel Ribeiro
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
Viviane Guerra
 
O direito no brasil colonial
O direito no brasil colonialO direito no brasil colonial
O direito no brasil colonial
Agla Santos
 
2 bloco romano
2 bloco romano2 bloco romano
2 bloco romano
Luis Olavo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Nelia Salles Nantes
 

Mais procurados (20)

A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
 
A Formação do Estado Nacional
A Formação do Estado NacionalA Formação do Estado Nacional
A Formação do Estado Nacional
 
Formação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro anoFormação do estado moderno terceiro ano
Formação do estado moderno terceiro ano
 
Estado absolutista
Estado absolutistaEstado absolutista
Estado absolutista
 
Direito romanista
Direito romanistaDireito romanista
Direito romanista
 
O direito romano i
O direito romano iO direito romano i
O direito romano i
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
 
O direito no brasil império
O direito no brasil impérioO direito no brasil império
O direito no brasil império
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Direito romano segundo_gilissen
Direito romano segundo_gilissenDireito romano segundo_gilissen
Direito romano segundo_gilissen
 
O estado moderno
O estado modernoO estado moderno
O estado moderno
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
 
O direito no brasil colonial
O direito no brasil colonialO direito no brasil colonial
O direito no brasil colonial
 
2 bloco romano
2 bloco romano2 bloco romano
2 bloco romano
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 

Semelhante a Caderno diário O Absolutismo Régio

Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Laboratório de História
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
JoanaRitaSilva
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.pptMódulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
NunoFilipeFelixFaust
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
Carla Teixeira
 
O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em roma
Carla Teixeira
 
Absolutismo 2013
Absolutismo   2013Absolutismo   2013
Absolutismo 2013
historiando
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
Sofia Marques
 
Absolutismo 2014
Absolutismo   2014Absolutismo   2014
Absolutismo 2014
Nelia Salles Nantes
 
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
Anabela Costa
 
M1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoM1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romano
João Neves
 
Política
PolíticaPolítica
Política
tsocio
 
Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperial
Susana Simões
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Historia2000
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Roma 090507125559-phpapp01
Roma 090507125559-phpapp01Roma 090507125559-phpapp01
Roma 090507125559-phpapp01
Paula Pereira
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime

Semelhante a Caderno diário O Absolutismo Régio (20)

Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.pptMódulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
 
O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em roma
 
Absolutismo 2013
Absolutismo   2013Absolutismo   2013
Absolutismo 2013
 
Roma a.C.
Roma a.C.Roma a.C.
Roma a.C.
 
Absolutismo 2014
Absolutismo   2014Absolutismo   2014
Absolutismo 2014
 
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
 
M1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoM1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romano
 
Política
PolíticaPolítica
Política
 
Absolutismo 1
Absolutismo 1Absolutismo 1
Absolutismo 1
 
Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019
 
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperial
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Roma 090507125559-phpapp01
Roma 090507125559-phpapp01Roma 090507125559-phpapp01
Roma 090507125559-phpapp01
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 

Mais de Laboratório de História

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Laboratório de História
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Laboratório de História
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
Laboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
 

Caderno diário O Absolutismo Régio

  • 1. 1 O Absolutismo Régio Por Raul Silva No século XVII, as monarquias absolutas distinguiam-se das que não o eram pelo papel que cabia ao rei na estrutura do Estado e pela forma como o poder real se exercia. Os reis absolutos foram a primeira e mais poderosa figura dos seus Estados e exerceram o poder de forma: pessoal (ou seja, personalidade, não admitindo delegações); absoluta (que não reconhece outro poder além ou acima do seu; que controlo); e única, isto é, não repartida ou partilhada com ninguém, nem mesmo com as ordens. A soberania régia era um legado divino, recebido directamente pelos reis no dia da sua coroação, quando eram ungidos e sacralizados como imagens de Deus sobre a Terra. Assim investido, o poder real parecia não admitir limites: nenhum privilégio e nenhuma liberdade, privada ou pública, estava acima do rei. O soberano absoluto detinha superiormente e arbitrariamente todos os poderes políticos: o poder legislativo. Só o rei podia promulgar ou revogar as leis; ele era a lei viva; o poder judicial. O Rei era o supremo juíz no seu reino e as suas decisões eram únicas que não admitiam apelação; e o poder executivo. Do rei dependiam todas as decisões de governação: possuía a chefia suprema do exército e só ele podia declarar a guerra ou a paz; chefiava superiormente todas as instituições e órgãos político-administrativos, bem como todo o funcionalismo público, cada vez mais numeroso, mas sempre de nomeação régia; a ele eram devidos todos os impostos, pois, mesmo quando estes andavam alienados aos privilegiados, isso acontecia por graça ou concessão régia e nunca por direito das ordens. As monarquias ocidentais desta época foram de facto absolutas, pois os seus soberanos governaram sozinhos, não partilhando os atributos da sua soberania nem com os privilegiados, nem com as corporações profissionais, nem com os organismos administrativos das cidades. CADERNODIÁRIO EXTERNATO LUÍS DE CAMÕES N.º 2 http:// externatohistoria.blog spot.pt/ externatohistoria@gm ail.com 8deOutubrode2013
  • 2. 2 Luís XIV e o poder absoluto “É somente na minha pessoa que reside o poder soberano (…), é somente de mim que os meus tribunais recebem a sua existência e a sua autoridade; a plenitude desta autoridade, que eles não exercem senão em meu nome, permanece sempre em mim, e o seu uso nunca pode ser contra mim voltado; é unicamente a mim que pertence o poder legislativo, sem dependência e sem partilha; é somente por minha autoridade que os funcionários dos meus tribunais procedem, não à formação, mas ao registo, à publicação, à execução da lei, e que lhes é permitido advertir-me o que é do dever de todos os úteis conselheiros; toda a ordem pública emana de mim, e os direitos e interesses da nação, de que se pretende ousar fazer um corpo separado do monarca, estão necessariamente inteiramente nas minhas mãos.” Resposta do rei ao Parlamento de Paris, na sessão de 3 de Março de 1766, em Flammermont e Tourneux, Advertências do Parlamento de Paris no Século XVIII 2. Com base no documento, explique os princípios da doutrina do absolutismo régio. O Rei Absoluto “O segredo do rei quanto aos negócios do Estado é incomparável; os ministros vão ao Conselho mas ele não lhes confia a execução dos seus projectos senão depois de os ter examinado maduramente e depois de ter tomado uma decisão. Gostaria que pudésseis ver o rei. Tem o ar de um grande dissimulador e olhos da raposa. Não fala nunca dos negócios do Estado a não ser quando está em Conselho (…). O rei faz tudo o que pode para mostrar que não está dominado pelos ministros e nunca nenhum príncipe foi menos governado. Quer saber tudo: pelos ministros, os assuntos do Estado; pelos presidentes, notícias dos parlamentos provinciais; pelos juízes, as menores coisas. Em suma, acontecem num dia poucos acontecimentos de que o rei não seja informado e há poucas pessoas de que ele não saiba o nome e os hábitos. (…) Além disso, nos actos de vida, é muito regrado. Levanta-se sempre às oito horas, participa no Conselho das dez até ao meio-dia e meia, hora em que vai à missa, sempre me família, com a rainha. Graças a esta vontade contínua e intensa de presidir a todos os assuntos, tornou-se hábil.” Primi Visconti, Memórias da Corte de Luís XIV 3. Justifique o papel dos reis como garantia da hierarquia social. CADERNODIÁRIO8deOutubrode2013 Louis XIV, de Hyacinthe Rigaud (1701) 1. Analisa a fonte, interpreta-a; integra-a na época histórica em que foi realizada. O Absolutismo Régio Exercícios
  • 3. 3 O culto à majestade real “Os cortesãos assíduos vão todas as manhãs assistir ao acordar do rei; há, não obstante, diversos graus para se ser admitido neste cerimonial. Em primeiro lugar, vêm os que têm direito assistir ao petit lever (despertar). (…) Este privilégio, ou direito da primeira entrada, atribui ao seu titular notável importância. (…) Houve mesmo príncipes de sangue, cardeais e outros grandes senhores, presentes na antecâmara, que não tiveram este direito da primeira entrada. Acontece que a porta do quarto do rei e todo o apartamento onde ele se deita e se veste lhes permanece fechado, como eu vi fazer muitas vezes com o príncipe de Conde e semelhantes.” Spanheim, Relação do Estado de França, 1690 As cortes régias “Os convites para as frequentes festas ou para os passeios privados em Versalhes foram os meios de que o rei se serviu para distinguir os cortesãos e para manter todos eles sempre ansiosos por agradar-lhe (...). O rei olhava continuamente à direita e à esquerda, quando se levantava, ao deitar-se, durante as refeições, ao passar pelas salas e pelos jardins de Versalhes, o único lugar onde todos os cortesãos tinham liberdade de segui-lo: via e notava toda a gente, ninguém lhe escapava, nem mesmo aqueles que julgavam não ser vistos (...). Para as pessoas de maior distinção, era vergonha não viver permanentemente na corte ou ir lá só de quando a quando.” Saint-Simon, Memórias 4. Com base nos documentos, identifique os elementos estéticos de encenação ou representação do poder absoluto. 5. Visiona o filme Marie Antoinette, de Sofia Coppola, e relaciona o seu conteúdo com a época em análise. O Absolutismo Régio Exercícios CADERNODIÁRIO8deOutubrode2013 Marie Antoinette, de Sofia Coppola (2006)
  • 4. 4 Objetivo 1. Referir as caraterísticas do poder absoluto No século XVII, as monarquias absolutas distinguiam-se das que não o eram pelo papel que cabia ao rei na estrutura do Estado e pela forma como o poder real se exercia. O poder do monarca absoluto é sagrado, porque provém de Deus que o conferiu aos reis para que estes o exerçam em seu nome. Daqui decorre que atentar contra o rei é um sacrilégio e que se deve obedecer ao príncipe por princípio de religião. Mas, esta origem divina do poder real, se o torna incontestável também lhe impõe limites: os reis devem respeitar o seu próprio poder e só o devem empregar para o bem público. É paternal, por ser este o poder mais conforme com a natureza humana: a primeira ideia de poder que existe entre os homens é a do poder paterno, e fizeram-se os reis pelo modelo dos pais. Por isso, o rei deve satisfazer as necessidades do seu povo, proteger os fracos e governar brandamente, cultivando a imagem de pai do povo. É absoluto, o que significa independente. Por isso, príncipe não deve prestar contas a ninguém do que ordena e não está coagido de forma alguma. Está submetido à razão, isto é, à sabedoria. É esta inteligência, esta percepção superior das coisas inerente ao príncipe, esta certa ciência que faz o povo feliz. O rei, escolhido por Deus, possui certas qualidades intrínsecas: bondade, firmeza, força de carácter, prudência, capacidade de previsão. São elas que asseguram o bom governo. Objetivo 2. Relacionar a eficiência do aparelho burocrático com a centralização do poder O poder real parecia não admitir limites: nenhum privilégio e nenhuma liberdade, privada ou pública, estava acima do rei. O soberano absoluto detinha superiormente e arbitrariamente todos os poderes políticos: o poder legislativo. Só o rei podia promulgar ou revogar as leis; ele era a lei viva; o poder judicial. O Rei era o supremo juiz no seu reino e as suas decisões eram únicas que não admitiam apelação; e o poder executivo. Do rei dependiam todas as decisões de governação: possuía a chefia suprema do exército e só ele podia declarar a guerra ou a paz; chefiava superiormente todas as instituições e órgãos político-administrativos, bem como todo o funcionalismo público, cada vez mais numeroso, mas sempre de nomeação régia; a ele eram devidos todos os impostos, pois, mesmo quando estes andavam alienados aos privilegiados, isso acontecia por graça ou concessão régia e nunca por direito das ordens. Objetivo 3. Esclarecer o significado da expressão “encenação do poder” Na monarquia absoluta, o rei utilizava a vida em corte para mais facilmente controlar a Nobreza e o Clero. O grupo que rodeava o rei estava constantemente sujeito à vigilância deste. O Palácio era, simultaneamente, lugar de governação, de ostentação do poder e de controlo das ordens privilegiadas. Todos os actos quotidianos do rei eram ritualizados, encenados de modo a endeusar a sua pessoa e a submeter as ordens sociais. Cada gesto tinha um significado social ou político, pelo que, através da etiqueta, o rei controlava a sociedade. Um sorriso, um olhar reprovador assumiam um significado político, funcionando como recompensa ou punição de determinada pessoa. O Absolutismo Régio Guia de estudo CADERNODIÁRIO8deOutubrode2013