SlideShare uma empresa Scribd logo
1
O liberalismo em Portugal
e o seu carácter tardio
Por Raul Silva
Depois da revolução parlamentar inglesa, da revolução americana e da revolução francesa, o liberalismo
em Portugal revestiu-se de um caráter tardio, que se explica por condicionalismos históricos.
Apesar destes condicionalismos, nas primeiras duas décadas do século XIX verificou-se uma conjuntura
económica, política e social favorável à revolução liberal portuguesa.
A implementação do liberalismo em Portugal não se fez sem dificuldades, tendo-se tornado definitiva
apenas em 1834, após uma guerra civil que opôs absolutistas e liberais.
O liberalismo português eclodiu com a Revolução de 1820, com algumas décadas de atraso
relativamente às revoluções americana e francesa até mesmo à revolução industrial inglesa.
O caráter tardio do liberalismo português deveu-se a vários factores: a situação geográfica do nosso país,
caracterizada pela condição periférica, o que lhe conferia um certo isolamento; a longa vivência do
absolutismo, apoiado no império comercial e fortemente escudado pelos órgãos repressivos que foram a
Inquisição, a Real Mesa Censória e a Intendência-Geral da Polícia; o a atraso económico, técnico, social
e mental, devido ao predomínio das atividades rurais e à influência da ordem nobiliárquico-eclesiástica.
Apesar destes condicionalismos, os ideias liberais entraram em Portugal, veiculados, desde o século
XVIII, pelos iluministas, pelos estrangeirados, pelos exilados franceses, fugidos do regime do Terror, pelos
exilados portugueses e pela maçonaria.
CADERNODIÁRIO
EXTERNATO LUÍS DE
CAMÕES
N.º 9
https://
www.facebook.com/
historia.externato
http://
externatohistoria.blog
spot.pt
externatohistoria@gm
ail.com
13deJaneirode2015
2
CADERNODIÁRIO13deJaneirode2015
Liberalismo
português
o carácter
tardio
Os ecos da Revolução Francesa
chegam a Portugal através de obras de
autores franceses e de numerosos
imigrados fugidos ao Terror.
Manifestaram-se na divulgação do
ideário revolucionário (Liberdade,
Igualdade, Fraternidade), da língua e
das próprias modas da França, cuja
repressão tomou, às vezes, aspectos
ridículos.
Apesar de perseguidos pelo aparelho
de Estado - que continuava
arreigadamente absolutista -, as novas
ideias foram sendo introduzidas no país
e conquistaram adeptos no seio da
elite cultural portuguesa. Aliás, a
aproximação cultural com a França
vinha-se fazendo desde a segunda
metade de Setecentos, mercê do
movimento iluminista e dos
estrangeirados, o que favoreceu, depois,
a difusão dos ideias da Revolução
Francesa.
Ligada a estes ideias também esteve a
maçonaria, que assumiu um papel de
relevo na divulgação do liberalismo.
A maçonaria lançara raízes
especialmente em cidades abertas ao
tráfego internacional (Funchal, Lisboa e
Porto), a partir de finais do século
XVIII. Em 1801, contavam-se cinco
lojas maçónicas em Lisboa, em cujos
filiados se incluíam nobres, burgueses
ricos e até alguns clérigos. Em 1812,
eram já treze lojas. No Porto, vários
maçons e simpatizantes fundaram o
Sinédrio (1818), que foi a principal
organização responsável pela Revolução
de 1820.
Associada à maçonaria e ao ideário da
França revolucionária, esteve, desde dos
princípios do século XIX.
Os exilados portugueses eram adeptos
da revolução e da maçonaria que,
perseguidos pela intendente-geral da
Polícia, se fixaram em Londres e Paris.
Aqui fundaram publicações periódicas
que divulgavam propostas de reformas
políticas e económicas em Portugal.
A Revolução industrial inglesa teve
consequências funestas para a economia
nacional: os produtos ingleses
impuseram-se pelo seu baixo custo e
superior qualidade; a estrutura oficinal
enfraqueceu em alguns dos seus sectores
fundamentais (ferro, tecidos); a
economia tornou-se dependente
fortemente do estrangeiro.
No século XVII, o capitalismo
português era comercial, atravessando
um período de grandes lucros no
tráfego internacional e com poucos
investimentos na indústria. Até finais do
século XVIII, as transformações
técnicas inglesas raramente foram
utilizadas.
Foi, todavia, extenso e profundo o
impacto da industrialização inglesa,
que, aliada às invasões francesas e à
abertura ao estrangeiro dos portos do
Brasil, contribuiu para o recuo do
movimento industrial português.
Deste modo, a revolução industrial
tornou-se exemplo das transformações a
operar, o mesmo é dizer, ajudou na
disseminação dos ideias de liberdade
económica.
Portugal
o apelo ao liberalismo
José Acúrsio das Neves
E como se os males comuns não fossem
bastantes para oprimir uma Nação já
antecipadamente atenuada pela longa
série dos acontecimentos que
prepararam a catástrofe de 1807, as
invasões francesas, sobraram ainda
outros não menos graves.
O primeiro e o principal é a ausência
do rei num país remoto (...). Foi uma
medida de absoluta necessidade, que
salvou a monarquia, porém, sepultou a
Nação (...); que desorganizaria a
administração interna e (...) a repentina
extinção do sistema colonial. (...) Segui-
se a admissão de todos os géneros de
manufactura inglesa (...), e a devastação
das províncias centrais do Reino na
invasão do general Massena, depois do
saque do Porto e as províncias do Norte
pelo general Soult. (...)
Tendo de sustentar um exército
superior ao que permitem os seus
meios, parte na Europa e parte na
América, (...) como poderia pagar-se a
dívida pública e sustentar-se o crédito.
A indústria é somente quem pode
salvar-nos, porque só ela dá riqueza.
Responder:
a) Explicite de que forma os ideais
liberais entraram em Portugal.
“Aquele que Vossa Mercê
vir de sapatinho bicudo e
mui brunido, atilhos nos
calções com gravata por
cima da barba, colarinho
no meio das orelhas,
cabelo rente ao toitiço
sob a moleirinha, com
suíça até aos cantos da
boca - agarre-me logo
ele, tranque-mo na
cadeia carregado de
ferros até que haja navio
para o Limoeiro: é
iluminado ou pedreiro
livre! ”
Carta de Pina Manique
A maçonaria
Sociedade fraternal que cultiva a humanidade,
os princípios da liberdade, democracia,
igualdade, fraternidade e aperfeiçoamento
intelectual
3
Entre 1807 e 1811, Portugal foi alvo de
três invasões francesas. Estas foram
ordenadas por Napoleão, em virtude do
nosso país, aliado da Inglaterra, ter
recusado subordinar-se ao Bloqueio
Continental. O embarque da família
real para o Brasil permitiu manter a
independência de Portugal, mas os
custos das invasões e da ausência do rei
foram muitos altos, quer pela
devastação e destruição que as invasões
causaram, quer pelo domínio inglês
(político e económico) que se instalou
no país.
Com efeito, além das perdas humanas,
a agricultura, o comércio e a indústria
foram profundamente afectados e o
património nacional sofreu duros
reveses com o saque de mosteiros,
igrejas e palácios.
De 1808 a 1821, Portugal viveu uma
dupla condição de protectorado inglês e
de colónia brasileira. No Brasil,
proclamado reino, D. João IV teimava
em permanecer, para grande
descontentamento dos Portugueses, que
sofriam a humilhação da presença
inglesa. O marechal Beresford, com
plenos poderes para organizar a defesa,
tornou-se Presidente da Junta
Governativa e generalíssimo das tropas
portuguesas, onde britânicos ocupavam
as altas patentes. Controlou também o
funcionalismo e a economia, reactivou
a Inquisição e encheu as prisões de
suspeitos de jacobinismo.
Em 1820, a situação económica e
financeira era deplorável.
Para essa situação muito contribuíram a
abertura dos portos do Brasil, em 1808,
ao comércio internacional, assim como
ao tratado de comércio de 1810 com a
Inglaterra, que estabeleceu a liberdade
de comércio em Portugal e deu grandes
facilidades à entrada de manufacturas
inglesas no Brasil. Donde resultou o
desmoronamento do comércio luso-
brasileiro e os consequentes prejuízos
económicos da burguesia
metropolitana.
Então, foi precisamente no seio da
burguesia que a agitação revolucionária
lavrou a rebelião se preparou. No Porto,
Manuel Fernandes Tomás,
desembargador da Relação, fundara,
em 1817, com alguns amigos, uma
associação secreta, com o nome de
Sinédrio. Com muitos membros
pertencentes à maçonaria, era objetivo
do Sinédrio acompanhar a marcha dos
sucessos políticos e intervir logo que a
situação se proporcionasse, o que veio a
acontecer, em 1820, mercê das
seguintes circunstâncias:
• uma revolução liberal triunfara em
Espanha;
• Portugal passou a receber muita
propaganda liberal de Espanha, tal
como panfletos e edições da
Constituição espanhola;
• Beresford embarcava para o Rio de
Janeiro, a fim de solicitar ao rei
dinheiro para as despesas militares.
A ausência do general favoreceu a ação
do Sinédrio, cujos membros se
lançaram com entusiasmo no
aliciamento de figuras militares para a
revolução.
Responder:
a) Enuncie os factos que permitiram
a eclosão da revolução liberal.
b) Evidencie o papel da burguesia
no movimento revolucionário.
“Lastimavam-se todos da
continuação da ausência de
Sua Majestade, o que não
podia deixar de reduzir este
reino ao estado de colónia (...).
Entretanto saíram daqui para o
Brasil as nossas tropas e o
nosso dinheiro, e duas partes
dos rendimentos públicos, que
não tinham proporção com os
recursos da Nação, e que
estava governada por um chefe
estrangeiro”
Francisco Manuel de Aragão Morato
A revolução liberal portuguesa
e a conjuntura favorável
CADERNODIÁRIO13deJaneirode2015
General Gomes
Freire de Andrade
A repressão de
Beresford ficou
assinalada quando foi
descoberta a
conspiração entre
oficiais do exército,
chefiada pelo general
Gomes Freire de
Andrade, grão-mestre
da maçonaria.
Acusado de pretender
instalar um regime
liberal e expulsar os
ingleses, foi
condenado à morte e
enforcado no Forte de
S. Julião da Barra, em
Lisboa.
Crise económica
em Portugal
João António Salter de Mendonça
Que o desgraçado termo da continuação deste
sistema há-de levar a uma bancarrota; a Nação
portuguesa está por extremo descontente com a
ausência prolongada do seu soberano (...).
Está extenuada quanto ao comércio, desde que
Portugal deixou de ser o entreposto dos géneros
coloniais do Brasil.
Está a agricultura arruinada, pelo baixo preço do
grão estrangeiro, que tem inundado o Reino, de
que resulta o abandono da agricultura e
consequente abatimento de todas as rendas.
Estes factos (...) demonstram que Portugal tem
chegado a uma crise, em que ou há-de sofrer a
revolução das fortunas, a desordem (...) e outros
males (...), ou se há-de, sem a menor perda de
tempo, cuidar em aumentar a receita sem novos
impostos, que as presentes circunstâncias não
admitem, e em diminuir a despesa. (...)
4
CADERNODIÁRIO13deJaneirode2015
A Revolução Liberal
e as suas ideias
Manifesto aos Portugueses
Vimos nós desaparecer
desgraçadamente o nosso comércio,
definhar-se a nossa indústria, esmorecer
a agricultura e apodrecer a nossa
marinha. (...)
Portugueses! O passo que acabais de
dar para a nossa felicidade futura era
necessário e até indispensável e a vossa
desgraçada situação justifica o vosso
procedimento. (...)
A mudança que fazemos não ataca as
partes estáveis da monarquia. A religião
santa de nossos pais ganhará mais
brilhante esplendor e a melhoria dos
costumes, fruto de uma iluminada
instrução pública, (...) fará a nossa
felicidade e a das idades futuras.
As leis do Reino, segurarão a
propriedade privada individual e a
Nação sustentará a cada um no pacífico
gozo dos seus direitos (...). As mesmas
ordens, os mesmos lugares, os mesmos
ofícios, o sacerdócio, a magistratura,
todos serão respeitados no livre
exercício da autoridade.
Ninguém será incomodado por suas
opiniões ou conduta passada e as mais
bem combinadas medidas se têm
tomado para evitar os tumultos e a
satisfação de ódios.
Portugueses! Vivei certos dos bons
desejos que nos animam.
A Revolução de
1820
e o vintismo
A Revolução de 1820 foi, em princípio,
essencialmente um pronunciamento
militar com larga participação de
negociantes e de magistrados. Entre os
seus dirigentes contam-se os nomes do
brigadeiro António de Silveira, dos
militares Cabreira e Sepúlveda, do
deão Brederode e dos burgueses
Manuel Fernandes Tomás, José
Ferreira Borges e José Silva Carvalho,
que, com outros, irão constituir a Junta
Provisional do Governo Supremo do
Reino.
Coube a Manuel Fernandes Tomás a
redação do Manifesto.
Do Manifesto ressaltam as seguintes
ideias:
• a justificação do movimento pela
necessidade nacionalista de regenerar
a Pátria e as suas instituições
subvertidas pelo absolutismo e pela
ocupação inglesa;
• a não hostilização do rei, cuja reação
em face do movimento se
desconhecia;
• o elogio ao exército pela parte
decisiva que tivera no movimento;
• o apelo ao povo para que respeitasse a
nova ordem;
• a afirmação do desejo burguês de não
cometer excessos revolucionários
A adesão à revolução do Porto foi
imediata, por todo o país. A 15 de
setembro, em movimento autónomo,
são os liberais de Lisboa que se
sublevam e expulsam os regentes,
constituindo um governo interino.
Entretanto, os liberais revolucionários
do Porto marcham a caminho de
Lisboa. Da fusão dos dois movimentos -
conseguida a 28 de setembro - sairia
uma nova Junta Provisional presidida
por António da Silveira.
As primeiras medidas da Junta
Provisional tinham por objetivos:
• organizar eleições para as Cortes, que
haviam de elaborar a Constituição do
Reino;
• exigir o regresso imediato de D. João
VI e o seu juramento à futura
Constituição;
• terminar com a dominação inglesa,
começando por expulsar Beresford e
os generais ingleses do exército e do
país;
• elaborar e promulgar a Constituição,
cujas bases haveriam de destruir as
estruturas do absolutismo;
• consolidar, perante os nacionais e os
estrangeiros, a legitimidade dos novos
governantes e da sua ideologia.
Responder:
a) Refira as ideias defendidas pelos
revolucionários.
b) Pronuncie-se sobre a influência
dos ideais iluministas.
“Portugueses! O passo
que acabais de dar para a
nossa felicidade futura
era necessário e até
indispensável e a vossa
desgraçada situação
justifica o vosso
procedimento. (...)
A mudança que fazemos
não ataca as partes
estáveis da monarquia. A
religião santa de nossos
pais ganhará mais
brilhante esplendor e a
melhoria dos costumes,
fruto de uma iluminada
instrução pública.”
Manifesto aos Portugueses
O Vintismo
Tendência do liberalismo português que se
caracterizou pelo radicalismo das suas
posições, ao limitar os poderes reais e ao não
reconhecer privilégios à nobreza e ao clero.
5
Coube às Cortes constituintes, reunidas
desde janeiro de 1821 até setembro de
1822, a elaboração do mais antigo texto
constitucional português, jurado e
promulgado pelo rei D. João VI a 1 de
outubro de 1822.
A Constituição de 1822 era um longo
documento de 240 artigos, com
influência da Constituição espanhola e
das Constituições francesas. Reconhecia
os direitos e deveres do indivíduo,
garantindo a liberdade, a segurança, a
propriedade e a igualdade perante a lei;
afirmava a soberania da Nação,
cabendo aos varãos maiores de vinte e
cinco anos, que soubessem ler e
escrever, a eleição directa dos
deputados; e aceitava a independência
dos poderes legislativo, executivo e
judicial. Em contrapartida, não
reconhecia qualquer privilégio à
nobreza e ao clero e submetia o poder
do rei às Cortes Legislativas.
A lei consagrou o princípio de que a
religião católica era a religião dos
Portugueses.
Sobre o funcionamento das Cortes
Legislativas, inicialmente, foram
propostas duas câmaras: uma Câmara
de Povo e uma Câmara Alta. Mas os
deputados da ala mais radical
impuseram uma solução oposta -
Câmara única.
O mesmo aconteceu com o problema
do veto, em que o rei podia remetê-la
ao Congresso para uma segunda
votação, mas esta seria definitiva e de
aceitação obrigatória.
O radicalismo vintista haveria de se
ressentir, de futuro, das tensões
encontradas e das oposições criadas,
suscitando os ódios dos grandes da
Nação.
Antes da Constituição de 1822, as
Cortes haviam já publicado importantes
medidas legislativas que significariam a
destruição do Antigo Regime. As mais
importantes foram as que:
• extinguiram a Inquisição e o
pagamento da dízima à Igreja;
• permitiram a liberdade de ensino;
• suprimiram direitos e tributos,
procurando libertar os camponeses
da terra.
Responder:
a) Refira os principais direitos e
deveres designados na
Constituição de 1822.
“Lastimavam-se todos da
continuação da ausência de
Sua Majestade, o que não
podia deixar de reduzir este
reino ao estado de colónia (...).
Entretanto saíram daqui para o
Brasil as nossas tropas e o
nosso dinheiro, e duas partes
dos rendimentos públicos, que
não tinham proporção com os
recursos da Nação, e que
estava governada por um chefe
estrangeiro”
Francisco Manuel de Aragão Morato
A revolução liberal portuguesa
e a Constituição de 1822
CADERNODIÁRIO13deJaneirode2015
Cortes
Constituintes
Foram o primeiro
parlamento português
no sentido moderno
do conceito. A sua
base estava em
grande parte
idealizada nas antigas
Cortes Gerais, só que
o sistema de votação
para designar os seus
delegados foi
diferente e agora não
estariam separados
pelos três poderes de
então, Clero, Nobreza
e Povo.
A Constituição de 1822
e as suas medidas
A Constituição de 1822
Art.º 1 - A Constituição política da Nação
Portuguesa tem por objetivo manter a liberdade,
segurança e propriedade de todos os Portugueses.
Art.º 6 - A propriedade é um direito sagrado e
inviolável.
Art.º 7 - A livre comunicação dos pensamentos é
um dos mais preciosos direitos do Homem.
Art.º 9 - A lei é igual para todos. Não se deve
portanto tolerar privilégios do foro nas causas
cíveis ou crimes, nem comissões especiais.
Art.º 26 - A soberania reside essencialmente em a
Nação. Não pode ser exercida senão pelos seus
representantes legalmente eleitos.
Art.º 29 - O governo da Nação portuguesa é a
monarquia constitucional hereditária, com leis
fundamentais que regulem o exercício dos três
poderes políticos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_500 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
Vítor Santos
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
Vítor Santos
 
Portugal
PortugalPortugal
Portugal
cattonia
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
Teresa Maia
 
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
Vítor Santos
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
Fabiana Severiano
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
Vítor Santos
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
Vítor Santos
 
Crise imperio oriente
Crise imperio orienteCrise imperio oriente
Crise imperio oriente
luisaprof
 
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
Vítor Santos
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
Vítor Santos
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
Teresa Maia
 
As transformações económicas do após guerra no mundo ocidental
As transformações económicas do após guerra no mundo ocidentalAs transformações económicas do após guerra no mundo ocidental
As transformações económicas do após guerra no mundo ocidental
Luis Machado
 
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
Vítor Santos
 
As Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
As Transformações Económicas e Sociais do Após GuerraAs Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
As Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
Paulo Martins
 
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militarPortugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
Joao Bernardo Santos
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03  a degradação do ambiente internacional7 03  a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
Vítor Santos
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
Vítor Santos
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
cattonia
 
Apresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio globalApresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio global
Escoladocs
 

Mais procurados (20)

00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_500 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
Portugal
PortugalPortugal
Portugal
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
9 ano 9_2_as transformações do após-guerra
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
 
Crise imperio oriente
Crise imperio orienteCrise imperio oriente
Crise imperio oriente
 
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
9 ano 9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia_blogue
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
 
As transformações económicas do após guerra no mundo ocidental
As transformações económicas do após guerra no mundo ocidentalAs transformações económicas do após guerra no mundo ocidental
As transformações económicas do após guerra no mundo ocidental
 
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
 
As Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
As Transformações Económicas e Sociais do Após GuerraAs Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
As Transformações Económicas e Sociais do Após Guerra
 
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militarPortugal: da 1º republica a ditadura militar
Portugal: da 1º republica a ditadura militar
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03  a degradação do ambiente internacional7 03  a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
Apresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio globalApresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio global
 

Semelhante a Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415

5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
Carla Teixeira
 
As revoluções liberais na europa – século xix
As revoluções liberais na europa – século xixAs revoluções liberais na europa – século xix
As revoluções liberais na europa – século xix
historiando
 
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em PortugalApresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
Dora Alexandra Batista de Sousa Rocha
 
A revolução liberal do porto
A revolução liberal do portoA revolução liberal do porto
A revolução liberal do porto
historiando
 
A revolução do porto
A revolução do portoA revolução do porto
A revolução do porto
Nelia Salles Nantes
 
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   CompletoA ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
ricardup
 
3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1
takahico
 
A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808
ProfessoresColeguium
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
ProfessoresColeguium
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
helenasoares
 
AVALIAÇÃO 8 ANO HISTÓRIA 3 BIMESTRE.docx
AVALIAÇÃO 8 ANO HISTÓRIA 3 BIMESTRE.docxAVALIAÇÃO 8 ANO HISTÓRIA 3 BIMESTRE.docx
AVALIAÇÃO 8 ANO HISTÓRIA 3 BIMESTRE.docx
ElianeFreitas41
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
Vítor Santos
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
blade40p
 
2ºteste
2ºteste2ºteste
2ºteste
Débora Fino
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
Carolina Tavares
 
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
DanielaFilipaSilvaNa
 
Atividade-9-8o-ano-HIS-Os-caminhos-ate-a-independencia-do-Brasil-Brasil-Colon...
Atividade-9-8o-ano-HIS-Os-caminhos-ate-a-independencia-do-Brasil-Brasil-Colon...Atividade-9-8o-ano-HIS-Os-caminhos-ate-a-independencia-do-Brasil-Brasil-Colon...
Atividade-9-8o-ano-HIS-Os-caminhos-ate-a-independencia-do-Brasil-Brasil-Colon...
cristianofiori1
 

Semelhante a Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415 (20)

5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
 
As revoluções liberais na europa – século xix
As revoluções liberais na europa – século xixAs revoluções liberais na europa – século xix
As revoluções liberais na europa – século xix
 
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em PortugalApresentação resumida do liberalismo em Portugal
Apresentação resumida do liberalismo em Portugal
 
A revolução liberal do porto
A revolução liberal do portoA revolução liberal do porto
A revolução liberal do porto
 
A revolução do porto
A revolução do portoA revolução do porto
A revolução do porto
 
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   CompletoA ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal   Completo
A ImplantaçãO Do Liberalismo Em Portugal Completo
 
3ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe13ano 2bi historia_pe1
3ano 2bi historia_pe1
 
A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808A transferência da Corte para o Brasil 1808
A transferência da Corte para o Brasil 1808
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
 
AVALIAÇÃO 8 ANO HISTÓRIA 3 BIMESTRE.docx
AVALIAÇÃO 8 ANO HISTÓRIA 3 BIMESTRE.docxAVALIAÇÃO 8 ANO HISTÓRIA 3 BIMESTRE.docx
AVALIAÇÃO 8 ANO HISTÓRIA 3 BIMESTRE.docx
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
 
2ºteste
2ºteste2ºteste
2ºteste
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
 
Atividade-9-8o-ano-HIS-Os-caminhos-ate-a-independencia-do-Brasil-Brasil-Colon...
Atividade-9-8o-ano-HIS-Os-caminhos-ate-a-independencia-do-Brasil-Brasil-Colon...Atividade-9-8o-ano-HIS-Os-caminhos-ate-a-independencia-do-Brasil-Brasil-Colon...
Atividade-9-8o-ano-HIS-Os-caminhos-ate-a-independencia-do-Brasil-Brasil-Colon...
 

Mais de Laboratório de História

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Laboratório de História
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Laboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415

  • 1. 1 O liberalismo em Portugal e o seu carácter tardio Por Raul Silva Depois da revolução parlamentar inglesa, da revolução americana e da revolução francesa, o liberalismo em Portugal revestiu-se de um caráter tardio, que se explica por condicionalismos históricos. Apesar destes condicionalismos, nas primeiras duas décadas do século XIX verificou-se uma conjuntura económica, política e social favorável à revolução liberal portuguesa. A implementação do liberalismo em Portugal não se fez sem dificuldades, tendo-se tornado definitiva apenas em 1834, após uma guerra civil que opôs absolutistas e liberais. O liberalismo português eclodiu com a Revolução de 1820, com algumas décadas de atraso relativamente às revoluções americana e francesa até mesmo à revolução industrial inglesa. O caráter tardio do liberalismo português deveu-se a vários factores: a situação geográfica do nosso país, caracterizada pela condição periférica, o que lhe conferia um certo isolamento; a longa vivência do absolutismo, apoiado no império comercial e fortemente escudado pelos órgãos repressivos que foram a Inquisição, a Real Mesa Censória e a Intendência-Geral da Polícia; o a atraso económico, técnico, social e mental, devido ao predomínio das atividades rurais e à influência da ordem nobiliárquico-eclesiástica. Apesar destes condicionalismos, os ideias liberais entraram em Portugal, veiculados, desde o século XVIII, pelos iluministas, pelos estrangeirados, pelos exilados franceses, fugidos do regime do Terror, pelos exilados portugueses e pela maçonaria. CADERNODIÁRIO EXTERNATO LUÍS DE CAMÕES N.º 9 https:// www.facebook.com/ historia.externato http:// externatohistoria.blog spot.pt externatohistoria@gm ail.com 13deJaneirode2015
  • 2. 2 CADERNODIÁRIO13deJaneirode2015 Liberalismo português o carácter tardio Os ecos da Revolução Francesa chegam a Portugal através de obras de autores franceses e de numerosos imigrados fugidos ao Terror. Manifestaram-se na divulgação do ideário revolucionário (Liberdade, Igualdade, Fraternidade), da língua e das próprias modas da França, cuja repressão tomou, às vezes, aspectos ridículos. Apesar de perseguidos pelo aparelho de Estado - que continuava arreigadamente absolutista -, as novas ideias foram sendo introduzidas no país e conquistaram adeptos no seio da elite cultural portuguesa. Aliás, a aproximação cultural com a França vinha-se fazendo desde a segunda metade de Setecentos, mercê do movimento iluminista e dos estrangeirados, o que favoreceu, depois, a difusão dos ideias da Revolução Francesa. Ligada a estes ideias também esteve a maçonaria, que assumiu um papel de relevo na divulgação do liberalismo. A maçonaria lançara raízes especialmente em cidades abertas ao tráfego internacional (Funchal, Lisboa e Porto), a partir de finais do século XVIII. Em 1801, contavam-se cinco lojas maçónicas em Lisboa, em cujos filiados se incluíam nobres, burgueses ricos e até alguns clérigos. Em 1812, eram já treze lojas. No Porto, vários maçons e simpatizantes fundaram o Sinédrio (1818), que foi a principal organização responsável pela Revolução de 1820. Associada à maçonaria e ao ideário da França revolucionária, esteve, desde dos princípios do século XIX. Os exilados portugueses eram adeptos da revolução e da maçonaria que, perseguidos pela intendente-geral da Polícia, se fixaram em Londres e Paris. Aqui fundaram publicações periódicas que divulgavam propostas de reformas políticas e económicas em Portugal. A Revolução industrial inglesa teve consequências funestas para a economia nacional: os produtos ingleses impuseram-se pelo seu baixo custo e superior qualidade; a estrutura oficinal enfraqueceu em alguns dos seus sectores fundamentais (ferro, tecidos); a economia tornou-se dependente fortemente do estrangeiro. No século XVII, o capitalismo português era comercial, atravessando um período de grandes lucros no tráfego internacional e com poucos investimentos na indústria. Até finais do século XVIII, as transformações técnicas inglesas raramente foram utilizadas. Foi, todavia, extenso e profundo o impacto da industrialização inglesa, que, aliada às invasões francesas e à abertura ao estrangeiro dos portos do Brasil, contribuiu para o recuo do movimento industrial português. Deste modo, a revolução industrial tornou-se exemplo das transformações a operar, o mesmo é dizer, ajudou na disseminação dos ideias de liberdade económica. Portugal o apelo ao liberalismo José Acúrsio das Neves E como se os males comuns não fossem bastantes para oprimir uma Nação já antecipadamente atenuada pela longa série dos acontecimentos que prepararam a catástrofe de 1807, as invasões francesas, sobraram ainda outros não menos graves. O primeiro e o principal é a ausência do rei num país remoto (...). Foi uma medida de absoluta necessidade, que salvou a monarquia, porém, sepultou a Nação (...); que desorganizaria a administração interna e (...) a repentina extinção do sistema colonial. (...) Segui- se a admissão de todos os géneros de manufactura inglesa (...), e a devastação das províncias centrais do Reino na invasão do general Massena, depois do saque do Porto e as províncias do Norte pelo general Soult. (...) Tendo de sustentar um exército superior ao que permitem os seus meios, parte na Europa e parte na América, (...) como poderia pagar-se a dívida pública e sustentar-se o crédito. A indústria é somente quem pode salvar-nos, porque só ela dá riqueza. Responder: a) Explicite de que forma os ideais liberais entraram em Portugal. “Aquele que Vossa Mercê vir de sapatinho bicudo e mui brunido, atilhos nos calções com gravata por cima da barba, colarinho no meio das orelhas, cabelo rente ao toitiço sob a moleirinha, com suíça até aos cantos da boca - agarre-me logo ele, tranque-mo na cadeia carregado de ferros até que haja navio para o Limoeiro: é iluminado ou pedreiro livre! ” Carta de Pina Manique A maçonaria Sociedade fraternal que cultiva a humanidade, os princípios da liberdade, democracia, igualdade, fraternidade e aperfeiçoamento intelectual
  • 3. 3 Entre 1807 e 1811, Portugal foi alvo de três invasões francesas. Estas foram ordenadas por Napoleão, em virtude do nosso país, aliado da Inglaterra, ter recusado subordinar-se ao Bloqueio Continental. O embarque da família real para o Brasil permitiu manter a independência de Portugal, mas os custos das invasões e da ausência do rei foram muitos altos, quer pela devastação e destruição que as invasões causaram, quer pelo domínio inglês (político e económico) que se instalou no país. Com efeito, além das perdas humanas, a agricultura, o comércio e a indústria foram profundamente afectados e o património nacional sofreu duros reveses com o saque de mosteiros, igrejas e palácios. De 1808 a 1821, Portugal viveu uma dupla condição de protectorado inglês e de colónia brasileira. No Brasil, proclamado reino, D. João IV teimava em permanecer, para grande descontentamento dos Portugueses, que sofriam a humilhação da presença inglesa. O marechal Beresford, com plenos poderes para organizar a defesa, tornou-se Presidente da Junta Governativa e generalíssimo das tropas portuguesas, onde britânicos ocupavam as altas patentes. Controlou também o funcionalismo e a economia, reactivou a Inquisição e encheu as prisões de suspeitos de jacobinismo. Em 1820, a situação económica e financeira era deplorável. Para essa situação muito contribuíram a abertura dos portos do Brasil, em 1808, ao comércio internacional, assim como ao tratado de comércio de 1810 com a Inglaterra, que estabeleceu a liberdade de comércio em Portugal e deu grandes facilidades à entrada de manufacturas inglesas no Brasil. Donde resultou o desmoronamento do comércio luso- brasileiro e os consequentes prejuízos económicos da burguesia metropolitana. Então, foi precisamente no seio da burguesia que a agitação revolucionária lavrou a rebelião se preparou. No Porto, Manuel Fernandes Tomás, desembargador da Relação, fundara, em 1817, com alguns amigos, uma associação secreta, com o nome de Sinédrio. Com muitos membros pertencentes à maçonaria, era objetivo do Sinédrio acompanhar a marcha dos sucessos políticos e intervir logo que a situação se proporcionasse, o que veio a acontecer, em 1820, mercê das seguintes circunstâncias: • uma revolução liberal triunfara em Espanha; • Portugal passou a receber muita propaganda liberal de Espanha, tal como panfletos e edições da Constituição espanhola; • Beresford embarcava para o Rio de Janeiro, a fim de solicitar ao rei dinheiro para as despesas militares. A ausência do general favoreceu a ação do Sinédrio, cujos membros se lançaram com entusiasmo no aliciamento de figuras militares para a revolução. Responder: a) Enuncie os factos que permitiram a eclosão da revolução liberal. b) Evidencie o papel da burguesia no movimento revolucionário. “Lastimavam-se todos da continuação da ausência de Sua Majestade, o que não podia deixar de reduzir este reino ao estado de colónia (...). Entretanto saíram daqui para o Brasil as nossas tropas e o nosso dinheiro, e duas partes dos rendimentos públicos, que não tinham proporção com os recursos da Nação, e que estava governada por um chefe estrangeiro” Francisco Manuel de Aragão Morato A revolução liberal portuguesa e a conjuntura favorável CADERNODIÁRIO13deJaneirode2015 General Gomes Freire de Andrade A repressão de Beresford ficou assinalada quando foi descoberta a conspiração entre oficiais do exército, chefiada pelo general Gomes Freire de Andrade, grão-mestre da maçonaria. Acusado de pretender instalar um regime liberal e expulsar os ingleses, foi condenado à morte e enforcado no Forte de S. Julião da Barra, em Lisboa. Crise económica em Portugal João António Salter de Mendonça Que o desgraçado termo da continuação deste sistema há-de levar a uma bancarrota; a Nação portuguesa está por extremo descontente com a ausência prolongada do seu soberano (...). Está extenuada quanto ao comércio, desde que Portugal deixou de ser o entreposto dos géneros coloniais do Brasil. Está a agricultura arruinada, pelo baixo preço do grão estrangeiro, que tem inundado o Reino, de que resulta o abandono da agricultura e consequente abatimento de todas as rendas. Estes factos (...) demonstram que Portugal tem chegado a uma crise, em que ou há-de sofrer a revolução das fortunas, a desordem (...) e outros males (...), ou se há-de, sem a menor perda de tempo, cuidar em aumentar a receita sem novos impostos, que as presentes circunstâncias não admitem, e em diminuir a despesa. (...)
  • 4. 4 CADERNODIÁRIO13deJaneirode2015 A Revolução Liberal e as suas ideias Manifesto aos Portugueses Vimos nós desaparecer desgraçadamente o nosso comércio, definhar-se a nossa indústria, esmorecer a agricultura e apodrecer a nossa marinha. (...) Portugueses! O passo que acabais de dar para a nossa felicidade futura era necessário e até indispensável e a vossa desgraçada situação justifica o vosso procedimento. (...) A mudança que fazemos não ataca as partes estáveis da monarquia. A religião santa de nossos pais ganhará mais brilhante esplendor e a melhoria dos costumes, fruto de uma iluminada instrução pública, (...) fará a nossa felicidade e a das idades futuras. As leis do Reino, segurarão a propriedade privada individual e a Nação sustentará a cada um no pacífico gozo dos seus direitos (...). As mesmas ordens, os mesmos lugares, os mesmos ofícios, o sacerdócio, a magistratura, todos serão respeitados no livre exercício da autoridade. Ninguém será incomodado por suas opiniões ou conduta passada e as mais bem combinadas medidas se têm tomado para evitar os tumultos e a satisfação de ódios. Portugueses! Vivei certos dos bons desejos que nos animam. A Revolução de 1820 e o vintismo A Revolução de 1820 foi, em princípio, essencialmente um pronunciamento militar com larga participação de negociantes e de magistrados. Entre os seus dirigentes contam-se os nomes do brigadeiro António de Silveira, dos militares Cabreira e Sepúlveda, do deão Brederode e dos burgueses Manuel Fernandes Tomás, José Ferreira Borges e José Silva Carvalho, que, com outros, irão constituir a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino. Coube a Manuel Fernandes Tomás a redação do Manifesto. Do Manifesto ressaltam as seguintes ideias: • a justificação do movimento pela necessidade nacionalista de regenerar a Pátria e as suas instituições subvertidas pelo absolutismo e pela ocupação inglesa; • a não hostilização do rei, cuja reação em face do movimento se desconhecia; • o elogio ao exército pela parte decisiva que tivera no movimento; • o apelo ao povo para que respeitasse a nova ordem; • a afirmação do desejo burguês de não cometer excessos revolucionários A adesão à revolução do Porto foi imediata, por todo o país. A 15 de setembro, em movimento autónomo, são os liberais de Lisboa que se sublevam e expulsam os regentes, constituindo um governo interino. Entretanto, os liberais revolucionários do Porto marcham a caminho de Lisboa. Da fusão dos dois movimentos - conseguida a 28 de setembro - sairia uma nova Junta Provisional presidida por António da Silveira. As primeiras medidas da Junta Provisional tinham por objetivos: • organizar eleições para as Cortes, que haviam de elaborar a Constituição do Reino; • exigir o regresso imediato de D. João VI e o seu juramento à futura Constituição; • terminar com a dominação inglesa, começando por expulsar Beresford e os generais ingleses do exército e do país; • elaborar e promulgar a Constituição, cujas bases haveriam de destruir as estruturas do absolutismo; • consolidar, perante os nacionais e os estrangeiros, a legitimidade dos novos governantes e da sua ideologia. Responder: a) Refira as ideias defendidas pelos revolucionários. b) Pronuncie-se sobre a influência dos ideais iluministas. “Portugueses! O passo que acabais de dar para a nossa felicidade futura era necessário e até indispensável e a vossa desgraçada situação justifica o vosso procedimento. (...) A mudança que fazemos não ataca as partes estáveis da monarquia. A religião santa de nossos pais ganhará mais brilhante esplendor e a melhoria dos costumes, fruto de uma iluminada instrução pública.” Manifesto aos Portugueses O Vintismo Tendência do liberalismo português que se caracterizou pelo radicalismo das suas posições, ao limitar os poderes reais e ao não reconhecer privilégios à nobreza e ao clero.
  • 5. 5 Coube às Cortes constituintes, reunidas desde janeiro de 1821 até setembro de 1822, a elaboração do mais antigo texto constitucional português, jurado e promulgado pelo rei D. João VI a 1 de outubro de 1822. A Constituição de 1822 era um longo documento de 240 artigos, com influência da Constituição espanhola e das Constituições francesas. Reconhecia os direitos e deveres do indivíduo, garantindo a liberdade, a segurança, a propriedade e a igualdade perante a lei; afirmava a soberania da Nação, cabendo aos varãos maiores de vinte e cinco anos, que soubessem ler e escrever, a eleição directa dos deputados; e aceitava a independência dos poderes legislativo, executivo e judicial. Em contrapartida, não reconhecia qualquer privilégio à nobreza e ao clero e submetia o poder do rei às Cortes Legislativas. A lei consagrou o princípio de que a religião católica era a religião dos Portugueses. Sobre o funcionamento das Cortes Legislativas, inicialmente, foram propostas duas câmaras: uma Câmara de Povo e uma Câmara Alta. Mas os deputados da ala mais radical impuseram uma solução oposta - Câmara única. O mesmo aconteceu com o problema do veto, em que o rei podia remetê-la ao Congresso para uma segunda votação, mas esta seria definitiva e de aceitação obrigatória. O radicalismo vintista haveria de se ressentir, de futuro, das tensões encontradas e das oposições criadas, suscitando os ódios dos grandes da Nação. Antes da Constituição de 1822, as Cortes haviam já publicado importantes medidas legislativas que significariam a destruição do Antigo Regime. As mais importantes foram as que: • extinguiram a Inquisição e o pagamento da dízima à Igreja; • permitiram a liberdade de ensino; • suprimiram direitos e tributos, procurando libertar os camponeses da terra. Responder: a) Refira os principais direitos e deveres designados na Constituição de 1822. “Lastimavam-se todos da continuação da ausência de Sua Majestade, o que não podia deixar de reduzir este reino ao estado de colónia (...). Entretanto saíram daqui para o Brasil as nossas tropas e o nosso dinheiro, e duas partes dos rendimentos públicos, que não tinham proporção com os recursos da Nação, e que estava governada por um chefe estrangeiro” Francisco Manuel de Aragão Morato A revolução liberal portuguesa e a Constituição de 1822 CADERNODIÁRIO13deJaneirode2015 Cortes Constituintes Foram o primeiro parlamento português no sentido moderno do conceito. A sua base estava em grande parte idealizada nas antigas Cortes Gerais, só que o sistema de votação para designar os seus delegados foi diferente e agora não estariam separados pelos três poderes de então, Clero, Nobreza e Povo. A Constituição de 1822 e as suas medidas A Constituição de 1822 Art.º 1 - A Constituição política da Nação Portuguesa tem por objetivo manter a liberdade, segurança e propriedade de todos os Portugueses. Art.º 6 - A propriedade é um direito sagrado e inviolável. Art.º 7 - A livre comunicação dos pensamentos é um dos mais preciosos direitos do Homem. Art.º 9 - A lei é igual para todos. Não se deve portanto tolerar privilégios do foro nas causas cíveis ou crimes, nem comissões especiais. Art.º 26 - A soberania reside essencialmente em a Nação. Não pode ser exercida senão pelos seus representantes legalmente eleitos. Art.º 29 - O governo da Nação portuguesa é a monarquia constitucional hereditária, com leis fundamentais que regulem o exercício dos três poderes políticos.