SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DO BRASIL
BRASIL-COLÔNIA 1.500 A 1822
CONHECENDO O LITORAL
BRASILEIRO
 Devido ao lucrativo comércio
com as Índias, o rei de Portugal
não procurou povoar a nova
terra. Limitaram-se a enviar
expedições para conhecer o
litoral e investigar se havia
metais preciosos, eram as
expedições exploradoras.
 1ª. Expedição: 1501-1502 – foi
comandada por Gaspar de
Lemos, que percorreu o litoral e
deu nomes a vários acidentes
geográficos.
Veio
consigo
Américo
Vespúcio,
que
constatou a
 existência de grande quantidade de pau-brasil, em longas
faixas do litoral brasileiro.
 2ª. Expedição: 1503-1504 – comandada por Américo
Vespúcio, que fundou a 1ª. Feitoria (espécie de armazém
onde era guardado o pau-brasil que os índios cortavam
para os portugueses) no Brasil em Cabo Frio (atual Rio de
Janeiro).
 Trouxeram também um grupo de comerciantes
interessados na exploração comercial do paubrasil, através de um contrato com o rei de
Portugal, sendo conhecidos como “brasileiros”.
 Pelo contrato de comercialização da madeira, os
comerciantes ficavam obrigados a pagar certa importância
ao rei pela madeira extraída.
 O mais importante comerciante era Fernão de Noronha.
AS EXPEDIÇÕES GUARDA-COSTAS
 A exploração do pau-brasil não deu origem a estabelecimentos fixos
ou povoados.
 Foram construídas algumas feitorias em trechos do litoral onde a
madeira era mais abundante que serviam para defesa contra os
concorrentes e para o depósito da própria mercadoria.
 A concorrência entre portugueses e franceses pela madeira levou o rei
de Portugal D. João III fazer uma série de reclamações à França, sem
resultados, enviou uma expedição denominada guarda-costas.
 A expedição chegou em 1526, comandada por Cristóvão Jacques para
afastar os franceses, essa expedição perseguiu e afundou alguns
navios franceses, prendeu e matou tripulantes sobreviventes que não
conseguiram fugir.
 Apesar das violências cometidas pela expedição portuguesa, os
franceses continuaram com sua exploração na costa brasileira.
EXPEDIÇÕES COLONIZADORAS


A partir de 1530, em
consequencia da redução do
comércio com o Oriente e do
temor
de
perder
o
Brasil,
Portugal
decidiu
colonizar a nova terra, apesar
das dificuldades.
 Para dar início a essa empresa
colonizadora, foi organizada
uma expedição comandada por
Martim Afonso de Sousa, em
1530.
 Seus principais objetivos eram:
 Percorrer o litoral e, quando julgasse necessário explorar o interior
em busca de ouro e prata;
 Expulsar os franceses que fossem encontrados;
 Organizar núcleos de povoamento e defesa;
 Aumentar o domínio português até o rio da Prata, abrangendo
terras que não pertenciam a Portugal pelo Tratado de Tordesilhas.
 Em 1532, Martim Afonso de Sousa fundou no litoral do atual
estado de São Paulo, São Vicente, a 1ª. Vila do Brasil.
 Depois subiu a Serra do Mar e, com o auxílio de João
Ramalho, fundou uma vila no Planalto de Piratininga, a vila de
Santo André, no atual estado de São Paulo.
 Martim Afonso distribuiu terras a colonos chamados de
sesmarias, construiu casas, elaborou leis, estimulou o cultivo da
cana-de-açúcar e a criação de gado na colônia.
 Ele retornou a Portugal em 1533, devido aos trabalhos realizados
aqui, sua expedição é considerada o marco inicial da colonização
do Brasil.
A ADMINISTRAÇÃO DO BRASIL COLONIAL
1- AS CAPITANIAS
HEREDITÁRIAS
o O rei de Portugal tentou aplicar uma
experiência que dera bons resultados
nas ilhas do Atlântico.
o Em 1534, a costa brasileira foi
dividida em 15 lotes com largura entre
200 e 500 km, estendendo-se do
litoral até o Tratado de Tordesilhas,
chamadas de capitanias
hereditárias.
o Foram assim chamadas pois
passariam dos donatários aos seus
herdeiros.
o O governo entrava com a doação da
terra e os gastos exigidos pela
colonização ficavam inteiramente por
conta do donatário, e suas principais
tarefas eram:
 Fundar vilas e cidades;
 Desenvolver a lavoura de cana-de-açúcar e a criação de gado;
 Proteger os colonos dos ataques dos índios ou de estrangeiros.
O donatário tinha todo o poder dentro de sua capitania. Eles
aplicavam as leis aos colonos e índios, podendo condená-los à morte.
O donatário tinha direitos. Vejamos alguns:
 Distribuir terras aos colonos, as sesmarias;
 Cobrar impostos e podiam ficar com 20% dos lucros do comércio do
pau-brasil.
 Escravizar os índios.
Esse sistema beneficiava o governo português e os donatários
não conseguiam recuperar nem mesmo o dinheiro aplicava.
Portanto não deu os resultados esperados, somente duas
capitanias prosperaram, sendo elas, Pernambuco e São Vicente
devido ao cultivo da cana e da criação de gado e a ajuda de Brás
Cubas, fundador da cidade de Santos e de João Ramalho que já vivia
entre os índios antes da chegada dos portugueses.
Causas do fracasso das
capitanias
 As capitanias eram muito isoladas, nos momentos de
dificuldades os donatários não tinham como pedir
auxílio ao rei ou aos outros donatários;
 Os índios revoltados contra a escravidão, atacavam
constantemente os colonos;
 Falta de recursos dos donatários para investimentos;
02. O GOVERNO-GERAL






Para resolver o problema do isolamento, o rei de Portugal criou o
governo-geral em 1548, com o objetivo de centralizar a defesa do
território e a administração geral da colônia com sede na capitania da
Baía de Todos os Santos, que para isso, foi comprada dos herdeiros do
donatário, que já havia falecido.
As principais funções do governador eram:
Nomear funcionários para as capitanias;
Incentivar a lavoura canavieira;
Estimular a procura de metais preciosos;
Ajudar os donatários a resolver os problemas surgidos em suas
capitanias.
Eles eram auxiliados pelo ouvidor-mor, encarregado da justiça; o
capitão-mor, que cuidava da defesa e o provedor-mor, responsável
pelas finanças e pela cobrança dos impostos.
 Tomé de Souza :

 Chegou em 1549 e trouxe consigo
os primeiros jesuítas com a função
de catequizar os índios, fundou
Salvador,
a
1ª.
Cidade
brasileira, onde instalou seu
governo.
 Criou o 1º. Bispado do Brasil;
nomeou novos funcionários;
 Distribuiu novas sesmarias, trouxe
gado das ilhas de Cabo Verde e
mandou construir engenhos de
açúcar.
 Em 1553, retornou a Portugal.
 Duarte da Costa









Seu governo não obteve sucesso, por
vários motivos:
Houve muitas lutas entre os colonos e os
índios, pois os colonos tentavam
escravizar os índios e estes se revoltavam.
O governador não conseguia impor sua
autoridade, houve desentendimentos entre
ele e o bispo D.Pero Fernandes Sardinha.
Invasão dos franceses na Baía de
Guanabara onde fundaram em 1555, uma
pequena colônia, a França Antártica, o
governador chegou ao final do mandato
sem conseguir expulsá-los.
Em seu governo os padres José de
Anchieta e Manuel da Nóbrega fundaram
na capitania de São Paulo, uma escola
simples com o nome de Colégio São
Paulo, que a seu redor formou-se a cidade
de São Paulo.
Mem de Sá – 1558 a 1572







Em seus 14 anos de governo, ele
conseguiu
resolver
os
principais
problemas deixados pelo governo
anterior. Os fatos mais importantes
foram:
Expulsão dos franceses do Rio de
Janeiro em 1567 com o auxílio de seu
sobrinho Estácio de Sá;
Fundação da cidade de São Sebastião
do Rio de Janeiro, em 1565, durante as
lutas para expulsar os franceses da Baía
de Guanabara;
Apoio ao trabalho de catequese dos
jesuítas junto aos índios.
Em 1572, Mem de Sá pediu seu
retorno a Portugal e D. Sebastião
mandou Dom Luís de Vasconcelos que
foi morto por piratas franceses antes de
chegar ao Brasil.
A administração das vilas e
cidades
As vilas, as cidades e toda a zona rural eram
administradas pelas câmaras municipais. Elas eram
compostas por:
 Um juiz-presidente, que podia ser eleito ou nomeado pelo
rei que além de presidir a Câmara, realizava julgamentos e
resolvia conflitos entre os habitantes;
 Quatro oficiais: três vereadores e um procurador.
Só votavam os homens bons, que eram os
proprietários de terras e de escravos.
Dessa forma eles impediam que pessoas de outras
atividades participassem das Câmaras Municipais, e isso
gerava conflitos entre os proprietários e os comerciantes.
ECONOMIA NO BRASIL COLONIAL
01- O PAU-BRASIL
A extração da madeira
era
bastante rudimentar, trazendo como
consequencia a destruição das
matas nativas. Observe no mapa
ao lado.
A extração era feita com o auxílio
dos índios que cortavam as árvores
e traziam até os navios em troca de
alguns objetos de pouco valor como
espelhos, machados, facas, peças
de tecidos.
A exploração do pau-brasil não
deu origem a povoados ou vilas.
02- A CANA-DE-AÇÚCAR
o

o

o

o

Por que plantar cana?
Era um produto muito caro e
procurado na Europa;
As condições das terras
litorâneas nordestinas eram
excelentes para o cultivo
como: clima quente, chuvas
abundantes e o solo massapé;
Os portugueses já possuíam
experiência no cultivo e na
técnica da fabricação do
açúcar nas ilhas do Atlântico;
Parceria com os holandeses
para resolver o problema
financeiro para o investimento.
03- ECONOMIA COMPLEMENTAR
o Mandioca: era o principal alimento da população, mas sua
produção era bem menor do que o necessário. Com ela fazia-se
farinha-de-pau, alimento diário dos escravos dos engenhos e colonos
pobres.

o Fumo: desenvolveu-se no litoral da Bahia e Alagoas, foi um produto
que teve grande aceitação na Europa e era usado para comparar
escravos na África.

o Algodão: já era conhecido dos índios brasileiros e na época da
lavoura açucareira era usado na fabricação de pano grosseiro, usado
para fazer roupas para os escravos e sacarias.

o Gado: foi importante desde os primeiros tempos da colonização.
Além de fornecer carne, o boi era usado para mover os engenhos e
para transportar o açúcar até o porto.
Com a proibição do gado no litoral, ele penetrou no interior povoandoo.
Nessas fazendas quase não se utilizava o trabalho escravo.
04.Mineração:









Com a descoberta das jazidas em 1693 e
1694, houve uma verdadeira corrida do ouro, muitas brigas e guerras.
Diante dos fatos, a Coroa passou a intervir e organizar as regiões
mineradoras.
Qualquer pessoa podia explorar desde que comunicasse as
autoridades locais, aí ele escolhia a sua data e as outras eram
leiloadas pela Coroa. A mão-de-obra utilizada era escrava.
As minas maiores eram as lavras e as menores sem muitas
perspectivas de produção eram exploradas pelos faiscadores.
Pela exploração a coroa cobrava um imposto chamado quinto.
Para acabar com o crescente contrabando a Coroa criou as Casas de
Fundição, local onde todo o ouro encontrado deveria ser
entregue, transformado em barras e acrescentado o selo real. Essa
atitude da Coroa vai causar inúmeras revoltas na região mineradora.
Com a decadência das minas, o governo impôs a derrama para
completar os 1.500 quilos de ouro que seriam enviados para
Portugal, fato este que gerou revoltas culminando com a
Inconfidência Mineira.
 A mão-de-obra utilizada na região das minas era escrava africana,
mas havia uma possibilidade muito grande de um escravo tornar-se
livre, pois muitos senhores fixavam o preço da liberdade e se ele
conseguisse juntar a quantia comprava a liberdade. Por isso nas
horas de folga, ia catar ouro nas faisqueiras, outra maneira era
esconder e guardar para ele mesmo uma parte do ouro que catava
para o senhor.
 Uma vez livres, muitos tornaram-se sapateiros, joalheiros, ferreiros,
carpinteiros, etc.
PARA ONDE FOI O OURO ENCONTRADO NO BRASIL?
 Trouxe muita riqueza para Portugal, mas quem mais beneficiou foi a
Inglaterra.
 A parte que ficou no Brasil foi usado para fabricar jóias, ornamentar
igrejas, comprar móveis, roupas, perfumes e objetos de luxo que as
famílias ricas utilizavam.
 Uma boa porção foi para Portugal na forma de impostos.
 Outra parte foi para a Inglaterra para pagar os produtos
industrializados importados por Portugal.
A SOCIEDADE COLONIAL
Sociedade Açucareira
Os dois grupos mais importantes eram o dos
senhores de engenho e dos escravos.
 Não havia mobilidade social.
 A terra era a base de riqueza e poder.
 Os senhores procuravam explorar ao máximo o
trabalho do escravo, e estes resistiam fugindo,
matando feitores ou se suicidando
Sociedade Mineradora
Ao contrário da açucareira, a sociedade
mineradora era urbana.
 Havia a possibilidade de mudança social;
 Surgiram profissões urbanas: artesão, funcionário
público, o tropeiro, o comerciante, que constituíram
um grupo de classe média entre a que dominava –
a dos mineradores – e a dominada -a dos escravos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 História Global – Gilberto Cotrim
 História e Vida – Nelson Piletti e Claudino
Piletti

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
Paulo Alexandre
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
Fatima Freitas
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
Aulas de História
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
Claudenilson da Silva
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
Daniel Alves Bronstrup
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
Creusa Lima
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
Portal do Vestibulando
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
Douglas Barraqui
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
Rogerio Alves
 
5 Governo Geral
5 Governo Geral5 Governo Geral
5 Governo Geral
Renato Coutinho
 
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
dmflores21
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
Isabel Aguiar
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
Daniel Alves Bronstrup
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
Paulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Brasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economiaBrasil Colônia - economia
Brasil Colônia - economia
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
5 Governo Geral
5 Governo Geral5 Governo Geral
5 Governo Geral
 
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)Brasil Pré Colonial (1500 1530)
Brasil Pré Colonial (1500 1530)
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 

Destaque

Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
Brasil Colônia I
Brasil Colônia IBrasil Colônia I
Brasil Colônia I
José Augusto Fiorin
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
Elaine Bogo Pavani
 
Período pre colonial e colonial
Período pre colonial e colonialPeríodo pre colonial e colonial
Período pre colonial e colonial
mundica broda
 
Período Pré Colonial
Período Pré ColonialPeríodo Pré Colonial
Período Pré Colonial
Alê Maldonado
 
Brasil pré colonial e colonial pdf
Brasil pré colonial e colonial pdfBrasil pré colonial e colonial pdf
Brasil pré colonial e colonial pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Brasil Colonial XVI - XVII
Brasil Colonial   XVI - XVIIBrasil Colonial   XVI - XVII
Brasil Colonial XVI - XVII
Alexandre Protásio
 
Brasil Colonial
Brasil ColonialBrasil Colonial
Expedicoes Colonizadoras
Expedicoes ColonizadorasExpedicoes Colonizadoras
Expedicoes Colonizadoras
Lilian Larroca
 
Aula período colonial-brasileiro
Aula período colonial-brasileiroAula período colonial-brasileiro
Aula período colonial-brasileiro
Aline Assis
 
Brasil colônia açucar
Brasil colônia   açucarBrasil colônia   açucar
Brasil colônia açucar
Andre Velozo
 
História do brasil ppt aula colonia
História do brasil ppt   aula coloniaHistória do brasil ppt   aula colonia
História do brasil ppt aula colonia
Cicero Julio
 
Aula colonização do brasil
Aula colonização do brasilAula colonização do brasil
Aula colonização do brasil
Adriana Gomes Messias
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇOO TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
Ana Selma Sena Santos
 
Catequização dos índios/ Dicas para o Enem
Catequização dos índios/ Dicas para o EnemCatequização dos índios/ Dicas para o Enem
Catequização dos índios/ Dicas para o Enem
Joemille Leal
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completo
Privada
 
Invasões holandesas
Invasões holandesasInvasões holandesas
Invasões holandesas
Beatriz Dantas
 
Capitanias hereditárias e Governos-gerais
Capitanias hereditárias e Governos-geraisCapitanias hereditárias e Governos-gerais
Capitanias hereditárias e Governos-gerais
lucas2608
 

Destaque (20)

Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Brasil Colônia I
Brasil Colônia IBrasil Colônia I
Brasil Colônia I
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Período pre colonial e colonial
Período pre colonial e colonialPeríodo pre colonial e colonial
Período pre colonial e colonial
 
Período Pré Colonial
Período Pré ColonialPeríodo Pré Colonial
Período Pré Colonial
 
Brasil pré colonial e colonial pdf
Brasil pré colonial e colonial pdfBrasil pré colonial e colonial pdf
Brasil pré colonial e colonial pdf
 
Brasil Colonial XVI - XVII
Brasil Colonial   XVI - XVIIBrasil Colonial   XVI - XVII
Brasil Colonial XVI - XVII
 
Brasil Colonial
Brasil ColonialBrasil Colonial
Brasil Colonial
 
Expedicoes Colonizadoras
Expedicoes ColonizadorasExpedicoes Colonizadoras
Expedicoes Colonizadoras
 
Aula período colonial-brasileiro
Aula período colonial-brasileiroAula período colonial-brasileiro
Aula período colonial-brasileiro
 
Brasil colônia açucar
Brasil colônia   açucarBrasil colônia   açucar
Brasil colônia açucar
 
História do brasil ppt aula colonia
História do brasil ppt   aula coloniaHistória do brasil ppt   aula colonia
História do brasil ppt aula colonia
 
Aula colonização do brasil
Aula colonização do brasilAula colonização do brasil
Aula colonização do brasil
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇOO TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
 
Catequização dos índios/ Dicas para o Enem
Catequização dos índios/ Dicas para o EnemCatequização dos índios/ Dicas para o Enem
Catequização dos índios/ Dicas para o Enem
 
Brasil colônia completo
Brasil colônia   completoBrasil colônia   completo
Brasil colônia completo
 
Invasões holandesas
Invasões holandesasInvasões holandesas
Invasões holandesas
 
Capitanias hereditárias e Governos-gerais
Capitanias hereditárias e Governos-geraisCapitanias hereditárias e Governos-gerais
Capitanias hereditárias e Governos-gerais
 

Semelhante a Brasil colonial

Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Gustavo Cuin
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
Patrícia Sanches
 
A administração do brasil colônia
A administração do brasil colôniaA administração do brasil colônia
A administração do brasil colônia
Nelia Salles Nantes
 
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
ariirodriguees
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
arirodriguess
 
Brasil século xvi
Brasil   século xviBrasil   século xvi
Brasil século xvi
projrp
 
Brasil: Século XVI
Brasil: Século XVIBrasil: Século XVI
Brasil: Século XVI
Max Rodrigues
 
Colonização
ColonizaçãoColonização
Colonização
Cátia Botelho
 
Espírito Santo Colonial
Espírito Santo ColonialEspírito Santo Colonial
Espírito Santo Colonial
Leonardo Pereira
 
Descobrimento do brasil imagens
Descobrimento do brasil  imagensDescobrimento do brasil  imagens
Descobrimento do brasil imagens
Péricles Penuel
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
cursinhoembu
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
Professor: Ellington Alexandre
 
Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo
Kamila Brito
 
Descobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmpDescobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmp
Péricles Penuel
 
Brasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVIBrasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVI
Bruno E Geyse Ornelas
 
Pqp
PqpPqp
Revisão 7º ano
Revisão 7º anoRevisão 7º ano
Revisão 7º ano
Janaína Bindá
 
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 12º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
Daniel Alves Bronstrup
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
eebcjn
 

Semelhante a Brasil colonial (20)

Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
A administração do brasil colônia
A administração do brasil colôniaA administração do brasil colônia
A administração do brasil colônia
 
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Brasil século xvi
Brasil   século xviBrasil   século xvi
Brasil século xvi
 
Brasil: Século XVI
Brasil: Século XVIBrasil: Século XVI
Brasil: Século XVI
 
Colonização
ColonizaçãoColonização
Colonização
 
Espírito Santo Colonial
Espírito Santo ColonialEspírito Santo Colonial
Espírito Santo Colonial
 
Descobrimento do brasil imagens
Descobrimento do brasil  imagensDescobrimento do brasil  imagens
Descobrimento do brasil imagens
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
 
Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo
 
Descobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmpDescobrimento do brasil tmp
Descobrimento do brasil tmp
 
Brasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVIBrasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVI
 
Pqp
PqpPqp
Pqp
 
Revisão 7º ano
Revisão 7º anoRevisão 7º ano
Revisão 7º ano
 
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 12º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
 

Mais de Fatima Freitas

Mato grosso do sul
Mato grosso do sulMato grosso do sul
Mato grosso do sul
Fatima Freitas
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
Fatima Freitas
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
Fatima Freitas
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
Fatima Freitas
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
Fatima Freitas
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
Fatima Freitas
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
Fatima Freitas
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
Fatima Freitas
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
Fatima Freitas
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
Fatima Freitas
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
Fatima Freitas
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
Fatima Freitas
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
Fatima Freitas
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Fatima Freitas
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
Fatima Freitas
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Fatima Freitas
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Fatima Freitas
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
Fatima Freitas
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
Fatima Freitas
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
Fatima Freitas
 

Mais de Fatima Freitas (20)

Mato grosso do sul
Mato grosso do sulMato grosso do sul
Mato grosso do sul
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
Rio + 20
Rio + 20Rio + 20
Rio + 20
 
Guerra da coreia
Guerra da coreiaGuerra da coreia
Guerra da coreia
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
áGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e maresáGuas oceanicas e mares
áGuas oceanicas e mares
 
Problemas ambientais
Problemas ambientaisProblemas ambientais
Problemas ambientais
 
Paisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planetaPaisagens naturais do planeta
Paisagens naturais do planeta
 
As paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasilAs paisagens vegetais do brasil
As paisagens vegetais do brasil
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
 
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
Antiguidade oriental   mesopotâmia 1Antiguidade oriental   mesopotâmia 1
Antiguidade oriental mesopotâmia 1
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Indígenas do brasil
Indígenas do brasilIndígenas do brasil
Indígenas do brasil
 
A escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colôniaA escravidão no brasil colônia
A escravidão no brasil colônia
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 

Brasil colonial

  • 2. CONHECENDO O LITORAL BRASILEIRO  Devido ao lucrativo comércio com as Índias, o rei de Portugal não procurou povoar a nova terra. Limitaram-se a enviar expedições para conhecer o litoral e investigar se havia metais preciosos, eram as expedições exploradoras.  1ª. Expedição: 1501-1502 – foi comandada por Gaspar de Lemos, que percorreu o litoral e deu nomes a vários acidentes geográficos. Veio consigo Américo Vespúcio, que constatou a
  • 3.  existência de grande quantidade de pau-brasil, em longas faixas do litoral brasileiro.  2ª. Expedição: 1503-1504 – comandada por Américo Vespúcio, que fundou a 1ª. Feitoria (espécie de armazém onde era guardado o pau-brasil que os índios cortavam para os portugueses) no Brasil em Cabo Frio (atual Rio de Janeiro).  Trouxeram também um grupo de comerciantes interessados na exploração comercial do paubrasil, através de um contrato com o rei de Portugal, sendo conhecidos como “brasileiros”.  Pelo contrato de comercialização da madeira, os comerciantes ficavam obrigados a pagar certa importância ao rei pela madeira extraída.  O mais importante comerciante era Fernão de Noronha.
  • 4. AS EXPEDIÇÕES GUARDA-COSTAS  A exploração do pau-brasil não deu origem a estabelecimentos fixos ou povoados.  Foram construídas algumas feitorias em trechos do litoral onde a madeira era mais abundante que serviam para defesa contra os concorrentes e para o depósito da própria mercadoria.  A concorrência entre portugueses e franceses pela madeira levou o rei de Portugal D. João III fazer uma série de reclamações à França, sem resultados, enviou uma expedição denominada guarda-costas.  A expedição chegou em 1526, comandada por Cristóvão Jacques para afastar os franceses, essa expedição perseguiu e afundou alguns navios franceses, prendeu e matou tripulantes sobreviventes que não conseguiram fugir.  Apesar das violências cometidas pela expedição portuguesa, os franceses continuaram com sua exploração na costa brasileira.
  • 5. EXPEDIÇÕES COLONIZADORAS  A partir de 1530, em consequencia da redução do comércio com o Oriente e do temor de perder o Brasil, Portugal decidiu colonizar a nova terra, apesar das dificuldades.  Para dar início a essa empresa colonizadora, foi organizada uma expedição comandada por Martim Afonso de Sousa, em 1530.  Seus principais objetivos eram:
  • 6.  Percorrer o litoral e, quando julgasse necessário explorar o interior em busca de ouro e prata;  Expulsar os franceses que fossem encontrados;  Organizar núcleos de povoamento e defesa;  Aumentar o domínio português até o rio da Prata, abrangendo terras que não pertenciam a Portugal pelo Tratado de Tordesilhas.  Em 1532, Martim Afonso de Sousa fundou no litoral do atual estado de São Paulo, São Vicente, a 1ª. Vila do Brasil.  Depois subiu a Serra do Mar e, com o auxílio de João Ramalho, fundou uma vila no Planalto de Piratininga, a vila de Santo André, no atual estado de São Paulo.  Martim Afonso distribuiu terras a colonos chamados de sesmarias, construiu casas, elaborou leis, estimulou o cultivo da cana-de-açúcar e a criação de gado na colônia.  Ele retornou a Portugal em 1533, devido aos trabalhos realizados aqui, sua expedição é considerada o marco inicial da colonização do Brasil.
  • 7. A ADMINISTRAÇÃO DO BRASIL COLONIAL 1- AS CAPITANIAS HEREDITÁRIAS o O rei de Portugal tentou aplicar uma experiência que dera bons resultados nas ilhas do Atlântico. o Em 1534, a costa brasileira foi dividida em 15 lotes com largura entre 200 e 500 km, estendendo-se do litoral até o Tratado de Tordesilhas, chamadas de capitanias hereditárias. o Foram assim chamadas pois passariam dos donatários aos seus herdeiros. o O governo entrava com a doação da terra e os gastos exigidos pela colonização ficavam inteiramente por conta do donatário, e suas principais tarefas eram:
  • 8.  Fundar vilas e cidades;  Desenvolver a lavoura de cana-de-açúcar e a criação de gado;  Proteger os colonos dos ataques dos índios ou de estrangeiros. O donatário tinha todo o poder dentro de sua capitania. Eles aplicavam as leis aos colonos e índios, podendo condená-los à morte. O donatário tinha direitos. Vejamos alguns:  Distribuir terras aos colonos, as sesmarias;  Cobrar impostos e podiam ficar com 20% dos lucros do comércio do pau-brasil.  Escravizar os índios. Esse sistema beneficiava o governo português e os donatários não conseguiam recuperar nem mesmo o dinheiro aplicava. Portanto não deu os resultados esperados, somente duas capitanias prosperaram, sendo elas, Pernambuco e São Vicente devido ao cultivo da cana e da criação de gado e a ajuda de Brás Cubas, fundador da cidade de Santos e de João Ramalho que já vivia entre os índios antes da chegada dos portugueses.
  • 9. Causas do fracasso das capitanias  As capitanias eram muito isoladas, nos momentos de dificuldades os donatários não tinham como pedir auxílio ao rei ou aos outros donatários;  Os índios revoltados contra a escravidão, atacavam constantemente os colonos;  Falta de recursos dos donatários para investimentos;
  • 10. 02. O GOVERNO-GERAL     Para resolver o problema do isolamento, o rei de Portugal criou o governo-geral em 1548, com o objetivo de centralizar a defesa do território e a administração geral da colônia com sede na capitania da Baía de Todos os Santos, que para isso, foi comprada dos herdeiros do donatário, que já havia falecido. As principais funções do governador eram: Nomear funcionários para as capitanias; Incentivar a lavoura canavieira; Estimular a procura de metais preciosos; Ajudar os donatários a resolver os problemas surgidos em suas capitanias. Eles eram auxiliados pelo ouvidor-mor, encarregado da justiça; o capitão-mor, que cuidava da defesa e o provedor-mor, responsável pelas finanças e pela cobrança dos impostos.
  • 11.  Tomé de Souza :  Chegou em 1549 e trouxe consigo os primeiros jesuítas com a função de catequizar os índios, fundou Salvador, a 1ª. Cidade brasileira, onde instalou seu governo.  Criou o 1º. Bispado do Brasil; nomeou novos funcionários;  Distribuiu novas sesmarias, trouxe gado das ilhas de Cabo Verde e mandou construir engenhos de açúcar.  Em 1553, retornou a Portugal.
  • 12.  Duarte da Costa     Seu governo não obteve sucesso, por vários motivos: Houve muitas lutas entre os colonos e os índios, pois os colonos tentavam escravizar os índios e estes se revoltavam. O governador não conseguia impor sua autoridade, houve desentendimentos entre ele e o bispo D.Pero Fernandes Sardinha. Invasão dos franceses na Baía de Guanabara onde fundaram em 1555, uma pequena colônia, a França Antártica, o governador chegou ao final do mandato sem conseguir expulsá-los. Em seu governo os padres José de Anchieta e Manuel da Nóbrega fundaram na capitania de São Paulo, uma escola simples com o nome de Colégio São Paulo, que a seu redor formou-se a cidade de São Paulo.
  • 13. Mem de Sá – 1558 a 1572    Em seus 14 anos de governo, ele conseguiu resolver os principais problemas deixados pelo governo anterior. Os fatos mais importantes foram: Expulsão dos franceses do Rio de Janeiro em 1567 com o auxílio de seu sobrinho Estácio de Sá; Fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, em 1565, durante as lutas para expulsar os franceses da Baía de Guanabara; Apoio ao trabalho de catequese dos jesuítas junto aos índios. Em 1572, Mem de Sá pediu seu retorno a Portugal e D. Sebastião mandou Dom Luís de Vasconcelos que foi morto por piratas franceses antes de chegar ao Brasil.
  • 14. A administração das vilas e cidades As vilas, as cidades e toda a zona rural eram administradas pelas câmaras municipais. Elas eram compostas por:  Um juiz-presidente, que podia ser eleito ou nomeado pelo rei que além de presidir a Câmara, realizava julgamentos e resolvia conflitos entre os habitantes;  Quatro oficiais: três vereadores e um procurador. Só votavam os homens bons, que eram os proprietários de terras e de escravos. Dessa forma eles impediam que pessoas de outras atividades participassem das Câmaras Municipais, e isso gerava conflitos entre os proprietários e os comerciantes.
  • 15. ECONOMIA NO BRASIL COLONIAL 01- O PAU-BRASIL A extração da madeira era bastante rudimentar, trazendo como consequencia a destruição das matas nativas. Observe no mapa ao lado. A extração era feita com o auxílio dos índios que cortavam as árvores e traziam até os navios em troca de alguns objetos de pouco valor como espelhos, machados, facas, peças de tecidos. A exploração do pau-brasil não deu origem a povoados ou vilas.
  • 16. 02- A CANA-DE-AÇÚCAR o o o o Por que plantar cana? Era um produto muito caro e procurado na Europa; As condições das terras litorâneas nordestinas eram excelentes para o cultivo como: clima quente, chuvas abundantes e o solo massapé; Os portugueses já possuíam experiência no cultivo e na técnica da fabricação do açúcar nas ilhas do Atlântico; Parceria com os holandeses para resolver o problema financeiro para o investimento.
  • 17. 03- ECONOMIA COMPLEMENTAR o Mandioca: era o principal alimento da população, mas sua produção era bem menor do que o necessário. Com ela fazia-se farinha-de-pau, alimento diário dos escravos dos engenhos e colonos pobres. o Fumo: desenvolveu-se no litoral da Bahia e Alagoas, foi um produto que teve grande aceitação na Europa e era usado para comparar escravos na África. o Algodão: já era conhecido dos índios brasileiros e na época da lavoura açucareira era usado na fabricação de pano grosseiro, usado para fazer roupas para os escravos e sacarias. o Gado: foi importante desde os primeiros tempos da colonização. Além de fornecer carne, o boi era usado para mover os engenhos e para transportar o açúcar até o porto. Com a proibição do gado no litoral, ele penetrou no interior povoandoo. Nessas fazendas quase não se utilizava o trabalho escravo.
  • 18. 04.Mineração:      Com a descoberta das jazidas em 1693 e 1694, houve uma verdadeira corrida do ouro, muitas brigas e guerras. Diante dos fatos, a Coroa passou a intervir e organizar as regiões mineradoras. Qualquer pessoa podia explorar desde que comunicasse as autoridades locais, aí ele escolhia a sua data e as outras eram leiloadas pela Coroa. A mão-de-obra utilizada era escrava. As minas maiores eram as lavras e as menores sem muitas perspectivas de produção eram exploradas pelos faiscadores. Pela exploração a coroa cobrava um imposto chamado quinto. Para acabar com o crescente contrabando a Coroa criou as Casas de Fundição, local onde todo o ouro encontrado deveria ser entregue, transformado em barras e acrescentado o selo real. Essa atitude da Coroa vai causar inúmeras revoltas na região mineradora. Com a decadência das minas, o governo impôs a derrama para completar os 1.500 quilos de ouro que seriam enviados para Portugal, fato este que gerou revoltas culminando com a Inconfidência Mineira.
  • 19.  A mão-de-obra utilizada na região das minas era escrava africana, mas havia uma possibilidade muito grande de um escravo tornar-se livre, pois muitos senhores fixavam o preço da liberdade e se ele conseguisse juntar a quantia comprava a liberdade. Por isso nas horas de folga, ia catar ouro nas faisqueiras, outra maneira era esconder e guardar para ele mesmo uma parte do ouro que catava para o senhor.  Uma vez livres, muitos tornaram-se sapateiros, joalheiros, ferreiros, carpinteiros, etc. PARA ONDE FOI O OURO ENCONTRADO NO BRASIL?  Trouxe muita riqueza para Portugal, mas quem mais beneficiou foi a Inglaterra.  A parte que ficou no Brasil foi usado para fabricar jóias, ornamentar igrejas, comprar móveis, roupas, perfumes e objetos de luxo que as famílias ricas utilizavam.  Uma boa porção foi para Portugal na forma de impostos.  Outra parte foi para a Inglaterra para pagar os produtos industrializados importados por Portugal.
  • 20. A SOCIEDADE COLONIAL Sociedade Açucareira Os dois grupos mais importantes eram o dos senhores de engenho e dos escravos.  Não havia mobilidade social.  A terra era a base de riqueza e poder.  Os senhores procuravam explorar ao máximo o trabalho do escravo, e estes resistiam fugindo, matando feitores ou se suicidando
  • 21. Sociedade Mineradora Ao contrário da açucareira, a sociedade mineradora era urbana.  Havia a possibilidade de mudança social;  Surgiram profissões urbanas: artesão, funcionário público, o tropeiro, o comerciante, que constituíram um grupo de classe média entre a que dominava – a dos mineradores – e a dominada -a dos escravos.
  • 22. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  História Global – Gilberto Cotrim  História e Vida – Nelson Piletti e Claudino Piletti