SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
HISTÓRIA DO BRASIL
Brasil Colônia: Descobrimentos e
administração Colonial.
(Aula 01 -1C)
Portugal: o pioneiro!!
• Posição geográfica;
• Investimento no aperfeiçoamento dos navios
e no desenvolvimento de instrumentos de
navegação – Escola de Sagres.
• Primeiro país a conhecer o governo
politicamente centralizado na Europa
Ocidental
– Recursos vieram da Burguesia e do Rei.
Calicute

PÉRIPLO AFRICANO
1415 – Tomada de Ceuta.
1434– Gil Eanes cruza o
cabo do Bojador.
1488– Bartolomeu Dias
Chega ao Cabo das
Tormentas/
da
Boa
Esperança.
1498 – Vasco da Gama
chega a Calicute.
A descoberta do Brasil para os
Portugueses:
• Após as descobertas de Vasco da Gama, D.
Manuel tratou de organizar uma nova esquadra.
– Para garantir
especiarias.

o monopólio

do comércio das

• 09 de março de 1500 partiu a expedição.
– Dez naus.
– Três caravelas.
– 1200 homens.

• Duas hipóteses principais:
– Causal e da Intencionalidade.
Documento: Carta de Pero Vaz de Caminha
Período 1500-1530
• Mais interessado no comércio das especiarias,
Portugal deixa a colonização do Brasil em
segundo.
– Duas expedições exploradoras comandadas por
Gaspar de Lemos e Gonçalo Coelho.
– Duas expedições guarda-costa comandadas por
Cristóvão Jacques entre 1516-1528.

Contrabandistas franceses
frequentavam o litoral em
busca de Pau-brasil.
Início da colonização.
• Lucros do comércio com as Índias entra em
declínio.
– Concorrência
de
França, Inglaterra, Holanda.

países

como

• 1530 – primeira Expedição colonizadora
chefiada por Martim Afonso de Sousa.
– Fundou um forte onde hoje é o Rio de Janeiro.
– No Sudeste Fundou duas vilas: São Vicente e Santo
André.
– Percorreu todo o litoral e enfrentou navios franceses.
CAPITANIAS HEREDITÁRIAS
(1530-1549).
• O rei dividiu a administração das terras das Colônias entre
nobres portugueses.
– Deveriam estar dispostos a arcar com os riscos em troca da
possibilidade de usufruir das riquezas e das rendas geradas.

• 15 lotes, mas só doze portugueses se habilitaram para a
empreitada e tornaram-se donatários.
• Os acordos do rei com os donatários estavam expressos na
Carta de Doação e no Foral.
• O desenvolvimento das capitanias foi desigual.
– São Vicente (donatário Martim Afonso) e Pernambuco (donatário
Duarte Coelho) destacaram-se.

• motivos do fracasso:
– a grande extensão territorial para administrar (e suas obrigações),
– falta de recursos econômicos;
– os constantes ataques indígenas.
GOVERNOS-GERAIS.
• Objetivo de centralizar a administração e auxiliar os
donatários.
• Tomé de Sousa (1549-1553).
– 1° governador-geral, trouxe mais de mil colonos e os
primeiros jesuítas chefiados por Manuel de Nóbrega.

• Duarte da Costa (1553-1557).
– Junto dele veio José de Anchieta e outros jesuítas.

• Mem de Sá (1558-1572).
– Resolveu o problema da mão de obra com o início do
tráfico negreiro;
– Expulsou os franceses da Baía de Guanabara;
– Expandiu a produção açucareira e a criação de gado;
– Consolidou a presença portuguesa na colônia.
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA

Responsável pela
Justiça em toda a
colônia
Cuidava da defesa
da colônia.
Encarregado pela
cobrança dos
impostos e
provimentos dos
cargos.

Proprietários
Rurais.
GOVERNOS-GERAIS.
• Após Mem de Sá foi nomeado Luís de
Vasconcelos.
– Nem chegou ao Brasil, sua esquadra foi atacada por
franceses.
• Entre 1572 a 1578 o território da colônia foi dividido
entre norte (governo de Luís de Brito) e sul (governo
de Antônio Salema).
• De 1578 a 1580 governou a colônia Lourenço da
Veiga.
• 1580 -> o Brasil passou para o domínio espanhol.
BRASIL COLÔNIA:

ECONOMIA AÇUCAREIRA/PRESENÇA
ESTRANGEIRA.
(AULA 2 – 1C)
ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA: AÇÚCAR
• Economia colonial montada com base
na mão de obra escravizada.
• O Brasil era o grande produtor mundial
de açúcar nos séculos XVI e XVII.
– Era um produto caro e cobiçado na
Europa, com ele os portugueses tinham
acesso aos metais preciosos usados nos
pagamentos.

• A unidade básica de produção do açúcar
era o Engenho.
– Plantation: sistema agrícola que tinha
como característica o latifúndio, a
escravização e a monocultura.
Outra atividades desenvolvidas no
Engenho:
•Pecuária,
•Algodão,
•Mandioca,
•Fumo e aguardente.
Sociedade
Açucareira:
Rural,
estratificada e
Patriarcal.
Senhor de Engenho e sua Família.
Funcionários
graduados, Clérigos, mercadores, o
s lavradores e trabalhadores livres.

Escravizados.
Invasões Francesas:
• Entre 1555 e 1567 – franceses fundam na Baía de Guanabara uma
colônia chamada de França Antártica.
–
–
–
–

Liderados por Nicolau Durand de Villegaignon.
Acomodar calvinistas franceses (huguenotes).
Aliança com os tupinambás (chamados de tamoios pelos portugueses)
Mem de Sá junto de Estácio de Sá (que funda a cidade do Rio de
Janeiro) organizam o ataque (com o apoio dos Temiminós) contra os
franceses.

• No Maranhão houve a fundação da França Equinocial (1612) junto
de um forte chamado São Luís.
– O governo português não poupou esforços até a completa expulsão
dos franceses do maranhão.

• Os franceses ainda atacaram a costa do Rio de Janeiro em 1710 e
1711 (corsários saquearam a cidade).
DOMÍNIO holandês NO BRASIL.
• Projeto da Holanda (Países Baixos) em ocupar e administrar o Nordeste
Brasileiro através da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais.
• Após a União Ibérica (domínio da Espanha em Portugal entre os anos de
1580 e 1640), a Holanda resolveu enviar suas expedições militares para
conquistarem a região nordeste brasileira.
– O objetivo holandês era restabelecer o comércio do açúcar entre o Brasil e Holanda,
proibido pela Espanha após a União Ibérica.

• A primeira expedição invasora ocorreu em 1624 contra Salvador (capital
do Brasil na época).
– Comandados por Jacob Willekens, mais de 1500 homens conquistaram Salvador e
estabeleceram um governo na capital brasileira. Os holandeses foram expulsos no ano
seguinte quando chegaram reforços da Espanha.

• Em 1630, houve uma segunda expedição militar holandesa, desta vez
contra a cidade de Olinda (Pernambuco).
– Após uma resistência luso-brasileira, os holandeses dominaram a região, estabeleceram
um governo e retomaram o comércio de açúcar com a região nordestina brasileira.
Maurício de Nassau
• Principais aspectos da administração de Nassau no Nordeste do Brasil:
– Estabeleceu relações amigáveis entre holandeses e senhores de engenho
brasileiros;
– Incentivou, através de empréstimos, a reestruturação dos engenhos de açúcar
do Nordeste;
– Introduziu inovações com relação à fabricação de açúcar;
– Favoreceu um clima de tolerância e liberdade religiosa;
– Modernizou a cidade de Recife, construindo diques, canais, palácios, pontes e
jardins.
– Estabeleceu e organizou os sistemas de coleta de lixo e os serviços de
bombeiros em Recife.
– Determinou a construção em Recife de um observatório astronômico, um
Jardim Botânico, um museu natural e um Zoológico.

• Nassau deixou seu cargo no ano de 1644.
– Com a saída de Nassau, os portugueses perceberam que era o momento de
reconquistar o nordeste brasileiro. Tiveram vitórias contra os holandeses
nas batalhas de Monte das Tabocas e na de Guararapes.

• Em 1654, finalmente os colonos portugueses (apoiados por militares
de Portugal e Inglaterra) conseguiram expulsar definitivamente os
holandeses do território brasileiro.
– Após a expulsão dos holandeses do Nordeste brasileiro (Pernambuco, 1654),
estes vão se estabelecer no Caribe aumentando a concorrência mundial e
diminuindo o preço do produto.
3ão
Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup
BLOG: profhistdaniel.blogspot.com
@danielbronstrup

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

A independência do haiti
A independência do haitiA independência do haiti
A independência do haiti
 
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
 
Republica velha resumão
Republica velha resumãoRepublica velha resumão
Republica velha resumão
 
As Principais Revoluções Liberais
As Principais Revoluções Liberais As Principais Revoluções Liberais
As Principais Revoluções Liberais
 
O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)O iluminismo(Resumo)
O iluminismo(Resumo)
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
 
Slides - As Grandes Navegações
Slides -  As Grandes NavegaçõesSlides -  As Grandes Navegações
Slides - As Grandes Navegações
 
A contrarreforma
A contrarreformaA contrarreforma
A contrarreforma
 
As Reformas Religiosas
As Reformas ReligiosasAs Reformas Religiosas
As Reformas Religiosas
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Colonização do Brasil
Colonização do BrasilColonização do Brasil
Colonização do Brasil
 
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIGrandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
Napoleão Bonaparte
Napoleão BonaparteNapoleão Bonaparte
Napoleão Bonaparte
 
Os tratados de limites
Os tratados de limitesOs tratados de limites
Os tratados de limites
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 
As Grandes Civilizações da América
As Grandes Civilizações da AméricaAs Grandes Civilizações da América
As Grandes Civilizações da América
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Absolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e MercantilismoAbsolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e Mercantilismo
 

Destaque

3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 cDaniel Alves Bronstrup
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 cDaniel Alves Bronstrup
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizaçõesDaniel Alves Bronstrup
 
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinadoDaniel Alves Bronstrup
 
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e AbsolutismoDaniel Alves Bronstrup
 
3º ano mundo contemporâneo 2 - oriente médio
3º ano   mundo contemporâneo 2 - oriente médio3º ano   mundo contemporâneo 2 - oriente médio
3º ano mundo contemporâneo 2 - oriente médioDaniel Alves Bronstrup
 
2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1Daniel Alves Bronstrup
 

Destaque (20)

3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c3° ano  - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
3° ano - Brasil colônia - aula 3 e 4 - apostila 2 c
 
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c3° ano   Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
3° ano Brasil colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
3° ano Brasil República Velha
3° ano   Brasil República Velha3° ano   Brasil República Velha
3° ano Brasil República Velha
 
3ºão - resumão - imperialismos
3ºão - resumão - imperialismos3ºão - resumão - imperialismos
3ºão - resumão - imperialismos
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
2º ano - Primeira Guerra Mundial
2º ano - Primeira Guerra Mundial2º ano - Primeira Guerra Mundial
2º ano - Primeira Guerra Mundial
 
1° ano - Bizantinos
1° ano - Bizantinos1° ano - Bizantinos
1° ano - Bizantinos
 
Reforma religiosa
Reforma religiosaReforma religiosa
Reforma religiosa
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - InglaterraRevoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
 
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado3° ano - Brasil Império - segundo reinado
3° ano - Brasil Império - segundo reinado
 
3° ano período regencial
3° ano   período regencial3° ano   período regencial
3° ano período regencial
 
2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha2° ano - Brasil República Velha
2° ano - Brasil República Velha
 
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas -  InglaterraRevoluções Burguesas -  Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
 
3º ano mundo contemporâneo 2 - oriente médio
3º ano   mundo contemporâneo 2 - oriente médio3º ano   mundo contemporâneo 2 - oriente médio
3º ano mundo contemporâneo 2 - oriente médio
 
1ºano - Renascimento Cultural
1ºano - Renascimento Cultural1ºano - Renascimento Cultural
1ºano - Renascimento Cultural
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1
 

Semelhante a 3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c

3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil ColôniaDaniel Alves Bronstrup
 
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 012° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01Daniel Alves Bronstrup
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia datacursinhoembu
 
História do brasil - Aula 03
História do brasil  - Aula 03História do brasil  - Aula 03
História do brasil - Aula 03Fernanda Stang
 
Colonia brasil
Colonia brasilColonia brasil
Colonia brasilfelipewatz
 
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaGustavo Cuin
 
História do Brasil - Colônia - Expansão marítima [www.gondim.net]
História do Brasil - Colônia - Expansão marítima [www.gondim.net]História do Brasil - Colônia - Expansão marítima [www.gondim.net]
História do Brasil - Colônia - Expansão marítima [www.gondim.net]Marco Aurélio Gondim
 
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundoIngleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundoEdenilson Morais
 
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesa
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesaColonizaçao inglesa,francesa e holandesa
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesaIsabel Aguiar
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaPatrícia Sanches
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialdaviprofessor
 
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
A história de portugal
A história de portugalA história de portugal
A história de portugaltelmascapelo
 

Semelhante a 3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c (20)

3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
 
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 012° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
2° ano E.M. - Brasil Colônia - parte 01
 
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 12º ano - Brasil Colônia - parte 1
2º ano - Brasil Colônia - parte 1
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
 
Brasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVIBrasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVI
 
História do brasil - Aula 03
História do brasil  - Aula 03História do brasil  - Aula 03
História do brasil - Aula 03
 
Colonia brasil
Colonia brasilColonia brasil
Colonia brasil
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
 
História do Brasil - Colônia - Expansão marítima [www.gondim.net]
História do Brasil - Colônia - Expansão marítima [www.gondim.net]História do Brasil - Colônia - Expansão marítima [www.gondim.net]
História do Brasil - Colônia - Expansão marítima [www.gondim.net]
 
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesaCapítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
Capítulo 5 - A América portuguesa e a presença holandesa
 
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundoIngleses, franceses e holandeses no novo mundo
Ingleses, franceses e holandeses no novo mundo
 
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesa
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesaColonizaçao inglesa,francesa e holandesa
Colonizaçao inglesa,francesa e holandesa
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonial
 
Colonização brasileira 'revisão 2014
Colonização brasileira 'revisão 2014Colonização brasileira 'revisão 2014
Colonização brasileira 'revisão 2014
 
Hist br am_colonial
Hist br am_colonialHist br am_colonial
Hist br am_colonial
 
Historia do brasil
Historia do brasilHistoria do brasil
Historia do brasil
 
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
 
A história de portugal
A história de portugalA história de portugal
A história de portugal
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup

3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasilDaniel Alves Bronstrup
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinadoDaniel Alves Bronstrup
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e RevoltasDaniel Alves Bronstrup
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIXDaniel Alves Bronstrup
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.Daniel Alves Bronstrup
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.Daniel Alves Bronstrup
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev InglesaDaniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.Daniel Alves Bronstrup
 
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização GregaDaniel Alves Bronstrup
 

Mais de Daniel Alves Bronstrup (20)

Idade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptxIdade media - Feudalismo.pptx
Idade media - Feudalismo.pptx
 
2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado2º ano - Brasil segundo reinado
2º ano - Brasil segundo reinado
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
 
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado2º ANO - Independência e Primeiro reinado
2º ANO - Independência e Primeiro reinado
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
 
2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa2ºano - Revolução Francesa
2ºano - Revolução Francesa
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E IDEOLOGIAS DO SEC. XIX.
 
2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira2ano - Inconfidência Mineira
2ano - Inconfidência Mineira
 
2º ano - iluminismo
2º ano -  iluminismo2º ano -  iluminismo
2º ano - iluminismo
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
 
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
Resumão do 3ão -  Alta Idade MédiaResumão do 3ão -  Alta Idade Média
Resumão do 3ão - Alta Idade Média
 
3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado3ão - Brasil Segundo Reinado
3ão - Brasil Segundo Reinado
 
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
3ºano - Revolução Industrial e Ideologias do Séc. XIX
 
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
3º ano Revolução Francesa e outros movimentos franceses.
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
 
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
3ºão ano - Família Real, Independência e Primeiro Reinado.
 
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
3ão Resumão - Iluminismo - Rev Inglesa
 
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
3º ano - Mineração, expansão territorial e escravidão.
 
3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana 3º ano - Civilização Romana
3º ano - Civilização Romana
 
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
3ão - aulas 2 e 3 - 1A - Civilização Grega
 

3° ano - Brasil Colônia - aula 1 e 2 - apostila 1 c

  • 1. HISTÓRIA DO BRASIL Brasil Colônia: Descobrimentos e administração Colonial. (Aula 01 -1C)
  • 2. Portugal: o pioneiro!! • Posição geográfica; • Investimento no aperfeiçoamento dos navios e no desenvolvimento de instrumentos de navegação – Escola de Sagres. • Primeiro país a conhecer o governo politicamente centralizado na Europa Ocidental – Recursos vieram da Burguesia e do Rei.
  • 3. Calicute PÉRIPLO AFRICANO 1415 – Tomada de Ceuta. 1434– Gil Eanes cruza o cabo do Bojador. 1488– Bartolomeu Dias Chega ao Cabo das Tormentas/ da Boa Esperança. 1498 – Vasco da Gama chega a Calicute.
  • 4. A descoberta do Brasil para os Portugueses: • Após as descobertas de Vasco da Gama, D. Manuel tratou de organizar uma nova esquadra. – Para garantir especiarias. o monopólio do comércio das • 09 de março de 1500 partiu a expedição. – Dez naus. – Três caravelas. – 1200 homens. • Duas hipóteses principais: – Causal e da Intencionalidade. Documento: Carta de Pero Vaz de Caminha
  • 5. Período 1500-1530 • Mais interessado no comércio das especiarias, Portugal deixa a colonização do Brasil em segundo. – Duas expedições exploradoras comandadas por Gaspar de Lemos e Gonçalo Coelho. – Duas expedições guarda-costa comandadas por Cristóvão Jacques entre 1516-1528. Contrabandistas franceses frequentavam o litoral em busca de Pau-brasil.
  • 6. Início da colonização. • Lucros do comércio com as Índias entra em declínio. – Concorrência de França, Inglaterra, Holanda. países como • 1530 – primeira Expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. – Fundou um forte onde hoje é o Rio de Janeiro. – No Sudeste Fundou duas vilas: São Vicente e Santo André. – Percorreu todo o litoral e enfrentou navios franceses.
  • 7. CAPITANIAS HEREDITÁRIAS (1530-1549). • O rei dividiu a administração das terras das Colônias entre nobres portugueses. – Deveriam estar dispostos a arcar com os riscos em troca da possibilidade de usufruir das riquezas e das rendas geradas. • 15 lotes, mas só doze portugueses se habilitaram para a empreitada e tornaram-se donatários. • Os acordos do rei com os donatários estavam expressos na Carta de Doação e no Foral. • O desenvolvimento das capitanias foi desigual. – São Vicente (donatário Martim Afonso) e Pernambuco (donatário Duarte Coelho) destacaram-se. • motivos do fracasso: – a grande extensão territorial para administrar (e suas obrigações), – falta de recursos econômicos; – os constantes ataques indígenas.
  • 8.
  • 9. GOVERNOS-GERAIS. • Objetivo de centralizar a administração e auxiliar os donatários. • Tomé de Sousa (1549-1553). – 1° governador-geral, trouxe mais de mil colonos e os primeiros jesuítas chefiados por Manuel de Nóbrega. • Duarte da Costa (1553-1557). – Junto dele veio José de Anchieta e outros jesuítas. • Mem de Sá (1558-1572). – Resolveu o problema da mão de obra com o início do tráfico negreiro; – Expulsou os franceses da Baía de Guanabara; – Expandiu a produção açucareira e a criação de gado; – Consolidou a presença portuguesa na colônia.
  • 10. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA Responsável pela Justiça em toda a colônia Cuidava da defesa da colônia. Encarregado pela cobrança dos impostos e provimentos dos cargos. Proprietários Rurais.
  • 11. GOVERNOS-GERAIS. • Após Mem de Sá foi nomeado Luís de Vasconcelos. – Nem chegou ao Brasil, sua esquadra foi atacada por franceses. • Entre 1572 a 1578 o território da colônia foi dividido entre norte (governo de Luís de Brito) e sul (governo de Antônio Salema). • De 1578 a 1580 governou a colônia Lourenço da Veiga. • 1580 -> o Brasil passou para o domínio espanhol.
  • 13. ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA: AÇÚCAR • Economia colonial montada com base na mão de obra escravizada. • O Brasil era o grande produtor mundial de açúcar nos séculos XVI e XVII. – Era um produto caro e cobiçado na Europa, com ele os portugueses tinham acesso aos metais preciosos usados nos pagamentos. • A unidade básica de produção do açúcar era o Engenho. – Plantation: sistema agrícola que tinha como característica o latifúndio, a escravização e a monocultura.
  • 14. Outra atividades desenvolvidas no Engenho: •Pecuária, •Algodão, •Mandioca, •Fumo e aguardente.
  • 15. Sociedade Açucareira: Rural, estratificada e Patriarcal. Senhor de Engenho e sua Família. Funcionários graduados, Clérigos, mercadores, o s lavradores e trabalhadores livres. Escravizados.
  • 16. Invasões Francesas: • Entre 1555 e 1567 – franceses fundam na Baía de Guanabara uma colônia chamada de França Antártica. – – – – Liderados por Nicolau Durand de Villegaignon. Acomodar calvinistas franceses (huguenotes). Aliança com os tupinambás (chamados de tamoios pelos portugueses) Mem de Sá junto de Estácio de Sá (que funda a cidade do Rio de Janeiro) organizam o ataque (com o apoio dos Temiminós) contra os franceses. • No Maranhão houve a fundação da França Equinocial (1612) junto de um forte chamado São Luís. – O governo português não poupou esforços até a completa expulsão dos franceses do maranhão. • Os franceses ainda atacaram a costa do Rio de Janeiro em 1710 e 1711 (corsários saquearam a cidade).
  • 17.
  • 18. DOMÍNIO holandês NO BRASIL. • Projeto da Holanda (Países Baixos) em ocupar e administrar o Nordeste Brasileiro através da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais. • Após a União Ibérica (domínio da Espanha em Portugal entre os anos de 1580 e 1640), a Holanda resolveu enviar suas expedições militares para conquistarem a região nordeste brasileira. – O objetivo holandês era restabelecer o comércio do açúcar entre o Brasil e Holanda, proibido pela Espanha após a União Ibérica. • A primeira expedição invasora ocorreu em 1624 contra Salvador (capital do Brasil na época). – Comandados por Jacob Willekens, mais de 1500 homens conquistaram Salvador e estabeleceram um governo na capital brasileira. Os holandeses foram expulsos no ano seguinte quando chegaram reforços da Espanha. • Em 1630, houve uma segunda expedição militar holandesa, desta vez contra a cidade de Olinda (Pernambuco). – Após uma resistência luso-brasileira, os holandeses dominaram a região, estabeleceram um governo e retomaram o comércio de açúcar com a região nordestina brasileira.
  • 20. • Principais aspectos da administração de Nassau no Nordeste do Brasil: – Estabeleceu relações amigáveis entre holandeses e senhores de engenho brasileiros; – Incentivou, através de empréstimos, a reestruturação dos engenhos de açúcar do Nordeste; – Introduziu inovações com relação à fabricação de açúcar; – Favoreceu um clima de tolerância e liberdade religiosa; – Modernizou a cidade de Recife, construindo diques, canais, palácios, pontes e jardins. – Estabeleceu e organizou os sistemas de coleta de lixo e os serviços de bombeiros em Recife. – Determinou a construção em Recife de um observatório astronômico, um Jardim Botânico, um museu natural e um Zoológico. • Nassau deixou seu cargo no ano de 1644. – Com a saída de Nassau, os portugueses perceberam que era o momento de reconquistar o nordeste brasileiro. Tiveram vitórias contra os holandeses nas batalhas de Monte das Tabocas e na de Guararapes. • Em 1654, finalmente os colonos portugueses (apoiados por militares de Portugal e Inglaterra) conseguiram expulsar definitivamente os holandeses do território brasileiro. – Após a expulsão dos holandeses do Nordeste brasileiro (Pernambuco, 1654), estes vão se estabelecer no Caribe aumentando a concorrência mundial e diminuindo o preço do produto.
  • 21.
  • 22. 3ão Prof. Msc. Daniel Alves Bronstrup BLOG: profhistdaniel.blogspot.com @danielbronstrup