SlideShare uma empresa Scribd logo
NEONEOCOLONIALISMOCOLONIALISMO
CONCEITOCONCEITO
Nova forma de dominaçãoNova forma de dominação == DomínioDomínio
econômico, político, social e cultural.econômico, político, social e cultural.
Domínio de vastas áreas do planeta porDomínio de vastas áreas do planeta por
parte de nações industrializadas (Inglaterra,parte de nações industrializadas (Inglaterra,
França, Holanda, Bélgica, Alemanha, Itália,França, Holanda, Bélgica, Alemanha, Itália,
Japão, EUA, Rússia) sem necessariamenteJapão, EUA, Rússia) sem necessariamente
ter posse do território como no períodoter posse do território como no período
colonial.colonial.
CONTEXTOCONTEXTO
Segunda metade do século XIX quando aSegunda metade do século XIX quando a
expansão dos países europeusexpansão dos países europeus
industrializados leva a partilha dosindustrializados leva a partilha dos
continentes africano e asiático;continentes africano e asiático;
Também EUA e Japão exercem atividadesTambém EUA e Japão exercem atividades
imperialistas em suas respectivas regiõesimperialistas em suas respectivas regiões
de influência.de influência.
A Revolução Industrial consistiu em umA Revolução Industrial consistiu em um
conjunto de mudanças tecnológicas comconjunto de mudanças tecnológicas com
profundo impacto no processo produtivoprofundo impacto no processo produtivo
em nível econômico, social e cultural.em nível econômico, social e cultural.
Iniciada na Inglaterra em meados doIniciada na Inglaterra em meados do
século XVIII, expandiu-se pelo mundo aséculo XVIII, expandiu-se pelo mundo a
partir do século XIX.partir do século XIX.
O QUE FOI A REVOLUÇÃOO QUE FOI A REVOLUÇÃO
INDUSTRIALINDUSTRIAL
Um motor a vapor de Watt: o motor a vapor, alimentado principalmente
com carvão, impulsionou a Revolução Industrial no Reino Unido e no
mundo.
SEGUNDA FASE  1850 a 1900 ––
Cresce a concorrência, a indústria de bens deCresce a concorrência, a indústria de bens de
produção se desenvolve, as ferrovias seprodução se desenvolve, as ferrovias se
expandem, surgem novas formas de energia,expandem, surgem novas formas de energia,
como a hidrelétrica e a derivada do petróleo;como a hidrelétrica e a derivada do petróleo;
são criados o dínamo, o motor a combustãosão criados o dínamo, o motor a combustão
interna, o telégrafo e o telefone.interna, o telégrafo e o telefone.
II REVOLUÇÃO INDUSTRIALII REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 Segunda Revolução Industrial (motor aSegunda Revolução Industrial (motor a
combustão interna);combustão interna);
 Busca de matéria-prima;Busca de matéria-prima;
 Conquista de mercados-consumidores;Conquista de mercados-consumidores;
 Exploração de mão de obra barataExploração de mão de obra barata;;
CAUSAS DOCAUSAS DO
NEOCOLONIALISMONEOCOLONIALISMO
 DIRETADIRETA
Com agentes metropolitanos ocupando osCom agentes metropolitanos ocupando os
principais cargos governamentais.principais cargos governamentais.
Ex: Inglaterra na Índia.Ex: Inglaterra na Índia.
 INDIRETAINDIRETA
Aliança com elites locais, mantendo umaAliança com elites locais, mantendo uma
aparente independência política.aparente independência política.
Ex: EUA na América CentralEx: EUA na América Central
FORMAS DE DOMINAÇÃOFORMAS DE DOMINAÇÃO
COLONIALISMO X NEOCOLONIALISMOCOLONIALISMO X NEOCOLONIALISMO
- Capitalismo Comercial;- Capitalismo Comercial;
- Objetivos: especiarias,- Objetivos: especiarias,
produtos tropicais eprodutos tropicais e
metais preciosos;metais preciosos;
- Continente Americano;- Continente Americano;
- Expansão impulsionada- Expansão impulsionada
pelo Estado;pelo Estado;
- Ideologia legitimadora:- Ideologia legitimadora:
Fé católicaFé católica
- Capitalismo industrial e- Capitalismo industrial e
financeiro;financeiro;
- Objetivos: mercados- Objetivos: mercados
consumidores econsumidores e
fornecedores defornecedores de
matérias-primas; áreasmatérias-primas; áreas
estratégicas paraestratégicas para
proteção do comércioproteção do comércio
marítimo.marítimo.
- Continente africano,- Continente africano,
Asiático e Oceania;Asiático e Oceania;
- Expansão impulsionada- Expansão impulsionada
pela burguesiapela burguesia
européiaeuropéia
- Ideologia legitimadora:- Ideologia legitimadora:
Missão Civilizadora eMissão Civilizadora e
Darwinismo Social.Darwinismo Social.
JUSTIFICATIVASJUSTIFICATIVAS
1.1. Missão civilizadora:Missão civilizadora: O literato inglêsO literato inglês
Rudyard Kipling (1865-1936) forneceuRudyard Kipling (1865-1936) forneceu
amplo material de apoio ao imperialismo deamplo material de apoio ao imperialismo de
seu país. Para ele a Inglaterra podiaseu país. Para ele a Inglaterra podia
suportar como nenhuma outra nação “osuportar como nenhuma outra nação “o
fardo do homem branco”; em sua obra ,fardo do homem branco”; em sua obra ,
The White man’s burden, destaca o dever àThe White man’s burden, destaca o dever à
filantropia da ação colonizadora inglesa,filantropia da ação colonizadora inglesa,
como se constata nos versos:como se constata nos versos:
““Assumi o fardo do homem branco, enviai osAssumi o fardo do homem branco, enviai os
melhores dos vossos filhos! Condenai vossosmelhores dos vossos filhos! Condenai vossos
filhos ao exílio para que sejam os servidoresfilhos ao exílio para que sejam os servidores
de seus cativos.”de seus cativos.”
1.1. Darwinismo social:Darwinismo social: Segundo Spencer, aSegundo Spencer, a
Teoria da Evolução de Darwin, podia serTeoria da Evolução de Darwin, podia ser
perfeitamente aplicada à evolução daperfeitamente aplicada à evolução da
sociedade, assim como existia uma seleçãosociedade, assim como existia uma seleção
natural entre as espécies, com onatural entre as espécies, com o
predomínio dos animais e plantas maispredomínio dos animais e plantas mais
capazes, ela existia também na sociedade.capazes, ela existia também na sociedade.
A luta pela sobrevivência entre os animaisA luta pela sobrevivência entre os animais
correspondia à concorrência capitalista; acorrespondia à concorrência capitalista; a
seleção natural não era mais nada além daseleção natural não era mais nada além da
livre troca dos produtos entre os homens; alivre troca dos produtos entre os homens; a
sobrevivência do mais capaz, do mais fortesobrevivência do mais capaz, do mais forte
era demonstrada pela forma criativa dosera demonstrada pela forma criativa dos
gigantes da indústria, que engoliam osgigantes da indústria, que engoliam os
competidores mais fracos, em seu caminhocompetidores mais fracos, em seu caminho
para o enriquecimento.para o enriquecimento.
JUSTIFICATIVASJUSTIFICATIVAS
CONFERÊNCIA DE BERLIMCONFERÊNCIA DE BERLIM
(1884 -1885)(1884 -1885)
 Objetivo:Objetivo: Elaboração de um conjunto deElaboração de um conjunto de
regras que dispusessem sobre a conquistaregras que dispusessem sobre a conquista
da África pelas potências coloniais dada África pelas potências coloniais da
forma mais ordenada possível.forma mais ordenada possível.
 Beneficiados:Beneficiados: Inglaterra (Rosa) e FrançaInglaterra (Rosa) e França
(Roxo), Obtiveram a porcentagem dos(Roxo), Obtiveram a porcentagem dos
territórios.territórios.
IMPÉRIOS NEOCOLONIAISIMPÉRIOS NEOCOLONIAIS
IMPERIALISMO DOS EUAIMPERIALISMO DOS EUA
 Doutrina Monroe em 1823.Doutrina Monroe em 1823.
 Corolário Roosevelt ou Big Stick Policy(1901-Corolário Roosevelt ou Big Stick Policy(1901-
09) (política do grande porrete): Intervenção09) (política do grande porrete): Intervenção
dos EUA nos países da América Latina.dos EUA nos países da América Latina.
 Guerra Hispano Americana (1898).Guerra Hispano Americana (1898).
 Emenda Platt: Dá o direito de intervençãoEmenda Platt: Dá o direito de intervenção
estadunidense na Ilha de Cuba.estadunidense na Ilha de Cuba.
 Em 1898 anexa a ilha de Porto Rico.Em 1898 anexa a ilha de Porto Rico.
 Obtém territórios no Pacífico como o Hawai.Obtém territórios no Pacífico como o Hawai.
ERA MEIJI – JAPÃOERA MEIJI – JAPÃO
 Isolado até 1542.Isolado até 1542.
 A chegada da fé cristã leva cerca de 37 milA chegada da fé cristã leva cerca de 37 mil
cristãos japoneses a morte.(1616)cristãos japoneses a morte.(1616)
 Em 1648, o Japão fecha totalmente seusEm 1648, o Japão fecha totalmente seus
portos e passa a viver em um regime feudal.portos e passa a viver em um regime feudal.
(feudalismo japonês ou xogunato)(feudalismo japonês ou xogunato)
 Através da diplomacia do canhão, os EUAAtravés da diplomacia do canhão, os EUA
abrem os portos japoneses em 1854.abrem os portos japoneses em 1854.
 Ocidentalização da cultura (militar).Ocidentalização da cultura (militar).
 É despertado um forte nacionalismo pósÉ despertado um forte nacionalismo pós
abertura dos portos.abertura dos portos.
ERA MEIJI – JAPÃOERA MEIJI – JAPÃO
 União de clãs rivais ao xogunato em volta doUnião de clãs rivais ao xogunato em volta do
Imperador.Imperador.
 A vitória do imperador sobre o XogumA vitória do imperador sobre o Xogum
centraliza a política japonesa dando início acentraliza a política japonesa dando início a
partir de 1868 ao industrialismo epartir de 1868 ao industrialismo e
modernização do Japão, conhecido comomodernização do Japão, conhecido como
ERA MEIJI.ERA MEIJI.
 Após a rápida industrialização começa aApós a rápida industrialização começa a
política imperialista sobre a China,política imperialista sobre a China,
objetivando posse da Manchúria.objetivando posse da Manchúria.
 Em 1904 ocorre a GUERRA RUSSO-Em 1904 ocorre a GUERRA RUSSO-
JAPONESA. Vitória japonesa e assinatura doJAPONESA. Vitória japonesa e assinatura do
TRATADO DE PORTSMOUTH.TRATADO DE PORTSMOUTH.
RESISTÊNCIA AO IMPERIALISMORESISTÊNCIA AO IMPERIALISMO
 CHINA: Guerra do Ópio (1841- 1842)CHINA: Guerra do Ópio (1841- 1842)
 CHINA: Revolta dos Taiping (1851 – 1864)CHINA: Revolta dos Taiping (1851 – 1864)
 ÍNDIA: Guerra dos Cipaios (1857-58)ÍNDIA: Guerra dos Cipaios (1857-58)
 ÁFRICA DO SUL: Guerra dos Boêres (1899-ÁFRICA DO SUL: Guerra dos Boêres (1899-
1902)1902)
 CHINA: Guerra dos Boxers (1900)CHINA: Guerra dos Boxers (1900)
GUERRA DO ÓPIOGUERRA DO ÓPIO
Local: ChinaLocal: China
Período: 1841 - 1842Período: 1841 - 1842
 Motivos:Motivos: A dominação inglesa sobre a produção do ópioA dominação inglesa sobre a produção do ópio
força o mercado chinês a absorver o produto. O vícioforça o mercado chinês a absorver o produto. O vício
dissemina se entre a população forçando as autoridadesdissemina se entre a população forçando as autoridades
chinesas a proibir o comércio do ópio e apreender a cargachinesas a proibir o comércio do ópio e apreender a carga
pertencente a Inglaterra. Um carregamento inglês de 20pertencente a Inglaterra. Um carregamento inglês de 20
mil caixas de ópio é jogado ao mar pelas autoridadesmil caixas de ópio é jogado ao mar pelas autoridades
chinesas. É exigida pelos ingleses uma indenização quechinesas. É exigida pelos ingleses uma indenização que
não é paga e assim ocorre o conflito.não é paga e assim ocorre o conflito.
Conseqüências:Conseqüências: Assinatura do TRATADO DEAssinatura do TRATADO DE
NANQUIM, que abria cinco portos chineses ao livreNANQUIM, que abria cinco portos chineses ao livre
comércio, abolia a fiscalização chinesa e entregava a Ilhacomércio, abolia a fiscalização chinesa e entregava a Ilha
de Hong Kong a domínio inglês. Em 1860 é assinado ode Hong Kong a domínio inglês. Em 1860 é assinado o
TRATADO DE PEQUIM que abre mais sete portos aoTRATADO DE PEQUIM que abre mais sete portos ao
comércio internacional.comércio internacional.
GUERRA DO ÓPIOGUERRA DO ÓPIO
REVOLTA DOS TAIPINGREVOLTA DOS TAIPING
Local:Local: ChinaChina
Período:Período: 1851 – 18641851 – 1864
NNacionalistas chinesesacionalistas chineses
XX potênciaspotências
estrangeiras (ING +estrangeiras (ING +
FRA + EUA + RUS).FRA + EUA + RUS).
 Conseqüências:Conseqüências:
ampliação daampliação da
dominação estrangeiradominação estrangeira
sobre a China com asobre a China com a
abertura de mais portosabertura de mais portos
ao livre comércio.ao livre comércio.
GUERRA DO CIPAIOSGUERRA DO CIPAIOS
 Local:Local: ÍndiaÍndia
 Período:Período: 1857 – 18581857 – 1858
 Motivos:Motivos: Após 1848, osApós 1848, os
ingleses intensificaramingleses intensificaram
o controle sobre ao controle sobre a
região impondo uma administração britânica.região impondo uma administração britânica.
A concorrência inglesa destrói produção localA concorrência inglesa destrói produção local
de tecidos. A crescente presença britânicade tecidos. A crescente presença britânica
desperta o nacionalismo na região. A revoltadesperta o nacionalismo na região. A revolta
é sufocada violentamente pelos ingleses noé sufocada violentamente pelos ingleses no
ano de 1858.ano de 1858.
 Conseqüências:Conseqüências: Após a revolta, a ÍndiaApós a revolta, a Índia
passa a ser colônia britânica.passa a ser colônia britânica.
GUERRA DOS BOÊRESGUERRA DOS BOÊRES Local:Local: África do SulÁfrica do Sul
 Período:Período: 1899-19021899-1902
 Motivos:Motivos: Atrito entre holandeses eAtrito entre holandeses e
alemães que viviam na região dealemães que viviam na região de
Joanesburgo. Após a descoberta de ouroJoanesburgo. Após a descoberta de ouro
e diamantes na região de Transvaale diamantes na região de Transvaal
houve uma grande migração para a área.houve uma grande migração para a área.
O forte interesse inglês na região e aO forte interesse inglês na região e a
resistência do africânderes (colonosresistência do africânderes (colonos
holandeses e alemães) faz o conflitoholandeses e alemães) faz o conflito
eclodir.eclodir.
 Conseqüências:Conseqüências: Vitória inglesa eVitória inglesa e
anexação as Repúblicas de Orange eanexação as Repúblicas de Orange e
Transvaal (fundadas pelos bôeres) àsTransvaal (fundadas pelos bôeres) às
colônias do Cabo e Natal, fundando emcolônias do Cabo e Natal, fundando em
1910 a União Sul-Africana, sob controle1910 a União Sul-Africana, sob controle
GUERRA DOS BOXERSGUERRA DOS BOXERS
Local: ChinaLocal: China
Período: 1900Período: 1900
Motivos:Motivos: Forte nacionalismo chinêsForte nacionalismo chinês
com o objetivo de livrar a China dascom o objetivo de livrar a China das
influências estrangeiras. Uma rebeliãoinfluências estrangeiras. Uma rebelião
mata inúmeros estrangeiros que temmata inúmeros estrangeiros que tem
como represália a formação de umacomo represália a formação de uma
Força Expedicionária InternacionalForça Expedicionária Internacional
composta por Inglaterra, França,composta por Inglaterra, França,
Alemanha, EUA, Rússia e Japão.Alemanha, EUA, Rússia e Japão.
Conseqüências:Conseqüências: A F.E.I subjugaA F.E.I subjuga
a China e força o reconhecimento dea China e força o reconhecimento de
concessões anteriores aos paísesconcessões anteriores aos países
estrangeiros.estrangeiros.
ÁFRICAÁFRICA
ÁSIAÁSIA
 Desestruturação de sistemasDesestruturação de sistemas
produtivos locais.produtivos locais.
 Fome endêmica, miséria crônica.Fome endêmica, miséria crônica.
 Submissão econômica dasSubmissão econômica das
regiões dominadas.regiões dominadas.
 Agravamento de conflitosAgravamento de conflitos
regionais.regionais.
 Desenvolvimento de naçõesDesenvolvimento de nações
industrializadas.industrializadas.
 Disputas imperialistas.Disputas imperialistas.
 I Guerra MundialI Guerra Mundial
CONSEQUÊNCIASCONSEQUÊNCIAS
RUMO A 1ª GUERRARUMO A 1ª GUERRA
MUNDIALMUNDIAL O forte crescimento econômico alemão e constanteO forte crescimento econômico alemão e constante
pressão por espaço geram um clima de tensão napressão por espaço geram um clima de tensão na
Europa conhecido como Paz Armada (1885-1914).Europa conhecido como Paz Armada (1885-1914).
 A sentimento nacionalista francês após a derrota naA sentimento nacionalista francês após a derrota na
Guerra Franco Prussiana (1870), abre precedenteGuerra Franco Prussiana (1870), abre precedente
para uma nova guerra entre a Alemanha e apara uma nova guerra entre a Alemanha e a
França.França.
 Política de isolamento da França por parte daPolítica de isolamento da França por parte da
Alemanha para cercear o revanchismo.Alemanha para cercear o revanchismo.
 Liga dos Três Imperadores (1873) que faziam parteLiga dos Três Imperadores (1873) que faziam parte
a Alemanha, Áustria e Rússia tem fim em 1878a Alemanha, Áustria e Rússia tem fim em 1878
devido a divergências entre Áustria e Rússia.devido a divergências entre Áustria e Rússia.
RUMO A 1ª GUERRARUMO A 1ª GUERRA
MUNDIALMUNDIAL
 Em 1882 o 2º reich firma a Tríplice Aliança.Em 1882 o 2º reich firma a Tríplice Aliança.
(Alemanha, Áustria e Itália)(Alemanha, Áustria e Itália)
 A França firma acordo militar com a RússiaA França firma acordo militar com a Rússia
em 1894, e em 1904 com a Inglaterraem 1894, e em 1904 com a Inglaterra
formando a Entente Cordiale. (França eformando a Entente Cordiale. (França e
Inglaterra)Inglaterra)
 1904 ocorre a Questão Marroquina.1904 ocorre a Questão Marroquina.
 Questão Balcânica.Questão Balcânica.
 Em 1907 forma-se a Tríplice Entente.Em 1907 forma-se a Tríplice Entente.
 Forma-se então dois blocos antagônicos eForma-se então dois blocos antagônicos e
poderosos na Europa.poderosos na Europa.
CENAS DO PRÓXIMOCENAS DO PRÓXIMO
CAPÍTULOCAPÍTULO
Neocolonialismo geral2
CENAS DO PRÓXIMOCENAS DO PRÓXIMO
CAPÍTULOCAPÍTULO
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
Daniel Alves Bronstrup
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
Paulo Alexandre
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Aulas de História
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Victor Said
 
Redemocratização brasil
Redemocratização brasilRedemocratização brasil
Redemocratização brasil
Fabiana Tonsis
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Edenilson Morais
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 
Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
Isaquel Silva
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
Rodrigo Luiz
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
Claudenilson da Silva
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
isameucci
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
Isabel Aguiar
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
Fabiana Tonsis
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 

Mais procurados (20)

A segunda revolução industrial
A segunda revolução industrialA segunda revolução industrial
A segunda revolução industrial
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Redemocratização brasil
Redemocratização brasilRedemocratização brasil
Redemocratização brasil
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 

Semelhante a Neocolonialismo geral2

Imperialismo 2013b
Imperialismo 2013bImperialismo 2013b
Imperialismo 2013b
Fabio Salvari
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
 Imperialismo e neocolonialismo no século xix Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Professor de História
 
História e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da África
História e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da ÁfricaHistória e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da África
História e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da África
Mario Filho
 
Era vitoriana.
Era vitoriana.Era vitoriana.
Era vitoriana.
Ajudar Pessoas
 
Segunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e ImperialismoSegunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e Imperialismo
louisalvessouza100
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Maida Marciano
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoImperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Maida Marciano
 
Rev industrial
Rev industrialRev industrial
Rev industrial
Janayna Lira
 
Apresentação de sistemas de produção industrial
Apresentação de sistemas de produção industrialApresentação de sistemas de produção industrial
Apresentação de sistemas de produção industrial
Marcelo Pinto da Rocha
 
Imperialismo ou Neocolonialismo.
Imperialismo ou Neocolonialismo.Imperialismo ou Neocolonialismo.
Imperialismo ou Neocolonialismo.
Jéssica Santos
 
17-imperialismo-140123135947-phpapp02.pdf
17-imperialismo-140123135947-phpapp02.pdf17-imperialismo-140123135947-phpapp02.pdf
17-imperialismo-140123135947-phpapp02.pdf
GirleneOniasdeSousaF
 
www.TutoresDePlantao.Com.Br - História - Neo Afroasiático
www.TutoresDePlantao.Com.Br - História - Neo Afroasiáticowww.TutoresDePlantao.Com.Br - História - Neo Afroasiático
www.TutoresDePlantao.Com.Br - História - Neo Afroasiático
Antônia Sampaio
 
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.comHistória - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
Vídeo Aulas Apoio
 
Neoloberalismo afroasiatico
Neoloberalismo afroasiaticoNeoloberalismo afroasiatico
Neoloberalismo afroasiatico
Lúcia Santana
 
Imperialismo- Era dos Impérios.
Imperialismo- Era dos Impérios.Imperialismo- Era dos Impérios.
Imperialismo- Era dos Impérios.
Diego Bian Filo Moreira
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Neo Afroasiático
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Neo Afroasiáticowww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Neo Afroasiático
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Neo Afroasiático
AulasDeHistoriaApoio
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo   Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
prof1campina
 
3ª série–e
3ª série–e3ª série–e
3ª série–e
joadmo
 
Módulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Módulo 10 - Imperialismo e NeocolonialismoMódulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Módulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Fernando Sergio Leão Castilho
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
felipeimh
 

Semelhante a Neocolonialismo geral2 (20)

Imperialismo 2013b
Imperialismo 2013bImperialismo 2013b
Imperialismo 2013b
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
 Imperialismo e neocolonialismo no século xix Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
 
História e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da África
História e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da ÁfricaHistória e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da África
História e Cultura Africana - Aula 2 - Colonização da África
 
Era vitoriana.
Era vitoriana.Era vitoriana.
Era vitoriana.
 
Segunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e ImperialismoSegunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e Imperialismo
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoImperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
 
Rev industrial
Rev industrialRev industrial
Rev industrial
 
Apresentação de sistemas de produção industrial
Apresentação de sistemas de produção industrialApresentação de sistemas de produção industrial
Apresentação de sistemas de produção industrial
 
Imperialismo ou Neocolonialismo.
Imperialismo ou Neocolonialismo.Imperialismo ou Neocolonialismo.
Imperialismo ou Neocolonialismo.
 
17-imperialismo-140123135947-phpapp02.pdf
17-imperialismo-140123135947-phpapp02.pdf17-imperialismo-140123135947-phpapp02.pdf
17-imperialismo-140123135947-phpapp02.pdf
 
www.TutoresDePlantao.Com.Br - História - Neo Afroasiático
www.TutoresDePlantao.Com.Br - História - Neo Afroasiáticowww.TutoresDePlantao.Com.Br - História - Neo Afroasiático
www.TutoresDePlantao.Com.Br - História - Neo Afroasiático
 
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.comHistória - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
História - Neoloberalismo Afroasiatico - www.CentroApoio.com
 
Neoloberalismo afroasiatico
Neoloberalismo afroasiaticoNeoloberalismo afroasiatico
Neoloberalismo afroasiatico
 
Imperialismo- Era dos Impérios.
Imperialismo- Era dos Impérios.Imperialismo- Era dos Impérios.
Imperialismo- Era dos Impérios.
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Neo Afroasiático
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Neo Afroasiáticowww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Neo Afroasiático
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Neo Afroasiático
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo   Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
3ª série–e
3ª série–e3ª série–e
3ª série–e
 
Módulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Módulo 10 - Imperialismo e NeocolonialismoMódulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Módulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 

Mais de Kéliton Ferreira

AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e ConflitosAFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
Kéliton Ferreira
 
Fusos horarios completo
Fusos horarios completoFusos horarios completo
Fusos horarios completo
Kéliton Ferreira
 
America 1
America 1America 1
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Kéliton Ferreira
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Kéliton Ferreira
 
Ifes aula 15-16-17-revião
Ifes aula 15-16-17-reviãoIfes aula 15-16-17-revião
Ifes aula 15-16-17-revião
Kéliton Ferreira
 
Ifes aula 17-organização-político-administrativa_e_divisão_regional_do_brasil
Ifes aula 17-organização-político-administrativa_e_divisão_regional_do_brasilIfes aula 17-organização-político-administrativa_e_divisão_regional_do_brasil
Ifes aula 17-organização-político-administrativa_e_divisão_regional_do_brasil
Kéliton Ferreira
 
Ifes aula 16-a-posição_geográfica_do_brasil https://youtu.be/556JqPSe7Ak
Ifes aula 16-a-posição_geográfica_do_brasil https://youtu.be/556JqPSe7AkIfes aula 16-a-posição_geográfica_do_brasil https://youtu.be/556JqPSe7Ak
Ifes aula 16-a-posição_geográfica_do_brasil https://youtu.be/556JqPSe7Ak
Kéliton Ferreira
 
a atmosfera
a atmosferaa atmosfera
a atmosfera
Kéliton Ferreira
 
Ifes aula 15-a-formação_do_território_brasileiro https://youtu.be/VTZ69N1AqCw
Ifes aula 15-a-formação_do_território_brasileiro https://youtu.be/VTZ69N1AqCwIfes aula 15-a-formação_do_território_brasileiro https://youtu.be/VTZ69N1AqCw
Ifes aula 15-a-formação_do_território_brasileiro https://youtu.be/VTZ69N1AqCw
Kéliton Ferreira
 
Hino nacional
Hino nacionalHino nacional
Hino nacional
Kéliton Ferreira
 
Alunos destaque aes
Alunos destaque aesAlunos destaque aes
Alunos destaque aes
Kéliton Ferreira
 
Alunos destaque aes
Alunos destaque aesAlunos destaque aes
Alunos destaque aes
Kéliton Ferreira
 
Alunos destaque
Alunos destaqueAlunos destaque
Alunos destaque
Kéliton Ferreira
 
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicasIfes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Kéliton Ferreira
 
Ifes aula 12-água-no_brasil_e_no_mundo https://youtu.be/hgY4pN_-fy0
Ifes aula 12-água-no_brasil_e_no_mundo https://youtu.be/hgY4pN_-fy0Ifes aula 12-água-no_brasil_e_no_mundo https://youtu.be/hgY4pN_-fy0
Ifes aula 12-água-no_brasil_e_no_mundo https://youtu.be/hgY4pN_-fy0
Kéliton Ferreira
 
Ifes aula 11-a-atmosfera_e_a_poluição_do_ar_atmosférico
Ifes aula 11-a-atmosfera_e_a_poluição_do_ar_atmosféricoIfes aula 11-a-atmosfera_e_a_poluição_do_ar_atmosférico
Ifes aula 11-a-atmosfera_e_a_poluição_do_ar_atmosférico
Kéliton Ferreira
 
Japao
JapaoJapao
Reg norte
Reg norteReg norte
Paraquai
ParaquaiParaquai

Mais de Kéliton Ferreira (20)

AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e ConflitosAFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
AFEGANISTÃO: Guerras e Conflitos
 
Fusos horarios completo
Fusos horarios completoFusos horarios completo
Fusos horarios completo
 
America 1
America 1America 1
America 1
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
Ifes aula 15-16-17-revião
Ifes aula 15-16-17-reviãoIfes aula 15-16-17-revião
Ifes aula 15-16-17-revião
 
Ifes aula 17-organização-político-administrativa_e_divisão_regional_do_brasil
Ifes aula 17-organização-político-administrativa_e_divisão_regional_do_brasilIfes aula 17-organização-político-administrativa_e_divisão_regional_do_brasil
Ifes aula 17-organização-político-administrativa_e_divisão_regional_do_brasil
 
Ifes aula 16-a-posição_geográfica_do_brasil https://youtu.be/556JqPSe7Ak
Ifes aula 16-a-posição_geográfica_do_brasil https://youtu.be/556JqPSe7AkIfes aula 16-a-posição_geográfica_do_brasil https://youtu.be/556JqPSe7Ak
Ifes aula 16-a-posição_geográfica_do_brasil https://youtu.be/556JqPSe7Ak
 
a atmosfera
a atmosferaa atmosfera
a atmosfera
 
Ifes aula 15-a-formação_do_território_brasileiro https://youtu.be/VTZ69N1AqCw
Ifes aula 15-a-formação_do_território_brasileiro https://youtu.be/VTZ69N1AqCwIfes aula 15-a-formação_do_território_brasileiro https://youtu.be/VTZ69N1AqCw
Ifes aula 15-a-formação_do_território_brasileiro https://youtu.be/VTZ69N1AqCw
 
Hino nacional
Hino nacionalHino nacional
Hino nacional
 
Alunos destaque aes
Alunos destaque aesAlunos destaque aes
Alunos destaque aes
 
Alunos destaque aes
Alunos destaque aesAlunos destaque aes
Alunos destaque aes
 
Alunos destaque
Alunos destaqueAlunos destaque
Alunos destaque
 
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicasIfes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
Ifes aula 13-estado-nação-território_separatismo_e_minorias_étnicas
 
Ifes aula 12-água-no_brasil_e_no_mundo https://youtu.be/hgY4pN_-fy0
Ifes aula 12-água-no_brasil_e_no_mundo https://youtu.be/hgY4pN_-fy0Ifes aula 12-água-no_brasil_e_no_mundo https://youtu.be/hgY4pN_-fy0
Ifes aula 12-água-no_brasil_e_no_mundo https://youtu.be/hgY4pN_-fy0
 
Ifes aula 11-a-atmosfera_e_a_poluição_do_ar_atmosférico
Ifes aula 11-a-atmosfera_e_a_poluição_do_ar_atmosféricoIfes aula 11-a-atmosfera_e_a_poluição_do_ar_atmosférico
Ifes aula 11-a-atmosfera_e_a_poluição_do_ar_atmosférico
 
Japao
JapaoJapao
Japao
 
Reg norte
Reg norteReg norte
Reg norte
 
Paraquai
ParaquaiParaquai
Paraquai
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 

Neocolonialismo geral2

  • 2. CONCEITOCONCEITO Nova forma de dominaçãoNova forma de dominação == DomínioDomínio econômico, político, social e cultural.econômico, político, social e cultural. Domínio de vastas áreas do planeta porDomínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (Inglaterra,parte de nações industrializadas (Inglaterra, França, Holanda, Bélgica, Alemanha, Itália,França, Holanda, Bélgica, Alemanha, Itália, Japão, EUA, Rússia) sem necessariamenteJapão, EUA, Rússia) sem necessariamente ter posse do território como no períodoter posse do território como no período colonial.colonial.
  • 3. CONTEXTOCONTEXTO Segunda metade do século XIX quando aSegunda metade do século XIX quando a expansão dos países europeusexpansão dos países europeus industrializados leva a partilha dosindustrializados leva a partilha dos continentes africano e asiático;continentes africano e asiático; Também EUA e Japão exercem atividadesTambém EUA e Japão exercem atividades imperialistas em suas respectivas regiõesimperialistas em suas respectivas regiões de influência.de influência.
  • 4. A Revolução Industrial consistiu em umA Revolução Industrial consistiu em um conjunto de mudanças tecnológicas comconjunto de mudanças tecnológicas com profundo impacto no processo produtivoprofundo impacto no processo produtivo em nível econômico, social e cultural.em nível econômico, social e cultural. Iniciada na Inglaterra em meados doIniciada na Inglaterra em meados do século XVIII, expandiu-se pelo mundo aséculo XVIII, expandiu-se pelo mundo a partir do século XIX.partir do século XIX. O QUE FOI A REVOLUÇÃOO QUE FOI A REVOLUÇÃO INDUSTRIALINDUSTRIAL
  • 5. Um motor a vapor de Watt: o motor a vapor, alimentado principalmente com carvão, impulsionou a Revolução Industrial no Reino Unido e no mundo.
  • 6. SEGUNDA FASE  1850 a 1900 –– Cresce a concorrência, a indústria de bens deCresce a concorrência, a indústria de bens de produção se desenvolve, as ferrovias seprodução se desenvolve, as ferrovias se expandem, surgem novas formas de energia,expandem, surgem novas formas de energia, como a hidrelétrica e a derivada do petróleo;como a hidrelétrica e a derivada do petróleo; são criados o dínamo, o motor a combustãosão criados o dínamo, o motor a combustão interna, o telégrafo e o telefone.interna, o telégrafo e o telefone. II REVOLUÇÃO INDUSTRIALII REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
  • 7.  Segunda Revolução Industrial (motor aSegunda Revolução Industrial (motor a combustão interna);combustão interna);  Busca de matéria-prima;Busca de matéria-prima;  Conquista de mercados-consumidores;Conquista de mercados-consumidores;  Exploração de mão de obra barataExploração de mão de obra barata;; CAUSAS DOCAUSAS DO NEOCOLONIALISMONEOCOLONIALISMO
  • 8.  DIRETADIRETA Com agentes metropolitanos ocupando osCom agentes metropolitanos ocupando os principais cargos governamentais.principais cargos governamentais. Ex: Inglaterra na Índia.Ex: Inglaterra na Índia.  INDIRETAINDIRETA Aliança com elites locais, mantendo umaAliança com elites locais, mantendo uma aparente independência política.aparente independência política. Ex: EUA na América CentralEx: EUA na América Central FORMAS DE DOMINAÇÃOFORMAS DE DOMINAÇÃO
  • 9. COLONIALISMO X NEOCOLONIALISMOCOLONIALISMO X NEOCOLONIALISMO - Capitalismo Comercial;- Capitalismo Comercial; - Objetivos: especiarias,- Objetivos: especiarias, produtos tropicais eprodutos tropicais e metais preciosos;metais preciosos; - Continente Americano;- Continente Americano; - Expansão impulsionada- Expansão impulsionada pelo Estado;pelo Estado; - Ideologia legitimadora:- Ideologia legitimadora: Fé católicaFé católica - Capitalismo industrial e- Capitalismo industrial e financeiro;financeiro; - Objetivos: mercados- Objetivos: mercados consumidores econsumidores e fornecedores defornecedores de matérias-primas; áreasmatérias-primas; áreas estratégicas paraestratégicas para proteção do comércioproteção do comércio marítimo.marítimo. - Continente africano,- Continente africano, Asiático e Oceania;Asiático e Oceania; - Expansão impulsionada- Expansão impulsionada pela burguesiapela burguesia européiaeuropéia - Ideologia legitimadora:- Ideologia legitimadora: Missão Civilizadora eMissão Civilizadora e Darwinismo Social.Darwinismo Social.
  • 10. JUSTIFICATIVASJUSTIFICATIVAS 1.1. Missão civilizadora:Missão civilizadora: O literato inglêsO literato inglês Rudyard Kipling (1865-1936) forneceuRudyard Kipling (1865-1936) forneceu amplo material de apoio ao imperialismo deamplo material de apoio ao imperialismo de seu país. Para ele a Inglaterra podiaseu país. Para ele a Inglaterra podia suportar como nenhuma outra nação “osuportar como nenhuma outra nação “o fardo do homem branco”; em sua obra ,fardo do homem branco”; em sua obra , The White man’s burden, destaca o dever àThe White man’s burden, destaca o dever à filantropia da ação colonizadora inglesa,filantropia da ação colonizadora inglesa, como se constata nos versos:como se constata nos versos: ““Assumi o fardo do homem branco, enviai osAssumi o fardo do homem branco, enviai os melhores dos vossos filhos! Condenai vossosmelhores dos vossos filhos! Condenai vossos filhos ao exílio para que sejam os servidoresfilhos ao exílio para que sejam os servidores de seus cativos.”de seus cativos.”
  • 11. 1.1. Darwinismo social:Darwinismo social: Segundo Spencer, aSegundo Spencer, a Teoria da Evolução de Darwin, podia serTeoria da Evolução de Darwin, podia ser perfeitamente aplicada à evolução daperfeitamente aplicada à evolução da sociedade, assim como existia uma seleçãosociedade, assim como existia uma seleção natural entre as espécies, com onatural entre as espécies, com o predomínio dos animais e plantas maispredomínio dos animais e plantas mais capazes, ela existia também na sociedade.capazes, ela existia também na sociedade. A luta pela sobrevivência entre os animaisA luta pela sobrevivência entre os animais correspondia à concorrência capitalista; acorrespondia à concorrência capitalista; a seleção natural não era mais nada além daseleção natural não era mais nada além da livre troca dos produtos entre os homens; alivre troca dos produtos entre os homens; a sobrevivência do mais capaz, do mais fortesobrevivência do mais capaz, do mais forte era demonstrada pela forma criativa dosera demonstrada pela forma criativa dos gigantes da indústria, que engoliam osgigantes da indústria, que engoliam os competidores mais fracos, em seu caminhocompetidores mais fracos, em seu caminho para o enriquecimento.para o enriquecimento. JUSTIFICATIVASJUSTIFICATIVAS
  • 12. CONFERÊNCIA DE BERLIMCONFERÊNCIA DE BERLIM (1884 -1885)(1884 -1885)  Objetivo:Objetivo: Elaboração de um conjunto deElaboração de um conjunto de regras que dispusessem sobre a conquistaregras que dispusessem sobre a conquista da África pelas potências coloniais dada África pelas potências coloniais da forma mais ordenada possível.forma mais ordenada possível.  Beneficiados:Beneficiados: Inglaterra (Rosa) e FrançaInglaterra (Rosa) e França (Roxo), Obtiveram a porcentagem dos(Roxo), Obtiveram a porcentagem dos territórios.territórios.
  • 14. IMPERIALISMO DOS EUAIMPERIALISMO DOS EUA  Doutrina Monroe em 1823.Doutrina Monroe em 1823.  Corolário Roosevelt ou Big Stick Policy(1901-Corolário Roosevelt ou Big Stick Policy(1901- 09) (política do grande porrete): Intervenção09) (política do grande porrete): Intervenção dos EUA nos países da América Latina.dos EUA nos países da América Latina.  Guerra Hispano Americana (1898).Guerra Hispano Americana (1898).  Emenda Platt: Dá o direito de intervençãoEmenda Platt: Dá o direito de intervenção estadunidense na Ilha de Cuba.estadunidense na Ilha de Cuba.  Em 1898 anexa a ilha de Porto Rico.Em 1898 anexa a ilha de Porto Rico.  Obtém territórios no Pacífico como o Hawai.Obtém territórios no Pacífico como o Hawai.
  • 15. ERA MEIJI – JAPÃOERA MEIJI – JAPÃO  Isolado até 1542.Isolado até 1542.  A chegada da fé cristã leva cerca de 37 milA chegada da fé cristã leva cerca de 37 mil cristãos japoneses a morte.(1616)cristãos japoneses a morte.(1616)  Em 1648, o Japão fecha totalmente seusEm 1648, o Japão fecha totalmente seus portos e passa a viver em um regime feudal.portos e passa a viver em um regime feudal. (feudalismo japonês ou xogunato)(feudalismo japonês ou xogunato)  Através da diplomacia do canhão, os EUAAtravés da diplomacia do canhão, os EUA abrem os portos japoneses em 1854.abrem os portos japoneses em 1854.  Ocidentalização da cultura (militar).Ocidentalização da cultura (militar).  É despertado um forte nacionalismo pósÉ despertado um forte nacionalismo pós abertura dos portos.abertura dos portos.
  • 16. ERA MEIJI – JAPÃOERA MEIJI – JAPÃO  União de clãs rivais ao xogunato em volta doUnião de clãs rivais ao xogunato em volta do Imperador.Imperador.  A vitória do imperador sobre o XogumA vitória do imperador sobre o Xogum centraliza a política japonesa dando início acentraliza a política japonesa dando início a partir de 1868 ao industrialismo epartir de 1868 ao industrialismo e modernização do Japão, conhecido comomodernização do Japão, conhecido como ERA MEIJI.ERA MEIJI.  Após a rápida industrialização começa aApós a rápida industrialização começa a política imperialista sobre a China,política imperialista sobre a China, objetivando posse da Manchúria.objetivando posse da Manchúria.  Em 1904 ocorre a GUERRA RUSSO-Em 1904 ocorre a GUERRA RUSSO- JAPONESA. Vitória japonesa e assinatura doJAPONESA. Vitória japonesa e assinatura do TRATADO DE PORTSMOUTH.TRATADO DE PORTSMOUTH.
  • 17. RESISTÊNCIA AO IMPERIALISMORESISTÊNCIA AO IMPERIALISMO  CHINA: Guerra do Ópio (1841- 1842)CHINA: Guerra do Ópio (1841- 1842)  CHINA: Revolta dos Taiping (1851 – 1864)CHINA: Revolta dos Taiping (1851 – 1864)  ÍNDIA: Guerra dos Cipaios (1857-58)ÍNDIA: Guerra dos Cipaios (1857-58)  ÁFRICA DO SUL: Guerra dos Boêres (1899-ÁFRICA DO SUL: Guerra dos Boêres (1899- 1902)1902)  CHINA: Guerra dos Boxers (1900)CHINA: Guerra dos Boxers (1900)
  • 18. GUERRA DO ÓPIOGUERRA DO ÓPIO Local: ChinaLocal: China Período: 1841 - 1842Período: 1841 - 1842  Motivos:Motivos: A dominação inglesa sobre a produção do ópioA dominação inglesa sobre a produção do ópio força o mercado chinês a absorver o produto. O vícioforça o mercado chinês a absorver o produto. O vício dissemina se entre a população forçando as autoridadesdissemina se entre a população forçando as autoridades chinesas a proibir o comércio do ópio e apreender a cargachinesas a proibir o comércio do ópio e apreender a carga pertencente a Inglaterra. Um carregamento inglês de 20pertencente a Inglaterra. Um carregamento inglês de 20 mil caixas de ópio é jogado ao mar pelas autoridadesmil caixas de ópio é jogado ao mar pelas autoridades chinesas. É exigida pelos ingleses uma indenização quechinesas. É exigida pelos ingleses uma indenização que não é paga e assim ocorre o conflito.não é paga e assim ocorre o conflito. Conseqüências:Conseqüências: Assinatura do TRATADO DEAssinatura do TRATADO DE NANQUIM, que abria cinco portos chineses ao livreNANQUIM, que abria cinco portos chineses ao livre comércio, abolia a fiscalização chinesa e entregava a Ilhacomércio, abolia a fiscalização chinesa e entregava a Ilha de Hong Kong a domínio inglês. Em 1860 é assinado ode Hong Kong a domínio inglês. Em 1860 é assinado o TRATADO DE PEQUIM que abre mais sete portos aoTRATADO DE PEQUIM que abre mais sete portos ao comércio internacional.comércio internacional.
  • 20. REVOLTA DOS TAIPINGREVOLTA DOS TAIPING Local:Local: ChinaChina Período:Período: 1851 – 18641851 – 1864 NNacionalistas chinesesacionalistas chineses XX potênciaspotências estrangeiras (ING +estrangeiras (ING + FRA + EUA + RUS).FRA + EUA + RUS).  Conseqüências:Conseqüências: ampliação daampliação da dominação estrangeiradominação estrangeira sobre a China com asobre a China com a abertura de mais portosabertura de mais portos ao livre comércio.ao livre comércio.
  • 21. GUERRA DO CIPAIOSGUERRA DO CIPAIOS  Local:Local: ÍndiaÍndia  Período:Período: 1857 – 18581857 – 1858  Motivos:Motivos: Após 1848, osApós 1848, os ingleses intensificaramingleses intensificaram o controle sobre ao controle sobre a região impondo uma administração britânica.região impondo uma administração britânica. A concorrência inglesa destrói produção localA concorrência inglesa destrói produção local de tecidos. A crescente presença britânicade tecidos. A crescente presença britânica desperta o nacionalismo na região. A revoltadesperta o nacionalismo na região. A revolta é sufocada violentamente pelos ingleses noé sufocada violentamente pelos ingleses no ano de 1858.ano de 1858.  Conseqüências:Conseqüências: Após a revolta, a ÍndiaApós a revolta, a Índia passa a ser colônia britânica.passa a ser colônia britânica.
  • 22. GUERRA DOS BOÊRESGUERRA DOS BOÊRES Local:Local: África do SulÁfrica do Sul  Período:Período: 1899-19021899-1902  Motivos:Motivos: Atrito entre holandeses eAtrito entre holandeses e alemães que viviam na região dealemães que viviam na região de Joanesburgo. Após a descoberta de ouroJoanesburgo. Após a descoberta de ouro e diamantes na região de Transvaale diamantes na região de Transvaal houve uma grande migração para a área.houve uma grande migração para a área. O forte interesse inglês na região e aO forte interesse inglês na região e a resistência do africânderes (colonosresistência do africânderes (colonos holandeses e alemães) faz o conflitoholandeses e alemães) faz o conflito eclodir.eclodir.  Conseqüências:Conseqüências: Vitória inglesa eVitória inglesa e anexação as Repúblicas de Orange eanexação as Repúblicas de Orange e Transvaal (fundadas pelos bôeres) àsTransvaal (fundadas pelos bôeres) às colônias do Cabo e Natal, fundando emcolônias do Cabo e Natal, fundando em 1910 a União Sul-Africana, sob controle1910 a União Sul-Africana, sob controle
  • 23. GUERRA DOS BOXERSGUERRA DOS BOXERS Local: ChinaLocal: China Período: 1900Período: 1900 Motivos:Motivos: Forte nacionalismo chinêsForte nacionalismo chinês com o objetivo de livrar a China dascom o objetivo de livrar a China das influências estrangeiras. Uma rebeliãoinfluências estrangeiras. Uma rebelião mata inúmeros estrangeiros que temmata inúmeros estrangeiros que tem como represália a formação de umacomo represália a formação de uma Força Expedicionária InternacionalForça Expedicionária Internacional composta por Inglaterra, França,composta por Inglaterra, França, Alemanha, EUA, Rússia e Japão.Alemanha, EUA, Rússia e Japão. Conseqüências:Conseqüências: A F.E.I subjugaA F.E.I subjuga a China e força o reconhecimento dea China e força o reconhecimento de concessões anteriores aos paísesconcessões anteriores aos países estrangeiros.estrangeiros.
  • 26.  Desestruturação de sistemasDesestruturação de sistemas produtivos locais.produtivos locais.  Fome endêmica, miséria crônica.Fome endêmica, miséria crônica.  Submissão econômica dasSubmissão econômica das regiões dominadas.regiões dominadas.  Agravamento de conflitosAgravamento de conflitos regionais.regionais.  Desenvolvimento de naçõesDesenvolvimento de nações industrializadas.industrializadas.  Disputas imperialistas.Disputas imperialistas.  I Guerra MundialI Guerra Mundial CONSEQUÊNCIASCONSEQUÊNCIAS
  • 27. RUMO A 1ª GUERRARUMO A 1ª GUERRA MUNDIALMUNDIAL O forte crescimento econômico alemão e constanteO forte crescimento econômico alemão e constante pressão por espaço geram um clima de tensão napressão por espaço geram um clima de tensão na Europa conhecido como Paz Armada (1885-1914).Europa conhecido como Paz Armada (1885-1914).  A sentimento nacionalista francês após a derrota naA sentimento nacionalista francês após a derrota na Guerra Franco Prussiana (1870), abre precedenteGuerra Franco Prussiana (1870), abre precedente para uma nova guerra entre a Alemanha e apara uma nova guerra entre a Alemanha e a França.França.  Política de isolamento da França por parte daPolítica de isolamento da França por parte da Alemanha para cercear o revanchismo.Alemanha para cercear o revanchismo.  Liga dos Três Imperadores (1873) que faziam parteLiga dos Três Imperadores (1873) que faziam parte a Alemanha, Áustria e Rússia tem fim em 1878a Alemanha, Áustria e Rússia tem fim em 1878 devido a divergências entre Áustria e Rússia.devido a divergências entre Áustria e Rússia.
  • 28. RUMO A 1ª GUERRARUMO A 1ª GUERRA MUNDIALMUNDIAL  Em 1882 o 2º reich firma a Tríplice Aliança.Em 1882 o 2º reich firma a Tríplice Aliança. (Alemanha, Áustria e Itália)(Alemanha, Áustria e Itália)  A França firma acordo militar com a RússiaA França firma acordo militar com a Rússia em 1894, e em 1904 com a Inglaterraem 1894, e em 1904 com a Inglaterra formando a Entente Cordiale. (França eformando a Entente Cordiale. (França e Inglaterra)Inglaterra)  1904 ocorre a Questão Marroquina.1904 ocorre a Questão Marroquina.  Questão Balcânica.Questão Balcânica.  Em 1907 forma-se a Tríplice Entente.Em 1907 forma-se a Tríplice Entente.  Forma-se então dois blocos antagônicos eForma-se então dois blocos antagônicos e poderosos na Europa.poderosos na Europa.
  • 29. CENAS DO PRÓXIMOCENAS DO PRÓXIMO CAPÍTULOCAPÍTULO
  • 31. CENAS DO PRÓXIMOCENAS DO PRÓXIMO CAPÍTULOCAPÍTULO