SlideShare uma empresa Scribd logo
• O Quê ? Para que ?
• Karine Pinheiro de Souza
• UFC/ Didática
Avaliação de aprendizagem
Avaliação de aprendizagem
Avaliação de aprendizagem
Avaliação de aprendizagem
Avaliação de aprendizagem
Segundo Cipriano Carlos Luckesi
Diferença entre Exame e
Avaliação
O exame possui 3 características:
a)Pontual;
b)Classificatória;
c)Seletiva.
 Apenas o momento do exame é importante,
ou seja, não importa o antes ou o depois.
Exemplo: Vestibular
Comentário: “O aluno acaba de fazer a
prova e entrega ao professor. Quando está
saindo, se recorda que errou uma questão e
pede ao professor para corrigir. A resposta
é NÃO!”. Ou seja, foi importante apenas o
momento em que ele estava fazendo a
prova.
 Para o sistema, só importa o valor numérico que indica se o
aluno passou ou reprovou. Toda sua vida escolar fica
registrada, ou seja, o aluno fica marcado para a vida toda.
Comentário: “ Um aluno tira 2. O professor o
anima para estudar e fazer outra prova para
recuperar a nota. Então ele tira 10. Então o
professor faz a média e lhe dá nota 6! Porque
não 10? Porque ele apenas o classifica, não
levando em conta o que o aluno aprendeu,
ficando ainda preso na primeira avaliação onde
o aluno tirou 2!”.
 Exclui os alunos das escolas, através das
reprovações.
Segundo a Revista Escola (edição 233
jun/jul 2010 – “Um erro que se repete a
cada ano”.) na década de 80, 36% dos
aluno em média repetiam de ano. Na
década de 90, a média é de 30%.
Segundo o autor, a avaliação tem caráter diagnóstico:
Um médico primeiro avalia o seu paciente. Após
a avaliação, ele dá um diagnóstico (resultado
dessa avaliação) para então oferecer opções para
a cura do seu problema de saúde.
Em contraposição ao EXAME, são as características da avaliação:
 Não Pontual;
 Dinâmica (Não classifica);
 Includente.
 Importa todo o processo de
aprendizagem, ou seja, o antes, o agora e
o que pode vir depois.
O que o aluno não sabe, é o ponto de
partida para ações pedagógicas
(trabalho educativo, nas palavras do
autor) para que ele possa vir a saber.
 Ela não classifica, mas diagnostica o que
está ocorrendo para que haja
possibilidade de melhoria.
Segundo Cipriano, foram dados muitos
nomes a avaliação: Diagnóstica, formativa,
dialética, dialógica, mediadora, etc.). Mas
são redundantes uma vez que,
obrigatoriamente, a avaliação tem que ser
tudo isso...
 Traz o aluno para o aprendizado.
Do livro, Avaliação da Aprendizagem Escolar: Um ato
amoroso. Não confundir “um ato de amor” com
pieguice ou paixão e sim no sentido de:
- Inclusão (acolhimento);
- Respeito aos limites;
- Suporte para o desenvolvimento do aluno –
autonomia.
• Verificar se houve a aprendizagem significativa
de conteúdos relevantes propostos pelo
professor
• Avaliar o que foi discutido e trabalhado durante o
desenvolvimento dos conteúdos por meio das
habilidades e competências selecionadas.
 Uso de palavras sem sentido preciso no
contexto:
Evitar expressões como: comente, dê sua opinião, o
que você sabe sobre…discorra, conceitue você, como
você justifica…
Ex: Comente a frase de Sócrates: conhece-te a ti
mesmo.
• “Acho uma frase muito profunda, tão profunda que
nem consigo captar seu real significado. Mas acho
que Sócrates estava certo quando disse a frase, pois
sendo um sábio não teria dito besteira”
o Deixa o aluno nas “mãos do professor”:
“Professor o que o Sr. quer na questão x ?”
Ex: Como é a organização das abelhas numa colméia?
R: É jóia!
“…o aluno assistiu a minha aula e deve responder da
forma que foi dado…”
Relacione os nomes das aranhas venenosas:
(Ciências – 6ª Série)
1- Aranha marrom ( ) Latrodectes
2- Armadeira ( ) Lycosa
3- Tarântula ( ) Loxóceles
4- Viúva Negra ( ) Ortognata
5- Caranguejeira ( ) Phoneutria
Questões deste tipo apelam para a memorização
pouco significativa, sem uma análise ou explicação.
A prática da avaliação da aprendizagem, para manifestar-se
como tal, deve apontar para a busca do melhor de todos os
educandos, por isso é diagnóstica, e, não voltada para a
seleção de uns poucos. Por si, a avaliação é inclusiva é, por
isso mesmo democrática. Por ela, por onde quer que se
passe, não há exclusão, mas sim diagnóstico e construção.
Não há submissão, mas sim liberdade. Não há medo, mas
sim espontaneidade e busca, não há chegada definitiva, mas
sim travessia permanente, em busca do melhor. Sempre!
(Cipriano Carlos Luckesi)
Avaliação de aprendizagem
 Fontes:
Vídeos Youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=JqSRs9Hqgtc
http://www.youtube.com/watch?v=NG4cd2CT0p8
Textos:
http://www.gestiopolis.com/Canales4/rrhh/aprendizagem
http://www.google.com.br/ (texto no arquivo da
Amazônia Fiocruz)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Avaliação de aprendizagem

Avaliação da aprendizagem matematica
Avaliação da aprendizagem matematicaAvaliação da aprendizagem matematica
Avaliação da aprendizagem matematica
Luzimeire Almeida
 
Apresentação oral seminário
Apresentação oral  seminárioApresentação oral  seminário
Apresentação oral seminário
familiaestagio
 
Avaliacao
Avaliacao Avaliacao
Avaliacao
dinasabino2011
 
Pesquisador e liberdade
Pesquisador e liberdadePesquisador e liberdade
Pesquisador e liberdade
João Alberto
 
Avaliação escolar e instrumento de avaliação na escola
Avaliação escolar e instrumento de avaliação na escolaAvaliação escolar e instrumento de avaliação na escola
Avaliação escolar e instrumento de avaliação na escola
MaelDaSilvaNegreiros
 
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJTutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Flávio Augusto Pereira Mello
 
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJTutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Flávio Augusto Pereira Mello
 
avaliação da aprendizagem . Educação, ppt
avaliação da aprendizagem . Educação, pptavaliação da aprendizagem . Educação, ppt
avaliação da aprendizagem . Educação, ppt
Milene452635
 
Celso vasconcellos superação da lógica (1)
Celso vasconcellos superação da lógica (1)Celso vasconcellos superação da lógica (1)
Celso vasconcellos superação da lógica (1)
Lauri Rene Reis Filho
 
Apresentação mod3 roseny
Apresentação mod3 rosenyApresentação mod3 roseny
Apresentação mod3 roseny
Roseny90
 
I orientação técnica de ciências biológicas
I orientação técnica de ciências biológicasI orientação técnica de ciências biológicas
I orientação técnica de ciências biológicas
Juvenal Alves
 
I orientação técnica de ciências biológicas
I orientação técnica de ciências biológicasI orientação técnica de ciências biológicas
I orientação técnica de ciências biológicas
Juvenal Alves
 
Avaliação.doc
Avaliação.docAvaliação.doc
Avaliação.doc
Vinicius O Resiliente
 
Em busca de algumas alternativas
Em busca de algumas alternativasEm busca de algumas alternativas
Em busca de algumas alternativas
ericaevan
 
Aula avaliacao
Aula avaliacao Aula avaliacao
Aula avaliacao
Lucia Giraffa
 
Gestar ii matematica
Gestar ii    matematicaGestar ii    matematica
Gestar ii matematica
pso2510
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
O%20%20%20 Professor
O%20%20%20 ProfessorO%20%20%20 Professor
O%20%20%20 Professor
guest8fc93c
 
Avaliação nota 10
Avaliação nota 10Avaliação nota 10
CriançAs Em AçãO
CriançAs Em AçãOCriançAs Em AçãO
CriançAs Em AçãO
Regina Trilho O Xavier
 

Semelhante a Avaliação de aprendizagem (20)

Avaliação da aprendizagem matematica
Avaliação da aprendizagem matematicaAvaliação da aprendizagem matematica
Avaliação da aprendizagem matematica
 
Apresentação oral seminário
Apresentação oral  seminárioApresentação oral  seminário
Apresentação oral seminário
 
Avaliacao
Avaliacao Avaliacao
Avaliacao
 
Pesquisador e liberdade
Pesquisador e liberdadePesquisador e liberdade
Pesquisador e liberdade
 
Avaliação escolar e instrumento de avaliação na escola
Avaliação escolar e instrumento de avaliação na escolaAvaliação escolar e instrumento de avaliação na escola
Avaliação escolar e instrumento de avaliação na escola
 
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJTutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
 
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJTutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
Tutoria de Licenciatura em Turismo - CEDERJ
 
avaliação da aprendizagem . Educação, ppt
avaliação da aprendizagem . Educação, pptavaliação da aprendizagem . Educação, ppt
avaliação da aprendizagem . Educação, ppt
 
Celso vasconcellos superação da lógica (1)
Celso vasconcellos superação da lógica (1)Celso vasconcellos superação da lógica (1)
Celso vasconcellos superação da lógica (1)
 
Apresentação mod3 roseny
Apresentação mod3 rosenyApresentação mod3 roseny
Apresentação mod3 roseny
 
I orientação técnica de ciências biológicas
I orientação técnica de ciências biológicasI orientação técnica de ciências biológicas
I orientação técnica de ciências biológicas
 
I orientação técnica de ciências biológicas
I orientação técnica de ciências biológicasI orientação técnica de ciências biológicas
I orientação técnica de ciências biológicas
 
Avaliação.doc
Avaliação.docAvaliação.doc
Avaliação.doc
 
Em busca de algumas alternativas
Em busca de algumas alternativasEm busca de algumas alternativas
Em busca de algumas alternativas
 
Aula avaliacao
Aula avaliacao Aula avaliacao
Aula avaliacao
 
Gestar ii matematica
Gestar ii    matematicaGestar ii    matematica
Gestar ii matematica
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
O%20%20%20 Professor
O%20%20%20 ProfessorO%20%20%20 Professor
O%20%20%20 Professor
 
Avaliação nota 10
Avaliação nota 10Avaliação nota 10
Avaliação nota 10
 
CriançAs Em AçãO
CriançAs Em AçãOCriançAs Em AçãO
CriançAs Em AçãO
 

Mais de Karine Pinheiro

Educação pós-pademia
Educação pós-pademiaEducação pós-pademia
Educação pós-pademia
Karine Pinheiro
 
Aula 2 - Reflexões críticas sobre tecnologia educacional
Aula 2 - Reflexões críticas sobre tecnologia educacional Aula 2 - Reflexões críticas sobre tecnologia educacional
Aula 2 - Reflexões críticas sobre tecnologia educacional
Karine Pinheiro
 
Oficina Escola Espaço de Reflexão
Oficina Escola Espaço de Reflexão Oficina Escola Espaço de Reflexão
Oficina Escola Espaço de Reflexão
Karine Pinheiro
 
Comunidades virtuais - Escola Espaço de reflexão
Comunidades virtuais - Escola Espaço de reflexãoComunidades virtuais - Escola Espaço de reflexão
Comunidades virtuais - Escola Espaço de reflexão
Karine Pinheiro
 
Ceis - BORDER CROSSINGS: TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS EM INVESTIGAÇÃO
Ceis - BORDER CROSSINGS: TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS EM INVESTIGAÇÃOCeis - BORDER CROSSINGS: TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS EM INVESTIGAÇÃO
Ceis - BORDER CROSSINGS: TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS EM INVESTIGAÇÃO
Karine Pinheiro
 
Modelo de artigo
Modelo de artigoModelo de artigo
Modelo de artigo
Karine Pinheiro
 
Letramento Digital
Letramento DigitalLetramento Digital
Letramento Digital
Karine Pinheiro
 
Didatica e conhecimento
Didatica e conhecimentoDidatica e conhecimento
Didatica e conhecimento
Karine Pinheiro
 
Projetosinterdisciplinares
ProjetosinterdisciplinaresProjetosinterdisciplinares
Projetosinterdisciplinares
Karine Pinheiro
 
Palestraconatedu
PalestraconateduPalestraconatedu
Palestraconatedu
Karine Pinheiro
 
Corredores Digitais - 26å Conferência Anprotec
Corredores Digitais - 26å Conferência AnprotecCorredores Digitais - 26å Conferência Anprotec
Corredores Digitais - 26å Conferência Anprotec
Karine Pinheiro
 
Didática - retrospectiva
Didática - retrospectivaDidática - retrospectiva
Didática - retrospectiva
Karine Pinheiro
 
Cidadeeducadora1
Cidadeeducadora1Cidadeeducadora1
Cidadeeducadora1
Karine Pinheiro
 
Coempreender no Conactedu
Coempreender no ConacteduCoempreender no Conactedu
Coempreender no Conactedu
Karine Pinheiro
 
Finaljornadasfinal
FinaljornadasfinalFinaljornadasfinal
Finaljornadasfinal
Karine Pinheiro
 
Infobrasil
InfobrasilInfobrasil
Infobrasil
Karine Pinheiro
 
Carta aos professores
Carta aos professoresCarta aos professores
Carta aos professores
Karine Pinheiro
 
Oficinawebcurriculo
OficinawebcurriculoOficinawebcurriculo
Oficinawebcurriculo
Karine Pinheiro
 
Pacto e Jornada
Pacto e JornadaPacto e Jornada
Pacto e Jornada
Karine Pinheiro
 
Fórum de Orientadores CREDE
Fórum de Orientadores CREDE Fórum de Orientadores CREDE
Fórum de Orientadores CREDE
Karine Pinheiro
 

Mais de Karine Pinheiro (20)

Educação pós-pademia
Educação pós-pademiaEducação pós-pademia
Educação pós-pademia
 
Aula 2 - Reflexões críticas sobre tecnologia educacional
Aula 2 - Reflexões críticas sobre tecnologia educacional Aula 2 - Reflexões críticas sobre tecnologia educacional
Aula 2 - Reflexões críticas sobre tecnologia educacional
 
Oficina Escola Espaço de Reflexão
Oficina Escola Espaço de Reflexão Oficina Escola Espaço de Reflexão
Oficina Escola Espaço de Reflexão
 
Comunidades virtuais - Escola Espaço de reflexão
Comunidades virtuais - Escola Espaço de reflexãoComunidades virtuais - Escola Espaço de reflexão
Comunidades virtuais - Escola Espaço de reflexão
 
Ceis - BORDER CROSSINGS: TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS EM INVESTIGAÇÃO
Ceis - BORDER CROSSINGS: TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS EM INVESTIGAÇÃOCeis - BORDER CROSSINGS: TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS EM INVESTIGAÇÃO
Ceis - BORDER CROSSINGS: TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS EM INVESTIGAÇÃO
 
Modelo de artigo
Modelo de artigoModelo de artigo
Modelo de artigo
 
Letramento Digital
Letramento DigitalLetramento Digital
Letramento Digital
 
Didatica e conhecimento
Didatica e conhecimentoDidatica e conhecimento
Didatica e conhecimento
 
Projetosinterdisciplinares
ProjetosinterdisciplinaresProjetosinterdisciplinares
Projetosinterdisciplinares
 
Palestraconatedu
PalestraconateduPalestraconatedu
Palestraconatedu
 
Corredores Digitais - 26å Conferência Anprotec
Corredores Digitais - 26å Conferência AnprotecCorredores Digitais - 26å Conferência Anprotec
Corredores Digitais - 26å Conferência Anprotec
 
Didática - retrospectiva
Didática - retrospectivaDidática - retrospectiva
Didática - retrospectiva
 
Cidadeeducadora1
Cidadeeducadora1Cidadeeducadora1
Cidadeeducadora1
 
Coempreender no Conactedu
Coempreender no ConacteduCoempreender no Conactedu
Coempreender no Conactedu
 
Finaljornadasfinal
FinaljornadasfinalFinaljornadasfinal
Finaljornadasfinal
 
Infobrasil
InfobrasilInfobrasil
Infobrasil
 
Carta aos professores
Carta aos professoresCarta aos professores
Carta aos professores
 
Oficinawebcurriculo
OficinawebcurriculoOficinawebcurriculo
Oficinawebcurriculo
 
Pacto e Jornada
Pacto e JornadaPacto e Jornada
Pacto e Jornada
 
Fórum de Orientadores CREDE
Fórum de Orientadores CREDE Fórum de Orientadores CREDE
Fórum de Orientadores CREDE
 

Último

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Avaliação de aprendizagem

  • 1. • O Quê ? Para que ? • Karine Pinheiro de Souza • UFC/ Didática
  • 8. Diferença entre Exame e Avaliação O exame possui 3 características: a)Pontual; b)Classificatória; c)Seletiva.
  • 9.  Apenas o momento do exame é importante, ou seja, não importa o antes ou o depois. Exemplo: Vestibular Comentário: “O aluno acaba de fazer a prova e entrega ao professor. Quando está saindo, se recorda que errou uma questão e pede ao professor para corrigir. A resposta é NÃO!”. Ou seja, foi importante apenas o momento em que ele estava fazendo a prova.
  • 10.  Para o sistema, só importa o valor numérico que indica se o aluno passou ou reprovou. Toda sua vida escolar fica registrada, ou seja, o aluno fica marcado para a vida toda. Comentário: “ Um aluno tira 2. O professor o anima para estudar e fazer outra prova para recuperar a nota. Então ele tira 10. Então o professor faz a média e lhe dá nota 6! Porque não 10? Porque ele apenas o classifica, não levando em conta o que o aluno aprendeu, ficando ainda preso na primeira avaliação onde o aluno tirou 2!”.
  • 11.  Exclui os alunos das escolas, através das reprovações. Segundo a Revista Escola (edição 233 jun/jul 2010 – “Um erro que se repete a cada ano”.) na década de 80, 36% dos aluno em média repetiam de ano. Na década de 90, a média é de 30%.
  • 12. Segundo o autor, a avaliação tem caráter diagnóstico: Um médico primeiro avalia o seu paciente. Após a avaliação, ele dá um diagnóstico (resultado dessa avaliação) para então oferecer opções para a cura do seu problema de saúde. Em contraposição ao EXAME, são as características da avaliação:  Não Pontual;  Dinâmica (Não classifica);  Includente.
  • 13.  Importa todo o processo de aprendizagem, ou seja, o antes, o agora e o que pode vir depois. O que o aluno não sabe, é o ponto de partida para ações pedagógicas (trabalho educativo, nas palavras do autor) para que ele possa vir a saber.
  • 14.  Ela não classifica, mas diagnostica o que está ocorrendo para que haja possibilidade de melhoria. Segundo Cipriano, foram dados muitos nomes a avaliação: Diagnóstica, formativa, dialética, dialógica, mediadora, etc.). Mas são redundantes uma vez que, obrigatoriamente, a avaliação tem que ser tudo isso...
  • 15.  Traz o aluno para o aprendizado. Do livro, Avaliação da Aprendizagem Escolar: Um ato amoroso. Não confundir “um ato de amor” com pieguice ou paixão e sim no sentido de: - Inclusão (acolhimento); - Respeito aos limites; - Suporte para o desenvolvimento do aluno – autonomia.
  • 16. • Verificar se houve a aprendizagem significativa de conteúdos relevantes propostos pelo professor • Avaliar o que foi discutido e trabalhado durante o desenvolvimento dos conteúdos por meio das habilidades e competências selecionadas.
  • 17.  Uso de palavras sem sentido preciso no contexto: Evitar expressões como: comente, dê sua opinião, o que você sabe sobre…discorra, conceitue você, como você justifica… Ex: Comente a frase de Sócrates: conhece-te a ti mesmo. • “Acho uma frase muito profunda, tão profunda que nem consigo captar seu real significado. Mas acho que Sócrates estava certo quando disse a frase, pois sendo um sábio não teria dito besteira”
  • 18. o Deixa o aluno nas “mãos do professor”: “Professor o que o Sr. quer na questão x ?” Ex: Como é a organização das abelhas numa colméia? R: É jóia! “…o aluno assistiu a minha aula e deve responder da forma que foi dado…”
  • 19. Relacione os nomes das aranhas venenosas: (Ciências – 6ª Série) 1- Aranha marrom ( ) Latrodectes 2- Armadeira ( ) Lycosa 3- Tarântula ( ) Loxóceles 4- Viúva Negra ( ) Ortognata 5- Caranguejeira ( ) Phoneutria Questões deste tipo apelam para a memorização pouco significativa, sem uma análise ou explicação.
  • 20. A prática da avaliação da aprendizagem, para manifestar-se como tal, deve apontar para a busca do melhor de todos os educandos, por isso é diagnóstica, e, não voltada para a seleção de uns poucos. Por si, a avaliação é inclusiva é, por isso mesmo democrática. Por ela, por onde quer que se passe, não há exclusão, mas sim diagnóstico e construção. Não há submissão, mas sim liberdade. Não há medo, mas sim espontaneidade e busca, não há chegada definitiva, mas sim travessia permanente, em busca do melhor. Sempre! (Cipriano Carlos Luckesi)

Notas do Editor

  1. Disposição psicológica e corpo teórico que opera a avaliação
  2. `Avaliar para descrever e qualificar a realidade Diagnósticar – descrever a realidade e qualificar Intervenção como acompanhamento
  3. Comentário: “O aluno acaba de fazer a prova e entrega ao professor. Quando está saindo, se recorda que errou uma questão e pede ao professor para corrigir. A resposta é NÃO!”. Ou seja, foi importante apenas o momento em que ele estava fazendo a prova.