SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
INTRODUÇÃO
Comumente se encontra em Unidade de Terapia Intensiva (UTI)
pacientes sob ventilação mecânica (VM) com o objetivo de manter a
ventilação pulmonar adequada através de uma prótese traqueal
artificial, sendo as mais comuns as endotraqueais e as cânulas de
traqueostomia (ARANHA et al, 2003). Estes tipos de próteses
possuem na sua parte distal como característica um balonete,
também chamado de “cuff” que por definição é um manguito
preenchido por ar localizado ao redor da traqueostomia ou tubo
orotraqueal que se encaixa no interior da traquéia. Estima-se que
valores entre 20 a 30 cmH2O são considerados seguros para evitar
lesões. Entretanto, quando hiperinsuflado pode ocasionar o edema
celular, perda de cílios e descamação do epitélio e quando a
pressão for insuficiente aumenta o risco de broncoaspiração de
secreções, podendo levar as infecções pulmonares (JULIANO et al,
2007), tais quais: a pneumonia associada à ventilação mecânica
(PAV). A mucosa traqueal recebe diretamente a pressão transmitida
pelo cuff e para evitar lesões é necessário observar o grau de
pressão transmitido do cuff para a parede da traquéia. Objetivo:
demonstrar que através da implantação da rotina de mensuração da
pressão intra-cuff, obtém-se controle fidedigno para manter as
medidas dentro dos parâmetros considerados seguros, evitando
assim, um maior tempo de internação, menor custo com materiais e
medicamentos e atenuação das complicações de morbidade e
mortalidade.
MATERIAIS E MÉTODOS
Foi realizado um estudo prospectivo e descritivo das
mensurações da pressão do cuff, verificando-se o percentual de
inadequação na UTI adulto da Fundação Centro de Controle de
Oncologia do Estado do Amazonas (FCECON).
As medidas foram coletadas no período matutino e quando
necessário ajustadas a 25 cmH2O. Para obtenção da pressão do
cuff, utilizou-se o aparelho específico denominado Cuffômetro,
marca VBM, modelo CE 0123, com graduação de 0 a 120 cmH2O
(Fig.: 1) que obtêm as pressões do balonete sendo um método
simples, seguro e rápido para a medição e calibração da pressão do
cuff. A pesquisa foi realizada através da mensuração do cuff (Fig.:
2) em dois pacientes (paciente 1 e paciente 2), com registro e
tabulação dos dados inerentes às pressões.
Figura 1: Mensuração via cuffômetro
Fonte: Arquivos do pesquisador.
Figura 1: Cuffômetro
Fonte: Arquivos do pesquisador.
AVALIAÇÃO DA PRESSÃO INTRA-CUFF EM PACIENTES NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DA FCECON
BARBOSA, H. N. ²; XAVIER , D. S. ²; BAHIA, B. L. ² ; ROCHA, P. M. N. ²; MENDONÇA, D. ²; GLORIA, D. S. ²
Fisioterapeuta, Mestre em Terapia Intensiva¹
Fisioterapeuta , especializando (a) em Fisioterapia Intensiva²
REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICA
ARANHA, A.G.A; FORTE V; PERFEITO, J.A.J; LEÃO, L.E.V; IMAEDA, C.J. Estudo das pressões no interior dos balonetes de tubos traqueais. Rev. Brasileira
Anestesiologia. V. 53(6), P .728-36, 2003
HARINGER , Deborah Motta de Carvalho. Pneumonia associada à ventilação mecânica. Pulmão RJ 2009; Supl 2:S37-S45.
JULIANO, S.R.R; CIVIDANES, J.P; HOULY, J.G.S; GEBARA, O.C.E; CATÃO, E.C. Medidas dos níveis de pressão do balonete em unidade de terapia
intensiva: considerações
sobre os benefícios do treinamento. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. V. 19(3), P. 317-21, 2007.
MORIIS LG, ZOUMALAN, R.A; ROCCAFORTE; J.D; AMIN, M.R. Monitoring tracheal tube cufF pressures in the intensive care unit: a comparison of
digital palpation and manometry. Ann Otol Rhinol Laryngol. V. 116(9), P. 639-42, 2007.
RESULTADOS E DISCUSSÕES
Através da coleta dos dados foram obtidos os seguintes resultados:
O Gráfico 1 demonstra os valores pressóricos intra-cuff obtidos pós
mensuração por cuffomêtro dos pacientes durante 7 dias sob VM.
Evidenciando uma notória discrepância ao considerar o valor obtido com o
valor predito de normalidade para pressão intra-cuff.
Ao analisar o paciente 1 conforme demonstrado no gráfico 1, observa-se
uma constante variação pressórica variando de menor valor em 10 cmH2O
e em maior valor 45 cmH2O e obtendo como média pressórica 19,57
cmH2O. Já o paciente 2 apresenta uma variação pressórica de 12 cmH2O
em menor valor e 45 cmH2O em maior valor, adquirindo como média
pressórica 23,71 cmH2O. É válido também observar que ambos os casos
obtiveram medidas aquém do esperado, sobressaindo-se os valores
abaixo do nível esperado, onde somente o terceiro dia e o paciente 2 no
quarto dia se enquadrou nos valores normais.
Conforme Juliano (2007), esses valores não devem ultrapassar 20 e 30
cmH2O e durante a (VM), a pressão do cuff deve ser baixa o suficiente
para permitir a perfusão da mucosa e alta o suficiente para prevenir o
vazamento de ar e impedir a aspiração das secreções. Pressões
superiores a 30 cmH2O podem gerar lesões na parede da traquéia
dificultando o desmame ou decanulação e pressões menores que 20
cmH2O podem levar a broncoaspiração.
Para Haringer (2009), o esforço a ser feito para evitar a aspiração de
bactérias da orofaringe ao redor do cuff é manter a pressão do
cuff em pelo menos 20 cmH2O e afirma que é um dos fatores de riscos
modificáveis para se evitar a PAV.
Morris (2007) conclui que a maneira de evitar ou minimizar futuras lesões
é a insuflação do cuff com pressão mínima, sendo suficiente para vedar a
traquéia e não permitir o escape de ar durante a ventilação, contudo, é
importante não ultrapassar os valores preditos e/ou respeitar a pressão de
25 cmH2O, o qual é valor limite da perfusão da mucosa traqueal.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A participação e a conscientização da equipe médica na observação dos
níveis pressóricos são Importantes para evitar ou minimizar os possíveis
efeitos deletérios do cuff que podem variar de um edema traqueal até uma
PAV. Diminuindo assim, os custos e os dias de internação, a medicação,
a morbidade e a mortalidade.
Sugere-se a necessidade da vigilância das pressões do balonete através
da implantação de uma rotina de mensuração, como meio profilático.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Broncoscopia, mediastinoscopia e toracotomia
Broncoscopia, mediastinoscopia e toracotomiaBroncoscopia, mediastinoscopia e toracotomia
Broncoscopia, mediastinoscopia e toracotomia
egfmed
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
José Alexandre Pires de Almeida
 
O papel dos exames de imagem na hp
O papel dos exames de imagem na hpO papel dos exames de imagem na hp
O papel dos exames de imagem na hp
gisa_legal
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
ctisaolucascopacabana
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Alex Eduardo Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriewSíndrome da angústia respiratória aguda (sara)   reriew
Síndrome da angústia respiratória aguda (sara) reriew
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Exames radiológicos II
Exames radiológicos IIExames radiológicos II
Exames radiológicos II
 
TRAUMA de Tórax - GAR- INST. Bruno César
TRAUMA de Tórax - GAR- INST. Bruno CésarTRAUMA de Tórax - GAR- INST. Bruno César
TRAUMA de Tórax - GAR- INST. Bruno César
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Pneumotorax e pneumonia
Pneumotorax e pneumoniaPneumotorax e pneumonia
Pneumotorax e pneumonia
 
Broncoscopia, mediastinoscopia e toracotomia
Broncoscopia, mediastinoscopia e toracotomiaBroncoscopia, mediastinoscopia e toracotomia
Broncoscopia, mediastinoscopia e toracotomia
 
Pletismografia
PletismografiaPletismografia
Pletismografia
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
 
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica InvasivaAspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
 
Cap 08 vias-aereas
Cap 08 vias-aereasCap 08 vias-aereas
Cap 08 vias-aereas
 
O papel dos exames de imagem na hp
O papel dos exames de imagem na hpO papel dos exames de imagem na hp
O papel dos exames de imagem na hp
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
 
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmoCuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Sdra - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 

Destaque

Maria de Fatima dos Santos Cardoso
Maria de Fatima dos Santos CardosoMaria de Fatima dos Santos Cardoso
Maria de Fatima dos Santos Cardoso
Sobragen-VIIIEnenge
 
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometriaFisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Pedro Henrique
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
pauloalambert
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
pauloalambert
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula BarretoSemiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
labap
 

Destaque (19)

Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
 
Oximetro de pulso
Oximetro de pulsoOximetro de pulso
Oximetro de pulso
 
Oximetria De Pulso
Oximetria De PulsoOximetria De Pulso
Oximetria De Pulso
 
Maria de Fatima dos Santos Cardoso
Maria de Fatima dos Santos CardosoMaria de Fatima dos Santos Cardoso
Maria de Fatima dos Santos Cardoso
 
Síndromes respiratórias
Síndromes respiratóriasSíndromes respiratórias
Síndromes respiratórias
 
Capnometria en tep lobitoferoz13
Capnometria en tep lobitoferoz13Capnometria en tep lobitoferoz13
Capnometria en tep lobitoferoz13
 
Monitoria de semiologia respiratória
Monitoria de semiologia respiratóriaMonitoria de semiologia respiratória
Monitoria de semiologia respiratória
 
Exame físico do Tórax
Exame físico do TóraxExame físico do Tórax
Exame físico do Tórax
 
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometriaFisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
Fisioterapia respiratoriaa=manuvacometria
 
Síndromes pulmonares
Síndromes pulmonaresSíndromes pulmonares
Síndromes pulmonares
 
Avaliação respiratória
Avaliação respiratóriaAvaliação respiratória
Avaliação respiratória
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula BarretoSemiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
 
Monitorização Ventilatória
Monitorização VentilatóriaMonitorização Ventilatória
Monitorização Ventilatória
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 

Semelhante a AVALIAÇÃO DA PRESSÃO INTRA-CUFF EM PACIENTES NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DA FCECON

SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
Flávia Salame
 
In exuflação mcânica em cuidados intensivos
In exuflação mcânica em cuidados intensivosIn exuflação mcânica em cuidados intensivos
In exuflação mcânica em cuidados intensivos
Roberto Mendes
 
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough AssistIn exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
Roberto Mendes
 

Semelhante a AVALIAÇÃO DA PRESSÃO INTRA-CUFF EM PACIENTES NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DA FCECON (20)

Disturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilaçãoDisturbios associados à ventilação
Disturbios associados à ventilação
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
 
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
SDRA- Consenso de VM SBPT 2007
 
Sdra consenso vm
Sdra consenso vmSdra consenso vm
Sdra consenso vm
 
VNI no intraooperatorio
VNI no intraooperatorioVNI no intraooperatorio
VNI no intraooperatorio
 
Ventilação mecânica não invasiva
Ventilação mecânica não invasivaVentilação mecânica não invasiva
Ventilação mecânica não invasiva
 
pneumotorax.pptx
 pneumotorax.pptx pneumotorax.pptx
pneumotorax.pptx
 
Fbara jo _final_
Fbara jo _final_Fbara jo _final_
Fbara jo _final_
 
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptxMonitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
 
Cirurgia toracica
Cirurgia toracicaCirurgia toracica
Cirurgia toracica
 
Equipamentos 2017
Equipamentos 2017Equipamentos 2017
Equipamentos 2017
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioMeios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
 
Ventilação Mecânica
Ventilação MecânicaVentilação Mecânica
Ventilação Mecânica
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
 
2º consenso bra vm
2º consenso bra vm2º consenso bra vm
2º consenso bra vm
 
In exuflação mcânica em cuidados intensivos
In exuflação mcânica em cuidados intensivosIn exuflação mcânica em cuidados intensivos
In exuflação mcânica em cuidados intensivos
 
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough AssistIn exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
 
Cateter_umbilical_ombro_umbigo aplicacão
Cateter_umbilical_ombro_umbigo aplicacãoCateter_umbilical_ombro_umbigo aplicacão
Cateter_umbilical_ombro_umbigo aplicacão
 
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde

Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde (20)

Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânica
 
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
Interação das drogas vasoativas e a fisioterapia em pacientes na Unidade de T...
 

AVALIAÇÃO DA PRESSÃO INTRA-CUFF EM PACIENTES NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DA FCECON

  • 1. INTRODUÇÃO Comumente se encontra em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pacientes sob ventilação mecânica (VM) com o objetivo de manter a ventilação pulmonar adequada através de uma prótese traqueal artificial, sendo as mais comuns as endotraqueais e as cânulas de traqueostomia (ARANHA et al, 2003). Estes tipos de próteses possuem na sua parte distal como característica um balonete, também chamado de “cuff” que por definição é um manguito preenchido por ar localizado ao redor da traqueostomia ou tubo orotraqueal que se encaixa no interior da traquéia. Estima-se que valores entre 20 a 30 cmH2O são considerados seguros para evitar lesões. Entretanto, quando hiperinsuflado pode ocasionar o edema celular, perda de cílios e descamação do epitélio e quando a pressão for insuficiente aumenta o risco de broncoaspiração de secreções, podendo levar as infecções pulmonares (JULIANO et al, 2007), tais quais: a pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV). A mucosa traqueal recebe diretamente a pressão transmitida pelo cuff e para evitar lesões é necessário observar o grau de pressão transmitido do cuff para a parede da traquéia. Objetivo: demonstrar que através da implantação da rotina de mensuração da pressão intra-cuff, obtém-se controle fidedigno para manter as medidas dentro dos parâmetros considerados seguros, evitando assim, um maior tempo de internação, menor custo com materiais e medicamentos e atenuação das complicações de morbidade e mortalidade. MATERIAIS E MÉTODOS Foi realizado um estudo prospectivo e descritivo das mensurações da pressão do cuff, verificando-se o percentual de inadequação na UTI adulto da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCECON). As medidas foram coletadas no período matutino e quando necessário ajustadas a 25 cmH2O. Para obtenção da pressão do cuff, utilizou-se o aparelho específico denominado Cuffômetro, marca VBM, modelo CE 0123, com graduação de 0 a 120 cmH2O (Fig.: 1) que obtêm as pressões do balonete sendo um método simples, seguro e rápido para a medição e calibração da pressão do cuff. A pesquisa foi realizada através da mensuração do cuff (Fig.: 2) em dois pacientes (paciente 1 e paciente 2), com registro e tabulação dos dados inerentes às pressões. Figura 1: Mensuração via cuffômetro Fonte: Arquivos do pesquisador. Figura 1: Cuffômetro Fonte: Arquivos do pesquisador. AVALIAÇÃO DA PRESSÃO INTRA-CUFF EM PACIENTES NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DA FCECON BARBOSA, H. N. ²; XAVIER , D. S. ²; BAHIA, B. L. ² ; ROCHA, P. M. N. ²; MENDONÇA, D. ²; GLORIA, D. S. ² Fisioterapeuta, Mestre em Terapia Intensiva¹ Fisioterapeuta , especializando (a) em Fisioterapia Intensiva² REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICA ARANHA, A.G.A; FORTE V; PERFEITO, J.A.J; LEÃO, L.E.V; IMAEDA, C.J. Estudo das pressões no interior dos balonetes de tubos traqueais. Rev. Brasileira Anestesiologia. V. 53(6), P .728-36, 2003 HARINGER , Deborah Motta de Carvalho. Pneumonia associada à ventilação mecânica. Pulmão RJ 2009; Supl 2:S37-S45. JULIANO, S.R.R; CIVIDANES, J.P; HOULY, J.G.S; GEBARA, O.C.E; CATÃO, E.C. Medidas dos níveis de pressão do balonete em unidade de terapia intensiva: considerações sobre os benefícios do treinamento. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. V. 19(3), P. 317-21, 2007. MORIIS LG, ZOUMALAN, R.A; ROCCAFORTE; J.D; AMIN, M.R. Monitoring tracheal tube cufF pressures in the intensive care unit: a comparison of digital palpation and manometry. Ann Otol Rhinol Laryngol. V. 116(9), P. 639-42, 2007. RESULTADOS E DISCUSSÕES Através da coleta dos dados foram obtidos os seguintes resultados: O Gráfico 1 demonstra os valores pressóricos intra-cuff obtidos pós mensuração por cuffomêtro dos pacientes durante 7 dias sob VM. Evidenciando uma notória discrepância ao considerar o valor obtido com o valor predito de normalidade para pressão intra-cuff. Ao analisar o paciente 1 conforme demonstrado no gráfico 1, observa-se uma constante variação pressórica variando de menor valor em 10 cmH2O e em maior valor 45 cmH2O e obtendo como média pressórica 19,57 cmH2O. Já o paciente 2 apresenta uma variação pressórica de 12 cmH2O em menor valor e 45 cmH2O em maior valor, adquirindo como média pressórica 23,71 cmH2O. É válido também observar que ambos os casos obtiveram medidas aquém do esperado, sobressaindo-se os valores abaixo do nível esperado, onde somente o terceiro dia e o paciente 2 no quarto dia se enquadrou nos valores normais. Conforme Juliano (2007), esses valores não devem ultrapassar 20 e 30 cmH2O e durante a (VM), a pressão do cuff deve ser baixa o suficiente para permitir a perfusão da mucosa e alta o suficiente para prevenir o vazamento de ar e impedir a aspiração das secreções. Pressões superiores a 30 cmH2O podem gerar lesões na parede da traquéia dificultando o desmame ou decanulação e pressões menores que 20 cmH2O podem levar a broncoaspiração. Para Haringer (2009), o esforço a ser feito para evitar a aspiração de bactérias da orofaringe ao redor do cuff é manter a pressão do cuff em pelo menos 20 cmH2O e afirma que é um dos fatores de riscos modificáveis para se evitar a PAV. Morris (2007) conclui que a maneira de evitar ou minimizar futuras lesões é a insuflação do cuff com pressão mínima, sendo suficiente para vedar a traquéia e não permitir o escape de ar durante a ventilação, contudo, é importante não ultrapassar os valores preditos e/ou respeitar a pressão de 25 cmH2O, o qual é valor limite da perfusão da mucosa traqueal. CONSIDERAÇÕES FINAIS A participação e a conscientização da equipe médica na observação dos níveis pressóricos são Importantes para evitar ou minimizar os possíveis efeitos deletérios do cuff que podem variar de um edema traqueal até uma PAV. Diminuindo assim, os custos e os dias de internação, a medicação, a morbidade e a mortalidade. Sugere-se a necessidade da vigilância das pressões do balonete através da implantação de uma rotina de mensuração, como meio profilático.