SlideShare uma empresa Scribd logo
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
feeling good = doing good
A. Sousa-Uva e F. Serranheira
Segurança do Doente e Saúde e Segurança
do Profissional de Saúde
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Centrada
no doente
Controlo de
infeção
Notificação
e
aprendizagem
Liderança
Competência
Investigação
Segurança do Doente
abordagem sistémica e
integrada
Prestação de
cuidados
ErgonomiaSaúde
Ocupacional
Cultura de
Segurança
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
“ … A Segurança do Doente resulta da interação de diversos
fatores relacionados, por um lado, com o doente e, por outro,
com a prestação de cuidados que envolvem elementos de
natureza individual (falhas ativas) e
organizacional/estrutural (condições latentes). Devido à
multifactorialidade que está na base de “problemas/falhas”
na Segurança do Doente, qualquer abordagem a considerar
deve ser sistémica e integrada.
Simultaneamente, tais abordagens devem contemplar a
compreensão da complexidade dos sistemas e dos processos
de prestação de cuidados de saúde e as suas
interdependências (envolvendo aspetos individuais,
tecnológicos e ambientais).
Perspetiva sistémica
Sousa, P.; Sousa-Uva, A.; Serranheira, F.; Pinto, F.; Øvretveit, J.; Klazinga, N.; Suñol, R.; Terris, D. - The Patient
Safety Journey in Portugal: Challenges and Opportunities from a Public Health Perspective. RPSP (2009).
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Centrado na pessoa
indivíduo/trabalhador
Centrado no sistema
(abordagem holística)
Foco no acto inseguro, no
esquecimento, na falta de
atenção, na negligência, na
violação de procedimentos ou
regras; ,,,
Apela à aprendizagem com o
erro, o incidente e o acidente,
através de sistemas de registo
(report).
Apela ao medo, aos processos
disciplinares, à litigação, à culpa,
à vergonha, ...
Parte das características e limitações do
homem:
a) a resiliência e a falibilidade
humanas, em situações de pressão
organizacional ou temporal,
Incluindo:
1. a falta de recursos humanos,
2. a inadequação dos equipamentos,
3. a má concepção dos procedimentos
4. o layout desadequado,...
Valoriza o “herói”
(Adaptado de Leape, L., 2000. A systems analysis approach to medical error, Journal of Evaluation in Clinical Practice, 3, 3, 213-222.
Modelos de análise do Erro e Gestão do risco
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Teoria do Acidente e do Erro
perspetiva sistémica
• A maioria dos acidentes inicia-se com uma
acumulação de falhas latentes:
– Algumas dessas falhas são erros humanos:
• Falhas, lapsos e enganos
– latentes – ex.: disposição incorrecta de
medicamentos.
– ativas - ex.: prescrição ao doente.
– Outras (a maioria) são condições latentes do
sistema:
• Opções erradas no design/conceção do sistema (ex.:
circuitos; equipamentos;…);
• na organização (ex.: horários; recursos humanos;…);
• nos procedimentos de emergência (ex.: normas com
omissão de passos).
(Adaptado de Reason, J., 2000. Human error: models and management. BMJ 2000;320:768–70
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
"...os lapsos ou erros na segurança do paciente
resultam de uma combinação complexa de fatores e
causas-raiz. Desta forma, as melhorias na segurança
do paciente e, de forma mais genérica, na qualidade
do cuidado prestado sempre exigem uma abordagem
completa e integrada que combine todos os
componentes do trabalho, como as pessoas, a
tecnologia e o ambiente, e não só o comportamento
humano..."
O planejamento e o desenho de todos os elementos
do sistema, isto é, a concepção do hospital, devem
envolver todos os grupos de interesse, incluindo os
pacientes e suas famílias.
Sousa, P.; Sousa-Uva, A.; Serranheira, F.; Pinto, F.; Øvretveit, J.; Klazinga, N.; Suñol, R.; Terris, D. - The Patient
Safety Journey in Portugal: Challenges and Opportunities from a Public Health Perspective. RPSP (2009).
Sistemas complexos
compreender para prevenir vs. culpar para castigar
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Segurança do Doente e
Saúde e Segurança do Trabalhador
ERRO
Incidente e/ou
Acidente
Causa e/ou Consequência?
Indivíduo e/ou Sistema?
Sistemas complexos
Consequência!
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
As condições de trabalho dos profissionais
de saúde podem contribuir para uma
maior incidência de erros médicos (ou
clínicos)?
Em caso afirmativo qual a sua importância
relativa na estimativa da ocorrência de
44.000 a 98.000 mortes em hospitais
devidas a erros médicos (ou clínicos) -
EUA?
Agency for Healthcare Research and Quality – The effect of health Care Working Conditions on Patient Safety.ahrq
Publication nº 03-E031, Maio de 2003.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
“ … patient safety errors cannot
be solely attributed to inattention, memory lapse,
failure to communicate, exhaustion or ignorance.
Errors often can be attributed to poorly designed
layouts, workplaces, equipment and drug dispensing
systems. “Noisy” working conditions, inappropriate
work schedules, insufficient staff and a number of
other personal and environmental factors, all should
be taken it consideration when creating fault trees or
performing root cause analysis aiming at prevention
of future events …”
Sousa, P.; Sousa-Uva, A.; Serranheira, F.; Pinto, F.; Øvretveit, J.; Klazinga, N.; Suñol, R.; Terris, D. - The Patient Safety Journey in
Portugal: Challenges and Opportunities from a Public Health Perspective. RPSP (2009).
Segurança do Doente e Saúde e
Segurança do Trabalhador
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
“… em vez de serem as principais causas de um
acontecimento adverso (incidente ou acidente), os
trabalhadores (profissionais de saúde) são os
herdeiros de um sistema, cuja macro e micro
conceção não é adequada, onde existe uma
instalação e disposição incorreta de equipamentos,
uma manutenção deficiente e, principalmente,
perniciosas decisões relativas à gestão e/ou
organização …”.
(Reason, 1990)
“...os incompetentes são, no máximo, 1% do
problema. Os restantes 99% são pessoas que
tentam ter um bom desempenho profissional mas
que fazem alguns erros como resultado das
condições e do meio em que trabalham.”
(Leape, 2000)
Segurança do Doente e Saúde e
Segurança do Trabalhador
Reason, J., 1990. Human Error, Cambridge University Press,
Leape, L. (2000). Reporting of medical errors: Time for a reality check. Qual in Health Care, 9:143
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
1. Do working conditions affect patient outcomes that are
related to patient safety?
2. Do working conditions affect the rate of medical errors?
3. Do working conditions affect the rate of recognition of
medical errors after they occur?
4. Do working conditions affect the probability that adverse
events will occur following (un)detected medical errors?
5. Does de complexity of the plan of care influence whether
working conditions affect patient outcomes that are related
to patient safety
6. Do working conditions affect measures of service quality in
industries other than health care?
Agency for Healthcare Research and Qualty – The effect of health Care Working Conditions on
Patient Safety.ahrq Publication nº 03-E031, Maio de 2003.
1980 – 2002 - Com excepção da pergunta 4 (impact on the probability of
adverse events) foi encontrada evidência para as questões e
designadamente:
1. grande evidência Do working conditions affect patient outcomes
that are related to patient safety?
2. Evidência robusta Do working conditions affect the rate of medical
errors?
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
1. O aumento do staff de enfermagem melhora os
resultados para os doentes;
2. Existem menos complicações preveníveis em
procedimentos técnicos complexos quando os
médicos os praticam frequentemente;
3. A existência de experiência por parte dos
técnicos influencia positivamente os
resultados;
4. A introdução de mecanismos de diminuição das
interrupções e distrações reduz a incidência de
erros;
5. A troca de informações, a transferência de
responsabilidade e a continuidade da prestação
de cuidados no internamento e ambulatório
diminui o número de erros medicamentosos e
as re-admissões hospitalares;
6. O ruído ambiente não afeta adversamente a
segurança dos doentes.
Agency for Healthcare Research and Qualty – The effect of health Care Working Conditions on
Patient Safety.ahrq Publication nº 03-E031, Maio de 2003.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
1. “Workforce staffing” e “workflow
design” maior evidência tanto na
taxa de erros médicos como na
incidência de eventos adversos,
designadamente: IACS, úlceras
de decúbito e quedas;
1. Não existe evidência consistente
que as condições de trabalho
afetem a taxa de mortes
preveníveis em hospitais
Agency for Healthcare Research and Qualty – The effect of health Care Working Conditions on
Patient Safety.ahrq Publication nº 03-E031, Maio de 2003.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Cuidados intensivos: os erros não são conhecidos
nem discutidos por:
 reputação individual 76%
 receio de referência a má prática 71%
 expectativas da família e sociedade 68%
 possibilidade de actuação disciplinar 64%
 ameaça de segurança de emprego 63%
 ……………………………………….
Sexton, JB; Thomas, EJ; Helmreich, RL - Error, stress, and teamwork in medicine
and aviation: cross sectional surveys. BMJ 320 (2000) 745-749.
30.000 pilotos (40 empresas de 25 países); 851 trab.
Anestesia e Cirurgia; 182 Cuidados Intensivos.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Os juniores não devem questionar as decisões dos seniores da
equipa
Desacordo: 70% a 84% anestesia; 55 a 69% (cirurgia); 94%
(cuidados intensivos) e 97% pilotos
Sexton, JB; Thomas, EJ; Helmreich, RL - Error, stress, and teamwork in medicine and
aviation: cross sectional surveys. BMJ 320 (2000) 745-749.
Mesmo fatigado eu executo com eficiência o meu trabalho
Desacordo: 23% a 38% anestesia; 18 a 40% (cirurgia); 23 a 30%
(cuidados intensivos) e 64% pilotos
30.000 pilotos (40 empresas de 25 países); 851 trab.
Anestesia e Cirurgia; 182 Cuidados Intensivos.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Fatores de Risco profissionais
 físicos;
 químicos;
 relac. com a atividade;
 psicossociais;
 biológicos.
Uva, Antonio Sousa. Diagnóstico e gestão do risco em saúde Ocupacional. Lisboa: ACT, 2010
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
 dimensão das equipas
 trabalho noturno/turnos
 horário de trabalho
 stress relacionado com o
trabalho e burnout
 fadiga
 ……………………………..
Fatores de risco e riscos (SST; SD)
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
• Os doentes internados em hospitais com pior
taxa enfermeiro/doentes (8 doentes por
enfermeiro) têm mais 31% de risco de morrer
do que em hospitais com taxa
enfermeiro/doentes de 4 doentes por
enfermeiro. Tal pode corresponde à redução de
até 20.000 mortes preveníveis por ano.
• Existe um aumento de risco de burnout de 23%
e de insatisfação profissional de 15% por cada
doente a mais dos quatro/enfermeiro.
Clarke, SP; Sloane, DM; Aiken, LH – Effects of hospital staffing and organizational climate on needle stick
injuries to nurses. American Journal of Public Health. 92 (2002) 1115-1119.
Relação enfermeiro/doente
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Uma metanálise de vários
estudos aponta para um
aumento de risco de
acontecimento (ou evento)
adverso de mais 18% e de mais
34% para os turnos vespertinos
e noturnos (respetivamente) em
relação aos matutinos.
Folkard, S. et al. – Shifwork safety, sleepiness and sleep. Ind.
Medicine. 13 (2010) 20-23.
Trabalho por turnos
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
A comparação entre a redução
dos índices de realização
provocada pela fadiga e pelo
álcool revela que a vigília
durante 24 horas é equivalente à
redução da performance
provocada pela ingestão de
álcool (alcoolemia entre 0,8 e 1).
Privação do sono e
performance
Dawson, D.; Reid, K. – Fatigue, alcohol and performance impairment. Nature. 388 (1997) 235.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
7.905 cirurgiões (Balch, J. – American College of Surgeons,
2008)
Em cirurgiões que trabalham mais de 80 horas por
semana, 50% tem critérios de burnout e 40% de
depressão;
11% admite que cometeu um erro importante nos três
meses anteriores;
20% diz que não seria cirurgião se a sua escolha fosse
feita no dia em que responde ao questionário;
2/3 não concorda com a limitação semanal de horário
de trabalho (mesmo os que trabalham mais de 80
horas/semana).
Johns Hopkins Medicine, news release. Oct 28, 2010.
Horários de trabalho de cirurgiões e
Segurança do Doente
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
intubações endotraqueais mais lentas e
com mais erros (anestesia)*
seis vezes mais punções dura-mater
nas epidurais (anestesia) **
laparoscopias mais lentas e com mais
erros (cirurgia) ***
dilatações coronárias: mais insucesso e
maior mortalidade (cardiologia). ****
* Smith-Coggins, R. et al. – Rotating shiftwork schedules: can we enhance physician adaptation to
night schifts?. Acad. Emerg. Med. 4 (1997) 951-961.
** Aya, A.G. et al. – Increase risk of unintentional dural puncture in night-time obstretic epidural
anesthesia. Can. J. Anaesth. 46 (1999) 655-659.
*** Grantcharov, T.P. et al. – Laparoscopic performance after oni night on call in a surgical
department: a prospective study. BMJ. 323 (2001) 1222-21223.
**** Henriques, J.P. et al. - Outcome of primary angioplasty for acute myocardial infarction during
routine duty hours versus during off-hours. J. Am. Col. Cardiol. 41 (2003) 2138-2142
Fadiga e Segurança do Doente
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Elfering, E.; Semmer, NK;Grebner, S. Work stress and patient safety: observer-rated
work stressor as predictors of characteristics of safety-related events reported by young
nurses. Ergonomics. 49:5-6 (2006), 457-469.
“Stress relacionado com o
trabalho” e Segurança do Doente
23 enfermeiras jovens de 19 hospitais suíços
documentaram, em duas semanas, 314
acontecimentos stressantes, dos quais 62
relacionados com a segurança dos doentes;
Os stressores mais frequentes foram: a
documentação incorreta (40%), seguida de erros
medicação “near misses” (10%) e doentes
violentos (10%);
Demonstrou-se que os “stressores profissionais” e
o “baixo controlo do trabalho” constituem fatores
de risco de segurança do doente.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Sacadura-Leite, E.; Sousa-Uva, A.; Ferreira, S.; Rocha, R.; Costa, P.; Passos, A. Fatores indutores de stress em
enfermeiros: serão os locais de trabalho determinantes para a sua perceção? 11º Congresso Nacional de Psicologia
da Saúde, 26 a 29 de janeiro de 2016 (abstract).
Os principais fatores indutores de stress identificados pelos
enfermeiros foram:
 sobrecarga de trabalho (58.8%), sendo considerado de
elevada intensidade em 73,8% dos casos;
 conflitos entre profissionais (53.7%), sendo considerado
de elevada intensidade em 42,5% dos casos;
 estado clínico do doente (41.9%), sendo considerado de
elevada intensidade em 63,2% dos casos;
 envolvimento emocional perante o sofrimento e a morte
do doente (39.7%), sendo considerado de elevada
intensidade em 61,1% dos casos;
 exigências do trabalho (20.6%), sendo considerado de
elevada intensidade em 46,4% dos casos;
 ………………………………………………………………..
estudo abrangendo 136 dos 1.154 enfermeiros de
um hospital universitário
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Que intervenção preventiva?
– centrada no indivíduo
• vigilância médica;
formação SST
• …………..
– centrada no ambiente
• tornar o contexto mais
favorável à saúde e
segurança;
• ……………………..
– … mas sempre sistémica
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
CondiçõeslatentesFalhasativas
Sistemas complexos
adaptado de Henriksen, et al. –
Understanding adverse events: a
human factors framework. In
RONDA HUDGES (ed.lit.) Patient
Safety and Quality: An Evidence-
Based Handbook for Nurses.
Rockville: Agency for Healthcare
Research and Quality – U.S.
Department of Health and Human
Services, 2008.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Ergonomia
1. Concepção 2. Correcção
Design
Hospitalar
Segurança
do Trabalho
Ergonomia e Segurança do Doente
Abordagem sistémica
e integrada outras
condições de
trabalho
Espaços e
circuitos
Equipamentos
e fármacos Relações
sociais
Profissionais de
saúde
Doentes Visitas
Organização e
horários
Comunicação
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
• Dimensões da Ergonomia:
– Física
• Características físicas dos utilizadores
– Cognitiva
• Características cognitivas dos utilizadores
– Organizacional
• Características psicossociais dos utilizadores
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
1. Ergonomia de Conceção
• Age, desde a fase inicial, sobre um produto ou sobre um posto de trabalho,
criando condições adaptadas e perspetivadas no sentido da eficácia, da
segurança e do conforto.
Oakworks Vascular Table with Fowler
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
• Conceção de espaços de trabalho em Hospitais:
As normas de conceção constituem referências, mas não
garantem as melhores condições de ação.
• Os gestos e posturas são a expressão da atividade, ou seja,
os comportamentos observados, adequados ou não, são
sempre exigidos pelo trabalho/organização e podem colocar
o profissional de saúde em risco ou em sofrimento e
comprometer a produção e a segurança do paciente.
– A primeira preocupação da SST é procurar compreender
o que leva os profissionais de saúde a estabelecer um
compromisso entre os objetivos a atingir e o seu próprio
(des)conforto (incluindo a exposição aos fatores de risco
profissionais e os respetivos riscos, tanto para os
pacientes como para os prestadores).
Princípios de Conceção
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
• A adequação do posto de trabalho não deve ser vista apenas como um
simples elemento de conforto, mas como uma condição indispensável, um
meio de trabalho.
• É fundamental adaptar ao utilizador:
– o dimensionamento do local e dos equipamentos,
– a disposição do equipamento no espaço,
– a sequência de ações/gestos/movimentos,
– a acessibilidade das vias e circuitos,
– a minimização das exigências físicas, cognitivas e psicológicas.
Princípios de Conceção
Sistema produtivo
Objectivos
Critérios
Interacções entre o
Homem e o
envolvimento
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Princípios de Conceção
• Princípios de natureza física/organizacional:
– Adequação do posto de trabalho às características antropométricas dos trabalhadores,
por exemplo a nível dos planos de trabalho;
– Alcance – a colocação de instrumentos ou sistemas de controlo deve privilegiar os
limites antropométricos melhorando o conforto e o tempo;
– Postura de trabalho confortável e adequada à natureza da atividade e suas exigências.
– Reduzir ou eliminar o esforço inerente à manipulação de ferramentas ou
equipamentos, substituindo-os por outros concebido de acordo com critérios
ergonómicos e desenvolvendo sistemas de ajuda como a mecanização ou a
automatização;
– Minimizar a fadiga, proporcionando uma organização do trabalho que respeite os
limites individuais e assegure as pausas necessárias.
– Reduzir a repetitividade, atribuindo uma maior diversidade de tarefas e mais tempo a
cada operador ou implementando planos de rotação.
– Assegurar a acessibilidade ao posto de trabalho e aos equipamentos e ferramentas
necessários, evitando a sua acumulação junto do local de trabalho;
– Permitir a movimentação e alternância de gestos e posturas, mesmo em situações
ótimas, pois a duração do trabalho não permite a sensação subjetiva de conforto para
além de certos limites temporais.
– Assegurar um envolvimento confortável, em termos de fatores ambientais, tais como
a iluminação adequada, o ambiente térmico ou a qualidade do ar;
– Simultaneamente, reduzir ou eliminar os fatores de risco, tais como o ruído, as
vibrações ou a manipulação de substâncias químicas.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Caraterísticas humanas
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Disposição física dos serviços
(HBN 40, 2010)
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Conceção: espaços e locais de trabalho
Design for patient safety: a guide to the design of the dispensing enviroment. NHS, 2007
1. Organizar procedimentos
2. Definir os locais de trabalho
3. Garantir segurança
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Conceção – circuitos e implantação de equipamentos
In
Out
1. Simular o trabalho real
2. Definir o workflow no espaço físico
3. Implantar os equipamentos
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
1. Minimizar exigências físicas
2. Garantir acessibilidade e visibilidade
3. Maximizar a prestação de cuidados
(NHS, 2005)
Conceção – circuitos e implantação de equipamentos
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
transferência
sentado – de pé
Conceção – equipamentos
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Conceção – layout medicamentos
Design for patient safety. NHS, 2003
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Conceção - layout medicamentos
Design for patient safety: a guide to labelling and packaging of injectables medicines. NHS, 2008
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
• Princípios de natureza cognitiva:
– Utilizar padrões - a informação apresentada como padrão pode ser percebida
mais rapidamente e com mais precisão;
– Prevenir erros - utilizar sistemas normalizados, ou seja, garantir que
instrumentos similares funcionam sempre da mesma maneira:
– Assegurar uma reacção esperada em função do reconhecimento de um sinal -
utilizar estereótipos;
– Simplificar a apresentação da informação – torná-la clara, e sem qualquer
ambiguidade;
– Apresentar a informação com o nível de detalhe apropriado - permitir a
percepção de todo o conteúdo relevante;
– Apresentar imagens claras, sem ambiguidade e bem visíveis - permitir a
perceção mais imediata que uma mensagem escrita;
– Relacionar as acções com a percepção - compatibilidade entre a apresentação
da informação e a ação requerida, tornando-a evidente;
– Utilizar redundância - a mesma informação deverá ser repetida de mais que
uma maneira e em momentos diferentes;
– Providenciar estímulos variáveis em situações de monotonia, evitando um
único modo de apresentação da informação; um novo estímulo é mais
facilmente detetado do que um estímulo constante;
– …………………………………………………………………………
Princípios de Conceção
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Conceção de sistemas seguros - exemplos
Minimizar o tempo de
perceção
Visibilidade
Discriminação visual
Discriminação táctil
Displays: dimensões
adequadas à função e à
distância de leitura;
…………………………….
Minimizar o tempo de decisão
Formação de modelos
mentais
Associação
Feedback instantâneo
Alarmes diferentes;
Instruções de segurança;
Equipamentos de emergência
nas cabeceiras;
…………………………………
Minimizar o tempo de
manipulação
Manipulação fácil
Sequência intuitiva/funcional
Transfer de conhecimento
Simulação e treino anteriores
à prática;
Camas com sistemas;
informação dos ângulos;
……………………….
Minimizar a necessidade de
aplicação de força
Utilização de sistemas
mecânicos
Adequação às capacidades
humanas
Camas com balança;:
Alarmes de saída da cama;
Camas preparadas para
realização de radiografias;
…………………………….
Carayon, P., Alvarado, C. J. and Hundt, A. Schoofs (2007) Work design and patient safety. Theoretical Issues in
Ergonomics Science, 8:5, 395 — 428
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
• Anestesia
– Conceção de alarmes, monitores e sistemas de segurança
para o utente
– Utilização de sistemas de confirmação redundante da ação;
– ……………………………….
• Urgência
– Conceção de sistemas decisionais, de monitorização da
prescrição, de armazenamento de medicamentos,…
– Aplicação de barreiras (grades) para prevenir quedas de
camas ou marquesas;
– ……………………………
• Cirurgia
– Conceção de utensílios/ferros (seguros, ergonómicos e de
fácil utilização)
– Utilização de sistemas de confirmação cirúrgica da zona de
intervenção;
– ……………………….
• Radiologia
– Conceção de equipamentos com ajudas técnicas na realização
dos exames
– Utilização de sistemas sonoros de confirmação da colocação
da ampola de raios X (alinhamento com o potter);
– ……………………………………..
Conceção de sistemas seguros - exemplos
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Interfaces
Perceção
- Visão
- Audição
-…
Ação motora
-Deslocação
-Braço/Mão/Dedos
- Pé
Execução
- Botões, rato, teclado
- Pedais,…
Resultados
- Dados
- Cor do display
- Som
- Sequências
I
N
T
E
R
F
A
C
E
Processamento
(perceção-ação)
Sistemas complexos
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Conceção de interfaces
Aprendizagem
facilidade de
interacção.
Critérios:
Eficiência
desempenho
elevado.
Satisfação
aceitação
pelo
utilizador.
Memorização
sequência
lógica de
Ação.
Minimização
de erros
possibilidade
de retorno.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
A
B
Minimização da probabilidade de erro
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Minimização da probabilidade de erro
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
2. Ergonomia de Correção
Procura respostas a inadaptações em situações de trabalho que
se traduzem por problemas ao nível da saúde e segurança dos
trabalhadores.
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
Estrutura da situação de trabalho
Dispositivo
técnico
Organização/
Objectivos
Envolvimento
Actividade
Pessoas
Efeitos/
Pessoas
Efeitos/
Sistema
Física
Mental
Social
I
II
III
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
 Incidência sobre o TRABALHO REAL.
 Abordagem das situações de trabalho na sua GLOBALIDADE
O QUE o trabalhador faz, COMO o faz, ONDE o faz, PORQUE o faz, com que RESULTADOS
(abordagem sistémica da situação de trabalho).
 Tornar inteligíveis as inter-relações existentes entre as 3
dimensões - DIAGNÓSTICO.
 INTERVENÇÃO sobre as Condicionantes do Trabalho adequando-
as às caraterísticas, capacidades e limitações dos profissionais de
saúde (corrigindo e melhorando).
Análise e Intervenção ergonómica
A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016
staff care = patient care
A. Sousa-Uva e F. Serranheira
Segurança do Doente e Saúde e Segurança
do Profissional de Saúde

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação do samu para alunos
Apresentação do samu para alunosApresentação do samu para alunos
Apresentação do samu para alunos
Bolivar Saldaña
 
Seguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - MedicamentosSeguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - Medicamentos
Emmanuel Souza
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
Análise de causa raiz na área de saúde
Análise de causa raiz na área de saúdeAnálise de causa raiz na área de saúde
Análise de causa raiz na área de saúde
Proqualis
 
Prevenção de quedas
Prevenção de quedasPrevenção de quedas
Prevenção de quedas
Proqualis
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
Proqualis
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar e Inter-Hospitalar
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar  e Inter-HospitalarTransporte de Pacientes: Intra-Hospitalar  e Inter-Hospitalar
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar e Inter-Hospitalar
Jeferson Espindola
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Proqualis
 
Sistemas de notificação - Eventos adversos
Sistemas de notificação - Eventos adversos Sistemas de notificação - Eventos adversos
Sistemas de notificação - Eventos adversos
Anderson Alberto Ramos
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
Centro Universitário Ages
 
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção BásicaSaúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
Professor Robson
 
Introdução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhadorIntrodução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhador
rafasillva
 
Programa psf
Programa psfPrograma psf
Programa psf
joselene beatriz
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
Renata Cristina
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCR
Marco Lamim
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
Marco Lamim
 

Mais procurados (20)

Apresentação do samu para alunos
Apresentação do samu para alunosApresentação do samu para alunos
Apresentação do samu para alunos
 
Seguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - MedicamentosSeguranca do Paciente - Medicamentos
Seguranca do Paciente - Medicamentos
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Análise de causa raiz na área de saúde
Análise de causa raiz na área de saúdeAnálise de causa raiz na área de saúde
Análise de causa raiz na área de saúde
 
Prevenção de quedas
Prevenção de quedasPrevenção de quedas
Prevenção de quedas
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) no período neo...
 
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar e Inter-Hospitalar
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar  e Inter-HospitalarTransporte de Pacientes: Intra-Hospitalar  e Inter-Hospitalar
Transporte de Pacientes: Intra-Hospitalar e Inter-Hospitalar
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
 
Sistemas de notificação - Eventos adversos
Sistemas de notificação - Eventos adversos Sistemas de notificação - Eventos adversos
Sistemas de notificação - Eventos adversos
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção BásicaSaúde do Trabalhador e Atenção Básica
Saúde do Trabalhador e Atenção Básica
 
Introdução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhadorIntrodução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhador
 
Programa psf
Programa psfPrograma psf
Programa psf
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCR
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
 

Destaque

Prevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressãoPrevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressão
Proqualis
 
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMSMedicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Proqualis
 
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMSEnvolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Proqualis
 
Aula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância EpidemiológicaAula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância Epidemiológica
Igor Alves
 
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRASApresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Proqualis
 
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzImplementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Proqualis
 
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da SepseWebinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Proqualis
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 

Destaque (9)

Prevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressãoPrevenção de lesões por pressão
Prevenção de lesões por pressão
 
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMSMedicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
Medicação sem danos: o terceiro desafio global da OMS
 
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMSEnvolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
Envolver pacientes e cuidadores- Tópico 8_Guia curricular da OMS
 
Aula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância EpidemiológicaAula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância Epidemiológica
 
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRASApresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
Apresentação webinar Proqualis Higienização das mãos e prevenção de IRAS
 
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzImplementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da SepseWebinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 

Semelhante a Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde

Acidentes de trabalho com instrumentos perfurocortantes
Acidentes de trabalho com instrumentos perfurocortantesAcidentes de trabalho com instrumentos perfurocortantes
Acidentes de trabalho com instrumentos perfurocortantes
Juscélio Abreu
 
ergonomia hospitalar e seguranca do doente
ergonomia hospitalar e seguranca do doenteergonomia hospitalar e seguranca do doente
ergonomia hospitalar e seguranca do doente
Rita Cardoso
 
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Ekateriny Melo
 
Aula cultura de_seguranca
Aula cultura de_segurancaAula cultura de_seguranca
Aula cultura de_seguranca
Proqualis
 
2012
20122012
Presentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad ptPresentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad pt
University of Miami
 
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdfAula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
EvertonMonteiro19
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
CeliaLourdes1
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
AndriellyFernanda1
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Milena de Oliveira Matos Carvalho
 
Elena bohomol
Elena bohomolElena bohomol
Elena bohomol
Daiane Santos
 
Ressumo do ary professora karol
Ressumo do ary  professora karolRessumo do ary  professora karol
Ressumo do ary professora karol
Jose Maciel Dos Anjos
 
Modulo 5 -_investigação_de_eventos
Modulo 5 -_investigação_de_eventosModulo 5 -_investigação_de_eventos
Modulo 5 -_investigação_de_eventos
Vanessa Espirito Santo
 
St12
St12St12
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasPráticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
gisorte
 
Duarte et al 2015
Duarte et al 2015Duarte et al 2015
Duarte et al 2015
Tereza Cristina Silva
 
Segurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúdeSegurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúde
Proqualis
 
Trabalho de risco ocupacional da enfermagem (2)
Trabalho de risco ocupacional da enfermagem (2)Trabalho de risco ocupacional da enfermagem (2)
Trabalho de risco ocupacional da enfermagem (2)
guilhermemoreiradaco
 
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de RiscoPromovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
DouglasSantos936253
 

Semelhante a Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde (20)

Acidentes de trabalho com instrumentos perfurocortantes
Acidentes de trabalho com instrumentos perfurocortantesAcidentes de trabalho com instrumentos perfurocortantes
Acidentes de trabalho com instrumentos perfurocortantes
 
ergonomia hospitalar e seguranca do doente
ergonomia hospitalar e seguranca do doenteergonomia hospitalar e seguranca do doente
ergonomia hospitalar e seguranca do doente
 
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
 
Aula cultura de_seguranca
Aula cultura de_segurancaAula cultura de_seguranca
Aula cultura de_seguranca
 
2012
20122012
2012
 
Presentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad ptPresentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad pt
 
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdfAula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
Aula_Qualidade-e-Seguranca-do-Paciente-AECIHERJ-2016-compressed.pdf
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
 
Elena bohomol
Elena bohomolElena bohomol
Elena bohomol
 
Ressumo do ary professora karol
Ressumo do ary  professora karolRessumo do ary  professora karol
Ressumo do ary professora karol
 
Modulo 5 -_investigação_de_eventos
Modulo 5 -_investigação_de_eventosModulo 5 -_investigação_de_eventos
Modulo 5 -_investigação_de_eventos
 
St12
St12St12
St12
 
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasPráticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
 
Duarte et al 2015
Duarte et al 2015Duarte et al 2015
Duarte et al 2015
 
Segurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúdeSegurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúde
 
Trabalho de risco ocupacional da enfermagem (2)
Trabalho de risco ocupacional da enfermagem (2)Trabalho de risco ocupacional da enfermagem (2)
Trabalho de risco ocupacional da enfermagem (2)
 
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de RiscoPromovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
 
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
 

Mais de Proqualis

Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Proqualis
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Proqualis
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Proqualis
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Proqualis
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Proqualis
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Proqualis
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Proqualis
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Proqualis
 
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Proqualis
 
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana FrizzoAula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Proqualis
 
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Proqualis
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana FranciscoAula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Proqualis
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano MassudaAula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Proqualis
 
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Proqualis
 
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Proqualis
 
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Proqualis
 
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Proqualis
 
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Proqualis
 
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Proqualis
 
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Proqualis
 

Mais de Proqualis (20)

Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
 
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
 
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana FrizzoAula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
 
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana FranciscoAula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano MassudaAula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
 
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
 
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
 
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
 
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
 
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
 
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
 
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
 

Último

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
SusanaMatos22
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
sidneyjmg
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
AllanNovais4
 

Último (11)

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
 

Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde

  • 1. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 feeling good = doing good A. Sousa-Uva e F. Serranheira Segurança do Doente e Saúde e Segurança do Profissional de Saúde
  • 2. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Centrada no doente Controlo de infeção Notificação e aprendizagem Liderança Competência Investigação Segurança do Doente abordagem sistémica e integrada Prestação de cuidados ErgonomiaSaúde Ocupacional Cultura de Segurança
  • 3. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 “ … A Segurança do Doente resulta da interação de diversos fatores relacionados, por um lado, com o doente e, por outro, com a prestação de cuidados que envolvem elementos de natureza individual (falhas ativas) e organizacional/estrutural (condições latentes). Devido à multifactorialidade que está na base de “problemas/falhas” na Segurança do Doente, qualquer abordagem a considerar deve ser sistémica e integrada. Simultaneamente, tais abordagens devem contemplar a compreensão da complexidade dos sistemas e dos processos de prestação de cuidados de saúde e as suas interdependências (envolvendo aspetos individuais, tecnológicos e ambientais). Perspetiva sistémica Sousa, P.; Sousa-Uva, A.; Serranheira, F.; Pinto, F.; Øvretveit, J.; Klazinga, N.; Suñol, R.; Terris, D. - The Patient Safety Journey in Portugal: Challenges and Opportunities from a Public Health Perspective. RPSP (2009).
  • 4. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Centrado na pessoa indivíduo/trabalhador Centrado no sistema (abordagem holística) Foco no acto inseguro, no esquecimento, na falta de atenção, na negligência, na violação de procedimentos ou regras; ,,, Apela à aprendizagem com o erro, o incidente e o acidente, através de sistemas de registo (report). Apela ao medo, aos processos disciplinares, à litigação, à culpa, à vergonha, ... Parte das características e limitações do homem: a) a resiliência e a falibilidade humanas, em situações de pressão organizacional ou temporal, Incluindo: 1. a falta de recursos humanos, 2. a inadequação dos equipamentos, 3. a má concepção dos procedimentos 4. o layout desadequado,... Valoriza o “herói” (Adaptado de Leape, L., 2000. A systems analysis approach to medical error, Journal of Evaluation in Clinical Practice, 3, 3, 213-222. Modelos de análise do Erro e Gestão do risco
  • 5. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Teoria do Acidente e do Erro perspetiva sistémica • A maioria dos acidentes inicia-se com uma acumulação de falhas latentes: – Algumas dessas falhas são erros humanos: • Falhas, lapsos e enganos – latentes – ex.: disposição incorrecta de medicamentos. – ativas - ex.: prescrição ao doente. – Outras (a maioria) são condições latentes do sistema: • Opções erradas no design/conceção do sistema (ex.: circuitos; equipamentos;…); • na organização (ex.: horários; recursos humanos;…); • nos procedimentos de emergência (ex.: normas com omissão de passos). (Adaptado de Reason, J., 2000. Human error: models and management. BMJ 2000;320:768–70
  • 6. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 "...os lapsos ou erros na segurança do paciente resultam de uma combinação complexa de fatores e causas-raiz. Desta forma, as melhorias na segurança do paciente e, de forma mais genérica, na qualidade do cuidado prestado sempre exigem uma abordagem completa e integrada que combine todos os componentes do trabalho, como as pessoas, a tecnologia e o ambiente, e não só o comportamento humano..." O planejamento e o desenho de todos os elementos do sistema, isto é, a concepção do hospital, devem envolver todos os grupos de interesse, incluindo os pacientes e suas famílias. Sousa, P.; Sousa-Uva, A.; Serranheira, F.; Pinto, F.; Øvretveit, J.; Klazinga, N.; Suñol, R.; Terris, D. - The Patient Safety Journey in Portugal: Challenges and Opportunities from a Public Health Perspective. RPSP (2009). Sistemas complexos compreender para prevenir vs. culpar para castigar
  • 7. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Segurança do Doente e Saúde e Segurança do Trabalhador ERRO Incidente e/ou Acidente Causa e/ou Consequência? Indivíduo e/ou Sistema? Sistemas complexos Consequência!
  • 8. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 As condições de trabalho dos profissionais de saúde podem contribuir para uma maior incidência de erros médicos (ou clínicos)? Em caso afirmativo qual a sua importância relativa na estimativa da ocorrência de 44.000 a 98.000 mortes em hospitais devidas a erros médicos (ou clínicos) - EUA? Agency for Healthcare Research and Quality – The effect of health Care Working Conditions on Patient Safety.ahrq Publication nº 03-E031, Maio de 2003.
  • 9. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 “ … patient safety errors cannot be solely attributed to inattention, memory lapse, failure to communicate, exhaustion or ignorance. Errors often can be attributed to poorly designed layouts, workplaces, equipment and drug dispensing systems. “Noisy” working conditions, inappropriate work schedules, insufficient staff and a number of other personal and environmental factors, all should be taken it consideration when creating fault trees or performing root cause analysis aiming at prevention of future events …” Sousa, P.; Sousa-Uva, A.; Serranheira, F.; Pinto, F.; Øvretveit, J.; Klazinga, N.; Suñol, R.; Terris, D. - The Patient Safety Journey in Portugal: Challenges and Opportunities from a Public Health Perspective. RPSP (2009). Segurança do Doente e Saúde e Segurança do Trabalhador
  • 10. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 “… em vez de serem as principais causas de um acontecimento adverso (incidente ou acidente), os trabalhadores (profissionais de saúde) são os herdeiros de um sistema, cuja macro e micro conceção não é adequada, onde existe uma instalação e disposição incorreta de equipamentos, uma manutenção deficiente e, principalmente, perniciosas decisões relativas à gestão e/ou organização …”. (Reason, 1990) “...os incompetentes são, no máximo, 1% do problema. Os restantes 99% são pessoas que tentam ter um bom desempenho profissional mas que fazem alguns erros como resultado das condições e do meio em que trabalham.” (Leape, 2000) Segurança do Doente e Saúde e Segurança do Trabalhador Reason, J., 1990. Human Error, Cambridge University Press, Leape, L. (2000). Reporting of medical errors: Time for a reality check. Qual in Health Care, 9:143
  • 11. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 1. Do working conditions affect patient outcomes that are related to patient safety? 2. Do working conditions affect the rate of medical errors? 3. Do working conditions affect the rate of recognition of medical errors after they occur? 4. Do working conditions affect the probability that adverse events will occur following (un)detected medical errors? 5. Does de complexity of the plan of care influence whether working conditions affect patient outcomes that are related to patient safety 6. Do working conditions affect measures of service quality in industries other than health care? Agency for Healthcare Research and Qualty – The effect of health Care Working Conditions on Patient Safety.ahrq Publication nº 03-E031, Maio de 2003. 1980 – 2002 - Com excepção da pergunta 4 (impact on the probability of adverse events) foi encontrada evidência para as questões e designadamente: 1. grande evidência Do working conditions affect patient outcomes that are related to patient safety? 2. Evidência robusta Do working conditions affect the rate of medical errors?
  • 12. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 1. O aumento do staff de enfermagem melhora os resultados para os doentes; 2. Existem menos complicações preveníveis em procedimentos técnicos complexos quando os médicos os praticam frequentemente; 3. A existência de experiência por parte dos técnicos influencia positivamente os resultados; 4. A introdução de mecanismos de diminuição das interrupções e distrações reduz a incidência de erros; 5. A troca de informações, a transferência de responsabilidade e a continuidade da prestação de cuidados no internamento e ambulatório diminui o número de erros medicamentosos e as re-admissões hospitalares; 6. O ruído ambiente não afeta adversamente a segurança dos doentes. Agency for Healthcare Research and Qualty – The effect of health Care Working Conditions on Patient Safety.ahrq Publication nº 03-E031, Maio de 2003.
  • 13. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 1. “Workforce staffing” e “workflow design” maior evidência tanto na taxa de erros médicos como na incidência de eventos adversos, designadamente: IACS, úlceras de decúbito e quedas; 1. Não existe evidência consistente que as condições de trabalho afetem a taxa de mortes preveníveis em hospitais Agency for Healthcare Research and Qualty – The effect of health Care Working Conditions on Patient Safety.ahrq Publication nº 03-E031, Maio de 2003.
  • 14. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Cuidados intensivos: os erros não são conhecidos nem discutidos por:  reputação individual 76%  receio de referência a má prática 71%  expectativas da família e sociedade 68%  possibilidade de actuação disciplinar 64%  ameaça de segurança de emprego 63%  ………………………………………. Sexton, JB; Thomas, EJ; Helmreich, RL - Error, stress, and teamwork in medicine and aviation: cross sectional surveys. BMJ 320 (2000) 745-749. 30.000 pilotos (40 empresas de 25 países); 851 trab. Anestesia e Cirurgia; 182 Cuidados Intensivos.
  • 15. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Os juniores não devem questionar as decisões dos seniores da equipa Desacordo: 70% a 84% anestesia; 55 a 69% (cirurgia); 94% (cuidados intensivos) e 97% pilotos Sexton, JB; Thomas, EJ; Helmreich, RL - Error, stress, and teamwork in medicine and aviation: cross sectional surveys. BMJ 320 (2000) 745-749. Mesmo fatigado eu executo com eficiência o meu trabalho Desacordo: 23% a 38% anestesia; 18 a 40% (cirurgia); 23 a 30% (cuidados intensivos) e 64% pilotos 30.000 pilotos (40 empresas de 25 países); 851 trab. Anestesia e Cirurgia; 182 Cuidados Intensivos.
  • 16. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Fatores de Risco profissionais  físicos;  químicos;  relac. com a atividade;  psicossociais;  biológicos. Uva, Antonio Sousa. Diagnóstico e gestão do risco em saúde Ocupacional. Lisboa: ACT, 2010
  • 17. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016  dimensão das equipas  trabalho noturno/turnos  horário de trabalho  stress relacionado com o trabalho e burnout  fadiga  …………………………….. Fatores de risco e riscos (SST; SD)
  • 18. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 • Os doentes internados em hospitais com pior taxa enfermeiro/doentes (8 doentes por enfermeiro) têm mais 31% de risco de morrer do que em hospitais com taxa enfermeiro/doentes de 4 doentes por enfermeiro. Tal pode corresponde à redução de até 20.000 mortes preveníveis por ano. • Existe um aumento de risco de burnout de 23% e de insatisfação profissional de 15% por cada doente a mais dos quatro/enfermeiro. Clarke, SP; Sloane, DM; Aiken, LH – Effects of hospital staffing and organizational climate on needle stick injuries to nurses. American Journal of Public Health. 92 (2002) 1115-1119. Relação enfermeiro/doente
  • 19. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Uma metanálise de vários estudos aponta para um aumento de risco de acontecimento (ou evento) adverso de mais 18% e de mais 34% para os turnos vespertinos e noturnos (respetivamente) em relação aos matutinos. Folkard, S. et al. – Shifwork safety, sleepiness and sleep. Ind. Medicine. 13 (2010) 20-23. Trabalho por turnos
  • 20. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 A comparação entre a redução dos índices de realização provocada pela fadiga e pelo álcool revela que a vigília durante 24 horas é equivalente à redução da performance provocada pela ingestão de álcool (alcoolemia entre 0,8 e 1). Privação do sono e performance Dawson, D.; Reid, K. – Fatigue, alcohol and performance impairment. Nature. 388 (1997) 235.
  • 21. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 7.905 cirurgiões (Balch, J. – American College of Surgeons, 2008) Em cirurgiões que trabalham mais de 80 horas por semana, 50% tem critérios de burnout e 40% de depressão; 11% admite que cometeu um erro importante nos três meses anteriores; 20% diz que não seria cirurgião se a sua escolha fosse feita no dia em que responde ao questionário; 2/3 não concorda com a limitação semanal de horário de trabalho (mesmo os que trabalham mais de 80 horas/semana). Johns Hopkins Medicine, news release. Oct 28, 2010. Horários de trabalho de cirurgiões e Segurança do Doente
  • 22. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 intubações endotraqueais mais lentas e com mais erros (anestesia)* seis vezes mais punções dura-mater nas epidurais (anestesia) ** laparoscopias mais lentas e com mais erros (cirurgia) *** dilatações coronárias: mais insucesso e maior mortalidade (cardiologia). **** * Smith-Coggins, R. et al. – Rotating shiftwork schedules: can we enhance physician adaptation to night schifts?. Acad. Emerg. Med. 4 (1997) 951-961. ** Aya, A.G. et al. – Increase risk of unintentional dural puncture in night-time obstretic epidural anesthesia. Can. J. Anaesth. 46 (1999) 655-659. *** Grantcharov, T.P. et al. – Laparoscopic performance after oni night on call in a surgical department: a prospective study. BMJ. 323 (2001) 1222-21223. **** Henriques, J.P. et al. - Outcome of primary angioplasty for acute myocardial infarction during routine duty hours versus during off-hours. J. Am. Col. Cardiol. 41 (2003) 2138-2142 Fadiga e Segurança do Doente
  • 23. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Elfering, E.; Semmer, NK;Grebner, S. Work stress and patient safety: observer-rated work stressor as predictors of characteristics of safety-related events reported by young nurses. Ergonomics. 49:5-6 (2006), 457-469. “Stress relacionado com o trabalho” e Segurança do Doente 23 enfermeiras jovens de 19 hospitais suíços documentaram, em duas semanas, 314 acontecimentos stressantes, dos quais 62 relacionados com a segurança dos doentes; Os stressores mais frequentes foram: a documentação incorreta (40%), seguida de erros medicação “near misses” (10%) e doentes violentos (10%); Demonstrou-se que os “stressores profissionais” e o “baixo controlo do trabalho” constituem fatores de risco de segurança do doente.
  • 24. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Sacadura-Leite, E.; Sousa-Uva, A.; Ferreira, S.; Rocha, R.; Costa, P.; Passos, A. Fatores indutores de stress em enfermeiros: serão os locais de trabalho determinantes para a sua perceção? 11º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde, 26 a 29 de janeiro de 2016 (abstract). Os principais fatores indutores de stress identificados pelos enfermeiros foram:  sobrecarga de trabalho (58.8%), sendo considerado de elevada intensidade em 73,8% dos casos;  conflitos entre profissionais (53.7%), sendo considerado de elevada intensidade em 42,5% dos casos;  estado clínico do doente (41.9%), sendo considerado de elevada intensidade em 63,2% dos casos;  envolvimento emocional perante o sofrimento e a morte do doente (39.7%), sendo considerado de elevada intensidade em 61,1% dos casos;  exigências do trabalho (20.6%), sendo considerado de elevada intensidade em 46,4% dos casos;  ……………………………………………………………….. estudo abrangendo 136 dos 1.154 enfermeiros de um hospital universitário
  • 25. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Que intervenção preventiva? – centrada no indivíduo • vigilância médica; formação SST • ………….. – centrada no ambiente • tornar o contexto mais favorável à saúde e segurança; • …………………….. – … mas sempre sistémica
  • 26. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 CondiçõeslatentesFalhasativas Sistemas complexos adaptado de Henriksen, et al. – Understanding adverse events: a human factors framework. In RONDA HUDGES (ed.lit.) Patient Safety and Quality: An Evidence- Based Handbook for Nurses. Rockville: Agency for Healthcare Research and Quality – U.S. Department of Health and Human Services, 2008.
  • 27. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Ergonomia 1. Concepção 2. Correcção Design Hospitalar Segurança do Trabalho Ergonomia e Segurança do Doente Abordagem sistémica e integrada outras condições de trabalho Espaços e circuitos Equipamentos e fármacos Relações sociais Profissionais de saúde Doentes Visitas Organização e horários Comunicação
  • 28. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 • Dimensões da Ergonomia: – Física • Características físicas dos utilizadores – Cognitiva • Características cognitivas dos utilizadores – Organizacional • Características psicossociais dos utilizadores
  • 29. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 1. Ergonomia de Conceção • Age, desde a fase inicial, sobre um produto ou sobre um posto de trabalho, criando condições adaptadas e perspetivadas no sentido da eficácia, da segurança e do conforto. Oakworks Vascular Table with Fowler
  • 30. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 • Conceção de espaços de trabalho em Hospitais: As normas de conceção constituem referências, mas não garantem as melhores condições de ação. • Os gestos e posturas são a expressão da atividade, ou seja, os comportamentos observados, adequados ou não, são sempre exigidos pelo trabalho/organização e podem colocar o profissional de saúde em risco ou em sofrimento e comprometer a produção e a segurança do paciente. – A primeira preocupação da SST é procurar compreender o que leva os profissionais de saúde a estabelecer um compromisso entre os objetivos a atingir e o seu próprio (des)conforto (incluindo a exposição aos fatores de risco profissionais e os respetivos riscos, tanto para os pacientes como para os prestadores). Princípios de Conceção
  • 31. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 • A adequação do posto de trabalho não deve ser vista apenas como um simples elemento de conforto, mas como uma condição indispensável, um meio de trabalho. • É fundamental adaptar ao utilizador: – o dimensionamento do local e dos equipamentos, – a disposição do equipamento no espaço, – a sequência de ações/gestos/movimentos, – a acessibilidade das vias e circuitos, – a minimização das exigências físicas, cognitivas e psicológicas. Princípios de Conceção Sistema produtivo Objectivos Critérios Interacções entre o Homem e o envolvimento
  • 32. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Princípios de Conceção • Princípios de natureza física/organizacional: – Adequação do posto de trabalho às características antropométricas dos trabalhadores, por exemplo a nível dos planos de trabalho; – Alcance – a colocação de instrumentos ou sistemas de controlo deve privilegiar os limites antropométricos melhorando o conforto e o tempo; – Postura de trabalho confortável e adequada à natureza da atividade e suas exigências. – Reduzir ou eliminar o esforço inerente à manipulação de ferramentas ou equipamentos, substituindo-os por outros concebido de acordo com critérios ergonómicos e desenvolvendo sistemas de ajuda como a mecanização ou a automatização; – Minimizar a fadiga, proporcionando uma organização do trabalho que respeite os limites individuais e assegure as pausas necessárias. – Reduzir a repetitividade, atribuindo uma maior diversidade de tarefas e mais tempo a cada operador ou implementando planos de rotação. – Assegurar a acessibilidade ao posto de trabalho e aos equipamentos e ferramentas necessários, evitando a sua acumulação junto do local de trabalho; – Permitir a movimentação e alternância de gestos e posturas, mesmo em situações ótimas, pois a duração do trabalho não permite a sensação subjetiva de conforto para além de certos limites temporais. – Assegurar um envolvimento confortável, em termos de fatores ambientais, tais como a iluminação adequada, o ambiente térmico ou a qualidade do ar; – Simultaneamente, reduzir ou eliminar os fatores de risco, tais como o ruído, as vibrações ou a manipulação de substâncias químicas.
  • 33. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Caraterísticas humanas
  • 34. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Disposição física dos serviços (HBN 40, 2010)
  • 35. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Conceção: espaços e locais de trabalho Design for patient safety: a guide to the design of the dispensing enviroment. NHS, 2007 1. Organizar procedimentos 2. Definir os locais de trabalho 3. Garantir segurança
  • 36. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Conceção – circuitos e implantação de equipamentos In Out 1. Simular o trabalho real 2. Definir o workflow no espaço físico 3. Implantar os equipamentos
  • 37. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 1. Minimizar exigências físicas 2. Garantir acessibilidade e visibilidade 3. Maximizar a prestação de cuidados (NHS, 2005) Conceção – circuitos e implantação de equipamentos
  • 38. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 transferência sentado – de pé Conceção – equipamentos
  • 39. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Conceção – layout medicamentos Design for patient safety. NHS, 2003
  • 40. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Conceção - layout medicamentos Design for patient safety: a guide to labelling and packaging of injectables medicines. NHS, 2008
  • 41. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 • Princípios de natureza cognitiva: – Utilizar padrões - a informação apresentada como padrão pode ser percebida mais rapidamente e com mais precisão; – Prevenir erros - utilizar sistemas normalizados, ou seja, garantir que instrumentos similares funcionam sempre da mesma maneira: – Assegurar uma reacção esperada em função do reconhecimento de um sinal - utilizar estereótipos; – Simplificar a apresentação da informação – torná-la clara, e sem qualquer ambiguidade; – Apresentar a informação com o nível de detalhe apropriado - permitir a percepção de todo o conteúdo relevante; – Apresentar imagens claras, sem ambiguidade e bem visíveis - permitir a perceção mais imediata que uma mensagem escrita; – Relacionar as acções com a percepção - compatibilidade entre a apresentação da informação e a ação requerida, tornando-a evidente; – Utilizar redundância - a mesma informação deverá ser repetida de mais que uma maneira e em momentos diferentes; – Providenciar estímulos variáveis em situações de monotonia, evitando um único modo de apresentação da informação; um novo estímulo é mais facilmente detetado do que um estímulo constante; – ………………………………………………………………………… Princípios de Conceção
  • 42. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Conceção de sistemas seguros - exemplos Minimizar o tempo de perceção Visibilidade Discriminação visual Discriminação táctil Displays: dimensões adequadas à função e à distância de leitura; ……………………………. Minimizar o tempo de decisão Formação de modelos mentais Associação Feedback instantâneo Alarmes diferentes; Instruções de segurança; Equipamentos de emergência nas cabeceiras; ………………………………… Minimizar o tempo de manipulação Manipulação fácil Sequência intuitiva/funcional Transfer de conhecimento Simulação e treino anteriores à prática; Camas com sistemas; informação dos ângulos; ………………………. Minimizar a necessidade de aplicação de força Utilização de sistemas mecânicos Adequação às capacidades humanas Camas com balança;: Alarmes de saída da cama; Camas preparadas para realização de radiografias; ……………………………. Carayon, P., Alvarado, C. J. and Hundt, A. Schoofs (2007) Work design and patient safety. Theoretical Issues in Ergonomics Science, 8:5, 395 — 428
  • 43. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 • Anestesia – Conceção de alarmes, monitores e sistemas de segurança para o utente – Utilização de sistemas de confirmação redundante da ação; – ………………………………. • Urgência – Conceção de sistemas decisionais, de monitorização da prescrição, de armazenamento de medicamentos,… – Aplicação de barreiras (grades) para prevenir quedas de camas ou marquesas; – …………………………… • Cirurgia – Conceção de utensílios/ferros (seguros, ergonómicos e de fácil utilização) – Utilização de sistemas de confirmação cirúrgica da zona de intervenção; – ………………………. • Radiologia – Conceção de equipamentos com ajudas técnicas na realização dos exames – Utilização de sistemas sonoros de confirmação da colocação da ampola de raios X (alinhamento com o potter); – …………………………………….. Conceção de sistemas seguros - exemplos
  • 44. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Interfaces Perceção - Visão - Audição -… Ação motora -Deslocação -Braço/Mão/Dedos - Pé Execução - Botões, rato, teclado - Pedais,… Resultados - Dados - Cor do display - Som - Sequências I N T E R F A C E Processamento (perceção-ação) Sistemas complexos
  • 45. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Conceção de interfaces Aprendizagem facilidade de interacção. Critérios: Eficiência desempenho elevado. Satisfação aceitação pelo utilizador. Memorização sequência lógica de Ação. Minimização de erros possibilidade de retorno.
  • 46. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 A B Minimização da probabilidade de erro
  • 47. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Minimização da probabilidade de erro
  • 48. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 2. Ergonomia de Correção Procura respostas a inadaptações em situações de trabalho que se traduzem por problemas ao nível da saúde e segurança dos trabalhadores.
  • 49. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 Estrutura da situação de trabalho Dispositivo técnico Organização/ Objectivos Envolvimento Actividade Pessoas Efeitos/ Pessoas Efeitos/ Sistema Física Mental Social I II III
  • 50. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016  Incidência sobre o TRABALHO REAL.  Abordagem das situações de trabalho na sua GLOBALIDADE O QUE o trabalhador faz, COMO o faz, ONDE o faz, PORQUE o faz, com que RESULTADOS (abordagem sistémica da situação de trabalho).  Tornar inteligíveis as inter-relações existentes entre as 3 dimensões - DIAGNÓSTICO.  INTERVENÇÃO sobre as Condicionantes do Trabalho adequando- as às caraterísticas, capacidades e limitações dos profissionais de saúde (corrigindo e melhorando). Análise e Intervenção ergonómica
  • 51. A. Sousa-Uva, F. Serranheira, 2016 staff care = patient care A. Sousa-Uva e F. Serranheira Segurança do Doente e Saúde e Segurança do Profissional de Saúde