SlideShare uma empresa Scribd logo
TRATAMENTO DE ÁGUAS
RESIDUÁRIAS
Aula 8 – Dimensionamento de Lodos ativados
PROCESSO DE LODOS ATIVADOS
V,X
Q,S0,X0

Decantador
Secundário

Tanque de
Aeração

Qr,Xr
QD,Xr
Lodo em excesso

Volume de controle

(Q - QD),Se,Xe
Esgoto tratado
DIMENSIONAMENTO DOS SISTEMAS DE LODOS
ATIVADOS
Dimensionamento - Processo de Lodos Ativados Convencional
1) Dados de população, vazão e carga de DBO:

1ª ETAPA
2ª ETAPA

População
Vazão média de Carga de DBO
Atendida (hab.)
esgotos
(kg/dia)
m3/d
L/s
224.933
53.482 619
14.752
233.877
57.000 660
17.017
Processo de lodo ativado convencional
Grade

Caixa de areia

Decantador
Primário

Tanque de
Aeração

Decantador
Secundário

Rio
Água retirada

do lodo

Adensamento

Digestão

Secagem

Lodo “Seco”
1º Passo – Volume necessário de
tanques de aeração
1º Passo – Carga de DBO (L):
Considerando-se a instalação de decantadores primários com eficiência
estimada em 30% na remoção de DBO, a carga afluente aos tanques de
aeração será (2ª etapa):
Carga DBO = 0,7 x Q(2ºetapa) =

Grade

Caixa de areia

Decantador
Primário

11.912 kg/d

Tanque de
Aeração

Decantador
Secundário

Rio
2º Passo – Volume do tanque de
aeração
a) Considerando-se:
fator de carga f = 0,22 kgDBO/kgSS.dia;
relação (A/M) = 0,28 kgDBO / kgSSV.d; e
concentração (S) = 3,2 kg SS / m3 no tanque de aeração, correspondente à
concentração de SSV de 2,56 kg/m3.
Tem-se o seguinte volume necessário de tanques de aeração:
16.920 m3

VTA = carga de DBO(L) / (S x f ) =

b) Será considerado o emprego de quatro tanques de aeração, objetivandose a modulação da implantação do sistema. Cada tanque possuirá
quantos m3.?
Tanque de
Aeração

Tanque de
Aeração

Tanque de
Aeração

Tanque de
Aeração

Decantador
Secundário

Rio
3º Passo – Sistema de aeração
 Necessidade de oxigênio
Considerando-se a necessidade de oxigênio igual a 2,0 kgO2 / kgDBOapl., a
necessidade de oxigênio será:
NECO2 = (NecO2 x L)
993 kgO2/hora
Passar para horas
 Emprego de aeradores superficiais de baixa rotação:
Será considerada a capacidade de transferência de oxigênio de 0,9
kgO2/Cv.hora, nas condições de campo.
3º Passo – Sistema de aeração
 Potência necessária:
PNEC total = PNEC / Campo =

1.103 CV

 Sabendo que teremos 4 tanque, qual a potência
necessária para cada um deles?
 Densidade de potência resultante:
dp = Ptanque / VTotal =

50 w / m3

1cv = 753,5W
Será considerado o emprego de 06 (seis) aeradores de 50
CV por tanque de aeração, dispostos em série.
4º Passo – Dimensões do tanque de
aeração
Dimensões dos tanques:
 Comprimento (C): 81,0 m
 Largura (L): 13,5 m
 Profundidade útil (Hu): 4,0 m
 Profundidade total (Ht): 5,0 m
• Volume útil resultante:
Vu = Hu x L x C =
• Para 4 tanques o volume total será?

4.374 m3
4º Passo – Dimensões do tanque de
aeração
 Fator de carga resultante:
f = L (DBO) / (Vtotal x S ) =
0,21 kgDBO/kgSSxdia
 Tempo de detenção hidráulico resultante:
td = Vtotal / (Q (2º etapa) =
Passar para horas

7,4 horas
5º Passo – Vazão de retorno de lodo
A vazão de retorno de lodo será estimada considerandose que o lodo estará sedimentado no fundo do
decantador secundário a uma concentração de 8,0
kg/m3 (dado típico). Para:
3
• Sólidos totais em suspensão X = 3,2 kg/m ;
• Concentração de lodo no fundo do decantador Xr =
8,0 kg/m3
• Razão de recirculação r = 0,67
• Qr = Vazão de retorno
Qr = r x Qmédia(2º etapa)
440 L/s
6º Passo – Produção de excesso de
lodo
Produção de excesso de lodo X = 0,65 kg SS / Kg
DBO (media)
X = Xmedia x L DBO
7.743 kg SS / dia
Para lodo com 8,0 kgSS/m3 e massa específica 1010
kg/m3, a vazão de excesso de lodo será:
Qlodo = X / Xr . ρ
958 m3/d
Idade do lodo resultante:
c = V.X / X

7,2 dias
Passo 7º - Decantador secundário
Área superficial de decantadores secundários
Adotando-se a taxa de aplicação de sólidos GA =
4,0 kg SS / m2 . h, tem-se a seguinte área
superficial necessária de decantadores secundários:
( Q + Qr ) . X
As = 
GA
3.173 m2
Qual seria a área para 4 decantadores?
•

Tanque de
Aeração

Tanque de
Aeração

Decantador
Secundário

Decantador
Secundário

Tanque de
Aeração

Tanque de
Aeração

Decantador
Secundário

Decantador
Secundário

Rio
Passo 7º - Decantador secundário
Correção da área: Utilizando-se quatro decantadores secundários com
32 m de diâmetro, tem-se a área superficial de 804,25 m2 por
decantador e área total de 3.217 m2 (ATOTAL R).
•
A taxa de aplicação de sólidos resultantes será:
(Q + Qr) . X
GA =  =
3,95 kg SS / m2 x hora
Atotal r
A taxa de escoamento superficial resultante será:
Q
qA =  =
17,7 m3/m2.d
As
•
Passo 7º - Decantador secundário
•

•

Volume útil dos decantadores secundários:
Para a profundidade útil Hu = 3,5 m, tem-se:
Vu = Hu x As =

2.815 m3

Qual volume total para 4 decantadores? (Vtotal)

Tempo de detenção hidráulico resultante:
td = Vtotal / Q =
Passar para horas
•

•

Taxa de escoamento nos vertedores de saída:
qL = Q / (Nº decantadores x  x ɸ) =

4,7 horas

142 m3/m2/d
Material Consultado


Tratamento De Esgoto Sanitário Roque Passos Piveli,
São Paulo, 2007 – USP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Jacqueline Schultz
 

Mais procurados (20)

Aula 5 aeração
Aula 5   aeraçãoAula 5   aeração
Aula 5 aeração
 
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
 
Dimensionamento unidades de decantação
Dimensionamento unidades de decantaçãoDimensionamento unidades de decantação
Dimensionamento unidades de decantação
 
exercicio
exercicioexercicio
exercicio
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
 
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2   exercício od tratamento de águas residuáriasAula 2   exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
 
Aula 7b lagoa aeradas decantação
Aula 7b lagoa aeradas decantaçãoAula 7b lagoa aeradas decantação
Aula 7b lagoa aeradas decantação
 
Aula 6 lagoas aeradas facultativas
Aula 6 lagoas aeradas facultativasAula 6 lagoas aeradas facultativas
Aula 6 lagoas aeradas facultativas
 
Aula 1 exercício
Aula 1   exercícioAula 1   exercício
Aula 1 exercício
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Taa 5
 
Dimensionamento de sistemas de desinfecção e fluoretação
Dimensionamento de sistemas de desinfecção e fluoretaçãoDimensionamento de sistemas de desinfecção e fluoretação
Dimensionamento de sistemas de desinfecção e fluoretação
 
Sedimentação
SedimentaçãoSedimentação
Sedimentação
 
Saneamento Básico
Saneamento BásicoSaneamento Básico
Saneamento Básico
 
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
 
Taa 4
Taa 4Taa 4
Taa 4
 
Dimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbiaDimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbia
 
Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
 
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativasAula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
Aula 6 lagoas de estabilização e lagoas facultativas
 

Destaque

Livro tratamento de_esgotos[1]
Livro tratamento de_esgotos[1]Livro tratamento de_esgotos[1]
Livro tratamento de_esgotos[1]
lucio-vicente
 

Destaque (20)

Teli 2
Teli 2Teli 2
Teli 2
 
Teli 1
Teli 1Teli 1
Teli 1
 
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaEstudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
 
Livro tratamento de_esgotos[1]
Livro tratamento de_esgotos[1]Livro tratamento de_esgotos[1]
Livro tratamento de_esgotos[1]
 
Teli 5
Teli 5Teli 5
Teli 5
 
Aula 3 planos ambientais e inventários
Aula 3   planos ambientais e inventáriosAula 3   planos ambientais e inventários
Aula 3 planos ambientais e inventários
 
Introdução apresentação geral do curso
Introdução   apresentação geral do cursoIntrodução   apresentação geral do curso
Introdução apresentação geral do curso
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do curso
 
Introdução aula 5
Introdução   aula 5Introdução   aula 5
Introdução aula 5
 
Introdução aula 2
Introdução   aula 2Introdução   aula 2
Introdução aula 2
 
Introdução aula 4
Introdução   aula 4Introdução   aula 4
Introdução aula 4
 
Teli 6
Teli 6Teli 6
Teli 6
 
Introdução aula 6
Introdução   aula 6Introdução   aula 6
Introdução aula 6
 
Taa 1
Taa 1Taa 1
Taa 1
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Taa 6
Taa 6Taa 6
Taa 6
 
Taa 7
Taa 7Taa 7
Taa 7
 
Taa 3
Taa 3Taa 3
Taa 3
 
Tratamento de água de abastecimento
Tratamento de água de abastecimento Tratamento de água de abastecimento
Tratamento de água de abastecimento
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 

Semelhante a Aula 8 dimensionamento de lodos ativados

Passo a Passo_Projeto_Irrigação por Aspersão em MALHA.pdf
Passo a Passo_Projeto_Irrigação por Aspersão em MALHA.pdfPasso a Passo_Projeto_Irrigação por Aspersão em MALHA.pdf
Passo a Passo_Projeto_Irrigação por Aspersão em MALHA.pdf
Ronaldo Machado
 
Memorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouroMemorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouro
kso_01
 
Apresentação miea anna_final
Apresentação miea anna_finalApresentação miea anna_final
Apresentação miea anna_final
Anna Valverde
 
DEFESA - Método e instrumentação
DEFESA - Método e instrumentaçãoDEFESA - Método e instrumentação
DEFESA - Método e instrumentação
Edivagner S. Ribeiro
 

Semelhante a Aula 8 dimensionamento de lodos ativados (20)

Decantação exercícios
Decantação exercíciosDecantação exercícios
Decantação exercícios
 
Roteiro dimensionamento fossa_sumidouro (1)
Roteiro dimensionamento fossa_sumidouro (1)Roteiro dimensionamento fossa_sumidouro (1)
Roteiro dimensionamento fossa_sumidouro (1)
 
Exercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresExercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadores
 
Reposição de aula tratamento bioógico
Reposição de aula   tratamento bioógicoReposição de aula   tratamento bioógico
Reposição de aula tratamento bioógico
 
Decantação
DecantaçãoDecantação
Decantação
 
dimentub.ppt
dimentub.pptdimentub.ppt
dimentub.ppt
 
Passo a Passo_Projeto_Irrigação por Aspersão em MALHA.pdf
Passo a Passo_Projeto_Irrigação por Aspersão em MALHA.pdfPasso a Passo_Projeto_Irrigação por Aspersão em MALHA.pdf
Passo a Passo_Projeto_Irrigação por Aspersão em MALHA.pdf
 
Lodo.ppt
Lodo.pptLodo.ppt
Lodo.ppt
 
Reposição de aula tratamento preliminar
Reposição de aula   tratamento preliminarReposição de aula   tratamento preliminar
Reposição de aula tratamento preliminar
 
Fenomenos
FenomenosFenomenos
Fenomenos
 
Resolvimecflu3
Resolvimecflu3Resolvimecflu3
Resolvimecflu3
 
Secadores Contínuos
Secadores ContínuosSecadores Contínuos
Secadores Contínuos
 
Memorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouroMemorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouro
 
Bacia de dissipação na hidráulica.pptx
Bacia de dissipação na hidráulica.pptxBacia de dissipação na hidráulica.pptx
Bacia de dissipação na hidráulica.pptx
 
Apresentação - Novo estádio do Atlético
Apresentação - Novo estádio do Atlético Apresentação - Novo estádio do Atlético
Apresentação - Novo estádio do Atlético
 
Aula 7 hidrodinamica perdas de carga
Aula 7 hidrodinamica   perdas de cargaAula 7 hidrodinamica   perdas de carga
Aula 7 hidrodinamica perdas de carga
 
Apresentação miea anna_final
Apresentação miea anna_finalApresentação miea anna_final
Apresentação miea anna_final
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
DEFESA - Método e instrumentação
DEFESA - Método e instrumentaçãoDEFESA - Método e instrumentação
DEFESA - Método e instrumentação
 
Hidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdf
Hidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdfHidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdf
Hidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdf
 

Mais de Giovanna Ortiz

Mais de Giovanna Ortiz (20)

Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Aula 8 incineração
Aula 8 incineraçãoAula 8 incineração
Aula 8 incineração
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 3
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Aula 8 dimensionamento de lodos ativados

  • 1. TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS Aula 8 – Dimensionamento de Lodos ativados
  • 2. PROCESSO DE LODOS ATIVADOS V,X Q,S0,X0 Decantador Secundário Tanque de Aeração Qr,Xr QD,Xr Lodo em excesso Volume de controle (Q - QD),Se,Xe Esgoto tratado
  • 3. DIMENSIONAMENTO DOS SISTEMAS DE LODOS ATIVADOS Dimensionamento - Processo de Lodos Ativados Convencional 1) Dados de população, vazão e carga de DBO: 1ª ETAPA 2ª ETAPA População Vazão média de Carga de DBO Atendida (hab.) esgotos (kg/dia) m3/d L/s 224.933 53.482 619 14.752 233.877 57.000 660 17.017
  • 4. Processo de lodo ativado convencional Grade Caixa de areia Decantador Primário Tanque de Aeração Decantador Secundário Rio Água retirada do lodo Adensamento Digestão Secagem Lodo “Seco”
  • 5. 1º Passo – Volume necessário de tanques de aeração 1º Passo – Carga de DBO (L): Considerando-se a instalação de decantadores primários com eficiência estimada em 30% na remoção de DBO, a carga afluente aos tanques de aeração será (2ª etapa): Carga DBO = 0,7 x Q(2ºetapa) = Grade Caixa de areia Decantador Primário 11.912 kg/d Tanque de Aeração Decantador Secundário Rio
  • 6. 2º Passo – Volume do tanque de aeração a) Considerando-se: fator de carga f = 0,22 kgDBO/kgSS.dia; relação (A/M) = 0,28 kgDBO / kgSSV.d; e concentração (S) = 3,2 kg SS / m3 no tanque de aeração, correspondente à concentração de SSV de 2,56 kg/m3. Tem-se o seguinte volume necessário de tanques de aeração: 16.920 m3 VTA = carga de DBO(L) / (S x f ) = b) Será considerado o emprego de quatro tanques de aeração, objetivandose a modulação da implantação do sistema. Cada tanque possuirá quantos m3.? Tanque de Aeração Tanque de Aeração Tanque de Aeração Tanque de Aeração Decantador Secundário Rio
  • 7. 3º Passo – Sistema de aeração  Necessidade de oxigênio Considerando-se a necessidade de oxigênio igual a 2,0 kgO2 / kgDBOapl., a necessidade de oxigênio será: NECO2 = (NecO2 x L) 993 kgO2/hora Passar para horas  Emprego de aeradores superficiais de baixa rotação: Será considerada a capacidade de transferência de oxigênio de 0,9 kgO2/Cv.hora, nas condições de campo.
  • 8. 3º Passo – Sistema de aeração  Potência necessária: PNEC total = PNEC / Campo = 1.103 CV  Sabendo que teremos 4 tanque, qual a potência necessária para cada um deles?  Densidade de potência resultante: dp = Ptanque / VTotal = 50 w / m3 1cv = 753,5W Será considerado o emprego de 06 (seis) aeradores de 50 CV por tanque de aeração, dispostos em série.
  • 9. 4º Passo – Dimensões do tanque de aeração Dimensões dos tanques:  Comprimento (C): 81,0 m  Largura (L): 13,5 m  Profundidade útil (Hu): 4,0 m  Profundidade total (Ht): 5,0 m • Volume útil resultante: Vu = Hu x L x C = • Para 4 tanques o volume total será? 4.374 m3
  • 10. 4º Passo – Dimensões do tanque de aeração  Fator de carga resultante: f = L (DBO) / (Vtotal x S ) = 0,21 kgDBO/kgSSxdia  Tempo de detenção hidráulico resultante: td = Vtotal / (Q (2º etapa) = Passar para horas 7,4 horas
  • 11. 5º Passo – Vazão de retorno de lodo A vazão de retorno de lodo será estimada considerandose que o lodo estará sedimentado no fundo do decantador secundário a uma concentração de 8,0 kg/m3 (dado típico). Para: 3 • Sólidos totais em suspensão X = 3,2 kg/m ; • Concentração de lodo no fundo do decantador Xr = 8,0 kg/m3 • Razão de recirculação r = 0,67 • Qr = Vazão de retorno Qr = r x Qmédia(2º etapa) 440 L/s
  • 12. 6º Passo – Produção de excesso de lodo Produção de excesso de lodo X = 0,65 kg SS / Kg DBO (media) X = Xmedia x L DBO 7.743 kg SS / dia Para lodo com 8,0 kgSS/m3 e massa específica 1010 kg/m3, a vazão de excesso de lodo será: Qlodo = X / Xr . ρ 958 m3/d Idade do lodo resultante: c = V.X / X 7,2 dias
  • 13. Passo 7º - Decantador secundário Área superficial de decantadores secundários Adotando-se a taxa de aplicação de sólidos GA = 4,0 kg SS / m2 . h, tem-se a seguinte área superficial necessária de decantadores secundários: ( Q + Qr ) . X As =  GA 3.173 m2 Qual seria a área para 4 decantadores? • Tanque de Aeração Tanque de Aeração Decantador Secundário Decantador Secundário Tanque de Aeração Tanque de Aeração Decantador Secundário Decantador Secundário Rio
  • 14. Passo 7º - Decantador secundário Correção da área: Utilizando-se quatro decantadores secundários com 32 m de diâmetro, tem-se a área superficial de 804,25 m2 por decantador e área total de 3.217 m2 (ATOTAL R). • A taxa de aplicação de sólidos resultantes será: (Q + Qr) . X GA =  = 3,95 kg SS / m2 x hora Atotal r A taxa de escoamento superficial resultante será: Q qA =  = 17,7 m3/m2.d As •
  • 15. Passo 7º - Decantador secundário • • Volume útil dos decantadores secundários: Para a profundidade útil Hu = 3,5 m, tem-se: Vu = Hu x As = 2.815 m3 Qual volume total para 4 decantadores? (Vtotal) Tempo de detenção hidráulico resultante: td = Vtotal / Q = Passar para horas • • Taxa de escoamento nos vertedores de saída: qL = Q / (Nº decantadores x  x ɸ) = 4,7 horas 142 m3/m2/d
  • 16. Material Consultado  Tratamento De Esgoto Sanitário Roque Passos Piveli, São Paulo, 2007 – USP