SlideShare uma empresa Scribd logo
RESÍDUOS SÓLIDOS
Aula 2 – Panorama Geral dos Resíduos
Definições – Disposição final
A técnica de disposição de resíduos sólidos urbanos
no solo em aterros sanitários pode ser executada
de diversas maneiras: lixão, aterro controlado,
aterro sanitário, valas etc.
Definições iniciais para cada uma destas disposições.
Definições - Lixão
Lixão é uma área de disposição final de resíduos sólidos
sem nenhuma preparação anterior do solo. Não tem
nenhum sistema de tratamento de efluentes líquidos - o
chorume (líquido preto que escorre dos resíduos). Este
penetra pela terra levando substancias contaminantes
para o solo e para o lençol freático. Moscas, pássaros
e ratos convivem com os resíduos livremente no lixão a
céu aberto, e pior ainda, crianças, adolescentes e
adultos catam comida e materiais recicláveis para
vender. No lixão os resíduos ficam expostos sem
nenhum procedimento que evite as conseqüências
ambientais e sociais negativas
Definições – Lixão
Definição – Aterro Controlado
Aterro controlado é uma fase intermediária entre o lixão e o
aterro sanitário. Normalmente é uma célula adjacente ao
lixão que foi remediado, ou seja, que recebeu cobertura de
argila, e grama (idealmente selado com manta
impermeável para proteger a pilha da água de chuva) e
captação de chorume e gás. Esta célula adjacente é
preparada
para
receber
resíduos
com
uma
impermeabilização com manta e tem uma operação que
procura dar conta dos impactos negativos tais como a
cobertura diária da pilha de resíduos com terra ou outro
material disponível como forração ou saibro. Tem também
recirculação do chorume que é coletado e levado para
cima da pilha de resíduos, diminuindo a sua absorção pela
terra ou eventuamente outro tipo de tratamento para o
chorume como uma estação de tratamento para este
efluente.
Definição – Aterro Controlado
Definição – Aterro Sanitário
Aterro sanitário que antes de iniciar a disposição dos resíduos
teve o terreno preparado previamente com o nivelamento
de terra e com o selamento da base com argila e mantas
de PVC, esta extremamente resistente. Desta forma, com
essa impermeabilização do solo, o lençol freático não será
contaminado pelo chorume. Este é coletado através de
drenos de PEAD, encaminhados para o poço de acumulação
de onde, nos seis primeiros meses de operação é
recirculado sobre a massa de resíduos aterrada. Depois
desses seis meses, quando a vazão e os parâmetros já são
adequados para tratamento, o chorume acumulado será
encaminhado para a estação de tratamento de efluentes. A
operação do aterro sanitário, assim como a do aterro
controlado prevê a cobertura diária dos resíduos, não
ocorrendo a proliferação de vetores, mau cheiro e poluição
visual.
Definição – Aterro Sanitário
Definição - Aterro sanitário em valas
O aterro sanitário em valas é uma técnica para a
disposição de resíduos urbanos no solo, em
municípios de pequeno porte, onde a produção
diária de resíduos não deve ultrapassar 10 (dez)
toneladas.
O confinamento dos resíduos sem compactação
impede o aproveitamento integral da área a ser
aterrada.
Definição - Aterro sanitário em valas
Os resíduos no Brasil e no Mundo
Estima-se que a população mundial, hoje é de mais
de 6,6 bilhões de habitantes, esteja gerando entre
2 e 3 bilhões de toneladas de resíduos por ano.
A composição e a quantidade de resíduos urbano
gerado
variam
conforme
o
nível
de
desenvolvimento dos países. Em média, por
exemplo, o brasileiro produz cerca da metade de
resíduos gerado pelos britânicos, pelos alemães e
pelos italianos.
Os resíduos no Brasil e no Mundo
Nos países desenvolvidos, é maior a taxa global de
reciclagem. Enquanto a Suécia, por exemplo,
recupera 43,6% do resíduo gerado e os Estados
Unidos recicla 32%, o índice no Brasil é de 12% e
na Colômbia e Argentina, de apenas 5%.

adolescentes.pbworks.com
Os resíduos no Brasil e no Mundo
Nas nações desenvolvidas, embora os aterros
sanitários sejam importantes na solução de
destinação final dos resíduos, parte considerável
dos resíduos é incinerada com recuperação
energética ou encaminhado para compostagem e
reciclagem. Na Alemanha, por exemplo, apenas
4kg por habitantes vão anualmente para aterros.
Na Suécia essa quantidade é de 25Kg. No Brasil,
os aterros e lixões recebem 251kg de resíduos
gerado por habitante ao ano.
Geração de Resíduos no Brasil
A geração de resíduos sólidos domiciliares no Brasil é de
cerca de 0,6kg/hab./dia e mais 0,3kg/hab./dia de
resíduos de varrição, limpeza de logradouros e
entulhos.
Algumas cidades, especialmente nas regiões Sul e Sudeste
– como São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba –,
alcançam índices de produção mais elevados, podendo
chegar a 1,3kg/hab./dia, considerando todos os
resíduos manipulados pelos serviços de limpeza urbana
(domiciliares, comerciais, de limpeza de logradouros,
de serviços de saúde e entulhos).
Coleta de Resíduos no Brasil
Devido à pressão exercida pela população e pelo
comércio em muitas localidades a coleta dos resíduos é
executada com regularidade. Porém, essa pressão tem
geralmente um efeito seletivo, prioriza os setores
comerciais, as unidades de saúde e o atendimento à
população de renda mais alta.
A expansão da cobertura dos serviços raramente alcança
as áreas realmente carentes, até porque a ausência de
infraestrutura viária exige a adoção de sistemas
alternativos, que apresentam baixa eficiência e,
portanto, custo mais elevado
Coleta de Resíduos
A coleta de resíduos é o segmento que:
- Mais se desenvolveu dentro do sistema de limpeza
urbana;
- É
o que apresenta maior abrangência de
atendimento junto à população;
- É a atividade do sistema que demanda maior
percentual
de
recursos
por
parte
da
municipalidade.
RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS – RSU
A geração de RSU no Brasil registrou crescimento de
1,8%, de 2010 para 2011, índice percentual que é
superior à taxa de crescimento populacional urbano do
país, que foi de 0,9% no mesmo período. O aumento
observado, segue tendência constatada nos anos
anteriores, porém em ritmo menor.
A comparação entre a quantidade total gerada e a
quantidade total coletada, mostra que 6,4 milhões de
toneladas de RSU deixaram de ser coletadas no ano
de 2011 e, por consequência, tiveram destino
impróprio.
Geração de RSU
Coleta de RSU no Brasil
Na comparação entre o índice de crescimento da
geração de RSU com o índice de crescimento da
coleta, percebe-se que este último foi ligeiramente
maior do que o primeiro, o que demonstra um
discreto aumento na cobertura dos serviços de
coleta de RSU no país.
Coleta de RSU no Brasil
Participação das Regiões do
País no Total de RSU Coletado
Destinação final dos RSU coletados no
Brasil

Conforme observado, em termos percentuais houve uma singela evolução na
destinação final ambientalmente adequada de RSU, em comparação ao ano de
2010. No entanto, em termos quantitativos, a destinação inadequada cresceu
1,4%, o que representa 23,3 milhões de toneladas de RSU dispostos em lixões e
aterros controlados.
Recursos Aplicados na Coleta de RSU e Demais
Serviços de Limpeza Urbana

A análise dos dados nos permite constatar uma
variação na aplicação de recursos nas diferentes
regiões do país e demonstram uma pequena
evolução na média nacional.
Coleta de Resíduos de Construção e
Demolição (RCD)
Os municípios coletaram mais de 33 milhões de
toneladas de RCD em 2011, um aumento de 7,2%
em relação a 2010. As quantidades apresentadas
são expressivas, o que ratifica a situação já
evidenciada em anos anteriores, demandando
atenção especial dos municípios na gestão desses
resíduos, visto que as quantidades reais são ainda
maiores já que a responsabilidade para com os
RCD é dos respectivos geradores, que nem
sempre informam às autoridades os volumes de
resíduos sob sua gestão.
Total de RCD Coletados por Região e
Brasil em 2010 e 2011
Resíduos De Serviços De Saúde – RSS
As Resoluções federais atribuem aos geradores a
responsabilidade pelo tratamento e destinação
final dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Por
esta razão, a maior parte dos municípios
brasileiros, que possuem unidades públicas de
saúde, coleta e dá destinação final apenas para os
resíduos gerados por tais estabelecimentos.
Quantidade de RSS Coletadas pelos Municípios
Distribuídos por Região e Brasil
Destinação Final dos RSS Coletados
pelos Municípios
Como os municípios destinam os resíduos coletados em
2011, o que deve servir de alerta aos organismos
responsáveis pela saúde pública e à própria
sociedade sobre esta importante revelação, porém
preocupante questão de saúde pública.
Coleta Seletiva e Reciclagem
Em 2011, dos 5.565 municípios, 3.263 (58,6%)
indicaram a existência de iniciativas de coleta
seletiva. Embora a quantidade de municípios com
atividades de coleta seletiva seja expressiva, é
importante considerar que muitas vezes tais
atividades resumem-se na disponibilização de
pontos de entrega voluntária à população ou na
simples
formalização
de
convênios
com
cooperativas de catadores para a execução dos
serviços.
Quantidades / Percentuais de Municípios por Região e Brasil em
que Existem Iniciativas de Coleta Seletiva em 2011
Reciclagem de Alumínio, Papel, Plástico
e Vidro
Alumínio, papel, plástico e vidro, são os quatro
setores industriais que abrigam as principais
atividades de reciclagem pós consumo no país. As
Figuras seguintes apresentam series históricas que
permitem uma visão holística da evolução ocorrida
nas atividades de reciclagem pertinentes a estes
setores.
Reciclagem de Alumínio, Papel, Plástico
e Vidro
Geração de RSU no Brasil
A comparação entre os dados de 2011 e 2012
apresentados na tabela a seguir revela um
aumento de 5,3% no índice per capita de geração
de RSU do Brasil como um todo e um acréscimo de
6,8% na quantidade total gerada.
Composição
Gravimétrica dos
RSU no Brasil
Distribuição da
Quantidade Total de
RSU Coletada (%)
Índice per capita de
Coleta de RSU
Quantidade de Municípios por tipo de
Destinação Final de RSU
37

GERENCIAMENTO E PANORAMA
Resíduos da Região Metropolitana de Campinas
Resíduos da Região Metropolitana de
Campinas
38

O Plano Diretor de RS foi desenvolvido em conjunto com os
agentes responsáveis pela gestão dos Resíduos da RMC, por
meio da articulação propiciada pela Câmara Temática de
Saneamento e Meio Ambiente da Região Metropolitana de
Campinas, com ações de gerenciamento operacionais para o
desenvolvimento do trabalho realizado por meio da
coordenação da Agemcamp e com o apoio técnico da
EMPLASA e da equipe de consultoria especializada e, em
especial, com a contribuição decisiva dos agentes municipais
representados na Câmara Temática de Saneamento e Meio
Ambiente do Conselho de Desenvolvimento da Região
Metropolitana de Campinas.
Geração de RS na RMC - 2009
39



Forma de hierarquização
Tabela de Geração
De Resíduos por
Município
RMC

Boa

Razoável

Ruim
40

PDRS – Agemcamp, 2009
Quantidade de RSS
coletado e Custo
(ano 2009)

41

PDRS – Agemcamp, 2009
Programa de Coleta
Seletiva:
Modalidades e Legislação
(ano 2009)

42

PDRS – Agemcamp, 2009
Processamento
e reutilização
de RCC
(ano 2009)

43
Síntese do Diagnóstico RMC / 2009
44

• 715,6 ton/dia (34,4%) dos resíduos produzidos na região
são tratados em aterro sanitário privado localizado em
Paulínia, pela empresa Estre Ambiental S/A
• Campinas destina 1000 ton/dia (Segunda a Sábado) em
torno de 50% da RMC– 2009.
• 496 ton/dia, ou seja, 23,88 % do total de dispostos
diariamente na RMC são dispostos nos próprios municípios:
Holambra, Engenheiro Coelho, Pedreira, Monte Mor,
Cosmópolis, Itatiba, Indaiatuba, Paulínia e Santa Bárbara
d’Oeste. Ou seja, os municípios de menor população; Se
considerado o Municípios de Campinas, essa quantidade vai
para 72%.
Síntese do Diagnóstico RMC
• Devido a carência de áreas adequadas para
tratamento e disposição é fundamental a busca de
políticas sustentáveis para o manejo e o tratamento
final em bases sustentáveis.
• A tendência é que o número de municípios venha a
crescer (destinação para o Estre) porque as demais
cidades têm dificuldades de encontrar áreas para a
deposição de resíduos sólidos
Estimativa de Geração de Resíduos Sólidos Domésticos X Crescimento Populacional
(horizonte 2014)

46
Quantidades que poderiam ser reduzidas com a implantação da
reciclagem e utilização dos Resíduos Sólidos Urbanos

47
Redução
48

A redução obtida com a execução total da
reciclagem e utilização significa uma redução de
78,8% nas quantidades a serem depositadas nos
aterros sanitários, assim como no total a ser pago
por sua disposição final. Considerando um valor de
R$40,00 por tonelada para a disposição, teríamos
uma redução de R$83.072,00 por dia para
R$17.611,20 diários. Além dessa redução dos
gastos com disposição final, pode ser somado
ainda o montante a ser obtido com a venda e
beneficiamento desse material.

!
Metas para Redução
49

Para as estimativas deste Cenário, idealizou-se uma
meta de redução na quantidade a ser disposta nos
aterros de 6% em massa a cada cinco anos com
início no ano de 2010, e sendo esse aumento
acumulativo, onde a meta de redução de 12% para
o ano de 2020 tem como quantidade base as massas
já reduzidas de 2015.
Metas para Redução
Para isso, quantificando essa redução a partir da
reciclagem de materiais, os seguintes materiais
serão responsáveis pelas seguintes reduções:
• Materiais recicláveis – 2% a cada 5 anos;
• RCC – 1% a cada 5 anos;
• Compostagem (Restos de alimento) – 2% a cada 5
anos;
• Compostagem (poda e varrição) – 1% a cada 5
anos.
Metas para Redução
51

Meta para 2012 - Municípios com geração per capta acima da média
recomendada

?
PDRS – Agemcamp, 2009
Inventário Estadual – CETESB
Os dados apurados permitem expressar as condições
ambientais dos locais de disposição de resíduos por
meio dos Índices:
 Qualidade de Aterro de Resíduos – IQR
 Qualidade de Aterro de Resíduos em Vala – IQRValas
 Qualidade de Usinas de Compostagem – IQC
 Com variação de 0 a 10, e classificá-los em três
faixas de enquadramento: Inadequado, Controlado
e Adequado.
Inventário Estadual – CETESB




Nos 572 municípios com até 100.000 habitantes,
responsáveis pela geração de 14% da quantidade
diária de resíduos do Estado, o IQR médio de 2010 é
igual a 8,3% o que representa o enquadramento em
condições adequadas.
Nos 35 municípios com população entre 100.001 a
200.000 habitantes, responsáveis pela geração de 9%
da quantidade diária de resíduos do estado, o IQR
médio de 2010 é igual a 8,6%o que representa o
enquadramento em condições adequadas
Inventário Estadual – CETESB




Nos 29 municípios com população entre 200.001 e
500.000 habitantes, responsáveis pela geração de
19% da quantidade diária de resíduos do Estado, o
IQR médio de 2010 é igual a 8,8, o que representa o
enquadramento em condições adequadas; e,
Nos 9 municípios com mais de 500.000 habitantes,
responsáveis pela geração de 58% da quantidade
diária de resíduos do Estado, o IQR médio de 2010 é
igual a 9,2, o que representa o enquadramento em
condições adequadas.
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
Enquadramento das condições das instalações
de tratamento e ou destinação final do Resíduo
IQR, IQR-valas, IQC
0,0 a 6,0
6,1 a 8,0
8,1 a 10,0

Enquadramento
Condições Inadequadas (I)
Condições Controladas (C)
Condições Adequadas (A)

CAMPINAS
SANTA BÁRBARA D'OESTE

ÍNDICE DA QUALIDADE DE
ATERROS DE RESÍDUOS –IQR
8,9
6,5

PAULÍNIA

9,6

Cidade
IQR - CAMPINAS
Aula 2 panorama geral
Sugestão de Vídeo
Surplus - (Surplus: Terrorized Into Being Consumers, 2003)
• Direção: Erik Gandini
• Roteiro: Erik Gandini
• Gênero: Documentário
• Origem: Suécia
• Duração: 54 minutos
• Tipo: Média-metragemSurplus

Sinopse
O documentário “Surplus”, inicialmente, mostra os problemas ambientais que vivemos hoje em dia:
queimadas, desmatamentos, emissão de gases poluentes (carro, moto, maquinas agrícolas,
industrias e etc.), aquecimento global e a falta de água. No segundo instante ataca o sistema
capitalista. Como se o capitalismo fosse o grande vilão do desastre social e ecológico na
terra, baseando-se na onda de consumismo onde as grandes redes de lojas ou multinacionais
são mal vistas pelos ambientalistas e socialistas. Que levantaram as seguintes questões: - O
poder de lavagem cerebral que as propagandas de televisão nos submetem; - Multinacionais
que exploram trabalhadores em países de terceiro mundo; - As grandes industrias que
poluem o meio ambiente. Por fim uma terceira idéia que seria a “solução”, onde é usado até
Cuba como exemplo de governabilidade (socialista), radicais fazendo manifestações onde
destruíam patrimônios alheios em busca do fechamento das industrias.
Leitura
Perspectivas para o setor de resíduos após a Rio+20. Por David
Newman, Vice-Presidente da ISWA - "ISWA delegation at Rio+20:
ISWA Vice President David Newman draws a balance http://www.abrelpe.org.br/noticias_detalhe.cfm?NoticiasID=1237
Antonis Mavropoulos, Diretor Técnico-científico da ISWA, já escreveu
muito sobre a gestão de resíduos no Brasil e as perspectivas do país
depois que a nova e ambiciosa lei de resíduos foi aprovada em
2010. Aqui estão algumas notas após uma semana de extensas
discussões durante a Rio+20. Os principais objetivos da lei são de
eliminar lixões e enviar para aterros apenas resíduos tratados até
2014. Além disso, os planos têm como objetivo estender a Coleta
Seletiva de RSU em todo o país. Estas são metas inatingíveis dentro
desse prazo, mas é melhor ter metas ambiciosas do que objetivos
amplos e fracos que não criam a tensão necessária.
Leitura
Considere que o Brasil recicla menos de 7% do RSU e
envia o restante para aterros controlados e lixões em
qualquer lugar. Apenas cerca de 89% dos RSU são
realmente recolhidos. Lixões são abundantes, o que
aflige a paisagem e polui o meio ambiente em um
cenário clássico do Inferno de Dante.
Nas sessões excelentes que a ISWA participou,
organizadas pela IPLA e ABRELPE, falei principalmente
da necessidade de colocar dinheiro no sistema. Sem
financiamento, os serviços de coleta de RSU não vão
progredir. Mas quem vai pagar?
Leitura
Em primeiro lugar, a aplicação da EPR (responsabilidade estendida do produtor) para
a indústria de embalagens é um passo inteligente que, naturalmente, a indústria de
embalagens faz campanha contra. Estes fundos irão trazer recursos para os
municípios para organizar uma coleta seletiva de fluxos determinados, como papel.
Latas e garrafas de plástico já são recolhidos pelo setor informal, com taxas de
recuperação muito altas. O Brasil já tem sistemas de EPR de pneumáticos e óleo
usados, além de sistemas para embalagens de agrotóxicos. Eles funcionam bem,
provando que tais sistemas podem ser realizados mesmo em um país tão grande,
embora a um custo - o programa indústria de óleo recupera apenas 45% dos óleos
usados com um custo de investimento de US$ 175 milhões, financiado em parte
pelo
óleo
recuperado.

Em segundo lugar, taxas sobre os aterros, se introduzidas (o governo está discutindo
isso) podem financiar a coleta e a compostagem de orgânicos que compõem 60%
dos resíduos sólidos urbanos do Brasil. A compostagem fará enormes contribuições
para a redução das emissões de GEE no país. Os custos de aterros ainda são muito
baixos para os padrões europeus, a exemplo das US$ 19/ton no novo e moderno
aterro da cidade do Rio de Janeiro. Uma taxa sobre os aterros será certamente um
estímulo para a reciclagem como vimos na Europa, disponibilizando recursos
financeiros aos municípios.
Leitura
Em terceiro lugar, a ajuda internacional e os métodos do mercado de carbono
podem fornecer recursos. Apenas 0,25% dos fundos de ajuda ao
desenvolvimento existentes no mundo vai para projetos da indústria de
resíduos e até mesmo investimentos em MDL são de valor limitado.
Aqui, o trabalho de ISWA e da ABRELPE na campanha para obtenção de
recursos para um financiamento efetivo das atividades de coleta,
destinação e reciclagem através dos organismos financiadores, liderados
pelo Banco Nacional de Desenvolvimento do Brasil, será crucial.
E esta questão do financiamento de infraestrutura de resíduos nos países em
desenvolvimento é a campanha chave que a ISWA vai assumir ao longo
dos próximos anos. A consciência está crescendo, graças ao nosso alcance
internacional e a um recente relatório do Banco Mundial que declarou a
gestão de resíduos como uma emergência comparável à mudança
climática. Temos que tomar partido nisto para influenciar os processos
internacionais de tomada de decisão, mostrando e comprovando como uma
boa gestão de resíduos leva a diversos benefícios sustentáveis.
Reflexão
Referências
66









Instituto de Pesquisa Tecnológicas do Estado de São
Paulo – IPT.Lixo municipal: Manual de gerenciamento
integrado. São Paulo, 2000 IPT/Cempre.
Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2010ABRELPE Associação das Empresas de Limpeza Pública
e Resíduos Especiais
Cartilha de Limpeza Urbana. Bahia, Sergio (org).
Centro de Estudos Urbanos do IBAM
Agência Metropolitana De Campinas – Agemcamp
Plano Diretor De Gestão Dos Resíduos Sólidos Da
Região Metropolitana De Campinas – Rmc - Produto 3
- Julho 2009 (Revisão Outubro 2009)
Referências






Agência Metropolitana De Campinas – Agemcamp
Plano Diretor De Gestão Dos Resíduos Sólidos Da
Região Metropolitana De Campinas – Rmc Produto 3 - Julho 2009 (Revisão Outubro 2009)
CETESB (São Paulo) Manual de operação de aterro
sanitário em valas / CETESB ; Aruntho Savastano
Neto ... [et al.]. – São Paulo : CETESB, 2010.
CETESB (São Paulo) Inventário Estadual de Resíduos
Sólidos Domiciliares / CETESB Aruntho Savastano
Neto ... [et al.]. 2010
Objetivo da aula
Ao final dessa aula, você deverá conhecer:
 Tem um panorama geral sobre a situação dos
resíduos sólidos no Brasil e na Região
Metropolitana de campinas.
 Conhecer os desafios a serem enfrentados sobre os
Resíduos Sólidos no Brasil.
 Fazer uma reflexão crítica sobre tendências de
geração de resíduos e metas de redução.
 Aprender algumas definições básicas sobre aterros.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
Giovanna Ortiz
 
Lixo
LixoLixo
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
lenilson marinho barbosa
 
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
Giovanna Ortiz
 
Aula - Lixo (6° ano)
Aula - Lixo (6° ano)Aula - Lixo (6° ano)
Aula - Lixo (6° ano)
Janaina Alves
 
Boas práticas ambientais
Boas práticas ambientaisBoas práticas ambientais
Boas práticas ambientais
Ana Castro
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
Carlos Priante
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
Giovanna Ortiz
 
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos SólidosColeta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Master Ambiental
 
coleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagemcoleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagem
TÂnio Alencar
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
Giovanna Ortiz
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
Giovanna Ortiz
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
Sergio Vinhal
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
adelinacgomes
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Tatiani Cristina
 
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Roney Gusmão
 
Lixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucõesLixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucões
Cleber Reis
 
RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEM
Suelly De Sousa
 
Ciclos biogeoqumico
Ciclos biogeoqumico Ciclos biogeoqumico
Ciclos biogeoqumico
Rafael Lima
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
Edir Leite Freire
 

Mais procurados (20)

Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
Microrganismos e o tratamento de efluentes (1) (2)
 
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
 
Aula - Lixo (6° ano)
Aula - Lixo (6° ano)Aula - Lixo (6° ano)
Aula - Lixo (6° ano)
 
Boas práticas ambientais
Boas práticas ambientaisBoas práticas ambientais
Boas práticas ambientais
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
 
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos SólidosColeta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
 
coleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagemcoleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagem
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.Meio ambiente e ecologia: conceitos.
Meio ambiente e ecologia: conceitos.
 
Lixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucõesLixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucões
 
RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEM
 
Ciclos biogeoqumico
Ciclos biogeoqumico Ciclos biogeoqumico
Ciclos biogeoqumico
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
 

Semelhante a Aula 2 panorama geral

PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMBPLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
Deisi Motter
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
Giovanna Ortiz
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
Carlos Elson Cunha
 
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
Cepagro
 
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAAAterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
PET. EAA
 
Bolsacoop REDERESIDUO
Bolsacoop REDERESIDUOBolsacoop REDERESIDUO
Bolsacoop REDERESIDUO
REDERESÍDUO
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Maira Teixeira
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
Carlos Elson Cunha
 
GEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANAGEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANA
Wanderson Benigno
 
Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4
Ananda Helena
 
Lixoeletronico 02
Lixoeletronico 02Lixoeletronico 02
Lixoeletronico 02
Jessica Silva
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos Ratos
Sâmara Gomes
 
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais FastweldResíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
Carlos Eduardo Almeida Silva
 
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
FecomercioSP
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Julyanne Rodrigues
 
Lixo
LixoLixo
Seminario aterros
Seminario   aterrosSeminario   aterros
Seminario aterros
Carlos Elson Cunha
 
oekobr
oekobroekobr
oekobr
alexandroesp
 
Oekobr - 2010
Oekobr - 2010Oekobr - 2010
Oekobr - 2010
clarkj_s
 
123
123123

Semelhante a Aula 2 panorama geral (20)

PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMBPLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
PLANEJAMENTO URBANO NO MEIO AMBIENTE - ATERRO DA CAXIMB
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
 
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
O passo-a-passo de uma Revolução – compostagem e agricultura urbana na gestão...
 
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAAAterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
Aterros Sanitarios - Situação atual do país 2019 PET.EAA
 
Bolsacoop REDERESIDUO
Bolsacoop REDERESIDUOBolsacoop REDERESIDUO
Bolsacoop REDERESIDUO
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
 
GEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANAGEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANA
 
Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4Manual de educação ambiental vol 4
Manual de educação ambiental vol 4
 
Lixoeletronico 02
Lixoeletronico 02Lixoeletronico 02
Lixoeletronico 02
 
PGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos RatosPGRS Arroio dos Ratos
PGRS Arroio dos Ratos
 
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais FastweldResíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
 
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
Debate Logística Reversa de Embalagens - Da Teoria à Prática, 09/08/2011 - Ap...
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Seminario aterros
Seminario   aterrosSeminario   aterros
Seminario aterros
 
oekobr
oekobroekobr
oekobr
 
Oekobr - 2010
Oekobr - 2010Oekobr - 2010
Oekobr - 2010
 
123
123123
123
 

Mais de Giovanna Ortiz

Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Giovanna Ortiz
 
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Giovanna Ortiz
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
Giovanna Ortiz
 
Aula 8 incineração
Aula 8 incineraçãoAula 8 incineração
Aula 8 incineração
Giovanna Ortiz
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
Giovanna Ortiz
 
Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
Giovanna Ortiz
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Giovanna Ortiz
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do curso
Giovanna Ortiz
 
Erosão
ErosãoErosão
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
Giovanna Ortiz
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
Giovanna Ortiz
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 6a
Solos 6aSolos 6a
Solos 6a
Giovanna Ortiz
 
Provinha
ProvinhaProvinha
Provinha
Giovanna Ortiz
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 8
Aula 8Aula 8

Mais de Giovanna Ortiz (20)

Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
 
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
Aula 8 incineração
Aula 8 incineraçãoAula 8 incineração
Aula 8 incineração
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
 
Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do curso
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 3
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Solos 6a
Solos 6aSolos 6a
Solos 6a
 
Provinha
ProvinhaProvinha
Provinha
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 

Último

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

Aula 2 panorama geral

  • 1. RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 2 – Panorama Geral dos Resíduos
  • 2. Definições – Disposição final A técnica de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo em aterros sanitários pode ser executada de diversas maneiras: lixão, aterro controlado, aterro sanitário, valas etc. Definições iniciais para cada uma destas disposições.
  • 3. Definições - Lixão Lixão é uma área de disposição final de resíduos sólidos sem nenhuma preparação anterior do solo. Não tem nenhum sistema de tratamento de efluentes líquidos - o chorume (líquido preto que escorre dos resíduos). Este penetra pela terra levando substancias contaminantes para o solo e para o lençol freático. Moscas, pássaros e ratos convivem com os resíduos livremente no lixão a céu aberto, e pior ainda, crianças, adolescentes e adultos catam comida e materiais recicláveis para vender. No lixão os resíduos ficam expostos sem nenhum procedimento que evite as conseqüências ambientais e sociais negativas
  • 5. Definição – Aterro Controlado Aterro controlado é uma fase intermediária entre o lixão e o aterro sanitário. Normalmente é uma célula adjacente ao lixão que foi remediado, ou seja, que recebeu cobertura de argila, e grama (idealmente selado com manta impermeável para proteger a pilha da água de chuva) e captação de chorume e gás. Esta célula adjacente é preparada para receber resíduos com uma impermeabilização com manta e tem uma operação que procura dar conta dos impactos negativos tais como a cobertura diária da pilha de resíduos com terra ou outro material disponível como forração ou saibro. Tem também recirculação do chorume que é coletado e levado para cima da pilha de resíduos, diminuindo a sua absorção pela terra ou eventuamente outro tipo de tratamento para o chorume como uma estação de tratamento para este efluente.
  • 7. Definição – Aterro Sanitário Aterro sanitário que antes de iniciar a disposição dos resíduos teve o terreno preparado previamente com o nivelamento de terra e com o selamento da base com argila e mantas de PVC, esta extremamente resistente. Desta forma, com essa impermeabilização do solo, o lençol freático não será contaminado pelo chorume. Este é coletado através de drenos de PEAD, encaminhados para o poço de acumulação de onde, nos seis primeiros meses de operação é recirculado sobre a massa de resíduos aterrada. Depois desses seis meses, quando a vazão e os parâmetros já são adequados para tratamento, o chorume acumulado será encaminhado para a estação de tratamento de efluentes. A operação do aterro sanitário, assim como a do aterro controlado prevê a cobertura diária dos resíduos, não ocorrendo a proliferação de vetores, mau cheiro e poluição visual.
  • 9. Definição - Aterro sanitário em valas O aterro sanitário em valas é uma técnica para a disposição de resíduos urbanos no solo, em municípios de pequeno porte, onde a produção diária de resíduos não deve ultrapassar 10 (dez) toneladas. O confinamento dos resíduos sem compactação impede o aproveitamento integral da área a ser aterrada.
  • 10. Definição - Aterro sanitário em valas
  • 11. Os resíduos no Brasil e no Mundo Estima-se que a população mundial, hoje é de mais de 6,6 bilhões de habitantes, esteja gerando entre 2 e 3 bilhões de toneladas de resíduos por ano. A composição e a quantidade de resíduos urbano gerado variam conforme o nível de desenvolvimento dos países. Em média, por exemplo, o brasileiro produz cerca da metade de resíduos gerado pelos britânicos, pelos alemães e pelos italianos.
  • 12. Os resíduos no Brasil e no Mundo Nos países desenvolvidos, é maior a taxa global de reciclagem. Enquanto a Suécia, por exemplo, recupera 43,6% do resíduo gerado e os Estados Unidos recicla 32%, o índice no Brasil é de 12% e na Colômbia e Argentina, de apenas 5%. adolescentes.pbworks.com
  • 13. Os resíduos no Brasil e no Mundo Nas nações desenvolvidas, embora os aterros sanitários sejam importantes na solução de destinação final dos resíduos, parte considerável dos resíduos é incinerada com recuperação energética ou encaminhado para compostagem e reciclagem. Na Alemanha, por exemplo, apenas 4kg por habitantes vão anualmente para aterros. Na Suécia essa quantidade é de 25Kg. No Brasil, os aterros e lixões recebem 251kg de resíduos gerado por habitante ao ano.
  • 14. Geração de Resíduos no Brasil A geração de resíduos sólidos domiciliares no Brasil é de cerca de 0,6kg/hab./dia e mais 0,3kg/hab./dia de resíduos de varrição, limpeza de logradouros e entulhos. Algumas cidades, especialmente nas regiões Sul e Sudeste – como São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba –, alcançam índices de produção mais elevados, podendo chegar a 1,3kg/hab./dia, considerando todos os resíduos manipulados pelos serviços de limpeza urbana (domiciliares, comerciais, de limpeza de logradouros, de serviços de saúde e entulhos).
  • 15. Coleta de Resíduos no Brasil Devido à pressão exercida pela população e pelo comércio em muitas localidades a coleta dos resíduos é executada com regularidade. Porém, essa pressão tem geralmente um efeito seletivo, prioriza os setores comerciais, as unidades de saúde e o atendimento à população de renda mais alta. A expansão da cobertura dos serviços raramente alcança as áreas realmente carentes, até porque a ausência de infraestrutura viária exige a adoção de sistemas alternativos, que apresentam baixa eficiência e, portanto, custo mais elevado
  • 16. Coleta de Resíduos A coleta de resíduos é o segmento que: - Mais se desenvolveu dentro do sistema de limpeza urbana; - É o que apresenta maior abrangência de atendimento junto à população; - É a atividade do sistema que demanda maior percentual de recursos por parte da municipalidade.
  • 17. RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS – RSU A geração de RSU no Brasil registrou crescimento de 1,8%, de 2010 para 2011, índice percentual que é superior à taxa de crescimento populacional urbano do país, que foi de 0,9% no mesmo período. O aumento observado, segue tendência constatada nos anos anteriores, porém em ritmo menor. A comparação entre a quantidade total gerada e a quantidade total coletada, mostra que 6,4 milhões de toneladas de RSU deixaram de ser coletadas no ano de 2011 e, por consequência, tiveram destino impróprio.
  • 19. Coleta de RSU no Brasil Na comparação entre o índice de crescimento da geração de RSU com o índice de crescimento da coleta, percebe-se que este último foi ligeiramente maior do que o primeiro, o que demonstra um discreto aumento na cobertura dos serviços de coleta de RSU no país.
  • 20. Coleta de RSU no Brasil
  • 21. Participação das Regiões do País no Total de RSU Coletado
  • 22. Destinação final dos RSU coletados no Brasil Conforme observado, em termos percentuais houve uma singela evolução na destinação final ambientalmente adequada de RSU, em comparação ao ano de 2010. No entanto, em termos quantitativos, a destinação inadequada cresceu 1,4%, o que representa 23,3 milhões de toneladas de RSU dispostos em lixões e aterros controlados.
  • 23. Recursos Aplicados na Coleta de RSU e Demais Serviços de Limpeza Urbana A análise dos dados nos permite constatar uma variação na aplicação de recursos nas diferentes regiões do país e demonstram uma pequena evolução na média nacional.
  • 24. Coleta de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) Os municípios coletaram mais de 33 milhões de toneladas de RCD em 2011, um aumento de 7,2% em relação a 2010. As quantidades apresentadas são expressivas, o que ratifica a situação já evidenciada em anos anteriores, demandando atenção especial dos municípios na gestão desses resíduos, visto que as quantidades reais são ainda maiores já que a responsabilidade para com os RCD é dos respectivos geradores, que nem sempre informam às autoridades os volumes de resíduos sob sua gestão.
  • 25. Total de RCD Coletados por Região e Brasil em 2010 e 2011
  • 26. Resíduos De Serviços De Saúde – RSS As Resoluções federais atribuem aos geradores a responsabilidade pelo tratamento e destinação final dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Por esta razão, a maior parte dos municípios brasileiros, que possuem unidades públicas de saúde, coleta e dá destinação final apenas para os resíduos gerados por tais estabelecimentos.
  • 27. Quantidade de RSS Coletadas pelos Municípios Distribuídos por Região e Brasil
  • 28. Destinação Final dos RSS Coletados pelos Municípios Como os municípios destinam os resíduos coletados em 2011, o que deve servir de alerta aos organismos responsáveis pela saúde pública e à própria sociedade sobre esta importante revelação, porém preocupante questão de saúde pública.
  • 29. Coleta Seletiva e Reciclagem Em 2011, dos 5.565 municípios, 3.263 (58,6%) indicaram a existência de iniciativas de coleta seletiva. Embora a quantidade de municípios com atividades de coleta seletiva seja expressiva, é importante considerar que muitas vezes tais atividades resumem-se na disponibilização de pontos de entrega voluntária à população ou na simples formalização de convênios com cooperativas de catadores para a execução dos serviços.
  • 30. Quantidades / Percentuais de Municípios por Região e Brasil em que Existem Iniciativas de Coleta Seletiva em 2011
  • 31. Reciclagem de Alumínio, Papel, Plástico e Vidro Alumínio, papel, plástico e vidro, são os quatro setores industriais que abrigam as principais atividades de reciclagem pós consumo no país. As Figuras seguintes apresentam series históricas que permitem uma visão holística da evolução ocorrida nas atividades de reciclagem pertinentes a estes setores.
  • 32. Reciclagem de Alumínio, Papel, Plástico e Vidro
  • 33. Geração de RSU no Brasil A comparação entre os dados de 2011 e 2012 apresentados na tabela a seguir revela um aumento de 5,3% no índice per capita de geração de RSU do Brasil como um todo e um acréscimo de 6,8% na quantidade total gerada.
  • 35. Distribuição da Quantidade Total de RSU Coletada (%) Índice per capita de Coleta de RSU
  • 36. Quantidade de Municípios por tipo de Destinação Final de RSU
  • 37. 37 GERENCIAMENTO E PANORAMA Resíduos da Região Metropolitana de Campinas
  • 38. Resíduos da Região Metropolitana de Campinas 38 O Plano Diretor de RS foi desenvolvido em conjunto com os agentes responsáveis pela gestão dos Resíduos da RMC, por meio da articulação propiciada pela Câmara Temática de Saneamento e Meio Ambiente da Região Metropolitana de Campinas, com ações de gerenciamento operacionais para o desenvolvimento do trabalho realizado por meio da coordenação da Agemcamp e com o apoio técnico da EMPLASA e da equipe de consultoria especializada e, em especial, com a contribuição decisiva dos agentes municipais representados na Câmara Temática de Saneamento e Meio Ambiente do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Campinas.
  • 39. Geração de RS na RMC - 2009 39  Forma de hierarquização
  • 40. Tabela de Geração De Resíduos por Município RMC Boa Razoável Ruim 40 PDRS – Agemcamp, 2009
  • 41. Quantidade de RSS coletado e Custo (ano 2009) 41 PDRS – Agemcamp, 2009
  • 42. Programa de Coleta Seletiva: Modalidades e Legislação (ano 2009) 42 PDRS – Agemcamp, 2009
  • 44. Síntese do Diagnóstico RMC / 2009 44 • 715,6 ton/dia (34,4%) dos resíduos produzidos na região são tratados em aterro sanitário privado localizado em Paulínia, pela empresa Estre Ambiental S/A • Campinas destina 1000 ton/dia (Segunda a Sábado) em torno de 50% da RMC– 2009. • 496 ton/dia, ou seja, 23,88 % do total de dispostos diariamente na RMC são dispostos nos próprios municípios: Holambra, Engenheiro Coelho, Pedreira, Monte Mor, Cosmópolis, Itatiba, Indaiatuba, Paulínia e Santa Bárbara d’Oeste. Ou seja, os municípios de menor população; Se considerado o Municípios de Campinas, essa quantidade vai para 72%.
  • 45. Síntese do Diagnóstico RMC • Devido a carência de áreas adequadas para tratamento e disposição é fundamental a busca de políticas sustentáveis para o manejo e o tratamento final em bases sustentáveis. • A tendência é que o número de municípios venha a crescer (destinação para o Estre) porque as demais cidades têm dificuldades de encontrar áreas para a deposição de resíduos sólidos
  • 46. Estimativa de Geração de Resíduos Sólidos Domésticos X Crescimento Populacional (horizonte 2014) 46
  • 47. Quantidades que poderiam ser reduzidas com a implantação da reciclagem e utilização dos Resíduos Sólidos Urbanos 47
  • 48. Redução 48 A redução obtida com a execução total da reciclagem e utilização significa uma redução de 78,8% nas quantidades a serem depositadas nos aterros sanitários, assim como no total a ser pago por sua disposição final. Considerando um valor de R$40,00 por tonelada para a disposição, teríamos uma redução de R$83.072,00 por dia para R$17.611,20 diários. Além dessa redução dos gastos com disposição final, pode ser somado ainda o montante a ser obtido com a venda e beneficiamento desse material. !
  • 49. Metas para Redução 49 Para as estimativas deste Cenário, idealizou-se uma meta de redução na quantidade a ser disposta nos aterros de 6% em massa a cada cinco anos com início no ano de 2010, e sendo esse aumento acumulativo, onde a meta de redução de 12% para o ano de 2020 tem como quantidade base as massas já reduzidas de 2015.
  • 50. Metas para Redução Para isso, quantificando essa redução a partir da reciclagem de materiais, os seguintes materiais serão responsáveis pelas seguintes reduções: • Materiais recicláveis – 2% a cada 5 anos; • RCC – 1% a cada 5 anos; • Compostagem (Restos de alimento) – 2% a cada 5 anos; • Compostagem (poda e varrição) – 1% a cada 5 anos.
  • 51. Metas para Redução 51 Meta para 2012 - Municípios com geração per capta acima da média recomendada ? PDRS – Agemcamp, 2009
  • 52. Inventário Estadual – CETESB Os dados apurados permitem expressar as condições ambientais dos locais de disposição de resíduos por meio dos Índices:  Qualidade de Aterro de Resíduos – IQR  Qualidade de Aterro de Resíduos em Vala – IQRValas  Qualidade de Usinas de Compostagem – IQC  Com variação de 0 a 10, e classificá-los em três faixas de enquadramento: Inadequado, Controlado e Adequado.
  • 53. Inventário Estadual – CETESB   Nos 572 municípios com até 100.000 habitantes, responsáveis pela geração de 14% da quantidade diária de resíduos do Estado, o IQR médio de 2010 é igual a 8,3% o que representa o enquadramento em condições adequadas. Nos 35 municípios com população entre 100.001 a 200.000 habitantes, responsáveis pela geração de 9% da quantidade diária de resíduos do estado, o IQR médio de 2010 é igual a 8,6%o que representa o enquadramento em condições adequadas
  • 54. Inventário Estadual – CETESB   Nos 29 municípios com população entre 200.001 e 500.000 habitantes, responsáveis pela geração de 19% da quantidade diária de resíduos do Estado, o IQR médio de 2010 é igual a 8,8, o que representa o enquadramento em condições adequadas; e, Nos 9 municípios com mais de 500.000 habitantes, responsáveis pela geração de 58% da quantidade diária de resíduos do Estado, o IQR médio de 2010 é igual a 9,2, o que representa o enquadramento em condições adequadas.
  • 57. Enquadramento das condições das instalações de tratamento e ou destinação final do Resíduo IQR, IQR-valas, IQC 0,0 a 6,0 6,1 a 8,0 8,1 a 10,0 Enquadramento Condições Inadequadas (I) Condições Controladas (C) Condições Adequadas (A) CAMPINAS SANTA BÁRBARA D'OESTE ÍNDICE DA QUALIDADE DE ATERROS DE RESÍDUOS –IQR 8,9 6,5 PAULÍNIA 9,6 Cidade
  • 60. Sugestão de Vídeo Surplus - (Surplus: Terrorized Into Being Consumers, 2003) • Direção: Erik Gandini • Roteiro: Erik Gandini • Gênero: Documentário • Origem: Suécia • Duração: 54 minutos • Tipo: Média-metragemSurplus Sinopse O documentário “Surplus”, inicialmente, mostra os problemas ambientais que vivemos hoje em dia: queimadas, desmatamentos, emissão de gases poluentes (carro, moto, maquinas agrícolas, industrias e etc.), aquecimento global e a falta de água. No segundo instante ataca o sistema capitalista. Como se o capitalismo fosse o grande vilão do desastre social e ecológico na terra, baseando-se na onda de consumismo onde as grandes redes de lojas ou multinacionais são mal vistas pelos ambientalistas e socialistas. Que levantaram as seguintes questões: - O poder de lavagem cerebral que as propagandas de televisão nos submetem; - Multinacionais que exploram trabalhadores em países de terceiro mundo; - As grandes industrias que poluem o meio ambiente. Por fim uma terceira idéia que seria a “solução”, onde é usado até Cuba como exemplo de governabilidade (socialista), radicais fazendo manifestações onde destruíam patrimônios alheios em busca do fechamento das industrias.
  • 61. Leitura Perspectivas para o setor de resíduos após a Rio+20. Por David Newman, Vice-Presidente da ISWA - "ISWA delegation at Rio+20: ISWA Vice President David Newman draws a balance http://www.abrelpe.org.br/noticias_detalhe.cfm?NoticiasID=1237 Antonis Mavropoulos, Diretor Técnico-científico da ISWA, já escreveu muito sobre a gestão de resíduos no Brasil e as perspectivas do país depois que a nova e ambiciosa lei de resíduos foi aprovada em 2010. Aqui estão algumas notas após uma semana de extensas discussões durante a Rio+20. Os principais objetivos da lei são de eliminar lixões e enviar para aterros apenas resíduos tratados até 2014. Além disso, os planos têm como objetivo estender a Coleta Seletiva de RSU em todo o país. Estas são metas inatingíveis dentro desse prazo, mas é melhor ter metas ambiciosas do que objetivos amplos e fracos que não criam a tensão necessária.
  • 62. Leitura Considere que o Brasil recicla menos de 7% do RSU e envia o restante para aterros controlados e lixões em qualquer lugar. Apenas cerca de 89% dos RSU são realmente recolhidos. Lixões são abundantes, o que aflige a paisagem e polui o meio ambiente em um cenário clássico do Inferno de Dante. Nas sessões excelentes que a ISWA participou, organizadas pela IPLA e ABRELPE, falei principalmente da necessidade de colocar dinheiro no sistema. Sem financiamento, os serviços de coleta de RSU não vão progredir. Mas quem vai pagar?
  • 63. Leitura Em primeiro lugar, a aplicação da EPR (responsabilidade estendida do produtor) para a indústria de embalagens é um passo inteligente que, naturalmente, a indústria de embalagens faz campanha contra. Estes fundos irão trazer recursos para os municípios para organizar uma coleta seletiva de fluxos determinados, como papel. Latas e garrafas de plástico já são recolhidos pelo setor informal, com taxas de recuperação muito altas. O Brasil já tem sistemas de EPR de pneumáticos e óleo usados, além de sistemas para embalagens de agrotóxicos. Eles funcionam bem, provando que tais sistemas podem ser realizados mesmo em um país tão grande, embora a um custo - o programa indústria de óleo recupera apenas 45% dos óleos usados com um custo de investimento de US$ 175 milhões, financiado em parte pelo óleo recuperado. Em segundo lugar, taxas sobre os aterros, se introduzidas (o governo está discutindo isso) podem financiar a coleta e a compostagem de orgânicos que compõem 60% dos resíduos sólidos urbanos do Brasil. A compostagem fará enormes contribuições para a redução das emissões de GEE no país. Os custos de aterros ainda são muito baixos para os padrões europeus, a exemplo das US$ 19/ton no novo e moderno aterro da cidade do Rio de Janeiro. Uma taxa sobre os aterros será certamente um estímulo para a reciclagem como vimos na Europa, disponibilizando recursos financeiros aos municípios.
  • 64. Leitura Em terceiro lugar, a ajuda internacional e os métodos do mercado de carbono podem fornecer recursos. Apenas 0,25% dos fundos de ajuda ao desenvolvimento existentes no mundo vai para projetos da indústria de resíduos e até mesmo investimentos em MDL são de valor limitado. Aqui, o trabalho de ISWA e da ABRELPE na campanha para obtenção de recursos para um financiamento efetivo das atividades de coleta, destinação e reciclagem através dos organismos financiadores, liderados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento do Brasil, será crucial. E esta questão do financiamento de infraestrutura de resíduos nos países em desenvolvimento é a campanha chave que a ISWA vai assumir ao longo dos próximos anos. A consciência está crescendo, graças ao nosso alcance internacional e a um recente relatório do Banco Mundial que declarou a gestão de resíduos como uma emergência comparável à mudança climática. Temos que tomar partido nisto para influenciar os processos internacionais de tomada de decisão, mostrando e comprovando como uma boa gestão de resíduos leva a diversos benefícios sustentáveis.
  • 66. Referências 66     Instituto de Pesquisa Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT.Lixo municipal: Manual de gerenciamento integrado. São Paulo, 2000 IPT/Cempre. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2010ABRELPE Associação das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais Cartilha de Limpeza Urbana. Bahia, Sergio (org). Centro de Estudos Urbanos do IBAM Agência Metropolitana De Campinas – Agemcamp Plano Diretor De Gestão Dos Resíduos Sólidos Da Região Metropolitana De Campinas – Rmc - Produto 3 - Julho 2009 (Revisão Outubro 2009)
  • 67. Referências    Agência Metropolitana De Campinas – Agemcamp Plano Diretor De Gestão Dos Resíduos Sólidos Da Região Metropolitana De Campinas – Rmc Produto 3 - Julho 2009 (Revisão Outubro 2009) CETESB (São Paulo) Manual de operação de aterro sanitário em valas / CETESB ; Aruntho Savastano Neto ... [et al.]. – São Paulo : CETESB, 2010. CETESB (São Paulo) Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Domiciliares / CETESB Aruntho Savastano Neto ... [et al.]. 2010
  • 68. Objetivo da aula Ao final dessa aula, você deverá conhecer:  Tem um panorama geral sobre a situação dos resíduos sólidos no Brasil e na Região Metropolitana de campinas.  Conhecer os desafios a serem enfrentados sobre os Resíduos Sólidos no Brasil.  Fazer uma reflexão crítica sobre tendências de geração de resíduos e metas de redução.  Aprender algumas definições básicas sobre aterros.