SlideShare uma empresa Scribd logo
SECADORES
Cálculo de projeto para secadores contínuos
Disciplina: Operações Unitárias II
Docente: Daiane
Discentes: Renato Leitão e Stéfano Praxedes
Tópicos a serem apresentados
Princípios de secagem
Conceituação geral
Mecanismos de migração de umidade
Classificação
Estudo de caso 1: Secador Rotativo
Estudo de caso 2: Secador em Leito Fluidizado
Curva de secagem
Conceituação geral
 Princípios de secagem
 A secagem tem a finalidade de eliminar um líquido volátil contido num
corpo não volátil, através de evaporação. Portanto, a secagem de nosso
interesse é caracterizada pela evaporação da água do material.
 Durante a secagem é necessário um fornecimento de calor para evaporar a
umidade do material e também deve haver um sorvedor de umidade para
remover o vapor água, formado a partir da superfície do material a ser seco.
Conceituação geral
 Mecanismos de migração da umidade
 O movimento de água do interior do material até à superfície é
analisado pelos mecanismos de TM, que indicará a dificuldade de
secagem
o Difusão líquida
o Difusão de vapor
o Escoamente de um líquido e de vapor
Conceituação geral
 Curva de secagem
Diminuição do teor de água do
produto durante a secagema curva
obtida pesando o produto durante a
secagem numa determinada condição
de secagem.
Representa a
variação da
temperatura do
produto durante a
secagem.
Representa a
velocidade (taxa) de
secagem do produto
(variação do conteúdo
de umidade do produto
por tempo, dX/dt em
relação à evolução do
tempo t), isto é, é a
curva
obtida diferenciando a
curva (a)
Critérios para Classificação
 Devido à grande variedade de tipos de produtos que devem ser
secos por diferentes métodos, existe também uma variedade de
projeto de secadores.
 Os critérios para se classificar os secadores são muitos.
Classificação: Método de Operação
Tipos de Secadores de Grãos: Secadores Contínuos
 O grão fica constatemente sob ação do calor, até que seu teor de
umidade atinja um valor desejado.
 Há um fluxo constante de produto no interior do secador e,
simultaneamente, há grãos úmidos entrando, grãos em fase de
secagem e grãos secos e frios sendo descarregados.
 A secagem ocorre, geralmente, em duas etapas bem definidas:
• Primeira etapa: a massa de grãos é atravessada por um fluxo de
ar quente, que tem por finalidadade a secagem propriamente dita;
• Segunda etapa: o produto é atravessado por um fluxo de ar com
temperatura ambiente, que tem como finalidade resfriá-lo.
 O produto passa por um mecanismo de regulagem de fluxo que
determinará o tempo de exposição ao ar de secagem (tempo de
residência).
 A secagem contínua é indicada para grande quantidade de produto e
tem como vantagem a redução de tempo total de secagem
(eliminação da operação de carga /descarga).
 No caso da secagem de sementes em geral, torna-se difícil operar os
secadores contínuos, uma vez que a temperatura do ar de secagem
deve ser menor do que aquela utilizada para grãos (trincas nos
grãos).
Tipos de Secadores de Grãos: Secadores Contínuos
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Principais usos:
 Secagem de pastas que não formam aglomerado ( ex.: massa de bolo
Vilma, alguns catalisadores.)
 Sólidos de fluxo livre (ex.: grãos em geral, minério)
 Fatores importantes a serem considerados na hora da seleção de um
secador
 Modo pelo qual o calor é fornecido ao material (Condução, Convecção ou
Radiação)
 Temperatura e pressão de operação ( altas ou baixas temperaturas;
secagem atm ou a vácuo)
 Maneira pela qual o material se comporta dentro do secador ( tipo)
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Diagrama esquemático de um secador rotativo
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Descrição do problema
Para a secagem de pellets de catalisador, os engenheiros de uma determinada indústria
decidiram que um secador rotativo direto será adequado, e investigaram o
desempenho do secador em uma planta piloto, afim de obter dados para o aumento de
escala. A produção F deverá ser de 350 kg/h em base seca. Os pellets tem forma
cilíndrica, aproximadamente 1 cm de comprimento e 1 cm de diâmetro, a sua
densidade aparente ρb é 570 kg/m³ , o calor específico Cps é 1kJ/kg K, e o teor de
umidade X0 , de acordo com resultados anteriores de funcionamento da unidade fabril,
é de 0,65 kg/kg db. O produto final, de modo a ser estável tem de ter um conteúdo de
unidade X de até 0,05 kg/kg db. O material não adere ao secador, contudo é sensível
a altas temperaturas. A temperatura inicial T1ar não pode exceder 150-179 °C. O
fluido de aquecimento será o ar. Um permutador de calor de vapor-ar será usado para o
aquecimento. A velocidade do ar deve ser controlada para não arrastar produto. A Tab.1
apresenta os parâmetros de operação da planta piloto.
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Modelagem do problema
T1ar=160 °C
T2ar=65 °C
Tw = 40 °C
uperm = 3 kg/m²s
τ=0.35h
T2p=45 °C
T1p=25 °C
Estudo de caso – Secadores rotativos
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Equações de projeto
 Balanço de Massa
 Massa total alimentada:
 Massa total na saída do secador:
 Taxa de evaporação de água mw (kg/h):
Onde,
F: produção em base seca
X0: teor de umidade na entrada do secador
X: teor de umidade na saída do secador
Balanço de Energia
 O calor fornecido nos secadores são utilizados para 5 princípios diferentes
na operação unitária de secagem, são eles:
0
1 FX
F
F 

FX
F
F2 

2
1
w F
-
F
m 
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Primeiro: Para aquecer a água contida no produto
, onde Cpw é o calor específico da água
 Segundo: Para evaporar a água que sai do material.
, onde ΔHw é o calor de vaporização da água (kJ/kg)
 Terceiro: Para aquecer o vapor da temperatura inicial de bulbo úmido até a
temperatura de saída do ar.
, onde Cpv é o calor específico do vapor
 Quarto: Para aquecer o material sólido de sua temperatura inicial até a temperatura
de saída.
, onde Cps é o calor específico do catalisador
)
T
-
(T
FC
Q m1
m2
ps
4 
)
T
-
(T
C
m
Q 1p
w
pw
w
1 
)
T
-
(T
C
m
Q w
2ar
pv
w
3 
H
m
Q w
w
2 

Estudo de caso – Secadores rotativos
 Quinto: Para aquecer a água que permanece na saída do produto
Assim, o calor total transferido para o produto é determinado adicionando o fator
corretivo α:
α: é um fator que compensa as perdas de calor devido à condução entre a superfície
externa do secador e o ar atmosférico, devido a radiação.
*Estas perdas são estimadas em cerca de 7,5-10% do consumo de calor.
 Equações de dimensionamento
 Taxa de massa de ar G necessária afim de transferir uma quantidade
suficiente de calor para secagem:
)
( 2
1
, ar
ar
ar
p T
T
C
Q
G


)
Q
Q
Q
Q
)(Q
(1
Q 5
4
3
2
1 




 
)
T
-
(T
FXC
Q m1
m2
pw
5 
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Diâmetro D do secador:
 Volume V do secador:
 Comprimento L do secador:
* Na prática uma relação L/D deve estar entre 4-10 para um ótimo desempenho
do secador.









perm
ju
G
D

3600
4
s
H
F
V

 2

2
4
D
V
L


H
s

 : Tempo de residência do produto
: Densidade aparente do catalisador
: Resistência à secagem (demora)
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Equações de desempenho
 Numero de unidades de transferência de calor NT:
 Quantidade de calor fornecida ao permutador de calor para aquecimento do
fluxo de ar da temperatura atmosférica T0 para a temperatura de entrada no
secador, T1ar.
Eficiência térmica :
w
ar
w
ar
T
T
T
T
T
N



2
1
ln
)
( 0
1
, T
T
GC
Q ar
ar
p
he 

he
th
Q
Q
Q
Q
Q
Q
n 5
4
3
2
1 




Estudo de caso – Secadores rotativos
 Resultado dos cálculos
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Resultado dos cálculos
 Aquecendo a massa de catalisador de 25 – 40 °C
33
42
51
66
80
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
350 450 550 700 850
kJ/h
kg/h db
Redução energética no cooler
Planilha
Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado
• Um secador de leito fluidizado contínuo é um equipamento no
qual uma alimentação contínua de material particulado úmido é
seco por contato com ar aquecido que é soprado através do leito
deste material para mantê-lo em um estado fluidizado.
• A secagem em leito fluidizado depende de fluidização  o teor de
umidade da alimentação é geralmente mais baixo que os usados
em secadores rotativos e do tipo “flash”.
• Dois tipos principais de secadores de leito fluidizado são
encontrados: um tipo circular com um leito profundo (0,5 a 2,0m);
e um tipo retangular com um leito de até 0,2m de profundidade.
Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado
Secadores Circulares
• Temperaturas elevadas na entrada
(800°C); usado para secar carvão,
calcário, escória de alto forno.
• A intensidade do fluxo de ar deve ser
tal que supere a velocidade terminal
do produto, provocando turbulência e
carreando este.
• A composição da corrente de produto
é a igual a composição do leito.
• Incrustações não passíveis de ocorrer
devido o conteúdo do secador esrtá
seco
Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado
Obter 40 t/h de areia seca em um secador de leito fluidizado funcionando
continuamente. A alimentação contém 5% de água em massa e está a 10°C. A
umidade do produto deve ser menor que 0,1% O tamanho médio de partícula é
400μm. O calor específico da areia é 0,84 kJ/kg K. O ar ambiente é aquecido a
750°C pela queima de gás natural. O calor específico do ar é 1,05 kJ/kgK.
Solucão
• Balanço de massa para água e areia:
• Quantidade de água evaporada é dada por:
mH2O,Evap = 2103 – 40 = 2063 kg/h
ENTRAD
A
SAÍDA
ÁGUA 2103 40
AREIA 39960 39960
TOTAL 42063 40000
Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado
• Balanço de energia:
*Tomar a temperatura de saída do gás e do produto como sendo 90°C
1. Evaporar a água / Aquecer o vapor / Aquecer a água contida no produto
Q1 = mH2O,Evap(ΔHH2O + CP,V.T2AR – CP,H2O.T1H2O)
Q1 = 2063(2504 + 1,886.90 – 4,19.10) = 5,43.106 kJ/h
2. Aquecer a areia de sua temperatura inicial até a temperatura de saída.
Q2 = mAREIA.CP,AREIA(T2P – T1P)
Q2 = 39960.0,84(90 – 10) = 2,69.106 kJ/h
3. Aquecer a água que permanece na saída do produto
Q3 = mH2O,S(T1H2O – T2H2O)
Q3 = 40.4,19(90 – 10) = 13,4.103 kJ/h
4. Calor necessário para o processo
QTOTAL1 = Q1 + Q2 + Q3 = 8,2.106 kJ/h
Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado
5. QTOTAL1 é transferido pelo agente de secagem que é resfriado de 750 para 90°C.
*O agente de secagem fornece calor para perdas por convecção e radiação (~1,1).
- Essa é a quantidade de calor que é transferida da combustão do gás natural para o
agente de secagem.
6. Quantidade de calor utilizado para evaporar a água
QTOTAL2 =1,1QTOTAL1
T1AR -T1ÁGUA
T1AR -T2AR
QTOTAL2 =1,1.8,2.106
.
750-10
750-90
=107
kJ / h
QEVAP =
107
2063
= 4,85.103
kJ / h
7. Ventilador de Exaustão
Quantidade de ar a ser utilizada:
O Ventilador de exaustão puxa o ar quente e úmido para os ciclones. A densidade do ar a
90°C é 0,97 kg/m3. A vazão de ar no escoamento livre é:
*O fator 1,1 é usado para levar em consideração a atração de ar de ingresso
A vazão de vapor de água na seção de escoamento livre é:
A vazão total de gás na seção de escoamento livre é 18.103 m3/h
8. Diâmetro do Secador de Leito Fluidizado
*Para evitar o entranhamento excessivo de poeira, uma velocidade superficial de gás um
pouco acima do leito fluidizado de 0,8 m/s é considerada. Esta velocidade é reduzida para
0,4 m/s na seção de desacoplamento. O cálculo do diâmetro do secador é dado por:
P
4
D2
0.8 =18.103
m3
/ h
107
1,05(750-10)
=12,9.103
kg / h
1,1.
12,9.103
0,97
=14,6.103
m3
/ h
2063
0,6
= 3,4.103
m3
/ h
D = 2,82m
Estudo de caso – Secadores rotativos
 Conclusão
BIBLIOGRAFIAS CONSULTADAS
[1] PERRY, R. H., BENSKOW, L. R., BEIMESCH, W. E., et al. Perry’s Chemical
Engineers’ Handbook. 8ed. Nova Iorque: McGraw-Hill, 2008.
[2] KERN, Donald Q. Process Heat Transfert, McGraw-Hill Kogakusha, Tóquio,
1950, 871p.
[3] INCROPERA F.P.; DE WITT D.P. Fundamentals of Heat and Mass Transfer,
John Willey & Sons, New York, 3ª ed, 1990. 970p.
[4] KEEY, R. B. Introduction to industrial drying operations. Oxford: Pergamon
Press, 1978.
[5] PARK, ANTONIO, OLIVEIRA e PARK. Conceitos de Processo e
Equipamentos de Secagem. Disponível em:
http://www.feagri.unicamp.br/ctea/manuais/concproceqsec_07.pdf
[6] SILVA, AFONSO e DONZELLES. Secagem e Secadores. Disponível em:
ftp://ftp.ufv.br/dea/poscolheita/Livro%20Secagem%20e%20e%20Armazenagem%20
de%20Produtos%20Agricolas/livro/mb_cord/mb1/cap5.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenômenos de transporte MecFlu.
Fenômenos de transporte MecFlu.Fenômenos de transporte MecFlu.
Fenômenos de transporte MecFlu.
Ailton Souza
 
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
introdução ao balanço de massa
introdução ao balanço de massaintrodução ao balanço de massa
introdução ao balanço de massa
mlbf23
 
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Rômulo Alexandrino Silva
 
Acidez do leite
Acidez do leiteAcidez do leite
Acidez do leite
fcanico
 
Fluxos em caldeiras
Fluxos em caldeirasFluxos em caldeiras
Fluxos em caldeiras
Clinaldo Guedes
 
Leito fixo
Leito fixoLeito fixo
Evaporacao
EvaporacaoEvaporacao
Evaporacao
alevilaca
 
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOSMETODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
gbm1877
 
111272491 exercicios-resolvidos-termo-ii
111272491 exercicios-resolvidos-termo-ii111272491 exercicios-resolvidos-termo-ii
111272491 exercicios-resolvidos-termo-ii
twolipa
 
Fluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostosFluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostos
Valdineilao Lao
 
Capítulo 1 transferência de calor
Capítulo 1 transferência de calorCapítulo 1 transferência de calor
Capítulo 1 transferência de calor
Jorge Almeida
 
Psicrometria
PsicrometriaPsicrometria
Psicrometria
Francisco Bertini
 
Cristalização
CristalizaçãoCristalização
Cristalização
Silvânia Mendes Moreschi
 
Transf calor conducao
Transf calor conducaoTransf calor conducao
Transf calor conducao
orlado
 
Apostila de operações unitárias
Apostila de operações unitáriasApostila de operações unitárias
Apostila de operações unitárias
IFMT - Pontes e Lacerda
 
Questoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicaQuestoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmica
sjfnet
 
Cristalização
CristalizaçãoCristalização
Cristalização
Angélica Maria Benedetti
 
TORRES DE RESFRIAMENTO
TORRES DE RESFRIAMENTOTORRES DE RESFRIAMENTO
TORRES DE RESFRIAMENTO
Mário Sérgio Mello
 
Operações unitárias
Operações unitárias Operações unitárias
Operações unitárias
Maria Teixiera
 

Mais procurados (20)

Fenômenos de transporte MecFlu.
Fenômenos de transporte MecFlu.Fenômenos de transporte MecFlu.
Fenômenos de transporte MecFlu.
 
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11Aula 14   balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
Aula 14 balanço de energia em processos químicos - 06.05.11
 
introdução ao balanço de massa
introdução ao balanço de massaintrodução ao balanço de massa
introdução ao balanço de massa
 
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
 
Acidez do leite
Acidez do leiteAcidez do leite
Acidez do leite
 
Fluxos em caldeiras
Fluxos em caldeirasFluxos em caldeiras
Fluxos em caldeiras
 
Leito fixo
Leito fixoLeito fixo
Leito fixo
 
Evaporacao
EvaporacaoEvaporacao
Evaporacao
 
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOSMETODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
 
111272491 exercicios-resolvidos-termo-ii
111272491 exercicios-resolvidos-termo-ii111272491 exercicios-resolvidos-termo-ii
111272491 exercicios-resolvidos-termo-ii
 
Fluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostosFluidos problemas resolvidos e propostos
Fluidos problemas resolvidos e propostos
 
Capítulo 1 transferência de calor
Capítulo 1 transferência de calorCapítulo 1 transferência de calor
Capítulo 1 transferência de calor
 
Psicrometria
PsicrometriaPsicrometria
Psicrometria
 
Cristalização
CristalizaçãoCristalização
Cristalização
 
Transf calor conducao
Transf calor conducaoTransf calor conducao
Transf calor conducao
 
Apostila de operações unitárias
Apostila de operações unitáriasApostila de operações unitárias
Apostila de operações unitárias
 
Questoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicaQuestoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmica
 
Cristalização
CristalizaçãoCristalização
Cristalização
 
TORRES DE RESFRIAMENTO
TORRES DE RESFRIAMENTOTORRES DE RESFRIAMENTO
TORRES DE RESFRIAMENTO
 
Operações unitárias
Operações unitárias Operações unitárias
Operações unitárias
 

Destaque

Secagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolasSecagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolas
Danii Morais
 
Projeto silo secador de grãos
Projeto silo secador de grãosProjeto silo secador de grãos
Projeto silo secador de grãos
Portal Canal Rural
 
Secador Industrial (dryer)
Secador Industrial (dryer)Secador Industrial (dryer)
Secador Industrial (dryer)
Ramón López
 
Manual para construção de um secador de frutas
Manual para construção  de um secador de frutasManual para construção  de um secador de frutas
Manual para construção de um secador de frutas
João Siqueira da Mata
 
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Projeto Usina Energia Renovável
Projeto Usina Energia RenovávelProjeto Usina Energia Renovável
Projeto Usina Energia Renovável
Gisa Andrade
 
Projeto Silo de Grãos
Projeto Silo de GrãosProjeto Silo de Grãos
Projeto Silo de Grãos
Marco Coghi
 
471 82
471 82471 82
Aula 5 frutas_desidratadas_curvas_secagem
Aula 5 frutas_desidratadas_curvas_secagemAula 5 frutas_desidratadas_curvas_secagem
Aula 5 frutas_desidratadas_curvas_secagem
Taís Letícia Bernardi
 
Superfrutas
SuperfrutasSuperfrutas
Estrutura e florística de quintais agroflorestais
Estrutura e florística de quintais agroflorestaisEstrutura e florística de quintais agroflorestais
Estrutura e florística de quintais agroflorestais
Ernane Nogueira Nunes
 
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
Luciene Mendes da Silva
 
Manual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueiraManual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueira
Joyce Muzy
 
Dimensionamento de um trocador de calor tipo casco e Tubo
Dimensionamento de um trocador de calor tipo casco e TuboDimensionamento de um trocador de calor tipo casco e Tubo
Dimensionamento de um trocador de calor tipo casco e Tubo
Thomas Willams
 
Diogo - Ferro de Engomar
Diogo - Ferro de EngomarDiogo - Ferro de Engomar
Diogo - Ferro de Engomar
riscas
 
Pesquisas: Do berço ao túmulo
Pesquisas: Do berço ao túmuloPesquisas: Do berço ao túmulo
Pesquisas: Do berço ao túmulo
Profesornc
 
Ana Miguel - Ferro de Engomar
Ana Miguel - Ferro de EngomarAna Miguel - Ferro de Engomar
Ana Miguel - Ferro de Engomar
riscas
 
Hortas urbanas
Hortas urbanasHortas urbanas
Secador
SecadorSecador
Secador
tecnoparador2
 
Manual ferro
Manual ferroManual ferro
Manual ferro
Cínthia Lima
 

Destaque (20)

Secagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolasSecagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolas
 
Projeto silo secador de grãos
Projeto silo secador de grãosProjeto silo secador de grãos
Projeto silo secador de grãos
 
Secador Industrial (dryer)
Secador Industrial (dryer)Secador Industrial (dryer)
Secador Industrial (dryer)
 
Manual para construção de um secador de frutas
Manual para construção  de um secador de frutasManual para construção  de um secador de frutas
Manual para construção de um secador de frutas
 
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
 
Projeto Usina Energia Renovável
Projeto Usina Energia RenovávelProjeto Usina Energia Renovável
Projeto Usina Energia Renovável
 
Projeto Silo de Grãos
Projeto Silo de GrãosProjeto Silo de Grãos
Projeto Silo de Grãos
 
471 82
471 82471 82
471 82
 
Aula 5 frutas_desidratadas_curvas_secagem
Aula 5 frutas_desidratadas_curvas_secagemAula 5 frutas_desidratadas_curvas_secagem
Aula 5 frutas_desidratadas_curvas_secagem
 
Superfrutas
SuperfrutasSuperfrutas
Superfrutas
 
Estrutura e florística de quintais agroflorestais
Estrutura e florística de quintais agroflorestaisEstrutura e florística de quintais agroflorestais
Estrutura e florística de quintais agroflorestais
 
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
 
Manual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueiraManual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueira
 
Dimensionamento de um trocador de calor tipo casco e Tubo
Dimensionamento de um trocador de calor tipo casco e TuboDimensionamento de um trocador de calor tipo casco e Tubo
Dimensionamento de um trocador de calor tipo casco e Tubo
 
Diogo - Ferro de Engomar
Diogo - Ferro de EngomarDiogo - Ferro de Engomar
Diogo - Ferro de Engomar
 
Pesquisas: Do berço ao túmulo
Pesquisas: Do berço ao túmuloPesquisas: Do berço ao túmulo
Pesquisas: Do berço ao túmulo
 
Ana Miguel - Ferro de Engomar
Ana Miguel - Ferro de EngomarAna Miguel - Ferro de Engomar
Ana Miguel - Ferro de Engomar
 
Hortas urbanas
Hortas urbanasHortas urbanas
Hortas urbanas
 
Secador
SecadorSecador
Secador
 
Manual ferro
Manual ferroManual ferro
Manual ferro
 

Semelhante a Secadores Contínuos

Material de aula sobre o processo de secagem- termodinâmica
Material de aula sobre o processo de secagem- termodinâmicaMaterial de aula sobre o processo de secagem- termodinâmica
Material de aula sobre o processo de secagem- termodinâmica
newtonquimicoindustr
 
Slide junto
Slide juntoSlide junto
Slide junto
Davi Lima
 
Injeção de vapor
Injeção de vaporInjeção de vapor
Injeção de vapor
Eduardo Amaral
 
Aula Secagem e Secadores de graos - Copia.pptx
Aula Secagem e Secadores de graos - Copia.pptxAula Secagem e Secadores de graos - Copia.pptx
Aula Secagem e Secadores de graos - Copia.pptx
AlessandraSoaresFeli
 
Rec atm(modulo vi)2005
Rec atm(modulo vi)2005Rec atm(modulo vi)2005
Rec atm(modulo vi)2005
antoniocastrosilva
 
CAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUO
CAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUOCAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUO
CAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUO
Luiz Carlos de Almeida
 
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
itgfiles
 
Trocadores de Calor.ppt
Trocadores de Calor.pptTrocadores de Calor.ppt
Trocadores de Calor.ppt
LayzzaTardindaSilvaS
 
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do GasóleoTFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
FloresbertoMuanda
 
Rec atm modulo_vi_
Rec atm modulo_vi_Rec atm modulo_vi_
Rec atm modulo_vi_
Tatiana Mendes
 
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracaoAshra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Sydney Ipiranga
 
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptxMotor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
JoseLuisPerez387436
 
Caldeiras apostila cg
Caldeiras  apostila cgCaldeiras  apostila cg
Caldeiras apostila cg
Eduardo Teixeira Neto
 
Aula de Operações Unitárias - Destilação
Aula de Operações Unitárias - DestilaçãoAula de Operações Unitárias - Destilação
Aula de Operações Unitárias - Destilação
AntonioRimaciMiguelJ1
 
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdfM2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
Susana Gariso
 
12 ciclos de refrigeração 2015
12   ciclos de refrigeração 201512   ciclos de refrigeração 2015
12 ciclos de refrigeração 2015
Marcos Cuzzuol
 
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Antonio Carlos
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Antonio Carlos
 
Emissao poluentes
Emissao poluentesEmissao poluentes
Emissao poluentes
Heron Soares
 

Semelhante a Secadores Contínuos (20)

Material de aula sobre o processo de secagem- termodinâmica
Material de aula sobre o processo de secagem- termodinâmicaMaterial de aula sobre o processo de secagem- termodinâmica
Material de aula sobre o processo de secagem- termodinâmica
 
Slide junto
Slide juntoSlide junto
Slide junto
 
Injeção de vapor
Injeção de vaporInjeção de vapor
Injeção de vapor
 
Aula Secagem e Secadores de graos - Copia.pptx
Aula Secagem e Secadores de graos - Copia.pptxAula Secagem e Secadores de graos - Copia.pptx
Aula Secagem e Secadores de graos - Copia.pptx
 
Rec atm(modulo vi)2005
Rec atm(modulo vi)2005Rec atm(modulo vi)2005
Rec atm(modulo vi)2005
 
CAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUO
CAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUOCAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUO
CAPL - LINHA DE RECOZIMENTO CONTÍNUO
 
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
17.ago ouro i 14.30_412_cemig-d
 
Trocadores de Calor.ppt
Trocadores de Calor.pptTrocadores de Calor.ppt
Trocadores de Calor.ppt
 
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do GasóleoTFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
 
Rec atm modulo_vi_
Rec atm modulo_vi_Rec atm modulo_vi_
Rec atm modulo_vi_
 
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracaoAshra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
Ashra 90 1 cop aquecimento e refrigeracao
 
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptxMotor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
Motor_a_Vapor_e_Refrigeradore_FINAL.pptx
 
Caldeiras apostila cg
Caldeiras  apostila cgCaldeiras  apostila cg
Caldeiras apostila cg
 
Aula de Operações Unitárias - Destilação
Aula de Operações Unitárias - DestilaçãoAula de Operações Unitárias - Destilação
Aula de Operações Unitárias - Destilação
 
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdfM2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
M2 - 4499 - Operações Unitárias na Industria.pdf
 
12 ciclos de refrigeração 2015
12   ciclos de refrigeração 201512   ciclos de refrigeração 2015
12 ciclos de refrigeração 2015
 
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
 
Emissao poluentes
Emissao poluentesEmissao poluentes
Emissao poluentes
 

Secadores Contínuos

  • 1. SECADORES Cálculo de projeto para secadores contínuos Disciplina: Operações Unitárias II Docente: Daiane Discentes: Renato Leitão e Stéfano Praxedes
  • 2. Tópicos a serem apresentados Princípios de secagem Conceituação geral Mecanismos de migração de umidade Classificação Estudo de caso 1: Secador Rotativo Estudo de caso 2: Secador em Leito Fluidizado Curva de secagem
  • 3. Conceituação geral  Princípios de secagem  A secagem tem a finalidade de eliminar um líquido volátil contido num corpo não volátil, através de evaporação. Portanto, a secagem de nosso interesse é caracterizada pela evaporação da água do material.  Durante a secagem é necessário um fornecimento de calor para evaporar a umidade do material e também deve haver um sorvedor de umidade para remover o vapor água, formado a partir da superfície do material a ser seco.
  • 4. Conceituação geral  Mecanismos de migração da umidade  O movimento de água do interior do material até à superfície é analisado pelos mecanismos de TM, que indicará a dificuldade de secagem o Difusão líquida o Difusão de vapor o Escoamente de um líquido e de vapor
  • 5. Conceituação geral  Curva de secagem Diminuição do teor de água do produto durante a secagema curva obtida pesando o produto durante a secagem numa determinada condição de secagem. Representa a variação da temperatura do produto durante a secagem. Representa a velocidade (taxa) de secagem do produto (variação do conteúdo de umidade do produto por tempo, dX/dt em relação à evolução do tempo t), isto é, é a curva obtida diferenciando a curva (a)
  • 6. Critérios para Classificação  Devido à grande variedade de tipos de produtos que devem ser secos por diferentes métodos, existe também uma variedade de projeto de secadores.  Os critérios para se classificar os secadores são muitos.
  • 8. Tipos de Secadores de Grãos: Secadores Contínuos  O grão fica constatemente sob ação do calor, até que seu teor de umidade atinja um valor desejado.  Há um fluxo constante de produto no interior do secador e, simultaneamente, há grãos úmidos entrando, grãos em fase de secagem e grãos secos e frios sendo descarregados.  A secagem ocorre, geralmente, em duas etapas bem definidas: • Primeira etapa: a massa de grãos é atravessada por um fluxo de ar quente, que tem por finalidadade a secagem propriamente dita; • Segunda etapa: o produto é atravessado por um fluxo de ar com temperatura ambiente, que tem como finalidade resfriá-lo.
  • 9.  O produto passa por um mecanismo de regulagem de fluxo que determinará o tempo de exposição ao ar de secagem (tempo de residência).  A secagem contínua é indicada para grande quantidade de produto e tem como vantagem a redução de tempo total de secagem (eliminação da operação de carga /descarga).  No caso da secagem de sementes em geral, torna-se difícil operar os secadores contínuos, uma vez que a temperatura do ar de secagem deve ser menor do que aquela utilizada para grãos (trincas nos grãos). Tipos de Secadores de Grãos: Secadores Contínuos
  • 10. Estudo de caso – Secadores rotativos  Principais usos:  Secagem de pastas que não formam aglomerado ( ex.: massa de bolo Vilma, alguns catalisadores.)  Sólidos de fluxo livre (ex.: grãos em geral, minério)  Fatores importantes a serem considerados na hora da seleção de um secador  Modo pelo qual o calor é fornecido ao material (Condução, Convecção ou Radiação)  Temperatura e pressão de operação ( altas ou baixas temperaturas; secagem atm ou a vácuo)  Maneira pela qual o material se comporta dentro do secador ( tipo)
  • 11. Estudo de caso – Secadores rotativos  Diagrama esquemático de um secador rotativo
  • 12. Estudo de caso – Secadores rotativos  Descrição do problema Para a secagem de pellets de catalisador, os engenheiros de uma determinada indústria decidiram que um secador rotativo direto será adequado, e investigaram o desempenho do secador em uma planta piloto, afim de obter dados para o aumento de escala. A produção F deverá ser de 350 kg/h em base seca. Os pellets tem forma cilíndrica, aproximadamente 1 cm de comprimento e 1 cm de diâmetro, a sua densidade aparente ρb é 570 kg/m³ , o calor específico Cps é 1kJ/kg K, e o teor de umidade X0 , de acordo com resultados anteriores de funcionamento da unidade fabril, é de 0,65 kg/kg db. O produto final, de modo a ser estável tem de ter um conteúdo de unidade X de até 0,05 kg/kg db. O material não adere ao secador, contudo é sensível a altas temperaturas. A temperatura inicial T1ar não pode exceder 150-179 °C. O fluido de aquecimento será o ar. Um permutador de calor de vapor-ar será usado para o aquecimento. A velocidade do ar deve ser controlada para não arrastar produto. A Tab.1 apresenta os parâmetros de operação da planta piloto.
  • 13. Estudo de caso – Secadores rotativos  Modelagem do problema T1ar=160 °C T2ar=65 °C Tw = 40 °C uperm = 3 kg/m²s τ=0.35h T2p=45 °C T1p=25 °C
  • 14. Estudo de caso – Secadores rotativos
  • 15. Estudo de caso – Secadores rotativos  Equações de projeto  Balanço de Massa  Massa total alimentada:  Massa total na saída do secador:  Taxa de evaporação de água mw (kg/h): Onde, F: produção em base seca X0: teor de umidade na entrada do secador X: teor de umidade na saída do secador Balanço de Energia  O calor fornecido nos secadores são utilizados para 5 princípios diferentes na operação unitária de secagem, são eles: 0 1 FX F F   FX F F2   2 1 w F - F m 
  • 16. Estudo de caso – Secadores rotativos  Primeiro: Para aquecer a água contida no produto , onde Cpw é o calor específico da água  Segundo: Para evaporar a água que sai do material. , onde ΔHw é o calor de vaporização da água (kJ/kg)  Terceiro: Para aquecer o vapor da temperatura inicial de bulbo úmido até a temperatura de saída do ar. , onde Cpv é o calor específico do vapor  Quarto: Para aquecer o material sólido de sua temperatura inicial até a temperatura de saída. , onde Cps é o calor específico do catalisador ) T - (T FC Q m1 m2 ps 4  ) T - (T C m Q 1p w pw w 1  ) T - (T C m Q w 2ar pv w 3  H m Q w w 2  
  • 17. Estudo de caso – Secadores rotativos  Quinto: Para aquecer a água que permanece na saída do produto Assim, o calor total transferido para o produto é determinado adicionando o fator corretivo α: α: é um fator que compensa as perdas de calor devido à condução entre a superfície externa do secador e o ar atmosférico, devido a radiação. *Estas perdas são estimadas em cerca de 7,5-10% do consumo de calor.  Equações de dimensionamento  Taxa de massa de ar G necessária afim de transferir uma quantidade suficiente de calor para secagem: ) ( 2 1 , ar ar ar p T T C Q G   ) Q Q Q Q )(Q (1 Q 5 4 3 2 1        ) T - (T FXC Q m1 m2 pw 5 
  • 18. Estudo de caso – Secadores rotativos  Diâmetro D do secador:  Volume V do secador:  Comprimento L do secador: * Na prática uma relação L/D deve estar entre 4-10 para um ótimo desempenho do secador.          perm ju G D  3600 4 s H F V   2  2 4 D V L   H s   : Tempo de residência do produto : Densidade aparente do catalisador : Resistência à secagem (demora)
  • 19. Estudo de caso – Secadores rotativos  Equações de desempenho  Numero de unidades de transferência de calor NT:  Quantidade de calor fornecida ao permutador de calor para aquecimento do fluxo de ar da temperatura atmosférica T0 para a temperatura de entrada no secador, T1ar. Eficiência térmica : w ar w ar T T T T T N    2 1 ln ) ( 0 1 , T T GC Q ar ar p he   he th Q Q Q Q Q Q n 5 4 3 2 1     
  • 20. Estudo de caso – Secadores rotativos  Resultado dos cálculos
  • 21. Estudo de caso – Secadores rotativos  Resultado dos cálculos  Aquecendo a massa de catalisador de 25 – 40 °C 33 42 51 66 80 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 350 450 550 700 850 kJ/h kg/h db Redução energética no cooler Planilha
  • 22. Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado • Um secador de leito fluidizado contínuo é um equipamento no qual uma alimentação contínua de material particulado úmido é seco por contato com ar aquecido que é soprado através do leito deste material para mantê-lo em um estado fluidizado. • A secagem em leito fluidizado depende de fluidização  o teor de umidade da alimentação é geralmente mais baixo que os usados em secadores rotativos e do tipo “flash”. • Dois tipos principais de secadores de leito fluidizado são encontrados: um tipo circular com um leito profundo (0,5 a 2,0m); e um tipo retangular com um leito de até 0,2m de profundidade.
  • 23. Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado Secadores Circulares • Temperaturas elevadas na entrada (800°C); usado para secar carvão, calcário, escória de alto forno. • A intensidade do fluxo de ar deve ser tal que supere a velocidade terminal do produto, provocando turbulência e carreando este. • A composição da corrente de produto é a igual a composição do leito. • Incrustações não passíveis de ocorrer devido o conteúdo do secador esrtá seco
  • 24. Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado Obter 40 t/h de areia seca em um secador de leito fluidizado funcionando continuamente. A alimentação contém 5% de água em massa e está a 10°C. A umidade do produto deve ser menor que 0,1% O tamanho médio de partícula é 400μm. O calor específico da areia é 0,84 kJ/kg K. O ar ambiente é aquecido a 750°C pela queima de gás natural. O calor específico do ar é 1,05 kJ/kgK. Solucão • Balanço de massa para água e areia: • Quantidade de água evaporada é dada por: mH2O,Evap = 2103 – 40 = 2063 kg/h ENTRAD A SAÍDA ÁGUA 2103 40 AREIA 39960 39960 TOTAL 42063 40000
  • 25. Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado • Balanço de energia: *Tomar a temperatura de saída do gás e do produto como sendo 90°C 1. Evaporar a água / Aquecer o vapor / Aquecer a água contida no produto Q1 = mH2O,Evap(ΔHH2O + CP,V.T2AR – CP,H2O.T1H2O) Q1 = 2063(2504 + 1,886.90 – 4,19.10) = 5,43.106 kJ/h 2. Aquecer a areia de sua temperatura inicial até a temperatura de saída. Q2 = mAREIA.CP,AREIA(T2P – T1P) Q2 = 39960.0,84(90 – 10) = 2,69.106 kJ/h 3. Aquecer a água que permanece na saída do produto Q3 = mH2O,S(T1H2O – T2H2O) Q3 = 40.4,19(90 – 10) = 13,4.103 kJ/h 4. Calor necessário para o processo QTOTAL1 = Q1 + Q2 + Q3 = 8,2.106 kJ/h
  • 26. Estudo de caso – Secadores em Leito Fluidizado 5. QTOTAL1 é transferido pelo agente de secagem que é resfriado de 750 para 90°C. *O agente de secagem fornece calor para perdas por convecção e radiação (~1,1). - Essa é a quantidade de calor que é transferida da combustão do gás natural para o agente de secagem. 6. Quantidade de calor utilizado para evaporar a água QTOTAL2 =1,1QTOTAL1 T1AR -T1ÁGUA T1AR -T2AR QTOTAL2 =1,1.8,2.106 . 750-10 750-90 =107 kJ / h QEVAP = 107 2063 = 4,85.103 kJ / h
  • 27. 7. Ventilador de Exaustão Quantidade de ar a ser utilizada: O Ventilador de exaustão puxa o ar quente e úmido para os ciclones. A densidade do ar a 90°C é 0,97 kg/m3. A vazão de ar no escoamento livre é: *O fator 1,1 é usado para levar em consideração a atração de ar de ingresso A vazão de vapor de água na seção de escoamento livre é: A vazão total de gás na seção de escoamento livre é 18.103 m3/h 8. Diâmetro do Secador de Leito Fluidizado *Para evitar o entranhamento excessivo de poeira, uma velocidade superficial de gás um pouco acima do leito fluidizado de 0,8 m/s é considerada. Esta velocidade é reduzida para 0,4 m/s na seção de desacoplamento. O cálculo do diâmetro do secador é dado por: P 4 D2 0.8 =18.103 m3 / h 107 1,05(750-10) =12,9.103 kg / h 1,1. 12,9.103 0,97 =14,6.103 m3 / h 2063 0,6 = 3,4.103 m3 / h D = 2,82m
  • 28. Estudo de caso – Secadores rotativos  Conclusão
  • 29. BIBLIOGRAFIAS CONSULTADAS [1] PERRY, R. H., BENSKOW, L. R., BEIMESCH, W. E., et al. Perry’s Chemical Engineers’ Handbook. 8ed. Nova Iorque: McGraw-Hill, 2008. [2] KERN, Donald Q. Process Heat Transfert, McGraw-Hill Kogakusha, Tóquio, 1950, 871p. [3] INCROPERA F.P.; DE WITT D.P. Fundamentals of Heat and Mass Transfer, John Willey & Sons, New York, 3ª ed, 1990. 970p. [4] KEEY, R. B. Introduction to industrial drying operations. Oxford: Pergamon Press, 1978. [5] PARK, ANTONIO, OLIVEIRA e PARK. Conceitos de Processo e Equipamentos de Secagem. Disponível em: http://www.feagri.unicamp.br/ctea/manuais/concproceqsec_07.pdf [6] SILVA, AFONSO e DONZELLES. Secagem e Secadores. Disponível em: ftp://ftp.ufv.br/dea/poscolheita/Livro%20Secagem%20e%20e%20Armazenagem%20 de%20Produtos%20Agricolas/livro/mb_cord/mb1/cap5.pdf

Notas do Editor

  1. -Convecção é o modo mais comum para transferência de calor em secadores; - A maioria dos secadores são operados a pressão atm. As operações em vácuo são caras e indicada para produtos que operem a baixas pressões ou para produtos que não podem operar na presença de oxigênio;
  2. -Atomizador de vapor aumenta a eficiência da queima do combustível; -Ar para purga do sistema – auxilia na limpeza da caixa de combustão; purga possíveis aglomerados da combustão ou de refluxo do material
  3. Tw-temperatura de bulbo umido do ar de secagem t – temperatura de residência Uperm=velocidade do ar permissível
  4. Tabela com a síntese dos dados fornecidos no problema e alguns outros encontrados na literatura, como o perry.
  5. j é um fator de proporção igual a 0,85. 3600 é para correção das unidades