SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO A
ENGENHARIA E MEIO
AMBIENTE
Aula 6 – Conceitos sobre Produção mais
limpa
Conceitos Modernos
• Prevenção da Poluição
Atividades que visam eliminar ou reduzir a
geração de poluentes.
• Produção mais Limpa
Desenvolvimento de métodos de produção
baseados no conceito de prevenção da
poluição.
Prevenção da Poluição
Conceito
desenvolvido
como
alternativa
ao
controle
da
poluição;
• Estratégia que desloca o foco do
controle
da
poluição
para
estratégias que procuram evitar
a emissão de poluentes;

•

Requer uma mudança na
maneira de avaliar as atividades
humanas.

antropomidia.com
Prevenção da Poluição
• Em vários países onde é aplicado, o conceito
de prevenção da poluição tem demonstrado
ser uma estratégia econômica e ambiental
mais efetiva que os métodos tradicionais de
controle da poluição;

alternativa ao controle da poluição
Definição de Prevenção da Poluição
(USEPA)
• Qualquer prática que:
– Reduz a quantidade de qualquer substância perigosa ou
poluente, incorporado aos resíduos, ou que sejam lançados no
ambiente antes da reciclagem, tratamento ou disposição;

– Reduz os riscos à saúde pública e ao meio ambiente
associados com o lançamento dessas substâncias, poluentes ou
contaminantes;
– Reduz ou elimina a criação de poluentes através do aumento
da eficiência no uso de matérias primas ou protege os
recursos naturais por meio da conservação.
Produção mais limpa
• Estratégia para o desenvolvimento das atividades, com base
nos conceitos de prevenção da poluição;
•

Pode ser empregada mesmo na fase de projeto
empreendimento, obtendo-se melhores resultados.

do

• Aplicação de uma estratégia ambiental preventiva integrada,
aplicada a processos, produtos e serviços, para aumentar a
eficiência global e reduzir riscos para a saúde humana e o
meio ambiente;
• Pode ser aplicada a processos usados em qualquer indústria, a
produtos em si e a vários serviços providos na sociedade;
Produção mais limpa
• Para processos produtivos, a P+L resulta em medidas de:

–

Conservação de matérias-primas, água e energia; eliminação de
substâncias tóxicas e matérias-primas perigosas; redução da quantidade e
toxicidade de todas as emissões e resíduos na fonte geradora durante o
processo produtivo, de modo isolado ou combinadas.

• Para produtos, a P+L visa:
– Reduzir os impactos ambientais e de saúde, além da segurança dos
produtos em todo o seu ciclo de vida, desde a extração de matériasprimas, manufatura e uso até a disposição final do produto.
• Para serviços, a P+L implica em:
– Incorporar a preocupação ambiental no projeto e na realização dos
serviços
Qual o Papel do Engenheiro?
• Integrar às suas atividades os Novos conceitos de desenvolvimento;
• Avaliar os processos de forma integrada;
• Multidisciplinaridade e trabalho em equipe.

Qual o Modo de Atuação
• Conhecer as relações existentes entre as atividades humanas e o
meio ambiente;

• Aprender com as lições do passado;
• Ser capaz de promover mudanças.
Utilizando o raciocínio crítico
Na atualidade a velocidade das informações é sem
precedentes;
•

A sua interpretação
sistêmica;

requer

uma

abordagem

• A razão é para que não sejam consolidadas e
proliferados conceitos equivocados.

• Para isto pode se utilizar a abordagem do raciocínio
crítico.
Como utilizar o raciocínio crítico
Obtenha todas as informações;
• Compreenda todos os termos;
• Questione como as informações ou fatos foram obtidos;

• Questione a fonte das informações;
• Questione as conclusões;
• Esteja preparado e tolere as incertezas;
• Examine a situação de forma abrangente.
Atividade
Ações para o desenvolvimento sustentável local.
Embora ocorram grandes discussões, a implementação de ações objetivas
tem sido muito lenta, em grande parte devido à complexidade do cenário
multifacetado das nações, ao desequilíbrio da organização institucional do
mundo e aos interesses políticos e econômicos específicos. No entanto a
saída para equacionar os conflitos parece estar pautada nas ações locais
de sustentabilidade. Do pensamento ecológico “agir localmente, pensar
globalmente”. Para que se alcancem os objetivos de sustentabilidade é
importante que o trabalho iniciado prossiga em diversas frentes, em
âmbito global e local, com a modificação dos sistemas produtivos e das
práticas de uso dos recursos naturais.
Neste sentido através dos 21 objetivos da AGENDA 21 elabore PROPOSTAS
DE AÇÕES para a RMC.
Atividade
• Objetivo 1 – Produção e consumo sustentáveis contra a cultura do desperdício.

• Objetivo 2 – Ecoeficiência e responsabilidade social das empresas.
• Objetivo 3 – Retomada do planejamento estratégico, infra-estrutura e integração regional.
• Objetivo 4 – A energia renovável e a biomassa.
• Objetivo 5 – Informação e conhecimento para o desenvolvimento sustentável.
• Objetivo 6 – Educação permanente para o trabalho e a vida.
• Objetivo 7 – Promover a saúde e evitar a doença, democratizando o SUS.
• Objetivo 8 – Inclusão social e distribuição de renda.

• Objetivo 9 – Universalizar o saneamento ambiental protegendo o ambiente e a saúde.
• Objetivo 10 – A gestão do espaço urbano e a autoridade metropolitana
Atividade
• Objetivo 11 – Desenvolvimento sustentável do Brasil rural.
• Objetivo 12 – Promoção da agricultura sustentável.
• Objetivo 13 – Promover a Agenda 21 Local e o desenvolvimento integrado e sustentável.
• Objetivo 14 – Implantar o transporte de massa e a mobilidade sustentável.
• Objetivo 15 – Preservar a quantidade e melhorar a qualidade da água nas bacias hidrográficas.
• Objetivo 16 – Política florestal, controle do desmatamento e corredores de biodiversidade.
• Objetivo 17 – Descentralização e pacto federativo: parcerias, consórcios e o poder local.
• Objetivo 18 – Modernização do Estado: gestão ambiental e instrumentos econômicos.
• Objetivo 19 – Relações internacionais e governança global para o desenvolvimento sustentável.
• Objetivo 20 – Cultura cívica e novas identidades na sociedade da comunicação.
• Objetivo 21 – Pedagogia da sustentabilidade: ética e solidariedade.
Material consultado
• http://www.gesamb.pt/upload/gesamb/img/Pegada_Ecologica.pdf
• Introdução a Engenharia Ambiental – 2º ed. São Paulo: Pearson
Prentice, 2005
• PHD 2219 - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA AMBIENTAL A Crise
Ambiental e Conceitos sobre Poluição - José Carlos Mierzwa
• Reflexões sobre o futuro da sustentabilidade urbana com base em
um enfoque socioambiental Laura Machado de Mello Bueno cadernos metrópole 19 pp. 99-121 10 sem. 2008
Material consultado
• PHD 2219 – Introdução à Engenharia Ambiental Aula 2 –
Desenvolvimento sustentável, prevenção à poluição e
produção mais limpa. USP, Faculdade de Engenharia
Ambiental

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 prevenção a poluição
Aula 4   prevenção a poluiçãoAula 4   prevenção a poluição
Aula 4 prevenção a poluição
Giovanna Ortiz
 
Aula 1 GestãO Ambiental E Responsabilidade Social Slide
Aula 1    GestãO Ambiental E Responsabilidade Social   SlideAula 1    GestãO Ambiental E Responsabilidade Social   Slide
Aula 1 GestãO Ambiental E Responsabilidade Social Slide
budhamider
 
gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
Neilany Sousa
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
Giovanna Ortiz
 
Gestao ambiental
Gestao ambientalGestao ambiental
Gestao ambiental
amattos76
 
gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
Gisele Fernandes
 
pnrs
pnrspnrs
Políticas públicas ambientais no brasil mitigação das mudanças climáticas
Políticas públicas ambientais no brasil mitigação das mudanças climáticasPolíticas públicas ambientais no brasil mitigação das mudanças climáticas
Políticas públicas ambientais no brasil mitigação das mudanças climáticas
Jeferson Valdir da Silva
 
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidadeCafé & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Cra-es Conselho
 
Gestão ambiental
Gestão ambientalGestão ambiental
Gestão ambiental
Edvaldo Amorim
 
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOSPOLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
GUILHERME FRANÇA
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Julyanne Rodrigues
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
Giovanna Ortiz
 
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2   introdução a qualidade ambiental qualidadeAula 2   introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Giovanna Ortiz
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição AmbientalControle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
UN Joint Office of UNDP, UNFPA and UNICEF (Environment Energy and Disaster Prevention Unit)
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Milton Henrique do Couto Neto
 
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge RoccoSeminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
ciespjacarei
 
GESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTALGESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTAL
Filipa Andrade
 

Mais procurados (20)

Aula 4 prevenção a poluição
Aula 4   prevenção a poluiçãoAula 4   prevenção a poluição
Aula 4 prevenção a poluição
 
Aula 1 GestãO Ambiental E Responsabilidade Social Slide
Aula 1    GestãO Ambiental E Responsabilidade Social   SlideAula 1    GestãO Ambiental E Responsabilidade Social   Slide
Aula 1 GestãO Ambiental E Responsabilidade Social Slide
 
gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
 
Gestao ambiental
Gestao ambientalGestao ambiental
Gestao ambiental
 
gestão ambiental
gestão ambientalgestão ambiental
gestão ambiental
 
pnrs
pnrspnrs
pnrs
 
Políticas públicas ambientais no brasil mitigação das mudanças climáticas
Políticas públicas ambientais no brasil mitigação das mudanças climáticasPolíticas públicas ambientais no brasil mitigação das mudanças climáticas
Políticas públicas ambientais no brasil mitigação das mudanças climáticas
 
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidadeCafé & gestão -  gestão ambiental e sustentabilidade
Café & gestão - gestão ambiental e sustentabilidade
 
Gestão ambiental
Gestão ambientalGestão ambiental
Gestão ambiental
 
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOSPOLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SOLIDOS
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2   introdução a qualidade ambiental qualidadeAula 2   introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição AmbientalControle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
 
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidosGestão Ambiental 04 -  gerenciamento de resíduos sólidos
Gestão Ambiental 04 - gerenciamento de resíduos sólidos
 
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagemGestão Ambiental 05 -  politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
Gestão Ambiental 05 - politica nacional para resíduos sólidos e reciclagem
 
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge RoccoSeminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
Seminário sobre Resíduos Sólidos - Apresentação de Jorge Rocco
 
GESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTALGESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTAL
 

Destaque

Taa 1
Taa 1Taa 1
Taa 4
Taa 4Taa 4
Taa 6
Taa 6Taa 6
Taa 7
Taa 7Taa 7
Taa 3
Taa 3Taa 3
Tratamento de água de abastecimento
Tratamento de água de abastecimento Tratamento de água de abastecimento
Tratamento de água de abastecimento
Giovanna Ortiz
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 20 indicadores
Aula 20 indicadoresAula 20 indicadores
Aula 20 indicadores
Giovanna Ortiz
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Taa 5
Taa 5Taa 5
Taa 2
Taa 2Taa 2
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Giovanna Ortiz
 
Aula 3 planos ambientais e inventários
Aula 3   planos ambientais e inventáriosAula 3   planos ambientais e inventários
Aula 3 planos ambientais e inventários
Giovanna Ortiz
 
Introdução apresentação geral do curso
Introdução   apresentação geral do cursoIntrodução   apresentação geral do curso
Introdução apresentação geral do curso
Giovanna Ortiz
 
Introdução aula 2
Introdução   aula 2Introdução   aula 2
Introdução aula 2
Giovanna Ortiz
 
Introdução aula 4
Introdução   aula 4Introdução   aula 4
Introdução aula 4
Giovanna Ortiz
 
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Aula 8   dimensionamento de lodos ativadosAula 8   dimensionamento de lodos ativados
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Giovanna Ortiz
 
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasbDimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
Giovanna Ortiz
 
António Pires dos Santos - IBM
António Pires dos Santos - IBMAntónio Pires dos Santos - IBM
António Pires dos Santos - IBM
Construção Sustentável
 
Orlando Resende - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de ...
Orlando Resende - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de ...Orlando Resende - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de ...
Orlando Resende - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de ...
FGV | Fundação Getulio Vargas
 

Destaque (20)

Taa 1
Taa 1Taa 1
Taa 1
 
Taa 4
Taa 4Taa 4
Taa 4
 
Taa 6
Taa 6Taa 6
Taa 6
 
Taa 7
Taa 7Taa 7
Taa 7
 
Taa 3
Taa 3Taa 3
Taa 3
 
Tratamento de água de abastecimento
Tratamento de água de abastecimento Tratamento de água de abastecimento
Tratamento de água de abastecimento
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 
Aula 20 indicadores
Aula 20 indicadoresAula 20 indicadores
Aula 20 indicadores
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Taa 8
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Taa 5
 
Taa 2
Taa 2Taa 2
Taa 2
 
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
 
Aula 3 planos ambientais e inventários
Aula 3   planos ambientais e inventáriosAula 3   planos ambientais e inventários
Aula 3 planos ambientais e inventários
 
Introdução apresentação geral do curso
Introdução   apresentação geral do cursoIntrodução   apresentação geral do curso
Introdução apresentação geral do curso
 
Introdução aula 2
Introdução   aula 2Introdução   aula 2
Introdução aula 2
 
Introdução aula 4
Introdução   aula 4Introdução   aula 4
Introdução aula 4
 
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Aula 8   dimensionamento de lodos ativadosAula 8   dimensionamento de lodos ativados
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
 
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasbDimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
 
António Pires dos Santos - IBM
António Pires dos Santos - IBMAntónio Pires dos Santos - IBM
António Pires dos Santos - IBM
 
Orlando Resende - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de ...
Orlando Resende - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de ...Orlando Resende - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de ...
Orlando Resende - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de ...
 

Semelhante a Introdução aula 6

Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
Cadernos PPT
 
Impacto ambiental
Impacto ambientalImpacto ambiental
Impacto ambiental
Francisco Carvalho
 
Gestoambiental 111126115822-phpapp01
Gestoambiental 111126115822-phpapp01Gestoambiental 111126115822-phpapp01
Gestoambiental 111126115822-phpapp01
Adonias Paulo da Silva
 
Projetos verdes
Projetos verdesProjetos verdes
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
Danielle Anjos
 
Apresentação Jorge Arbache Rio +20
Apresentação Jorge Arbache Rio +20Apresentação Jorge Arbache Rio +20
Apresentação Jorge Arbache Rio +20
farbache
 
prevenção de poluição.pptx
prevenção de poluição.pptxprevenção de poluição.pptx
prevenção de poluição.pptx
ssuser51d27c1
 
Painel II – Educar Para a Sustentabilidade: Joana Oliveira - 'LIPOR rumo à su...
Painel II – Educar Para a Sustentabilidade: Joana Oliveira - 'LIPOR rumo à su...Painel II – Educar Para a Sustentabilidade: Joana Oliveira - 'LIPOR rumo à su...
Painel II – Educar Para a Sustentabilidade: Joana Oliveira - 'LIPOR rumo à su...
CIDAADS
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
Epitacio Gomes
 
Escriturário Banco do Brasil - Gestão da Sustentabilidade
Escriturário Banco do Brasil - Gestão da SustentabilidadeEscriturário Banco do Brasil - Gestão da Sustentabilidade
Escriturário Banco do Brasil - Gestão da Sustentabilidade
Jailma Gomez
 
Aula 01 Considerações Iniciais
Aula 01   Considerações IniciaisAula 01   Considerações Iniciais
Aula 01 Considerações Iniciais
Luiz Anselmo Tourinho
 
Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011
Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011
Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011
Empresa Verde Consultoria Sustentabilidade
 
Riscos ambientais e desevenvolvimento sustentável
Riscos ambientais e desevenvolvimento sustentávelRiscos ambientais e desevenvolvimento sustentável
Riscos ambientais e desevenvolvimento sustentável
Winer Augusto da Fonseca
 
Economia Circular
Economia CircularEconomia Circular
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florenceApresentacao fkl sustentar_ago11 florence
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence
forumsustentar
 
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence 17_00
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence 17_00Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence 17_00
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence 17_00
forumsustentar
 
Marketing Sustentável - Dialogus Consultoria
Marketing Sustentável - Dialogus ConsultoriaMarketing Sustentável - Dialogus Consultoria
Marketing Sustentável - Dialogus Consultoria
Dialogus Consultoria
 
Impsa relatório de sustentabilidade 2010-12
Impsa   relatório de sustentabilidade 2010-12Impsa   relatório de sustentabilidade 2010-12
Impsa relatório de sustentabilidade 2010-12
wesleyfteixeira
 
Artigo gestão
Artigo gestãoArtigo gestão
Artigo gestão
catty27
 
Desenvolvimento sustentável corporativo made in forest - mar13
Desenvolvimento sustentável corporativo   made in forest - mar13Desenvolvimento sustentável corporativo   made in forest - mar13
Desenvolvimento sustentável corporativo made in forest - mar13
Made in Forest
 

Semelhante a Introdução aula 6 (20)

Gestão Ambiental
Gestão AmbientalGestão Ambiental
Gestão Ambiental
 
Impacto ambiental
Impacto ambientalImpacto ambiental
Impacto ambiental
 
Gestoambiental 111126115822-phpapp01
Gestoambiental 111126115822-phpapp01Gestoambiental 111126115822-phpapp01
Gestoambiental 111126115822-phpapp01
 
Projetos verdes
Projetos verdesProjetos verdes
Projetos verdes
 
Unidade i
Unidade iUnidade i
Unidade i
 
Apresentação Jorge Arbache Rio +20
Apresentação Jorge Arbache Rio +20Apresentação Jorge Arbache Rio +20
Apresentação Jorge Arbache Rio +20
 
prevenção de poluição.pptx
prevenção de poluição.pptxprevenção de poluição.pptx
prevenção de poluição.pptx
 
Painel II – Educar Para a Sustentabilidade: Joana Oliveira - 'LIPOR rumo à su...
Painel II – Educar Para a Sustentabilidade: Joana Oliveira - 'LIPOR rumo à su...Painel II – Educar Para a Sustentabilidade: Joana Oliveira - 'LIPOR rumo à su...
Painel II – Educar Para a Sustentabilidade: Joana Oliveira - 'LIPOR rumo à su...
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Escriturário Banco do Brasil - Gestão da Sustentabilidade
Escriturário Banco do Brasil - Gestão da SustentabilidadeEscriturário Banco do Brasil - Gestão da Sustentabilidade
Escriturário Banco do Brasil - Gestão da Sustentabilidade
 
Aula 01 Considerações Iniciais
Aula 01   Considerações IniciaisAula 01   Considerações Iniciais
Aula 01 Considerações Iniciais
 
Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011
Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011
Palestra sustentabilidade na Prática Hotel Blue Tree Premium Morumbi SP 2011
 
Riscos ambientais e desevenvolvimento sustentável
Riscos ambientais e desevenvolvimento sustentávelRiscos ambientais e desevenvolvimento sustentável
Riscos ambientais e desevenvolvimento sustentável
 
Economia Circular
Economia CircularEconomia Circular
Economia Circular
 
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florenceApresentacao fkl sustentar_ago11 florence
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence
 
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence 17_00
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence 17_00Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence 17_00
Apresentacao fkl sustentar_ago11 florence 17_00
 
Marketing Sustentável - Dialogus Consultoria
Marketing Sustentável - Dialogus ConsultoriaMarketing Sustentável - Dialogus Consultoria
Marketing Sustentável - Dialogus Consultoria
 
Impsa relatório de sustentabilidade 2010-12
Impsa   relatório de sustentabilidade 2010-12Impsa   relatório de sustentabilidade 2010-12
Impsa relatório de sustentabilidade 2010-12
 
Artigo gestão
Artigo gestãoArtigo gestão
Artigo gestão
 
Desenvolvimento sustentável corporativo made in forest - mar13
Desenvolvimento sustentável corporativo   made in forest - mar13Desenvolvimento sustentável corporativo   made in forest - mar13
Desenvolvimento sustentável corporativo made in forest - mar13
 

Mais de Giovanna Ortiz

Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Giovanna Ortiz
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
Giovanna Ortiz
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
Giovanna Ortiz
 
Aula 8 incineração
Aula 8 incineraçãoAula 8 incineração
Aula 8 incineração
Giovanna Ortiz
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
Giovanna Ortiz
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
Giovanna Ortiz
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
Giovanna Ortiz
 
Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
Giovanna Ortiz
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
Giovanna Ortiz
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Giovanna Ortiz
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
Giovanna Ortiz
 
Erosão
ErosãoErosão
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
Giovanna Ortiz
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
Giovanna Ortiz
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 6a
Solos 6aSolos 6a
Solos 6a
Giovanna Ortiz
 
Provinha
ProvinhaProvinha
Provinha
Giovanna Ortiz
 

Mais de Giovanna Ortiz (20)

Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Aula 8 incineração
Aula 8 incineraçãoAula 8 incineração
Aula 8 incineração
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
 
Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 3
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Solos 6a
Solos 6aSolos 6a
Solos 6a
 
Provinha
ProvinhaProvinha
Provinha
 

Introdução aula 6

  • 1. INTRODUÇÃO A ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE Aula 6 – Conceitos sobre Produção mais limpa
  • 2. Conceitos Modernos • Prevenção da Poluição Atividades que visam eliminar ou reduzir a geração de poluentes. • Produção mais Limpa Desenvolvimento de métodos de produção baseados no conceito de prevenção da poluição.
  • 3. Prevenção da Poluição Conceito desenvolvido como alternativa ao controle da poluição; • Estratégia que desloca o foco do controle da poluição para estratégias que procuram evitar a emissão de poluentes; • Requer uma mudança na maneira de avaliar as atividades humanas. antropomidia.com
  • 4. Prevenção da Poluição • Em vários países onde é aplicado, o conceito de prevenção da poluição tem demonstrado ser uma estratégia econômica e ambiental mais efetiva que os métodos tradicionais de controle da poluição; alternativa ao controle da poluição
  • 5. Definição de Prevenção da Poluição (USEPA) • Qualquer prática que: – Reduz a quantidade de qualquer substância perigosa ou poluente, incorporado aos resíduos, ou que sejam lançados no ambiente antes da reciclagem, tratamento ou disposição; – Reduz os riscos à saúde pública e ao meio ambiente associados com o lançamento dessas substâncias, poluentes ou contaminantes; – Reduz ou elimina a criação de poluentes através do aumento da eficiência no uso de matérias primas ou protege os recursos naturais por meio da conservação.
  • 6. Produção mais limpa • Estratégia para o desenvolvimento das atividades, com base nos conceitos de prevenção da poluição; • Pode ser empregada mesmo na fase de projeto empreendimento, obtendo-se melhores resultados. do • Aplicação de uma estratégia ambiental preventiva integrada, aplicada a processos, produtos e serviços, para aumentar a eficiência global e reduzir riscos para a saúde humana e o meio ambiente; • Pode ser aplicada a processos usados em qualquer indústria, a produtos em si e a vários serviços providos na sociedade;
  • 7. Produção mais limpa • Para processos produtivos, a P+L resulta em medidas de: – Conservação de matérias-primas, água e energia; eliminação de substâncias tóxicas e matérias-primas perigosas; redução da quantidade e toxicidade de todas as emissões e resíduos na fonte geradora durante o processo produtivo, de modo isolado ou combinadas. • Para produtos, a P+L visa: – Reduzir os impactos ambientais e de saúde, além da segurança dos produtos em todo o seu ciclo de vida, desde a extração de matériasprimas, manufatura e uso até a disposição final do produto. • Para serviços, a P+L implica em: – Incorporar a preocupação ambiental no projeto e na realização dos serviços
  • 8. Qual o Papel do Engenheiro? • Integrar às suas atividades os Novos conceitos de desenvolvimento; • Avaliar os processos de forma integrada; • Multidisciplinaridade e trabalho em equipe. Qual o Modo de Atuação • Conhecer as relações existentes entre as atividades humanas e o meio ambiente; • Aprender com as lições do passado; • Ser capaz de promover mudanças.
  • 9. Utilizando o raciocínio crítico Na atualidade a velocidade das informações é sem precedentes; • A sua interpretação sistêmica; requer uma abordagem • A razão é para que não sejam consolidadas e proliferados conceitos equivocados. • Para isto pode se utilizar a abordagem do raciocínio crítico.
  • 10. Como utilizar o raciocínio crítico Obtenha todas as informações; • Compreenda todos os termos; • Questione como as informações ou fatos foram obtidos; • Questione a fonte das informações; • Questione as conclusões; • Esteja preparado e tolere as incertezas; • Examine a situação de forma abrangente.
  • 11. Atividade Ações para o desenvolvimento sustentável local. Embora ocorram grandes discussões, a implementação de ações objetivas tem sido muito lenta, em grande parte devido à complexidade do cenário multifacetado das nações, ao desequilíbrio da organização institucional do mundo e aos interesses políticos e econômicos específicos. No entanto a saída para equacionar os conflitos parece estar pautada nas ações locais de sustentabilidade. Do pensamento ecológico “agir localmente, pensar globalmente”. Para que se alcancem os objetivos de sustentabilidade é importante que o trabalho iniciado prossiga em diversas frentes, em âmbito global e local, com a modificação dos sistemas produtivos e das práticas de uso dos recursos naturais. Neste sentido através dos 21 objetivos da AGENDA 21 elabore PROPOSTAS DE AÇÕES para a RMC.
  • 12. Atividade • Objetivo 1 – Produção e consumo sustentáveis contra a cultura do desperdício. • Objetivo 2 – Ecoeficiência e responsabilidade social das empresas. • Objetivo 3 – Retomada do planejamento estratégico, infra-estrutura e integração regional. • Objetivo 4 – A energia renovável e a biomassa. • Objetivo 5 – Informação e conhecimento para o desenvolvimento sustentável. • Objetivo 6 – Educação permanente para o trabalho e a vida. • Objetivo 7 – Promover a saúde e evitar a doença, democratizando o SUS. • Objetivo 8 – Inclusão social e distribuição de renda. • Objetivo 9 – Universalizar o saneamento ambiental protegendo o ambiente e a saúde. • Objetivo 10 – A gestão do espaço urbano e a autoridade metropolitana
  • 13. Atividade • Objetivo 11 – Desenvolvimento sustentável do Brasil rural. • Objetivo 12 – Promoção da agricultura sustentável. • Objetivo 13 – Promover a Agenda 21 Local e o desenvolvimento integrado e sustentável. • Objetivo 14 – Implantar o transporte de massa e a mobilidade sustentável. • Objetivo 15 – Preservar a quantidade e melhorar a qualidade da água nas bacias hidrográficas. • Objetivo 16 – Política florestal, controle do desmatamento e corredores de biodiversidade. • Objetivo 17 – Descentralização e pacto federativo: parcerias, consórcios e o poder local. • Objetivo 18 – Modernização do Estado: gestão ambiental e instrumentos econômicos. • Objetivo 19 – Relações internacionais e governança global para o desenvolvimento sustentável. • Objetivo 20 – Cultura cívica e novas identidades na sociedade da comunicação. • Objetivo 21 – Pedagogia da sustentabilidade: ética e solidariedade.
  • 14. Material consultado • http://www.gesamb.pt/upload/gesamb/img/Pegada_Ecologica.pdf • Introdução a Engenharia Ambiental – 2º ed. São Paulo: Pearson Prentice, 2005 • PHD 2219 - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA AMBIENTAL A Crise Ambiental e Conceitos sobre Poluição - José Carlos Mierzwa • Reflexões sobre o futuro da sustentabilidade urbana com base em um enfoque socioambiental Laura Machado de Mello Bueno cadernos metrópole 19 pp. 99-121 10 sem. 2008
  • 15. Material consultado • PHD 2219 – Introdução à Engenharia Ambiental Aula 2 – Desenvolvimento sustentável, prevenção à poluição e produção mais limpa. USP, Faculdade de Engenharia Ambiental