SlideShare uma empresa Scribd logo
1

RESÍDUOS SÓLIDOS
Aula 1 - Normas, Legislação e Política Nacional de
Resíduos Sólidos
Reflexão...
2
Reflexão...
3
LEIS E LEGISLAÇÃO
4

Constituição Federal
Incisos VI e IX do art. 23, que estabelecem ser
competência comum da União, dos estados, do Distrito
Federal e dos municípios proteger o meio ambiente e
combater a poluição em qualquer das suas formas,
bem como promover programas de construção de
moradias e a melhoria do saneamento básico;
Já os incisos I e V do art. 30 estabelecem como atribuição
municipal legislar sobre assuntos de interesse local,
especialmente quanto à organização dos seus serviços
públicos, como é o caso da limpeza urbana.
LEIS E LEGISLAÇÃO
5

Política Nacional do Meio Ambiente
O princípio do "poluidor pagador“ encontra-se
estabelecido na Lei nº 6.938, de 31/8/1981). Isso
significa dizer que "cada gerador é responsável pela
manipulação e destino final de seu resíduo".
Política Nacional de Saneamento Básico
LEI Nº 11.445, DE 5/01/2007. Estabelece diretrizes
nacionais para o saneamento básico conjunto de
serviços, infra-estruturas e instalações operacionais –
Limpeza Urbana
LEIS E LEGISLAÇÃO
6

Política Nacional de Resíduos Sólidos - LEI Nº 12.305,
DE 2/08/2010.
Política Nacional de Educação Ambiental-Lei no 9.795, de 27
/04/1999
LEI No 9.974, DE 6 DE JUNHO DE 2000. Dispõe sobre a
pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e
rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização,
a propaganda comercial, a utilização, a importação, a
exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o
registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização
de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras
providências
LEIS E LEGISLAÇÃO
7

Decreto N° 7.405, de 23 de dezembro de 2010, que
institui o Programa Pró-Catador - Institui o
Programa
Pró-Catador,
denomina
Comitê
Interministerial para Inclusão Social e Econômica
dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e
Recicláveis o Comitê Interministerial da Inclusão
Social de Catadores de Lixo criado pelo Decreto
de 11 de setembro de 2003, dispõe sobre sua
organização e funcionamento, e dá outras
providências
Constituição Estadual - SP
8

A Constituição do Estado de São Paulo, de 1989, em
alguns casos, foi mais detalhista que a Constituição
Federal quando, no capitulo referente ao Meio
Ambiente e Saneamento Básico determina que: “Artigo
191 – O Estado e Municípios providenciarão, com a
participação da coletividade, a preservação,
conservação, defesa, recuperação e melhoria do meio
ambiente natural, artificial e do trabalho, atendidas as
peculiaridades regionais e locais e em harmonia com
desenvolvimento social e econômico.”
Leis e Decretos - SP
9

Decreto nº 52.497, de 21 de julho de 1970 – Proíbe
o lançamento dos resíduos sólidos a céu aberto,
bem como a sua queima nas mesmas condições.
Lei nº 7.750, de 31 de março de 1992 – Dispõe
sobre a política estadual de saneamento.
Lei nº 12.300, de 16 de março de 2006 – Institui a
Política Estadual de Resíduos Sólidos e define
princípios e diretrizes.
Resoluções e Portaria SMA
10

Resolução Estadual SMA nº 25, de 06 de maio de 1996
– Estabelece programa de apoio aos municípios que
pretendam usar áreas mineradas abandonadas ou não
para a disposição de resíduos sólidos - classe III.
Deliberação CONSEMA nº 20, de 27 de julho de 1990 –
Aprova a norma “Critérios de Exigência de EIA/RIMA
para sistemas de disposição de Resíduos Sólidos
Domiciliares, Industriais e de Serviços de Saúde”.
Resoluções e Portaria SMA
11

Resolução SMA nº 13, de 27 de fevereiro de 1998 –
Dispõe sobre a obrigatoriedade da atualização
anual do Inventário Estadual de Resíduos Sólidos
Urbanos.
Deliberação CONSEMA nº 20, de 27 de julho de
1990 – Aprova a norma “Critérios de Exigência de
EIA/RIMA para sistemas de disposição de Resíduos
Sólidos Domiciliares, Industriais e de Serviços de
Saúde”.
CONAMA
12

CONAMA Nº 275/01 - Simbologia dos Resíduos
CONAMA nº 404/08 - "Licenciamento Ambiental de
sistemas de disposição final dos resíduos sólidos
urbanos gerados em municípios de pequeno porte".
CONAMA nº 23/98 – Dispõe sobre o movimento
transfronteiriço de resíduos e sobre resíduos
perigosos.
CONAMA
13

CONAMA Nº 358/05 – “Dispõe sobre o tratamento e
a disposição final dos resíduos dos serviços de
saúde e dá outras providências
CONAMA Nº 313/02 - "Dispõe sobre o Inventário
Nacional de Resíduos Sólidos Industriais". Enfatizase quanto ao Diplomas Legais o enfoque das
responsabilidades a seguir sintetizadas:
CONAMA Nº 386/06 - "Dispõe sobre procedimentos
e critérios para o funcionamento de sistemas de
tratamento térmico de resíduos".
CONAMA
14

CONAMA nº 424/10 - Dispõe sobre o descarte e o
gerenciamento adequados de pilhas e baterias
usadas, no que tange à coleta, reutilização,
reciclagem, tratamento ou disposição final.
CONAMA nº 264/99 – Dispõe sobre procedimentos,
critérios e aspectos técnicos específicos de
licenciamento ambiental para o co-processamento
de resíduos em fornos rotativos de clínquer, para a
fabricação de cimento.
CONAMA
15

CONAMA nº 237/97 – Dispõe sobre o processo de
Licenciamento Ambiental, e estabelece a relação
mínima das atividades ou empreendimentos sujeitos
a este Licenciamento. Dentre eles consta: tratamento
e/ou disposição de resíduos sólidos urbanos,
inclusive aqueles provenientes de fossas.
CONAMA n º24/94 – Trata da importação e
exportação de rejeitos radioativos
CONAMA
16

CONAMA nº 002/91 - Estabelece que as cargas
deterioradas, contaminadas, fora de especificação ou
abandonadas devem ser tratadas como fonte especial
de risco para o meio ambiente até manifestação do
órgão do meio ambiente competente.
CONAMA nº 006/91 – "Dispõe sobre a incineração de
resíduos sólidos provenientes de estabelecimentos de
saúde, portos e aeroportos.
CONAMA nº 008/91 – "Dispõe sobre a entrada no país
de materiais residuais"
Agenda 21
17

A agenda 21, com destaque para as medidas de
minimização da geração, medidas de controle e
medidas corretivas eventualmente necessárias.
Capítulo 4 - mudança nos padrões de consumo
minimização de rejeitos em todos os níveis, o estímulo a
reciclagem industrial, a redução do uso de embalagens
Capítulo 6 - tecnologia na área de resíduos sólidos, a
capacitação e treinamento de pessoal, a substituição
do uso de lixões por práticas de tratamento e
disposição corretos de resíduos
Agenda 21
18

Capítulo 18 - destaca que melhores instalações de
tratamento de esgoto e de lixo industrial e é proposto
neste capítulo que os resíduos sólidos das áreas
urbanas sejam tratados e dispostos de forma
ambientalmente sustentável.
Capítulo 20 - produção com tecnologias limpas,
reciclagem, substituição de materiais perigosos e
transferência de tecnologias ambientalmente saudáveis
Acordos e convenções referentes a transporte e tráfego
de resíduos perigosos devem ser revistos, fortalecidos e
fiscalizados.
Agenda 21
19

Capítulo 21 - "O manejo ambientalmente saudável
desses resíduos deve ir além do simples depósito ou
aproveitamento por métodos seguros dos resíduos
gerados e buscar resolver a causa fundamental do
problema, procurando mudar os padrões não
sustentáveis de produção e consumo. Isso implica a
utilização do conceito de manejo integrado do ciclo
vital, o qual apresenta oportunidade única de
conciliar o desenvolvimento com a proteção do
meio ambiente‖ (Item 21.4 da Agenda 21).
Agenda 21
20

Mais adiante são apresentados os pilares
fundamentais sobre os quais devem apoiar-se as
políticas de resíduos sólidos:
 Redução ao mínimo dos resíduos;
 Aumento ao máximo da reutilização e reciclagem
ambientalmente saudáveis dos resíduos;
 Promoção
do
depósito
e
tratamento
ambientalmente saudáveis dos resíduos;
 Ampliação do alcance dos serviços que se ocupam
dos resíduos.
Agenda 21
21

Prosseguindo, a Agenda 21 ressalta:
"Como as quatro áreas de programas estão
correlacionadas e se apóiam mutuamente, devem estar
integradas a fim de constituir uma estrutura ampla e
ambientalmente saudável para o manejo dos resíduos
sólidos municipais. A combinação de atividades e a
importância que se dá a cada uma dessas quatro
áreas variarão segundo as condições sócio-econômicas
e físicas locais, taxas de produção de resíduos e a
composição destes. Todos os setores da sociedade
devem participar em todas as áreas de programas‖
(Item 21.6 da Agenda 21).
Agenda 21
22

Capítulo 27 - Enquadram-se as cooperativas de
catadores, os educadores e todos os grupos que,
de alguma foram, são capazes de colaborar com o
tema ―resíduo sólidos.
Capítulo 36 - Incentivar a transferência de novas
tecnologias na área de resíduos, onde os governos,
a indústria, os sindicatos e os consumidores devem
inserir a preocupação com o meio ambiente nas
práticas empresariais.
Agenda 21
23

Capítulo 40 - ressalta a importância de serem
disponibilizadas informações ambientais, sociais,
demográficas e de desenvolvimento associados à
questão dos resíduos, de tal modo que as soluções
e os encaminhamentos necessários sejam mais
facilmente encontrados e postos em prática pelas
instituições responsáveis.
Normas da ABNT – Resíduos Sólidos
24

NBR 10004 Resíduos sólidos – Classificação
NBR 10005 Lixiviação de resíduos – Procedimento
NBR 10006 Solubilização de resíduos – Procedimento
NBR 10007 Amostragem de resíduos – Procedimento
NBR 10.703 Degradação do Solo – Terminologia
NBR 12.988 Líquidos Livres - Verificação em Amostra
de Resíduo
Normas da ABNT – Aterros
Sanitários/Industriais
25

NBR 8418 - Apresentação de Projetos de Aterros de
Resíduos Industriais Perigosos.
NBR 8419 - Apresentação de Projetos de Aterros
Sanitários de Resíduos Sólidos Urbanos.
NBR 10.157 - Aterros de Resíduos Perigosos Critérios para Projeto, Construção e Operação.
NBR 13.896 - Aterros de Resíduos Não Perigosos Critérios para Projeto, Implantação e Operação.
Normas da ABNT - Tratamento,
Armazenamento e Transporte de Resíduos
26

NBR 11.174 – Armazenamento de Resíduos
NBR 11.175 - Incineração de Resíduos Sólidos Perigosos Padrões de Desempenho (antiga NB 1265)
NBR 13.894 - Tratamento no Solo (Landfarming)
NBR 98 - Armazenamento e Manuseio de Líquidos Inflamáveis
e Combustíveis
NBR 7.505 - Armazenamento de Petróleo e seus Derivados
Líquidos e Álcool Carburante
NBR 12.235 - Armazenamento de Resíduos Sólidos Perigosos
(antiga NB-1183)
NBR 11.174 - Armazenamento de Resíduos Classe II - Não
Inertes e III - Inertes (Antiga NB-1264)
Normas da ABNT - Tratamento,
Armazenamento e Transporte de Resíduos
27

NBR 13.221 - Transporte de Resíduos
NBR 7.500 - Símbolos de Risco e Manuseio para o
Transporte e Armazenagem de Materiais –
Simbologia
NBR 7.501 - Transporte de Cargas Perigosas Terminologia
NBR 7.502 - Transporte de Cargas Perigosas Classificação
NBR 7.503 - Ficha de Emergência para o Transporte
de Cargas Perigosas
Normas da ABNT - Características e
Dimensões
28

NBR 7.504 - Envelope para Transporte de Cargas
Perigosas - Dimensões e Utilizações
NBR 13.786 - Seleção de Equipamentos e Sistemas
para Instalações Subterrâneas de Combustíveis em
Postos de Serviços
NBR 13.784 - Detecção de Vazamento em Postos de
Serviços.
Normas ABNT - sobre Resíduos de
Serviços de Saúde
29

NBR 12.807 - Resíduos de Serviços de Saúde
Terminologia
NBR 12.808 - Resíduos de Serviços de Saúde Classificação
NBR 12.809 - Manuseio de Resíduos de Serviços de
Saúde - Procedimento
NBR 12.810 - Coleta de Resíduos de Serviços de
Saúde – Procedimento.
Política Nacional de Resíduos Sólidos
30

Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que
estabelece a Política Nacional de Resíduos Sólidos
lança uma visão moderna na luta contra um dos
maiores problemas do planeta: o lixo urbano. Tendo
como princípio a responsabilidade compartilhada entre
governo, empresas e população, a nova legislação
impulsiona o retorno dos produtos às indústrias após o
consumo e obriga o poder público a realizar planos
para o gerenciamento do lixo. Entre as novidades, a lei
consagra o viés social da reciclagem, com participação
formal dos catadores organizados em cooperativas. A
Política Nacional promoverá mudanças no cenário dos
resíduos.
Novos desafios
31

Poder Público

Catadores

Mas coleta
seletiva e
menos lixão

Reciclagem com
inclusão social
Novos desafios
32

Empresas

População

Tudo se
transforma

Mudança
de hábitos
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.

Levou 21
anos para
ser aprovada

Art. 1o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos,
dispondo sobre seus princípios, objetivos e instrumentos, bem como
sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento
de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, às responsabilidades dos
geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos
aplicáveis.
CAPÍTULO II
DEFINIÇÕES
Art. 3o Para os efeitos desta Lei, entende-se por:
V - coleta seletiva: coleta de resíduos sólidos previamente segregados
conforme sua constituição ou composição;
VI-controle social: conjunto de mecanismos e procedimentos que
garantam à sociedade informações e participação nos processos de
formulação, implementação e avaliação das políticas públicas
relacionadas aos resíduos sólidos;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
VII - destinação final ambientalmente adequada:
destinação de resíduos que inclui a reutilização, a
reciclagem, a compostagem, a recuperação e o
aproveitamento energético ou outras destinações
admitidas pelos órgãos competentes do Sisnama, (...)
entre elas a disposição final, observando normas
operacionais específicas de modo a evitar danos ou
riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os
impactos ambientais adversos;
IX - geradores de resíduos sólidos: pessoas físicas ou
jurídicas, de direito público ou privado, que geram
resíduos sólidos por meio de suas atividades, nelas
incluído o consumo;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
X - gerenciamento de resíduos sólidos: conjunto de
ações exercidas, direta ou indiretamente, nas
etapas de coleta, transporte, transbordo,
tratamento e destinação final ambientalmente
adequada dos resíduos sólidos e disposição final
ambientalmente adequada dos rejeitos, de acordo
com plano municipal de gestão integrada de
resíduos sólidos ou com plano de gerenciamento de
resíduos sólidos, exigidos na forma desta Lei;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
XI - gestão integrada de resíduos sólidos: conjunto de
ações voltadas para a busca de soluções para os
resíduos sólidos, de forma a considerar as dimensões
política, econômica, ambiental, cultural e social, com
controle social e sob a premissa do desenvolvimento
sustentável;
XII - logística reversa: instrumento de desenvolvimento
econômico e social caracterizado por um conjunto de
ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a
coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor
empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou
em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final
ambientalmente adequada;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
XIII - padrões sustentáveis de produção e consumo:
produção e consumo de bens e serviços de forma a
atender as necessidades das atuais gerações e permitir
melhores condições de vida, sem comprometer a
qualidade ambiental e o atendimento das necessidades
das gerações futuras;
XV - rejeitos: resíduos sólidos que, depois de esgotadas
todas as possibilidades de tratamento e recuperação
por
processos
tecnológicos
disponíveis
e
economicamente viáveis, não apresentem outra
possibilidade
que
não
a
disposição
final
ambientalmente adequada;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
XVI - resíduos sólidos: material, substância, objeto
ou bem descartado resultante de atividades
humanas em sociedade, a cuja destinação final se
procede, se propõe proceder ou se está obrigado
a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem
como gases contidos em recipientes e líquidos cujas
particularidades tornem inviável o seu lançamento
na rede pública de esgotos ou em corpos d’água,
ou exijam para isso soluções técnica ou
economicamente inviáveis em face da melhor
tecnologia disponível;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
XVII - responsabilidade compartilhada pelo ciclo de
vida dos produtos: conjunto de atribuições
individualizadas e encadeadas dos fabricantes,
importadores, distribuidores e comerciantes, dos
consumidores e dos titulares dos serviços públicos
de limpeza urbana e de manejo dos resíduos
sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos
e rejeitos gerados, bem como para reduzir os
impactos causados à saúde humana e à qualidade
ambiental decorrentes do ciclo de vida dos
produtos, nos termos desta Lei;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
CAPÍTULO II
DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS
Art. 7o São objetivos da Política Nacional de Resíduos Sólidos:
I - proteção da saúde pública e da qualidade ambiental;
II - não geração, redução, reutilização, reciclagem e tratamento
dos resíduos sólidos, bem como disposição final
ambientalmente adequada dos rejeitos;
III - estímulo à adoção de padrões sustentáveis de produção e
consumo de bens e serviços;
IV - adoção, desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias
limpas como forma de minimizar impactos ambientais;
V - redução do volume e da periculosidade dos resíduos
perigosos;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
VI - incentivo à indústria da reciclagem, tendo em
vista fomentar o uso de matérias-primas e insumos
derivados de materiais recicláveis e reciclados;
VII - gestão integrada de resíduos sólidos;
VIII - articulação entre as diferentes esferas do poder
público, e destas com o setor empresarial, com
vistas à cooperação técnica e financeira para a
gestão integrada de resíduos sólidos;
IX - capacitação técnica continuada na área de
resíduos sólidos;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
X

- regularidade, continuidade, funcionalidade e
universalização da prestação dos serviços públicos de
limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, com
adoção de mecanismos gerenciais e econômicos que
assegurem a recuperação dos custos dos serviços prestados,
como forma de garantir sua sustentabilidade operacional e
financeira, (...);
XI - prioridade, nas aquisições e contratações governamentais,
para:
a) produtos reciclados e recicláveis;
b) bens, serviços e obras que considerem critérios compatíveis
com padrões de consumo social e ambientalmente
sustentáveis;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
XII - integração dos catadores de materiais reutilizáveis e
recicláveis nas ações que envolvam a responsabilidade
compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos;
XIII - estímulo à implementação da avaliação do ciclo de
vida do produto;
XIV - incentivo ao desenvolvimento de sistemas de
gestão ambiental e empresarial voltados para a
melhoria
dos
processos
produtivos
e
ao
reaproveitamento dos resíduos sólidos, incluídos a
recuperação e o aproveitamento energético;
XV - estímulo à rotulagem ambiental e ao consumo
sustentável.
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
CAPÍTULO III
DOS INSTRUMENTOS
Art. 8o São instrumentos da Política Nacional de Resíduos Sólidos,
entre outros:
I - os planos de resíduos sólidos;
II - os inventários e o sistema declaratório anual de resíduos sólidos;
III - a coleta seletiva, os sistemas de logística reversa e outras
ferramentas relacionadas à implementação da responsabilidade
compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos;
IV - o incentivo à criação e ao desenvolvimento de cooperativas ou de
outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis
e recicláveis;
V - o monitoramento e a fiscalização ambiental, sanitária e
agropecuária;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
VI - a cooperação técnica e financeira entre os setores
público e privado para o desenvolvimento de pesquisas
de novos produtos, métodos, processos e tecnologias de
gestão, reciclagem, reutilização, tratamento de resíduos
e disposição final ambientalmente adequada de
rejeitos;
VII - a pesquisa científica e tecnológica;
VIII - a educação ambiental;
IX - os incentivos fiscais, financeiros e creditícios;
X - o Fundo Nacional do Meio Ambiente e o Fundo
Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
TÍTULO III
DAS DIRETRIZES APLICÁVEIS AOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
Art. 9o Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser
observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução,
reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e
disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos.
§ 1o Poderão ser utilizadas tecnologias visando à recuperação
energética dos resíduos sólidos urbanos, desde que tenha sido
comprovada sua viabilidade técnica e ambiental e com a
implantação de programa de monitoramento de emissão de gases
tóxicos aprovado pelo órgão ambiental.
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
Art. 12. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
organizarão e manterão, de forma conjunta, o Sistema Nacional
de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos (Sinir),
articulado com o Sinisa e o Sinima.
Art. 13. Para os efeitos desta Lei, os resíduos sólidos têm a seguinte
classificação:
I - quanto à origem:

a) resíduos domiciliares: os originários de atividades domésticas
em residências urbanas;
b) resíduos de limpeza urbana: os originários da varrição, limpeza
de logradouros e vias públicas e outros serviços de limpeza
urbana;
c) resíduos sólidos urbanos: os englobados nas alíneas “a” e “b”;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
e) resíduos dos serviços públicos de saneamento
básico: os gerados nessas atividades, excetuados
os referidos na alínea “c”;
f) resíduos industriais: os gerados nos processos
produtivos e instalações industriais;
g) resíduos de serviços de saúde: os gerados nos
serviços de saúde, conforme definido em
regulamento ou em normas estabelecidas pelos
órgãos do Sisnama e do SNVS;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
h) resíduos da construção civil: os gerados nas
construções, reformas, reparos e demolições de obras
de construção civil, incluídos os resultantes da
preparação e escavação de terrenos para obras civis;
i) resíduos agrossilvopastoris: os gerados nas atividades
agropecuárias e silviculturais, incluídos os relacionados
a insumos utilizados nessas atividades;
j) resíduos de serviços de transportes: os originários de
portos, aeroportos, terminais alfandegários, rodoviários
e ferroviários e passagens de fronteira;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
k) resíduos de mineração: os gerados na atividade de pesquisa,
extração ou beneficiamento de minérios;
II - quanto à periculosidade:
a) resíduos perigosos: aqueles que, em razão de suas características
de inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade,
patogenicidade,
carcinogenicidade,
teratogenicidade
e
mutagenicidade, apresentam significativo risco à saúde pública ou à
qualidade ambiental, de acordo com lei, regulamento ou norma
técnica;
b) resíduos não perigosos: aqueles não enquadrados na alínea “a”.
Parágrafo único. Respeitado o disposto no art. 20, os resíduos
referidos na alínea “d” do inciso I do caput, se caracterizados como
não perigosos, podem, em razão de sua natureza, composição ou
volume, ser equiparados aos resíduos domiciliares pelo poder
público municipal.
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
CAPÍTULO II - DOS PLANOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS
Do Plano Nacional de Resíduos Sólidos
Art. 15. A União elaborará, sob a coordenação do Ministério do
Meio Ambiente, o Plano Nacional de Resíduos Sólidos, com
vigência por prazo indeterminado e horizonte de 20 (vinte) anos,
a ser atualizado a cada 4 (quatro) anos, tendo como conteúdo
mínimo:
I - diagnóstico da situação atual dos resíduos sólidos;
II- proposição de cenários, incluindo tendências internacionais e
macroeconômicas;
III - metas de redução, reutilização, reciclagem, entre outras, com
vistas a reduzir a quantidade de resíduos e rejeitos
encaminhados para disposição final ambientalmente adequada;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
IV - metas para o aproveitamento energético dos
gases gerados nas unidades de disposição final de
resíduos sólidos;
V - metas para a eliminação e recuperação de lixões,
associadas à inclusão social e à emancipação
econômica de catadores de materiais reutilizáveis e
recicláveis;
VI - programas, projetos e ações para o atendimento
das metas previstas;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
(...)
Parágrafo único. O Plano Nacional de Resíduos
Sólidos será elaborado mediante processo de
mobilização e participação social, incluindo a
realização de audiências e consultas públicas.
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
Dos Planos Estaduais de Resíduos Sólidos
(Art. 16. A elaboração de plano estadual de
resíduos sólidos, nos termos previstos por esta Lei, é
condição para os Estados terem acesso a recursos
da União, ou por ela controlados, destinados a
empreendimentos e serviços relacionados à gestão
de resíduos sólidos, ou para serem beneficiados por
incentivos ou financiamentos de entidades federais
de crédito ou fomento para tal finalidade)
-
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
Dos Planos Municipais de Gestão Integrada de
Resíduos Sólidos
(Art. 18. A elaboração de plano municipal de gestão
integrada de resíduos sólidos, nos termos previstos por
esta Lei, é condição para o Distrito Federal e os
Municípios terem acesso a recursos da União, ou por
ela controlados, destinados a empreendimentos e
serviços relacionados à limpeza urbana e ao manejo
de resíduos sólidos, ou para serem beneficiados por
incentivos ou financiamentos de entidades federais de
crédito ou fomento para tal finalidade.)
-
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
- Do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Art. 20.
Estão sujeitos à elaboração de plano de
gerenciamento de resíduos sólidos:
I - os geradores de resíduos sólidos previstos nas alíneas “e”,
“f”, “g” e “k” do inciso I do art. 13;
II - os estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços
que:
a) gerem resíduos perigosos;
b) gerem resíduos que, mesmo caracterizados como não
perigosos, por sua natureza, composição ou volume, não
sejam equiparados aos resíduos domiciliares pelo poder
público municipal;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
III - as empresas de construção civil, nos termos do
regulamento ou de normas estabelecidas pelos órgãos
do Sisnama;
IV - os responsáveis pelos terminais e outras instalações
referidas na alínea “j” do inciso I do art. 13 e, nos
termos do regulamento ou de normas estabelecidas
pelos órgãos do Sisnama e, se couber, do SNVS, as
empresas de transporte;
V - os responsáveis por atividades agrossilvopastoris, se
exigido pelo órgão competente do Sisnama, do SNVS
ou do Suasa.
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
Art. 21. O plano de gerenciamento de resíduos sólidos tem o
seguinte conteúdo mínimo:
I - descrição do empreendimento ou atividade;
II - diagnóstico dos resíduos sólidos gerados ou administrados,
contendo a origem, o volume e a caracterização dos resíduos,
incluindo os passivos ambientais a eles relacionados;
III – (...)
a) explicitação dos responsáveis por cada etapa do gerenciamento
de resíduos sólidos;
b) definição dos procedimentos operacionais relativos às etapas do
gerenciamento de resíduos sólidos sob responsabilidade do
gerador;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
IV - identificação das soluções consorciadas ou compartilhadas com outros
geradores;
V - ações preventivas e corretivas a serem executadas em situações de
gerenciamento incorreto ou acidentes;
VI - metas e procedimentos relacionados à minimização da geração de
resíduos sólidos e, observadas as normas estabelecidas pelos órgãos
do Sisnama, do SNVS e do Suasa, à reutilização e reciclagem;
VII - se couber, ações relativas à responsabilidade compartilhada pelo
ciclo de vida dos produtos, na forma do art. 31;
VIII - medidas saneadoras dos passivos ambientais relacionados aos
resíduos sólidos;
IX - periodicidade de sua revisão, observado, se couber, o prazo de
vigência da respectiva licença de operação a cargo dos órgãos do
Sisnama.
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
CAPÍTULO III - DAS RESPONSABILIDADES DOS
GERADORES E DO PODER PÚBLICO
- Da Responsabilidade Compartilhada
(Art. 30. É instituída a responsabilidade compartilhada
pelo ciclo de vida dos produtos, a ser implementada de
forma individualizada e encadeada, abrangendo os
fabricantes,
importadores,
distribuidores
e
comerciantes, os consumidores e os titulares dos serviços
públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos
sólidos, consoante as atribuições e procedimentos
previstos nesta Seção. )
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
Art. 31. Sem prejuízo das obrigações estabelecidas no plano
de gerenciamento de resíduos sólidos e com vistas a
fortalecer a responsabilidade compartilhada e seus
objetivos, os fabricantes, importadores, distribuidores e
comerciantes têm responsabilidade que abrange:
I - investimento no desenvolvimento, na fabricação e na
colocação no mercado de produtos:
a) que sejam aptos, após o uso pelo consumidor, à
reutilização, à reciclagem ou a outra forma de destinação
ambientalmente adequada;
b) cuja fabricação e uso gerem a menor quantidade de
resíduos sólidos possível;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
II - divulgação de informações relativas às formas de
evitar, reciclar e eliminar os resíduos sólidos
associados a seus respectivos produtos;
III - recolhimento dos produtos e dos resíduos
remanescentes após o uso, assim como sua
subsequente destinação final ambientalmente
adequada, no caso de produtos objeto de sistema
de logística reversa na forma do art. 33;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
Art. 33. São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística
reversa, mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de
forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo
dos resíduos sólidos, os fabricantes, importadores, distribuidores e
comerciantes de:
I - agrotóxicos, seus resíduos e embalagens, assim como outros produtos cuja
embalagem, após o uso, constitua resíduo perigoso, observadas as regras
de gerenciamento de resíduos perigosos previstas em lei ou regulamento,
em normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama, do SNVS e do Suasa,
ou em normas técnicas;
II - pilhas e baterias;
III - pneus;
IV - óleos lubrificantes, seus resíduos e embalagens;
V - lâmpadas fluorescentes, de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista;
VI - produtos eletroeletrônicos e seus componentes.
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
CAPÍTULO IV - DOS RESÍDUOS PERIGOSOS
Art. 37.
A instalação e o funcionamento de
empreendimento ou atividade que gere ou opere
com resíduos perigosos somente podem ser
autorizados ou licenciados pelas autoridades
competentes se o responsável comprovar, no
mínimo, capacidade técnica e econômica, além de
condições para prover os cuidados necessários ao
gerenciamento desses resíduos.
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
CAPÍTULO V - DOS INSTRUMENTOS ECONÔMICOS
Art. 42. O poder público poderá instituir medidas indutoras e
linhas de financiamento para atender, prioritariamente, às
iniciativas de:
I - prevenção e redução da geração de resíduos sólidos no
processo produtivo;
II - desenvolvimento de produtos com menores impactos à
saúde humana e à qualidade ambiental em seu ciclo de
vida;
III - implantação de infraestrutura física e aquisição de
equipamentos para cooperativas ou outras formas de
associação de catadores de materiais reutilizáveis e
recicláveis formadas por pessoas físicas de baixa renda;
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
IV - desenvolvimento de projetos de gestão dos resíduos
sólidos de caráter intermunicipal ou, nos termos do
inciso I do caput do art. 11, regional;
V - estruturação de sistemas de coleta seletiva e de
logística reversa;
VI - descontaminação de áreas contaminadas, incluindo as
áreas órfãs;
VII - desenvolvimento de pesquisas voltadas para
tecnologias limpas aplicáveis aos resíduos sólidos;
VIII - desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental e
empresarial voltados para a melhoria dos processos
produtivos e ao reaproveitamento dos resíduos.
PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE
AGOSTO DE 2010.
DAS PROIBIÇÕES
Art. 47. São proibidas as seguintes formas de destinação
ou disposição final de resíduos sólidos ou rejeitos:
I - lançamento em praias, no mar ou em quaisquer corpos
hídricos;
II - lançamento in natura a céu aberto, excetuados os
resíduos de mineração;
III - queima a céu aberto ou em recipientes, instalações e
equipamentos não licenciados para essa finalidade;
Referências
Referências
 PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010.
Texto para refletir
69

Loja nos EUA venderá produtos sem embalagem
Postado em 29/07/2011 às 15h35
Será aberta no Texas, Estados Unidos, uma loja que não usará embalagem em seus
produtos. O objetivo é que cada cliente leve sua própria embalagem. Dessa forma,
a empresa In.gredients quer incentivar a redução, reutilização e evita o desperdício
de alimentos.
Os idealizadores do projeto, os irmãos Lane, afirmam que as embalagens representam
40% de todo o lixo produzido por uma família estadunidense. O pior é que a
maior parte delas é utilizada apenas uma vez.
A loja de produtos alimentícios In.gredients quer eliminar todas as embalagens das
prateleiras, para isso vão sugerir que cada freguês leve de casa seus recipientes
para guardar os produtos comprados: sacolinhas com fechamento zip lock,
compotas de plástico, vidrinhos de conserva, entre outras coisas.
O preço da mercadoria, já dentro do recipiente, será estipulado por quilograma. No
entanto, o cliente não pagará a mais, pois a embalagem será pesada
separadamente. Quem não levar sua embalagem tem a opção de comprar sacolas
biodegradáveis na loja.
Texto para refletir
70

A iniciativa visa a redução de embalagem, mas também diminui o desperdício de comida.
Levando a embalagem, as pessoas tendem a comprar a quantia exata que precisam.
“Não existe lixo na natureza. Lixo é uma invenção humana. Nossa principal prioridade é reduzir
a quantidade de lixo que produzimos e reutilizar o que temos. Ser livres de embalagens
limita radicalmente a nossa geração de resíduos. Nosso negócio vai ser lixo zero e sua casa
pode ser também”, incentivam os irmãos Lane, no site da empresa.
O negócio sustentável comprometeu-se em priorizar produtos locais e orgânicos, estimular o
consumo consciente e oferecer a possibilidade de doar parte do valor gasto no mercado
para ONGs parceiras.
A In.gredients comercializará especiarias, chás de folhas soltas, grãos de café, frutas secas, óleos,
laticínios, cerveja e vinho locais, grãos orgânicos (como arroz, feijão, aveia) e utensílios
domésticos.
Em Londres, desde 2006, já existe uma loja, chamada Unpackaged, que não disponibiliza
embalagem. São os próprios clientes que levam suas sacolas e recipientes para carregar seus
produtos.
A In.gredients será inaugurada ainda este ano.
Redação CicloVivo
Questões para estudo
71

1. A Resolução CONAMA nº 275, de 25/4/2001 estabelece o código
de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na
identificação de coletores e transportadores, bem como nas
campanhas informativas para a coleta seletiva. Estabeleça a
relação entre os diferentes tipos de resíduos e as cores definidas na
Resolução CONAMA.
2. Na PNRS o Art. 30 reza que é instituída a responsabilidade pelo
ciclo de vida dos produtos, a ser implementada de forma
individualizada e encadeada, abrangendo quais grupos?
3. Segundo a classificação da NBR10004/04 os resíduos sólidos
podem ser agrupados em Classes, apresente cada uma delas e dê
exemplos.
Questões para estudo
72

4. A Lei nº 12.305 de 02/08/10 – Política Nacional de Resíduos
Sólidos, cita os padrões sustentáveis de produção e consumo como a
produção e consumo de bens e serviços de forma a atender as
necessidades das atuais gerações e permitir melhores condições de
vida, sem comprometer a qualidade ambiental e o atendimento das
necessidades das gerações futuras.
5. Ainda sobre a Lei nº 12.305 de 02/08/10 a PNRS apresentam a
responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos:
conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos
fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos
consumidores (...), para minimizar o volume de resíduos sólidos e
rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à
saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de
vida dos produtos. De que maneira prática de que forma
poderíamos garantir a responsabilidade durante todo o ciclo de
vida dos produtos.
Questões para estudo
73

6. A articulação entre as diferentes esferas do poder
público, e destas com o setor empresarial, com vistas à
cooperação técnica e financeira para a gestão
integrada de resíduos sólidos e - a cooperação técnica
e financeira entre os setores públicos e privados para o
desenvolvimento de pesquisas de novos produtos,
métodos, processos e tecnologias de gestão,
reciclagem, reutilização, tratamento de resíduos e
disposição final ambientalmente adequada de rejeitos
estão presentes na Política Nacional de Resíduos
Sólidos.
Dê exemplos práticos de parcerias e
cooperações técnicas, financeira e científica que
poderiam ocorrer a fim de equacionar a problema.
Questões para estudo
74

7. Segundo a PNRS Lei nº 12.305 de 02/08/10 a disposição final
ambientalmente adequada é aquela onde?
8. Na lei nº 12.305 PNRS 02/08/10 o art. 9° reza que na gestão e
gerenciamento dos resíduos sólidos deve ser observada a uma ordem de
prioridade, qual?
9. O princípio “poluidor pagador” significa dizer que a “cada gerador é
responsável pela manipulação e destinação final de seu resíduo” Este
princípio esta estabelecida em qual lei?
10. Na PNRS o Art. 30 reza que é instituída a responsabilidade pelo ciclo de
vida dos produtos, a ser implementada de forma individualizada e
encadeada, abrangendo quais grupos?
11. No Art. 31. a PNRS reza que sem prejuízo das obrigações estabelecidas
no plano de gerenciamento de resíduos sólidos e com vistas a fortalecer a
responsabilidade compartilhada e seus objetivos, os fabricantes,
importadores, distribuidores e comerciantes têm responsabilidade que
abrange o que?
Objetivo da aula
75

Ao final dessa aula, você deverá conhecer:
 As principais normas e leis que tratam da questão
dos resíduos sólidos no Brasil
 Conhecer a nova Política Nacional dos Resíduos
Sólidos e os desafios a serem enfrentados.
 Discutir as formas de implementação da nova
Política
Reflexão...
76

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
janeibe
 
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valleAula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Lxa Alx
 
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresasAula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Isabela Espíndola
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
Giovanna Ortiz
 
Iso 14001 - Sistema de Gestão Ambiental
Iso 14001 - Sistema de Gestão AmbientalIso 14001 - Sistema de Gestão Ambiental
Iso 14001 - Sistema de Gestão Ambiental
Nayara Michelle
 
Destinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos SolidosDestinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos Solidos
Matheus Pereira
 
coleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagemcoleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagem
TÂnio Alencar
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
Giovanna Ortiz
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
Giovanna Ortiz
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
Templum Consultoria Online
 
Resíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industriasResíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industrias
Denise Marinho
 
Aula 8 incineração
Aula 8 incineraçãoAula 8 incineração
Aula 8 incineração
Giovanna Ortiz
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Marcos Araujo
 
Aula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambientalAula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambiental
sionara14
 
Lixo
LixoLixo
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2   introdução a qualidade ambiental qualidadeAula 2   introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Giovanna Ortiz
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
Giovanna Ortiz
 
Resíduos sólidos urbanos
Resíduos sólidos urbanos Resíduos sólidos urbanos
Resíduos sólidos urbanos
Diego Righi
 

Mais procurados (20)

Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
 
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valleAula 2 leg. ambiental_claudia do valle
Aula 2 leg. ambiental_claudia do valle
 
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresasAula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
Aula de Legislação Ambiental no Brasil e nas empresas
 
Coleta seletiva
Coleta seletivaColeta seletiva
Coleta seletiva
 
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e SustentabilidadeGestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
Gestão Ambiental 01 - Introdução a Gestão Ambiental e Sustentabilidade
 
Aula 6 compostagem
Aula 6 compostagemAula 6 compostagem
Aula 6 compostagem
 
Iso 14001 - Sistema de Gestão Ambiental
Iso 14001 - Sistema de Gestão AmbientalIso 14001 - Sistema de Gestão Ambiental
Iso 14001 - Sistema de Gestão Ambiental
 
Destinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos SolidosDestinação de Residuos Solidos
Destinação de Residuos Solidos
 
coleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagemcoleta seletiva e reciclagem
coleta seletiva e reciclagem
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
 
Resíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industriasResíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industrias
 
Aula 8 incineração
Aula 8 incineraçãoAula 8 incineração
Aula 8 incineração
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Aula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambientalAula 6 legislação ambiental
Aula 6 legislação ambiental
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2   introdução a qualidade ambiental qualidadeAula 2   introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
 
Resíduos sólidos urbanos
Resíduos sólidos urbanos Resíduos sólidos urbanos
Resíduos sólidos urbanos
 

Destaque

Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
Giovanna Ortiz
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
Giovanna Ortiz
 
Apres.desenv.sustent.educ.amb
Apres.desenv.sustent.educ.ambApres.desenv.sustent.educ.amb
Apres.desenv.sustent.educ.amb
Albano Novaes
 
Agenda21
Agenda21Agenda21
A Agenda 21 Local enquanto instrumento de planeamento estratégico
A Agenda 21 Local enquanto instrumento de planeamento estratégicoA Agenda 21 Local enquanto instrumento de planeamento estratégico
A Agenda 21 Local enquanto instrumento de planeamento estratégico
Nuno Quental
 
Tratamiento de residuos sólidos
Tratamiento de residuos sólidosTratamiento de residuos sólidos
Tratamiento de residuos sólidos
Juan Pino
 
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidosMarielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Fórum de Desenvolvimento do Rio
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
Giovanna Ortiz
 
Aula 6 dimensionamento de lagoa aerada facultativa2
Aula 6   dimensionamento de lagoa aerada facultativa2Aula 6   dimensionamento de lagoa aerada facultativa2
Aula 6 dimensionamento de lagoa aerada facultativa2
Giovanna Ortiz
 
Agenda 21 Local, situação actual e evolução
Agenda 21 Local, situação actual e evoluçãoAgenda 21 Local, situação actual e evolução
Agenda 21 Local, situação actual e evolução
Nuno Quental
 
Aula 4 explicação decantadores dimensionamento
Aula 4 explicação decantadores dimensionamentoAula 4 explicação decantadores dimensionamento
Aula 4 explicação decantadores dimensionamento
Giovanna Ortiz
 
Seminário Resíduos Sólidos, 01/02/2011 - Apresentação de Silvano Silvério da ...
Seminário Resíduos Sólidos, 01/02/2011 - Apresentação de Silvano Silvério da ...Seminário Resíduos Sólidos, 01/02/2011 - Apresentação de Silvano Silvério da ...
Seminário Resíduos Sólidos, 01/02/2011 - Apresentação de Silvano Silvério da ...
FecomercioSP
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
paulosergiok5
 
20080213 113441 meio-127
20080213 113441 meio-12720080213 113441 meio-127
20080213 113441 meio-127
Josenete Cardoso
 
O caso da Agenda 21
O caso da Agenda 21O caso da Agenda 21
O caso da Agenda 21
Marcel Ayres
 
Livro Agenda 21 Caminhos e Desvios escrito por Geraldo Aguiar
Livro Agenda 21 Caminhos e Desvios escrito por Geraldo AguiarLivro Agenda 21 Caminhos e Desvios escrito por Geraldo Aguiar
Livro Agenda 21 Caminhos e Desvios escrito por Geraldo Aguiar
Geraldo Aguiar
 
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Giovanna Ortiz
 
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Sara Ceron Hentges
 
Trabalho Gestão ambiental
Trabalho Gestão ambientalTrabalho Gestão ambiental
Trabalho Gestão ambiental
paulosergiok5
 
Aula 4 sedimentação
Aula 4   sedimentaçãoAula 4   sedimentação
Aula 4 sedimentação
Giovanna Ortiz
 

Destaque (20)

Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2Aula 4 parte 2
Aula 4 parte 2
 
Exercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausênciasExercícios de compensação de ausências
Exercícios de compensação de ausências
 
Apres.desenv.sustent.educ.amb
Apres.desenv.sustent.educ.ambApres.desenv.sustent.educ.amb
Apres.desenv.sustent.educ.amb
 
Agenda21
Agenda21Agenda21
Agenda21
 
A Agenda 21 Local enquanto instrumento de planeamento estratégico
A Agenda 21 Local enquanto instrumento de planeamento estratégicoA Agenda 21 Local enquanto instrumento de planeamento estratégico
A Agenda 21 Local enquanto instrumento de planeamento estratégico
 
Tratamiento de residuos sólidos
Tratamiento de residuos sólidosTratamiento de residuos sólidos
Tratamiento de residuos sólidos
 
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidosMarielene Ramos   Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
Marielene Ramos Politica Estadual De DestinaçãO De ResíDuos SóLidos
 
Aula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geralAula 2 panorama geral
Aula 2 panorama geral
 
Aula 6 dimensionamento de lagoa aerada facultativa2
Aula 6   dimensionamento de lagoa aerada facultativa2Aula 6   dimensionamento de lagoa aerada facultativa2
Aula 6 dimensionamento de lagoa aerada facultativa2
 
Agenda 21 Local, situação actual e evolução
Agenda 21 Local, situação actual e evoluçãoAgenda 21 Local, situação actual e evolução
Agenda 21 Local, situação actual e evolução
 
Aula 4 explicação decantadores dimensionamento
Aula 4 explicação decantadores dimensionamentoAula 4 explicação decantadores dimensionamento
Aula 4 explicação decantadores dimensionamento
 
Seminário Resíduos Sólidos, 01/02/2011 - Apresentação de Silvano Silvério da ...
Seminário Resíduos Sólidos, 01/02/2011 - Apresentação de Silvano Silvério da ...Seminário Resíduos Sólidos, 01/02/2011 - Apresentação de Silvano Silvério da ...
Seminário Resíduos Sólidos, 01/02/2011 - Apresentação de Silvano Silvério da ...
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
20080213 113441 meio-127
20080213 113441 meio-12720080213 113441 meio-127
20080213 113441 meio-127
 
O caso da Agenda 21
O caso da Agenda 21O caso da Agenda 21
O caso da Agenda 21
 
Livro Agenda 21 Caminhos e Desvios escrito por Geraldo Aguiar
Livro Agenda 21 Caminhos e Desvios escrito por Geraldo AguiarLivro Agenda 21 Caminhos e Desvios escrito por Geraldo Aguiar
Livro Agenda 21 Caminhos e Desvios escrito por Geraldo Aguiar
 
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
 
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
Aula1 sgaecertificao-140310095637-phpapp01
 
Trabalho Gestão ambiental
Trabalho Gestão ambientalTrabalho Gestão ambiental
Trabalho Gestão ambiental
 
Aula 4 sedimentação
Aula 4   sedimentaçãoAula 4   sedimentação
Aula 4 sedimentação
 

Semelhante a Aula 1 normas e legislação

Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara HicksonPlano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Nativa Socioambiental
 
SemináRio Gt De ResíDuos SóLidos CâMara Dos Deputados
SemináRio Gt De ResíDuos SóLidos CâMara Dos DeputadosSemináRio Gt De ResíDuos SóLidos CâMara Dos Deputados
SemináRio Gt De ResíDuos SóLidos CâMara Dos Deputados
Drica Guzzi
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Julyanne Rodrigues
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Fausto Filipe Teixeira
 
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - ResíduosApresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
ProjetoBr
 
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de ResiduosConsorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
Jessica R.
 
Seminário política nacional de resíduos sólidos 19-08-2010 - apresentação d...
Seminário política nacional de resíduos sólidos   19-08-2010 - apresentação d...Seminário política nacional de resíduos sólidos   19-08-2010 - apresentação d...
Seminário política nacional de resíduos sólidos 19-08-2010 - apresentação d...
FecomercioSP
 
E-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na IndústriaE-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na Indústria
Fernando H. Berteli
 
E-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na IndústriaE-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na Indústria
Fernando H. Berteli
 
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMunicípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Caroline Weber
 
2012.06.05 pnrs
2012.06.05   pnrs2012.06.05   pnrs
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Aspectos Legais de Reciclagem
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Aspectos Legais de Reciclagem Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Aspectos Legais de Reciclagem
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Aspectos Legais de Reciclagem
Fernando Jose Novaes
 
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
ReciclajeInclusivo
 
Seminário de Seguros de RC: Política Nacional de Resíduos Sólidos
Seminário de Seguros de RC: Política Nacional de Resíduos SólidosSeminário de Seguros de RC: Política Nacional de Resíduos Sólidos
Seminário de Seguros de RC: Política Nacional de Resíduos Sólidos
Escola Nacional de Seguros
 
Minuta projeto de lei programa pr catador e proibiç o incineraç_o
Minuta projeto de lei programa pr  catador e proibiç o incineraç_oMinuta projeto de lei programa pr  catador e proibiç o incineraç_o
Minuta projeto de lei programa pr catador e proibiç o incineraç_o
Lorena Correia
 
A política nacional de resíduos sólidos comentada
A política nacional de resíduos sólidos   comentadaA política nacional de resíduos sólidos   comentada
A política nacional de resíduos sólidos comentada
Lidiane Fenerich
 
A VISÃO DO CONGRESSO NACIONAL E O HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONA...
A VISÃO DO CONGRESSO NACIONAL E O HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONA...A VISÃO DO CONGRESSO NACIONAL E O HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONA...
A VISÃO DO CONGRESSO NACIONAL E O HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONA...
Instituto Besc
 
Logística Reversa - Dra. Zila Maria Faria Veloso
Logística Reversa - Dra. Zila Maria Faria VelosoLogística Reversa - Dra. Zila Maria Faria Veloso
Logística Reversa - Dra. Zila Maria Faria Veloso
Associação Amigos do Meio Ambiente
 
Valverdegrupotributarioambiental4out11
Valverdegrupotributarioambiental4out11Valverdegrupotributarioambiental4out11
Valverdegrupotributarioambiental4out11
luciapaoliello
 
Pnrs 002
Pnrs 002Pnrs 002
Pnrs 002
Allan Kardec
 

Semelhante a Aula 1 normas e legislação (20)

Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara HicksonPlano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
 
SemináRio Gt De ResíDuos SóLidos CâMara Dos Deputados
SemináRio Gt De ResíDuos SóLidos CâMara Dos DeputadosSemináRio Gt De ResíDuos SóLidos CâMara Dos Deputados
SemináRio Gt De ResíDuos SóLidos CâMara Dos Deputados
 
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiaisAula 02   a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
Aula 02 a política nacional de resíduos sólidos e a reciclagem de materiais
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos Sólidos
 
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - ResíduosApresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
Apresentação - Projeto de Lei 1991/2007 - Resíduos
 
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de ResiduosConsorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
Consorcio realiza Seminario de Apresentação da Politica Nacional de Residuos
 
Seminário política nacional de resíduos sólidos 19-08-2010 - apresentação d...
Seminário política nacional de resíduos sólidos   19-08-2010 - apresentação d...Seminário política nacional de resíduos sólidos   19-08-2010 - apresentação d...
Seminário política nacional de resíduos sólidos 19-08-2010 - apresentação d...
 
E-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na IndústriaE-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na Indústria
 
E-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na IndústriaE-Book sobre PGRS na Indústria
E-Book sobre PGRS na Indústria
 
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMunicípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Municípios: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 
2012.06.05 pnrs
2012.06.05   pnrs2012.06.05   pnrs
2012.06.05 pnrs
 
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Aspectos Legais de Reciclagem
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Aspectos Legais de Reciclagem Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Aspectos Legais de Reciclagem
Mini Curso Reciclagem de Plásticos - Aspectos Legais de Reciclagem
 
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
Política nacional de resíduos sólidos: consideracoes gerais e logistica reversa
 
Seminário de Seguros de RC: Política Nacional de Resíduos Sólidos
Seminário de Seguros de RC: Política Nacional de Resíduos SólidosSeminário de Seguros de RC: Política Nacional de Resíduos Sólidos
Seminário de Seguros de RC: Política Nacional de Resíduos Sólidos
 
Minuta projeto de lei programa pr catador e proibiç o incineraç_o
Minuta projeto de lei programa pr  catador e proibiç o incineraç_oMinuta projeto de lei programa pr  catador e proibiç o incineraç_o
Minuta projeto de lei programa pr catador e proibiç o incineraç_o
 
A política nacional de resíduos sólidos comentada
A política nacional de resíduos sólidos   comentadaA política nacional de resíduos sólidos   comentada
A política nacional de resíduos sólidos comentada
 
A VISÃO DO CONGRESSO NACIONAL E O HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONA...
A VISÃO DO CONGRESSO NACIONAL E O HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONA...A VISÃO DO CONGRESSO NACIONAL E O HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONA...
A VISÃO DO CONGRESSO NACIONAL E O HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONA...
 
Logística Reversa - Dra. Zila Maria Faria Veloso
Logística Reversa - Dra. Zila Maria Faria VelosoLogística Reversa - Dra. Zila Maria Faria Veloso
Logística Reversa - Dra. Zila Maria Faria Veloso
 
Valverdegrupotributarioambiental4out11
Valverdegrupotributarioambiental4out11Valverdegrupotributarioambiental4out11
Valverdegrupotributarioambiental4out11
 
Pnrs 002
Pnrs 002Pnrs 002
Pnrs 002
 

Mais de Giovanna Ortiz

Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Giovanna Ortiz
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
Giovanna Ortiz
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
Giovanna Ortiz
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
Giovanna Ortiz
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Giovanna Ortiz
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do curso
Giovanna Ortiz
 
Erosão
ErosãoErosão
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
Giovanna Ortiz
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
Giovanna Ortiz
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 6a
Solos 6aSolos 6a
Solos 6a
Giovanna Ortiz
 
Provinha
ProvinhaProvinha
Provinha
Giovanna Ortiz
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 6
Aula 6Aula 6

Mais de Giovanna Ortiz (20)

Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
Exercícios dimensionamento limpeza publica aula 4
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Aula 7 co-processamento
Aula 7   co-processamentoAula 7   co-processamento
Aula 7 co-processamento
 
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade   roteiro para implantação de coleta seletivaAtividade   roteiro para implantação de coleta seletiva
Atividade roteiro para implantação de coleta seletiva
 
Apresentação geral do curso
Apresentação geral do cursoApresentação geral do curso
Apresentação geral do curso
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Solos 6b
Solos 6bSolos 6b
Solos 6b
 
Solos 4
Solos 4Solos 4
Solos 4
 
Solos 3p
Solos 3pSolos 3p
Solos 3p
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 3
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Solos 6a
Solos 6aSolos 6a
Solos 6a
 
Provinha
ProvinhaProvinha
Provinha
 
Aula 10
Aula 10Aula 10
Aula 10
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 

Último

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 

Último (20)

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 

Aula 1 normas e legislação

  • 1. 1 RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 1 - Normas, Legislação e Política Nacional de Resíduos Sólidos
  • 4. LEIS E LEGISLAÇÃO 4 Constituição Federal Incisos VI e IX do art. 23, que estabelecem ser competência comum da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer das suas formas, bem como promover programas de construção de moradias e a melhoria do saneamento básico; Já os incisos I e V do art. 30 estabelecem como atribuição municipal legislar sobre assuntos de interesse local, especialmente quanto à organização dos seus serviços públicos, como é o caso da limpeza urbana.
  • 5. LEIS E LEGISLAÇÃO 5 Política Nacional do Meio Ambiente O princípio do "poluidor pagador“ encontra-se estabelecido na Lei nº 6.938, de 31/8/1981). Isso significa dizer que "cada gerador é responsável pela manipulação e destino final de seu resíduo". Política Nacional de Saneamento Básico LEI Nº 11.445, DE 5/01/2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico conjunto de serviços, infra-estruturas e instalações operacionais – Limpeza Urbana
  • 6. LEIS E LEGISLAÇÃO 6 Política Nacional de Resíduos Sólidos - LEI Nº 12.305, DE 2/08/2010. Política Nacional de Educação Ambiental-Lei no 9.795, de 27 /04/1999 LEI No 9.974, DE 6 DE JUNHO DE 2000. Dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências
  • 7. LEIS E LEGISLAÇÃO 7 Decreto N° 7.405, de 23 de dezembro de 2010, que institui o Programa Pró-Catador - Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis o Comitê Interministerial da Inclusão Social de Catadores de Lixo criado pelo Decreto de 11 de setembro de 2003, dispõe sobre sua organização e funcionamento, e dá outras providências
  • 8. Constituição Estadual - SP 8 A Constituição do Estado de São Paulo, de 1989, em alguns casos, foi mais detalhista que a Constituição Federal quando, no capitulo referente ao Meio Ambiente e Saneamento Básico determina que: “Artigo 191 – O Estado e Municípios providenciarão, com a participação da coletividade, a preservação, conservação, defesa, recuperação e melhoria do meio ambiente natural, artificial e do trabalho, atendidas as peculiaridades regionais e locais e em harmonia com desenvolvimento social e econômico.”
  • 9. Leis e Decretos - SP 9 Decreto nº 52.497, de 21 de julho de 1970 – Proíbe o lançamento dos resíduos sólidos a céu aberto, bem como a sua queima nas mesmas condições. Lei nº 7.750, de 31 de março de 1992 – Dispõe sobre a política estadual de saneamento. Lei nº 12.300, de 16 de março de 2006 – Institui a Política Estadual de Resíduos Sólidos e define princípios e diretrizes.
  • 10. Resoluções e Portaria SMA 10 Resolução Estadual SMA nº 25, de 06 de maio de 1996 – Estabelece programa de apoio aos municípios que pretendam usar áreas mineradas abandonadas ou não para a disposição de resíduos sólidos - classe III. Deliberação CONSEMA nº 20, de 27 de julho de 1990 – Aprova a norma “Critérios de Exigência de EIA/RIMA para sistemas de disposição de Resíduos Sólidos Domiciliares, Industriais e de Serviços de Saúde”.
  • 11. Resoluções e Portaria SMA 11 Resolução SMA nº 13, de 27 de fevereiro de 1998 – Dispõe sobre a obrigatoriedade da atualização anual do Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Urbanos. Deliberação CONSEMA nº 20, de 27 de julho de 1990 – Aprova a norma “Critérios de Exigência de EIA/RIMA para sistemas de disposição de Resíduos Sólidos Domiciliares, Industriais e de Serviços de Saúde”.
  • 12. CONAMA 12 CONAMA Nº 275/01 - Simbologia dos Resíduos CONAMA nº 404/08 - "Licenciamento Ambiental de sistemas de disposição final dos resíduos sólidos urbanos gerados em municípios de pequeno porte". CONAMA nº 23/98 – Dispõe sobre o movimento transfronteiriço de resíduos e sobre resíduos perigosos.
  • 13. CONAMA 13 CONAMA Nº 358/05 – “Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências CONAMA Nº 313/02 - "Dispõe sobre o Inventário Nacional de Resíduos Sólidos Industriais". Enfatizase quanto ao Diplomas Legais o enfoque das responsabilidades a seguir sintetizadas: CONAMA Nº 386/06 - "Dispõe sobre procedimentos e critérios para o funcionamento de sistemas de tratamento térmico de resíduos".
  • 14. CONAMA 14 CONAMA nº 424/10 - Dispõe sobre o descarte e o gerenciamento adequados de pilhas e baterias usadas, no que tange à coleta, reutilização, reciclagem, tratamento ou disposição final. CONAMA nº 264/99 – Dispõe sobre procedimentos, critérios e aspectos técnicos específicos de licenciamento ambiental para o co-processamento de resíduos em fornos rotativos de clínquer, para a fabricação de cimento.
  • 15. CONAMA 15 CONAMA nº 237/97 – Dispõe sobre o processo de Licenciamento Ambiental, e estabelece a relação mínima das atividades ou empreendimentos sujeitos a este Licenciamento. Dentre eles consta: tratamento e/ou disposição de resíduos sólidos urbanos, inclusive aqueles provenientes de fossas. CONAMA n º24/94 – Trata da importação e exportação de rejeitos radioativos
  • 16. CONAMA 16 CONAMA nº 002/91 - Estabelece que as cargas deterioradas, contaminadas, fora de especificação ou abandonadas devem ser tratadas como fonte especial de risco para o meio ambiente até manifestação do órgão do meio ambiente competente. CONAMA nº 006/91 – "Dispõe sobre a incineração de resíduos sólidos provenientes de estabelecimentos de saúde, portos e aeroportos. CONAMA nº 008/91 – "Dispõe sobre a entrada no país de materiais residuais"
  • 17. Agenda 21 17 A agenda 21, com destaque para as medidas de minimização da geração, medidas de controle e medidas corretivas eventualmente necessárias. Capítulo 4 - mudança nos padrões de consumo minimização de rejeitos em todos os níveis, o estímulo a reciclagem industrial, a redução do uso de embalagens Capítulo 6 - tecnologia na área de resíduos sólidos, a capacitação e treinamento de pessoal, a substituição do uso de lixões por práticas de tratamento e disposição corretos de resíduos
  • 18. Agenda 21 18 Capítulo 18 - destaca que melhores instalações de tratamento de esgoto e de lixo industrial e é proposto neste capítulo que os resíduos sólidos das áreas urbanas sejam tratados e dispostos de forma ambientalmente sustentável. Capítulo 20 - produção com tecnologias limpas, reciclagem, substituição de materiais perigosos e transferência de tecnologias ambientalmente saudáveis Acordos e convenções referentes a transporte e tráfego de resíduos perigosos devem ser revistos, fortalecidos e fiscalizados.
  • 19. Agenda 21 19 Capítulo 21 - "O manejo ambientalmente saudável desses resíduos deve ir além do simples depósito ou aproveitamento por métodos seguros dos resíduos gerados e buscar resolver a causa fundamental do problema, procurando mudar os padrões não sustentáveis de produção e consumo. Isso implica a utilização do conceito de manejo integrado do ciclo vital, o qual apresenta oportunidade única de conciliar o desenvolvimento com a proteção do meio ambiente‖ (Item 21.4 da Agenda 21).
  • 20. Agenda 21 20 Mais adiante são apresentados os pilares fundamentais sobre os quais devem apoiar-se as políticas de resíduos sólidos:  Redução ao mínimo dos resíduos;  Aumento ao máximo da reutilização e reciclagem ambientalmente saudáveis dos resíduos;  Promoção do depósito e tratamento ambientalmente saudáveis dos resíduos;  Ampliação do alcance dos serviços que se ocupam dos resíduos.
  • 21. Agenda 21 21 Prosseguindo, a Agenda 21 ressalta: "Como as quatro áreas de programas estão correlacionadas e se apóiam mutuamente, devem estar integradas a fim de constituir uma estrutura ampla e ambientalmente saudável para o manejo dos resíduos sólidos municipais. A combinação de atividades e a importância que se dá a cada uma dessas quatro áreas variarão segundo as condições sócio-econômicas e físicas locais, taxas de produção de resíduos e a composição destes. Todos os setores da sociedade devem participar em todas as áreas de programas‖ (Item 21.6 da Agenda 21).
  • 22. Agenda 21 22 Capítulo 27 - Enquadram-se as cooperativas de catadores, os educadores e todos os grupos que, de alguma foram, são capazes de colaborar com o tema ―resíduo sólidos. Capítulo 36 - Incentivar a transferência de novas tecnologias na área de resíduos, onde os governos, a indústria, os sindicatos e os consumidores devem inserir a preocupação com o meio ambiente nas práticas empresariais.
  • 23. Agenda 21 23 Capítulo 40 - ressalta a importância de serem disponibilizadas informações ambientais, sociais, demográficas e de desenvolvimento associados à questão dos resíduos, de tal modo que as soluções e os encaminhamentos necessários sejam mais facilmente encontrados e postos em prática pelas instituições responsáveis.
  • 24. Normas da ABNT – Resíduos Sólidos 24 NBR 10004 Resíduos sólidos – Classificação NBR 10005 Lixiviação de resíduos – Procedimento NBR 10006 Solubilização de resíduos – Procedimento NBR 10007 Amostragem de resíduos – Procedimento NBR 10.703 Degradação do Solo – Terminologia NBR 12.988 Líquidos Livres - Verificação em Amostra de Resíduo
  • 25. Normas da ABNT – Aterros Sanitários/Industriais 25 NBR 8418 - Apresentação de Projetos de Aterros de Resíduos Industriais Perigosos. NBR 8419 - Apresentação de Projetos de Aterros Sanitários de Resíduos Sólidos Urbanos. NBR 10.157 - Aterros de Resíduos Perigosos Critérios para Projeto, Construção e Operação. NBR 13.896 - Aterros de Resíduos Não Perigosos Critérios para Projeto, Implantação e Operação.
  • 26. Normas da ABNT - Tratamento, Armazenamento e Transporte de Resíduos 26 NBR 11.174 – Armazenamento de Resíduos NBR 11.175 - Incineração de Resíduos Sólidos Perigosos Padrões de Desempenho (antiga NB 1265) NBR 13.894 - Tratamento no Solo (Landfarming) NBR 98 - Armazenamento e Manuseio de Líquidos Inflamáveis e Combustíveis NBR 7.505 - Armazenamento de Petróleo e seus Derivados Líquidos e Álcool Carburante NBR 12.235 - Armazenamento de Resíduos Sólidos Perigosos (antiga NB-1183) NBR 11.174 - Armazenamento de Resíduos Classe II - Não Inertes e III - Inertes (Antiga NB-1264)
  • 27. Normas da ABNT - Tratamento, Armazenamento e Transporte de Resíduos 27 NBR 13.221 - Transporte de Resíduos NBR 7.500 - Símbolos de Risco e Manuseio para o Transporte e Armazenagem de Materiais – Simbologia NBR 7.501 - Transporte de Cargas Perigosas Terminologia NBR 7.502 - Transporte de Cargas Perigosas Classificação NBR 7.503 - Ficha de Emergência para o Transporte de Cargas Perigosas
  • 28. Normas da ABNT - Características e Dimensões 28 NBR 7.504 - Envelope para Transporte de Cargas Perigosas - Dimensões e Utilizações NBR 13.786 - Seleção de Equipamentos e Sistemas para Instalações Subterrâneas de Combustíveis em Postos de Serviços NBR 13.784 - Detecção de Vazamento em Postos de Serviços.
  • 29. Normas ABNT - sobre Resíduos de Serviços de Saúde 29 NBR 12.807 - Resíduos de Serviços de Saúde Terminologia NBR 12.808 - Resíduos de Serviços de Saúde Classificação NBR 12.809 - Manuseio de Resíduos de Serviços de Saúde - Procedimento NBR 12.810 - Coleta de Resíduos de Serviços de Saúde – Procedimento.
  • 30. Política Nacional de Resíduos Sólidos 30 Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional de Resíduos Sólidos lança uma visão moderna na luta contra um dos maiores problemas do planeta: o lixo urbano. Tendo como princípio a responsabilidade compartilhada entre governo, empresas e população, a nova legislação impulsiona o retorno dos produtos às indústrias após o consumo e obriga o poder público a realizar planos para o gerenciamento do lixo. Entre as novidades, a lei consagra o viés social da reciclagem, com participação formal dos catadores organizados em cooperativas. A Política Nacional promoverá mudanças no cenário dos resíduos.
  • 31. Novos desafios 31 Poder Público Catadores Mas coleta seletiva e menos lixão Reciclagem com inclusão social
  • 33. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Levou 21 anos para ser aprovada Art. 1o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre seus princípios, objetivos e instrumentos, bem como sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis. CAPÍTULO II DEFINIÇÕES Art. 3o Para os efeitos desta Lei, entende-se por: V - coleta seletiva: coleta de resíduos sólidos previamente segregados conforme sua constituição ou composição; VI-controle social: conjunto de mecanismos e procedimentos que garantam à sociedade informações e participação nos processos de formulação, implementação e avaliação das políticas públicas relacionadas aos resíduos sólidos;
  • 34. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. VII - destinação final ambientalmente adequada: destinação de resíduos que inclui a reutilização, a reciclagem, a compostagem, a recuperação e o aproveitamento energético ou outras destinações admitidas pelos órgãos competentes do Sisnama, (...) entre elas a disposição final, observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos ambientais adversos; IX - geradores de resíduos sólidos: pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, que geram resíduos sólidos por meio de suas atividades, nelas incluído o consumo;
  • 35. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. X - gerenciamento de resíduos sólidos: conjunto de ações exercidas, direta ou indiretamente, nas etapas de coleta, transporte, transbordo, tratamento e destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, de acordo com plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos ou com plano de gerenciamento de resíduos sólidos, exigidos na forma desta Lei;
  • 36. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. XI - gestão integrada de resíduos sólidos: conjunto de ações voltadas para a busca de soluções para os resíduos sólidos, de forma a considerar as dimensões política, econômica, ambiental, cultural e social, com controle social e sob a premissa do desenvolvimento sustentável; XII - logística reversa: instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada;
  • 37. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. XIII - padrões sustentáveis de produção e consumo: produção e consumo de bens e serviços de forma a atender as necessidades das atuais gerações e permitir melhores condições de vida, sem comprometer a qualidade ambiental e o atendimento das necessidades das gerações futuras; XV - rejeitos: resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente adequada;
  • 38. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. XVI - resíduos sólidos: material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d’água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível;
  • 39. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. XVII - responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos: conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos desta Lei;
  • 40. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. CAPÍTULO II DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS Art. 7o São objetivos da Política Nacional de Resíduos Sólidos: I - proteção da saúde pública e da qualidade ambiental; II - não geração, redução, reutilização, reciclagem e tratamento dos resíduos sólidos, bem como disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos; III - estímulo à adoção de padrões sustentáveis de produção e consumo de bens e serviços; IV - adoção, desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias limpas como forma de minimizar impactos ambientais; V - redução do volume e da periculosidade dos resíduos perigosos;
  • 41. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. VI - incentivo à indústria da reciclagem, tendo em vista fomentar o uso de matérias-primas e insumos derivados de materiais recicláveis e reciclados; VII - gestão integrada de resíduos sólidos; VIII - articulação entre as diferentes esferas do poder público, e destas com o setor empresarial, com vistas à cooperação técnica e financeira para a gestão integrada de resíduos sólidos; IX - capacitação técnica continuada na área de resíduos sólidos;
  • 42. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. X - regularidade, continuidade, funcionalidade e universalização da prestação dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, com adoção de mecanismos gerenciais e econômicos que assegurem a recuperação dos custos dos serviços prestados, como forma de garantir sua sustentabilidade operacional e financeira, (...); XI - prioridade, nas aquisições e contratações governamentais, para: a) produtos reciclados e recicláveis; b) bens, serviços e obras que considerem critérios compatíveis com padrões de consumo social e ambientalmente sustentáveis;
  • 43. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. XII - integração dos catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis nas ações que envolvam a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos; XIII - estímulo à implementação da avaliação do ciclo de vida do produto; XIV - incentivo ao desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental e empresarial voltados para a melhoria dos processos produtivos e ao reaproveitamento dos resíduos sólidos, incluídos a recuperação e o aproveitamento energético; XV - estímulo à rotulagem ambiental e ao consumo sustentável.
  • 44. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. CAPÍTULO III DOS INSTRUMENTOS Art. 8o São instrumentos da Política Nacional de Resíduos Sólidos, entre outros: I - os planos de resíduos sólidos; II - os inventários e o sistema declaratório anual de resíduos sólidos; III - a coleta seletiva, os sistemas de logística reversa e outras ferramentas relacionadas à implementação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos; IV - o incentivo à criação e ao desenvolvimento de cooperativas ou de outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis; V - o monitoramento e a fiscalização ambiental, sanitária e agropecuária;
  • 45. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. VI - a cooperação técnica e financeira entre os setores público e privado para o desenvolvimento de pesquisas de novos produtos, métodos, processos e tecnologias de gestão, reciclagem, reutilização, tratamento de resíduos e disposição final ambientalmente adequada de rejeitos; VII - a pesquisa científica e tecnológica; VIII - a educação ambiental; IX - os incentivos fiscais, financeiros e creditícios; X - o Fundo Nacional do Meio Ambiente e o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico;
  • 46. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. TÍTULO III DAS DIRETRIZES APLICÁVEIS AOS RESÍDUOS SÓLIDOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 9o Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos. § 1o Poderão ser utilizadas tecnologias visando à recuperação energética dos resíduos sólidos urbanos, desde que tenha sido comprovada sua viabilidade técnica e ambiental e com a implantação de programa de monitoramento de emissão de gases tóxicos aprovado pelo órgão ambiental.
  • 47. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Art. 12. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão e manterão, de forma conjunta, o Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos (Sinir), articulado com o Sinisa e o Sinima. Art. 13. Para os efeitos desta Lei, os resíduos sólidos têm a seguinte classificação: I - quanto à origem: a) resíduos domiciliares: os originários de atividades domésticas em residências urbanas; b) resíduos de limpeza urbana: os originários da varrição, limpeza de logradouros e vias públicas e outros serviços de limpeza urbana; c) resíduos sólidos urbanos: os englobados nas alíneas “a” e “b”;
  • 48. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. e) resíduos dos serviços públicos de saneamento básico: os gerados nessas atividades, excetuados os referidos na alínea “c”; f) resíduos industriais: os gerados nos processos produtivos e instalações industriais; g) resíduos de serviços de saúde: os gerados nos serviços de saúde, conforme definido em regulamento ou em normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama e do SNVS;
  • 49. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. h) resíduos da construção civil: os gerados nas construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, incluídos os resultantes da preparação e escavação de terrenos para obras civis; i) resíduos agrossilvopastoris: os gerados nas atividades agropecuárias e silviculturais, incluídos os relacionados a insumos utilizados nessas atividades; j) resíduos de serviços de transportes: os originários de portos, aeroportos, terminais alfandegários, rodoviários e ferroviários e passagens de fronteira;
  • 50. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. k) resíduos de mineração: os gerados na atividade de pesquisa, extração ou beneficiamento de minérios; II - quanto à periculosidade: a) resíduos perigosos: aqueles que, em razão de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade, patogenicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e mutagenicidade, apresentam significativo risco à saúde pública ou à qualidade ambiental, de acordo com lei, regulamento ou norma técnica; b) resíduos não perigosos: aqueles não enquadrados na alínea “a”. Parágrafo único. Respeitado o disposto no art. 20, os resíduos referidos na alínea “d” do inciso I do caput, se caracterizados como não perigosos, podem, em razão de sua natureza, composição ou volume, ser equiparados aos resíduos domiciliares pelo poder público municipal.
  • 51. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. CAPÍTULO II - DOS PLANOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS Do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Art. 15. A União elaborará, sob a coordenação do Ministério do Meio Ambiente, o Plano Nacional de Resíduos Sólidos, com vigência por prazo indeterminado e horizonte de 20 (vinte) anos, a ser atualizado a cada 4 (quatro) anos, tendo como conteúdo mínimo: I - diagnóstico da situação atual dos resíduos sólidos; II- proposição de cenários, incluindo tendências internacionais e macroeconômicas; III - metas de redução, reutilização, reciclagem, entre outras, com vistas a reduzir a quantidade de resíduos e rejeitos encaminhados para disposição final ambientalmente adequada;
  • 52. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. IV - metas para o aproveitamento energético dos gases gerados nas unidades de disposição final de resíduos sólidos; V - metas para a eliminação e recuperação de lixões, associadas à inclusão social e à emancipação econômica de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis; VI - programas, projetos e ações para o atendimento das metas previstas;
  • 53. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. (...) Parágrafo único. O Plano Nacional de Resíduos Sólidos será elaborado mediante processo de mobilização e participação social, incluindo a realização de audiências e consultas públicas.
  • 54. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Dos Planos Estaduais de Resíduos Sólidos (Art. 16. A elaboração de plano estadual de resíduos sólidos, nos termos previstos por esta Lei, é condição para os Estados terem acesso a recursos da União, ou por ela controlados, destinados a empreendimentos e serviços relacionados à gestão de resíduos sólidos, ou para serem beneficiados por incentivos ou financiamentos de entidades federais de crédito ou fomento para tal finalidade) -
  • 55. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Dos Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (Art. 18. A elaboração de plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos, nos termos previstos por esta Lei, é condição para o Distrito Federal e os Municípios terem acesso a recursos da União, ou por ela controlados, destinados a empreendimentos e serviços relacionados à limpeza urbana e ao manejo de resíduos sólidos, ou para serem beneficiados por incentivos ou financiamentos de entidades federais de crédito ou fomento para tal finalidade.) -
  • 56. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. - Do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Art. 20. Estão sujeitos à elaboração de plano de gerenciamento de resíduos sólidos: I - os geradores de resíduos sólidos previstos nas alíneas “e”, “f”, “g” e “k” do inciso I do art. 13; II - os estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços que: a) gerem resíduos perigosos; b) gerem resíduos que, mesmo caracterizados como não perigosos, por sua natureza, composição ou volume, não sejam equiparados aos resíduos domiciliares pelo poder público municipal;
  • 57. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. III - as empresas de construção civil, nos termos do regulamento ou de normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama; IV - os responsáveis pelos terminais e outras instalações referidas na alínea “j” do inciso I do art. 13 e, nos termos do regulamento ou de normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama e, se couber, do SNVS, as empresas de transporte; V - os responsáveis por atividades agrossilvopastoris, se exigido pelo órgão competente do Sisnama, do SNVS ou do Suasa.
  • 58. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Art. 21. O plano de gerenciamento de resíduos sólidos tem o seguinte conteúdo mínimo: I - descrição do empreendimento ou atividade; II - diagnóstico dos resíduos sólidos gerados ou administrados, contendo a origem, o volume e a caracterização dos resíduos, incluindo os passivos ambientais a eles relacionados; III – (...) a) explicitação dos responsáveis por cada etapa do gerenciamento de resíduos sólidos; b) definição dos procedimentos operacionais relativos às etapas do gerenciamento de resíduos sólidos sob responsabilidade do gerador;
  • 59. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. IV - identificação das soluções consorciadas ou compartilhadas com outros geradores; V - ações preventivas e corretivas a serem executadas em situações de gerenciamento incorreto ou acidentes; VI - metas e procedimentos relacionados à minimização da geração de resíduos sólidos e, observadas as normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama, do SNVS e do Suasa, à reutilização e reciclagem; VII - se couber, ações relativas à responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, na forma do art. 31; VIII - medidas saneadoras dos passivos ambientais relacionados aos resíduos sólidos; IX - periodicidade de sua revisão, observado, se couber, o prazo de vigência da respectiva licença de operação a cargo dos órgãos do Sisnama.
  • 60. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. CAPÍTULO III - DAS RESPONSABILIDADES DOS GERADORES E DO PODER PÚBLICO - Da Responsabilidade Compartilhada (Art. 30. É instituída a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, a ser implementada de forma individualizada e encadeada, abrangendo os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, os consumidores e os titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, consoante as atribuições e procedimentos previstos nesta Seção. )
  • 61. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Art. 31. Sem prejuízo das obrigações estabelecidas no plano de gerenciamento de resíduos sólidos e com vistas a fortalecer a responsabilidade compartilhada e seus objetivos, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes têm responsabilidade que abrange: I - investimento no desenvolvimento, na fabricação e na colocação no mercado de produtos: a) que sejam aptos, após o uso pelo consumidor, à reutilização, à reciclagem ou a outra forma de destinação ambientalmente adequada; b) cuja fabricação e uso gerem a menor quantidade de resíduos sólidos possível;
  • 62. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. II - divulgação de informações relativas às formas de evitar, reciclar e eliminar os resíduos sólidos associados a seus respectivos produtos; III - recolhimento dos produtos e dos resíduos remanescentes após o uso, assim como sua subsequente destinação final ambientalmente adequada, no caso de produtos objeto de sistema de logística reversa na forma do art. 33;
  • 63. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Art. 33. São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de: I - agrotóxicos, seus resíduos e embalagens, assim como outros produtos cuja embalagem, após o uso, constitua resíduo perigoso, observadas as regras de gerenciamento de resíduos perigosos previstas em lei ou regulamento, em normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama, do SNVS e do Suasa, ou em normas técnicas; II - pilhas e baterias; III - pneus; IV - óleos lubrificantes, seus resíduos e embalagens; V - lâmpadas fluorescentes, de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista; VI - produtos eletroeletrônicos e seus componentes.
  • 64. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. CAPÍTULO IV - DOS RESÍDUOS PERIGOSOS Art. 37. A instalação e o funcionamento de empreendimento ou atividade que gere ou opere com resíduos perigosos somente podem ser autorizados ou licenciados pelas autoridades competentes se o responsável comprovar, no mínimo, capacidade técnica e econômica, além de condições para prover os cuidados necessários ao gerenciamento desses resíduos.
  • 65. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. CAPÍTULO V - DOS INSTRUMENTOS ECONÔMICOS Art. 42. O poder público poderá instituir medidas indutoras e linhas de financiamento para atender, prioritariamente, às iniciativas de: I - prevenção e redução da geração de resíduos sólidos no processo produtivo; II - desenvolvimento de produtos com menores impactos à saúde humana e à qualidade ambiental em seu ciclo de vida; III - implantação de infraestrutura física e aquisição de equipamentos para cooperativas ou outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis formadas por pessoas físicas de baixa renda;
  • 66. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. IV - desenvolvimento de projetos de gestão dos resíduos sólidos de caráter intermunicipal ou, nos termos do inciso I do caput do art. 11, regional; V - estruturação de sistemas de coleta seletiva e de logística reversa; VI - descontaminação de áreas contaminadas, incluindo as áreas órfãs; VII - desenvolvimento de pesquisas voltadas para tecnologias limpas aplicáveis aos resíduos sólidos; VIII - desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental e empresarial voltados para a melhoria dos processos produtivos e ao reaproveitamento dos resíduos.
  • 67. PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. DAS PROIBIÇÕES Art. 47. São proibidas as seguintes formas de destinação ou disposição final de resíduos sólidos ou rejeitos: I - lançamento em praias, no mar ou em quaisquer corpos hídricos; II - lançamento in natura a céu aberto, excetuados os resíduos de mineração; III - queima a céu aberto ou em recipientes, instalações e equipamentos não licenciados para essa finalidade;
  • 68. Referências Referências  PNRS - LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010.
  • 69. Texto para refletir 69 Loja nos EUA venderá produtos sem embalagem Postado em 29/07/2011 às 15h35 Será aberta no Texas, Estados Unidos, uma loja que não usará embalagem em seus produtos. O objetivo é que cada cliente leve sua própria embalagem. Dessa forma, a empresa In.gredients quer incentivar a redução, reutilização e evita o desperdício de alimentos. Os idealizadores do projeto, os irmãos Lane, afirmam que as embalagens representam 40% de todo o lixo produzido por uma família estadunidense. O pior é que a maior parte delas é utilizada apenas uma vez. A loja de produtos alimentícios In.gredients quer eliminar todas as embalagens das prateleiras, para isso vão sugerir que cada freguês leve de casa seus recipientes para guardar os produtos comprados: sacolinhas com fechamento zip lock, compotas de plástico, vidrinhos de conserva, entre outras coisas. O preço da mercadoria, já dentro do recipiente, será estipulado por quilograma. No entanto, o cliente não pagará a mais, pois a embalagem será pesada separadamente. Quem não levar sua embalagem tem a opção de comprar sacolas biodegradáveis na loja.
  • 70. Texto para refletir 70 A iniciativa visa a redução de embalagem, mas também diminui o desperdício de comida. Levando a embalagem, as pessoas tendem a comprar a quantia exata que precisam. “Não existe lixo na natureza. Lixo é uma invenção humana. Nossa principal prioridade é reduzir a quantidade de lixo que produzimos e reutilizar o que temos. Ser livres de embalagens limita radicalmente a nossa geração de resíduos. Nosso negócio vai ser lixo zero e sua casa pode ser também”, incentivam os irmãos Lane, no site da empresa. O negócio sustentável comprometeu-se em priorizar produtos locais e orgânicos, estimular o consumo consciente e oferecer a possibilidade de doar parte do valor gasto no mercado para ONGs parceiras. A In.gredients comercializará especiarias, chás de folhas soltas, grãos de café, frutas secas, óleos, laticínios, cerveja e vinho locais, grãos orgânicos (como arroz, feijão, aveia) e utensílios domésticos. Em Londres, desde 2006, já existe uma loja, chamada Unpackaged, que não disponibiliza embalagem. São os próprios clientes que levam suas sacolas e recipientes para carregar seus produtos. A In.gredients será inaugurada ainda este ano. Redação CicloVivo
  • 71. Questões para estudo 71 1. A Resolução CONAMA nº 275, de 25/4/2001 estabelece o código de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificação de coletores e transportadores, bem como nas campanhas informativas para a coleta seletiva. Estabeleça a relação entre os diferentes tipos de resíduos e as cores definidas na Resolução CONAMA. 2. Na PNRS o Art. 30 reza que é instituída a responsabilidade pelo ciclo de vida dos produtos, a ser implementada de forma individualizada e encadeada, abrangendo quais grupos? 3. Segundo a classificação da NBR10004/04 os resíduos sólidos podem ser agrupados em Classes, apresente cada uma delas e dê exemplos.
  • 72. Questões para estudo 72 4. A Lei nº 12.305 de 02/08/10 – Política Nacional de Resíduos Sólidos, cita os padrões sustentáveis de produção e consumo como a produção e consumo de bens e serviços de forma a atender as necessidades das atuais gerações e permitir melhores condições de vida, sem comprometer a qualidade ambiental e o atendimento das necessidades das gerações futuras. 5. Ainda sobre a Lei nº 12.305 de 02/08/10 a PNRS apresentam a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos: conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores (...), para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos. De que maneira prática de que forma poderíamos garantir a responsabilidade durante todo o ciclo de vida dos produtos.
  • 73. Questões para estudo 73 6. A articulação entre as diferentes esferas do poder público, e destas com o setor empresarial, com vistas à cooperação técnica e financeira para a gestão integrada de resíduos sólidos e - a cooperação técnica e financeira entre os setores públicos e privados para o desenvolvimento de pesquisas de novos produtos, métodos, processos e tecnologias de gestão, reciclagem, reutilização, tratamento de resíduos e disposição final ambientalmente adequada de rejeitos estão presentes na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Dê exemplos práticos de parcerias e cooperações técnicas, financeira e científica que poderiam ocorrer a fim de equacionar a problema.
  • 74. Questões para estudo 74 7. Segundo a PNRS Lei nº 12.305 de 02/08/10 a disposição final ambientalmente adequada é aquela onde? 8. Na lei nº 12.305 PNRS 02/08/10 o art. 9° reza que na gestão e gerenciamento dos resíduos sólidos deve ser observada a uma ordem de prioridade, qual? 9. O princípio “poluidor pagador” significa dizer que a “cada gerador é responsável pela manipulação e destinação final de seu resíduo” Este princípio esta estabelecida em qual lei? 10. Na PNRS o Art. 30 reza que é instituída a responsabilidade pelo ciclo de vida dos produtos, a ser implementada de forma individualizada e encadeada, abrangendo quais grupos? 11. No Art. 31. a PNRS reza que sem prejuízo das obrigações estabelecidas no plano de gerenciamento de resíduos sólidos e com vistas a fortalecer a responsabilidade compartilhada e seus objetivos, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes têm responsabilidade que abrange o que?
  • 75. Objetivo da aula 75 Ao final dessa aula, você deverá conhecer:  As principais normas e leis que tratam da questão dos resíduos sólidos no Brasil  Conhecer a nova Política Nacional dos Resíduos Sólidos e os desafios a serem enfrentados.  Discutir as formas de implementação da nova Política