SlideShare uma empresa Scribd logo
Desnutrição
e desidratação
Infantil
PROF. ENF° LARISSA MACHADO
DESNUTRIÇÃO
 A desnutrição pode ser classificada em LEVE, MODERADA E GRAVE.
 A classificação da intensidade está baseada no déficit de peso em relação à idade, e a altura assim como na altura
em relação à idade, adotando-se como base uma curva do crescimento.
Classificação da desnutrição segundo a tabela
de crescimento do NCHS.
É importante observar que toda criança desnutrida com edema, independentemente do seu déficit de
peso é considerada como desnutrido grave.
SINAIS CLÍNICOS DOS CASOS GRAVES DE
DESNUTRIÇÃO
 Trata-se de um grupo de condições patológicas, resultante da falta concomitante de
calorias e proteínas em proporções variáveis, que acomete, com maior frequência os
lactentes e pré-escolares e, frequentemente associada a carência de vitaminas e minerais.
 As formas graves de desnutrição: marasmo, kwashiorkor e as formas mistas, se
manifestam clinicamente de maneira típica, e devem ser reconhecidas pelos profissionais
de saúde para referência imediata a um serviço de maior complexidade onde estejam
disponíveis recursos e condutas adequadas para a recuperação nutricional.
MARASMO
 É uma desnutrição grave observada em crianças que
possuem o peso muito abaixo do esperado para sua
altura e idade. Isto faz com que elas percam massa
muscular e gordura. O cabelo fica escasso, quebradiço e
pode vir a perder a coloração.
 A criança pode ficar triste, quieta ou muito irritada, tem
a aparência muito emagrecida, envelhecida e com
costelas visíveis.
KWASHIORKOR
 É um tipo de desnutrição grave causada por deficiência de
proteínas.
 Pode comprometer o crescimento e o desenvolvimento da criança e,
por isso, deve ser prevenida por meio de uma dieta alimentar rica em
proteínas, encontradas em carnes (boi , frango, peixe), leite, queijo ,
ovos, feijão e outros.
 A criança com Kwashiorkor geralmente apresenta apatia e
desinteresse pelas coisas ao seu redor, apetite diminuído, rosto com
aspecto redondo (“lua cheia”), inchaço no corpo todo, alterações nos
cabelos (mudança da textura, brilho, queda e presença de listras
brancas horizontais, conhecidas como “sinal da bandeira”), lesões de
pele (descamação e mudança de cor) e fraqueza muscular.
KWASHIORKOR MARASMÁTICO
 É uma junção das duas, é caracterizado pelos sinais e
sintomas clássicos do Marasmo, contudo, com a presença
de edemas pelo corpo. Essa forma mista é marcada pela
desnutrição não só de carboidratos e gordura mas também
das proteínas, sendo considerada uma desnutrição
proteico-calórica(DPC).
DESIDRATAÇÃO
 A desidratação aguda na infância tem como causa principal perdas gastrointestinais por diarreia aguda.
 É a deficiência de água e eletrólitos corpóreos por perdas superiores à ingesta devido a anorexia, restrição
hídrica, por perdas aumentadas gastrintestinais (vômito e diarreia), perda urinária (diurese osmótica,
administração de diuréticos, insuficiência renal crônica), e perdas cutâneas e respiratórias (queimaduras e
exposição ao calor).
DESIDRATAÇÃO
 Segundo a estratégia do AIDPI, as crianças precisam ser avaliadas até os 5 anos obedecendo o seguinte critério:
Avaliação da sua condição geral, pesadas sem roupas e verificar se há sinais de alerta. Além de Verifica se a criança
está letárgica ou comatosa, é importante sempre perguntar para os pais:
 A criança consegue beber ou mamar no peito?
 A criança vomita tudo o que ingere?
 Criança apresentou convulsão?
DESIDRATAÇÃO
 Os tipos de desidratação são
relacionados à intensidade das perdas de
líquidos e eletrólitos e essa classificação
é fundamental para seu tratamento.
Podem ser divididas em desidratação
leve, moderada e grave.
 Na desidratação leve, existem perdas de
até 5% dos líquidos (3 a 5%); na
moderada até 10%; e na grave, acima de
10% de perdas ou mesmo choque.
DESIDRATAÇÃO
 Na desidratação leve, a sintomatologia é discreta ou mesmo ausente. Sede, redução da diurese com urina
concentrada e sinais de desidratação intra e extracelular são leves ou ausentes. O enchimento capilar é inferior
a 3 segundos.
 A desidratação moderada apresenta maior redução de diurese, sede intensa, maior intensidade de sinais de
desidratação, mucosas secas, taquicardia, embora sem sinais de choque enchimento capilar de 3 a 5 segundos.
 Na desidratação grave, há perda de 10% ou mais do peso corporal. Os sinais de desidratação intra e
extracelular são ainda mais acentuados, com sede intensa. As mais preocupantes características são as
alterações hemodinâmicas, muitas vezes associadas com problemas na perfusão cerebral. Pode haver sinais de
choque: enchimento capilar lento ou mais de 5 segundos, extremidades frias, pulsos rápidos e finos e, mais
tardiamente, hipotensão. Na maioria das vezes, há respiração acidótica. Os sinais neurológicos iniciam com
irritabilidade, torpor e, em situações mais graves, o coma.
TRATAMENTO:
 Plano A - Criança sem sinal de desidratação: Aumentar a oferta de líquidos como água e sucos, evitando
refrigerantes, sucos artificiais e soro de hidratação para atletas, que contém elevada quantidade de
açúcar acarretando aumento dos vômitos. Devem-se corrigir os eventuais erros dietéticos e oferecer o
soro de reidratação oral (SRO) de acordo com a aceitação do paciente, após cada evacuação ou
vômito.
 Plano B - Também conhecida como fase de “reparação”. Nas crianças com desidratação, leve ou
moderada, avaliadas por sinais clínicos, é desnecessário o conhecimento do peso anterior, mas a partir
do início da hidratação, a criança deve ser pesada, o que ajuda na avaliação da HO.
TRATAMENTO:
 Avalia-se o paciente pelo menos a cada hora, com base no desaparecimento dos sinais de hidratação,
elevação do peso e na presença da diurese.
 Deve ser oferecido o SRO sem cálculos prévios respeitando a sede e aceitação da criança, usando copo,
colher ou mamadeira e obedecendo seu hábito.
 De preferência, deve-se fazer a hidratação em ambiente específico ou sala de HO para o melhor
controle da hidratação.
 É importante considerar que a criança deve ser hidratada dentro das 6 horas; se não houver sinais de
melhora dentro de 3 horas, dificilmente irá hidratar nesse tempo estabelecido.
TRATAMENTO:
 Plano C Indicada a HV, nas situações em que está inviabilizada a via oral: alteração do estado de
consciência, íleo paralítico, desidratação grave ou choque. Nesse caso, é necessária a infusão rápida
de soluções hidroeletrolíticas em duas fases: reparação ou expansão rápida e manutenção mais
reposição.
 Criança com desidratação grave – Considera-se quando: comatosa, pulso fino impalpável, sinal da
prega muito diminuído (mais de 2 segundos), olhos muito fundos, fontanela funda ou deprimida,
mucosa seca, não consegue beber ou bebe muito mal. Inicia-se terapia endovenosa em três fases:
expansão, manutenção e reposição.
Fase de expansão:
 Pesar a criança sem roupa
 Iniciar a infusão de: Soro a 5% e soro fisiológico a 0,9%, 1:1 com volume de 100 ml/kg e
velocidade de 50 ml/kg/hora.
 Obs. Caso a criança se mantenha desidratada deve-se prescrever outra fase igual,
modificando apenas o volume: 50 ml/kg, na velocidade de 25 ml/kg/h.
 A fase da expansão termina quando a criança clinicamente estiver hidratada, com duas
micções claras, densidade urinária menor que 1010, associada ao bom ganho de peso sem
roupa.
Fase de manutenção:
 Visa repor perdas normais de água e eletrólitos que não proporcionais à atividade
metabólica.
 Inicia-se com Soro Glicosado 5% - 80% (80%) mais Soro Fisiológico 0,9% (20%)
 Entre 10 a 20 kg = 1.000ml+50 ml/kg por cada quilo que passe, até (10 quilos).
 Acima de 20 kg = 1.500 = 20 ml/kg que passe.
Fase da reposição:
 Visa repor as perdas anormais no caso de diarreia, a reposição deve cobrir perdas
fecais de água e eletrólitos.
 Repor: 50 ml/kg em partes iguais de Soro Glicosado 5% e Soro Fisiológico a 0,9%.
Pode ser aumentado para 100, 150 ou até 200 ml/kg. Quando a criança necessitar
de grandes volumes de líquidos.
“A persistência é o melhor
caminho do êxito”
Charles Chaplin

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Flávia Salame
 
Desnutrição infantil
Desnutrição infantilDesnutrição infantil
Desnutrição infantil
VivianeCosta
 
Desidratação infantil
Desidratação infantilDesidratação infantil
Desidratação infantil
Andréa Castilho
 
Desnutrição pv
Desnutrição pvDesnutrição pv
Desnutrição pv
Paulo Sales
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICADESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
Silvana Lima
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Nadja Salgueiro
 
Sisvan norma tecnica_criancas
Sisvan norma tecnica_criancasSisvan norma tecnica_criancas
Sisvan norma tecnica_criancas
Cínthia Lima
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
blogped1
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Vacinas
Vacinas Vacinas
Vacinas
Júlia Moreira
 
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP) A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
Ana Paula Ribeiro da Fonseca Lopes
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a GestaçãoInfecção do Trato Urinário durante a Gestação
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
ITPAC PORTO
 
Distúrbios Alimentares
Distúrbios AlimentaresDistúrbios Alimentares
Distúrbios Alimentares
Juliana Costa
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
Fernanda Dias
 
Guia prativo de vacinas
Guia prativo de vacinasGuia prativo de vacinas
Guia prativo de vacinas
Centro Universitário Ages
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
Karina Pereira
 

Mais procurados (20)

TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Desnutrição infantil
Desnutrição infantilDesnutrição infantil
Desnutrição infantil
 
Desidratação infantil
Desidratação infantilDesidratação infantil
Desidratação infantil
 
Desnutrição pv
Desnutrição pvDesnutrição pv
Desnutrição pv
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICADESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
DESNUTRIÇÃO PROTEICO CALORICA
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Sisvan norma tecnica_criancas
Sisvan norma tecnica_criancasSisvan norma tecnica_criancas
Sisvan norma tecnica_criancas
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Vacinas
Vacinas Vacinas
Vacinas
 
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP) A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a GestaçãoInfecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Distúrbios Alimentares
Distúrbios AlimentaresDistúrbios Alimentares
Distúrbios Alimentares
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 
Guia prativo de vacinas
Guia prativo de vacinasGuia prativo de vacinas
Guia prativo de vacinas
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 

Semelhante a aula 7 desnutrição.pptx

Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Lorena de Assis
 
DIVERTICULITE.docx
DIVERTICULITE.docxDIVERTICULITE.docx
DIVERTICULITE.docx
JocianedaRosaMarques
 
DIVERTICULITE.docx
DIVERTICULITE.docxDIVERTICULITE.docx
DIVERTICULITE.docx
JocianedaRosaMarques
 
Manual 2
 Manual 2 Manual 2
Manual 2
carlosmozer
 
Disturbios hidreletroliticos
Disturbios hidreletroliticosDisturbios hidreletroliticos
Disturbios hidreletroliticos
Nady Ribeiro
 
Sindrome Má Absorção
Sindrome Má AbsorçãoSindrome Má Absorção
Sindrome Má Absorção
Amanda Thomé
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 
Aula (1)
Aula (1)Aula (1)
Equilíbrio do organismo- Distúrbios Alimentares
Equilíbrio do organismo- Distúrbios AlimentaresEquilíbrio do organismo- Distúrbios Alimentares
Equilíbrio do organismo- Distúrbios Alimentares
Melissa Matos
 
Desnutrição e alimentos enriquecidos
Desnutrição e alimentos enriquecidosDesnutrição e alimentos enriquecidos
Desnutrição e alimentos enriquecidos
Rafaela Neves
 
Modelo relatório
Modelo relatórioModelo relatório
Modelo relatório
Dário Barbosa
 
DistúRbios Alimentares
DistúRbios AlimentaresDistúRbios Alimentares
DistúRbios Alimentares
profanabela
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
ROSILEIDE
 
Sd metabolica
Sd metabolicaSd metabolica
Sd metabolica
juhbianchi
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Luciane Santana
 
Comportamentos Alimentares 8b
Comportamentos Alimentares 8bComportamentos Alimentares 8b
Comportamentos Alimentares 8b
Michele Pó
 
Genética 12- A Base bioquímica e molecular das doenças genéticas.ppt
Genética 12- A Base bioquímica e molecular das doenças genéticas.pptGenética 12- A Base bioquímica e molecular das doenças genéticas.ppt
Genética 12- A Base bioquímica e molecular das doenças genéticas.ppt
juliakassiap
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
KetlenBatista
 
Pesquisa sobre a doença celíaca
Pesquisa sobre  a doença  celíacaPesquisa sobre  a doença  celíaca
Pesquisa sobre a doença celíaca
Robson Lopes
 
Pesquisa sobre a doença celíaca
Pesquisa sobre  a doença  celíacaPesquisa sobre  a doença  celíaca
Pesquisa sobre a doença celíaca
Robson Lopes
 

Semelhante a aula 7 desnutrição.pptx (20)

Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatriaDiarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
Diarréia e distúrbios hidroeletrolíticos em pediatria
 
DIVERTICULITE.docx
DIVERTICULITE.docxDIVERTICULITE.docx
DIVERTICULITE.docx
 
DIVERTICULITE.docx
DIVERTICULITE.docxDIVERTICULITE.docx
DIVERTICULITE.docx
 
Manual 2
 Manual 2 Manual 2
Manual 2
 
Disturbios hidreletroliticos
Disturbios hidreletroliticosDisturbios hidreletroliticos
Disturbios hidreletroliticos
 
Sindrome Má Absorção
Sindrome Má AbsorçãoSindrome Má Absorção
Sindrome Má Absorção
 
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
Doenças Prevalentes da Infância [ETEC CARLOS DE CAMPOS]
 
Aula (1)
Aula (1)Aula (1)
Aula (1)
 
Equilíbrio do organismo- Distúrbios Alimentares
Equilíbrio do organismo- Distúrbios AlimentaresEquilíbrio do organismo- Distúrbios Alimentares
Equilíbrio do organismo- Distúrbios Alimentares
 
Desnutrição e alimentos enriquecidos
Desnutrição e alimentos enriquecidosDesnutrição e alimentos enriquecidos
Desnutrição e alimentos enriquecidos
 
Modelo relatório
Modelo relatórioModelo relatório
Modelo relatório
 
DistúRbios Alimentares
DistúRbios AlimentaresDistúRbios Alimentares
DistúRbios Alimentares
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Sd metabolica
Sd metabolicaSd metabolica
Sd metabolica
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
 
Comportamentos Alimentares 8b
Comportamentos Alimentares 8bComportamentos Alimentares 8b
Comportamentos Alimentares 8b
 
Genética 12- A Base bioquímica e molecular das doenças genéticas.ppt
Genética 12- A Base bioquímica e molecular das doenças genéticas.pptGenética 12- A Base bioquímica e molecular das doenças genéticas.ppt
Genética 12- A Base bioquímica e molecular das doenças genéticas.ppt
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
 
Pesquisa sobre a doença celíaca
Pesquisa sobre  a doença  celíacaPesquisa sobre  a doença  celíaca
Pesquisa sobre a doença celíaca
 
Pesquisa sobre a doença celíaca
Pesquisa sobre  a doença  celíacaPesquisa sobre  a doença  celíaca
Pesquisa sobre a doença celíaca
 

Mais de LarissaMachado97

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
LarissaMachado97
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
LarissaMachado97
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
LarissaMachado97
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
LarissaMachado97
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
LarissaMachado97
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
LarissaMachado97
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
LarissaMachado97
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
LarissaMachado97
 

Mais de LarissaMachado97 (17)

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
 

aula 7 desnutrição.pptx

  • 2. DESNUTRIÇÃO  A desnutrição pode ser classificada em LEVE, MODERADA E GRAVE.  A classificação da intensidade está baseada no déficit de peso em relação à idade, e a altura assim como na altura em relação à idade, adotando-se como base uma curva do crescimento.
  • 3. Classificação da desnutrição segundo a tabela de crescimento do NCHS. É importante observar que toda criança desnutrida com edema, independentemente do seu déficit de peso é considerada como desnutrido grave.
  • 4. SINAIS CLÍNICOS DOS CASOS GRAVES DE DESNUTRIÇÃO  Trata-se de um grupo de condições patológicas, resultante da falta concomitante de calorias e proteínas em proporções variáveis, que acomete, com maior frequência os lactentes e pré-escolares e, frequentemente associada a carência de vitaminas e minerais.  As formas graves de desnutrição: marasmo, kwashiorkor e as formas mistas, se manifestam clinicamente de maneira típica, e devem ser reconhecidas pelos profissionais de saúde para referência imediata a um serviço de maior complexidade onde estejam disponíveis recursos e condutas adequadas para a recuperação nutricional.
  • 5. MARASMO  É uma desnutrição grave observada em crianças que possuem o peso muito abaixo do esperado para sua altura e idade. Isto faz com que elas percam massa muscular e gordura. O cabelo fica escasso, quebradiço e pode vir a perder a coloração.  A criança pode ficar triste, quieta ou muito irritada, tem a aparência muito emagrecida, envelhecida e com costelas visíveis.
  • 6. KWASHIORKOR  É um tipo de desnutrição grave causada por deficiência de proteínas.  Pode comprometer o crescimento e o desenvolvimento da criança e, por isso, deve ser prevenida por meio de uma dieta alimentar rica em proteínas, encontradas em carnes (boi , frango, peixe), leite, queijo , ovos, feijão e outros.  A criança com Kwashiorkor geralmente apresenta apatia e desinteresse pelas coisas ao seu redor, apetite diminuído, rosto com aspecto redondo (“lua cheia”), inchaço no corpo todo, alterações nos cabelos (mudança da textura, brilho, queda e presença de listras brancas horizontais, conhecidas como “sinal da bandeira”), lesões de pele (descamação e mudança de cor) e fraqueza muscular.
  • 7. KWASHIORKOR MARASMÁTICO  É uma junção das duas, é caracterizado pelos sinais e sintomas clássicos do Marasmo, contudo, com a presença de edemas pelo corpo. Essa forma mista é marcada pela desnutrição não só de carboidratos e gordura mas também das proteínas, sendo considerada uma desnutrição proteico-calórica(DPC).
  • 8. DESIDRATAÇÃO  A desidratação aguda na infância tem como causa principal perdas gastrointestinais por diarreia aguda.  É a deficiência de água e eletrólitos corpóreos por perdas superiores à ingesta devido a anorexia, restrição hídrica, por perdas aumentadas gastrintestinais (vômito e diarreia), perda urinária (diurese osmótica, administração de diuréticos, insuficiência renal crônica), e perdas cutâneas e respiratórias (queimaduras e exposição ao calor).
  • 9. DESIDRATAÇÃO  Segundo a estratégia do AIDPI, as crianças precisam ser avaliadas até os 5 anos obedecendo o seguinte critério: Avaliação da sua condição geral, pesadas sem roupas e verificar se há sinais de alerta. Além de Verifica se a criança está letárgica ou comatosa, é importante sempre perguntar para os pais:  A criança consegue beber ou mamar no peito?  A criança vomita tudo o que ingere?  Criança apresentou convulsão?
  • 10. DESIDRATAÇÃO  Os tipos de desidratação são relacionados à intensidade das perdas de líquidos e eletrólitos e essa classificação é fundamental para seu tratamento. Podem ser divididas em desidratação leve, moderada e grave.  Na desidratação leve, existem perdas de até 5% dos líquidos (3 a 5%); na moderada até 10%; e na grave, acima de 10% de perdas ou mesmo choque.
  • 11. DESIDRATAÇÃO  Na desidratação leve, a sintomatologia é discreta ou mesmo ausente. Sede, redução da diurese com urina concentrada e sinais de desidratação intra e extracelular são leves ou ausentes. O enchimento capilar é inferior a 3 segundos.  A desidratação moderada apresenta maior redução de diurese, sede intensa, maior intensidade de sinais de desidratação, mucosas secas, taquicardia, embora sem sinais de choque enchimento capilar de 3 a 5 segundos.  Na desidratação grave, há perda de 10% ou mais do peso corporal. Os sinais de desidratação intra e extracelular são ainda mais acentuados, com sede intensa. As mais preocupantes características são as alterações hemodinâmicas, muitas vezes associadas com problemas na perfusão cerebral. Pode haver sinais de choque: enchimento capilar lento ou mais de 5 segundos, extremidades frias, pulsos rápidos e finos e, mais tardiamente, hipotensão. Na maioria das vezes, há respiração acidótica. Os sinais neurológicos iniciam com irritabilidade, torpor e, em situações mais graves, o coma.
  • 12. TRATAMENTO:  Plano A - Criança sem sinal de desidratação: Aumentar a oferta de líquidos como água e sucos, evitando refrigerantes, sucos artificiais e soro de hidratação para atletas, que contém elevada quantidade de açúcar acarretando aumento dos vômitos. Devem-se corrigir os eventuais erros dietéticos e oferecer o soro de reidratação oral (SRO) de acordo com a aceitação do paciente, após cada evacuação ou vômito.  Plano B - Também conhecida como fase de “reparação”. Nas crianças com desidratação, leve ou moderada, avaliadas por sinais clínicos, é desnecessário o conhecimento do peso anterior, mas a partir do início da hidratação, a criança deve ser pesada, o que ajuda na avaliação da HO.
  • 13. TRATAMENTO:  Avalia-se o paciente pelo menos a cada hora, com base no desaparecimento dos sinais de hidratação, elevação do peso e na presença da diurese.  Deve ser oferecido o SRO sem cálculos prévios respeitando a sede e aceitação da criança, usando copo, colher ou mamadeira e obedecendo seu hábito.  De preferência, deve-se fazer a hidratação em ambiente específico ou sala de HO para o melhor controle da hidratação.  É importante considerar que a criança deve ser hidratada dentro das 6 horas; se não houver sinais de melhora dentro de 3 horas, dificilmente irá hidratar nesse tempo estabelecido.
  • 14. TRATAMENTO:  Plano C Indicada a HV, nas situações em que está inviabilizada a via oral: alteração do estado de consciência, íleo paralítico, desidratação grave ou choque. Nesse caso, é necessária a infusão rápida de soluções hidroeletrolíticas em duas fases: reparação ou expansão rápida e manutenção mais reposição.  Criança com desidratação grave – Considera-se quando: comatosa, pulso fino impalpável, sinal da prega muito diminuído (mais de 2 segundos), olhos muito fundos, fontanela funda ou deprimida, mucosa seca, não consegue beber ou bebe muito mal. Inicia-se terapia endovenosa em três fases: expansão, manutenção e reposição.
  • 15. Fase de expansão:  Pesar a criança sem roupa  Iniciar a infusão de: Soro a 5% e soro fisiológico a 0,9%, 1:1 com volume de 100 ml/kg e velocidade de 50 ml/kg/hora.  Obs. Caso a criança se mantenha desidratada deve-se prescrever outra fase igual, modificando apenas o volume: 50 ml/kg, na velocidade de 25 ml/kg/h.  A fase da expansão termina quando a criança clinicamente estiver hidratada, com duas micções claras, densidade urinária menor que 1010, associada ao bom ganho de peso sem roupa.
  • 16. Fase de manutenção:  Visa repor perdas normais de água e eletrólitos que não proporcionais à atividade metabólica.  Inicia-se com Soro Glicosado 5% - 80% (80%) mais Soro Fisiológico 0,9% (20%)  Entre 10 a 20 kg = 1.000ml+50 ml/kg por cada quilo que passe, até (10 quilos).  Acima de 20 kg = 1.500 = 20 ml/kg que passe.
  • 17. Fase da reposição:  Visa repor as perdas anormais no caso de diarreia, a reposição deve cobrir perdas fecais de água e eletrólitos.  Repor: 50 ml/kg em partes iguais de Soro Glicosado 5% e Soro Fisiológico a 0,9%. Pode ser aumentado para 100, 150 ou até 200 ml/kg. Quando a criança necessitar de grandes volumes de líquidos.
  • 18. “A persistência é o melhor caminho do êxito” Charles Chaplin