SlideShare uma empresa Scribd logo
F
U
N
D
AMEN
TO
SD
EENF
ERMA
GEM,
B
I
O
S
S
E
G
U
R
A
N
Ç
A ES
A
Ú
D
ED
OTR
ABALHADOR
–BASESTECNOL
Ó
G
I
C
AS
ǪualisC
entrodeFormaçãoP
rofissional
EnfªCristianiPereira-Coren/SC271592
FeridaseC
urativos
Ferida
É a perda da continuidade de qualquer tecido mole do organismo, podendo ser
provocada por diferentes mecanismos.
As feridas recebem as seguintes classificações:
Feridas Cirúrgicas: lesões intencionais e
realizadas sob condições assépticas, com
cicatrização rápidas e poucas
complicações;
Feridas Traumáticas: lesões acidentais,
que podem estar acompanhadas de perdas
de tecidos; não assépticas; predisposição
para infectar;
Ferida
Uma das funções da pele é constituir-se em uma barreira mecânica contra
agentes nocivos, como microrganismos, o rompimento pode tornar vulnerável a
ação desses elementos.
As feridas podem ser classificadas conforme a presença ou não de
microrganismo patogênicos:
Feridas Limpas: lesões operatórias, não há presença de microrganismo;
Feridas Contaminadas: lesões com presença de microrganismo patogênicos e
risco para infecção;
Feridas Infectadas: lesões com presença de microrganismo patogênicos em
processo de infecção; geralmente apresentam exsudato purulento.
TiposdeFerimento
★ Incisão:
★ Escoriações;
★ Ferimento Penetrante;
★ Laceração;
★ Avulsão;
★ Contusão.
FatoresqueInfluenciam:InfecçãonaFerida
A infecção é considerada a complicação mais temida, pois interfere no
processo de cicatrização, independente da origem da ferida.
A infecção pode variar de acordo com o tipo e localização;
O diagnóstico precoce auxilia no tratamento;
Antibióticos sistêmicos, curativos adequados e técnica asséptica são
combinações perfeitas para manuseio da ferida.
FatoresqueInfluenciam:InfecçãonaFerida
Ocorre quando:
Aumento do número de microrganismos no tecido local;
Presença de tecido necrótico;
Ambiente favorável para desenvolvimento dos microrganismos;
Fontes de infecção endógenas (flora do paciente) e exógenas (cuidados
inadequados da equipe de saúde);
Falta de higiêne pessoal do paciente;
Infecção Cruzada.
FatoresqueInfluenciam:InfecçãonaFerida
Ao observar a ferida, é necessário levar em consideração alguns indicativos do
processo infecciosa já instalado, avaliados por:
Sinais de infecção: atentar-se para os sinais flogísticos;
Localização da ferida: alguns locais apresentam maiores riscos para
sangramento, ex: cabeça e pescoço; abdome drenagem de maior volume;
Drenagem presente: importante avaliar o conteúdo drenado;
Tecido Necrosado: ocorre principalmente em lesões ulceradas;
Condições físicas do paciente: desnutrição, doenças circulatórias e diabetes e
medicamentos.
Cicatrização
É a primeira estrutura de defesa contra o
patógeno da pele.
Qualquer trauma ou rompimento da pele,
o corpo torna-se vulnerável ao ataque de
microrganismos.
O processo satisfatório de cicatrização
ocorre em etapas: proliferação,
contração e maturação da cicatriz.
Cicatrização:PrimeiraIntenção
As bordas são aproximadas em uma única
incisão por sutura;
As feridas cirúrgicas limpas e as feridas
cortantes acidentais ocorrem nesses casos;
Neste caso não é interrompida, o local da
lesão apresenta-se quase imperceptível.
Cicatrização:SegundaIntenção
Ocorre pela aproximação indireta, as
bordas não podem ser aproximadas;
A cicatrização levará mais tempo,
tendo uma maior quantidade de
tecido cicatricial;
A grande perda de tecido, poderá
resultar em disfunção acentuada ou
deformidade.
Cicatrização:T
erceiraIntenção
Realizada por correção cirúrgica,
após tecido de granulação;
Utilizado para modificar o processo
de cicatrização;
Eficiente e resultando em melhores
condições funcionais e estética.
Cicatrização
Quarta Intenção: Formação de crosta protetora sobre o tecido de
granulação, comum em escoriações e queimaduras.
Primeira Intenção retardada: é colocado entre as bordas de uma
ferida, coloca-se um material absorvente, para evitar o fechamento
prematuramente. Após avaliação e redução da infecção local (3 a 5
dias após a incisão), a ferida poderá ser suturada ou fechada por
outros meios.
ProcessodeCicatrização:FatoresqueInfluenciam
As condições gerais do paciente são muito importantes para avaliação de uma
ferida, bem como as alterações que possam interferir ao longo do processo
cicatricial, como os fatores gerais ou locais:
Gerais:
Hipovolemia;
Nutrição;
Idade;
Queda da defesa Imunológica;
Hormônios;
Tratamento medicamentoso;
Doenças associadas;
Hipotermia;
Drogas e bebidas alcóolicas.
Locais:
Estrutura da lesão;
Local;
Edema;
Tipos de curativos utilizados;
Mobilização;
Suprimento sanguíneo.
CicatrizaçãodeFeridas:C
omplicações
★ Infecção;
★ Deiscência;
★ Cicatriz hipertrófica;
★ Queloide;
★ Hemorragia.
C
urativo
É um cuidado dispensado a uma área
do corpo que apresenta lesão de
continuidade;
Consiste na limpeza e na aplicação e
cobertura estéril, quando necessário,
para prevenir contaminações e
infecções e promover rápida
cicatrização;
C
urativo
A pele é uma barreira mecânica de proteção do corpo e participa da
termorregulamentação, da excreção de água e eletrólitos e das percepções
táteis.
Formada por três camadas:
★ Epiderme;
★ Derme;
★ Tecido conjuntivo subcutâneo.
C
urativo
O tratamento de uma ferida e a assepsia cuidadosa
tem como objetivo evitar ou diminuir os riscos de
complicações, bem como favorecer o processo de
cicatrização.
As formas de coberturas evoluíram de curativos
passivos (gazes e
ativos (interativos,
compressas)
hidroativos
para curativos
e bioativos),
modificando o paradigma tradicional no cuidado de
feridas.
FinalidadesdoC
urativo
★ Prevenir e tratar a infecção das lesões contaminadas;
★ Evitar a contaminação das feridas limpas;
★ Promover a cicatrização;
★ Promover a homeostasia;
★ Remover exsudatos;
★ Proteger o leito da ferida;
★ Alívio da dor;
★ Manter medicamentos no local;
★ Manter um ambiente umedecido;
★ Remover corpos estranhos;
★ Proteger contra traumas.
FinalidadesdoC
urativo
★ Reaproximar bordas separadas;
★ Preencher espaço morto;
★ Remover tecido necrótico;
★ Reduzir edema;
★ Fornecer isolamento térmico;
★ Dar conforto psicológico;
★ Permitir as trocas gasosas;
★ Limitar a movimentação dos tecidos em torno da ferida.
C
ritériosparaSeleçãodaC
obertura
Ferida: seca/crosta/exsudato/necrose;
Localização da ferida;
Tamanho da ferida;
Formato da ferida (superficial, profunda);
Conforto do paciente;
Facilidade de aplicação;
Eficácia;
Custo benefício.
C
urativos:C
onsiderações
★ Avaliação deverá ser realizada pelo enfermeiro, que fará a prescrição do tipo de
curativo mais indicado a se utilizado;
★ Condições favoráveis para a recuperação do tecido celular;
★ Não se deve permitir que fatores indesejáveis ou complicações ocorram para o
retardo cicatricial;
★ O curativo deve ser manuseado corretamente e a técnica adequada;
★ Evitar infecções.
C
urativos:C
onsiderações
★ A limpeza deve ser feita da área menos contaminada para a área mais
contaminada, evitando-se movimentos de vai e vém.
★ Nas feridas cirúrgicas, a área mais contaminada é a pele localizada ao
redor da ferida;
★ Nas feridas infectadas a área mais contaminada é a do interior da ferida.
Curativos
Passivos: utilizados para proteger e cobrir feridas, como: gazes, gazes medicadas,
esparadrapo, micropore, fitas hipoalergênicas e cirúrgicas.
Interativos: utilizados com materiais projetados para manter um microambiente para a
cura da ferida, podendo ser películas ou espumas polimerizadas, hidrogéis e
hidrocolóides, entre outros
Boativos: resgatam ou estimulam a liberação de substâncias ativas durante o processo
de restabelecimento, como alginato de cáLcio, polissacarídeos, AGE
Referências
VIANA, D. Laplac(Org.).CURSO DIDÁTICO EM ENFERMAGEM. 10ª.São
Caetano do Sul,SP:Yendis Editora,2010. Módulo 1,vol.1. e Vol.2.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 15 - Curativos.pptx

FERIDAS E CURATVOS.pdf
FERIDAS E CURATVOS.pdfFERIDAS E CURATVOS.pdf
FERIDAS E CURATVOS.pdf
PedroArcanjo9
 
Protocolo feridas rs
Protocolo feridas rsProtocolo feridas rs
Protocolo feridas rs
Raquel Alves Cerqueira
 
Curativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptCurativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.ppt
ClarissePaes
 
Queimaduras
Queimaduras Queimaduras
Queimaduras
Anderson Dias
 
tipos de feridas.pdf
tipos de feridas.pdftipos de feridas.pdf
tipos de feridas.pdf
MuryelleBatista
 
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
joseantoniodesouza72
 
Apostila de enfermagem_-_apostila_tratamento_de_feridas,_cicatrização_e_curat...
Apostila de enfermagem_-_apostila_tratamento_de_feridas,_cicatrização_e_curat...Apostila de enfermagem_-_apostila_tratamento_de_feridas,_cicatrização_e_curat...
Apostila de enfermagem_-_apostila_tratamento_de_feridas,_cicatrização_e_curat...
Claudio Ribeiro
 
Feridas.pdf
Feridas.pdfFeridas.pdf
Feridas.pdf
Brunno Rosique
 
Feridas x curativo
Feridas x curativoFeridas x curativo
Feridas x curativo
Kelwey Da Hora Farias
 
Ulceras de Pressao
Ulceras de PressaoUlceras de Pressao
Ulceras de Pressao
Andre Kayano
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
Nelio Dinis
 
Desbridamiento de ulceras por pressao e outras feridas cronicas
Desbridamiento de ulceras por pressao e outras feridas cronicasDesbridamiento de ulceras por pressao e outras feridas cronicas
Desbridamiento de ulceras por pressao e outras feridas cronicas
GNEAUPP.
 
26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos
Maria Alves Silva
 
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptxCONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
joseantoniodesouza72
 
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdfCONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
joseantoniodesouza72
 
Tratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressãoTratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressão
Frederico Brandão
 
Lesões da pele 1111.ppt
Lesões da pele 1111.pptLesões da pele 1111.ppt
Lesões da pele 1111.ppt
susanaferreira956724
 
Feridas
FeridasFeridas
Ferida senac
Ferida senacFerida senac
Ferida senac
Geyse Aguiar
 
+LCERAS DE PRESS+O (1) (01).pdf
+LCERAS DE PRESS+O (1) (01).pdf+LCERAS DE PRESS+O (1) (01).pdf
+LCERAS DE PRESS+O (1) (01).pdf
FranciscoFlorencio6
 

Semelhante a Aula 15 - Curativos.pptx (20)

FERIDAS E CURATVOS.pdf
FERIDAS E CURATVOS.pdfFERIDAS E CURATVOS.pdf
FERIDAS E CURATVOS.pdf
 
Protocolo feridas rs
Protocolo feridas rsProtocolo feridas rs
Protocolo feridas rs
 
Curativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptCurativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.ppt
 
Queimaduras
Queimaduras Queimaduras
Queimaduras
 
tipos de feridas.pdf
tipos de feridas.pdftipos de feridas.pdf
tipos de feridas.pdf
 
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
 
Apostila de enfermagem_-_apostila_tratamento_de_feridas,_cicatrização_e_curat...
Apostila de enfermagem_-_apostila_tratamento_de_feridas,_cicatrização_e_curat...Apostila de enfermagem_-_apostila_tratamento_de_feridas,_cicatrização_e_curat...
Apostila de enfermagem_-_apostila_tratamento_de_feridas,_cicatrização_e_curat...
 
Feridas.pdf
Feridas.pdfFeridas.pdf
Feridas.pdf
 
Feridas x curativo
Feridas x curativoFeridas x curativo
Feridas x curativo
 
Ulceras de Pressao
Ulceras de PressaoUlceras de Pressao
Ulceras de Pressao
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
 
Desbridamiento de ulceras por pressao e outras feridas cronicas
Desbridamiento de ulceras por pressao e outras feridas cronicasDesbridamiento de ulceras por pressao e outras feridas cronicas
Desbridamiento de ulceras por pressao e outras feridas cronicas
 
26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos
 
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptxCONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO.pptx
 
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdfCONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
CONTEUDO PARA ESTUDOS REFERENTE A SEGUNDA AVALIAÇÃO..pdf
 
Tratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressãoTratamento de úlceras de pressão
Tratamento de úlceras de pressão
 
Lesões da pele 1111.ppt
Lesões da pele 1111.pptLesões da pele 1111.ppt
Lesões da pele 1111.ppt
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
 
Ferida senac
Ferida senacFerida senac
Ferida senac
 
+LCERAS DE PRESS+O (1) (01).pdf
+LCERAS DE PRESS+O (1) (01).pdf+LCERAS DE PRESS+O (1) (01).pdf
+LCERAS DE PRESS+O (1) (01).pdf
 

Mais de LarissaMachado97

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
LarissaMachado97
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
LarissaMachado97
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
LarissaMachado97
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
LarissaMachado97
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
LarissaMachado97
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
LarissaMachado97
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
LarissaMachado97
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
LarissaMachado97
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
LarissaMachado97
 

Mais de LarissaMachado97 (17)

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
 

Último

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
profafernandacesa
 

Último (7)

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
 

Aula 15 - Curativos.pptx

  • 3. Ferida É a perda da continuidade de qualquer tecido mole do organismo, podendo ser provocada por diferentes mecanismos. As feridas recebem as seguintes classificações: Feridas Cirúrgicas: lesões intencionais e realizadas sob condições assépticas, com cicatrização rápidas e poucas complicações; Feridas Traumáticas: lesões acidentais, que podem estar acompanhadas de perdas de tecidos; não assépticas; predisposição para infectar;
  • 4. Ferida Uma das funções da pele é constituir-se em uma barreira mecânica contra agentes nocivos, como microrganismos, o rompimento pode tornar vulnerável a ação desses elementos. As feridas podem ser classificadas conforme a presença ou não de microrganismo patogênicos: Feridas Limpas: lesões operatórias, não há presença de microrganismo; Feridas Contaminadas: lesões com presença de microrganismo patogênicos e risco para infecção; Feridas Infectadas: lesões com presença de microrganismo patogênicos em processo de infecção; geralmente apresentam exsudato purulento.
  • 5. TiposdeFerimento ★ Incisão: ★ Escoriações; ★ Ferimento Penetrante; ★ Laceração; ★ Avulsão; ★ Contusão.
  • 6. FatoresqueInfluenciam:InfecçãonaFerida A infecção é considerada a complicação mais temida, pois interfere no processo de cicatrização, independente da origem da ferida. A infecção pode variar de acordo com o tipo e localização; O diagnóstico precoce auxilia no tratamento; Antibióticos sistêmicos, curativos adequados e técnica asséptica são combinações perfeitas para manuseio da ferida.
  • 7. FatoresqueInfluenciam:InfecçãonaFerida Ocorre quando: Aumento do número de microrganismos no tecido local; Presença de tecido necrótico; Ambiente favorável para desenvolvimento dos microrganismos; Fontes de infecção endógenas (flora do paciente) e exógenas (cuidados inadequados da equipe de saúde); Falta de higiêne pessoal do paciente; Infecção Cruzada.
  • 8. FatoresqueInfluenciam:InfecçãonaFerida Ao observar a ferida, é necessário levar em consideração alguns indicativos do processo infecciosa já instalado, avaliados por: Sinais de infecção: atentar-se para os sinais flogísticos; Localização da ferida: alguns locais apresentam maiores riscos para sangramento, ex: cabeça e pescoço; abdome drenagem de maior volume; Drenagem presente: importante avaliar o conteúdo drenado; Tecido Necrosado: ocorre principalmente em lesões ulceradas; Condições físicas do paciente: desnutrição, doenças circulatórias e diabetes e medicamentos.
  • 9. Cicatrização É a primeira estrutura de defesa contra o patógeno da pele. Qualquer trauma ou rompimento da pele, o corpo torna-se vulnerável ao ataque de microrganismos. O processo satisfatório de cicatrização ocorre em etapas: proliferação, contração e maturação da cicatriz.
  • 10. Cicatrização:PrimeiraIntenção As bordas são aproximadas em uma única incisão por sutura; As feridas cirúrgicas limpas e as feridas cortantes acidentais ocorrem nesses casos; Neste caso não é interrompida, o local da lesão apresenta-se quase imperceptível.
  • 11. Cicatrização:SegundaIntenção Ocorre pela aproximação indireta, as bordas não podem ser aproximadas; A cicatrização levará mais tempo, tendo uma maior quantidade de tecido cicatricial; A grande perda de tecido, poderá resultar em disfunção acentuada ou deformidade.
  • 12. Cicatrização:T erceiraIntenção Realizada por correção cirúrgica, após tecido de granulação; Utilizado para modificar o processo de cicatrização; Eficiente e resultando em melhores condições funcionais e estética.
  • 13. Cicatrização Quarta Intenção: Formação de crosta protetora sobre o tecido de granulação, comum em escoriações e queimaduras. Primeira Intenção retardada: é colocado entre as bordas de uma ferida, coloca-se um material absorvente, para evitar o fechamento prematuramente. Após avaliação e redução da infecção local (3 a 5 dias após a incisão), a ferida poderá ser suturada ou fechada por outros meios.
  • 14. ProcessodeCicatrização:FatoresqueInfluenciam As condições gerais do paciente são muito importantes para avaliação de uma ferida, bem como as alterações que possam interferir ao longo do processo cicatricial, como os fatores gerais ou locais: Gerais: Hipovolemia; Nutrição; Idade; Queda da defesa Imunológica; Hormônios; Tratamento medicamentoso; Doenças associadas; Hipotermia; Drogas e bebidas alcóolicas. Locais: Estrutura da lesão; Local; Edema; Tipos de curativos utilizados; Mobilização; Suprimento sanguíneo.
  • 15. CicatrizaçãodeFeridas:C omplicações ★ Infecção; ★ Deiscência; ★ Cicatriz hipertrófica; ★ Queloide; ★ Hemorragia.
  • 16. C urativo É um cuidado dispensado a uma área do corpo que apresenta lesão de continuidade; Consiste na limpeza e na aplicação e cobertura estéril, quando necessário, para prevenir contaminações e infecções e promover rápida cicatrização;
  • 17. C urativo A pele é uma barreira mecânica de proteção do corpo e participa da termorregulamentação, da excreção de água e eletrólitos e das percepções táteis. Formada por três camadas: ★ Epiderme; ★ Derme; ★ Tecido conjuntivo subcutâneo.
  • 18. C urativo O tratamento de uma ferida e a assepsia cuidadosa tem como objetivo evitar ou diminuir os riscos de complicações, bem como favorecer o processo de cicatrização. As formas de coberturas evoluíram de curativos passivos (gazes e ativos (interativos, compressas) hidroativos para curativos e bioativos), modificando o paradigma tradicional no cuidado de feridas.
  • 19. FinalidadesdoC urativo ★ Prevenir e tratar a infecção das lesões contaminadas; ★ Evitar a contaminação das feridas limpas; ★ Promover a cicatrização; ★ Promover a homeostasia; ★ Remover exsudatos; ★ Proteger o leito da ferida; ★ Alívio da dor; ★ Manter medicamentos no local; ★ Manter um ambiente umedecido; ★ Remover corpos estranhos; ★ Proteger contra traumas.
  • 20. FinalidadesdoC urativo ★ Reaproximar bordas separadas; ★ Preencher espaço morto; ★ Remover tecido necrótico; ★ Reduzir edema; ★ Fornecer isolamento térmico; ★ Dar conforto psicológico; ★ Permitir as trocas gasosas; ★ Limitar a movimentação dos tecidos em torno da ferida.
  • 21. C ritériosparaSeleçãodaC obertura Ferida: seca/crosta/exsudato/necrose; Localização da ferida; Tamanho da ferida; Formato da ferida (superficial, profunda); Conforto do paciente; Facilidade de aplicação; Eficácia; Custo benefício.
  • 22. C urativos:C onsiderações ★ Avaliação deverá ser realizada pelo enfermeiro, que fará a prescrição do tipo de curativo mais indicado a se utilizado; ★ Condições favoráveis para a recuperação do tecido celular; ★ Não se deve permitir que fatores indesejáveis ou complicações ocorram para o retardo cicatricial; ★ O curativo deve ser manuseado corretamente e a técnica adequada; ★ Evitar infecções.
  • 23. C urativos:C onsiderações ★ A limpeza deve ser feita da área menos contaminada para a área mais contaminada, evitando-se movimentos de vai e vém. ★ Nas feridas cirúrgicas, a área mais contaminada é a pele localizada ao redor da ferida; ★ Nas feridas infectadas a área mais contaminada é a do interior da ferida.
  • 24. Curativos Passivos: utilizados para proteger e cobrir feridas, como: gazes, gazes medicadas, esparadrapo, micropore, fitas hipoalergênicas e cirúrgicas. Interativos: utilizados com materiais projetados para manter um microambiente para a cura da ferida, podendo ser películas ou espumas polimerizadas, hidrogéis e hidrocolóides, entre outros Boativos: resgatam ou estimulam a liberação de substâncias ativas durante o processo de restabelecimento, como alginato de cáLcio, polissacarídeos, AGE
  • 25.
  • 26. Referências VIANA, D. Laplac(Org.).CURSO DIDÁTICO EM ENFERMAGEM. 10ª.São Caetano do Sul,SP:Yendis Editora,2010. Módulo 1,vol.1. e Vol.2.