SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM, BIOSSEGURANÇA E
SAÚDE DO TRABALHADOR - BASES TECNOLÓGICAS
QUALIS CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL
ENFª LARISSA MACHADO
DRENOS
DRENO
Conceito:
Os drenos são tubos ou lâminas de tecido mole,
maleáveis, de lúmen único ou múltiplos, de
calibre e tamanho variáveis, que se destinam à
retirada de secreções de uma cavidade,
associados ou não à irrigação combinada,
podendo ser usados de forma terapêutica ou
profilática
DRENOS
★ São posicionados próximos à incisão cirúrgica ou em cavidades com o objetivo de
drenar exsudato ou ar que eventualmente são colecionadas.
★ Secreção drenada pode ser: hemática, sero hemática, seroso e purulento.
★ Mais comuns após procedimentos cirúrgicos.
★ Utilizados de forma terapêutica ou profilática;
Funcionam como estratégia para evitar potenciais
complicações, como:
Hematoma:
★ É uma coleção de sangue fora dos vasos
sanguíneos. Pode acontecer em qualquer parte do
corpo, em órgãos internos, ou até mesmo na pele.
Normalmente ocorrem em consequência da lesão
da parede vascular.
Seroma:
★ É uma complicação que pode surgir
após qualquer cirurgia, sendo caracterizada
pelo acúmulo de líquido abaixo da pele,
próximo à cicatriz cirúrgica.
Funcionam como estratégia para evitar potenciais
complicações, como:
Drenos Cirúrgicos: Indicação
★ Funcionam como estratégia para alertar precocemente falha na anastomose de vasos
sanguíneos.
★ Esses dispositivos são utilizados com maior frequência após os procedimentos
cirúrgicos realizados nas regiões: cervical, mamária, axilar, torácica e abdominal.
★ São associados a procedimentos com maior perda sanguínea.
Dreno Tubular Siliconado (Tipo Penrose)
 Utilizado em procedimentos cirúrgicos com potencial para acúmulo de líquidos,
infectados ou não, geralmente feridas supurativas.
 Exemplos: Bariátricas, abdominoplastia.
Drenos Cirúrgicos: Drenos Blake ou Pera
• O Dreno de Blake é um dispositivo de
silicone para a drenagem de fluidos no
período pós-operatório.
• Possui canais de fluxo ao longo de seu
corpo, que diminuem a possibilidade
de obstrução e possibilitam uma
drenagem mais eficiente.
• O seu centro sólido proporciona uma
maior resistência às tensões, evitando
assim a obstrução.
Drenos Cirúrgicos: Portovac ou dreno de sucção
★ É composto por um sistema fechado de
drenagem pós-operatória, de polietileno,
com resistência projetada para uma sucção
contínua e suave.
★ É um sistema fechado que utiliza uma
leve sucção (vácuo) para retirar líquidos e
sangue acumulados embaixo da pele onde
foi realizada a cirurgia.
Dreno de tórax
É um cateter grande, inserido ao longo do tórax para remover fluídos, líquidos, sangue e ar da
cavidade pulmonar.
A principal função do dreno de tórax é a retirada de líquidos, secreção e sólidos (fibrina) da
cavidade pulmonar com objetivo de restabelecer a pressão negativa da atividade pleural,
manter a função respiratória e a estabilidade hemodinâmica.
O dreno de tórax pode ser utilizado no pós operatório em pacientes que passaram por cirurgia
no mediastino, pacientes que sofreram traumas na região torácica por acidentes
automobilísticos ou por acidentes por armas branca e de fogo, e também em paciente
com enfisema pulmonar.
As principais indicações da drenagem torácica são:
➢ Pneumotorax: quando há acúmulo de ar na cavidade pleural;
➢ Hemotórax: quando há acúmulo de sangue na cavidade pleural;
➢ Epiema pleural: quando há acúmulo de pus na cavidade pleural;
➢ Hidrotórax: quando há acúmulo de líquido na cavidade pleural;
➢ Quilotórax: quando há acúmulo de linfa na cavidade pleural.
Cuidados de Enfermagem na troca do selo d´água do
dreno de tórax
1) Preparar o paciente e a família sobre o procedimento a ser realizado;
2) Higienizar as mãos;
3) Organizar o material adequado para o procedimento;
4) Abrir o recipiente de solução salina ou de água;
5) Abrir o sistema de drenagem e deixá-lo em pé;
6) Encher os frascos ou câmara em nível apropriado, até que o final da haste esteja 2 cm abaixo do nível do líquido ou até a linha de marcação a ser
atingida;
7) Se a aspiração for utilizada, despejar o líquido dentro do orifício de controle de aspiração até a quantidade designada ser alcançada usualmente 20 cm de
nível de pressão de água;
8) Calçar as luvas e conectar o sistema de drenagem ao dreno de tórax e à fonte de aspiração se esta for indicada;
9) Conectar o dreno ao tubo de entrada de coleta de drenagem do frasco ou câmara;
10) Manter as pontas dos conectores estéreis;
11) Marcar o nível original de líquido com adesivo na parte externa da unidade de drenagem;
12) Marcar a data e o horário no nível de drenagem.
Obrigada !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
Elayne Nunes
 
Puncao Venosa Periferica
Puncao Venosa PerifericaPuncao Venosa Periferica
Puncao Venosa Periferica
TISocor
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
Janaína Lassala
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
LarissaMachado97
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
Laiane Alves
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
resenfe2013
 
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Aline Bandeira
 
Cuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctorCuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctor
Viviane da Silva
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
Rodrigo Abreu
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
Edilaine Torrecilha
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
Pinheiropinheironeto
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdfTempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Lucilenesantos56
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
Telma Justa Freitas
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Francisco Doria
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
Wylla Katherine
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
Viviane da Silva
 

Mais procurados (20)

Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 
Puncao Venosa Periferica
Puncao Venosa PerifericaPuncao Venosa Periferica
Puncao Venosa Periferica
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
 
Cuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctorCuidados com dreno de suctor
Cuidados com dreno de suctor
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdfTempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
 
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações CirúrgicasPós Operatório e Complicações Cirúrgicas
Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 

Semelhante a Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf

Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdfEnfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
pososospos
 
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptxaula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
MarcioCruz62
 
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSpptDrenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
IgorMartinsMartins
 
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSpptDrenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
IgorMartinsMartins
 
Drenagem torácica - métodos e técnicas de aplicação
Drenagem torácica - métodos e técnicas de aplicaçãoDrenagem torácica - métodos e técnicas de aplicação
Drenagem torácica - métodos e técnicas de aplicação
WillyenneGomes
 
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptxDRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
KarineRibeiro57
 
Tubos, sondas e drenos
Tubos, sondas e drenosTubos, sondas e drenos
DRENAGEM TORAX.ppt
DRENAGEM TORAX.pptDRENAGEM TORAX.ppt
DRENAGEM TORAX.ppt
ClarissePaes
 
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdfAssistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
YuriFargom1
 
E Nf 01
E Nf 01E Nf 01
E Nf 01
julianafel
 
Aula 15.1 Cuidados com Drenos.pptx
Aula 15.1  Cuidados com Drenos.pptxAula 15.1  Cuidados com Drenos.pptx
Aula 15.1 Cuidados com Drenos.pptx
carolineribeiro534369
 
Drenos cavitários
Drenos cavitáriosDrenos cavitários
Drenos cavitários
Danilo Modesto
 
Trauma Torácico.pptx
Trauma Torácico.pptxTrauma Torácico.pptx
Trauma Torácico.pptx
RenataMendona37
 
Procedimentos Especiais
Procedimentos EspeciaisProcedimentos Especiais
Procedimentos Especiais
resenfe2013
 
ACESSO_VENOSO_PERIFERICO_pront20190808-129308-1law2rc.pptx
ACESSO_VENOSO_PERIFERICO_pront20190808-129308-1law2rc.pptxACESSO_VENOSO_PERIFERICO_pront20190808-129308-1law2rc.pptx
ACESSO_VENOSO_PERIFERICO_pront20190808-129308-1law2rc.pptx
PinheiroNeto2
 
Aula 5.pdf
Aula 5.pdfAula 5.pdf
Aula 5.pdf
AllexaSerra1
 
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
cuidadoaoadulto
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Quézia Barcelar
 
Sondas_e_Drenos.pptx
Sondas_e_Drenos.pptxSondas_e_Drenos.pptx
Sondas_e_Drenos.pptx
Semuso
 
Manual --traqueostomia
Manual --traqueostomiaManual --traqueostomia
Manual --traqueostomia
Luana Morais
 

Semelhante a Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf (20)

Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdfEnfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
Enfermagem em ClÃ_nica Cirúrgica (1).pdf
 
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptxaula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
aula pronta CUIDADOS COM DRENOS.pptx
 
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSpptDrenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
 
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSpptDrenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
Drenos e cateteres na enfermagem DRENOSppt
 
Drenagem torácica - métodos e técnicas de aplicação
Drenagem torácica - métodos e técnicas de aplicaçãoDrenagem torácica - métodos e técnicas de aplicação
Drenagem torácica - métodos e técnicas de aplicação
 
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptxDRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
DRENOS E SONDAS YANA ENFERMAGEM EM CLÍNICA CIRÚRGICA.pptx
 
Tubos, sondas e drenos
Tubos, sondas e drenosTubos, sondas e drenos
Tubos, sondas e drenos
 
DRENAGEM TORAX.ppt
DRENAGEM TORAX.pptDRENAGEM TORAX.ppt
DRENAGEM TORAX.ppt
 
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdfAssistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
Assistência de enfermagem a traqueostomia, colostomia, sonda e drenos.pdf
 
E Nf 01
E Nf 01E Nf 01
E Nf 01
 
Aula 15.1 Cuidados com Drenos.pptx
Aula 15.1  Cuidados com Drenos.pptxAula 15.1  Cuidados com Drenos.pptx
Aula 15.1 Cuidados com Drenos.pptx
 
Drenos cavitários
Drenos cavitáriosDrenos cavitários
Drenos cavitários
 
Trauma Torácico.pptx
Trauma Torácico.pptxTrauma Torácico.pptx
Trauma Torácico.pptx
 
Procedimentos Especiais
Procedimentos EspeciaisProcedimentos Especiais
Procedimentos Especiais
 
ACESSO_VENOSO_PERIFERICO_pront20190808-129308-1law2rc.pptx
ACESSO_VENOSO_PERIFERICO_pront20190808-129308-1law2rc.pptxACESSO_VENOSO_PERIFERICO_pront20190808-129308-1law2rc.pptx
ACESSO_VENOSO_PERIFERICO_pront20190808-129308-1law2rc.pptx
 
Aula 5.pdf
Aula 5.pdfAula 5.pdf
Aula 5.pdf
 
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
 
Sondas_e_Drenos.pptx
Sondas_e_Drenos.pptxSondas_e_Drenos.pptx
Sondas_e_Drenos.pptx
 
Manual --traqueostomia
Manual --traqueostomiaManual --traqueostomia
Manual --traqueostomia
 

Mais de LarissaMachado97

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
LarissaMachado97
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
LarissaMachado97
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
LarissaMachado97
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
LarissaMachado97
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
LarissaMachado97
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
LarissaMachado97
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
LarissaMachado97
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
LarissaMachado97
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
LarissaMachado97
 

Mais de LarissaMachado97 (16)

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
 

Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf

  • 1. FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM, BIOSSEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR - BASES TECNOLÓGICAS QUALIS CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL ENFª LARISSA MACHADO
  • 3. DRENO Conceito: Os drenos são tubos ou lâminas de tecido mole, maleáveis, de lúmen único ou múltiplos, de calibre e tamanho variáveis, que se destinam à retirada de secreções de uma cavidade, associados ou não à irrigação combinada, podendo ser usados de forma terapêutica ou profilática
  • 4. DRENOS ★ São posicionados próximos à incisão cirúrgica ou em cavidades com o objetivo de drenar exsudato ou ar que eventualmente são colecionadas. ★ Secreção drenada pode ser: hemática, sero hemática, seroso e purulento. ★ Mais comuns após procedimentos cirúrgicos. ★ Utilizados de forma terapêutica ou profilática;
  • 5. Funcionam como estratégia para evitar potenciais complicações, como: Hematoma: ★ É uma coleção de sangue fora dos vasos sanguíneos. Pode acontecer em qualquer parte do corpo, em órgãos internos, ou até mesmo na pele. Normalmente ocorrem em consequência da lesão da parede vascular.
  • 6. Seroma: ★ É uma complicação que pode surgir após qualquer cirurgia, sendo caracterizada pelo acúmulo de líquido abaixo da pele, próximo à cicatriz cirúrgica. Funcionam como estratégia para evitar potenciais complicações, como:
  • 7. Drenos Cirúrgicos: Indicação ★ Funcionam como estratégia para alertar precocemente falha na anastomose de vasos sanguíneos. ★ Esses dispositivos são utilizados com maior frequência após os procedimentos cirúrgicos realizados nas regiões: cervical, mamária, axilar, torácica e abdominal. ★ São associados a procedimentos com maior perda sanguínea.
  • 8. Dreno Tubular Siliconado (Tipo Penrose)  Utilizado em procedimentos cirúrgicos com potencial para acúmulo de líquidos, infectados ou não, geralmente feridas supurativas.  Exemplos: Bariátricas, abdominoplastia.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Drenos Cirúrgicos: Drenos Blake ou Pera • O Dreno de Blake é um dispositivo de silicone para a drenagem de fluidos no período pós-operatório. • Possui canais de fluxo ao longo de seu corpo, que diminuem a possibilidade de obstrução e possibilitam uma drenagem mais eficiente. • O seu centro sólido proporciona uma maior resistência às tensões, evitando assim a obstrução.
  • 12. Drenos Cirúrgicos: Portovac ou dreno de sucção ★ É composto por um sistema fechado de drenagem pós-operatória, de polietileno, com resistência projetada para uma sucção contínua e suave. ★ É um sistema fechado que utiliza uma leve sucção (vácuo) para retirar líquidos e sangue acumulados embaixo da pele onde foi realizada a cirurgia.
  • 13.
  • 14. Dreno de tórax É um cateter grande, inserido ao longo do tórax para remover fluídos, líquidos, sangue e ar da cavidade pulmonar. A principal função do dreno de tórax é a retirada de líquidos, secreção e sólidos (fibrina) da cavidade pulmonar com objetivo de restabelecer a pressão negativa da atividade pleural, manter a função respiratória e a estabilidade hemodinâmica. O dreno de tórax pode ser utilizado no pós operatório em pacientes que passaram por cirurgia no mediastino, pacientes que sofreram traumas na região torácica por acidentes automobilísticos ou por acidentes por armas branca e de fogo, e também em paciente com enfisema pulmonar.
  • 15. As principais indicações da drenagem torácica são: ➢ Pneumotorax: quando há acúmulo de ar na cavidade pleural; ➢ Hemotórax: quando há acúmulo de sangue na cavidade pleural; ➢ Epiema pleural: quando há acúmulo de pus na cavidade pleural; ➢ Hidrotórax: quando há acúmulo de líquido na cavidade pleural; ➢ Quilotórax: quando há acúmulo de linfa na cavidade pleural.
  • 16. Cuidados de Enfermagem na troca do selo d´água do dreno de tórax 1) Preparar o paciente e a família sobre o procedimento a ser realizado; 2) Higienizar as mãos; 3) Organizar o material adequado para o procedimento; 4) Abrir o recipiente de solução salina ou de água; 5) Abrir o sistema de drenagem e deixá-lo em pé; 6) Encher os frascos ou câmara em nível apropriado, até que o final da haste esteja 2 cm abaixo do nível do líquido ou até a linha de marcação a ser atingida; 7) Se a aspiração for utilizada, despejar o líquido dentro do orifício de controle de aspiração até a quantidade designada ser alcançada usualmente 20 cm de nível de pressão de água; 8) Calçar as luvas e conectar o sistema de drenagem ao dreno de tórax e à fonte de aspiração se esta for indicada; 9) Conectar o dreno ao tubo de entrada de coleta de drenagem do frasco ou câmara; 10) Manter as pontas dos conectores estéreis; 11) Marcar o nível original de líquido com adesivo na parte externa da unidade de drenagem; 12) Marcar a data e o horário no nível de drenagem.
  • 17.
  • 18.