SlideShare uma empresa Scribd logo
1
CÁLCULO DE MEDICAÇÃO
Regradetrês:relação entregrandezasproporcionais.
A regra de três permite de forma simples, estruturar o
problema obtendo sua solução, que neste caso, é a prescrição
determinada.
Importante observar que a regra de três só se faz necessária,
quando não conseguimos resolver o problema de maneira
direta.
Exemplo: Tenho ampolas de dipirona com 2ml de solução.
Quantos ml tenho em três ampolas?
 Forma direta:2ml x3 ampolas= 6ml nas três ampolas
COMPRIMIDOS
1º Dividir quando possível
2º Diluir e calcular
EXEMPLO:
1. Foi prescrito AAS, 50 mg, VO, 12/12 h. No hospital só há comprimidos de 85 mg.
Como administrar a dose prescrita?
Quando não for possível dividir o comprimido na dose prescrita, podemos dissolvê-lo.
1º Passo:saber a dose que tem: 85mg
2º Passo: Dissolver o comprimido em 5 ml de água e calcular o volume correspondente
a 50 mg.
85 mg ...................5ml
50 mg..................... X
X= 50.5 = 2,9 ml
85
Res.: De 12/12 h administram-se 2,9 ml da solução deAAS, que corresponde a 50 mg.
TRANSFORMAÇÃO DE
SOLUÇÃO
ADM INISTRAÇÃO DE SOLUÇÃO
TIPOSDE SOLUÇÕES
COLÓIDES: Consistem de água e de moléculas de substâncias
suspensas. Ex.: Sangue e seus derivados, soluções de Dextra,
CRISTALÓIDES: Consistem de água e outros cristais
uniformemente dissolvidos. Estas subdividem-se em Isotônicas,
Hipotônicase Hipertônicas.
SOLUÇÕES
1.ISOTÔNICAS:Contém a mesma concentração de
substâncias dissolvidas tal como a encontrada no
plasma sanguíneo. Não causa redistribuição de líquido
corporal.
USO:
Manutenção do equilíbrio hídrico em pacientes que
não conseguem ingerir líquidos nem alimentos por
período curto.
EX.: SF 0,9%, SG a 5%, Solução de Ringer e Sol de RL
SOLUÇÕES
2.HIPOTÔN ICA: Contém menos substâncias
dissolvidas do que se encontra no plasma sanguíneo.
USO:
 Para lançar água no espaço intersticial, a partir do
sangue.
Para pacientes com perda de líquidos além de sua
ingestão, a exemplo de diarréia e vômito.
EX.: SF 0,45%.
SOLUÇÕES
3.HIPERTÔNICA:Contém maior concentração de
substâncias dissolvidas do que as encontradas no plasma
sanguíneo.
para dentro do compartimento
USO:
 A traem líquidos
intravascular;
Para repor déficits de líquidos e eletrólitos.
EX.: SG a 5% em SF 0,9%;SG a 5% em SRL;SG a 10%; SG a
20%.
⚫Quando temos uma prescrição médica com uma
solução de concentração não disponível em nossos
estoques , é necessário realizarmos a transformação da
solução.
⚫Então para melhor compreendê-los, vamos dividi-los
em etapas.
⚫É preciso entender que vamos primeiro descobrir as
concentrações de soluto das soluções envolvidas.
⚫Depois começamos os cálculos com regra de três.
SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÕES
NÃO ESQUECER:
A porcentagem do soro corresponde a quantidade do soluto em
100ml, não importando o volume que esse soro apresente.
SG a 5%
100ml ------------------------ 5g (glicose)
SG a 10%
100 ml 10g (glicose)
SF 0,9 %
100ml 0,9g (NaCl)
SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÕES
ENTÃO,
SG a 5%
100ml ------------------------ 5g (glicose)
SG a 10%
100 ml 10g (glicose)
SF 0,9 %
100ml 0,9g (NaCl)
Se sabemos quanto gramas temos em 100 ml é só
calcular para o volume que temos ou queremos.
CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS
⚫1.Se temos 500 ml de SG a 5% :
⚫ Sabemos que em 100ml temos 5g de glicose, mas
quanto temos em 500 ml?
⚫100ml 5g
⚫500ml x
⚫X= 500.5 = 25g
100
Então, em 500 ml de SG a5%, temos 25g de glicose
CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS
⚫ 1.Se temos 500 ml de SG a 1
0% :
⚫ Sabemos que em 100ml temos 10g de glicose, mas quanto
temos em 500 ml?
⚫ 100ml 10g
⚫ 500ml x
⚫ X= 500.10 = 50g
100
Então, em 500 ml deSG a 1
0%,temos50g deglicose
CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS
⚫1.Se temos 10 ml de glicosea 5% :
Sabemos que em 100ml temos 5g de glicose, mas quanto
temos em 10 ml?
100ml 5g
10ml x
X= 5.10 = 0,5g (glicose)
100
Então em 10 ml de glicose a 25%, temos 0,5g de glicose
CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS
⚫1.Se temos 500 ml de SF 0,9% :
⚫ Sabemos que em 100ml temos 0,9g de N aCl, mas
quanto temos em 500 ml?
⚫100ml 0,9g
⚫500ml x
⚫X= 500.0,9 = 4,5g
100
Então, em 500 ml deSF 0,9%,temos4,5g deN aCl
CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS
⚫1.Se temos 10 ml de N aCl 20%:
⚫Sabemos que em 100ml temos 20g de NaCl, mas quanto
temos em 10 ml?
⚫100ml 20g
⚫10ml x
⚫ X= 10.20 = 2g (NaCl)
100
Então, em 1
0 ml desolução deN aCl 20%,temos2g deN aCl
SOLUÇÕES E CON CENTRAÇÕES
QUESTÃO
1. Está prescrito 500 ml de SG a 10%.
Temos disponível na unidade SG a 5% de
500 ml e ampolas de 10ml a 25%.
Quantas ampolas de glicose de 10 ml
teremos de acrescentar para atender a
solicitação?
1
º PASSO:
⚫Calcular quantos gramas de glicose há no frasco de 500
ml de SG a 5%, ou sejacalcular a concentração do soro
disponível:
100 ml___ 5g
500 ml__ x
100 .x= 500.5
100 .X = 2500
X = 2500
100
X = 25g
Resposta:
⚫Cada frasco de 500 ml de SG a
5% contém 25 g de glicose.
2º PASSO:
Calcular quantos gramas de glicose deverá conter o frasco
de 500 ml de SG a 10%, ou seja calcular a concentração
do soro da prescrição médica:
100 ml___ 10g
500 ml__ x
100 .x= 500.10
100 .X = 5000
X = 5000
100
X = 50g
Resposta:
⚫Cada frasco de 500 ml de SG a
10% contém 50 g de glicose.
3º PASSO:
⚫Calcular a diferença na quantidade de glicose do
frasco de SG a 10% e do frasco de SG a 5%(diferença
entre o necessário e o disponível):
⚫ 50 – 25 = 25 g
⚫Precisamos acrescentar 25 g de glicose no frasco de
SG a 5% para transformá-lo em 10%.
4º PASSO:
⚫ Calcular quantos gramas de glicose há no frasco de SG a 25%
(das ampolas de 10 ml), para sabermos quanto precisaremos
acrescentar.
100ml 25g
10 ml ____ x
1
00 .x= 25.1
0
100 .X = 250
X = 250
100
X = 2,5g
Resposta:
⚫Se precisamos de 25 g para transformar o SG a 5%
em SG a 10% e temos SG 10 ml a 25% e este tem 2,5
g de glicose, então devemos acrescentar 10 ampolas
de glicose (10 de 25%).
⚫N este caso, antes de acrescentarmos mais 100ml da
solução, deve-se desprezar 100ml de soro que temos
disponível.
⚫Mas com essa retirada perdemos glicose que deverá ser
reposta.
⚫Para isso temos de calcular a perda e o que deverá
ganhar.
5º PASSO
⚫ Calcular a quantidade de
glicose desprezada em 100
ml de SG a 5%.Já sabemos
que :
⚫ 100ml de SG a 5% = 5g
⚫ Então perdemos 5g de
glicose com a retirada de
100 ml.
6º PASSO
⚫ Calcular quantos ml
de glicose a 25% são
necessárias para
acrescentar 5g de
glicose (para repor a
perda).
25%= 25g _ 100ml
5g _ x
25.x= 5.100
x = 500
25
X = 20 M L
⚫Resposta:
Devem ser acrescentados 20 ml de SG a
25% ou 2 ampolas de glicose a 25% de
10 ml para repor a glicose desprezada.
20 ml + 100ml = 120ml
TRANSFORMAÇÃO DE SORO
FISIOLÓGICO
QUESTÃO
1. Está prescrito 500 ml de SF a 2%.
Temos disponível na unidade SF a 0,9%
de 500 ml e ampolas de NaCl 10ml a
20%. Quantas ampolas de cloreto de
sódio devo usar para atender a
solicitação?
1
º PASSO:
⚫Calcular quantos gramas de sódio há no frasco de 500
ml de SF a0,9%, ou sejacalcular aconcentração do
soro disponível:
100 ml___ 0,9g
500 ml__ x
100 .x= 500.0,9
1
00 .X = 450
X = 450
100
X = 4,5g
⚫Resposta:
⚫Cada frasco de 500 ml de SF a
0,9% contém 4,5 g de sódio.
2º PASSO:
⚫Calcular quantos gramas de sódio deverá conter o
frasco de 500 ml de SF a 2%, ou seja calcular a
concentração do soro da prescrição médica:
100 ml___ 2g
500 ml__ x
100 .x= 500.2
100 .X = 1000
X = 1000
100
X = 10g
⚫Resposta:
⚫Cada frasco de 500 ml de SF a
2% contém 10 g de sódio.
3º PASSO:
⚫Calcular a diferença na quantidade de sódio do
frasco de SF a 0,9% e do frasco de SF a 2%(diferença
entre o necessário e o disponível):
⚫ 10 – 4,5 = 5,5 g
⚫ Precisamos acrescentar 5,5 g de sódio no frasco de
SF a 0,9% para transformá-lo em 2%.
4º PASSO:
⚫Calcular quantos gramas de sódio há no frasco de SF
a20% (das ampolas de 10 ml), para sabermos
quanto precisaremos acrescentar.
100ml 20g
10 ml ____ x
100 .x= 20.10
100 .X = 200
X = 200
100
X = 2g
⚫Se uma ampola de cloreto de sódio de 10 ml a 20%
tem 2g de sódio e precisamos de 5,5 g,então:
⚫10ml 2g
x 5,5 g
⚫X = 10 .5,5 = 55 = 27,5 ml
2 2
Resposta:
⚫Se precisamos de 5,5 g para transformar
o SF a 0,9% em SF a 2% e temos SF 10
ml a 20% e este tem 2g de sódio, então
devemos acrescentar 27,5 ml de cloreto
de sódio a 20% ou 2 ampolas e 7,5 ml
ou 2 ampolas e 1/4.
TRANSFORM
+
AÇÃO DE SGF
QUESTÃO
⚫Foi prescrito Soro glico-fisiológico 500 ml( SGF=
nome que se dá ao soro com a mesma concentração
de glicose (5%) e cloreto de sódio (0,9%) isotônicos).
Temos na clínica somente SG 5% com 500ml e
ampolas de Nacl 30% de 20 ml. Como proceder a
transformação?
1
º PASSO:
⚫Calcular quantos gramas de glicose há no frasco de
500 ml de SG a 5%, ou seja calcular a concentração
do soro disponível:
100 ml___ 5g
500 ml__ x
100 .x= 500.5
100 .X = 2500
X = 2500
100
X = 25g
⚫Resposta:
⚫Cada frasco de 500 ml de SG a
5% contém 25 g de glicose.
2º PASSO:
⚫Calcular quantos gramas de sódio há na ampola de
20 ml de SF a 30%, ou seja calcular a concentração
do ampola de sódio disponível:
100 ml__ 30g
20ml x
100 .x= 30.20
100 .X = 600
X = 600
100
X = 6g
⚫Resposta:
⚫Cada ampola de 20 ml de SF a
30% contém 6 g de sódio.
3º PASSO:
⚫Lembrando que um SGF deve conter:
⚫25g de glicose e
⚫4,5 g de cloreto de sódio
⚫ Se temos SG 5% (25g) precisamos acrescentar 4,5 g
de sódio no frasco de SG 5% para transformá-lo em
SGF
.
4º PASSO
⚫Se uma ampola de cloreto de sódio de 20 ml a 30%
tem 6g de sódio e precisamos de 4,5 g, então:
⚫20ml 6g
x 4,5 g
⚫X = 20 .4,5 = 90 = 15 ml
6 6
⚫Resposta:
⚫Se precisamos de 4,5 g de sódio para
transformar o SG a 5% em SGF e temos
SF a20 ml a 30% e este tem 6g de sódio,
então devemos acrescentar 15 ml de
cloreto de sódio a 30%.
QUESTÃO
⚫Foi prescrito Soro glico-fisiológico 500 ml( SGF=
nome que se dá ao soro com a mesma concentração
de glicose (5%) e cloreto de sódio (0,9%) isotônicos).
Temos na clínica somente SF 0,9% de 500ml e
ampolas de glicose 50% de 10 ml. Como proceder a
transformação?
1
º PASSO:
⚫Calcular quantos gramas de sódio há no frasco de 500
ml de SF a 0,9%, ou seja calcular a concentração do soro
disponível:
100 ml___ 0,9g
500 ml__ x
100 .x= 500.0,9
1
00 .X = 450
X = 450
100
X = 4,5g
⚫Resposta:
⚫Cada frasco de 500 ml de SF a
0,9% contém 4,5 g de sódio.
2º PASSO:
⚫Calcular quantos gramas de glicose há na ampola de 10 ml
de SG a 50%, ou seja calcular a concentração do ampola de
glicose disponível:
100 ml__ 50g
10ml x
100 .x= 10.50
100 .X = 500
X = 500
100
X = 5g
⚫Resposta:
⚫Cada ampola de 10 ml de SG a
50% contém 5g de glicose.
3º PASSO:
⚫Lembrando que um SGF deve conter:
⚫25g de glicose e
⚫4,5 g de cloreto de sódio
⚫Setemos SF 0,9% (4,5g) precisamos acrescentar 25 g
de glicose no frasco de SF 0,9% para transformá-lo em
SGF
.
4º PASSO
⚫Se uma ampola de glicose de 10 ml a 50% tem 5g de
glicose e precisamos de 25 g,então:
⚫10ml 5g
⚫ x 25 g
⚫X = 10 .25 = 250 = 50 ml
⚫ 5 5
⚫Resposta:
⚫Se precisamos de 25g de glicose para
transformar o SF a 0,9% em SGF e temos
SG a10 ml a 50% e este tem 5g de
glicose, então devemos acrescentar 50
ml de glicose a 50%.
GOTEJAMENTO DE SOLUÇÕES
FÓRMULA DE GOTA E MICROGOTAS PARA INFUSÃO
EM HORAS
Para gotas:
Gotas = volume total em ml = nº de gotas por minuto
Tempo em hora.3(constante)
Gts = VT
T
.3
Para microgotas:
Micgotas = (volume total em ml) . 3
Tempo em hora.3 (constante)
M icgts/min = VT .3
T
.3
FÓRM ULA DE GOTA E M ICROGOTAS PARA
INFUSÃO EM HORAS
FÓRMULA DE GOTA E M ICROGOTASPARA
IN FUSÃO EM HORAS
EXEMPLO:
⚫ Foi prescrito SF 0,9% 1000ml de 12 em 12 horas, quantas gotas e
microgotas irão infundir por minuto?
⚫ Gts = VT = 1000 = 1000 = 27,77= 28 gotas por minuto
T
.3 12.3 36
⚫ M icgotas = VT .3 = 1000 .3= 1000 .3 = 83,33= 83 mic/min
T
.3 12.3 36
FÓRMULA DE GOTA E MICROGOTAS PARA INFUSÃO EM
HORAS
Para gotas:
Gotas = vt em ml .20 = nº de gotas/minuto
Tempo em M inutos
Gts= VT.20
T
FÓRMULA DE GOTA E M ICROGOTAS PARA
INFUSÃO EM HORAS
Para microgotas:
Microgotas = Volume total em ml . 60
Tempo em minuto
Micgts/min = VT .60
T
FÓRMULA DE GOTA E M ICROGOTASPARA
IN FUSÃO EM HORAS
EXEMPLO:
Foi prescrito Flagyl 500mg em 100 ml para infundir em 50
minutos,quantas gotas e microgotas irão infundir por
minuto?
Gts = VT.20 = 100 .20= 2000 = 40 gotas por minuto
T 50 50
Micgotas = VT .60 = 100 .60= 120 mic/min
T 50
REGRA DE TRÊS PARA
MEDICAMENTOS
EXEMPLOS
1. Está prescrito dexametasona 2mg EV. Temos disponível
frasco ampola (FA) de 2,5 ml com 4mg/ml. Quanto deve
ser aspirado para se administrar a dose pedida?
Temos: 4mg ____ 1ml
PM :2mg_ x
x.4 = 2.1
X = 2 = 0,5ml = 2mg dedecadron
4
Resposta: vamos aspirar 0,5 ml da droga, que corresponde a
2mg.
EXEMPLOS
s.
2. Está prescrito ampicilina 125mg EV. Temos disponível
frasco ampola (FA ) de 1g. Quanto deve ser aspirado
para se administrar a dose pedida?
1ºPASSO: Transformar gramas em miligrama
1g = 1000 mg.Portanto temos 1000 mg.
2º PASSO: Diluir os 1000 mg de ampicilina em 10 ml de
água destilada.
EXEMPLOS
2. Está prescrito ampicilina 125mg EV. Temos disponível
frasco ampola (FA) de 1g. Quanto deve ser aspirado para
se administrar a dose pedida?
Temos: 1000mg ____ 10ml
PM : 125mg x
x.1
000 = 1
25.10
X = 1
250 = 1
,25ml = 1
25mg deampicilina
1000
Resposta: vamos aspirar 1,25 ml da droga.Que
corresponde a 125 mg da droga.
PEN ICILINA CRISTALINA
⚫É um antibiótico,
apresenta-se no mercado
em frasco ampola,seu
soluto é em pó que após
reconstituição acrescenta de
2 a 4 ml o volume no total
do diluente.
PENICILINA CRISTALINA
Penicilina
Cristalina
1.000.000
Diluir em 8 ml Ad+
2ml de pó = 10ml
Acrescenta 2 ml no
volume do diluente
Penicilina
Cristalina
5.000.000
Diluir em 8 ml
Ad+ 2ml de pó =
10ml
Acrescenta 2 ml
no volume do
diluente
Penicilina
Cristalina
10.000.000
Diluir em 16 ml
Ad+ 4ml de pó =
20ml
Acrescenta 4 ml
no volume do
diluente
PEN ICILINA CRISTALINA
2. Está prescrito penicilina cristalina 300.000 UI EV. Temos
disponível frasco ampola (FA) de 1.000.000UI. Quanto
deve ser aspirado para se administrar a dose pedida?
Temos: 1
.000.000UI ____ 1
0ml(2ml pó+8ml AD
PM : 300.000UI ____ x
X .1
000.000 = 300.000 .1
0
X = 3000.000= 3ml = 300.000 UI dePC
1000.000
Resposta: vamos aspirar 3 ml da droga, que corresponde a
300.000 da PC
INSULINA
FRASCO ____ SERINGA
PRESCRIÇÃO X
⚫Está prescrito insulina NPH 24 Ui SC, temos seringa de
100UI einsulina de 100UI, quanto devemos aspirar
para administrar a dose correta?
100Ui ____ 100UI
24UI ____ X
X = 100 .24 = 2400 = 24
100 100
Resposta: Vamos aspirar 24 Ui de insulina NPH conforme
PM.
OBRIGADA!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Karynne Alves do Nascimento
 
07 coleta de materiais.
07 coleta de materiais.07 coleta de materiais.
07 coleta de materiais.
Andre Alves Ferreira
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentos
fabiana vitoria souto
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
Viviane Campos
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Daniel Félix dos Santos
 
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoClínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
concursohub
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
clinicansl
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
comunidadedepraticas
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
danilo oliveira
 
Aula 2 vidrarias de laboratório
Aula 2   vidrarias de laboratórioAula 2   vidrarias de laboratório
Aula 2 vidrarias de laboratório
José Vitor Alves
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
resenfe2013
 
Tema nutrição aplicadaenferm
Tema   nutrição aplicadaenfermTema   nutrição aplicadaenferm
Tema nutrição aplicadaenferm
Escola de enfermagem Nova Esperança
 
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Jaqueline Almeida
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
Edilaine Torrecilha
 

Mais procurados (20)

Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
 
07 coleta de materiais.
07 coleta de materiais.07 coleta de materiais.
07 coleta de materiais.
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentos
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoClínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
 
Aula 2 vidrarias de laboratório
Aula 2   vidrarias de laboratórioAula 2   vidrarias de laboratório
Aula 2 vidrarias de laboratório
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 
Tema nutrição aplicadaenferm
Tema   nutrição aplicadaenfermTema   nutrição aplicadaenferm
Tema nutrição aplicadaenferm
 
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
 

Semelhante a aula de cálculo.pptx

Transformando soluções
Transformando soluçõesTransformando soluções
Transformando soluções
Viviane Campos
 
Transformação de Soro
Transformação de SoroTransformação de Soro
Transformação de Soro
Darsonval Viana
 
Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Marizete Rodrigues
 
aula
aula aula
Transformação de soros
Transformação de sorosTransformação de soros
Transformação de soros
Melisse Barbosa
 
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
Aula 10   farmacologia - prof. clara motaAula 10   farmacologia - prof. clara mota
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
Calculo2
Calculo2Calculo2
Calculo2
Calculo2Calculo2
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de JesusCalculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicação
Andréa Dantas
 
Aula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldtAula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldt
lorenasc123
 
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdfAULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
mauromaumau
 
Ebook cálculo fácil de medicamentos 2020
Ebook cálculo fácil de medicamentos 2020Ebook cálculo fácil de medicamentos 2020
Ebook cálculo fácil de medicamentos 2020
Cleonice das Neves Santiago
 
Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2
Alessandra Gonçalves Natal
 
Cálculos i e ii
Cálculos  i e iiCálculos  i e ii
Cálculos i e ii
Ana Laura Sanches
 
Apostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdfApostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdf
Fernanda Camargo
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
Elizeu Ferro
 
Calculos de med enf gessyane
Calculos de med enf gessyaneCalculos de med enf gessyane
Calculos de med enf gessyane
Gessyane Aurélio
 
CALCULO - AULA 07.pptx
CALCULO - AULA 07.pptxCALCULO - AULA 07.pptx
CALCULO - AULA 07.pptx
LourencianneCardoso
 

Semelhante a aula de cálculo.pptx (20)

Transformando soluções
Transformando soluçõesTransformando soluções
Transformando soluções
 
Transformação de Soro
Transformação de SoroTransformação de Soro
Transformação de Soro
 
Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02Calculoetip06 120703192055-phpapp02
Calculoetip06 120703192055-phpapp02
 
aula
aula aula
aula
 
Transformação de soros
Transformação de sorosTransformação de soros
Transformação de soros
 
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
Aula 10   farmacologia - prof. clara motaAula 10   farmacologia - prof. clara mota
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
 
Calculo2
Calculo2Calculo2
Calculo2
 
Calculo2
Calculo2Calculo2
Calculo2
 
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de JesusCalculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
Calculo de Medicação- Peofº Gilberto de Jesus
 
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de JesusCalculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
Calculos de medicação- Profº Gilberto de Jesus
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicação
 
Aula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldtAula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldt
 
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdfAULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
AULA DE CÁLCULO DE MEDICAMENTO.pdf
 
Ebook cálculo fácil de medicamentos 2020
Ebook cálculo fácil de medicamentos 2020Ebook cálculo fácil de medicamentos 2020
Ebook cálculo fácil de medicamentos 2020
 
Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2Calculo de medicação_2
Calculo de medicação_2
 
Cálculos i e ii
Cálculos  i e iiCálculos  i e ii
Cálculos i e ii
 
Apostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdfApostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdf
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
 
Calculos de med enf gessyane
Calculos de med enf gessyaneCalculos de med enf gessyane
Calculos de med enf gessyane
 
CALCULO - AULA 07.pptx
CALCULO - AULA 07.pptxCALCULO - AULA 07.pptx
CALCULO - AULA 07.pptx
 

Mais de LarissaMachado97

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
LarissaMachado97
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
LarissaMachado97
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
LarissaMachado97
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
LarissaMachado97
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
LarissaMachado97
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
LarissaMachado97
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
LarissaMachado97
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
LarissaMachado97
 

Mais de LarissaMachado97 (17)

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
 

Último

mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
profafernandacesa
 

Último (7)

mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
 

aula de cálculo.pptx

  • 2. Regradetrês:relação entregrandezasproporcionais. A regra de três permite de forma simples, estruturar o problema obtendo sua solução, que neste caso, é a prescrição determinada. Importante observar que a regra de três só se faz necessária, quando não conseguimos resolver o problema de maneira direta. Exemplo: Tenho ampolas de dipirona com 2ml de solução. Quantos ml tenho em três ampolas?  Forma direta:2ml x3 ampolas= 6ml nas três ampolas
  • 4. 1º Dividir quando possível 2º Diluir e calcular EXEMPLO: 1. Foi prescrito AAS, 50 mg, VO, 12/12 h. No hospital só há comprimidos de 85 mg. Como administrar a dose prescrita? Quando não for possível dividir o comprimido na dose prescrita, podemos dissolvê-lo. 1º Passo:saber a dose que tem: 85mg 2º Passo: Dissolver o comprimido em 5 ml de água e calcular o volume correspondente a 50 mg. 85 mg ...................5ml 50 mg..................... X X= 50.5 = 2,9 ml 85 Res.: De 12/12 h administram-se 2,9 ml da solução deAAS, que corresponde a 50 mg.
  • 6. ADM INISTRAÇÃO DE SOLUÇÃO TIPOSDE SOLUÇÕES COLÓIDES: Consistem de água e de moléculas de substâncias suspensas. Ex.: Sangue e seus derivados, soluções de Dextra, CRISTALÓIDES: Consistem de água e outros cristais uniformemente dissolvidos. Estas subdividem-se em Isotônicas, Hipotônicase Hipertônicas.
  • 7. SOLUÇÕES 1.ISOTÔNICAS:Contém a mesma concentração de substâncias dissolvidas tal como a encontrada no plasma sanguíneo. Não causa redistribuição de líquido corporal. USO: Manutenção do equilíbrio hídrico em pacientes que não conseguem ingerir líquidos nem alimentos por período curto. EX.: SF 0,9%, SG a 5%, Solução de Ringer e Sol de RL
  • 8. SOLUÇÕES 2.HIPOTÔN ICA: Contém menos substâncias dissolvidas do que se encontra no plasma sanguíneo. USO:  Para lançar água no espaço intersticial, a partir do sangue. Para pacientes com perda de líquidos além de sua ingestão, a exemplo de diarréia e vômito. EX.: SF 0,45%.
  • 9. SOLUÇÕES 3.HIPERTÔNICA:Contém maior concentração de substâncias dissolvidas do que as encontradas no plasma sanguíneo. para dentro do compartimento USO:  A traem líquidos intravascular; Para repor déficits de líquidos e eletrólitos. EX.: SG a 5% em SF 0,9%;SG a 5% em SRL;SG a 10%; SG a 20%.
  • 10. ⚫Quando temos uma prescrição médica com uma solução de concentração não disponível em nossos estoques , é necessário realizarmos a transformação da solução. ⚫Então para melhor compreendê-los, vamos dividi-los em etapas. ⚫É preciso entender que vamos primeiro descobrir as concentrações de soluto das soluções envolvidas. ⚫Depois começamos os cálculos com regra de três.
  • 11. SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÕES NÃO ESQUECER: A porcentagem do soro corresponde a quantidade do soluto em 100ml, não importando o volume que esse soro apresente. SG a 5% 100ml ------------------------ 5g (glicose) SG a 10% 100 ml 10g (glicose) SF 0,9 % 100ml 0,9g (NaCl)
  • 12. SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÕES ENTÃO, SG a 5% 100ml ------------------------ 5g (glicose) SG a 10% 100 ml 10g (glicose) SF 0,9 % 100ml 0,9g (NaCl) Se sabemos quanto gramas temos em 100 ml é só calcular para o volume que temos ou queremos.
  • 13. CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS ⚫1.Se temos 500 ml de SG a 5% : ⚫ Sabemos que em 100ml temos 5g de glicose, mas quanto temos em 500 ml? ⚫100ml 5g ⚫500ml x ⚫X= 500.5 = 25g 100 Então, em 500 ml de SG a5%, temos 25g de glicose
  • 14. CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS ⚫ 1.Se temos 500 ml de SG a 1 0% : ⚫ Sabemos que em 100ml temos 10g de glicose, mas quanto temos em 500 ml? ⚫ 100ml 10g ⚫ 500ml x ⚫ X= 500.10 = 50g 100 Então, em 500 ml deSG a 1 0%,temos50g deglicose
  • 15. CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS ⚫1.Se temos 10 ml de glicosea 5% : Sabemos que em 100ml temos 5g de glicose, mas quanto temos em 10 ml? 100ml 5g 10ml x X= 5.10 = 0,5g (glicose) 100 Então em 10 ml de glicose a 25%, temos 0,5g de glicose
  • 16. CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS ⚫1.Se temos 500 ml de SF 0,9% : ⚫ Sabemos que em 100ml temos 0,9g de N aCl, mas quanto temos em 500 ml? ⚫100ml 0,9g ⚫500ml x ⚫X= 500.0,9 = 4,5g 100 Então, em 500 ml deSF 0,9%,temos4,5g deN aCl
  • 17. CÁLCULO POR REGRA DE TRÊS ⚫1.Se temos 10 ml de N aCl 20%: ⚫Sabemos que em 100ml temos 20g de NaCl, mas quanto temos em 10 ml? ⚫100ml 20g ⚫10ml x ⚫ X= 10.20 = 2g (NaCl) 100 Então, em 1 0 ml desolução deN aCl 20%,temos2g deN aCl
  • 18. SOLUÇÕES E CON CENTRAÇÕES
  • 19. QUESTÃO 1. Está prescrito 500 ml de SG a 10%. Temos disponível na unidade SG a 5% de 500 ml e ampolas de 10ml a 25%. Quantas ampolas de glicose de 10 ml teremos de acrescentar para atender a solicitação?
  • 20. 1 º PASSO: ⚫Calcular quantos gramas de glicose há no frasco de 500 ml de SG a 5%, ou sejacalcular a concentração do soro disponível: 100 ml___ 5g 500 ml__ x 100 .x= 500.5 100 .X = 2500 X = 2500 100 X = 25g
  • 21. Resposta: ⚫Cada frasco de 500 ml de SG a 5% contém 25 g de glicose.
  • 22. 2º PASSO: Calcular quantos gramas de glicose deverá conter o frasco de 500 ml de SG a 10%, ou seja calcular a concentração do soro da prescrição médica: 100 ml___ 10g 500 ml__ x 100 .x= 500.10 100 .X = 5000 X = 5000 100 X = 50g
  • 23. Resposta: ⚫Cada frasco de 500 ml de SG a 10% contém 50 g de glicose.
  • 24. 3º PASSO: ⚫Calcular a diferença na quantidade de glicose do frasco de SG a 10% e do frasco de SG a 5%(diferença entre o necessário e o disponível): ⚫ 50 – 25 = 25 g ⚫Precisamos acrescentar 25 g de glicose no frasco de SG a 5% para transformá-lo em 10%.
  • 25. 4º PASSO: ⚫ Calcular quantos gramas de glicose há no frasco de SG a 25% (das ampolas de 10 ml), para sabermos quanto precisaremos acrescentar. 100ml 25g 10 ml ____ x 1 00 .x= 25.1 0 100 .X = 250 X = 250 100 X = 2,5g
  • 26. Resposta: ⚫Se precisamos de 25 g para transformar o SG a 5% em SG a 10% e temos SG 10 ml a 25% e este tem 2,5 g de glicose, então devemos acrescentar 10 ampolas de glicose (10 de 25%).
  • 27. ⚫N este caso, antes de acrescentarmos mais 100ml da solução, deve-se desprezar 100ml de soro que temos disponível. ⚫Mas com essa retirada perdemos glicose que deverá ser reposta. ⚫Para isso temos de calcular a perda e o que deverá ganhar.
  • 28. 5º PASSO ⚫ Calcular a quantidade de glicose desprezada em 100 ml de SG a 5%.Já sabemos que : ⚫ 100ml de SG a 5% = 5g ⚫ Então perdemos 5g de glicose com a retirada de 100 ml.
  • 29. 6º PASSO ⚫ Calcular quantos ml de glicose a 25% são necessárias para acrescentar 5g de glicose (para repor a perda). 25%= 25g _ 100ml 5g _ x 25.x= 5.100 x = 500 25 X = 20 M L
  • 30. ⚫Resposta: Devem ser acrescentados 20 ml de SG a 25% ou 2 ampolas de glicose a 25% de 10 ml para repor a glicose desprezada. 20 ml + 100ml = 120ml
  • 32. QUESTÃO 1. Está prescrito 500 ml de SF a 2%. Temos disponível na unidade SF a 0,9% de 500 ml e ampolas de NaCl 10ml a 20%. Quantas ampolas de cloreto de sódio devo usar para atender a solicitação?
  • 33. 1 º PASSO: ⚫Calcular quantos gramas de sódio há no frasco de 500 ml de SF a0,9%, ou sejacalcular aconcentração do soro disponível: 100 ml___ 0,9g 500 ml__ x 100 .x= 500.0,9 1 00 .X = 450 X = 450 100 X = 4,5g
  • 34. ⚫Resposta: ⚫Cada frasco de 500 ml de SF a 0,9% contém 4,5 g de sódio.
  • 35. 2º PASSO: ⚫Calcular quantos gramas de sódio deverá conter o frasco de 500 ml de SF a 2%, ou seja calcular a concentração do soro da prescrição médica: 100 ml___ 2g 500 ml__ x 100 .x= 500.2 100 .X = 1000 X = 1000 100 X = 10g
  • 36. ⚫Resposta: ⚫Cada frasco de 500 ml de SF a 2% contém 10 g de sódio.
  • 37. 3º PASSO: ⚫Calcular a diferença na quantidade de sódio do frasco de SF a 0,9% e do frasco de SF a 2%(diferença entre o necessário e o disponível): ⚫ 10 – 4,5 = 5,5 g ⚫ Precisamos acrescentar 5,5 g de sódio no frasco de SF a 0,9% para transformá-lo em 2%.
  • 38. 4º PASSO: ⚫Calcular quantos gramas de sódio há no frasco de SF a20% (das ampolas de 10 ml), para sabermos quanto precisaremos acrescentar. 100ml 20g 10 ml ____ x 100 .x= 20.10 100 .X = 200 X = 200 100 X = 2g
  • 39. ⚫Se uma ampola de cloreto de sódio de 10 ml a 20% tem 2g de sódio e precisamos de 5,5 g,então: ⚫10ml 2g x 5,5 g ⚫X = 10 .5,5 = 55 = 27,5 ml 2 2
  • 40. Resposta: ⚫Se precisamos de 5,5 g para transformar o SF a 0,9% em SF a 2% e temos SF 10 ml a 20% e este tem 2g de sódio, então devemos acrescentar 27,5 ml de cloreto de sódio a 20% ou 2 ampolas e 7,5 ml ou 2 ampolas e 1/4.
  • 42. QUESTÃO ⚫Foi prescrito Soro glico-fisiológico 500 ml( SGF= nome que se dá ao soro com a mesma concentração de glicose (5%) e cloreto de sódio (0,9%) isotônicos). Temos na clínica somente SG 5% com 500ml e ampolas de Nacl 30% de 20 ml. Como proceder a transformação?
  • 43. 1 º PASSO: ⚫Calcular quantos gramas de glicose há no frasco de 500 ml de SG a 5%, ou seja calcular a concentração do soro disponível: 100 ml___ 5g 500 ml__ x 100 .x= 500.5 100 .X = 2500 X = 2500 100 X = 25g
  • 44. ⚫Resposta: ⚫Cada frasco de 500 ml de SG a 5% contém 25 g de glicose.
  • 45. 2º PASSO: ⚫Calcular quantos gramas de sódio há na ampola de 20 ml de SF a 30%, ou seja calcular a concentração do ampola de sódio disponível: 100 ml__ 30g 20ml x 100 .x= 30.20 100 .X = 600 X = 600 100 X = 6g
  • 46. ⚫Resposta: ⚫Cada ampola de 20 ml de SF a 30% contém 6 g de sódio.
  • 47. 3º PASSO: ⚫Lembrando que um SGF deve conter: ⚫25g de glicose e ⚫4,5 g de cloreto de sódio ⚫ Se temos SG 5% (25g) precisamos acrescentar 4,5 g de sódio no frasco de SG 5% para transformá-lo em SGF .
  • 48. 4º PASSO ⚫Se uma ampola de cloreto de sódio de 20 ml a 30% tem 6g de sódio e precisamos de 4,5 g, então: ⚫20ml 6g x 4,5 g ⚫X = 20 .4,5 = 90 = 15 ml 6 6
  • 49. ⚫Resposta: ⚫Se precisamos de 4,5 g de sódio para transformar o SG a 5% em SGF e temos SF a20 ml a 30% e este tem 6g de sódio, então devemos acrescentar 15 ml de cloreto de sódio a 30%.
  • 50. QUESTÃO ⚫Foi prescrito Soro glico-fisiológico 500 ml( SGF= nome que se dá ao soro com a mesma concentração de glicose (5%) e cloreto de sódio (0,9%) isotônicos). Temos na clínica somente SF 0,9% de 500ml e ampolas de glicose 50% de 10 ml. Como proceder a transformação?
  • 51. 1 º PASSO: ⚫Calcular quantos gramas de sódio há no frasco de 500 ml de SF a 0,9%, ou seja calcular a concentração do soro disponível: 100 ml___ 0,9g 500 ml__ x 100 .x= 500.0,9 1 00 .X = 450 X = 450 100 X = 4,5g
  • 52. ⚫Resposta: ⚫Cada frasco de 500 ml de SF a 0,9% contém 4,5 g de sódio.
  • 53. 2º PASSO: ⚫Calcular quantos gramas de glicose há na ampola de 10 ml de SG a 50%, ou seja calcular a concentração do ampola de glicose disponível: 100 ml__ 50g 10ml x 100 .x= 10.50 100 .X = 500 X = 500 100 X = 5g
  • 54. ⚫Resposta: ⚫Cada ampola de 10 ml de SG a 50% contém 5g de glicose.
  • 55. 3º PASSO: ⚫Lembrando que um SGF deve conter: ⚫25g de glicose e ⚫4,5 g de cloreto de sódio ⚫Setemos SF 0,9% (4,5g) precisamos acrescentar 25 g de glicose no frasco de SF 0,9% para transformá-lo em SGF .
  • 56. 4º PASSO ⚫Se uma ampola de glicose de 10 ml a 50% tem 5g de glicose e precisamos de 25 g,então: ⚫10ml 5g ⚫ x 25 g ⚫X = 10 .25 = 250 = 50 ml ⚫ 5 5
  • 57. ⚫Resposta: ⚫Se precisamos de 25g de glicose para transformar o SF a 0,9% em SGF e temos SG a10 ml a 50% e este tem 5g de glicose, então devemos acrescentar 50 ml de glicose a 50%.
  • 59. FÓRMULA DE GOTA E MICROGOTAS PARA INFUSÃO EM HORAS Para gotas: Gotas = volume total em ml = nº de gotas por minuto Tempo em hora.3(constante) Gts = VT T .3
  • 60. Para microgotas: Micgotas = (volume total em ml) . 3 Tempo em hora.3 (constante) M icgts/min = VT .3 T .3 FÓRM ULA DE GOTA E M ICROGOTAS PARA INFUSÃO EM HORAS
  • 61. FÓRMULA DE GOTA E M ICROGOTASPARA IN FUSÃO EM HORAS EXEMPLO: ⚫ Foi prescrito SF 0,9% 1000ml de 12 em 12 horas, quantas gotas e microgotas irão infundir por minuto? ⚫ Gts = VT = 1000 = 1000 = 27,77= 28 gotas por minuto T .3 12.3 36 ⚫ M icgotas = VT .3 = 1000 .3= 1000 .3 = 83,33= 83 mic/min T .3 12.3 36
  • 62. FÓRMULA DE GOTA E MICROGOTAS PARA INFUSÃO EM HORAS Para gotas: Gotas = vt em ml .20 = nº de gotas/minuto Tempo em M inutos Gts= VT.20 T
  • 63. FÓRMULA DE GOTA E M ICROGOTAS PARA INFUSÃO EM HORAS Para microgotas: Microgotas = Volume total em ml . 60 Tempo em minuto Micgts/min = VT .60 T
  • 64. FÓRMULA DE GOTA E M ICROGOTASPARA IN FUSÃO EM HORAS EXEMPLO: Foi prescrito Flagyl 500mg em 100 ml para infundir em 50 minutos,quantas gotas e microgotas irão infundir por minuto? Gts = VT.20 = 100 .20= 2000 = 40 gotas por minuto T 50 50 Micgotas = VT .60 = 100 .60= 120 mic/min T 50
  • 65. REGRA DE TRÊS PARA MEDICAMENTOS
  • 66. EXEMPLOS 1. Está prescrito dexametasona 2mg EV. Temos disponível frasco ampola (FA) de 2,5 ml com 4mg/ml. Quanto deve ser aspirado para se administrar a dose pedida? Temos: 4mg ____ 1ml PM :2mg_ x x.4 = 2.1 X = 2 = 0,5ml = 2mg dedecadron 4 Resposta: vamos aspirar 0,5 ml da droga, que corresponde a 2mg.
  • 67. EXEMPLOS s. 2. Está prescrito ampicilina 125mg EV. Temos disponível frasco ampola (FA ) de 1g. Quanto deve ser aspirado para se administrar a dose pedida? 1ºPASSO: Transformar gramas em miligrama 1g = 1000 mg.Portanto temos 1000 mg. 2º PASSO: Diluir os 1000 mg de ampicilina em 10 ml de água destilada.
  • 68. EXEMPLOS 2. Está prescrito ampicilina 125mg EV. Temos disponível frasco ampola (FA) de 1g. Quanto deve ser aspirado para se administrar a dose pedida? Temos: 1000mg ____ 10ml PM : 125mg x x.1 000 = 1 25.10 X = 1 250 = 1 ,25ml = 1 25mg deampicilina 1000 Resposta: vamos aspirar 1,25 ml da droga.Que corresponde a 125 mg da droga.
  • 69. PEN ICILINA CRISTALINA ⚫É um antibiótico, apresenta-se no mercado em frasco ampola,seu soluto é em pó que após reconstituição acrescenta de 2 a 4 ml o volume no total do diluente.
  • 70. PENICILINA CRISTALINA Penicilina Cristalina 1.000.000 Diluir em 8 ml Ad+ 2ml de pó = 10ml Acrescenta 2 ml no volume do diluente Penicilina Cristalina 5.000.000 Diluir em 8 ml Ad+ 2ml de pó = 10ml Acrescenta 2 ml no volume do diluente Penicilina Cristalina 10.000.000 Diluir em 16 ml Ad+ 4ml de pó = 20ml Acrescenta 4 ml no volume do diluente
  • 71. PEN ICILINA CRISTALINA 2. Está prescrito penicilina cristalina 300.000 UI EV. Temos disponível frasco ampola (FA) de 1.000.000UI. Quanto deve ser aspirado para se administrar a dose pedida? Temos: 1 .000.000UI ____ 1 0ml(2ml pó+8ml AD PM : 300.000UI ____ x X .1 000.000 = 300.000 .1 0 X = 3000.000= 3ml = 300.000 UI dePC 1000.000 Resposta: vamos aspirar 3 ml da droga, que corresponde a 300.000 da PC
  • 73. ⚫Está prescrito insulina NPH 24 Ui SC, temos seringa de 100UI einsulina de 100UI, quanto devemos aspirar para administrar a dose correta? 100Ui ____ 100UI 24UI ____ X X = 100 .24 = 2400 = 24 100 100 Resposta: Vamos aspirar 24 Ui de insulina NPH conforme PM.