SlideShare uma empresa Scribd logo
LESÕES DE PELE
LESÕES DE PELE
Hipoderme
A pele constitui uma barreira
A pele constitui uma barreira
mecânica de proteção ao corpo, além
mecânica de proteção ao corpo, além
de participar da termorregulação, da
de participar da termorregulação, da
excreção de água e eletrólitos e das
excreção de água e eletrólitos e das
percepções táteis de pressão, dor e
percepções táteis de pressão, dor e
temperatura
temperatura.
A pele constitui uma barreira
A pele constitui uma barreira
mecânica de proteção ao corpo, além
mecânica de proteção ao corpo, além
de participar da termorregulação, da
de participar da termorregulação, da
excreção de água e eletrólitos e das
excreção de água e eletrólitos e das
percepções táteis de pressão, dor e
percepções táteis de pressão, dor e
temperatura
temperatura.
O que é Úlcera de Pressão?
O que é Úlcera de Pressão?
Cisalhamento
Occipital
Ouvido
Sacro: 40 %
Trocânter
Tuberosidade do ísquio
Calcâneo: 40 %
Tornozelo
Outros: 20 %
Sabe-se que o cuidado com a pele do
paciente é uma atividade importante da
enfermagem, podendo sua avaliação
sugerir integridade da pele prejudicada
ou risco para úlcera de pressão.
Sparks (1993)
O prejuízo da integridade da pele
pode ser causado por diversas
condições fisiopatológicas,
degenerativas, ou ambas.
- Alterações metabólicas
- Alterações cárdio-respiratórias
- Alterações neurológicas
- Alterações crônico-degenerativas
- Alterações nutricionais
- Alterações circulatórias
- Alterações hematológicas
- Alterações psicogênicas
- Uso de medicamentos
- Depressores do SNC
CONDIÇÕES
PREDISPONENTES
- Sensibilidade superficial alterada
- Alteração no turgor e elasticidade da pele
- Alteração na umidade e textura da pele
- Proeminência óssea evidenciada
- Idade ≥ 60 anos
- Alteração na temperatura corporal
- Mobilidade física prejudicada total ou
parcialmente
RISCOS INTRÍNSECOS
- Força de pressão no corpo
- Força de cisalhamento
- Restrição total de movimento
- Restrição parcial de movimento
- Mobilização inadequada
- Colchão inadequado
- Condições da roupa de cama inadequadas
- Higiene corporal inadequada
RISCOS EXTRÍNSECOS
O que podemos fazer
para prevenir as
úlceras ?
Uma inspeção meticulosa diária da pele
Manter a pele sempre seca e hidratada;
Mudança de decúbito
a cada 2 horas
Técnica correta de
posicionamentos apoio
Uso de colchões específicos
Utilizar material de apoio
Cuidados com a nutrição
Roupas de cama adequadas
CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS
Cirúrgica Não Cirúrgica
Agudas Agudas
Crônicas Crônicas
Incisões,
excisões
Áreas doadoras
Feridas cirúrgicas,
Deiscências ou
infectadas
Queimaduras,
Abrasões,
esfolamentos
Úlceras por
Pressão,
Úlceras em MMII
Classificação Tecidual
Classificação Tecidual
TIPO DE TECIDO DA FERIDA
Tecidos viáveis:
• Granulação
• Epitelização
Tecidos inviáveis:
• Esfacelo desvitalizado
• Tecidos necróticos
COR DO TECIDO
Granulação: Rosa, vermelho
pálido, vermelho vivo
COR DO TECIDO
Esfacelo : Amarelo e marrom
COR DO TECIDO
Necrose: Cinza, marrom, negra
Classificação do
Classificação do
Comprometimento
Comprometimento
Tecidual
Tecidual
Estágio I
Hiperemia não suave - indicando dano
a microcirculação.
Superfície da pele mecanicamente
ferida.
Possível hipertermia local, edema e
dor.
Estágio I
Estágio II - Destruição da epiderme
Estágio II
Estágio III
Perda total da espessura da pele que
implica em lesão ou necrose do tecido
subcutâneo e pode aprofundar-se.
Pode incluír :
 tedido necrosado
 destruição da estrutura de sustentação
 lesões cavernosas profundas ou em sinus
 formação de exsudato
 infecção.
A base da ferida mostra fascia,
músculos, tendões e nervos, mas
usualmente não é dolorida
Estagio III
Estágio IV
Perda total de espessura da pele com destruição
extensa, necrose tissular, lesão muscular, óssea ou
da estrutura de sustentação (tendão, articulação,
etc.). Neste grau, como no grau III, podem
apresentar-se lesões cavernosas, profundas ou em
sinus.
A base da ferida mostra osso, fascia,
músculos, tendões e/ou nervos, porém
usualmente não é dolorida.
OBS: O risco de infecção é particularmente alto neste estágio pela presença de material necrótico.
Pode incluír :
 tecido necrosado
 destruição da estrutura de sustentação
 lesões cavernosas profundas ou sinuosas
 formação de exsudato
 infecção.
Estágio IV
CURATIVO IDEAL
Curativo
Consiste na limpeza e aplicação de uma
cobertura estéril em uma ferida, com
finalidade de promover a cicatrização,
prevenir contaminação e infecção.
Os procedimentos para realização do
curativo, devem ser estabelecidos de acordo
com a função do curativo e o grau de
contaminação do local.
• Proteger a ferida contra contaminação e infecçõe
• Promover hemostasia
• Preencher espaço morto e reaproximar bordas
• Fazer desbridamento mecânico e remover tecido
necrótico
• Absorver exsudato e edema porem manter a umidade
da superfície da ferida
• Fornecer isolamento térmico e proteger a cicatrização
• Limitar a movimentação dos tecidos em torno da
ferida
• Dar conforto psicológico è diminuir a intensidade da
dor
Coberturas
Utilizadas
Linha de Curativos B BRAUN
Prontosan®
INDICAÇÕES
CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS
COMPOSIÇÃO
• Ulceras por pressão
• Úlceras arteriais, venosa e mistas
• Pé diabético
• Feridas pós cirúrgicas
• Queimaduras de 1 e 2 graus
• Áreas doadoras de enxerto
• Polihexanida
• Betaina
• Solução de irrigação de ferida
• Remoção rápida e eficaz de crostas e biofilme
• Absorção e redução do odor da ferida
• Após aberto pode ser usado até 8 semanas
• Compatível com todos os curativos
Prontosan®
Formação de biofilmes
Remoção do Biofilme
Sistema de abertura do frasco de 350ml
HIDROGEL
ASKINA
ASKINA®
® Gel
Gel
• Maior parte das úlceras, úlceras com baixa exsudação e úlceras necróticas
• Debridamento
• Hidratação de úlceras secas
• Alta transparência permitindo o monitoramento visual da ferida no tratamento
• Sistema de aplicação em cânula facilita colocação do gel em feridas com fístula
• Permanece estável no leito da ferida e não escorre
• Alta capacidade controlada de fornecer umidade
• Excepcional capacidade de absorção
INDICAÇÕES
COMPOSIÇÃO
Água purificada
Água purificada – Agente hidratante
– Agente hidratante
Glicerol
Glicerol- Agente emoliente
- Agente emoliente
EDTA dissódica-
EDTA dissódica- Agente para formação do gel
Agente para formação do gel
Carbopol
Carbopol- Aumenta a viscosidade do gel
- Aumenta a viscosidade do gel
Sorbitol
Sorbitol- Polímero de amido modificado
- Polímero de amido modificado
CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS
Curativos à base de Alginato de Cálcio e
Curativos à base de Alginato de Cálcio e
Carboximetilcelulose (CMC)
Carboximetilcelulose (CMC)
28,08 g de Solução de CaCL/NaCL X 10x10 cm
28,08 g de Solução de CaCL/NaCL X 10x10 cm
ASKINA® SORB
ASKINA® SORB
Feridas com exsudato abundante, mesmo infectadas. Em caso de infecção, não utilizar curativo
Feridas com exsudato abundante, mesmo infectadas. Em caso de infecção, não utilizar curativo
secundário oclusivo.
secundário oclusivo.
85% de fibras de alginato de cálcio e 15% de carboximetilcelulose.
85% de fibras de alginato de cálcio e 15% de carboximetilcelulose.
Forma um gel suave em contato com o
Forma um gel suave em contato com o
exsudato. Maior capacidade de absorção de
exsudato. Maior capacidade de absorção de
exsudato.Tem absorção vertical. Remoção da
exsudato.Tem absorção vertical. Remoção da
ferida em peça única. Maior aproveitamento
ferida em peça única. Maior aproveitamento
do curativo. Não deixa resíduos. Economia
do curativo. Não deixa resíduos. Economia
INDICAÇÕES
CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS
CAPACIDADE DE ABSORÇÃO
COMPOSIÇÃO
Curativos à base de Hidropolímeros
Curativos à base de Hidropolímeros
Askina®Transorbent®
Askina®Transorbent®
Askina® Transorbent®
Askina® Transorbent®
• Feridas moderadamente/pouco exudativas, de espessura parcial ou total.
Feridas moderadamente/pouco exudativas, de espessura parcial ou total.
• Úlceras por pressão (estágios I a IV)
Úlceras por pressão (estágios I a IV)
• Úlceras (arterial ou venosa) de perna
Úlceras (arterial ou venosa) de perna
• Proteção da pele íntegra
Proteção da pele íntegra
Poliester(isolante) , Poliuretano, Poliacrilato (retém umidade) e Acrilato (Adesivo)
Poliester(isolante) , Poliuretano, Poliacrilato (retém umidade) e Acrilato (Adesivo)
• Proteção absoluta contra microorganismos
Proteção absoluta contra microorganismos
• Absorção e transmissão de vapores/gases controlada, mesmo sob
Absorção e transmissão de vapores/gases controlada, mesmo sob
compressão, mantendo condições úmidas de cicatrização,
compressão, mantendo condições úmidas de cicatrização,
• Não utilizar em feridas infectadas.
Não utilizar em feridas infectadas.
• Pode permanecer até 7 dias sobre a ferida.
Pode permanecer até 7 dias sobre a ferida.
INDICAÇÕES
CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS
COMPOSIÇÃO
Filme semi-permeável de poliester/poliuretano
Adesivo acrílico hipoalergênico
Poliester + poliacrilato hipoalergênico
Espuma de poliester/poliuretano Ades.
Filme adesivo de poliester/poliuretano
Border
Border
Sacrum
Sacrum
Askina® Transorbent®
Askina® Transorbent®
Curativos à base de Hidrocolóides – Askina®Hydro - Askina
Curativos à base de Hidrocolóides – Askina®Hydro - Askina®
®
Biofilm Transparente
Biofilm Transparente
Askina® Hydro
Askina® Hydro
• Feridas moderadamente exsudativas, de espessura parcial ou total.
Feridas moderadamente exsudativas, de espessura parcial ou total.
• Úlceras por pressão (estágios I a IV)
Úlceras por pressão (estágios I a IV)
• Úlceras (arterial ou venosa) de perna
Úlceras (arterial ou venosa) de perna
• Áreas doadoras de enxerto
Áreas doadoras de enxerto
• Queimaduras leves
Queimaduras leves
• Úlceras em fase de granulação
Úlceras em fase de granulação
Proteção absoluta contra microorganismos
Proteção absoluta contra microorganismos
Absorção de exsudato, mantendo condições úmidas de cicatrização,
Absorção de exsudato, mantendo condições úmidas de cicatrização,
Não utilizar em feridas infectadas .
Não utilizar em feridas infectadas .
INDICAÇÕES
CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS
COMPOSIÇÃO
Espuma de poliuretano
Espuma de poliuretano
Filme semipermeável
Filme semipermeável
Matriz de poliisobutileno composta dos hidrocolóides:
Matriz de poliisobutileno composta dos hidrocolóides:
• Carboximetilcelulose(absorção)
Carboximetilcelulose(absorção)
• Psyllium Husk
Psyllium Husk
A camada externa de
espuma de poliuretano
Filme semipermeável
Matriz de poliisobutileno, e
os hidrocolóides Psyllium
Husk e Carboximetilcelulose
lâmina de papel revestida de
silicone
Psyllium Husk
Plantago Psyllium:
é cultivado industrialmente na Índia ocidental para finalidades
médicas.
Estas partículas são misturadas com uma pequena
quantidade de CMC (Carboximetilcelulose) e poliisobutileno
formando assim a
Camada de Hidrocolóide do Askina® HYDRO.
A força de coesão do Askina® Hydro é devida
inteiramente à natureza das partículas do Psyllium
Husk.
Diferente da CMC amorfa, o polissacarídeo destas
partículas não se dissolve enquanto absorve exsudato.
O uso de Psyllium Husk em curativos hidrocolóides está
PATENTEADA pela B.Braun
Absorção da partícula de Psyllium Husk
Partícula de Psyllium
Husk vazia
Partícula de Psyllium Husk após
absorver exsudato – expansão lateral
e aumento de volume da partícula,
sem ocorrer rompimento
Askina® Biofilm® Transparent
Askina® Biofilm® Transparent
Askina® Biofilm® Transparent
Askina® Biofilm® Transparent
• Gerenciamento de feridas em fase de epitelização
Gerenciamento de feridas em fase de epitelização
• Proteção da pele íntegra
Proteção da pele íntegra
• Proteção
Proteção
• Permite a visualização da ferida.
Permite a visualização da ferida.
• Absorve o exsudato residual.
Absorve o exsudato residual.
• Conformável à qualquer parte de corpo
Conformável à qualquer parte de corpo
INDICAÇÕES
CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS
COMPOSIÇÃO
Poliuretano
Poliuretano
Camada hidrocolóide composta de:
Camada hidrocolóide composta de:
•Carboximetilcelulose sódica(30%)
Carboximetilcelulose sódica(30%)
•Poliisobutileno (64%) - adesão
Poliisobutileno (64%) - adesão
•Copolímero de alto peso molecular de isobutileno/isopreno (6%)
Copolímero de alto peso molecular de isobutileno/isopreno (6%)
Askina Derm
Askina® Derm
Askina® Derm
Filme de poliuretano revestido de adesivo acrílico.
Filme de poliuretano revestido de adesivo acrílico.
• Proteção absoluta contra microorganismos
Proteção absoluta contra microorganismos
• Absorção e transmissão de vapores/gases Não utilizar em feridas infectadas
Absorção e transmissão de vapores/gases Não utilizar em feridas infectadas
• Pode permanecer até 7 dias sobre a ferida
Pode permanecer até 7 dias sobre a ferida
• Permite visualização da ferida
Permite visualização da ferida
CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS
COMPOSIÇÃO
INDICAÇÕES
• Gerenciamento de feridas em fase de epitelização
Gerenciamento de feridas em fase de epitelização
• Proteção da pele íntegra
Proteção da pele íntegra
• Proteção de acessos venosos profundos e periféricos
Proteção de acessos venosos profundos e periféricos
Sistema de Aplicação do Askina® Derm
Após remover o papel impresso, pressionar gentilmente o curativo contra o
tecido para garantir a aderência do mesmo.
Remova os dois papéis laterais, um de cada vez,
pressionando ao mesmo tempo para garantir a
aderência do curativo a pele.
Retire o plástico protetor (um de cada vez) da
parte superior do curativo, no sentido indicado
pelas setas (fazendo um ângulo de 45°)
Askina® Calgitrol® Ag
Askina® Calgitrol® Ag
Askina® Calgitrol® Ag
Askina® Calgitrol® Ag
• Gerenciamento de feridas de espessura parcial a total,
Gerenciamento de feridas de espessura parcial a total,
infectadas ou não
infectadas ou não
• Úlceras por pressão de estágio I-IV, úlceras venosas,
Úlceras por pressão de estágio I-IV, úlceras venosas,
queimaduras de segundo grau e área doadora de enxerto.
queimaduras de segundo grau e área doadora de enxerto.
• Absorção de exsudato
Absorção de exsudato
• Atividade antimicrobiana imediata e sustentada
Atividade antimicrobiana imediata e sustentada
• Íons de prata (100% em estado iônico)
Íons de prata (100% em estado iônico)
• Não necessita ativação (água destilada)
Não necessita ativação (água destilada)
• Não mancha
Não mancha
INDICAÇÕES
CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS
COMPOSIÇÃO
• Camada hidrofílica de espuma de poliuretano
Camada hidrofílica de espuma de poliuretano
• Camada de alginato de cálcio contendo 100% de prata
Camada de alginato de cálcio contendo 100% de prata
no estado iônico
no estado iônico
Necrose
Necrose
Necrose
Necrose Debridamento
Debridamento
Debridamento
Debridamento Granulação
Granulação
Granulação
Granulação Epitelização
Epitelização
Epitelização
Epitelização
Ferida Seca
Ferida Seca
Hidratação
Hidratação
Absorver +++
cicatrização
úmida
Absorver +++
cicatrização
úmida
Ferida limpa
em granulação
Ferida limpa
em granulação
Absorver + a ++
cicatrização
úmida
Absorver + a ++
cicatrização
úmida
Ferida pouco
exsudativa
Ferida pouco
exsudativa
Proteger
a ferida
Proteger
a ferida
CARACTERÍSTÍCAS
CARACTERÍSTÍCAS
OBJETIVO
OBJETIVO
CURATIVO
CURATIVO
Askina® Gel
Askina® Gel
Askina® Gel
Askina® Gel Askina® Sorb
Askina® Sorb
Askina® Derm
ou Biofilm
Transparent
Askina® Derm
ou Biofilm
Transparent
Askina®
Tansorbent
Hydro Gel
Askina®
Tansorbent
Hydro Gel
Ferida
Exsudativas
Ferida
Exsudativas
Feridas Infectadas - Askina® Calgitrol® Ag
Conselho de Medicina:
Não existe nenhuma legislação na qual
informe que é prerrogativa do médico
realizar debridamento com instrumental
cirúrgico
Constituição Federal de enfermagem;
DECRETO 94.406/87
ARTIGO 80, INCISO I ALÍNEA H -
”Ao enfermeiro incube
cuidados de enfermagem de maior
complexidade técnica e que exijam
conhecimentos técnicos-científicos
adequados e capacidade para tomar
decisões imediatas”
Considerando o Código de Ética de
Enfermagem (Cap. 3 Art.17)
O enfermeiro deve “avaliar
criteriosamente técnica e legal e
somente aceitar encargos e atribuições
quando capaz de
desempenho seguro para si e para a
clientela”
Art.18
“manter-se atualizado ampliando
seus conhecimentos técnicos,
científicos e culturais, em benefício da
clientela, coletividade e do
desenvolvimento da profissão”
luciana@helpstar.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Eliete Santos
 
Feridas - FSA
Feridas - FSAFeridas - FSA
Feridas - FSA
enfermagemfsa
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Janaína Lassala
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
Janaína Lassala
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
Rodrigo Abreu
 
Curativo
CurativoCurativo
Curativo
Ana Paula Sales
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
Gilson Betta Sevilha
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Conceicao Cavalcante
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
Jocasta Bonmann
 
tratamento-de-feridas.ppt
tratamento-de-feridas.ppttratamento-de-feridas.ppt
tratamento-de-feridas.ppt
CELEYCOELHODESOUZA
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
Simone Amucc
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
Pinheiropinheironeto
 
Lavar As Mãos
Lavar As MãosLavar As Mãos
Lavar As Mãos
Miriam Pato
 
Limpeza de Feridas
Limpeza de FeridasLimpeza de Feridas
Limpeza de Feridas
Letícia Spina Tapia
 
Preparação do leito ferida, exsudados e desbridamento ELCOS VII jornadas AEES...
Preparação do leito ferida, exsudados e desbridamento ELCOS VII jornadas AEES...Preparação do leito ferida, exsudados e desbridamento ELCOS VII jornadas AEES...
Preparação do leito ferida, exsudados e desbridamento ELCOS VII jornadas AEES...
Elcos&Ulcus - Sociedade Feridas
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
Nelio Dinis
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
SMS - Petrópolis
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
Madalena Silveira
 

Mais procurados (20)

Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
 
Feridas - FSA
Feridas - FSAFeridas - FSA
Feridas - FSA
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Curativo
CurativoCurativo
Curativo
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
 
Atualização em curativos
Atualização em curativosAtualização em curativos
Atualização em curativos
 
tratamento-de-feridas.ppt
tratamento-de-feridas.ppttratamento-de-feridas.ppt
tratamento-de-feridas.ppt
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Lavar As Mãos
Lavar As MãosLavar As Mãos
Lavar As Mãos
 
Limpeza de Feridas
Limpeza de FeridasLimpeza de Feridas
Limpeza de Feridas
 
Preparação do leito ferida, exsudados e desbridamento ELCOS VII jornadas AEES...
Preparação do leito ferida, exsudados e desbridamento ELCOS VII jornadas AEES...Preparação do leito ferida, exsudados e desbridamento ELCOS VII jornadas AEES...
Preparação do leito ferida, exsudados e desbridamento ELCOS VII jornadas AEES...
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
 
Tratamento de feridas - Aula 02
Tratamento de feridas -  Aula 02Tratamento de feridas -  Aula 02
Tratamento de feridas - Aula 02
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
 

Semelhante a curativohelpcompleto-160721140724.pdf

Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
Gilson Betta Sevilha
 
Curativos léia
Curativos  léiaCurativos  léia
Curativo
CurativoCurativo
Curativo
lopesmiriam
 
curativos aula.pptx
curativos aula.pptxcurativos aula.pptx
curativos aula.pptx
vaniceandrade1
 
Feridas e Curativos assistência de enfermagem
Feridas e Curativos assistência de enfermagemFeridas e Curativos assistência de enfermagem
Feridas e Curativos assistência de enfermagem
ssuser5cab6e
 
Feridas x curativo
Feridas x curativoFeridas x curativo
Feridas x curativo
Kelwey Da Hora Farias
 
Idoso_Humana_Alimentar.pdf
Idoso_Humana_Alimentar.pdfIdoso_Humana_Alimentar.pdf
Idoso_Humana_Alimentar.pdf
Sandro671810
 
Lavagem das mãos cirúrgica e paramentação.pptx
Lavagem das mãos cirúrgica e paramentação.pptxLavagem das mãos cirúrgica e paramentação.pptx
Lavagem das mãos cirúrgica e paramentação.pptx
patrcialibreloto
 
Profilaxia Podal
Profilaxia PodalProfilaxia Podal
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
joseantoniodesouza72
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Heberth Macedo
 
FERIDAS E COBERTURAS.pdf
FERIDAS E COBERTURAS.pdfFERIDAS E COBERTURAS.pdf
FERIDAS E COBERTURAS.pdf
CarlaAlves362153
 
Fissura plantar
Fissura plantarFissura plantar
Fissura plantar
Cíntia Luna
 
Estudo de caso 01
Estudo de caso 01Estudo de caso 01
Estudo de caso 01
Rafael Camara
 
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptxQUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
JessicaAngelo5
 
QUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptxQUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptx
JessicaAngelo5
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
Julio Jayme
 
curativos.ppt
curativos.pptcurativos.ppt
curativos.ppt
AlunosFarmcia
 
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdfQUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
JessicaAngelo5
 
Manual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdfManual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdf
SueEllenMendonaFerre
 

Semelhante a curativohelpcompleto-160721140724.pdf (20)

Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
 
Curativos léia
Curativos  léiaCurativos  léia
Curativos léia
 
Curativo
CurativoCurativo
Curativo
 
curativos aula.pptx
curativos aula.pptxcurativos aula.pptx
curativos aula.pptx
 
Feridas e Curativos assistência de enfermagem
Feridas e Curativos assistência de enfermagemFeridas e Curativos assistência de enfermagem
Feridas e Curativos assistência de enfermagem
 
Feridas x curativo
Feridas x curativoFeridas x curativo
Feridas x curativo
 
Idoso_Humana_Alimentar.pdf
Idoso_Humana_Alimentar.pdfIdoso_Humana_Alimentar.pdf
Idoso_Humana_Alimentar.pdf
 
Lavagem das mãos cirúrgica e paramentação.pptx
Lavagem das mãos cirúrgica e paramentação.pptxLavagem das mãos cirúrgica e paramentação.pptx
Lavagem das mãos cirúrgica e paramentação.pptx
 
Profilaxia Podal
Profilaxia PodalProfilaxia Podal
Profilaxia Podal
 
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
Webpalestra-11.09.2018.pdf..............................
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
FERIDAS E COBERTURAS.pdf
FERIDAS E COBERTURAS.pdfFERIDAS E COBERTURAS.pdf
FERIDAS E COBERTURAS.pdf
 
Fissura plantar
Fissura plantarFissura plantar
Fissura plantar
 
Estudo de caso 01
Estudo de caso 01Estudo de caso 01
Estudo de caso 01
 
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptxQUEIMADURAS EDITADO.pptx
QUEIMADURAS EDITADO.pptx
 
QUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptxQUEIMADURAS .pptx
QUEIMADURAS .pptx
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
 
curativos.ppt
curativos.pptcurativos.ppt
curativos.ppt
 
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdfQUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
QUEIMADURAS EDITADO-1.pdf
 
Manual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdfManual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdf
 

Mais de LarissaMachado97

tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
LarissaMachado97
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
LarissaMachado97
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
LarissaMachado97
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
LarissaMachado97
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
LarissaMachado97
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
LarissaMachado97
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
LarissaMachado97
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
LarissaMachado97
 

Mais de LarissaMachado97 (17)

tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
 

Último

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
ADRIANEGOMESDASILVA
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 

Último (11)

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 

curativohelpcompleto-160721140724.pdf

  • 3.
  • 4. A pele constitui uma barreira A pele constitui uma barreira mecânica de proteção ao corpo, além mecânica de proteção ao corpo, além de participar da termorregulação, da de participar da termorregulação, da excreção de água e eletrólitos e das excreção de água e eletrólitos e das percepções táteis de pressão, dor e percepções táteis de pressão, dor e temperatura temperatura. A pele constitui uma barreira A pele constitui uma barreira mecânica de proteção ao corpo, além mecânica de proteção ao corpo, além de participar da termorregulação, da de participar da termorregulação, da excreção de água e eletrólitos e das excreção de água e eletrólitos e das percepções táteis de pressão, dor e percepções táteis de pressão, dor e temperatura temperatura.
  • 5. O que é Úlcera de Pressão?
  • 6. O que é Úlcera de Pressão?
  • 8. Occipital Ouvido Sacro: 40 % Trocânter Tuberosidade do ísquio Calcâneo: 40 % Tornozelo Outros: 20 %
  • 9. Sabe-se que o cuidado com a pele do paciente é uma atividade importante da enfermagem, podendo sua avaliação sugerir integridade da pele prejudicada ou risco para úlcera de pressão. Sparks (1993)
  • 10. O prejuízo da integridade da pele pode ser causado por diversas condições fisiopatológicas, degenerativas, ou ambas.
  • 11. - Alterações metabólicas - Alterações cárdio-respiratórias - Alterações neurológicas - Alterações crônico-degenerativas - Alterações nutricionais - Alterações circulatórias - Alterações hematológicas - Alterações psicogênicas - Uso de medicamentos - Depressores do SNC CONDIÇÕES PREDISPONENTES
  • 12. - Sensibilidade superficial alterada - Alteração no turgor e elasticidade da pele - Alteração na umidade e textura da pele - Proeminência óssea evidenciada - Idade ≥ 60 anos - Alteração na temperatura corporal - Mobilidade física prejudicada total ou parcialmente RISCOS INTRÍNSECOS
  • 13. - Força de pressão no corpo - Força de cisalhamento - Restrição total de movimento - Restrição parcial de movimento - Mobilização inadequada - Colchão inadequado - Condições da roupa de cama inadequadas - Higiene corporal inadequada RISCOS EXTRÍNSECOS
  • 14. O que podemos fazer para prevenir as úlceras ?
  • 15. Uma inspeção meticulosa diária da pele
  • 16. Manter a pele sempre seca e hidratada;
  • 17. Mudança de decúbito a cada 2 horas Técnica correta de posicionamentos apoio
  • 18.
  • 19. Uso de colchões específicos
  • 21. Cuidados com a nutrição
  • 22. Roupas de cama adequadas
  • 23. CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS Cirúrgica Não Cirúrgica Agudas Agudas Crônicas Crônicas Incisões, excisões Áreas doadoras Feridas cirúrgicas, Deiscências ou infectadas Queimaduras, Abrasões, esfolamentos Úlceras por Pressão, Úlceras em MMII
  • 25. TIPO DE TECIDO DA FERIDA Tecidos viáveis: • Granulação • Epitelização Tecidos inviáveis: • Esfacelo desvitalizado • Tecidos necróticos
  • 26. COR DO TECIDO Granulação: Rosa, vermelho pálido, vermelho vivo
  • 27.
  • 28. COR DO TECIDO Esfacelo : Amarelo e marrom
  • 29.
  • 30. COR DO TECIDO Necrose: Cinza, marrom, negra
  • 32. Estágio I Hiperemia não suave - indicando dano a microcirculação. Superfície da pele mecanicamente ferida. Possível hipertermia local, edema e dor.
  • 34. Estágio II - Destruição da epiderme
  • 36.
  • 37. Estágio III Perda total da espessura da pele que implica em lesão ou necrose do tecido subcutâneo e pode aprofundar-se. Pode incluír :  tedido necrosado  destruição da estrutura de sustentação  lesões cavernosas profundas ou em sinus  formação de exsudato  infecção. A base da ferida mostra fascia, músculos, tendões e nervos, mas usualmente não é dolorida
  • 39. Estágio IV Perda total de espessura da pele com destruição extensa, necrose tissular, lesão muscular, óssea ou da estrutura de sustentação (tendão, articulação, etc.). Neste grau, como no grau III, podem apresentar-se lesões cavernosas, profundas ou em sinus. A base da ferida mostra osso, fascia, músculos, tendões e/ou nervos, porém usualmente não é dolorida. OBS: O risco de infecção é particularmente alto neste estágio pela presença de material necrótico. Pode incluír :  tecido necrosado  destruição da estrutura de sustentação  lesões cavernosas profundas ou sinuosas  formação de exsudato  infecção.
  • 41.
  • 43. Curativo Consiste na limpeza e aplicação de uma cobertura estéril em uma ferida, com finalidade de promover a cicatrização, prevenir contaminação e infecção. Os procedimentos para realização do curativo, devem ser estabelecidos de acordo com a função do curativo e o grau de contaminação do local.
  • 44. • Proteger a ferida contra contaminação e infecçõe • Promover hemostasia • Preencher espaço morto e reaproximar bordas • Fazer desbridamento mecânico e remover tecido necrótico • Absorver exsudato e edema porem manter a umidade da superfície da ferida • Fornecer isolamento térmico e proteger a cicatrização • Limitar a movimentação dos tecidos em torno da ferida • Dar conforto psicológico è diminuir a intensidade da dor
  • 48. INDICAÇÕES CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS COMPOSIÇÃO • Ulceras por pressão • Úlceras arteriais, venosa e mistas • Pé diabético • Feridas pós cirúrgicas • Queimaduras de 1 e 2 graus • Áreas doadoras de enxerto • Polihexanida • Betaina • Solução de irrigação de ferida • Remoção rápida e eficaz de crostas e biofilme • Absorção e redução do odor da ferida • Após aberto pode ser usado até 8 semanas • Compatível com todos os curativos Prontosan®
  • 51. Sistema de abertura do frasco de 350ml
  • 53. ASKINA ASKINA® ® Gel Gel • Maior parte das úlceras, úlceras com baixa exsudação e úlceras necróticas • Debridamento • Hidratação de úlceras secas • Alta transparência permitindo o monitoramento visual da ferida no tratamento • Sistema de aplicação em cânula facilita colocação do gel em feridas com fístula • Permanece estável no leito da ferida e não escorre • Alta capacidade controlada de fornecer umidade • Excepcional capacidade de absorção INDICAÇÕES COMPOSIÇÃO Água purificada Água purificada – Agente hidratante – Agente hidratante Glicerol Glicerol- Agente emoliente - Agente emoliente EDTA dissódica- EDTA dissódica- Agente para formação do gel Agente para formação do gel Carbopol Carbopol- Aumenta a viscosidade do gel - Aumenta a viscosidade do gel Sorbitol Sorbitol- Polímero de amido modificado - Polímero de amido modificado CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS
  • 54. Curativos à base de Alginato de Cálcio e Curativos à base de Alginato de Cálcio e Carboximetilcelulose (CMC) Carboximetilcelulose (CMC)
  • 55. 28,08 g de Solução de CaCL/NaCL X 10x10 cm 28,08 g de Solução de CaCL/NaCL X 10x10 cm ASKINA® SORB ASKINA® SORB Feridas com exsudato abundante, mesmo infectadas. Em caso de infecção, não utilizar curativo Feridas com exsudato abundante, mesmo infectadas. Em caso de infecção, não utilizar curativo secundário oclusivo. secundário oclusivo. 85% de fibras de alginato de cálcio e 15% de carboximetilcelulose. 85% de fibras de alginato de cálcio e 15% de carboximetilcelulose. Forma um gel suave em contato com o Forma um gel suave em contato com o exsudato. Maior capacidade de absorção de exsudato. Maior capacidade de absorção de exsudato.Tem absorção vertical. Remoção da exsudato.Tem absorção vertical. Remoção da ferida em peça única. Maior aproveitamento ferida em peça única. Maior aproveitamento do curativo. Não deixa resíduos. Economia do curativo. Não deixa resíduos. Economia INDICAÇÕES CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS CAPACIDADE DE ABSORÇÃO COMPOSIÇÃO
  • 56. Curativos à base de Hidropolímeros Curativos à base de Hidropolímeros Askina®Transorbent® Askina®Transorbent®
  • 57. Askina® Transorbent® Askina® Transorbent® • Feridas moderadamente/pouco exudativas, de espessura parcial ou total. Feridas moderadamente/pouco exudativas, de espessura parcial ou total. • Úlceras por pressão (estágios I a IV) Úlceras por pressão (estágios I a IV) • Úlceras (arterial ou venosa) de perna Úlceras (arterial ou venosa) de perna • Proteção da pele íntegra Proteção da pele íntegra Poliester(isolante) , Poliuretano, Poliacrilato (retém umidade) e Acrilato (Adesivo) Poliester(isolante) , Poliuretano, Poliacrilato (retém umidade) e Acrilato (Adesivo) • Proteção absoluta contra microorganismos Proteção absoluta contra microorganismos • Absorção e transmissão de vapores/gases controlada, mesmo sob Absorção e transmissão de vapores/gases controlada, mesmo sob compressão, mantendo condições úmidas de cicatrização, compressão, mantendo condições úmidas de cicatrização, • Não utilizar em feridas infectadas. Não utilizar em feridas infectadas. • Pode permanecer até 7 dias sobre a ferida. Pode permanecer até 7 dias sobre a ferida. INDICAÇÕES CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS COMPOSIÇÃO
  • 58. Filme semi-permeável de poliester/poliuretano Adesivo acrílico hipoalergênico Poliester + poliacrilato hipoalergênico Espuma de poliester/poliuretano Ades. Filme adesivo de poliester/poliuretano Border Border Sacrum Sacrum Askina® Transorbent® Askina® Transorbent®
  • 59. Curativos à base de Hidrocolóides – Askina®Hydro - Askina Curativos à base de Hidrocolóides – Askina®Hydro - Askina® ® Biofilm Transparente Biofilm Transparente
  • 60. Askina® Hydro Askina® Hydro • Feridas moderadamente exsudativas, de espessura parcial ou total. Feridas moderadamente exsudativas, de espessura parcial ou total. • Úlceras por pressão (estágios I a IV) Úlceras por pressão (estágios I a IV) • Úlceras (arterial ou venosa) de perna Úlceras (arterial ou venosa) de perna • Áreas doadoras de enxerto Áreas doadoras de enxerto • Queimaduras leves Queimaduras leves • Úlceras em fase de granulação Úlceras em fase de granulação Proteção absoluta contra microorganismos Proteção absoluta contra microorganismos Absorção de exsudato, mantendo condições úmidas de cicatrização, Absorção de exsudato, mantendo condições úmidas de cicatrização, Não utilizar em feridas infectadas . Não utilizar em feridas infectadas . INDICAÇÕES CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS COMPOSIÇÃO Espuma de poliuretano Espuma de poliuretano Filme semipermeável Filme semipermeável Matriz de poliisobutileno composta dos hidrocolóides: Matriz de poliisobutileno composta dos hidrocolóides: • Carboximetilcelulose(absorção) Carboximetilcelulose(absorção) • Psyllium Husk Psyllium Husk A camada externa de espuma de poliuretano Filme semipermeável Matriz de poliisobutileno, e os hidrocolóides Psyllium Husk e Carboximetilcelulose lâmina de papel revestida de silicone
  • 61. Psyllium Husk Plantago Psyllium: é cultivado industrialmente na Índia ocidental para finalidades médicas. Estas partículas são misturadas com uma pequena quantidade de CMC (Carboximetilcelulose) e poliisobutileno formando assim a Camada de Hidrocolóide do Askina® HYDRO. A força de coesão do Askina® Hydro é devida inteiramente à natureza das partículas do Psyllium Husk. Diferente da CMC amorfa, o polissacarídeo destas partículas não se dissolve enquanto absorve exsudato. O uso de Psyllium Husk em curativos hidrocolóides está PATENTEADA pela B.Braun
  • 62. Absorção da partícula de Psyllium Husk Partícula de Psyllium Husk vazia Partícula de Psyllium Husk após absorver exsudato – expansão lateral e aumento de volume da partícula, sem ocorrer rompimento
  • 64. Askina® Biofilm® Transparent Askina® Biofilm® Transparent • Gerenciamento de feridas em fase de epitelização Gerenciamento de feridas em fase de epitelização • Proteção da pele íntegra Proteção da pele íntegra • Proteção Proteção • Permite a visualização da ferida. Permite a visualização da ferida. • Absorve o exsudato residual. Absorve o exsudato residual. • Conformável à qualquer parte de corpo Conformável à qualquer parte de corpo INDICAÇÕES CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS COMPOSIÇÃO Poliuretano Poliuretano Camada hidrocolóide composta de: Camada hidrocolóide composta de: •Carboximetilcelulose sódica(30%) Carboximetilcelulose sódica(30%) •Poliisobutileno (64%) - adesão Poliisobutileno (64%) - adesão •Copolímero de alto peso molecular de isobutileno/isopreno (6%) Copolímero de alto peso molecular de isobutileno/isopreno (6%)
  • 66. Askina® Derm Askina® Derm Filme de poliuretano revestido de adesivo acrílico. Filme de poliuretano revestido de adesivo acrílico. • Proteção absoluta contra microorganismos Proteção absoluta contra microorganismos • Absorção e transmissão de vapores/gases Não utilizar em feridas infectadas Absorção e transmissão de vapores/gases Não utilizar em feridas infectadas • Pode permanecer até 7 dias sobre a ferida Pode permanecer até 7 dias sobre a ferida • Permite visualização da ferida Permite visualização da ferida CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS COMPOSIÇÃO INDICAÇÕES • Gerenciamento de feridas em fase de epitelização Gerenciamento de feridas em fase de epitelização • Proteção da pele íntegra Proteção da pele íntegra • Proteção de acessos venosos profundos e periféricos Proteção de acessos venosos profundos e periféricos
  • 67. Sistema de Aplicação do Askina® Derm Após remover o papel impresso, pressionar gentilmente o curativo contra o tecido para garantir a aderência do mesmo. Remova os dois papéis laterais, um de cada vez, pressionando ao mesmo tempo para garantir a aderência do curativo a pele. Retire o plástico protetor (um de cada vez) da parte superior do curativo, no sentido indicado pelas setas (fazendo um ângulo de 45°)
  • 69. Askina® Calgitrol® Ag Askina® Calgitrol® Ag • Gerenciamento de feridas de espessura parcial a total, Gerenciamento de feridas de espessura parcial a total, infectadas ou não infectadas ou não • Úlceras por pressão de estágio I-IV, úlceras venosas, Úlceras por pressão de estágio I-IV, úlceras venosas, queimaduras de segundo grau e área doadora de enxerto. queimaduras de segundo grau e área doadora de enxerto. • Absorção de exsudato Absorção de exsudato • Atividade antimicrobiana imediata e sustentada Atividade antimicrobiana imediata e sustentada • Íons de prata (100% em estado iônico) Íons de prata (100% em estado iônico) • Não necessita ativação (água destilada) Não necessita ativação (água destilada) • Não mancha Não mancha INDICAÇÕES CARACTERÍSTICAS / BENEFÍCIOS COMPOSIÇÃO • Camada hidrofílica de espuma de poliuretano Camada hidrofílica de espuma de poliuretano • Camada de alginato de cálcio contendo 100% de prata Camada de alginato de cálcio contendo 100% de prata no estado iônico no estado iônico
  • 70. Necrose Necrose Necrose Necrose Debridamento Debridamento Debridamento Debridamento Granulação Granulação Granulação Granulação Epitelização Epitelização Epitelização Epitelização Ferida Seca Ferida Seca Hidratação Hidratação Absorver +++ cicatrização úmida Absorver +++ cicatrização úmida Ferida limpa em granulação Ferida limpa em granulação Absorver + a ++ cicatrização úmida Absorver + a ++ cicatrização úmida Ferida pouco exsudativa Ferida pouco exsudativa Proteger a ferida Proteger a ferida CARACTERÍSTÍCAS CARACTERÍSTÍCAS OBJETIVO OBJETIVO CURATIVO CURATIVO Askina® Gel Askina® Gel Askina® Gel Askina® Gel Askina® Sorb Askina® Sorb Askina® Derm ou Biofilm Transparent Askina® Derm ou Biofilm Transparent Askina® Tansorbent Hydro Gel Askina® Tansorbent Hydro Gel Ferida Exsudativas Ferida Exsudativas Feridas Infectadas - Askina® Calgitrol® Ag
  • 71. Conselho de Medicina: Não existe nenhuma legislação na qual informe que é prerrogativa do médico realizar debridamento com instrumental cirúrgico
  • 72. Constituição Federal de enfermagem; DECRETO 94.406/87 ARTIGO 80, INCISO I ALÍNEA H - ”Ao enfermeiro incube cuidados de enfermagem de maior complexidade técnica e que exijam conhecimentos técnicos-científicos adequados e capacidade para tomar decisões imediatas”
  • 73. Considerando o Código de Ética de Enfermagem (Cap. 3 Art.17) O enfermeiro deve “avaliar criteriosamente técnica e legal e somente aceitar encargos e atribuições quando capaz de desempenho seguro para si e para a clientela”
  • 74. Art.18 “manter-se atualizado ampliando seus conhecimentos técnicos, científicos e culturais, em benefício da clientela, coletividade e do desenvolvimento da profissão”