SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnicas de injeção
Enfª Larissa Machado
Definição
É a administração de medicamentos
por outra via que não atravesse a
barreira hepática – atingem níveis
elevados no sangue
As principais vias utilizadas são:
intradérmica, sub-cutânea,
intramuscular e endovenosa
outras vias podem ser utilizadas:
intra-articular, intra-tecal, intra-óssea,
intra-cardíaca e intra-arterial
Via intradérmica
Indicada principalmente para testes
de hipersensibilidade, tuberculose,
administração de anestésico.
locais : qualquer parte do corpo,
pobre em pelos e em pigmentação –
mais utilizada: face interna do
antebraço
Volume máximo: 0,5ml
Via intradérmica
esticar a pele com a mão não
dominante
ângulo da agulha- 15º - bisel visível
deverá formar uma pápula
não usar álcool ou outra solução
antisséptica
Mais de uma injeção – intervalo de
5cm – marcar com caneta – 24 a 48h
observar a reação

Recomendado para você

Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesiasTipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias

O documento discute abordagens no pré e pós-operatório de cirurgias plásticas, incluindo o conhecimento de complicações para permitir intervenção precoce e tratamento. É destacado o papel do fisioterapeuta no tratamento de áreas como o sistema linfático e regiões de incisões e retalhos para prevenir complicações como isquemia, necrose, deiscência e seromas.

Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas

O documento discute úlceras vasculogênicas, definindo-as como feridas crônicas abaixo do joelho que não cicatrizam em menos de seis semanas. As úlceras podem ser venosas, arteriais ou diabéticas, dependendo da causa subjacente. As úlceras venosas geralmente ocorrem devido à insuficiência venosa, enquanto as arteriais são causadas por doença arterial obstrutiva periférica. As úlceras diabéticas são comuns em pacientes com

úlcera arterialúlcera diabéticaúlcera venosa
MEDICAMENTOS
MEDICAMENTOSMEDICAMENTOS
MEDICAMENTOS

O documento descreve as principais vias de administração de medicamentos em enfermagem, incluindo os cuidados necessários em cada uma. São apresentados os cinco certos da medicação, as três leituras obrigatórias do rótulo antes da administração e as vias oral, retal, nasal, pulmonar, transdérmica, tópica, parenteral e endovenosa.

Via intradérmica
Via sub-cutânea
Oferece pouco trauma tecidual e
pouco risco de atingir vasos
sanguíneos e nervos
absorção é mais lenta que a IM –
duração de ação mais longa
posição da agulha- 90º (13x4,5) ou
45º (25x7) – também relacionada a
quantidade de tecido subcutâneo
Via sub-cutânea
locais de aplicação:
- coxas: face externa e anterior;
- braços: face externa;
- abdomem
- tórax posterior: região escapular.
fazer prega cutânea* ou estender a
pele – pacientes com tecido
subcutâneo espesso
Via subcutânea
Uso de luvas
Verificar sinais de
lipodistrofia
fazer rodízio das
áreas
não administrar em
áreas próximas a
cicatrizes, lesões,
cicatriz umbilical,
edemas, manchas
Não aspire quando
administrar
heparina ou
insulina
volume máximo- 2
ml
as drogas podem
ser aquosas ou
oleosas, cristalinas
ou coloidais e
isotônicas

Recomendado para você

Medicamentos por via IM 22 02 17.pdf
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdfMedicamentos por via IM 22 02 17.pdf
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdf

O documento discute os princípios de administração de medicamentos por via intramuscular, incluindo definições, indicações, vantagens, desvantagens, critérios de seleção muscular, regiões musculares utilizadas e procedimentos.

Estudo
EstudoEstudo
Estudo

Este documento fornece instruções sobre punção venosa para terapia intravenosa. Ele descreve como selecionar a veia e os materiais corretos, aplicar o torniquete, realizar antissepsia da pele, inserir o cateter na veia e fixá-lo corretamente. Também discute técnicas para evidenciar veias periféricas e prevenir complicações como hematomas e infecções.

350440.ppt
350440.ppt350440.ppt
350440.ppt

O documento descreve as principais vias de administração de medicamentos, incluindo via oral, parenteral, inalatória e outras. Detalha os tipos de via oral, como absorção sublingual e enteral, e vias parenterais como intradérmica, subcutânea, intramuscular e endovenosa. Discute também vias como retal, ocular, intranasal e dérmica.

#saude
Via sub-cutânea
Deltóide
volume máximo de 3ml
-não indicada a aplicação em
crianças e idosos;
-indivíduos com sequelas de AVE -
paresias;
-mulheres pós mastectomias com
esvaziamento ganglionar.
Via sub-cutânea
Via intra-muscular
Volume máximo:
- deltóide-3ml
- glúteo - 5ml
- antero-lateral da coxa - 5ml
é indicada para administração de
substâncias irritantes, oleosas e de
difícil absorção;
absorção mais rapida que a SC e
mais lenta que a EV.
Via-intramuscular
princípios básicos para a seleção da
região: conhecer os limites
anatômicos dos nervos e vasos –
delimitações corretas
preferência do paciente - tecido
muscular
presença de sequelas na área
volume e característica da droga

Recomendado para você

APOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docxAPOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docx

O documento fornece instruções sobre diferentes técnicas de administração de medicamentos, incluindo vias intramuscular, subcutânea e intravenosa. Ele descreve os procedimentos corretos, cuidados necessários e possíveis complicações de cada via. O documento também enfatiza a importância de seguir os "9 certos" para evitar erros de medicação.

VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt

O documento descreve várias vias de administração de medicamentos, incluindo via oral (sublingual), parenteral (intradérmica, subcutânea, intramuscular, intravenosa) e dérmica. Ele detalha os tipos de medicamentos, volumes, locais e técnicas apropriados para cada via, assim como possíveis vantagens e desvantagens.

islam
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt

O documento descreve várias vias de administração de medicamentos, incluindo via oral (sublingual), parenteral (intradérmica, subcutânea, intramuscular, intravenosa) e dérmica. Ele detalha os tipos de medicamentos, volumes, locais e técnicas apropriados para cada via, assim como possíveis vantagens e desvantagens.

Via intra-muscular
posição da agulha - 90º;
evitar locais inflamados,
edemaciados, irritados, com
manchas, cicatrizes ou outras lesões;
orientar para que o paciente relaxe o
músculo;
pinçar o músculo;
aspirar – descartar a punção de
vasos.
Via intra-muscular
Região dorso-glútea
músculo: glúteo máximo
quadrante superior externo – linha:
espinha ilíaca postero-superior até o
trocanter ou dividir nádegas em 4
quadrantes e injetar no QS externo
5cm abaixo da crista ilíaca.
Via intra-muscular
Região dorso-glútea
Decúbito ventral com os pés voltados
para dentro;
Em pé – pés voltados pra dentro –
maior exposição do músculo;
Desaconselhável em pacientes com
pouco tecido muscular nesta área
Via intra-muscular
Região Ventro-glútea
músculo: glúteo médio
técnica de Hochstetter – trocanter /
crista ilíaca
pouca utilizada, porém é a melhor
área de escolha -mínimos riscos de
lesão e dor

Recomendado para você

ATLS TRASNCRICAO.doc
ATLS TRASNCRICAO.docATLS TRASNCRICAO.doc
ATLS TRASNCRICAO.doc

O documento descreve os procedimentos de avaliação e atendimento inicial de vítimas de trauma, incluindo observação da cena, exame primário, algoritmos de triagem e encaminhamento, e protocolos de atendimento das funções vitais ABCDE. É dada ênfase à manutenção das vias aéreas, ventilação, circulação, avaliação neurológica e prevenção da hipotermia. Exames iniciais como raio-x de tórax, pelve e coluna cervical são descritos para detecção precoce de lesões.

#saude #atls #urgencia
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptxtrabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx

trabalho referente aos cuidados com as queimaduras d

queimadurastratamento
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptxcepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx

vias aereas

Via-intramuscular
Região Antero-lateral da coxa
músculo: vasto-lateral
Linha média face anterior da coxa –
linha média face lateral da coxa –
divisão em 3 quadrantes –
administração no terço médio
pouco utilizado – mais comum em
lactentes
Via-intramuscular
Região do deltóide
músculo: deltóide
membro em posição anatômica –
borda inferior do acrômero ( 3 dedos
abaixo) ou porção distal do músculo
– QS.
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx

Recomendado para você

Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)

O documento resume os principais aspectos da anestesia peridural, incluindo sua história, anatomia, técnica, efeitos, monitorização, complicações e indicações. A anestesia peridural consiste na administração de anestésico local no espaço peridural para bloqueio da sensibilidade, podendo ser realizada em diferentes níveis da coluna vertebral. Ela requer cuidadosa técnica e monitorização para evitar complicações.

aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdfaulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf

Este documento fornece informações sobre punção venosa periférica, incluindo conceito, materiais, técnica, cuidados e complicações. Descreve os procedimentos para realizar punção venosa de forma segura e efetiva em diferentes grupos de pacientes.

quais Tipos de sedação e indicações.pptx
quais Tipos de sedação e indicações.pptxquais Tipos de sedação e indicações.pptx
quais Tipos de sedação e indicações.pptx

O documento descreve os tipos principais de sedação e anestesia, incluindo: (1) anestesia geral, onde o paciente fica inconsciente durante o procedimento; (2) anestesia regional ou local, onde apenas uma parte do corpo é anestesiada; e (3) sedação, onde o paciente fica em um estado alterado de consciência. Além disso, discute avaliações pré-operatórias e detalha os tipos de anestesia geral, regional e local.

sedacaoindução
Via endovenosa
Início de ação quase imediato,
completa diponibilidade do
medicamento e maior controle da
dose.
Administração de medicamentos mal
absorvidos, irritantes, grandes
volumes e q sofrem interferência do
TGI.
Via endovenosa
administração lenta
diluição
Uso de agulha (25x8), uso de
escalpe e uso de cateter de teflon
(abocath)
Uso de garrote
angulação – 45º - introdir com o bisel
voltado para cima
aspirar – verificar o retorno venoso
OBRIGADA !!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a tipos de seringas.pptx

Medicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligiaMedicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligia
Silvano Abutres
 
trabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptxtrabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptx
RaissaMarySilva1
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesiasTipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
conexaocefai
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
Janaína Lassala
 
MEDICAMENTOS
MEDICAMENTOSMEDICAMENTOS
MEDICAMENTOS
MarlaSoutoFranzolli1
 
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdf
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdfMedicamentos por via IM 22 02 17.pdf
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdf
KellyCristiane16
 
Estudo
EstudoEstudo
350440.ppt
350440.ppt350440.ppt
350440.ppt
SuaMeKksh
 
APOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docxAPOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docx
LubarraLu
 
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
samaracastro18
 
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
LeandroMartins706860
 
ATLS TRASNCRICAO.doc
ATLS TRASNCRICAO.docATLS TRASNCRICAO.doc
ATLS TRASNCRICAO.doc
zLazaro
 
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptxtrabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
HildomarSouza
 
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptxcepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
prontoatendimentohbm
 
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Jucie Vasconcelos
 
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdfaulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
AndriellyFernanda1
 
quais Tipos de sedação e indicações.pptx
quais Tipos de sedação e indicações.pptxquais Tipos de sedação e indicações.pptx
quais Tipos de sedação e indicações.pptx
WilliamdaCostaMoreir
 
SLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptxSLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptx
lucas285595
 
Laparotomia a lennander técnicas e variações
Laparotomia a lennander   técnicas e variaçõesLaparotomia a lennander   técnicas e variações
Laparotomia a lennander técnicas e variações
ingridsg
 

Semelhante a tipos de seringas.pptx (20)

Medicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligiaMedicação ev 2015 ligia
Medicação ev 2015 ligia
 
trabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptxtrabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesiasTipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
 
MEDICAMENTOS
MEDICAMENTOSMEDICAMENTOS
MEDICAMENTOS
 
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdf
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdfMedicamentos por via IM 22 02 17.pdf
Medicamentos por via IM 22 02 17.pdf
 
Estudo
EstudoEstudo
Estudo
 
350440.ppt
350440.ppt350440.ppt
350440.ppt
 
APOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docxAPOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docx
 
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
 
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
 
ATLS TRASNCRICAO.doc
ATLS TRASNCRICAO.docATLS TRASNCRICAO.doc
ATLS TRASNCRICAO.doc
 
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptxtrabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
trabalho referente aos cuidados com as Queimaduras.pptx
 
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptxcepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
cepeti-manejo-de-vias-aereas-9a7b76f7.pptx
 
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)Anestesiologia 07   anestesia peridural - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 07 anestesia peridural - med resumos (set-2011)
 
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdfaulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
 
quais Tipos de sedação e indicações.pptx
quais Tipos de sedação e indicações.pptxquais Tipos de sedação e indicações.pptx
quais Tipos de sedação e indicações.pptx
 
SLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptxSLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptx
 
Laparotomia a lennander técnicas e variações
Laparotomia a lennander   técnicas e variaçõesLaparotomia a lennander   técnicas e variações
Laparotomia a lennander técnicas e variações
 

Mais de LarissaMachado97

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
LarissaMachado97
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
LarissaMachado97
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
LarissaMachado97
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
LarissaMachado97
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
LarissaMachado97
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
LarissaMachado97
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
LarissaMachado97
 

Mais de LarissaMachado97 (16)

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
 
aula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptxaula 5 IRAS.pptx
aula 5 IRAS.pptx
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
 

Último

02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
luanaazzisesmt
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
LuizGustavoCiciliato
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
musicasdeteclado
 

Último (10)

02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
 

tipos de seringas.pptx

  • 2. Definição É a administração de medicamentos por outra via que não atravesse a barreira hepática – atingem níveis elevados no sangue As principais vias utilizadas são: intradérmica, sub-cutânea, intramuscular e endovenosa outras vias podem ser utilizadas: intra-articular, intra-tecal, intra-óssea, intra-cardíaca e intra-arterial
  • 3. Via intradérmica Indicada principalmente para testes de hipersensibilidade, tuberculose, administração de anestésico. locais : qualquer parte do corpo, pobre em pelos e em pigmentação – mais utilizada: face interna do antebraço Volume máximo: 0,5ml
  • 4. Via intradérmica esticar a pele com a mão não dominante ângulo da agulha- 15º - bisel visível deverá formar uma pápula não usar álcool ou outra solução antisséptica Mais de uma injeção – intervalo de 5cm – marcar com caneta – 24 a 48h observar a reação
  • 6. Via sub-cutânea Oferece pouco trauma tecidual e pouco risco de atingir vasos sanguíneos e nervos absorção é mais lenta que a IM – duração de ação mais longa posição da agulha- 90º (13x4,5) ou 45º (25x7) – também relacionada a quantidade de tecido subcutâneo
  • 7. Via sub-cutânea locais de aplicação: - coxas: face externa e anterior; - braços: face externa; - abdomem - tórax posterior: região escapular. fazer prega cutânea* ou estender a pele – pacientes com tecido subcutâneo espesso
  • 8. Via subcutânea Uso de luvas Verificar sinais de lipodistrofia fazer rodízio das áreas não administrar em áreas próximas a cicatrizes, lesões, cicatriz umbilical, edemas, manchas Não aspire quando administrar heparina ou insulina volume máximo- 2 ml as drogas podem ser aquosas ou oleosas, cristalinas ou coloidais e isotônicas
  • 9. Via sub-cutânea Deltóide volume máximo de 3ml -não indicada a aplicação em crianças e idosos; -indivíduos com sequelas de AVE - paresias; -mulheres pós mastectomias com esvaziamento ganglionar.
  • 11. Via intra-muscular Volume máximo: - deltóide-3ml - glúteo - 5ml - antero-lateral da coxa - 5ml é indicada para administração de substâncias irritantes, oleosas e de difícil absorção; absorção mais rapida que a SC e mais lenta que a EV.
  • 12. Via-intramuscular princípios básicos para a seleção da região: conhecer os limites anatômicos dos nervos e vasos – delimitações corretas preferência do paciente - tecido muscular presença de sequelas na área volume e característica da droga
  • 13. Via intra-muscular posição da agulha - 90º; evitar locais inflamados, edemaciados, irritados, com manchas, cicatrizes ou outras lesões; orientar para que o paciente relaxe o músculo; pinçar o músculo; aspirar – descartar a punção de vasos.
  • 14. Via intra-muscular Região dorso-glútea músculo: glúteo máximo quadrante superior externo – linha: espinha ilíaca postero-superior até o trocanter ou dividir nádegas em 4 quadrantes e injetar no QS externo 5cm abaixo da crista ilíaca.
  • 15. Via intra-muscular Região dorso-glútea Decúbito ventral com os pés voltados para dentro; Em pé – pés voltados pra dentro – maior exposição do músculo; Desaconselhável em pacientes com pouco tecido muscular nesta área
  • 16. Via intra-muscular Região Ventro-glútea músculo: glúteo médio técnica de Hochstetter – trocanter / crista ilíaca pouca utilizada, porém é a melhor área de escolha -mínimos riscos de lesão e dor
  • 17. Via-intramuscular Região Antero-lateral da coxa músculo: vasto-lateral Linha média face anterior da coxa – linha média face lateral da coxa – divisão em 3 quadrantes – administração no terço médio pouco utilizado – mais comum em lactentes
  • 18. Via-intramuscular Região do deltóide músculo: deltóide membro em posição anatômica – borda inferior do acrômero ( 3 dedos abaixo) ou porção distal do músculo – QS.
  • 21. Via endovenosa Início de ação quase imediato, completa diponibilidade do medicamento e maior controle da dose. Administração de medicamentos mal absorvidos, irritantes, grandes volumes e q sofrem interferência do TGI.
  • 22. Via endovenosa administração lenta diluição Uso de agulha (25x8), uso de escalpe e uso de cateter de teflon (abocath) Uso de garrote angulação – 45º - introdir com o bisel voltado para cima aspirar – verificar o retorno venoso