SlideShare uma empresa Scribd logo
Desidratação
e Diarréia
Enfª Gladyanny Veras
Definição de Diarréia

Ocorre quando a perda de água e eletrólitos nas
fezes é maior do que a normal, resultando no
aumento do volume e da frequência das
evacuações e diminuição da consistência das
fezes.
Diarréia é geralmente definida como a
ocorrência de 3 ou + evacuações
amolecidas ou líquidas em um período de
24h. A diarréia com sangue, com ou sem
muco, é chamada de disenteria.
Principais causas
 Falta de higiene tanto pessoal como no ambiente
domiciliar e sua proximidade;
 Ingestão de alimentos contaminados: mal lavados,
mal conservados ou lavados ou cozidos em água
contaminada;
 Desmame precoce: pelo risco de a mamadeira ser
mal lavada ou feita com água contaminada;
 Falta de saneamento básico: moradias sem rede de
esgoto, com córregos ou rios contaminados, próximas
a esgotos correndo a céu aberto
Tipos de diarréia
INFECCIOSA – a
maioria dos
patógenos (vírus,
bactérias e
parasitas) são
disseminados por
via fecal-oral,
através dos
alimentos e água
contaminada. O
rotavírus é a causa
mais importante de
gastroenterites
grave em crianças
NÃO INFECCIOSA-
Alergias,
deficiências
imunológicas,
intolerâncias
alimentares
Classificação quanto ao tempo
Aguda: frequentemente
associada a um agente
infeccioso, mas também
pode estar relacionada a
antibioticoterapia ou uso de
laxativos.Ela geralmente é
autolimitada, com duração
menor que 14 dias,
resolvendo sem tratamento
específico se não ocorrer
desidratação
Crônica: possui duração
maior que 14 dias. Está
associada à síndrome de
má-absorção, doença
inflamatória intestinal,
deficiência imunológica,
alergia alimentar,
intolerância à lactose,
tratamento inadequado da
diarréia aguda e à diaaréia
crônica inespecífica
 Uma criança com diarreia se avalia para saber:
 Por quanto tempo a criança tem tido diarreia
 Se há sinais de desidratação;
 Se há sangue nas fezes para determinar se a
criança tem disenteria
 CLASSIFICAR A DIARRÉIA
1. Todas as crianças com diarreia são classificadas
quanto ao estado de hidratação
2. Caso a criança tenha tido diarreia por 14 dias ou
mais, classifique a diarreia como persistente;
3. Caso a criança apresente sangue nas fezes,
classifique a criança como disenteria.
Complicações
 Desidratação
 Distúrbio hidroeletrolítico
 Desnutrição - decorrente da inapetência e
vômitos, mau aproveitamento dos alimentos e
catabolismo aumentado
Desidratação e diarréia
Desidratação
 É a deficiência de água e eletrólitos corpóreos por
perdas superiores à ingesta devido a anorexia,
restrição hídrica, por perdas aumentadas
gastrintestinais (vômito e diarréia), perda urinária
(diurese osmótica, administração de diuréticos,
insuficiência renal crônica), e perdas cutâneas e
respiratórias (queimaduras e exposição ao calor).
 Mais frequente em crianças sem aleitamento
materno, desnutridas, imunodeprimidas ou em
doenças crônicas. Além do que a incidência é maior
nas populações de baixo nível socioeconômico.
Tipo de desidratação
Sinais e sintomas de desidratação
 Depressão da fontanela
 Olhos encovados e sem brilho
 ausência de lágrimas
 Lábios ressecados
 Língua esbranquiçada e grossa
 Pulso fraco
 Pouca urina ou escura
 Prostração ou torpor
 Ocorrência ou não de febre
 turgor e elasticidade da pele diminuídos
Classificação da desidratação
Sem desidratação
Desidratação leve
Desidratação grave
Desidratação e diarréia
Plano A - LAR
>5 anos - tanto quanto o doente
quiser, ate 2 litros por dia
Desidratação e diarréia
Desidratação e diarréia
Desidratação e diarréia
Plano B em 4h
Desidratação e diarréia
Plano C
 Para a administração de líquidos por via
intravenosa (IV):
 Dar 100ml/Kg de solução em partes iguais de soro
glicosado a 5% e soro fisiológico a 0,9% para
infusão em 2h.
 Ex.: 10Kg
 1000ml total 1ª fase 500ml SF
2ª fase 500ml SG 2h
Fase de expansão rápida
 Se ao final das 2h ainda tiver SS de desidratação,
administrar mais 25 a 50ml/Kg nas próximas 2h:
 Ex.: 10Kg
 500ml total 1ª 250ml SF
2ª 250ml SG 2h
 Reavaliar em 30 min, se não houver melhora na
desidratação aumentar a velocidade do
gotejamento.
 Caso não consiga encaminhar a unidade para a
terapia IV em 30 min:
 Instalar sonda nasogástrica dar 30ml/Kg/hora;
 Reavaliar a cada 1 a 2h;
 Se após 3h não melhorar o grau de desidratação,
encaminhar para terapia IV.
Desidratação e diarréia
Cuidados de Enfermagem
 Avaliar os doentes cada hora ou cada 2 em 2
horas para verificar se estão a tomar os SRO
corretamente e para monitorizar a perda de
líquidos.
 Fazer uma reavaliação completa do estado de
desidratação do doente ao fim de 4 horas e seguir
o plano de tratamento adequado para a
desidratação do doente.
 Determinar a quantidade de SRO a administrar
durante as primeiras 4 horas
 Se o doente quiser mais SRO do que a quantidade
apresentada, pode-lhe ser dado.
 Para os bebês com menos de 6 meses que não
sejam amamentados ao peito, administrar também
100 a 200 ml de água potável durante este período.
 Dar-lhe pequenos e frequentes goles por uma xícara.
 Se o doente vomitar, esperar 10 minutos. Depois,
continuar a dar-lhe líquidos, mas mais lentamente.
 Para os bebês que são amamentados ao peito,
continuar a amamentação sempre que o bebê
quiser.
Disenteria
 Quando há sangue nas fezes;
 Dar ATB recomendado em sua região para Shiguella
durante 5 dias se houver comprometimento do
estado geral;
 Retorno em 2 dias
 ATB 1ª escolha: ácido nalidixílico 10mg/Kg/dia 6/6h
por 5 dias;
 2ª escolha: trimetropim+sulfametoxazol 40mg/Kg/dia
12/12h durante 5 dias.
ÁCIDO NALIXÍLICO Trimetropim+sulfametoxazol
Idade ou peso Comprimido
250mg
Suspensão
250mg/5ml
comprimido suspensão
2 a 4 meses
4 - <6Kg
1/4 1,25ml - -
5 a 11 meses
6 - <10Kg
1/2 2,5ml 1/2 5,0ml
1 a 4 anos
10 – 19 Kg
1 5,0ml 1 7,5ml
Desidratação e diarréia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
blogped1
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
WellingtonTeixeira24
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
Fernanda Marinho
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
Jucie Vasconcelos
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
blogped1
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
Elyda Santos
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
karol_ribeiro
 
Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]
mariacristinasn
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
Rúben Freitas
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
blogped1
 
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
Safia Naser
 
Triagem neonatal
Triagem neonatalTriagem neonatal
Triagem neonatal
Camila Oliveira
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
ivanaferraz
 
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICAGLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
Fernanda Marinho
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
Professor Robson
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 

Mais procurados (20)

SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
 
Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]Aula de desidratação[1]
Aula de desidratação[1]
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
 
Triagem neonatal
Triagem neonatalTriagem neonatal
Triagem neonatal
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICAGLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
GLOMERULONEFRITE E SINDROME NEFRÓTICA
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 

Semelhante a Desidratação e diarréia

Aula (1)
Aula (1)Aula (1)
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICIDDiarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
Liga De Pediatria Med Unicid
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Luciane Santana
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
André Luiz Fachardo
 
Copasa doenças
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doenças
Adriana Gotschalg
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Copasa Digital
 
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdfCONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
RAVENA AQUINO
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Giza Carla Nitz
 
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentação
AnaB253108
 
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
KarineRibeiro57
 
Manejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdfManejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdf
CelsoSoares25
 
Manejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreiaManejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreia
Genilson Silva
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
LarissaMachado97
 
Diarréia xie xie
Diarréia xie xieDiarréia xie xie
Diarréia xie xie
Rosa Paollucci
 
Doenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudasDoenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudas
gisa_legal
 
Aula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgado
Raquel Stein
 
Diarreia
DiarreiaDiarreia
Diarreia
leomacedo18
 
Formação para cidadania
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
myri2000
 
Formação para cidadania
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
myri2000
 
Formação para cidadania
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
myri2000
 

Semelhante a Desidratação e diarréia (20)

Aula (1)
Aula (1)Aula (1)
Aula (1)
 
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICIDDiarreia - Liga de Pediatria UNICID
Diarreia - Liga de Pediatria UNICID
 
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
Doenças diarréicas e o A,B,C da desidratação.
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
Copasa doenças
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doenças
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdfCONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL - INFANTIL .pdf
 
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdfAula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
Aula 8 - Doenças Veiculadas Por Água e Alimentos.pdf
 
GECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentaçãoGECA e desidratação - slide apresentação
GECA e desidratação - slide apresentação
 
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
 
Manejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdfManejo do paciente com diarreia.pdf
Manejo do paciente com diarreia.pdf
 
Manejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreiaManejo paciente diarreia
Manejo paciente diarreia
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
 
Diarréia xie xie
Diarréia xie xieDiarréia xie xie
Diarréia xie xie
 
Doenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudasDoenças diarréicas agudas
Doenças diarréicas agudas
 
Aula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgado
 
Diarreia
DiarreiaDiarreia
Diarreia
 
Formação para cidadania
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
 
Formação para cidadania
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
 
Formação para cidadania
Formação para cidadaniaFormação para cidadania
Formação para cidadania
 

Mais de Gladyanny Veras

Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
Gladyanny Veras
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Gladyanny Veras
 
Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
Gladyanny Veras
 
Intervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátricaIntervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátrica
Gladyanny Veras
 
Desnutrição
DesnutriçãoDesnutrição
Desnutrição
Gladyanny Veras
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
Gladyanny Veras
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
Gladyanny Veras
 

Mais de Gladyanny Veras (7)

Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
 
Intervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátricaIntervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátrica
 
Desnutrição
DesnutriçãoDesnutrição
Desnutrição
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica vigilância epidemiológica
vigilância epidemiológica
 

Desidratação e diarréia

  • 2. Definição de Diarréia  Ocorre quando a perda de água e eletrólitos nas fezes é maior do que a normal, resultando no aumento do volume e da frequência das evacuações e diminuição da consistência das fezes. Diarréia é geralmente definida como a ocorrência de 3 ou + evacuações amolecidas ou líquidas em um período de 24h. A diarréia com sangue, com ou sem muco, é chamada de disenteria.
  • 3. Principais causas  Falta de higiene tanto pessoal como no ambiente domiciliar e sua proximidade;  Ingestão de alimentos contaminados: mal lavados, mal conservados ou lavados ou cozidos em água contaminada;  Desmame precoce: pelo risco de a mamadeira ser mal lavada ou feita com água contaminada;  Falta de saneamento básico: moradias sem rede de esgoto, com córregos ou rios contaminados, próximas a esgotos correndo a céu aberto
  • 4. Tipos de diarréia INFECCIOSA – a maioria dos patógenos (vírus, bactérias e parasitas) são disseminados por via fecal-oral, através dos alimentos e água contaminada. O rotavírus é a causa mais importante de gastroenterites grave em crianças NÃO INFECCIOSA- Alergias, deficiências imunológicas, intolerâncias alimentares
  • 5. Classificação quanto ao tempo Aguda: frequentemente associada a um agente infeccioso, mas também pode estar relacionada a antibioticoterapia ou uso de laxativos.Ela geralmente é autolimitada, com duração menor que 14 dias, resolvendo sem tratamento específico se não ocorrer desidratação Crônica: possui duração maior que 14 dias. Está associada à síndrome de má-absorção, doença inflamatória intestinal, deficiência imunológica, alergia alimentar, intolerância à lactose, tratamento inadequado da diarréia aguda e à diaaréia crônica inespecífica
  • 6.  Uma criança com diarreia se avalia para saber:  Por quanto tempo a criança tem tido diarreia  Se há sinais de desidratação;  Se há sangue nas fezes para determinar se a criança tem disenteria  CLASSIFICAR A DIARRÉIA 1. Todas as crianças com diarreia são classificadas quanto ao estado de hidratação 2. Caso a criança tenha tido diarreia por 14 dias ou mais, classifique a diarreia como persistente; 3. Caso a criança apresente sangue nas fezes, classifique a criança como disenteria.
  • 7. Complicações  Desidratação  Distúrbio hidroeletrolítico  Desnutrição - decorrente da inapetência e vômitos, mau aproveitamento dos alimentos e catabolismo aumentado
  • 9. Desidratação  É a deficiência de água e eletrólitos corpóreos por perdas superiores à ingesta devido a anorexia, restrição hídrica, por perdas aumentadas gastrintestinais (vômito e diarréia), perda urinária (diurese osmótica, administração de diuréticos, insuficiência renal crônica), e perdas cutâneas e respiratórias (queimaduras e exposição ao calor).  Mais frequente em crianças sem aleitamento materno, desnutridas, imunodeprimidas ou em doenças crônicas. Além do que a incidência é maior nas populações de baixo nível socioeconômico.
  • 11. Sinais e sintomas de desidratação  Depressão da fontanela  Olhos encovados e sem brilho  ausência de lágrimas  Lábios ressecados  Língua esbranquiçada e grossa  Pulso fraco  Pouca urina ou escura  Prostração ou torpor  Ocorrência ou não de febre  turgor e elasticidade da pele diminuídos
  • 12. Classificação da desidratação Sem desidratação Desidratação leve Desidratação grave
  • 14. Plano A - LAR >5 anos - tanto quanto o doente quiser, ate 2 litros por dia
  • 20. Plano C  Para a administração de líquidos por via intravenosa (IV):  Dar 100ml/Kg de solução em partes iguais de soro glicosado a 5% e soro fisiológico a 0,9% para infusão em 2h.  Ex.: 10Kg  1000ml total 1ª fase 500ml SF 2ª fase 500ml SG 2h Fase de expansão rápida
  • 21.  Se ao final das 2h ainda tiver SS de desidratação, administrar mais 25 a 50ml/Kg nas próximas 2h:  Ex.: 10Kg  500ml total 1ª 250ml SF 2ª 250ml SG 2h  Reavaliar em 30 min, se não houver melhora na desidratação aumentar a velocidade do gotejamento.
  • 22.  Caso não consiga encaminhar a unidade para a terapia IV em 30 min:  Instalar sonda nasogástrica dar 30ml/Kg/hora;  Reavaliar a cada 1 a 2h;  Se após 3h não melhorar o grau de desidratação, encaminhar para terapia IV.
  • 24. Cuidados de Enfermagem  Avaliar os doentes cada hora ou cada 2 em 2 horas para verificar se estão a tomar os SRO corretamente e para monitorizar a perda de líquidos.  Fazer uma reavaliação completa do estado de desidratação do doente ao fim de 4 horas e seguir o plano de tratamento adequado para a desidratação do doente.  Determinar a quantidade de SRO a administrar durante as primeiras 4 horas
  • 25.  Se o doente quiser mais SRO do que a quantidade apresentada, pode-lhe ser dado.  Para os bebês com menos de 6 meses que não sejam amamentados ao peito, administrar também 100 a 200 ml de água potável durante este período.  Dar-lhe pequenos e frequentes goles por uma xícara.  Se o doente vomitar, esperar 10 minutos. Depois, continuar a dar-lhe líquidos, mas mais lentamente.  Para os bebês que são amamentados ao peito, continuar a amamentação sempre que o bebê quiser.
  • 26. Disenteria  Quando há sangue nas fezes;  Dar ATB recomendado em sua região para Shiguella durante 5 dias se houver comprometimento do estado geral;  Retorno em 2 dias  ATB 1ª escolha: ácido nalidixílico 10mg/Kg/dia 6/6h por 5 dias;  2ª escolha: trimetropim+sulfametoxazol 40mg/Kg/dia 12/12h durante 5 dias.
  • 27. ÁCIDO NALIXÍLICO Trimetropim+sulfametoxazol Idade ou peso Comprimido 250mg Suspensão 250mg/5ml comprimido suspensão 2 a 4 meses 4 - <6Kg 1/4 1,25ml - - 5 a 11 meses 6 - <10Kg 1/2 2,5ml 1/2 5,0ml 1 a 4 anos 10 – 19 Kg 1 5,0ml 1 7,5ml