SlideShare uma empresa Scribd logo
INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRA)
P R O F : E N F ° L A R I S S A M A C H A D O
INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRA)
As infecções respiratórias agudas são as infecções do aparelho
respiratório que afetam o nariz, a garganta, os ouvidos, a laringe,
os brônquios e os pulmões, causando inflamação, sinusite,
bronquite, asma e pneumonia.
É definida como a incapacidade do sistema respiratório,
desenvolvida agudamente, em promover adequadamente as
trocas gasosas, ou seja, promover oxigenação e eliminação de gás
carbônico.
Do de vista de parâmetros gasométricos, a IRpA é definida pela
presença de:
• PaO2 <55-60 mmHg, cm paciente respirando em ar ambiente
(FIO2=0,21)
Que pode ou não estar associada a:
• PaCO2 > 50 mmHg, usualmente determinando acidose
respiratória (pH <7,35).
INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRA)
A criança com infecção respiratória aguda pode ter tosse, nariz escorrendo, dor de
ouvido, dor de garganta, chiado no peito, dificuldade para respirar, febre ou temperatura
muito baixa. Além disso, a criança perde o apetite, pode ficar muito irritada e chorosa.
Algumas ficam com os olhos vermelhos e lacrimejando. As crianças maiores reclamam
de dor de cabeça e dores no corpo. As infecções respiratórias agudas, principalmente a
pneumonia, podem trazer risco de vida quando não tratadas.
Toda a criança que apresenta um destes sinais, por até 7 dias sem melhorar, deve ser levada ao
serviço de saúde.
Classificação da Insuficiência respiratória aguda (IRA)
TIPO I OU HIPOXÊMICA => CAUSAS PULMONARES
HIPOXEMIA
PaO2 MENOR QUE 60mmHg
IMINENTE RISCO DE VIDA
TIPO II OU HIPERCAPNICA => CAUSAS XTRAPULMNARES
PaCO2 RELACIONADA COM VENTILAÇÃO ALVEOLAR
→ AUMENTO DA VENTLAÇÃO ALVEOLAR => REDUÇÃO PaCO2 => HIPOCAPNIA
→ REDUÇÃO DA VENTILAÇÃO ALVEOLAR => AUMENTO PaCO2 => HIPERCAPNIA
Cuidados para a criança com IRA
NARIZ ENTUPIDO – Lavar com soro fisiológico cada narina, sempre que necessário. Este pode ser
preparado em casa, misturando 1 colher pequena de sal com um litro de água fervida e deve ser
preparado todos os dias.
Cuidados para a criança com IRA
TOSSE – Dar bastante líquidos (Chás caseiros ou água). Evitar xaropes contra a tosse, pois ajuda a
eliminar o catarro. Quando a criança está com dificuldade de eliminar o catarro, realizar a
tapotagem. Deitar a criança de bruços, no colo, e bater com as mão sem concha nas suas costas.
Cuidados para a criança com IRA
FEBRE – Dar banho morno e aplicar compressas úmidas só com água na testa, nuca e virilha. Na
febre alta procurar atendimento médico urgente.
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
OTITE MÉDIA – Classifica-se em: Otite Média Aguda, Otite Média Supurativa, Otite Média Supurativa Crônica
ETIOLOGIA:
• Infecciosa – Streptococuspneumoniae; Haemophilus influenza.
• Não infecciosa – em consequência do bloqueio por edema das trompas de Eustáquio e Rinite alérgica.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Otalgia, febre, secreção auditiva de característica purulenta.
TRATAMENTO: Antibioticoterapia, analgésico, antitérmico, cirúrgico (casos graves).
Cuidados de enfermagem – Têm por objetivo diminuir a dor e orientar para evitar recidivas
• Aplicar calor com compressa morna no local
• Manter os cuidados com a higiene do ouvido
• Orientar sobre perdas temporárias da audição
• Cuidado com água no canal auditivo
• Observar sinais de hipertermia
AMIGDALITE – É uma inflamação das amígdalas, que geralmente ocorre associada à faringite.
ETIOLOGIA:
• Agentes virais
• Agentes bacterinaos (Streptococus).
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Hipertermia, anorexia, halitose, respiração pela boca com sensação de irritação da
mucosa, orofaringe hiperemiada, exsudato.
TRATAMENTO: Analgésico, antitérmico, antibioticoterapia, cirurgias (amidalectomia)
Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo diminuir a dor e promover o conforto do paciente Cuidados visam o
conforto do paciente
• Cuidados visam o conforto do paciente
• Minimizar as manifestações clínicas
• Administrar NBZ
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
FARINGITE – É a inflamação da faringe, e tem seu agente etiológico como um dos causadores de sequelas
graves.
ETIOLOGIA: Espretococcus beta-hemolítico do grupo A e sequelas; Febre reumática; Glomerulonefrite aguda.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Cefaleia, mal-estar, anorexia, rouquidão, tosse, dor abdominal, vômito, inflamação
com exsudato.
TRATAMENTO: Antibioticoterapia (penicilina), analgésico, antitérmico.
Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro sintomatológico
• Aplicar compressas mornas
• Manter ingesta hídrica adequada
• Dieta branda e líquida
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
LARINGITE – Infecção da laringe causada por agentes virais.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Odinofagia, indisposição, febre, congestão nasal, rouquidão, cefaléia, coriza.
TRATAMENTO: Líquidos e ar umidificado
Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro sintomatológico
• Aplicar compressas mornas
• Manter ingesta hídrica adequada
• Dieta branda e líquida
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
GRIPE – Infecção causada geralmente por vírus de diferentes tipos, que sofrem alterações significativas no
tempo.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Mucosa e faringe seca, rouquidão, febre, mialgia, calafrios, fotofobia, prostração.
TRATAMENTO: Sintomático
Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro sintomatológico
• Aplicar compressas mornas
• Manter ingesta hídrica adequada
• Dieta branda e líquida
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
BRONQUITE – Inflamação das grandes vias aéreas, estando invariavelmente associado a uma IRA.
ETIOLOGIA: Agentes virais, sendo muito comum o Mycoplasma pneumoniae.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Tosse seca, metálica e improdutiva, respiração ruidosa, dor torácica, falta de ar,
vômito e febre.
TRATAMENTO: Diminuir temperatura, dor e umidificar secreções.
Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro
sintomatológico
• Cuidados com oxigenoterapia
• Manter ingesta hídrica adequada
• Dieta branda e líquida
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
BRONQUIOLITE – Infecção viral aguda dos bronquíolos, que ocorre principalmente no inverno.
ETIOLOGIA: Adenovírus, Influenza.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Obstrução das VA, faringite, tosse, sibilância, febre, taquipneia, cianose, agitação,
dispneia, fome de ar intensa, batimento da asa do nariz.
TRATAMENTO: Tratar com ar umidificado, aumentar a ingesta hídrica, Graves: oxigenioterapia e terapia venosa.
Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro
sintomatológico, promover o conforto.
• Observar oxigenoterapia e terapia endovenosa
• Verificar SSVV
• Elevar decúbito
• Observar permeabilidade das VA
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
PNEUMONIA – É a inflamação do parênquima pulmonar, dificultando as trocas gasosas.
FATORES DE RISCO:
• Idade < 6 anos
• Estado imunológico debilitado
• Situação econômica precária
• Poluição ambiental
• Pais fumantes
• Baixo peso
• Desmame
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA:
Pneumonia viral: tosse, febre, taquipneia, cianose, fadiga, prostração, presença de ruídos respiratórios e
estridores.
TRATAMENTO: Sintomático, oxigênio, fisioterapia respiratória e administração de líquidos
Pneumonia Bacteriana (pneumococos): tosse, indisposição, respiração rápida e superficial, dor torácica,
batimento de asa do nariz, cianose, palidez agitação e letargia.
TRATAMENTO:
• Crianças maiores: antibióticos, antitérmicos, sedativos para tosse, repouso e líquidos.
• Crianças menores: mesmo das crianças maiores, com líquido endovenoso e oxigenioterapia.
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
Cuidados de Enfermagem – Tem por objetivo aliviar o quadro sindrômico, promover o conforto e evitar
complicações e agravamento do quadro.
• Avaliar respiração
• Administrar oxigenioterapia
• Controlar SSVV
• Elevar decúbito
• Estimular drenagem postural
• Aspirar secreções quando necessária
• Aliviar desconforto
OBSERVAÇÃO: Aspiração de líquidos ou alimentos, provocados pela dificuldade de deglutir em função de
paralisias, debilidade, ausência do reflexo da tosse pode causar a Pneumonia Aspirativa. É importante orientar
os pais sobre a gravidade da doença e as formas de prevenção da mesma.
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
ASMA – Obstrução das VA por edema e/ou muco, desencadeada por diversos estímulos.
ETIOLOGIA: Duvidosa, pode ter relação com fatores bioquímicos, imunológicos, alérgicos, climático, psicológico, físicos.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Tosse, irritabilidade, falta de ar, sibilância audível, rubor, lábios avermelhados escuro, progredindo para
cianose, sudorese, diafragma deprimido.
TRATAMENTO: Uso de corticosteróide, antiinflamatório, broncodilatores. Realização de exercícios através da fisioterapia respiratória.
Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo identificar e eliminar fatores irritantes e alérgicos, além de orientar os pais sobre a
doença e no reconhecimento de sinais agudos.
• Controle rigoroso da terapia endovenosa.
• Administrar oxigenioterapia.
• Oferecer líquidos (controle).
• Elevar decúbito.
• Controlar SSVV
• Estimular participação dos pais nos cuidados.
Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
ASPIRAÇÃO DE VIAS AÉREAS SUPERIORES EM PEDIATRIA
Obs: Responsável pela elaboração do POP: Enf. Emanuel Pereira dos Santos Enf. Maria da Penha Pinheiro
Definição - É o procedimento técnico utilizado para remover secreções do trato respiratório (oral e nasal) quando
necessário
Objetivo:
 Melhorar a respiração;
 Fornecer adequada oxigenação ao paciente;
 Remover por aspiração as secreções do trato respiratório sem que haja traumatismo;
 Promover permeabilidade de vias aéreas superiores.
Indicação:
• Crianças com aumento da produção de secreções, vômitos ou sangue na cavidade bucal e nasal com
impossibilidade de expulsá-los espontaneamente;
• Antes da intubação e da extubação traqueal.
MATERIAL A SER UTILIZADO:
 Bandeja ou cuba rim;
 Álcool à 70%;
 Álcool gel à 70%;
 Luva de procedimento;
 Sonda de aspiração compatível com o paciente;
 Gaze não estéril;
 Água destilada ou soro fisiológico;
 Equipamentos de proteção individual (EPI): gorro, máscara cirúrgica, óculos de proteção, avental ou capote
não-estéril;
 Toalha de rosto ou papel toalha;
 Aparelho de aspiração portátil ou fonte de vácuo em rede;
 Frasco de vidro de aspiração;
 Válvula redutora de pressão para rede de vácuo;
 Frasco coletor de secreções descartável, preferencialmente e na sua ausência a extensão
ASPIRAÇÃO DE VIAS AÉREAS SUPERIORES EM PEDIATRIA
1 Explicar o procedimento a ser realizado e sua finalidade a criança e/ou ao familiar;
2 Higienizar as mãos;
3 Reunir os materiais necessários e encaminhá-los próximo ao leito;
4 Fechar as cortinas do Box da criança;
5 Posicionar o paciente em fowler ou semi-fowler, se não for contraindicado;
6 Abrir o pacote do cateter, apenas na extremidade e deixar o resto protegido com a embalagem;
7 Abrir o invólucro das gazes esterilizadas e deixá-las na mesa de cabeceira;
8 Ligar o sistema de vácuo ou aspirador portátil;
9 Paramentar-se com os EPIs;
10 Ligar o aspirador;
11 Com a mão dominante, segurar a face da criança;
12 Pinçar o intermediário do silicone de aspiração;
13 Com a mão dominante introduzir a sonda de aspiração na cavidade nasal (pinçada) e abrir quando estiver introduzida;
14 Ocluir a válvula e retirar a sonda lentamente com movimentos circulares;
15 Com a mão dominante introduzir a sonda de aspiração na cavidade oral (pinçada) e abrir quando estiver introduzida;
16 Ocluir a válvula e retirar a sonda lentamente com movimentos circulares;
17 Repetir o processo até a limpeza total da cavidade oral, avaliando condição respiratória da criança;
18 Aspirar água destilada para limpeza da extensão;
19 Retirar sonda, máscara, luvas e óculos;
20 Desligar o aspirador ou válvula da rede de vácuo;
21 Deixar a criança o mais confortável e segura no leito;
22 Manter o ambiente em ordem e desprezar o material adequadamente;
23 Proceder às anotações de enfermagem no prontuário da criança, constando: descrição da quantidade e características da secreção
aspirada, de ocorrências adversas e as medidas tomadas.
ASPIRAÇÃO DE VIAS AÉREAS SUPERIORES EM PEDIATRIA
aula 5 IRAS.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula 5 IRAS.pptx

A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
Sarinha Sousa
 
Distúrbios pulmonares obstrutivos crônicos
Distúrbios pulmonares obstrutivos crônicosDistúrbios pulmonares obstrutivos crônicos
Distúrbios pulmonares obstrutivos crônicos
Naiara Wonghon
 
Amigdalite ppt
Amigdalite pptAmigdalite ppt
Amigdalite ppt
Marco Pires
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamento
Lorena de Assis
 
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdfAula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Giza Carla Nitz
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Tércio David
 
Clinica medica em Enfermagem
Clinica medica em EnfermagemClinica medica em Enfermagem
Clinica medica em Enfermagem
Jandresson Soares de Araújo
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
Flávia Salame
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
Raqueli Viecili
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Teresa Oliveira
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Vanessa Maia
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Rogério Minini
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
Raqueli Viecili
 
Doenças comuns
Doenças comunsDoenças comuns
Doenças comuns
Luis Antonio Cezar Junior
 
Manual asma
Manual asmaManual asma
Manual asma
Licínia Simões
 
Artigo ivas2
Artigo ivas2Artigo ivas2
Artigo ivas2
Dâmaris
 
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.pptProtocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
LeonardoFicoto
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
blogped1
 
Apresentação pneumonia
Apresentação pneumoniaApresentação pneumonia
Apresentação pneumonia
Laboratório Sérgio Franco
 
Caso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.pptCaso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.ppt
CHRISLAYNESILVA2
 

Semelhante a aula 5 IRAS.pptx (20)

A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquiteA sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
A sistematizacao da assitencia de enfermagem em um paciente com bronquite
 
Distúrbios pulmonares obstrutivos crônicos
Distúrbios pulmonares obstrutivos crônicosDistúrbios pulmonares obstrutivos crônicos
Distúrbios pulmonares obstrutivos crônicos
 
Amigdalite ppt
Amigdalite pptAmigdalite ppt
Amigdalite ppt
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamento
 
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdfAula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
Aula 15 - Doenças Respiratórias - Pneumonia.pdf
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
 
Clinica medica em Enfermagem
Clinica medica em EnfermagemClinica medica em Enfermagem
Clinica medica em Enfermagem
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
 
Doenças comuns
Doenças comunsDoenças comuns
Doenças comuns
 
Manual asma
Manual asmaManual asma
Manual asma
 
Artigo ivas2
Artigo ivas2Artigo ivas2
Artigo ivas2
 
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.pptProtocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 
Apresentação pneumonia
Apresentação pneumoniaApresentação pneumonia
Apresentação pneumonia
 
Caso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.pptCaso_Clinico_Asma-.ppt
Caso_Clinico_Asma-.ppt
 

Mais de LarissaMachado97

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
LarissaMachado97
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
LarissaMachado97
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
LarissaMachado97
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
LarissaMachado97
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
LarissaMachado97
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
LarissaMachado97
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
LarissaMachado97
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
LarissaMachado97
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
LarissaMachado97
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
LarissaMachado97
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
LarissaMachado97
 

Mais de LarissaMachado97 (17)

curativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdfcurativohelpcompleto-160721140724.pdf
curativohelpcompleto-160721140724.pdf
 
tipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptxtipos de seringas.pptx
tipos de seringas.pptx
 
aula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptxaula vias de administração.pptx
aula vias de administração.pptx
 
técnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptxtécnica de AVP.pptx
técnica de AVP.pptx
 
aula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptxaula 7 desnutrição.pptx
aula 7 desnutrição.pptx
 
aula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptxaula 8 criança hospitalizada.pptx
aula 8 criança hospitalizada.pptx
 
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptxaula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
aula 10 alta da criança hospitalizada.pptx
 
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptxaula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
aula 4 crescimento e desenvolvimento.pptx
 
aula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptxaula de cálculo.pptx
aula de cálculo.pptx
 
Aula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptxAula 15 - Curativos.pptx
Aula 15 - Curativos.pptx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdfAula 12 - Drenos e Sondas.pdf
Aula 12 - Drenos e Sondas.pdf
 
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdfAula 14 - Sondagem vesical.pdf
Aula 14 - Sondagem vesical.pdf
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptxAula 1 Introdução a enfermagem.pptx
Aula 1 Introdução a enfermagem.pptx
 
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdfAula 1 Introdução a enfermagem.pdf
Aula 1 Introdução a enfermagem.pdf
 

aula 5 IRAS.pptx

  • 1. INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRA) P R O F : E N F ° L A R I S S A M A C H A D O
  • 2. INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRA) As infecções respiratórias agudas são as infecções do aparelho respiratório que afetam o nariz, a garganta, os ouvidos, a laringe, os brônquios e os pulmões, causando inflamação, sinusite, bronquite, asma e pneumonia. É definida como a incapacidade do sistema respiratório, desenvolvida agudamente, em promover adequadamente as trocas gasosas, ou seja, promover oxigenação e eliminação de gás carbônico. Do de vista de parâmetros gasométricos, a IRpA é definida pela presença de: • PaO2 <55-60 mmHg, cm paciente respirando em ar ambiente (FIO2=0,21) Que pode ou não estar associada a: • PaCO2 > 50 mmHg, usualmente determinando acidose respiratória (pH <7,35).
  • 3. INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRA) A criança com infecção respiratória aguda pode ter tosse, nariz escorrendo, dor de ouvido, dor de garganta, chiado no peito, dificuldade para respirar, febre ou temperatura muito baixa. Além disso, a criança perde o apetite, pode ficar muito irritada e chorosa. Algumas ficam com os olhos vermelhos e lacrimejando. As crianças maiores reclamam de dor de cabeça e dores no corpo. As infecções respiratórias agudas, principalmente a pneumonia, podem trazer risco de vida quando não tratadas. Toda a criança que apresenta um destes sinais, por até 7 dias sem melhorar, deve ser levada ao serviço de saúde.
  • 4. Classificação da Insuficiência respiratória aguda (IRA) TIPO I OU HIPOXÊMICA => CAUSAS PULMONARES HIPOXEMIA PaO2 MENOR QUE 60mmHg IMINENTE RISCO DE VIDA TIPO II OU HIPERCAPNICA => CAUSAS XTRAPULMNARES PaCO2 RELACIONADA COM VENTILAÇÃO ALVEOLAR → AUMENTO DA VENTLAÇÃO ALVEOLAR => REDUÇÃO PaCO2 => HIPOCAPNIA → REDUÇÃO DA VENTILAÇÃO ALVEOLAR => AUMENTO PaCO2 => HIPERCAPNIA
  • 5. Cuidados para a criança com IRA NARIZ ENTUPIDO – Lavar com soro fisiológico cada narina, sempre que necessário. Este pode ser preparado em casa, misturando 1 colher pequena de sal com um litro de água fervida e deve ser preparado todos os dias.
  • 6.
  • 7. Cuidados para a criança com IRA TOSSE – Dar bastante líquidos (Chás caseiros ou água). Evitar xaropes contra a tosse, pois ajuda a eliminar o catarro. Quando a criança está com dificuldade de eliminar o catarro, realizar a tapotagem. Deitar a criança de bruços, no colo, e bater com as mão sem concha nas suas costas.
  • 8. Cuidados para a criança com IRA FEBRE – Dar banho morno e aplicar compressas úmidas só com água na testa, nuca e virilha. Na febre alta procurar atendimento médico urgente.
  • 9. Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios OTITE MÉDIA – Classifica-se em: Otite Média Aguda, Otite Média Supurativa, Otite Média Supurativa Crônica ETIOLOGIA: • Infecciosa – Streptococuspneumoniae; Haemophilus influenza. • Não infecciosa – em consequência do bloqueio por edema das trompas de Eustáquio e Rinite alérgica. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Otalgia, febre, secreção auditiva de característica purulenta. TRATAMENTO: Antibioticoterapia, analgésico, antitérmico, cirúrgico (casos graves). Cuidados de enfermagem – Têm por objetivo diminuir a dor e orientar para evitar recidivas • Aplicar calor com compressa morna no local • Manter os cuidados com a higiene do ouvido • Orientar sobre perdas temporárias da audição • Cuidado com água no canal auditivo • Observar sinais de hipertermia
  • 10. AMIGDALITE – É uma inflamação das amígdalas, que geralmente ocorre associada à faringite. ETIOLOGIA: • Agentes virais • Agentes bacterinaos (Streptococus). MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Hipertermia, anorexia, halitose, respiração pela boca com sensação de irritação da mucosa, orofaringe hiperemiada, exsudato. TRATAMENTO: Analgésico, antitérmico, antibioticoterapia, cirurgias (amidalectomia) Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo diminuir a dor e promover o conforto do paciente Cuidados visam o conforto do paciente • Cuidados visam o conforto do paciente • Minimizar as manifestações clínicas • Administrar NBZ Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 11. FARINGITE – É a inflamação da faringe, e tem seu agente etiológico como um dos causadores de sequelas graves. ETIOLOGIA: Espretococcus beta-hemolítico do grupo A e sequelas; Febre reumática; Glomerulonefrite aguda. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Cefaleia, mal-estar, anorexia, rouquidão, tosse, dor abdominal, vômito, inflamação com exsudato. TRATAMENTO: Antibioticoterapia (penicilina), analgésico, antitérmico. Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro sintomatológico • Aplicar compressas mornas • Manter ingesta hídrica adequada • Dieta branda e líquida Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 12. LARINGITE – Infecção da laringe causada por agentes virais. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Odinofagia, indisposição, febre, congestão nasal, rouquidão, cefaléia, coriza. TRATAMENTO: Líquidos e ar umidificado Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro sintomatológico • Aplicar compressas mornas • Manter ingesta hídrica adequada • Dieta branda e líquida Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 13. GRIPE – Infecção causada geralmente por vírus de diferentes tipos, que sofrem alterações significativas no tempo. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Mucosa e faringe seca, rouquidão, febre, mialgia, calafrios, fotofobia, prostração. TRATAMENTO: Sintomático Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro sintomatológico • Aplicar compressas mornas • Manter ingesta hídrica adequada • Dieta branda e líquida Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 14. BRONQUITE – Inflamação das grandes vias aéreas, estando invariavelmente associado a uma IRA. ETIOLOGIA: Agentes virais, sendo muito comum o Mycoplasma pneumoniae. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Tosse seca, metálica e improdutiva, respiração ruidosa, dor torácica, falta de ar, vômito e febre. TRATAMENTO: Diminuir temperatura, dor e umidificar secreções. Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro sintomatológico • Cuidados com oxigenoterapia • Manter ingesta hídrica adequada • Dieta branda e líquida Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 15. BRONQUIOLITE – Infecção viral aguda dos bronquíolos, que ocorre principalmente no inverno. ETIOLOGIA: Adenovírus, Influenza. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Obstrução das VA, faringite, tosse, sibilância, febre, taquipneia, cianose, agitação, dispneia, fome de ar intensa, batimento da asa do nariz. TRATAMENTO: Tratar com ar umidificado, aumentar a ingesta hídrica, Graves: oxigenioterapia e terapia venosa. Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo aliviar o quadro sintomatológico, promover o conforto. • Observar oxigenoterapia e terapia endovenosa • Verificar SSVV • Elevar decúbito • Observar permeabilidade das VA Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 16. PNEUMONIA – É a inflamação do parênquima pulmonar, dificultando as trocas gasosas. FATORES DE RISCO: • Idade < 6 anos • Estado imunológico debilitado • Situação econômica precária • Poluição ambiental • Pais fumantes • Baixo peso • Desmame Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 17. CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA: Pneumonia viral: tosse, febre, taquipneia, cianose, fadiga, prostração, presença de ruídos respiratórios e estridores. TRATAMENTO: Sintomático, oxigênio, fisioterapia respiratória e administração de líquidos Pneumonia Bacteriana (pneumococos): tosse, indisposição, respiração rápida e superficial, dor torácica, batimento de asa do nariz, cianose, palidez agitação e letargia. TRATAMENTO: • Crianças maiores: antibióticos, antitérmicos, sedativos para tosse, repouso e líquidos. • Crianças menores: mesmo das crianças maiores, com líquido endovenoso e oxigenioterapia. Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 18. Cuidados de Enfermagem – Tem por objetivo aliviar o quadro sindrômico, promover o conforto e evitar complicações e agravamento do quadro. • Avaliar respiração • Administrar oxigenioterapia • Controlar SSVV • Elevar decúbito • Estimular drenagem postural • Aspirar secreções quando necessária • Aliviar desconforto OBSERVAÇÃO: Aspiração de líquidos ou alimentos, provocados pela dificuldade de deglutir em função de paralisias, debilidade, ausência do reflexo da tosse pode causar a Pneumonia Aspirativa. É importante orientar os pais sobre a gravidade da doença e as formas de prevenção da mesma. Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 19. ASMA – Obstrução das VA por edema e/ou muco, desencadeada por diversos estímulos. ETIOLOGIA: Duvidosa, pode ter relação com fatores bioquímicos, imunológicos, alérgicos, climático, psicológico, físicos. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: Tosse, irritabilidade, falta de ar, sibilância audível, rubor, lábios avermelhados escuro, progredindo para cianose, sudorese, diafragma deprimido. TRATAMENTO: Uso de corticosteróide, antiinflamatório, broncodilatores. Realização de exercícios através da fisioterapia respiratória. Cuidados de Enfermagem – Têm por objetivo identificar e eliminar fatores irritantes e alérgicos, além de orientar os pais sobre a doença e no reconhecimento de sinais agudos. • Controle rigoroso da terapia endovenosa. • Administrar oxigenioterapia. • Oferecer líquidos (controle). • Elevar decúbito. • Controlar SSVV • Estimular participação dos pais nos cuidados. Assistência de enfermagem à criança com distúrbios respiratórios
  • 20.
  • 21. ASPIRAÇÃO DE VIAS AÉREAS SUPERIORES EM PEDIATRIA Obs: Responsável pela elaboração do POP: Enf. Emanuel Pereira dos Santos Enf. Maria da Penha Pinheiro Definição - É o procedimento técnico utilizado para remover secreções do trato respiratório (oral e nasal) quando necessário Objetivo:  Melhorar a respiração;  Fornecer adequada oxigenação ao paciente;  Remover por aspiração as secreções do trato respiratório sem que haja traumatismo;  Promover permeabilidade de vias aéreas superiores. Indicação: • Crianças com aumento da produção de secreções, vômitos ou sangue na cavidade bucal e nasal com impossibilidade de expulsá-los espontaneamente; • Antes da intubação e da extubação traqueal.
  • 22. MATERIAL A SER UTILIZADO:  Bandeja ou cuba rim;  Álcool à 70%;  Álcool gel à 70%;  Luva de procedimento;  Sonda de aspiração compatível com o paciente;  Gaze não estéril;  Água destilada ou soro fisiológico;  Equipamentos de proteção individual (EPI): gorro, máscara cirúrgica, óculos de proteção, avental ou capote não-estéril;  Toalha de rosto ou papel toalha;  Aparelho de aspiração portátil ou fonte de vácuo em rede;  Frasco de vidro de aspiração;  Válvula redutora de pressão para rede de vácuo;  Frasco coletor de secreções descartável, preferencialmente e na sua ausência a extensão ASPIRAÇÃO DE VIAS AÉREAS SUPERIORES EM PEDIATRIA
  • 23. 1 Explicar o procedimento a ser realizado e sua finalidade a criança e/ou ao familiar; 2 Higienizar as mãos; 3 Reunir os materiais necessários e encaminhá-los próximo ao leito; 4 Fechar as cortinas do Box da criança; 5 Posicionar o paciente em fowler ou semi-fowler, se não for contraindicado; 6 Abrir o pacote do cateter, apenas na extremidade e deixar o resto protegido com a embalagem; 7 Abrir o invólucro das gazes esterilizadas e deixá-las na mesa de cabeceira; 8 Ligar o sistema de vácuo ou aspirador portátil; 9 Paramentar-se com os EPIs; 10 Ligar o aspirador; 11 Com a mão dominante, segurar a face da criança; 12 Pinçar o intermediário do silicone de aspiração; 13 Com a mão dominante introduzir a sonda de aspiração na cavidade nasal (pinçada) e abrir quando estiver introduzida; 14 Ocluir a válvula e retirar a sonda lentamente com movimentos circulares; 15 Com a mão dominante introduzir a sonda de aspiração na cavidade oral (pinçada) e abrir quando estiver introduzida; 16 Ocluir a válvula e retirar a sonda lentamente com movimentos circulares; 17 Repetir o processo até a limpeza total da cavidade oral, avaliando condição respiratória da criança; 18 Aspirar água destilada para limpeza da extensão; 19 Retirar sonda, máscara, luvas e óculos; 20 Desligar o aspirador ou válvula da rede de vácuo; 21 Deixar a criança o mais confortável e segura no leito; 22 Manter o ambiente em ordem e desprezar o material adequadamente; 23 Proceder às anotações de enfermagem no prontuário da criança, constando: descrição da quantidade e características da secreção aspirada, de ocorrências adversas e as medidas tomadas. ASPIRAÇÃO DE VIAS AÉREAS SUPERIORES EM PEDIATRIA