SlideShare uma empresa Scribd logo
PROJETO TÉCNICO:
JARDINS DE CHUVA
Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services




2
                                            PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
DEFINIÇÃO

Também chamados de Sistema de Biorretenção, esta medida utiliza a atividade biológica de plantas e
microorganismos para remover os poluentes das águas pluviais, e contribui para a infiltração e retenção dos
volumes de água precipitados.
Em geral, estas estruturas podem ser descritas como rasas depressões de terra, que recebem águas do escoamento
superficial. Os fluxos de água se acumulam nas depressões formando pequenas poças, e gradualmente a água é
infiltrada no solo.
Os poluentes são removidos por adsorção, filtração, volatilização, troca de íons e decomposição. A água limpa
pode ser infiltrada no terreno para recarga de aquífero ou coletada em um dreno e descarregada no sistema de
microdrenagem.
No caso de eventos de chuva que excedem a capacidade para a qual a estrutura foi projetada, o fluxo excedente é
desviado da área e encaminhado diretamente para o sistema de drenagem.




VANTAGENS E PRECAUÇÕES

 VANTAGENS                                                    PRECAUÇÕES
• Contribui para aumentar beleza paisagística               • Não pode ser utilizado para grandes áreas de
da rua;                                                     contribuição;

• Reduz parte do volume do escoamento su-                   • Pode sofrer colmatação, sendo recomendável
perficial;                                                  que exista um pré-tratamento (exemplo: faixa
                                                            gramada) em áreas com grande aporte de sed-
• É eficiente na remoção de sedimentos finos,               imentos;
metais, nutrientes e bactérias;
                                                            • Não pode ser utilizada em lugares onde há
• Possibilita grande flexibilidade de desenho               limitação de espaço, pois reduz o espaço de via
de projetos;                                                trafegável;
• Reduz o tamanho e custo do sistema de
drenagem de jusante;

• Reduz inundações na bacia e melhora a
qualidade das águas




APLICAÇÕES INDICADAS

• Ruas largas com baixo tráfego de veículos;
• Ruas próximas a locais em que se deseja diminuir a velocidade dos veículos, como escolas, hospitais e bairros
residenciais;
• Calçadas largas;
• Pátios e estacionamentos;
• Dentro do próprio lote, sejam estes comerciais, residenciais ou públicos.



                               PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA                                                  3
COMPOSIÇÃO DE CUSTO

    • PROJETO TÉCNICO;

    • LICENÇAS:

       • Licença Ambiental,

       • No caso de instalação na via, autorização do órgão responsável pela administração do tráfego para interdição;

       • No caso de instalação no calçamento, autorização do proprietário do lote.

    • EXECUÇÃO:

       • Mão-de-obra;

       • Escavação;

       • Equipamentos:

          • Fresadoras;

          • Escavadeira de concha ou retroescavadeira;

          • Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

       • Transporte de Material;

       • Material:

       • Blocos pré-moldados de sarjeta e meio-fio

       • Brita Graduada

       • Areia

       • Plantas

       • Solo

    • MANUTENÇÃO:

       • Poda das plantas;

       • Reposição de solo no caso de erosão ou retirada de solo no caso de acúmulo de sedimentos,

       • Limpeza e retirada de resíduos sólidos.

    • CUSTOS EXTRAS.




4
                                   PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
DESENHO TÉCNICO: JARDIM DE CHUVA NA VIA




                                                                           As setas tracejadas em azul (desenho ao lado)
                                                                           representam o fluxo das águas pluviais pela estrutura.
                                                                           A figura acima ilustra um jardim de chuva construído de
                                                                           acordo com o desenho técnico apresentado ao lado.




                                   PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA   5
DESENHO TÉCNICO: JARDIM DE CHUVA NA CALÇADA




                                                                            As setas tracejadas em azul (desenho ao lado)
                                                                            representam o fluxo das águas pluviais pela estrutura.
                                                                            A figura acima ilustra um jardim de chuva construído de
                                                                            acordo com o desenho técnico apresentado ao lado.




6
                                        PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
PASSO-A-PASSO: EXECUÇÃO DE UM JARDIM DE CHUVA



1                                                                               • Retirada da cobertura
                                                                                inicial (calçamento ou
                                                                                pavimento);
                                                                                • Escavação das valas.




    Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services




2                                                                               Instalação das peças
                                                                                pré-moldadas de
                                                                                concreto que farão as
                                                                                paredes do jardim.




    Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services




                                            PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA                             7
3                                                                               Concretagem das áreas de
                                                                                    entrada e saída das águas
                                                                                    do escomento superficial na
                                                                                    estrutura (neste exemplo,
                                                                                    também foi concretado
                                                                                    um pequeno espaço para a
                                                                                    coleta de sedimentos).




        Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services




    4                                                                               • Preenchimento da
                                                                                    estrutura com solo;
                                                                                    • Preparação do solo;
                                                                                    • Construção das barragens;
                                                                                    • Plantio da vegetação e
                                                                                    trabalhos de jardinagem.




        Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services



               DICA
               Recomenda-se que após a construção da estrutura seja
               feito um teste, simulando a chuva de projeto, para que
               sejam detectados possíveis erros de construção ou efeitos
               não previstos no projeto, para que assim, possam ser
               feitos os devidos ajustes.




8
                                                PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
EXEMPLO DE EXECUÇÃO




Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services




   LOCAL: NE Siskiyou Street, Portland, Oregon, Estados Unidos.

   CONTEXTO: Inserido no Programa Ruas Verdes (Green Streets Program )

   DATA DA OBRA: Outubro de 2003 (duração de 2 semanas)

   CUSTO DA OBRA: US$20.000,00 (porém US$3.000,00 foram utilizados para reparos na calçada, o que pode
   não ser necessário em outros projetos). Esse valor considera custos administrativos, de projeto e de construção.

   FINANCIAMENTO: Secretaria de Serviços Ambientais de Portland.

   MANUTENÇÃO: É realizada pelos moradores e constitui-se na irrigação e poda das plantas e retirada de lixo.




                                         PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA                                            9
PARÂMETROS DE PROJETO

     ÁREA DA BACIA DE CONTRIBUIÇÃO A SER CONTROLADA: é a área que terá suas águas pluviais direcionadas para
     o jardim de chuva.
         • No caso de jardins de chuva, a área deve ser menor do que 1 ha, ou seja, 10.000 m².

     CAPACIDADE DE INFILTRAÇÃO DO SOLO: tem influência sobre o desempenho dos dispositivos de infiltração. Se a
     capacidade de infiltração estiver fora dos limites estabelecidos, medidas infiltrantes não podem ser utilizadas.
        • No caso de jardins de chuva, o solo do local deve ter capacidade de infiltração entre 7 e 200 mm/h.

     NÍVEL DO LENÇOL FREÁTICO: também tem influência sobre o desempenho dos dispositivos de infiltração, sendo
     que o nível máximo do lençol freático deve ser de até 1 m abaixo do fundo do dispositivo.
        • Se o nível do lençol freático for alto (acima de 1 m do fundo), a implantação do jardim de chuva só é viável se
        seu fundo for impermeável.

     RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE AQUÍFERO: se o aquífero em questão for muito sensível à poluição, não se
     recomenda a utilização de medidas que promovam a infiltração, pois geralmente, as águas pluviais carregam
     esgoto e poluentes de origem difusa.
        • Os jardins de chuva só poderão ser utilizados nesta situação se forem construídos com fundo impermeabilizado.

     FRAGILIDADE DO SOLO À AÇÃO DA ÁGUA: No caso de medidas de infiltração, alguns tipos de solo podem perder
     suas características e sofrer desestruturação, mediante presença frequente de água. E mesmo em medidas de
     detenção ou retenção, isso pode ocorrer, tornando o fundo da estrutura muito barrento.
        • Nestes casos, a implantação de jardins de chuva não é recomendada.

     PERMEABILIDADE DO SUBSOLO NOS DISPOSITIVOS DE INFILTRAÇÃO: quando o subsolo apresenta baixa perme-
     abilidade não se recomenda o uso de medidas infiltrantes.
         • Se o subsolo do local for impermeável, deve-se utilizar jardins de chuva com fundo impermeável.

     DECLIVIDADE DO TERRENO: como altas declividades restringem a implantação de dispositivos de detenção e
     infiltração, estes não são recomendados em terrenos muito íngremes.
         • A implantação de jardins de chuva é inviável em altas declividades.

     AUSÊNCIA DE LOCAL DE DESTINO PARA A DESCARGA DO VOLUME REGULARIZADO DE ÁGUA: esta condição
     ocorre quando não existe uma rede de drenagem ou um curso d’água nas proximidades em que se possa efetuar
     a descarga dos volumes armazenados, limitando, portanto, o uso de medidas de detenção.
        • Jardins de chuva devem possuir extravasores conectados à rede de microdrenagem, caso ocorram chuvas mais
        intensas do que a de projeto. Portanto, na ausência de um local de destino para a descarga, são inviáveis.

     DISPONIBILIDADE DE ÁREA: medidas que necessitam de espaços amplos ou com características muito específi-
     cas podem ter sua implantação restrita.
        • Os jardins de chuva podem ser implantados em ruas com calçadas ou vias largas e trechos livres de hidrantes
        e garagens ou mesmo nos lotes e residências particulares. Na ausência de lugares nestas condições sua con-
        strução torna-se inviável.

     PRESENÇA DE INSTALAÇÕES SUBTERRÂNEAS: instalações subterrâneas como rede de água, esgoto, luz, tele-
     fone, etc. podem causar interferências e impossibilitar a construção de algumas medidas.
        • Se houver instalações subterrâneas, o jardim de chuva só poderá ser implantado se estas puderem ser relo-
        cadas ou se a configuração de projeto da medida puder ser modificada e adaptada.

     RESTRIÇÃO DE URBANIZAÇÃO: áreas com alta densidade populacional ou vias com tráfego intenso podem ser
     restritivas na implantação de algumas medidas.

10
                                    PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
• A implantação de jardins de chuva é inviável em áreas com tráfego intenso, em ruas e calçadas estreitas.

AFLUÊNCIA POLUÍDA: em algumas áreas de contribuição, ocorrem afluências com altas concentrações de polu-
entes (esgotos e carga difusa), sendo que nestes casos pode-se estudar a viabilidade de um pré-tratamento a
montante.
   • A afluência de altas cargas de esgotos pode prejudicar o funcionamento dos jardins de chuva, nestes casos
   pode ser necessária a implantação de estruturas mais complexas e caras que o próprio jardim de chuva, o que
   pode inviabilizar sua implantação. Contudo, estas medidas são indicadas para o tratamento da carga poluente
   produzida durante a lavagem das ruas de regiões consolidadas, onde a coleta de esgoto esteja implantada.

AFLUÊNCIA COM ALTA TAXA DE SEDIMENTOS E LIXO: se não for possível controlar a fonte de poluição, deve-se
considerar a manutenção como rotina ou estruturas de retenção a montante.
   • Assim, como no caso da afluência poluída, o projeto do dispositivo de pré-tratamento pode acabar se
   tornando mais complexo e caro do que a própria medida, inviabilizando sua implantação. Entretanto em
   regiões consolidadas, onde a geração de sedimentos é menor e a coleta de lixo e varrição de ruas são rotinas,
   a implantação destas medidas pode trazer grandes benefícios tratando a poluição difusa gerada pela lavagem
   das ruas durante os eventos de chuva.

RISCO SANITÁRIO POR FALHA DE OPERAÇÃO: medidas de porte maior, geralmente requerem o funcionamento
de equipamentos como bombas e comportas, implicando em um risco, caso ocorram falhas em sua operação.
Para evitar tais falhas é essencial que se faça manutenção periódica e se esta não puder ser garantida, a uti-
lização de algumas medidas não é recomendada.
    • O funcionamento dos jardins de chuva não está condicionado ao funcionamento de outros equipamentos,
    não correndo riscos sanitários por falha de operação.

RISCO SEDIMENTOLÓGICO POR FALHA DE OPERAÇÃO: assim como no risco sanitário, não se recomenda a uti-
lização de algumas medidas caso não existam condições de se manter o bom funcionamento de equipamentos
mecânicos e elétricos.
    • Assim, como o risco sanitário, o risco sedimentológico é praticamente inexistente neste tipo de medida.

ESFORÇOS E TRÁFEGO INTENSOS: esforços e vibrações podem danificar algumas estruturas.
   • A implantação de jardins de chuva não é recomendada em áreas com tráfego intenso.

FLEXIBILIDADE DE DESENHO: alguns tipos de medida são limitados à configuração do local em irão ser instal-
ados, como por exemplo, microrreservatórios - que exigem escoamento por gravidade - e telhados verdes - que
dependem da configuração do edifício.
   • O jardim de chuva é uma medida que pode ser desenhada e projetada de maneira que se adeque ao local de
   instalação.

LIMITES DE ALTURA OU PROFUNDIDADE DA MEDIDA DE CONTROLE: em medidas que contem com a infiltração
no seu modo de funcionamento, a comparação entre o tempo de residência desejado e a altura (condicionada
pelo volume), pode resultar numa limitação desta última, dependendo da capacidade de infiltração do solo.
   • O jardim de chuva poderá ser instalado caso seja possível modificar sua área superficial sem que seja modifi-
   cado seu volume.




                               PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA                                                 11
PARA SABER MAIS


     Sobre como implantar um jardim de chuva:

     • Manual Metropolitan Council Minnesota (em inglês): <http://www.metrocouncil.org/environment/water/bmp/
     CH3_STFiltBioretention.pdf>

     • Manual de Portland, Capítulo 2: Projeto de instalações (em inglês): <http://www.portlandonline.com/bes/
     index.cfm?c=47954&a=202883>

     • Low Impact Development Center (em ingles): <http://www.lowimpactdevelopment.org>

     Sobre os projetos executados em Portland:

     • Jardim de Chuva (em inglês): <http://www.portlandonline.com/bes/index.cfm?c=45386&a=78299>

     • Pavimento Permeável (em inglês): <http://www.portlandonline.com/shared/cfm/image.cfm?id=174662>

     Sobre efeitos da urbanização na drenagem urbana e medidas de controle do escoamento:

     • BAPTISTA, M.; NASCIMENTO, N.; BARRAUD, S. Técnicas Compensatórias em Drenagem Urbana. 266 pág. Porto
     Alegre: ABRH. 2005.

     • SCHUELER, T.R.; Controlling Urban Runoff: A Practical Manual for Planning and Designing Urban BMPs.
     Department of Environmental Programs, Metropolitan Washington Council of Governments, 1987

     • AZZOUT, Y.; BARRAUD, S.; CRES, F.N.; Alfakih, E.; Techniques Alternatives en Assainissement Pluvial :
     Choix, Conception, Réalisation et Entretien, LCPC, INSA Lyon, Certu, Agences de l’Eau, Lavoisier Technique et
     Documentation, Paris. ASCE,1969. Design and Construction of sanitary and storm sewers. New York, 1994.

     • PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Manual Municipal de Drenagem e Manejo de Águas Pluviais.
     Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica. 2012.

     Sobre os parâmetros de projetos das medidas:

     • GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ. Manual de Drenagem Urbana: Região Metropolitana de Curitiba- PR.
     Superintendência de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental, CH2M HILL e Instituto de
     Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2002.

     • Manual Metropolitan Council Minnesota (em inglês): <http://www.metrocouncil.org/environment/water/bmp/
     CH3_STFiltBioretention.pdf>




     FICHA TÉCNICA DE SISTEMATIZAÇÃO DO PROJETO

     FCTH                                                      ABCP
     Luiz Fernando Orsini de Lima Yazaki                       Lígia Pinheiro
     Erika Naomi de Souza Tominaga                             Erika Mota
     André Sandor Kajdacsy Balla Sosnoski                      Cristiane Bastos
     Fernanda Dias Radesca
     Letícia Yoshimoto Simionato



12
                                    PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
Cartilha de projeto técnico: Jardins de chuva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbanoAnálise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbano
Ana Leticia Cunha
 
1 luos - coeficiente de aproveitamento
1   luos - coeficiente de aproveitamento1   luos - coeficiente de aproveitamento
1 luos - coeficiente de aproveitamento
Campinas Que Queremos
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
3C Arquitetura e Urbanismo
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
Takayfau
 
14 b sala de informática
14 b sala de informática14 b sala de informática
14 b sala de informática
Willian De Sá
 
Fundações diretas rasas
Fundações diretas rasasFundações diretas rasas
Fundações diretas rasas
Ivandete de Oliveira
 
Etapas de um projeto de arquitetura
Etapas de um projeto de arquiteturaEtapas de um projeto de arquitetura
Etapas de um projeto de arquitetura
Mariana Azevedo
 
A casa de vidro
A casa de vidroA casa de vidro
A casa de vidro
Pedro Sousa
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
UNIFIA
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
Tiago Gomes
 
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Lila Donato
 
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USPConceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
Rafael Kerst
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
Jose Luis Prado Sánchez
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Claudio Santos
 
Aula patologias e revestimentos 2016
Aula patologias e revestimentos 2016Aula patologias e revestimentos 2016
Aula patologias e revestimentos 2016
UNAERP
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
Lucas Sant'ana
 
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interioresPrincípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Mariana Azevedo
 
Acustica urbana unip
Acustica urbana unipAcustica urbana unip
Acustica urbana unip
Willian De Sá
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
rmpatron
 
Af jardins de-chuva-print-digital
Af jardins de-chuva-print-digitalAf jardins de-chuva-print-digital

Mais procurados (20)

Análise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbanoAnálise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbano
 
1 luos - coeficiente de aproveitamento
1   luos - coeficiente de aproveitamento1   luos - coeficiente de aproveitamento
1 luos - coeficiente de aproveitamento
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
 
14 b sala de informática
14 b sala de informática14 b sala de informática
14 b sala de informática
 
Fundações diretas rasas
Fundações diretas rasasFundações diretas rasas
Fundações diretas rasas
 
Etapas de um projeto de arquitetura
Etapas de um projeto de arquiteturaEtapas de um projeto de arquitetura
Etapas de um projeto de arquitetura
 
A casa de vidro
A casa de vidroA casa de vidro
A casa de vidro
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
 
Apresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnicoApresentação normas abnt desenho técnico
Apresentação normas abnt desenho técnico
 
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
 
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USPConceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
 
Aula patologias e revestimentos 2016
Aula patologias e revestimentos 2016Aula patologias e revestimentos 2016
Aula patologias e revestimentos 2016
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
 
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interioresPrincípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
Princípios para um bom projeto de arquitetura e interiores
 
Acustica urbana unip
Acustica urbana unipAcustica urbana unip
Acustica urbana unip
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Af jardins de-chuva-print-digital
Af jardins de-chuva-print-digitalAf jardins de-chuva-print-digital
Af jardins de-chuva-print-digital
 

Semelhante a Cartilha de projeto técnico: Jardins de chuva

Microdrenagem.pdf
Microdrenagem.pdfMicrodrenagem.pdf
Microdrenagem.pdf
ReginaldoLopes42
 
Drenagem
DrenagemDrenagem
Fossa séptica biodigestor
Fossa séptica biodigestorFossa séptica biodigestor
Fossa séptica biodigestor
RenatoMussoline
 
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadasA engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
Luis Quinta-Nova
 
Análise de Rebaixamento de Lençol Freático Utilizando o Método dos Elementos ...
Análise de Rebaixamento de Lençol Freático Utilizando o Método dos Elementos ...Análise de Rebaixamento de Lençol Freático Utilizando o Método dos Elementos ...
Análise de Rebaixamento de Lençol Freático Utilizando o Método dos Elementos ...
Armando Belato Pereira
 
Dimensionamento fossas
Dimensionamento fossasDimensionamento fossas
Dimensionamento fossas
Plano Municipal Iturama
 
Dimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticasDimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticas
Ana Silva
 
Procedimento de execução de serviço - Pavimentação de concreto
Procedimento de execução de serviço - Pavimentação de concretoProcedimento de execução de serviço - Pavimentação de concreto
Procedimento de execução de serviço - Pavimentação de concreto
Rodrigo Andrade Brígido
 
Case -reservatórios_de_detenção_pluvial_em_terraços_de_cobertura_não_habitados
Case  -reservatórios_de_detenção_pluvial_em_terraços_de_cobertura_não_habitadosCase  -reservatórios_de_detenção_pluvial_em_terraços_de_cobertura_não_habitados
Case -reservatórios_de_detenção_pluvial_em_terraços_de_cobertura_não_habitados
cchinelli
 
00 pluviais antonio_caldas
00 pluviais antonio_caldas00 pluviais antonio_caldas
00 pluviais antonio_caldas
FelixFernando11
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
admilson silva
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
admilson silva
 
Drenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdfDrenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdf
MariaPenido4
 
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).pptDimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
PequenoSenSei
 
214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896
rafael dias
 
Portfólio InfraSAN Engenharia e Consultoria
Portfólio InfraSAN Engenharia e ConsultoriaPortfólio InfraSAN Engenharia e Consultoria
Portfólio InfraSAN Engenharia e Consultoria
InfraSANEngenhariaeC
 
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveisSistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
leonardoenginer
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Jupira Silva
 
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubos
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubosGalerias de drenagem de guas pluviais com tubos
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubos
Jupira Silva
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
Giovanna Ortiz
 

Semelhante a Cartilha de projeto técnico: Jardins de chuva (20)

Microdrenagem.pdf
Microdrenagem.pdfMicrodrenagem.pdf
Microdrenagem.pdf
 
Drenagem
DrenagemDrenagem
Drenagem
 
Fossa séptica biodigestor
Fossa séptica biodigestorFossa séptica biodigestor
Fossa séptica biodigestor
 
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadasA engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
A engenharia natural na reabilitação ambiental de áreas degradadas
 
Análise de Rebaixamento de Lençol Freático Utilizando o Método dos Elementos ...
Análise de Rebaixamento de Lençol Freático Utilizando o Método dos Elementos ...Análise de Rebaixamento de Lençol Freático Utilizando o Método dos Elementos ...
Análise de Rebaixamento de Lençol Freático Utilizando o Método dos Elementos ...
 
Dimensionamento fossas
Dimensionamento fossasDimensionamento fossas
Dimensionamento fossas
 
Dimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticasDimensionamento fossas sépticas
Dimensionamento fossas sépticas
 
Procedimento de execução de serviço - Pavimentação de concreto
Procedimento de execução de serviço - Pavimentação de concretoProcedimento de execução de serviço - Pavimentação de concreto
Procedimento de execução de serviço - Pavimentação de concreto
 
Case -reservatórios_de_detenção_pluvial_em_terraços_de_cobertura_não_habitados
Case  -reservatórios_de_detenção_pluvial_em_terraços_de_cobertura_não_habitadosCase  -reservatórios_de_detenção_pluvial_em_terraços_de_cobertura_não_habitados
Case -reservatórios_de_detenção_pluvial_em_terraços_de_cobertura_não_habitados
 
00 pluviais antonio_caldas
00 pluviais antonio_caldas00 pluviais antonio_caldas
00 pluviais antonio_caldas
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
 
Assoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatóriosAssoreamento de reservatórios
Assoreamento de reservatórios
 
Drenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdfDrenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdf
 
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).pptDimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
 
214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896214413964 nbr-13896
214413964 nbr-13896
 
Portfólio InfraSAN Engenharia e Consultoria
Portfólio InfraSAN Engenharia e ConsultoriaPortfólio InfraSAN Engenharia e Consultoria
Portfólio InfraSAN Engenharia e Consultoria
 
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveisSistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
 
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubos
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubosGalerias de drenagem de guas pluviais com tubos
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubos
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 

Mais de Fluxus Design Ecológico

Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1
Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1
Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1
Fluxus Design Ecológico
 
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
Fluxus Design Ecológico
 
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
Fluxus Design Ecológico
 
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliaresSaneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
Fluxus Design Ecológico
 
Biodigestores construídos com materiais alternativos - Márcio Andrade
Biodigestores construídos com materiais alternativos - Márcio AndradeBiodigestores construídos com materiais alternativos - Márcio Andrade
Biodigestores construídos com materiais alternativos - Márcio Andrade
Fluxus Design Ecológico
 
Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio Andrade
Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio AndradeReservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio Andrade
Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio Andrade
Fluxus Design Ecológico
 
Live com @Sustentarqui
Live com @SustentarquiLive com @Sustentarqui
Live com @Sustentarqui
Fluxus Design Ecológico
 
WIL Brasil 2020
WIL Brasil 2020WIL Brasil 2020
WIL Brasil 2020
Fluxus Design Ecológico
 
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - FluxusO papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
Fluxus Design Ecológico
 
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos PossíveisSão Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
Fluxus Design Ecológico
 
Manejo Integrado de Água
Manejo Integrado de ÁguaManejo Integrado de Água
Manejo Integrado de Água
Fluxus Design Ecológico
 
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
Fluxus Design Ecológico
 
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
Fluxus Design Ecológico
 
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
Fluxus Design Ecológico
 
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
Fluxus Design Ecológico
 
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
Fluxus Design Ecológico
 
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
Fluxus Design Ecológico
 
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuvaCASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
Fluxus Design Ecológico
 
Cartilha - Como cuidar de nossas Águas
Cartilha  - Como cuidar de nossas ÁguasCartilha  - Como cuidar de nossas Águas
Cartilha - Como cuidar de nossas Águas
Fluxus Design Ecológico
 
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbanaSeminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
Fluxus Design Ecológico
 

Mais de Fluxus Design Ecológico (20)

Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1
Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1
Jardim de Chuva Jundiaí - Aula 1
 
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
Sustainable Human Settlements that Regenerate Water and Generate Abundance
 
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
Adaptação, resiliência e regeneração - A importância e urgência da adoção de ...
 
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliaresSaneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
Saneamento ecológico - Experiências com sistemas unifamiliares
 
Biodigestores construídos com materiais alternativos - Márcio Andrade
Biodigestores construídos com materiais alternativos - Márcio AndradeBiodigestores construídos com materiais alternativos - Márcio Andrade
Biodigestores construídos com materiais alternativos - Márcio Andrade
 
Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio Andrade
Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio AndradeReservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio Andrade
Reservatórios Construídos com Materiais Alternativos - Márcio Andrade
 
Live com @Sustentarqui
Live com @SustentarquiLive com @Sustentarqui
Live com @Sustentarqui
 
WIL Brasil 2020
WIL Brasil 2020WIL Brasil 2020
WIL Brasil 2020
 
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - FluxusO papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
O papel da iniciativa privada nas SbN´s para água - Fluxus
 
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos PossíveisSão Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
São Paulo e Suas Águas: Novos Desenhos Possíveis
 
Manejo Integrado de Água
Manejo Integrado de ÁguaManejo Integrado de Água
Manejo Integrado de Água
 
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
Seminário BID - Construção Verde no Brasil, Edificações e Espaços Públicos Ma...
 
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
Jardins de chuva e a descentralização dos serviços de manejo de água de chuva...
 
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
Água de chuva, esgoto e resíduos orgânicos: lições da natureza para criar emp...
 
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
Palestra Path 2018 - Como São Paulo pode mudar de humor trabalhando com suas ...
 
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
Inovação baseada nos princípios da natureza - Aplicação dos princípios de Cra...
 
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
Novas tendências no planejamento de sistemas integrados de Água (Concrete Sho...
 
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuvaCASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
CASA COR - paisagens produtivas com água de chuva
 
Cartilha - Como cuidar de nossas Águas
Cartilha  - Como cuidar de nossas ÁguasCartilha  - Como cuidar de nossas Águas
Cartilha - Como cuidar de nossas Águas
 
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbanaSeminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
Seminário Drenagem Urbana FIESP - Técnicas naturalisticas em drenagem urbana
 

Último

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 

Cartilha de projeto técnico: Jardins de chuva

  • 2. Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services 2 PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
  • 3. DEFINIÇÃO Também chamados de Sistema de Biorretenção, esta medida utiliza a atividade biológica de plantas e microorganismos para remover os poluentes das águas pluviais, e contribui para a infiltração e retenção dos volumes de água precipitados. Em geral, estas estruturas podem ser descritas como rasas depressões de terra, que recebem águas do escoamento superficial. Os fluxos de água se acumulam nas depressões formando pequenas poças, e gradualmente a água é infiltrada no solo. Os poluentes são removidos por adsorção, filtração, volatilização, troca de íons e decomposição. A água limpa pode ser infiltrada no terreno para recarga de aquífero ou coletada em um dreno e descarregada no sistema de microdrenagem. No caso de eventos de chuva que excedem a capacidade para a qual a estrutura foi projetada, o fluxo excedente é desviado da área e encaminhado diretamente para o sistema de drenagem. VANTAGENS E PRECAUÇÕES VANTAGENS PRECAUÇÕES • Contribui para aumentar beleza paisagística • Não pode ser utilizado para grandes áreas de da rua; contribuição; • Reduz parte do volume do escoamento su- • Pode sofrer colmatação, sendo recomendável perficial; que exista um pré-tratamento (exemplo: faixa gramada) em áreas com grande aporte de sed- • É eficiente na remoção de sedimentos finos, imentos; metais, nutrientes e bactérias; • Não pode ser utilizada em lugares onde há • Possibilita grande flexibilidade de desenho limitação de espaço, pois reduz o espaço de via de projetos; trafegável; • Reduz o tamanho e custo do sistema de drenagem de jusante; • Reduz inundações na bacia e melhora a qualidade das águas APLICAÇÕES INDICADAS • Ruas largas com baixo tráfego de veículos; • Ruas próximas a locais em que se deseja diminuir a velocidade dos veículos, como escolas, hospitais e bairros residenciais; • Calçadas largas; • Pátios e estacionamentos; • Dentro do próprio lote, sejam estes comerciais, residenciais ou públicos. PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA 3
  • 4. COMPOSIÇÃO DE CUSTO • PROJETO TÉCNICO; • LICENÇAS: • Licença Ambiental, • No caso de instalação na via, autorização do órgão responsável pela administração do tráfego para interdição; • No caso de instalação no calçamento, autorização do proprietário do lote. • EXECUÇÃO: • Mão-de-obra; • Escavação; • Equipamentos: • Fresadoras; • Escavadeira de concha ou retroescavadeira; • Equipamentos de Proteção Individual (EPI). • Transporte de Material; • Material: • Blocos pré-moldados de sarjeta e meio-fio • Brita Graduada • Areia • Plantas • Solo • MANUTENÇÃO: • Poda das plantas; • Reposição de solo no caso de erosão ou retirada de solo no caso de acúmulo de sedimentos, • Limpeza e retirada de resíduos sólidos. • CUSTOS EXTRAS. 4 PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
  • 5. DESENHO TÉCNICO: JARDIM DE CHUVA NA VIA As setas tracejadas em azul (desenho ao lado) representam o fluxo das águas pluviais pela estrutura. A figura acima ilustra um jardim de chuva construído de acordo com o desenho técnico apresentado ao lado. PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA 5
  • 6. DESENHO TÉCNICO: JARDIM DE CHUVA NA CALÇADA As setas tracejadas em azul (desenho ao lado) representam o fluxo das águas pluviais pela estrutura. A figura acima ilustra um jardim de chuva construído de acordo com o desenho técnico apresentado ao lado. 6 PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
  • 7. PASSO-A-PASSO: EXECUÇÃO DE UM JARDIM DE CHUVA 1 • Retirada da cobertura inicial (calçamento ou pavimento); • Escavação das valas. Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services 2 Instalação das peças pré-moldadas de concreto que farão as paredes do jardim. Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA 7
  • 8. 3 Concretagem das áreas de entrada e saída das águas do escomento superficial na estrutura (neste exemplo, também foi concretado um pequeno espaço para a coleta de sedimentos). Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services 4 • Preenchimento da estrutura com solo; • Preparação do solo; • Construção das barragens; • Plantio da vegetação e trabalhos de jardinagem. Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services DICA Recomenda-se que após a construção da estrutura seja feito um teste, simulando a chuva de projeto, para que sejam detectados possíveis erros de construção ou efeitos não previstos no projeto, para que assim, possam ser feitos os devidos ajustes. 8 PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
  • 9. EXEMPLO DE EXECUÇÃO Fonte: Portland Bureau of Enviroment Services LOCAL: NE Siskiyou Street, Portland, Oregon, Estados Unidos. CONTEXTO: Inserido no Programa Ruas Verdes (Green Streets Program ) DATA DA OBRA: Outubro de 2003 (duração de 2 semanas) CUSTO DA OBRA: US$20.000,00 (porém US$3.000,00 foram utilizados para reparos na calçada, o que pode não ser necessário em outros projetos). Esse valor considera custos administrativos, de projeto e de construção. FINANCIAMENTO: Secretaria de Serviços Ambientais de Portland. MANUTENÇÃO: É realizada pelos moradores e constitui-se na irrigação e poda das plantas e retirada de lixo. PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA 9
  • 10. PARÂMETROS DE PROJETO ÁREA DA BACIA DE CONTRIBUIÇÃO A SER CONTROLADA: é a área que terá suas águas pluviais direcionadas para o jardim de chuva. • No caso de jardins de chuva, a área deve ser menor do que 1 ha, ou seja, 10.000 m². CAPACIDADE DE INFILTRAÇÃO DO SOLO: tem influência sobre o desempenho dos dispositivos de infiltração. Se a capacidade de infiltração estiver fora dos limites estabelecidos, medidas infiltrantes não podem ser utilizadas. • No caso de jardins de chuva, o solo do local deve ter capacidade de infiltração entre 7 e 200 mm/h. NÍVEL DO LENÇOL FREÁTICO: também tem influência sobre o desempenho dos dispositivos de infiltração, sendo que o nível máximo do lençol freático deve ser de até 1 m abaixo do fundo do dispositivo. • Se o nível do lençol freático for alto (acima de 1 m do fundo), a implantação do jardim de chuva só é viável se seu fundo for impermeável. RISCO DE CONTAMINAÇÃO DE AQUÍFERO: se o aquífero em questão for muito sensível à poluição, não se recomenda a utilização de medidas que promovam a infiltração, pois geralmente, as águas pluviais carregam esgoto e poluentes de origem difusa. • Os jardins de chuva só poderão ser utilizados nesta situação se forem construídos com fundo impermeabilizado. FRAGILIDADE DO SOLO À AÇÃO DA ÁGUA: No caso de medidas de infiltração, alguns tipos de solo podem perder suas características e sofrer desestruturação, mediante presença frequente de água. E mesmo em medidas de detenção ou retenção, isso pode ocorrer, tornando o fundo da estrutura muito barrento. • Nestes casos, a implantação de jardins de chuva não é recomendada. PERMEABILIDADE DO SUBSOLO NOS DISPOSITIVOS DE INFILTRAÇÃO: quando o subsolo apresenta baixa perme- abilidade não se recomenda o uso de medidas infiltrantes. • Se o subsolo do local for impermeável, deve-se utilizar jardins de chuva com fundo impermeável. DECLIVIDADE DO TERRENO: como altas declividades restringem a implantação de dispositivos de detenção e infiltração, estes não são recomendados em terrenos muito íngremes. • A implantação de jardins de chuva é inviável em altas declividades. AUSÊNCIA DE LOCAL DE DESTINO PARA A DESCARGA DO VOLUME REGULARIZADO DE ÁGUA: esta condição ocorre quando não existe uma rede de drenagem ou um curso d’água nas proximidades em que se possa efetuar a descarga dos volumes armazenados, limitando, portanto, o uso de medidas de detenção. • Jardins de chuva devem possuir extravasores conectados à rede de microdrenagem, caso ocorram chuvas mais intensas do que a de projeto. Portanto, na ausência de um local de destino para a descarga, são inviáveis. DISPONIBILIDADE DE ÁREA: medidas que necessitam de espaços amplos ou com características muito específi- cas podem ter sua implantação restrita. • Os jardins de chuva podem ser implantados em ruas com calçadas ou vias largas e trechos livres de hidrantes e garagens ou mesmo nos lotes e residências particulares. Na ausência de lugares nestas condições sua con- strução torna-se inviável. PRESENÇA DE INSTALAÇÕES SUBTERRÂNEAS: instalações subterrâneas como rede de água, esgoto, luz, tele- fone, etc. podem causar interferências e impossibilitar a construção de algumas medidas. • Se houver instalações subterrâneas, o jardim de chuva só poderá ser implantado se estas puderem ser relo- cadas ou se a configuração de projeto da medida puder ser modificada e adaptada. RESTRIÇÃO DE URBANIZAÇÃO: áreas com alta densidade populacional ou vias com tráfego intenso podem ser restritivas na implantação de algumas medidas. 10 PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA
  • 11. • A implantação de jardins de chuva é inviável em áreas com tráfego intenso, em ruas e calçadas estreitas. AFLUÊNCIA POLUÍDA: em algumas áreas de contribuição, ocorrem afluências com altas concentrações de polu- entes (esgotos e carga difusa), sendo que nestes casos pode-se estudar a viabilidade de um pré-tratamento a montante. • A afluência de altas cargas de esgotos pode prejudicar o funcionamento dos jardins de chuva, nestes casos pode ser necessária a implantação de estruturas mais complexas e caras que o próprio jardim de chuva, o que pode inviabilizar sua implantação. Contudo, estas medidas são indicadas para o tratamento da carga poluente produzida durante a lavagem das ruas de regiões consolidadas, onde a coleta de esgoto esteja implantada. AFLUÊNCIA COM ALTA TAXA DE SEDIMENTOS E LIXO: se não for possível controlar a fonte de poluição, deve-se considerar a manutenção como rotina ou estruturas de retenção a montante. • Assim, como no caso da afluência poluída, o projeto do dispositivo de pré-tratamento pode acabar se tornando mais complexo e caro do que a própria medida, inviabilizando sua implantação. Entretanto em regiões consolidadas, onde a geração de sedimentos é menor e a coleta de lixo e varrição de ruas são rotinas, a implantação destas medidas pode trazer grandes benefícios tratando a poluição difusa gerada pela lavagem das ruas durante os eventos de chuva. RISCO SANITÁRIO POR FALHA DE OPERAÇÃO: medidas de porte maior, geralmente requerem o funcionamento de equipamentos como bombas e comportas, implicando em um risco, caso ocorram falhas em sua operação. Para evitar tais falhas é essencial que se faça manutenção periódica e se esta não puder ser garantida, a uti- lização de algumas medidas não é recomendada. • O funcionamento dos jardins de chuva não está condicionado ao funcionamento de outros equipamentos, não correndo riscos sanitários por falha de operação. RISCO SEDIMENTOLÓGICO POR FALHA DE OPERAÇÃO: assim como no risco sanitário, não se recomenda a uti- lização de algumas medidas caso não existam condições de se manter o bom funcionamento de equipamentos mecânicos e elétricos. • Assim, como o risco sanitário, o risco sedimentológico é praticamente inexistente neste tipo de medida. ESFORÇOS E TRÁFEGO INTENSOS: esforços e vibrações podem danificar algumas estruturas. • A implantação de jardins de chuva não é recomendada em áreas com tráfego intenso. FLEXIBILIDADE DE DESENHO: alguns tipos de medida são limitados à configuração do local em irão ser instal- ados, como por exemplo, microrreservatórios - que exigem escoamento por gravidade - e telhados verdes - que dependem da configuração do edifício. • O jardim de chuva é uma medida que pode ser desenhada e projetada de maneira que se adeque ao local de instalação. LIMITES DE ALTURA OU PROFUNDIDADE DA MEDIDA DE CONTROLE: em medidas que contem com a infiltração no seu modo de funcionamento, a comparação entre o tempo de residência desejado e a altura (condicionada pelo volume), pode resultar numa limitação desta última, dependendo da capacidade de infiltração do solo. • O jardim de chuva poderá ser instalado caso seja possível modificar sua área superficial sem que seja modifi- cado seu volume. PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA 11
  • 12. PARA SABER MAIS Sobre como implantar um jardim de chuva: • Manual Metropolitan Council Minnesota (em inglês): <http://www.metrocouncil.org/environment/water/bmp/ CH3_STFiltBioretention.pdf> • Manual de Portland, Capítulo 2: Projeto de instalações (em inglês): <http://www.portlandonline.com/bes/ index.cfm?c=47954&a=202883> • Low Impact Development Center (em ingles): <http://www.lowimpactdevelopment.org> Sobre os projetos executados em Portland: • Jardim de Chuva (em inglês): <http://www.portlandonline.com/bes/index.cfm?c=45386&a=78299> • Pavimento Permeável (em inglês): <http://www.portlandonline.com/shared/cfm/image.cfm?id=174662> Sobre efeitos da urbanização na drenagem urbana e medidas de controle do escoamento: • BAPTISTA, M.; NASCIMENTO, N.; BARRAUD, S. Técnicas Compensatórias em Drenagem Urbana. 266 pág. Porto Alegre: ABRH. 2005. • SCHUELER, T.R.; Controlling Urban Runoff: A Practical Manual for Planning and Designing Urban BMPs. Department of Environmental Programs, Metropolitan Washington Council of Governments, 1987 • AZZOUT, Y.; BARRAUD, S.; CRES, F.N.; Alfakih, E.; Techniques Alternatives en Assainissement Pluvial : Choix, Conception, Réalisation et Entretien, LCPC, INSA Lyon, Certu, Agences de l’Eau, Lavoisier Technique et Documentation, Paris. ASCE,1969. Design and Construction of sanitary and storm sewers. New York, 1994. • PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Manual Municipal de Drenagem e Manejo de Águas Pluviais. Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica. 2012. Sobre os parâmetros de projetos das medidas: • GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ. Manual de Drenagem Urbana: Região Metropolitana de Curitiba- PR. Superintendência de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental, CH2M HILL e Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2002. • Manual Metropolitan Council Minnesota (em inglês): <http://www.metrocouncil.org/environment/water/bmp/ CH3_STFiltBioretention.pdf> FICHA TÉCNICA DE SISTEMATIZAÇÃO DO PROJETO FCTH ABCP Luiz Fernando Orsini de Lima Yazaki Lígia Pinheiro Erika Naomi de Souza Tominaga Erika Mota André Sandor Kajdacsy Balla Sosnoski Cristiane Bastos Fernanda Dias Radesca Letícia Yoshimoto Simionato 12 PROJETO TÉCNICO: JARDINS DE CHUVA