SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Marcelo 1
EXPLORAÇÃO DOS SOLOS
Marcelo 2
MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO
O conhecimento do terreno(solo e subsolo), que
servirá de suporte para uma obra de engenharia, é
de fundamental importância, sobretudo na
construção de barragens, aterros, para que os
engenheiros desenvolvam soluções tecnicamente
seguras e economicamente viáveis.
Marcelo 3
INFORMAÇÕES IMPORTANTES
 Extensão , profundidade e espessura de cada camada do solo,
informando a compacidade e o estado de consistência;
Profundidade da rocha e sua classificação, profundidade e
espessura do extrato rochoso, espaçamento de juntas, alteração
e decomposição, etc;
Presença de lençol freático e lençóis artesianos;
Coleta de amostras para quantificação de compressibilidade,
permeabilidade e resistência ao cisalhamento.
Marcelo 4
PROSPECÇÃO DO SOLO
É a investigação que deve ser feita para informar as
características do subsolo, de acordo com a necessidade
do projeto ou obra.
Geralmente, é subdividida em preliminar, complementar e
localizada.
Marcelo 5
PROSPECÇÃO PRELIMINAR
É a investigação que deverá fornecer dados suficientes para
permitir:
 Localização das principais estruturas e estimativa de custo;
Viabilidade técnica e econômica da obra;
 Espessura e dimensões das camadas que serão solicitadas, com
os devidos detalhes;
 As áreas de empréstimo e o volume de cada uma delas;
 Retirada de amostras do terreno de fundação e áreas de
empréstimo, para estudo do comportamento dos solos.
 Mapeamento geológico da região, com traçado de seções nas
direções principais do projeto.
Marcelo 6
PROSPECÇÃO COMPLEMENTAR
É a fase onde são realizadas investigações
adicionais, complementando a prospecção
preliminar, executando-se:
 Retirada de amostras de grande diâmetro;
 Ensaios in situ ;
 Abertura de poços ou túneis.
Marcelo 7
PROSPECÇÃO LOCALIZADA
É o tipo de prospecção que deve ser feito
quando uma estrutura não puder ser
projetada ou o comportamento do solo ainda
não puder ser avaliado.
Marcelo 8
SONDAGEM INDIRETA
Marcelo 9
DEFINIÇÃO
É aquela onde a determinação das propriedades do
subsolo é feita indiretamente, pela resistividade
elétrica ou velocidade de propagação das ondas
sonoras(sísmico), podendo se determinar a
espessura e o nível da água.
Possuem a vantagem de serem rápidos e
econômicos, principalmente em obras de grande
porte(aterros, pontes, barragens, etc).
Geralmente, detectam a presença de blocos de
rocha ou cavidades subterrâneas.
Marcelo 10
VANTAGENS
 Seu emprego reduz a execução de outros ensaios,
facilitando o planejamento e a execução de furos de
sondagens e reduzindo custos;
 Rapidez na execução e baixo custo;
 Satisfatório na determinação da profundidade das
rochas;
 Localiza irregularidades no subsolo;
 Detecta a existência e localização do nível d’água
Marcelo 11
DESVANTAGENS
 Requer mão de obra qualificada;
 Requer equipe de excelência na interpretação dos
resultados;
 São mais indicados para áreas de grande extensão,
como as estradas;
 Não são retiradas amostras nem fornecidas indicações
quanto ao tipo de solo.
Marcelo 12
SONDAGEM SEMIDIRETA
Marcelo 13
DEFINIÇÃO
São aqueles que fornecem informações sobre a
natureza dos solos, sem possibilitar a coleta de
amostras.
Foram desenvolvidos devido à dificuldade na execução
de amostragem de alguns solos, como areias puras ou
submersas e argilas sensíveis e muito moles.
Marcelo 14
VANTAGENS
 Minimiza as perturbações causadas pela variação do
estado de tensões e distorções na amostragem, pois é
realizado in situ;
 Evita choques e vibrações durante o transporte e
manuseio das amostras;
 Permite uma medida mais realística das condições
físicas de uma formação.
Marcelo 15
SONDAGEM DIRETA
Marcelo 16
DEFINIÇÃO
São as operações a observar diretamente o
solo, colhendo amostras ao longo de uma
perfuração.
Marcelo 17
VANTAGENS
 Permitem o reconhecimento do solo por meio de
amostras, a partir de furos no próprio terreno;
 As amostras deformadas fornecerão subsídios para
exame visual e tátil das camadas, podendo ser
executados ensaios de teor de umidade, limites de
consistência, granulometria, etc;
 Delimita as camadas do subsolo;
 Indica a posição do lençol freático;
 Informações sobre a consistência das argilas e
compacidade das areias.
Marcelo 18
DESVANTAGENS
 Os métodos diretos de sondagem possuem o grande
inconveniente de fornecer uma visão limitada, visto que
a prospecção do subsolo é pontual.
Marcelo 19
EQUIPAMENTOS DE SONDAGEM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

(1) biologia e geologia 10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
(1) biologia e geologia   10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...(1) biologia e geologia   10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
(1) biologia e geologia 10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...Hugo Martins
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentaresCatir
 
Geologia 11 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - bacias hidrográ...
Geologia 11   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - bacias hidrográ...Geologia 11   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - bacias hidrográ...
Geologia 11 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - bacias hidrográ...Nuno Correia
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraAna Castro
 
Geo 10 formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
Geo 10   formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicasGeo 10   formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
Geo 10 formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicasNuno Correia
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidademarciotecsoma
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticasIsabel Lopes
 
Métodos indirectos gravimetria
Métodos indirectos gravimetriaMétodos indirectos gravimetria
Métodos indirectos gravimetriaines539671
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
VulcanismoCatir
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentaresTânia Reis
 
Puc geoi 02_cap1_origem e formação dos solos
Puc geoi 02_cap1_origem e formação dos solosPuc geoi 02_cap1_origem e formação dos solos
Puc geoi 02_cap1_origem e formação dos solosDjair Felix
 
7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficasmargaridabt
 
Bacias
BaciasBacias
Baciasunesp
 
3 b classificaçãorochassedimentares
3 b   classificaçãorochassedimentares3 b   classificaçãorochassedimentares
3 b classificaçãorochassedimentaresmargaridabt
 

Mais procurados (20)

(1) biologia e geologia 10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
(1) biologia e geologia   10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...(1) biologia e geologia   10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
(1) biologia e geologia 10º ano - geologia - a geologia, os geologos e os s...
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Geologia 11 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - bacias hidrográ...
Geologia 11   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - bacias hidrográ...Geologia 11   ocupação antrópica e problemas de ordenamento - bacias hidrográ...
Geologia 11 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - bacias hidrográ...
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
 
Aula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismoAula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismo
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Geo 10 formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
Geo 10   formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicasGeo 10   formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
Geo 10 formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidade
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
 
Tipos de erupção1
Tipos de erupção1Tipos de erupção1
Tipos de erupção1
 
Métodos indirectos gravimetria
Métodos indirectos gravimetriaMétodos indirectos gravimetria
Métodos indirectos gravimetria
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Aula rochas sedimentares
Aula rochas sedimentaresAula rochas sedimentares
Aula rochas sedimentares
 
4 sistema solar
4   sistema solar4   sistema solar
4 sistema solar
 
Aula 2 tectonica placas
Aula 2 tectonica placasAula 2 tectonica placas
Aula 2 tectonica placas
 
Puc geoi 02_cap1_origem e formação dos solos
Puc geoi 02_cap1_origem e formação dos solosPuc geoi 02_cap1_origem e formação dos solos
Puc geoi 02_cap1_origem e formação dos solos
 
7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficas
 
Bacias
BaciasBacias
Bacias
 
3 b classificaçãorochassedimentares
3 b   classificaçãorochassedimentares3 b   classificaçãorochassedimentares
3 b classificaçãorochassedimentares
 

Destaque

01 prospecção e amostragem dos solos
01 prospecção e amostragem dos solos01 prospecção e amostragem dos solos
01 prospecção e amostragem dos solosthiagolf7
 
126524343 solos
126524343 solos126524343 solos
126524343 solosPelo Siro
 
Mecânica dos solos e fundações msfc3
Mecânica dos solos e fundações msfc3Mecânica dos solos e fundações msfc3
Mecânica dos solos e fundações msfc3arqjoaocampos
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solosJadson Belem de Moura
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solosJanine Silotti
 
Apresentação sondagem spt
Apresentação sondagem sptApresentação sondagem spt
Apresentação sondagem sptilmar147
 
Características físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solosCaracterísticas físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solosJadson Belem de Moura
 
Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosBruno Castilho
 

Destaque (15)

01 prospecção e amostragem dos solos
01 prospecção e amostragem dos solos01 prospecção e amostragem dos solos
01 prospecção e amostragem dos solos
 
126524343 solos
126524343 solos126524343 solos
126524343 solos
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
luvissolos Pedologia
luvissolos Pedologialuvissolos Pedologia
luvissolos Pedologia
 
Mecânica dos solos e fundações msfc3
Mecânica dos solos e fundações msfc3Mecânica dos solos e fundações msfc3
Mecânica dos solos e fundações msfc3
 
Cad Arq
Cad ArqCad Arq
Cad Arq
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
 
Latossolo spdf
Latossolo spdfLatossolo spdf
Latossolo spdf
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Apresentação sondagem spt
Apresentação sondagem sptApresentação sondagem spt
Apresentação sondagem spt
 
Características físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solosCaracterísticas físicas gerais dos solos
Características físicas gerais dos solos
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Apostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos SolosApostila de Mecânica dos Solos
Apostila de Mecânica dos Solos
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 

Semelhante a Mecânica dos solos – aula 5

Ensaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdfEnsaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdfJeanMarques37
 
Aula 2 - Investigação do subsolo.pdf
Aula 2 - Investigação do subsolo.pdfAula 2 - Investigação do subsolo.pdf
Aula 2 - Investigação do subsolo.pdfWendell Soares
 
Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1Rafael Maciel
 
Fundações 1
Fundações 1Fundações 1
Fundações 1dmr2403
 
Fun pc 1
Fun pc 1Fun pc 1
Fun pc 1dmr2403
 
2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construçãoLinduart Tavares
 
2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construçãoSesc Rio
 
Apostila ufg fundacoes
Apostila ufg fundacoesApostila ufg fundacoes
Apostila ufg fundacoesSergio Alves
 
COMO AVALIAR A ERODIBILIDADE DO SOLO slides 1.pdf
COMO AVALIAR A ERODIBILIDADE DO SOLO slides 1.pdfCOMO AVALIAR A ERODIBILIDADE DO SOLO slides 1.pdf
COMO AVALIAR A ERODIBILIDADE DO SOLO slides 1.pdfBiancaRibeiroMoraes
 
Complementos de fundacoes
Complementos de fundacoesComplementos de fundacoes
Complementos de fundacoesHumberto Magno
 
Notas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
Notas de aula da pós graduação em estruturas - FundaçõesNotas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
Notas de aula da pós graduação em estruturas - FundaçõesClauderson Basileu
 
Aplicação de geologia na elaboração de barragens
Aplicação de geologia na elaboração de barragensAplicação de geologia na elaboração de barragens
Aplicação de geologia na elaboração de barragensDouglas Gozzo
 
Cadernos de Seguro: Critérios para avaliação de obras de terra
Cadernos de Seguro: Critérios para avaliação de obras de terraCadernos de Seguro: Critérios para avaliação de obras de terra
Cadernos de Seguro: Critérios para avaliação de obras de terraUniversidade Federal Fluminense
 

Semelhante a Mecânica dos solos – aula 5 (20)

Ensaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdfEnsaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdf
 
Aula 2 - Investigação do subsolo.pdf
Aula 2 - Investigação do subsolo.pdfAula 2 - Investigação do subsolo.pdf
Aula 2 - Investigação do subsolo.pdf
 
Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1
 
Fundações 1
Fundações 1Fundações 1
Fundações 1
 
Fun pc 1
Fun pc 1Fun pc 1
Fun pc 1
 
2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção
 
2013 tecnologia construçã2-o
2013 tecnologia construçã2-o2013 tecnologia construçã2-o
2013 tecnologia construçã2-o
 
2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção2013 tecnologia construção
2013 tecnologia construção
 
Apostila ufg fundacoes
Apostila ufg fundacoesApostila ufg fundacoes
Apostila ufg fundacoes
 
Apostila fundacoes
Apostila fundacoesApostila fundacoes
Apostila fundacoes
 
COMO AVALIAR A ERODIBILIDADE DO SOLO slides 1.pdf
COMO AVALIAR A ERODIBILIDADE DO SOLO slides 1.pdfCOMO AVALIAR A ERODIBILIDADE DO SOLO slides 1.pdf
COMO AVALIAR A ERODIBILIDADE DO SOLO slides 1.pdf
 
Nbr 8036
Nbr 8036Nbr 8036
Nbr 8036
 
Complementos de fundacoes
Complementos de fundacoesComplementos de fundacoes
Complementos de fundacoes
 
Solos 3
Solos 3Solos 3
Solos 3
 
Notas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
Notas de aula da pós graduação em estruturas - FundaçõesNotas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
Notas de aula da pós graduação em estruturas - Fundações
 
Mecânica dos solos – aula 6
Mecânica dos solos – aula 6Mecânica dos solos – aula 6
Mecânica dos solos – aula 6
 
Aplicação de geologia na elaboração de barragens
Aplicação de geologia na elaboração de barragensAplicação de geologia na elaboração de barragens
Aplicação de geologia na elaboração de barragens
 
02
0202
02
 
Cadernos de Seguro: Critérios para avaliação de obras de terra
Cadernos de Seguro: Critérios para avaliação de obras de terraCadernos de Seguro: Critérios para avaliação de obras de terra
Cadernos de Seguro: Critérios para avaliação de obras de terra
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
 

Mecânica dos solos – aula 5

  • 2. Marcelo 2 MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO O conhecimento do terreno(solo e subsolo), que servirá de suporte para uma obra de engenharia, é de fundamental importância, sobretudo na construção de barragens, aterros, para que os engenheiros desenvolvam soluções tecnicamente seguras e economicamente viáveis.
  • 3. Marcelo 3 INFORMAÇÕES IMPORTANTES  Extensão , profundidade e espessura de cada camada do solo, informando a compacidade e o estado de consistência; Profundidade da rocha e sua classificação, profundidade e espessura do extrato rochoso, espaçamento de juntas, alteração e decomposição, etc; Presença de lençol freático e lençóis artesianos; Coleta de amostras para quantificação de compressibilidade, permeabilidade e resistência ao cisalhamento.
  • 4. Marcelo 4 PROSPECÇÃO DO SOLO É a investigação que deve ser feita para informar as características do subsolo, de acordo com a necessidade do projeto ou obra. Geralmente, é subdividida em preliminar, complementar e localizada.
  • 5. Marcelo 5 PROSPECÇÃO PRELIMINAR É a investigação que deverá fornecer dados suficientes para permitir:  Localização das principais estruturas e estimativa de custo; Viabilidade técnica e econômica da obra;  Espessura e dimensões das camadas que serão solicitadas, com os devidos detalhes;  As áreas de empréstimo e o volume de cada uma delas;  Retirada de amostras do terreno de fundação e áreas de empréstimo, para estudo do comportamento dos solos.  Mapeamento geológico da região, com traçado de seções nas direções principais do projeto.
  • 6. Marcelo 6 PROSPECÇÃO COMPLEMENTAR É a fase onde são realizadas investigações adicionais, complementando a prospecção preliminar, executando-se:  Retirada de amostras de grande diâmetro;  Ensaios in situ ;  Abertura de poços ou túneis.
  • 7. Marcelo 7 PROSPECÇÃO LOCALIZADA É o tipo de prospecção que deve ser feito quando uma estrutura não puder ser projetada ou o comportamento do solo ainda não puder ser avaliado.
  • 9. Marcelo 9 DEFINIÇÃO É aquela onde a determinação das propriedades do subsolo é feita indiretamente, pela resistividade elétrica ou velocidade de propagação das ondas sonoras(sísmico), podendo se determinar a espessura e o nível da água. Possuem a vantagem de serem rápidos e econômicos, principalmente em obras de grande porte(aterros, pontes, barragens, etc). Geralmente, detectam a presença de blocos de rocha ou cavidades subterrâneas.
  • 10. Marcelo 10 VANTAGENS  Seu emprego reduz a execução de outros ensaios, facilitando o planejamento e a execução de furos de sondagens e reduzindo custos;  Rapidez na execução e baixo custo;  Satisfatório na determinação da profundidade das rochas;  Localiza irregularidades no subsolo;  Detecta a existência e localização do nível d’água
  • 11. Marcelo 11 DESVANTAGENS  Requer mão de obra qualificada;  Requer equipe de excelência na interpretação dos resultados;  São mais indicados para áreas de grande extensão, como as estradas;  Não são retiradas amostras nem fornecidas indicações quanto ao tipo de solo.
  • 13. Marcelo 13 DEFINIÇÃO São aqueles que fornecem informações sobre a natureza dos solos, sem possibilitar a coleta de amostras. Foram desenvolvidos devido à dificuldade na execução de amostragem de alguns solos, como areias puras ou submersas e argilas sensíveis e muito moles.
  • 14. Marcelo 14 VANTAGENS  Minimiza as perturbações causadas pela variação do estado de tensões e distorções na amostragem, pois é realizado in situ;  Evita choques e vibrações durante o transporte e manuseio das amostras;  Permite uma medida mais realística das condições físicas de uma formação.
  • 16. Marcelo 16 DEFINIÇÃO São as operações a observar diretamente o solo, colhendo amostras ao longo de uma perfuração.
  • 17. Marcelo 17 VANTAGENS  Permitem o reconhecimento do solo por meio de amostras, a partir de furos no próprio terreno;  As amostras deformadas fornecerão subsídios para exame visual e tátil das camadas, podendo ser executados ensaios de teor de umidade, limites de consistência, granulometria, etc;  Delimita as camadas do subsolo;  Indica a posição do lençol freático;  Informações sobre a consistência das argilas e compacidade das areias.
  • 18. Marcelo 18 DESVANTAGENS  Os métodos diretos de sondagem possuem o grande inconveniente de fornecer uma visão limitada, visto que a prospecção do subsolo é pontual.