SlideShare uma empresa Scribd logo
©ABNT 2005
NORMA
BRASILEIRA
ABNT NBR
13281
Segunda edição
30.09.2005
Válida a partir de
31.10.2005
Argamassa para assentamento e
revestimento de paredes e tetos —
Requisitos
Mortars applied on walls and ceilings – Requirements
Palavras-chave: Argamassa. Assentamento. Teto. Revestimento. Parede.
Descriptors: Mortar. Wall. Covering. Ceiling.
ICS 91.100.10
Número de referência
ABNT NBR 13281:2005
7 páginas
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR 13281:2005
ii ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
© ABNT 2005
Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida
ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito pela ABNT.
Sede da ABNT
Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar
20031-901 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 2220-1762
abnt@abnt.org.br
www.abnt.org.br
Impresso no Brasil
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR 13281:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados iii
Sumário Página
Prefácio.......................................................................................................................................................................iv
1 Objetivo ..........................................................................................................................................................1
2 Referências normativas ................................................................................................................................1
3 Definições.......................................................................................................................................................2
4 Requisitos ......................................................................................................................................................2
5 Designação.....................................................................................................................................................4
6 Embalagem e marcação................................................................................................................................5
7 Inspeção no recebimento .............................................................................................................................5
7.1 Argamassa industrializada ...........................................................................................................................6
7.2 Argamassa dosada em obra ou em central dosadora...............................................................................6
8 Aceitação e rejeição ......................................................................................................................................6
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR 13281:2005
iv ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
Prefácio
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras,
cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização
Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET), são elaboradas por
Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores,
consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).
A ABNT NBR 13281 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados (ABNT/CB-18), pela
Comissão de Estudo de Argamassas para Assentamento e Revestimento (CE-18:400.04). O Projeto circulou em
Consulta Nacional conforme Edital nº 12, de 30.12.2004, com o número de Projeto ABNT NBR 13281.
Esta segunda edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 13281:2001), a qual foi tecnicamente
revisada.
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 13281:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 1
Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos —
Requisitos
1 Objetivo
1.1 Esta Norma especifica os requisitos exigíveis para a argamassa utilizada em assentamento e revestimento
de paredes e tetos.
1.2 Esta Norma se aplica igualmente à argamassa industrializada, dosada em central e preparada em obra,
preparada em central ou preparada em obra.
2 Referências normativas
As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições
para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está
sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de
se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em
vigor em um dado momento.
ABNT NBR 13276:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos - Preparo da mistura
e determinação do índice de consistência
ABNT NBR 13277:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da
retenção de água
ABNT NBR 13278:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da
densidade de massa e do teor de ar incorporado
ABNT NBR 13279:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da
resistência à tração na flexão e à compressão axial
ABNT NBR 13280:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da
densidade de massa aparente no estado endurecido
ABNT NBR 15258:2005 – Argamassa para revestimento de paredes e tetos – Determinação da resistência
potencial de aderência à tração
ABNT NBR 15259:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da
absorção de água por capilaridade e do coeficiente de capilaridade
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR 13281:2005
2 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
3 Definições
Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições:
3.1 argamassa: Mistura homogênea de agregado(s) miúdo(s), aglomerante(s) inorgânico(s) e água, contendo
ou não aditivos, com propriedades de aderência e endurecimento, podendo ser dosada em obra ou em instalação
própria (argamassa industrializada).
3.2 tipos de argamassa
3.2.1 argamassa para assentamento
3.2.1.1 argamassa para assentamento em alvenaria de vedação: Argamassa indicada para ligação de
componentes de vedação (como blocos e tijolos) no assentamento em alvenaria, com função de vedação.
3.2.1.2 argamassa para assentamento em alvenaria de estrutural: Argamassa indicada para ligação de
componentes de vedação (como blocos e tijolos) no assentamento em alvenaria, com função estrutural.
3.2.1.3 argamassa para complementação da alvenaria (encunhamento): Argamassa indicada para
fechamento da alvenaria de vedação, após a última fiada de componentes.
3.2.2 argamassa para revestimento de paredes e tetos
3.2.2.1 argamassa para revestimento interno: Argamassa indicada para revestimento de ambientes
internos da edificação, caracterizando-se como camada de regularização (emboço ou camada única).
3.2.2.2 argamassa para revestimento externo: Argamassa indicada para revestimento de fachadas, muros
e outros elementos da edificação em contato com o meio externo, caracterizando-se como camada de
regularização (emboço ou camada única).
3.2.3 argamassa de uso geral: Argamassa indicada para assentamento de alvenaria sem função estrutural e
revestimento de paredes e tetos internos e externos.
3.2.4 argamassa para reboco: Argamassa indicada para cobrimento de emboço, propiciando uma superfície
fina que permita receber o acabamento; também denominada massa fina.
3.2.5 argamassa decorativa em camada fina: Argamassa de acabamento indicada para revestimentos com
fins decorativos, em camada fina.
3.2.6 argamassa decorativa em monocamada: Argamassa de acabamento indicada para revestimento de
fachadas, muros e outros elementos de edificação em contato com o meio externo, aplicada em camada única e
com fins decorativos.
4 Requisitos
As argamassas destinadas ao assentamento de paredes ou ao revestimento de paredes e tetos devem cumprir
com os requisitos estabelecidos nesta Norma, sendo classificadas conforme as características e propriedades que
apresentam, determinadas pelos métodos de ensaio especificados nas tabelas 1 a 7.
Em todos os casos, para determinação da classificação na sobreposição entre as faixas, deve ser considerado o
desvio de cada ensaio. Caso o valor fique no meio de duas faixas, adota-se a maior como classificação.
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR 13281:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 3
Tabela 1 — Resistência à compressão
Classe
Resistência à compressão
MPa
Método de ensaio
P1 ” 2,0
ABNT NBR 13279
P2 1,5 a 3,0
P3 2,5 a 4,5
P4 4,0 a 6,5
P5 5,5 a 9,0
P6 > 8,0
Tabela 2 — Densidade de massa aparente no estado endurecido
Classe
Densidade de massa aparente no
estado endurecido
kg/m³
Método de ensaio
M1 ” 1 200
ABNT NBR 13280
M2 1 000 a 1 400
M3 1 200 a 1 600
M4 1 400 a 1 800
M5 1 600 a 2 000
M6 > 1 800
Tabela 3 — Resistência à tração na flexão
Classe
Resistência à tração na flexão
MPa
Método de ensaio
R1 ” 1,5
ABNT NBR 13279
R2 1,0 a 2,0
R3 1,5 a 2,7
R4 2,0 a 3,5
R5 2,7 a 4,5
R6 > 3,5
Tabela 4 — Coeficiente de capilaridade
Classe
Coeficiente de capilaridade
g/dm².min1/2 Método de ensaio
C1 ” 1,5
ABNT NBR 15259
C2 1,0 a 2,5
C3 2,0 a 4,0
C4 3,0 a 7,0
C5 5,0 a 12,0
C6 > 10,0
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR 13281:2005
4 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
Tabela 5 — Densidade de massa no estado fresco
Classe
Densidade de massa no estado
fresco
kg/m³
Método de ensaio
D1 ” 1 400
ABNT NBR 13278
D2 1 200 a 1 600
D3 1 400 a 1 800
D4 1 600 a 2 000
D5 1 800 a 2 200
D6 > 2 000
Tabela 6 — Retenção de água
Classe
Retenção de água
%
Método de ensaio
U1 ” 78
ABNT NBR 13277
U2 72 a 85
U3 80 a 90
U4 86 a 94
U5 91 a 97
U6 95 a 100
Tabela 7 — Resistência potencial de aderência à tração
Classe
Resistência potencial de
aderência à tração
MPa
Método de ensaio
A1 < 0,20
ABNT NBR 15258A2 • 0,20
A3 • 0,30
5 Designação
A designação da argamassa deve conter a classificação do produto conforme seção 4.
Exemplos de designação:
 P3, M4, R5, C3, D4, U3, A4.;
 P4, R3, U3.
NOTA Os exemplos de designação apresentados têm apenas a finalidade de ilustrar como pode ser feito o registro na
embalagem do produto, conforme 6.3-b), ou na documentação que acompanha o produto entregue a granel, conforme 6.4, ou
ainda na documentação de execução (as built), quando se tratar de argamassa preparada na obra.
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR 13281:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 5
6 Embalagem e marcação
6.1 Esta seção se aplica unicamente à argamassa industrializada.
6.2 A argamassa deve ser fornecida em sacos, a granel ou em contêiner, desde que se mantenha o
atendimento às demais condições desta Norma.
6.3 As argamassas fornecidas em sacos devem ter impressas, de forma bem visível, as seguintes informações,
além das eventuais disposições legais vigentes:
a) nome do fabricante e marca do produto;
b) designação do produto;
c) massa líquida de produto contida na embalagem, expressa em quilogramas;
d) indicação do tipo de argamassa (por exemplo: revestimento interno, revestimento externo, assentamento de
alvenaria de vedação, assentamento de unidades de concreto celular etc.)
e) composição qualitativa e quantidade de água a ser incorporada ao produto, expressa em litros;
f) data de fabricação e validade do produto;
g) tempo de mistura e maturação, conforme ABNT NBR 13276;
h) instruções e cuidados necessários para o manuseio e aplicação do produto;
i) informações sobre as condições de armazenamento do produto;
j) tempo de utilização do produto.
6.4 Quando a argamassa for fornecida a granel ou em contêiner, esta deve vir acompanhada de documentação
que contenha as exigências descritas em 6.3.
6.5 O prazo de validade é contado a partir da data de fabricação e é válido sempre que mantidas as condições
de armazenamento citadas em 6.7, ressalvando-se que durante o transporte as embalagens não devem sofrer
avarias.
6.6 A composição química declarada deve ser qualitativa e a quantidade de água de amassamento necessária
para a aplicação deve ser expressa em litros de água por quilograma do produto ou litros de água por embalagem
de produto.
6.7 O armazenamento deve ser efetuado em local seco e protegido da ação de intempéries e sem contato
direto com pisos e paredes, para preservação da qualidade.
7 Inspeção no recebimento
Devem ser dadas todas as facilidades para uma cuidadosa inspeção e amostragem da argamassa industrializada
a ser utilizada.
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR 13281:2005
6 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados
7.1 Argamassa industrializada
7.1.1 O tamanho do lote deve ser estabelecido em comum acordo entre o fabricante e o cliente. Na ausência
deste acordo, considera-se um lote a quantidade de argamassa, de cada tipo e fabricante, da mesma data de
fabricação.
7.1.2 Uma vez estabelecido o tamanho do lote, a amostragem deve ser feita para cada lote.
7.1.3 Na amostragem de argamassa industrializada de cada lote, deve ser retirada uma amostra com no mínimo
50 kg, que deve ser dividida em dois exemplares aproximadamente iguais (cerca de 25 kg cada), identificados e
acondicionados hermeticamente, de tal forma que não sejam modificadas as características do produto. Um dos
exemplares deve ser utilizado para a realização dos ensaios prescritos nesta Norma e o outro deve ser reservado
como testemunho para eventual comprovação dos resultados.
7.1.4 As amostras devem ser devidamente identificadas no momento da coleta, antes de seu envio ao
laboratório.
7.1.5 O prazo decorrido entre a coleta e o início da realização dos ensaios no laboratório deve ser de no
máximo 30 dias, respeitando o prazo de validade do produto. Para eventual comprovação de resultados, deve-se
também respeitar o prazo de validade dos testemunhos.
7.2 Argamassa dosada em obra ou em central dosadora
7.2.1 O tamanho do lote deve ser de no máximo 200 t da soma dos materiais em cada tipo de argamassa.
7.2.2 Uma vez estabelecido o tamanho do lote, a amostragem deve ser feita para cada lote.
7.2.3 A amostra deve consistir na quantidade de argamassa preparada com um saco de cimento, quantificando
os outros componentes em função do traço escolhido para a aplicação pretendida.
7.2.4 Deve ser reservada igual porção de materiais componentes da argamassa como testemunho para ensaios
comprobatórios. Alternativamente, podem ser registradas todas as informações sobre os materiais empregados na
preparação da argamassa, incluindo marca, tipo, procedência, lote de fabricação e outras informações de
interesse, que possibilitem a realização de ensaios comprobatórios, se necessários, com os mesmos materiais,
dosados na mesma proporção.
7.2.5 As amostras devem ser devidamente identificadas no momento da coleta, antes de seu envio ao
laboratório.
7.2.6 Deve ser informado ao laboratório responsável pela realização dos ensaios a composição e o
proporcionamento dos materiais da argamassa, a dosagem de água, bem como a forma de mistura utilizada.
8 Aceitação e rejeição
8.1.1 O lote é automaticamente aceito sempre que os resultados dos ensaios atenderem às exigências desta
Norma.
8.1.2 Quando os resultados não atenderem às condições específicas constantes nesta Norma, o impasse deve
ser resolvido por meio da utilização do testemunho reservado para a repetição dos ensaios, que devem ser
efetuados em laboratório escolhido por consenso entre as partes.
8.1.3 Independentemente das exigências anteriores, não devem ser aceitos os produtos entregues em
embalagens rasgadas, molhadas ou avariadas durante o transporte.
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR 13281:2005
©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 7
8.1.4 Argamassas industrializadas fornecidas em sacos contendo mais de 25 kg, com variações na massa
superiores a 1% em relação à massa indicada, devem ser rejeitadas. Para embalagens menores, a tolerância de
massa é de 2%, devendo ser rejeitados os sacos contendo variações maiores que essa tolerância. Se a massa
média de sacos de mesma capacidade em qualquer embarque, obtida pela pesagem de 30 unidades tomadas ao
acaso, for menor do que a massa indicada em cada embalagem, todo o embarque deve ser rejeitado.
Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
UNIFIA
 
3.2 índices físicos
3.2 índices físicos3.2 índices físicos
3.2 índices físicos
Cibélly Grassmann
 
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção   volume 2 - bauer - 5ª ediçãoMateriais de construção   volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
Jose Gentil Balbino Junior
 
Muro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Muro de arrimo Urbano Rodriguez AlonsoMuro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Muro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Wesley Campos
 
Exercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulicaExercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulica
Sérgio Lessa
 
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de ConstruçãoPropriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
David Grubba
 
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
Guilherme Bender Coswig
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Jupira Silva
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Danilo Max
 
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
profNICODEMOS
 
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Estruturas de madeira   aulas 4 e 5Estruturas de madeira   aulas 4 e 5
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Bruno Vasconcelos
 
22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas
gabioa
 
tensões no solo por carregamentos externo
tensões no solo por carregamentos externo tensões no solo por carregamentos externo
tensões no solo por carregamentos externo
Anderson Nunes
 
Nbr 7211 2009
Nbr 7211   2009Nbr 7211   2009
Nbr 7211 2009
flavio0387
 
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto ArmadoTrabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Pedro Henrique
 
Ensaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-provaEnsaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-prova
Luiz Orro de Freitas
 
Aula 10 estado fresco do concreto
Aula 10   estado fresco do concretoAula 10   estado fresco do concreto
Aula 10 estado fresco do concreto
Fábio Souza
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
Willian De Sá
 
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoNbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Fabiana Cunha Consultare
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
Willian De Sá
 

Mais procurados (20)

NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
 
3.2 índices físicos
3.2 índices físicos3.2 índices físicos
3.2 índices físicos
 
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção   volume 2 - bauer - 5ª ediçãoMateriais de construção   volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
 
Muro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Muro de arrimo Urbano Rodriguez AlonsoMuro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
Muro de arrimo Urbano Rodriguez Alonso
 
Exercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulicaExercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulica
 
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de ConstruçãoPropriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
 
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
 
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
 
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Estruturas de madeira   aulas 4 e 5Estruturas de madeira   aulas 4 e 5
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
 
22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas
 
tensões no solo por carregamentos externo
tensões no solo por carregamentos externo tensões no solo por carregamentos externo
tensões no solo por carregamentos externo
 
Nbr 7211 2009
Nbr 7211   2009Nbr 7211   2009
Nbr 7211 2009
 
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto ArmadoTrabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
 
Ensaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-provaEnsaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-prova
 
Aula 10 estado fresco do concreto
Aula 10   estado fresco do concretoAula 10   estado fresco do concreto
Aula 10 estado fresco do concreto
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
 
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoNbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
 

Semelhante a Nbr 13281 2005

Bcca para alvenaria sem função estrutural
Bcca para alvenaria sem função estruturalBcca para alvenaria sem função estrutural
Bcca para alvenaria sem função estrutural
Eduardo Abreu
 
Argamassa
ArgamassaArgamassa
Argamassa
marcopesoa
 
Nbr 15575 3-2013_parte 3/6 - sistema de pisos
Nbr 15575 3-2013_parte 3/6 - sistema de pisosNbr 15575 3-2013_parte 3/6 - sistema de pisos
Nbr 15575 3-2013_parte 3/6 - sistema de pisos
Pampolito Sobrenome
 
Nbr15575 32013finalsistemasdepisos-150324065525-conversion-gate01
Nbr15575 32013finalsistemasdepisos-150324065525-conversion-gate01Nbr15575 32013finalsistemasdepisos-150324065525-conversion-gate01
Nbr15575 32013finalsistemasdepisos-150324065525-conversion-gate01
ecmaida
 
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisosNbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
ejfelix
 
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoesNbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
ElisandroPaiva1
 
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoesNbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Paulo César Bizaio
 
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoesNbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Everton Retore Teixeira
 
Nbr 14321-1999-paredes-de-alvenaria-estrutural-determinacao-da-resistencia-ao...
Nbr 14321-1999-paredes-de-alvenaria-estrutural-determinacao-da-resistencia-ao...Nbr 14321-1999-paredes-de-alvenaria-estrutural-determinacao-da-resistencia-ao...
Nbr 14321-1999-paredes-de-alvenaria-estrutural-determinacao-da-resistencia-ao...
Valéria Lima
 
Nbr 8953 concreto para fins estruturais
Nbr 8953   concreto para fins estruturaisNbr 8953   concreto para fins estruturais
Nbr 8953 concreto para fins estruturais
Fábio Salvador
 
614387551-FAD-018.pdf
614387551-FAD-018.pdf614387551-FAD-018.pdf
614387551-FAD-018.pdf
PauloHenrique455590
 
GUIA_APEB.pdf
GUIA_APEB.pdfGUIA_APEB.pdf
GUIA_APEB.pdf
MiguelBarroso35
 
Nbr 13785 2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Nbr 13785   2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...Nbr 13785   2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Nbr 13785 2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Portal Brasil Postos
 
Nbr 15575 5-2013_parte 5/6 - sistemas de cobertura
Nbr 15575 5-2013_parte 5/6 - sistemas de coberturaNbr 15575 5-2013_parte 5/6 - sistemas de cobertura
Nbr 15575 5-2013_parte 5/6 - sistemas de cobertura
Pampolito Sobrenome
 
Nbr 15575 5-2013_final sistemas de cobertura
Nbr 15575 5-2013_final sistemas de coberturaNbr 15575 5-2013_final sistemas de cobertura
Nbr 15575 5-2013_final sistemas de cobertura
ejfelix
 
Guia Apeb
Guia ApebGuia Apeb
Guia Apeb
Luis Saraiva
 
Npt 008 11 - resistencia ao fogo dos elementos de construcao
Npt 008 11 - resistencia ao fogo dos elementos de construcaoNpt 008 11 - resistencia ao fogo dos elementos de construcao
Npt 008 11 - resistencia ao fogo dos elementos de construcao
Fabio Prado
 
1 estrutura do concreto armado
1 estrutura do concreto armado1 estrutura do concreto armado
1 estrutura do concreto armado
Barto Freitas
 
1 estrutura do concreto armado
1 estrutura do concreto armado1 estrutura do concreto armado
1 estrutura do concreto armado
Barto Freitas
 
Nbr 05712 1982 - bloco vazado modular de concreto
Nbr 05712   1982 - bloco vazado modular de concretoNbr 05712   1982 - bloco vazado modular de concreto
Nbr 05712 1982 - bloco vazado modular de concreto
Jolivan Das Neves Gomes
 

Semelhante a Nbr 13281 2005 (20)

Bcca para alvenaria sem função estrutural
Bcca para alvenaria sem função estruturalBcca para alvenaria sem função estrutural
Bcca para alvenaria sem função estrutural
 
Argamassa
ArgamassaArgamassa
Argamassa
 
Nbr 15575 3-2013_parte 3/6 - sistema de pisos
Nbr 15575 3-2013_parte 3/6 - sistema de pisosNbr 15575 3-2013_parte 3/6 - sistema de pisos
Nbr 15575 3-2013_parte 3/6 - sistema de pisos
 
Nbr15575 32013finalsistemasdepisos-150324065525-conversion-gate01
Nbr15575 32013finalsistemasdepisos-150324065525-conversion-gate01Nbr15575 32013finalsistemasdepisos-150324065525-conversion-gate01
Nbr15575 32013finalsistemasdepisos-150324065525-conversion-gate01
 
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisosNbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
Nbr 15575 3-2013_final sistemas de pisos
 
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoesNbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
 
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoesNbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
 
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoesNbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
Nbr 14718 guarda-corpos_edificacoes
 
Nbr 14321-1999-paredes-de-alvenaria-estrutural-determinacao-da-resistencia-ao...
Nbr 14321-1999-paredes-de-alvenaria-estrutural-determinacao-da-resistencia-ao...Nbr 14321-1999-paredes-de-alvenaria-estrutural-determinacao-da-resistencia-ao...
Nbr 14321-1999-paredes-de-alvenaria-estrutural-determinacao-da-resistencia-ao...
 
Nbr 8953 concreto para fins estruturais
Nbr 8953   concreto para fins estruturaisNbr 8953   concreto para fins estruturais
Nbr 8953 concreto para fins estruturais
 
614387551-FAD-018.pdf
614387551-FAD-018.pdf614387551-FAD-018.pdf
614387551-FAD-018.pdf
 
GUIA_APEB.pdf
GUIA_APEB.pdfGUIA_APEB.pdf
GUIA_APEB.pdf
 
Nbr 13785 2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Nbr 13785   2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...Nbr 13785   2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Nbr 13785 2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
 
Nbr 15575 5-2013_parte 5/6 - sistemas de cobertura
Nbr 15575 5-2013_parte 5/6 - sistemas de coberturaNbr 15575 5-2013_parte 5/6 - sistemas de cobertura
Nbr 15575 5-2013_parte 5/6 - sistemas de cobertura
 
Nbr 15575 5-2013_final sistemas de cobertura
Nbr 15575 5-2013_final sistemas de coberturaNbr 15575 5-2013_final sistemas de cobertura
Nbr 15575 5-2013_final sistemas de cobertura
 
Guia Apeb
Guia ApebGuia Apeb
Guia Apeb
 
Npt 008 11 - resistencia ao fogo dos elementos de construcao
Npt 008 11 - resistencia ao fogo dos elementos de construcaoNpt 008 11 - resistencia ao fogo dos elementos de construcao
Npt 008 11 - resistencia ao fogo dos elementos de construcao
 
1 estrutura do concreto armado
1 estrutura do concreto armado1 estrutura do concreto armado
1 estrutura do concreto armado
 
1 estrutura do concreto armado
1 estrutura do concreto armado1 estrutura do concreto armado
1 estrutura do concreto armado
 
Nbr 05712 1982 - bloco vazado modular de concreto
Nbr 05712   1982 - bloco vazado modular de concretoNbr 05712   1982 - bloco vazado modular de concreto
Nbr 05712 1982 - bloco vazado modular de concreto
 

Último

Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 

Último (8)

Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 

Nbr 13281 2005

  • 1. ©ABNT 2005 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 13281 Segunda edição 30.09.2005 Válida a partir de 31.10.2005 Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos — Requisitos Mortars applied on walls and ceilings – Requirements Palavras-chave: Argamassa. Assentamento. Teto. Revestimento. Parede. Descriptors: Mortar. Wall. Covering. Ceiling. ICS 91.100.10 Número de referência ABNT NBR 13281:2005 7 páginas Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 2. ABNT NBR 13281:2005 ii ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados © ABNT 2005 Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito pela ABNT. Sede da ABNT Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar 20031-901 - Rio de Janeiro - RJ Tel.: + 55 21 3974-2300 Fax: + 55 21 2220-1762 abnt@abnt.org.br www.abnt.org.br Impresso no Brasil Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 3. ABNT NBR 13281:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados iii Sumário Página Prefácio.......................................................................................................................................................................iv 1 Objetivo ..........................................................................................................................................................1 2 Referências normativas ................................................................................................................................1 3 Definições.......................................................................................................................................................2 4 Requisitos ......................................................................................................................................................2 5 Designação.....................................................................................................................................................4 6 Embalagem e marcação................................................................................................................................5 7 Inspeção no recebimento .............................................................................................................................5 7.1 Argamassa industrializada ...........................................................................................................................6 7.2 Argamassa dosada em obra ou em central dosadora...............................................................................6 8 Aceitação e rejeição ......................................................................................................................................6 Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 4. ABNT NBR 13281:2005 iv ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). A ABNT NBR 13281 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados (ABNT/CB-18), pela Comissão de Estudo de Argamassas para Assentamento e Revestimento (CE-18:400.04). O Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 12, de 30.12.2004, com o número de Projeto ABNT NBR 13281. Esta segunda edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 13281:2001), a qual foi tecnicamente revisada. Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 5. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 13281:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 1 Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos — Requisitos 1 Objetivo 1.1 Esta Norma especifica os requisitos exigíveis para a argamassa utilizada em assentamento e revestimento de paredes e tetos. 1.2 Esta Norma se aplica igualmente à argamassa industrializada, dosada em central e preparada em obra, preparada em central ou preparada em obra. 2 Referências normativas As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. ABNT NBR 13276:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos - Preparo da mistura e determinação do índice de consistência ABNT NBR 13277:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da retenção de água ABNT NBR 13278:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da densidade de massa e do teor de ar incorporado ABNT NBR 13279:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da resistência à tração na flexão e à compressão axial ABNT NBR 13280:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da densidade de massa aparente no estado endurecido ABNT NBR 15258:2005 – Argamassa para revestimento de paredes e tetos – Determinação da resistência potencial de aderência à tração ABNT NBR 15259:2005 – Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos – Determinação da absorção de água por capilaridade e do coeficiente de capilaridade Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 6. ABNT NBR 13281:2005 2 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 3 Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições: 3.1 argamassa: Mistura homogênea de agregado(s) miúdo(s), aglomerante(s) inorgânico(s) e água, contendo ou não aditivos, com propriedades de aderência e endurecimento, podendo ser dosada em obra ou em instalação própria (argamassa industrializada). 3.2 tipos de argamassa 3.2.1 argamassa para assentamento 3.2.1.1 argamassa para assentamento em alvenaria de vedação: Argamassa indicada para ligação de componentes de vedação (como blocos e tijolos) no assentamento em alvenaria, com função de vedação. 3.2.1.2 argamassa para assentamento em alvenaria de estrutural: Argamassa indicada para ligação de componentes de vedação (como blocos e tijolos) no assentamento em alvenaria, com função estrutural. 3.2.1.3 argamassa para complementação da alvenaria (encunhamento): Argamassa indicada para fechamento da alvenaria de vedação, após a última fiada de componentes. 3.2.2 argamassa para revestimento de paredes e tetos 3.2.2.1 argamassa para revestimento interno: Argamassa indicada para revestimento de ambientes internos da edificação, caracterizando-se como camada de regularização (emboço ou camada única). 3.2.2.2 argamassa para revestimento externo: Argamassa indicada para revestimento de fachadas, muros e outros elementos da edificação em contato com o meio externo, caracterizando-se como camada de regularização (emboço ou camada única). 3.2.3 argamassa de uso geral: Argamassa indicada para assentamento de alvenaria sem função estrutural e revestimento de paredes e tetos internos e externos. 3.2.4 argamassa para reboco: Argamassa indicada para cobrimento de emboço, propiciando uma superfície fina que permita receber o acabamento; também denominada massa fina. 3.2.5 argamassa decorativa em camada fina: Argamassa de acabamento indicada para revestimentos com fins decorativos, em camada fina. 3.2.6 argamassa decorativa em monocamada: Argamassa de acabamento indicada para revestimento de fachadas, muros e outros elementos de edificação em contato com o meio externo, aplicada em camada única e com fins decorativos. 4 Requisitos As argamassas destinadas ao assentamento de paredes ou ao revestimento de paredes e tetos devem cumprir com os requisitos estabelecidos nesta Norma, sendo classificadas conforme as características e propriedades que apresentam, determinadas pelos métodos de ensaio especificados nas tabelas 1 a 7. Em todos os casos, para determinação da classificação na sobreposição entre as faixas, deve ser considerado o desvio de cada ensaio. Caso o valor fique no meio de duas faixas, adota-se a maior como classificação. Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 7. ABNT NBR 13281:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 3 Tabela 1 — Resistência à compressão Classe Resistência à compressão MPa Método de ensaio P1 ” 2,0 ABNT NBR 13279 P2 1,5 a 3,0 P3 2,5 a 4,5 P4 4,0 a 6,5 P5 5,5 a 9,0 P6 > 8,0 Tabela 2 — Densidade de massa aparente no estado endurecido Classe Densidade de massa aparente no estado endurecido kg/m³ Método de ensaio M1 ” 1 200 ABNT NBR 13280 M2 1 000 a 1 400 M3 1 200 a 1 600 M4 1 400 a 1 800 M5 1 600 a 2 000 M6 > 1 800 Tabela 3 — Resistência à tração na flexão Classe Resistência à tração na flexão MPa Método de ensaio R1 ” 1,5 ABNT NBR 13279 R2 1,0 a 2,0 R3 1,5 a 2,7 R4 2,0 a 3,5 R5 2,7 a 4,5 R6 > 3,5 Tabela 4 — Coeficiente de capilaridade Classe Coeficiente de capilaridade g/dm².min1/2 Método de ensaio C1 ” 1,5 ABNT NBR 15259 C2 1,0 a 2,5 C3 2,0 a 4,0 C4 3,0 a 7,0 C5 5,0 a 12,0 C6 > 10,0 Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 8. ABNT NBR 13281:2005 4 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados Tabela 5 — Densidade de massa no estado fresco Classe Densidade de massa no estado fresco kg/m³ Método de ensaio D1 ” 1 400 ABNT NBR 13278 D2 1 200 a 1 600 D3 1 400 a 1 800 D4 1 600 a 2 000 D5 1 800 a 2 200 D6 > 2 000 Tabela 6 — Retenção de água Classe Retenção de água % Método de ensaio U1 ” 78 ABNT NBR 13277 U2 72 a 85 U3 80 a 90 U4 86 a 94 U5 91 a 97 U6 95 a 100 Tabela 7 — Resistência potencial de aderência à tração Classe Resistência potencial de aderência à tração MPa Método de ensaio A1 < 0,20 ABNT NBR 15258A2 • 0,20 A3 • 0,30 5 Designação A designação da argamassa deve conter a classificação do produto conforme seção 4. Exemplos de designação:  P3, M4, R5, C3, D4, U3, A4.;  P4, R3, U3. NOTA Os exemplos de designação apresentados têm apenas a finalidade de ilustrar como pode ser feito o registro na embalagem do produto, conforme 6.3-b), ou na documentação que acompanha o produto entregue a granel, conforme 6.4, ou ainda na documentação de execução (as built), quando se tratar de argamassa preparada na obra. Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 9. ABNT NBR 13281:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 5 6 Embalagem e marcação 6.1 Esta seção se aplica unicamente à argamassa industrializada. 6.2 A argamassa deve ser fornecida em sacos, a granel ou em contêiner, desde que se mantenha o atendimento às demais condições desta Norma. 6.3 As argamassas fornecidas em sacos devem ter impressas, de forma bem visível, as seguintes informações, além das eventuais disposições legais vigentes: a) nome do fabricante e marca do produto; b) designação do produto; c) massa líquida de produto contida na embalagem, expressa em quilogramas; d) indicação do tipo de argamassa (por exemplo: revestimento interno, revestimento externo, assentamento de alvenaria de vedação, assentamento de unidades de concreto celular etc.) e) composição qualitativa e quantidade de água a ser incorporada ao produto, expressa em litros; f) data de fabricação e validade do produto; g) tempo de mistura e maturação, conforme ABNT NBR 13276; h) instruções e cuidados necessários para o manuseio e aplicação do produto; i) informações sobre as condições de armazenamento do produto; j) tempo de utilização do produto. 6.4 Quando a argamassa for fornecida a granel ou em contêiner, esta deve vir acompanhada de documentação que contenha as exigências descritas em 6.3. 6.5 O prazo de validade é contado a partir da data de fabricação e é válido sempre que mantidas as condições de armazenamento citadas em 6.7, ressalvando-se que durante o transporte as embalagens não devem sofrer avarias. 6.6 A composição química declarada deve ser qualitativa e a quantidade de água de amassamento necessária para a aplicação deve ser expressa em litros de água por quilograma do produto ou litros de água por embalagem de produto. 6.7 O armazenamento deve ser efetuado em local seco e protegido da ação de intempéries e sem contato direto com pisos e paredes, para preservação da qualidade. 7 Inspeção no recebimento Devem ser dadas todas as facilidades para uma cuidadosa inspeção e amostragem da argamassa industrializada a ser utilizada. Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 10. ABNT NBR 13281:2005 6 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 7.1 Argamassa industrializada 7.1.1 O tamanho do lote deve ser estabelecido em comum acordo entre o fabricante e o cliente. Na ausência deste acordo, considera-se um lote a quantidade de argamassa, de cada tipo e fabricante, da mesma data de fabricação. 7.1.2 Uma vez estabelecido o tamanho do lote, a amostragem deve ser feita para cada lote. 7.1.3 Na amostragem de argamassa industrializada de cada lote, deve ser retirada uma amostra com no mínimo 50 kg, que deve ser dividida em dois exemplares aproximadamente iguais (cerca de 25 kg cada), identificados e acondicionados hermeticamente, de tal forma que não sejam modificadas as características do produto. Um dos exemplares deve ser utilizado para a realização dos ensaios prescritos nesta Norma e o outro deve ser reservado como testemunho para eventual comprovação dos resultados. 7.1.4 As amostras devem ser devidamente identificadas no momento da coleta, antes de seu envio ao laboratório. 7.1.5 O prazo decorrido entre a coleta e o início da realização dos ensaios no laboratório deve ser de no máximo 30 dias, respeitando o prazo de validade do produto. Para eventual comprovação de resultados, deve-se também respeitar o prazo de validade dos testemunhos. 7.2 Argamassa dosada em obra ou em central dosadora 7.2.1 O tamanho do lote deve ser de no máximo 200 t da soma dos materiais em cada tipo de argamassa. 7.2.2 Uma vez estabelecido o tamanho do lote, a amostragem deve ser feita para cada lote. 7.2.3 A amostra deve consistir na quantidade de argamassa preparada com um saco de cimento, quantificando os outros componentes em função do traço escolhido para a aplicação pretendida. 7.2.4 Deve ser reservada igual porção de materiais componentes da argamassa como testemunho para ensaios comprobatórios. Alternativamente, podem ser registradas todas as informações sobre os materiais empregados na preparação da argamassa, incluindo marca, tipo, procedência, lote de fabricação e outras informações de interesse, que possibilitem a realização de ensaios comprobatórios, se necessários, com os mesmos materiais, dosados na mesma proporção. 7.2.5 As amostras devem ser devidamente identificadas no momento da coleta, antes de seu envio ao laboratório. 7.2.6 Deve ser informado ao laboratório responsável pela realização dos ensaios a composição e o proporcionamento dos materiais da argamassa, a dosagem de água, bem como a forma de mistura utilizada. 8 Aceitação e rejeição 8.1.1 O lote é automaticamente aceito sempre que os resultados dos ensaios atenderem às exigências desta Norma. 8.1.2 Quando os resultados não atenderem às condições específicas constantes nesta Norma, o impasse deve ser resolvido por meio da utilização do testemunho reservado para a repetição dos ensaios, que devem ser efetuados em laboratório escolhido por consenso entre as partes. 8.1.3 Independentemente das exigências anteriores, não devem ser aceitos os produtos entregues em embalagens rasgadas, molhadas ou avariadas durante o transporte. Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 11. ABNT NBR 13281:2005 ©ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 7 8.1.4 Argamassas industrializadas fornecidas em sacos contendo mais de 25 kg, com variações na massa superiores a 1% em relação à massa indicada, devem ser rejeitadas. Para embalagens menores, a tolerância de massa é de 2%, devendo ser rejeitados os sacos contendo variações maiores que essa tolerância. Se a massa média de sacos de mesma capacidade em qualquer embarque, obtida pela pesagem de 30 unidades tomadas ao acaso, for menor do que a massa indicada em cada embalagem, todo o embarque deve ser rejeitado. Exemplarparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS