SlideShare uma empresa Scribd logo
Geologia Estrutural - FINOM
ESTUDO DAS LINEAÇÕES
EM ROCHA
5.o Período de Eng. de Minas
Prof. Márcio Santos
professormarciosantos@gmail.com
Lineações em Rochas
• Lineação é porção linear de um plano de foliação
que ocorre naturalmente nas rochas, como resultado da
deformação; possui penetratividade e repetitividade, em
escala de amostra de mão.
• Não são lineações as estrias de falhas que, apesar de
serem objetos lineares, não são penetrativas. O eixo de
dobra não é uma lineação, se ocorre isoladamente –dobra não é uma lineação, se ocorre isoladamente –
uma dobra com o seu eixo.
• A lineação é definida pelo sub-paralelismo ou
paralelismo de elementos geológicos, tais como
minerais, agregados de minerais, seixos etc., ou pela
intersecção de feições planares.
• As lineações são subdivididas nos seguintes grupos:
– Lineações Primárias (L0)
– Lineações Secundárias (La)
– Lineações Secundárias (Lb).
• Havendo duas superfícies planares que se intersectam
haverá exposição de lineações.
• São definidas por:
– interseção entre foliações– interseção entre foliações
– pela orientação preferencial de grãos prismáticos
ou aciculares
– grãos ou outros objetos estirados,
– qualquer combinação entre esses elementos.
TIPOS DE LINEAÇÕES PRIMÁRIAS L0.
• Lineação de
particionamento
– Arranjo linear de grãos
de silte e areia ,
devido ao vento ou àdevido ao vento ou à
corrente de água.
• Lava
– Lava em forma de
corda, convexa na
direção do fluxo.
Fone: SALAMUNI, E. Estruturas
planares e lineares. UFPR.
TIPOS DE LINEAÇÕES SECUNDÁRIAS (La)
• Objetos alongados
– É um dos tipos mais comuns de lineação, e é formado pelo
alinhamento paralelo do eixo maior de objetos geológicos
deformados.
• Lineação de orientação mineral
– A orientação mineralógica, sem estiramento, gera alinhamentos– A orientação mineralógica, sem estiramento, gera alinhamentos
mineralógicos e caracteriza uma lineação mineral.
• Lineação de estiramento mineral
– Minerais deformados e alongados paralelamente a uma direção
geram alinhamentos indicando lineação.
Geologia estrutural   lineações em rocha
Geologia estrutural   lineações em rocha
Objetos geológicos estirados
• Podem ser representados por seixos ou então boudins
isolados como os da foto abaixo (em áreas com fósseis,
os mesmos podem estar também estirados).
Boudins
• Apesar de geralmente
não serem penetrativas,
estas feições lineares
são englobadas no
quadro das lineações.
• São objetos alongados,
resultantes da extensãoresultantes da extensão
de uma camada que
sofre um
adelgaçamento
progressivo e localizado
(estrangulamento), que
pode evoluir para uma
ruptura.
ARTAUD, M. Elementos de Geologia
Estrutural.
Geologia estrutural   lineações em rocha
Boudins tipo dominó
Fonte: Prof. Júlio Almeida. Foliações e lineações. UERJ.
• Estruturas em lápis ou charuto (rods)
– Possuem escalas pequenas, como um lápis ou
charuto e formam clivagem de intersecção e intensa
fissilidade. Em estratos dobrados a estrutura em lápis
estão orientadas sub-paralelamente aos eixos das
dobras.
Estruturas em lápis (rods)
• Os rods são
de
composição
geralmente
quartzo-
feldspática,feldspática,
comuns em
rochas
metamórficas
.
Lineação de estiramento
• Engloba todas as
lineações resultado
do estiramento,
numa direção
privilegiada, de
objetos pré-objetos pré-
tectônicos (como,
p.e., seixos de
conglomerados,
fósseis etc.
Lineação de estiramento
Fonte: ALMEIDA. Foliações e lineações. UERJ.
Lineação de estiramento
Fonte: ALMEIDA. Foliações e lineações. UERJ.
As charneiras das dobras intrafoliais
• As dobras
intrafoliais resultam
da transposição
intensa das rochas.
Estas charneiras
constituem objetos
subcilíndricos, dosubcilíndricos, do
tipo bengala,
geralmente
paralelos,
imprimindo às
rochas uma
organização
linerar. Fonte: ARTHAUD, 1998.
Lineações de interseção (Lb)
• Correspondem à
interseção de duas
famílias
penetrativas de
planos como, p.e.,planos como, p.e.,
a estratificação e
uma clivagem, ou
uma xistosidade e
uma clivagem.
Lineações secundárias (Lb)
Fonte: Prof. Júlio Almeida. Foliações e lineações. UERJ.
Lineação de crenulação
• O elementos
lineares que marcam
a lineação são os
eixos de
microdobras.
• A crenulação pode• A crenulação pode
estar associada
tanto a um elemento
planar – a clivagem
de crenulação -,
como a um elemento
linear – a lineação
de crenulação.
Foto: Prof. Júlio Almeida. Foliações e
lineações. UERJ.
Fonte: E. Salamuni. Estruturas
planares e lineares.
Referências
• ALMEIDA, J. Foliações e lineções. UERJ.
• ARTHAUD. M. Elementos de Geologia
Estrutural. Fortaleza, 1998.
• SALAMUNI, E. Estruturas planares e
lineares. UFPR.lineares. UFPR.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dobras elementos de uma dobra
Dobras   elementos de uma dobraDobras   elementos de uma dobra
Dobras elementos de uma dobra
marciotecsoma
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
marciotecsoma
 
Geologia estrutural uso da bússola
Geologia estrutural   uso da bússolaGeologia estrutural   uso da bússola
Geologia estrutural uso da bússola
marciotecsoma
 
Técnicas estratigráficas
Técnicas estratigráficasTécnicas estratigráficas
Técnicas estratigráficas
grupfcuan
 
Mapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosMapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicos
marciotecsoma
 
Introducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaIntroducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografia
Wendell Fabrício
 
Elementos arquiteturais de depósitos fluviais meandrantes e anastomodados
Elementos arquiteturais de depósitos fluviais meandrantes e anastomodadosElementos arquiteturais de depósitos fluviais meandrantes e anastomodados
Elementos arquiteturais de depósitos fluviais meandrantes e anastomodados
Ezequias Guimaraes
 
Mecânica das Rochas
Mecânica das RochasMecânica das Rochas
Mecânica das Rochas
Thiago Meira
 
Classificação de rochas carbonáticas aplicável às bacias sedimentares brasile...
Classificação de rochas carbonáticas aplicável às bacias sedimentares brasile...Classificação de rochas carbonáticas aplicável às bacias sedimentares brasile...
Classificação de rochas carbonáticas aplicável às bacias sedimentares brasile...
Alesson Guirra
 
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
Camila Brito
 
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO AORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
Astrid Siachoque
 
Fraturas e falhas
Fraturas e falhasFraturas e falhas
Fraturas e falhas
Nome Sobrenome
 
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE PROSPECÇÃO MINERAL
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE PROSPECÇÃO MINERALRELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE PROSPECÇÃO MINERAL
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE PROSPECÇÃO MINERAL
Ezequias Guimaraes
 
Apostila de estratigrafia geral
Apostila de estratigrafia geralApostila de estratigrafia geral
Apostila de estratigrafia geral
Mônica Teixeira Neves
 
Rochas minerais intemperismo_solos
Rochas minerais intemperismo_solosRochas minerais intemperismo_solos
Rochas minerais intemperismo_solos
André Luiz Marques
 
11 cartografia geologica
11 cartografia geologica11 cartografia geologica
11 cartografia geologica
railano
 
Resumo tectónica e deformações das rochas
Resumo tectónica e deformações das rochasResumo tectónica e deformações das rochas
Resumo tectónica e deformações das rochas
Patrícia Silva
 
Falhas e dobras
Falhas e dobrasFalhas e dobras
Falhas e dobras
Carolina Corrêa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Catir
 

Mais procurados (20)

Dobras elementos de uma dobra
Dobras   elementos de uma dobraDobras   elementos de uma dobra
Dobras elementos de uma dobra
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
 
Geologia estrutural uso da bússola
Geologia estrutural   uso da bússolaGeologia estrutural   uso da bússola
Geologia estrutural uso da bússola
 
Técnicas estratigráficas
Técnicas estratigráficasTécnicas estratigráficas
Técnicas estratigráficas
 
Mapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosMapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicos
 
Introducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaIntroducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografia
 
Elementos arquiteturais de depósitos fluviais meandrantes e anastomodados
Elementos arquiteturais de depósitos fluviais meandrantes e anastomodadosElementos arquiteturais de depósitos fluviais meandrantes e anastomodados
Elementos arquiteturais de depósitos fluviais meandrantes e anastomodados
 
Mecânica das Rochas
Mecânica das RochasMecânica das Rochas
Mecânica das Rochas
 
Classificação de rochas carbonáticas aplicável às bacias sedimentares brasile...
Classificação de rochas carbonáticas aplicável às bacias sedimentares brasile...Classificação de rochas carbonáticas aplicável às bacias sedimentares brasile...
Classificação de rochas carbonáticas aplicável às bacias sedimentares brasile...
 
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
 
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO AORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
 
Fraturas e falhas
Fraturas e falhasFraturas e falhas
Fraturas e falhas
 
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE PROSPECÇÃO MINERAL
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE PROSPECÇÃO MINERALRELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE PROSPECÇÃO MINERAL
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE PROSPECÇÃO MINERAL
 
Apostila de estratigrafia geral
Apostila de estratigrafia geralApostila de estratigrafia geral
Apostila de estratigrafia geral
 
Rochas minerais intemperismo_solos
Rochas minerais intemperismo_solosRochas minerais intemperismo_solos
Rochas minerais intemperismo_solos
 
11 cartografia geologica
11 cartografia geologica11 cartografia geologica
11 cartografia geologica
 
Resumo tectónica e deformações das rochas
Resumo tectónica e deformações das rochasResumo tectónica e deformações das rochas
Resumo tectónica e deformações das rochas
 
Falhas e dobras
Falhas e dobrasFalhas e dobras
Falhas e dobras
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 

Destaque

DeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das RochasDeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das Rochas
Arminda Malho
 
Geologia estrutural classificação das dobras 1
Geologia estrutural   classificação das dobras 1Geologia estrutural   classificação das dobras 1
Geologia estrutural classificação das dobras 1
marciotecsoma
 
Dobras e falhas
Dobras e falhasDobras e falhas
Dobras e falhas
Wagner Andrade
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
Eduardo Pereira
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
UFRJ
 
Agenda junio
Agenda junioAgenda junio
Agenda junio
Ronald Cuadros
 
Dobras e falhas
Dobras e falhasDobras e falhas
Dobras e falhas
saritacvg
 
Geological Mapping Training in Virtual Environment
Geological Mapping Training in Virtual EnvironmentGeological Mapping Training in Virtual Environment
Geological Mapping Training in Virtual Environment
Annabeth Robinson
 
Textura e estrutura
Textura e estruturaTextura e estrutura
Textura e estrutura
Catarina Pinheiro
 
Geologia Estrutural Aula 18 fev
Geologia Estrutural   Aula 18 fevGeologia Estrutural   Aula 18 fev
Geologia Estrutural Aula 18 fev
marciotecsoma
 
Geological mapping(d 13-pg-23)
Geological mapping(d 13-pg-23)Geological mapping(d 13-pg-23)
Geological mapping(d 13-pg-23)
Habib ur Rehman Solangi
 
AS Geology mapping
AS  Geology mappingAS  Geology mapping
AS Geology mapping
angelabentley
 
Geologia estrutural exercício avaliativo 2
Geologia estrutural   exercício avaliativo 2Geologia estrutural   exercício avaliativo 2
Geologia estrutural exercício avaliativo 2
marciotecsoma
 
45038163 geological-map-interpretation
45038163 geological-map-interpretation45038163 geological-map-interpretation
45038163 geological-map-interpretation
Shahnawaz Mustafa
 
dobras e falhas
dobras e falhasdobras e falhas
dobras e falhas
Adrianna Carvalho
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1
Marcus Corradini
 
Falhas e Dobras
Falhas e Dobras   Falhas e Dobras
Falhas e Dobras
vialongadt
 

Destaque (17)

DeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das RochasDeformaçõEs Das Rochas
DeformaçõEs Das Rochas
 
Geologia estrutural classificação das dobras 1
Geologia estrutural   classificação das dobras 1Geologia estrutural   classificação das dobras 1
Geologia estrutural classificação das dobras 1
 
Dobras e falhas
Dobras e falhasDobras e falhas
Dobras e falhas
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
 
Agenda junio
Agenda junioAgenda junio
Agenda junio
 
Dobras e falhas
Dobras e falhasDobras e falhas
Dobras e falhas
 
Geological Mapping Training in Virtual Environment
Geological Mapping Training in Virtual EnvironmentGeological Mapping Training in Virtual Environment
Geological Mapping Training in Virtual Environment
 
Textura e estrutura
Textura e estruturaTextura e estrutura
Textura e estrutura
 
Geologia Estrutural Aula 18 fev
Geologia Estrutural   Aula 18 fevGeologia Estrutural   Aula 18 fev
Geologia Estrutural Aula 18 fev
 
Geological mapping(d 13-pg-23)
Geological mapping(d 13-pg-23)Geological mapping(d 13-pg-23)
Geological mapping(d 13-pg-23)
 
AS Geology mapping
AS  Geology mappingAS  Geology mapping
AS Geology mapping
 
Geologia estrutural exercício avaliativo 2
Geologia estrutural   exercício avaliativo 2Geologia estrutural   exercício avaliativo 2
Geologia estrutural exercício avaliativo 2
 
45038163 geological-map-interpretation
45038163 geological-map-interpretation45038163 geological-map-interpretation
45038163 geological-map-interpretation
 
dobras e falhas
dobras e falhasdobras e falhas
dobras e falhas
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1
 
Falhas e Dobras
Falhas e Dobras   Falhas e Dobras
Falhas e Dobras
 

Mais de marciotecsoma

Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia   sustentabilidade dos aquíferosHidrologia   sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
marciotecsoma
 
Geoquímica do solo aula 6
Geoquímica do solo   aula 6Geoquímica do solo   aula 6
Geoquímica do solo aula 6
marciotecsoma
 
Geoquímica do solo aula 5
Geoquímica do solo   aula 5Geoquímica do solo   aula 5
Geoquímica do solo aula 5
marciotecsoma
 
Impactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosImpactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferos
marciotecsoma
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferos
marciotecsoma
 
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
marciotecsoma
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismo
marciotecsoma
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidade
marciotecsoma
 
Hdrologia aplicada
Hdrologia aplicadaHdrologia aplicada
Hdrologia aplicada
marciotecsoma
 
Hidrologia porosidade
Hidrologia   porosidadeHidrologia   porosidade
Hidrologia porosidade
marciotecsoma
 
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão GeoquímicaGeoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
marciotecsoma
 
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica   Distribuição dos elementos químicosGeoquímica   Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
marciotecsoma
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
marciotecsoma
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
marciotecsoma
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferos
marciotecsoma
 
Ação geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneaAção geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrânea
marciotecsoma
 
Água subterrânea infiltração
Água subterrânea   infiltraçãoÁgua subterrânea   infiltração
Água subterrânea infiltração
marciotecsoma
 
A geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MGA geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MG
marciotecsoma
 
Hidrologia - Água Subterrânea 1
Hidrologia -  Água Subterrânea 1Hidrologia -  Água Subterrânea 1
Hidrologia - Água Subterrânea 1
marciotecsoma
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutória
marciotecsoma
 

Mais de marciotecsoma (20)

Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia   sustentabilidade dos aquíferosHidrologia   sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
 
Geoquímica do solo aula 6
Geoquímica do solo   aula 6Geoquímica do solo   aula 6
Geoquímica do solo aula 6
 
Geoquímica do solo aula 5
Geoquímica do solo   aula 5Geoquímica do solo   aula 5
Geoquímica do solo aula 5
 
Impactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosImpactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferos
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferos
 
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismo
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidade
 
Hdrologia aplicada
Hdrologia aplicadaHdrologia aplicada
Hdrologia aplicada
 
Hidrologia porosidade
Hidrologia   porosidadeHidrologia   porosidade
Hidrologia porosidade
 
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão GeoquímicaGeoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
 
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica   Distribuição dos elementos químicosGeoquímica   Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferos
 
Ação geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneaAção geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrânea
 
Água subterrânea infiltração
Água subterrânea   infiltraçãoÁgua subterrânea   infiltração
Água subterrânea infiltração
 
A geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MGA geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MG
 
Hidrologia - Água Subterrânea 1
Hidrologia -  Água Subterrânea 1Hidrologia -  Água Subterrânea 1
Hidrologia - Água Subterrânea 1
 
Hidrologia aula introdutória
Hidrologia   aula introdutóriaHidrologia   aula introdutória
Hidrologia aula introdutória
 

Último

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 

Geologia estrutural lineações em rocha

  • 1. Geologia Estrutural - FINOM ESTUDO DAS LINEAÇÕES EM ROCHA 5.o Período de Eng. de Minas Prof. Márcio Santos professormarciosantos@gmail.com
  • 2. Lineações em Rochas • Lineação é porção linear de um plano de foliação que ocorre naturalmente nas rochas, como resultado da deformação; possui penetratividade e repetitividade, em escala de amostra de mão. • Não são lineações as estrias de falhas que, apesar de serem objetos lineares, não são penetrativas. O eixo de dobra não é uma lineação, se ocorre isoladamente –dobra não é uma lineação, se ocorre isoladamente – uma dobra com o seu eixo. • A lineação é definida pelo sub-paralelismo ou paralelismo de elementos geológicos, tais como minerais, agregados de minerais, seixos etc., ou pela intersecção de feições planares.
  • 3. • As lineações são subdivididas nos seguintes grupos: – Lineações Primárias (L0) – Lineações Secundárias (La) – Lineações Secundárias (Lb). • Havendo duas superfícies planares que se intersectam haverá exposição de lineações. • São definidas por: – interseção entre foliações– interseção entre foliações – pela orientação preferencial de grãos prismáticos ou aciculares – grãos ou outros objetos estirados, – qualquer combinação entre esses elementos.
  • 4. TIPOS DE LINEAÇÕES PRIMÁRIAS L0. • Lineação de particionamento – Arranjo linear de grãos de silte e areia , devido ao vento ou àdevido ao vento ou à corrente de água. • Lava – Lava em forma de corda, convexa na direção do fluxo. Fone: SALAMUNI, E. Estruturas planares e lineares. UFPR.
  • 5. TIPOS DE LINEAÇÕES SECUNDÁRIAS (La) • Objetos alongados – É um dos tipos mais comuns de lineação, e é formado pelo alinhamento paralelo do eixo maior de objetos geológicos deformados. • Lineação de orientação mineral – A orientação mineralógica, sem estiramento, gera alinhamentos– A orientação mineralógica, sem estiramento, gera alinhamentos mineralógicos e caracteriza uma lineação mineral. • Lineação de estiramento mineral – Minerais deformados e alongados paralelamente a uma direção geram alinhamentos indicando lineação.
  • 8. Objetos geológicos estirados • Podem ser representados por seixos ou então boudins isolados como os da foto abaixo (em áreas com fósseis, os mesmos podem estar também estirados).
  • 9. Boudins • Apesar de geralmente não serem penetrativas, estas feições lineares são englobadas no quadro das lineações. • São objetos alongados, resultantes da extensãoresultantes da extensão de uma camada que sofre um adelgaçamento progressivo e localizado (estrangulamento), que pode evoluir para uma ruptura. ARTAUD, M. Elementos de Geologia Estrutural.
  • 11. Boudins tipo dominó Fonte: Prof. Júlio Almeida. Foliações e lineações. UERJ.
  • 12. • Estruturas em lápis ou charuto (rods) – Possuem escalas pequenas, como um lápis ou charuto e formam clivagem de intersecção e intensa fissilidade. Em estratos dobrados a estrutura em lápis estão orientadas sub-paralelamente aos eixos das dobras.
  • 13. Estruturas em lápis (rods) • Os rods são de composição geralmente quartzo- feldspática,feldspática, comuns em rochas metamórficas .
  • 14. Lineação de estiramento • Engloba todas as lineações resultado do estiramento, numa direção privilegiada, de objetos pré-objetos pré- tectônicos (como, p.e., seixos de conglomerados, fósseis etc.
  • 15. Lineação de estiramento Fonte: ALMEIDA. Foliações e lineações. UERJ.
  • 16. Lineação de estiramento Fonte: ALMEIDA. Foliações e lineações. UERJ.
  • 17. As charneiras das dobras intrafoliais • As dobras intrafoliais resultam da transposição intensa das rochas. Estas charneiras constituem objetos subcilíndricos, dosubcilíndricos, do tipo bengala, geralmente paralelos, imprimindo às rochas uma organização linerar. Fonte: ARTHAUD, 1998.
  • 18. Lineações de interseção (Lb) • Correspondem à interseção de duas famílias penetrativas de planos como, p.e.,planos como, p.e., a estratificação e uma clivagem, ou uma xistosidade e uma clivagem.
  • 20. Fonte: Prof. Júlio Almeida. Foliações e lineações. UERJ.
  • 21. Lineação de crenulação • O elementos lineares que marcam a lineação são os eixos de microdobras. • A crenulação pode• A crenulação pode estar associada tanto a um elemento planar – a clivagem de crenulação -, como a um elemento linear – a lineação de crenulação. Foto: Prof. Júlio Almeida. Foliações e lineações. UERJ.
  • 22. Fonte: E. Salamuni. Estruturas planares e lineares.
  • 23. Referências • ALMEIDA, J. Foliações e lineções. UERJ. • ARTHAUD. M. Elementos de Geologia Estrutural. Fortaleza, 1998. • SALAMUNI, E. Estruturas planares e lineares. UFPR.lineares. UFPR.