SlideShare uma empresa Scribd logo
Propriedades Físicas do Solo
Barreiros
Propriedades
físicas
Cor
Textura Estrutura
Porosidade
Consistência
COR
 A cor é considerada como uma das característica
morfológicas mais importantes e de mais fácil
visualização e identificação nos solos;
 Auxilia na distinção das classes de solos e na
delimitação de horizontes nos perfis;
 Os solos apresentam variadas cores→ vermelhos, amarelos,
acinzentados, brunos (pardos), brancos e até pretos.
 A cor do solo fornece indicativo sobre:
 Material de origem;
 Fertilidade do solo
 Conteúdo de matéria orgânica;
 Condições de drenagem
 Teores de óxidos de Fe e Al (fixação de P)
Arenosos Ricos em quartzo Claros
Ricos em óxidos de Fe e Al
Variam do amarelo ao
vermelho
São mais escuros
Solos humíferos
Hematita : Óxido de Ferro, α – Fe2O3
Goethita – Oxidróxido de Ferro, α – FeOOH
Matéria orgânica
Como se determina a cor do solo???
Existe um padrão???
Carta de Cores Munsell para Solos
Página do
Matiz 10R
10R 6/3
TEXTURA DO SOLO
 Proporção relativa dos diferentes grupos de partículas
primárias nele existentes (Kiehl, 1979)
Significado
Proporção de areia, silte e argila do solo
Característica estável, de difícil alteração
Textura e Granulometria?
Textura
Sensação, perceptível ao tato
Aspecto qualitativo
Granulometria
Quantificação do tamanho das partículas
Aspecto quantitativo
Tamanho das frações texturais do solo
Frações Grosseiras Diâmetro
Matacões > 20 cm
Calhaus 20 cm - 2 cm
Cascalho < 2 cm - 2 mm
Areia grossa 2 a 0,5 mm
Areia fina 0,5 a 0,05 mm
Silte 0,05 a 0,002mm
Argila < 0,002
MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO
TESTE DE CAMPO: Correlaciona a sensibilidade ao tato com o
tamanho e distribuição das partículas
Laboratório
Peneiramento, peneiramento combinado com
sedimentação e sedimentação
Dispersão física ou mecânica e química
Métodos mais utilizados
Dispersão química: Consiste no acréscimo de uma solução
constituída de um cátion de elevado raio iônico hidratado,
geralmente sódio, para possibilitar a substituição daqueles
presentes no complexo de troca catiônica, que favorecem a
floculação de argilas.
Dispersão física ou mecânica: Consiste na agitação da suspensão de
solo, para contribuir à quebra dos pequenos agregados.
MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO
 Pipeta:  Densímetro ou Bouyoucos:
CLASSE TEXTURAL
15
55
30
15% de Areia
30% de Silte
55% de Argila
GRUPAMENTOS TEXTURAIS
FONTE: EMBRAPA, 2006
40% de Areia
40% de Silte
20% de Argila
 É o arranjo das partículas primárias do solo (areia, silte e
argila) em agregados, ou seja, refere-se ao tamanho, forma e
aspecto do conjunto de agregados que aparecem
naturalmente no solo.
ESTRUTURA DO SOLO
(Brady 1989)
Agregação do solo
 Reunião de partículas floculadas em mistura íntima com silte e
areia
Tipos de estrutura do solo
 Solo de mata com estrutura
preservada – poroso e permeável
ao ar, água e raízes
 Solo de lavoura com estrutura
degradada – deficiente em
porosidade e com baixa
permeabilidade ao ar, água e raízes
Comparação entre solo com
estrutura degradada e solo com
estrutura preservada
Estrutura
 Porosidade
 Aeração
IMPORTÂNCIA
● Menor densidade do solo e compactação;
● Maior porosidade;
● Maior capacidade de retenção de água;
● Melhora a infiltração de água;
● Favorece a troca gasosa entre o solo e a atmosfera;
● Menores restrições mecânicas ao desenvolvimento das raízes;
● Aumenta a atividade microbiana
 Densidade do solo
 Movimento de água
DENSIDADE DO SOLO
A DENSIDADE DO SOLO no passado também denominada
Densidade Aparente e Densidade Global, representa a relação
entre a massa de solo seco em estufa (Ms, kg) e o seu respectivo
volume total (V, m3), ou seja, o volume de solo incluindo os
espaços ocupados pela ÁGUA (Va) e pelo AR (Var).
Ds =
Mss
V Volume total (Sólido, Líquido e Gasoso)
Massa do Solo Seco em Estufa
(Unidades→ρ=Ds: g cm-3, kg dm-3 ou Mg m-3)
VARIAÇÃO DOS VALORES MÉDIOS DA Ds
- Solos argilosos: 1,0 a 1,4 g cm-3
- Solos arenosos: 1,3 a 1,8 g cm-3
- Solos Orgânicos: 0,2 a 0,6 g cm-3
MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO
- ANEL OU CILINDRO VOLUMÉTRICO; (textura média)
- TORRÃO IMPERMEABILIZADO; (textura argilosa)
- PROVETA; (Textura arenosa)
ANEL OU CILINDRO VOLUMÉTRICO
● Introduz-se na camada de solo um cilindro com volume conhecido;
● A amostra de solo contida no cilindro é levada para secar em
estufa a 105-110 ºC por 48 h;
● A Ds será obtida pela relação entre a massa do solo seco e o
volume do cilindro.
h
Diâmetro
ATENÇÃO: No Volume total
estão incluídos os volumes
da parte sólida, líquida e
gasosa
- Estrutura;
- Textura;
- Teor de matéria orgânica;
- Uso e manejo do solo;
- Compactação x adensamento.
FATORES QUE INTERFEREM A Ds
De maneira geral, quanto maior a Ds:
● ↑Compactação
● ↓ Estruturação
● ↓ Porosidade total
● ↑ Restrinção para o crescimento e desenvolvimento de plantas
O que fazer para baixar a Ds??
 Incorporar matéria orgânica ao solo
 Adubos verdes
 Estercos de animais
 Compostos orgânicos
 Evitar superlotação de animais
 Aração do solo
 Evitar uso excessivo de máquinas agrícolas
Exercício: Coletou-se uma amostra de solo com estrutura indeformada
de uma dada profundidade, por meio de amostrador, num anel
volumétrico de diâmetro 7,5 cm e altura de 7,5 cm. Após a coleta, a
amostra de solo não saturado foi colocada numa estufa a 105 ºC e, após
24 horas, verificou-se que a sua massa permaneceu constante e igual a
0,458 kg. Qual o valor da densidade do solo?
Ds =
Mss
V
DENSIDADE DE PARTÍCULAS
A DENSIDADE DE PARTÍCULAS ou Densidade dos Sólidos
(ρs, kg m-3), em textos antigos também denominada Densidade
Real, representa a relação entre a massa de solo seco em estufa
(ms, kg) e o seu respectivo volume de sólidos ou partículas (Vs,
m3).
É um ATRIBUTO FÍSICO MUITO ESTÁVEL, cuja magnitude
depende exclusivamente da composição das partículas sólidas.
Minerais, densidades e formas predominantes nas frações texturais
MÉDIA: 2,65 g cm-3/ 2,65 kg dm-3 ou 2,65 Mg m-3
A Dp pode ser considerada também como a média
ponderada das massas específicas dos diversos componentes da
fração sólida do solo
Para os solos minerais comuns, a densidade dos sólidos
de uma amostra de solo é dada por:
MÉTODO DO BALÃO VOLUMÉTRICO
Materiais necessários
• Balão volumétrico de 50 mL
• Bureta
• Álcool etílico;
• Balança digital;
• Estufa;
Procedimentos
- Pesa-se 20 g de TFSE (Terra Fina Seca em Estufa);
- Coloca-se, com ajuda de um funil, no balão volumétrico de 50 mL;
- Preenche a bureta graduada com álcool etílico;
50 mL
Balão Volumétrico
50 mL
42,5 mL
 20 g TFSE
VOLUME DO SOLO
50 mL – 42,5 mL = 7,5 mL
Dp =
Mss
Vs
=
20 g
7,5 cm3
= 2,67 g cm−3
Exercício
Em um balão volumétrico de 50 mL foram adicionados 18 g de
uma amostra de solo em TFSE. O balão teve seu volume completado
com etanol, lentamente, via bureta (50 mL), com movimentos
circulares, para eliminação do ar da amostra. Após “tomados” todos
os cuidados para aferir o menisco do balão, o volume de álcool gasto
foi de 43,2 mL. Qual a densidade de partículas sólidas desta amostra
de solo ?
POROSIDADE
● Refere-se ao volume do solo ocupado pela água e pelo ar.
Equação de Veihmeyer
Representação da composição
“ideal”de um solo
1) Macroporos
2) Mesoporos
3) Microporos
Classificação dos poros
Koorevaar et al. (1983) e citados por Libardi (2005)
Porosidade
 Refere-se aos espaços vazios
existentes no solo variando suas
dimensões (macro e microporos);
 Solos argilosos (a), apresentam
grande quantidade de microporos e
poucos macroporos;
 Solos arenosos (b), apresentam
grande quantidade de macroporos;
Porosidade de Solos Argilosos e
Arenosos (UFRRJ, 2000).
Aeração e
condução da
água durante a
infiltração
Condução da
água durante o processo de redistribuição,
quando após a infiltração se esvaziam os
macroporos.
Retenção e armazenamento da água.
Nestes poros, a água se move muito
vagarosamente
Classificação dos poros
Solo
compactado
Solo não
compactado
60% Porosidade 35% Porosidade
Compactação
Valores médios de densidade e porosidade do solo para
diferentes classes texturais
“processo dinâmico e gradual de aumento da densidade (maior massa
de solo por unidade de volume) pelo excesso de cargas ou pressões ao
longo do tempo, exercidas por razões antrópicas, ao solo em condições
de umidade elevada”
P= F / A
 A magnitude dos efeitos da compactação depende principalmente da
textura do solo, energia de compactação, teor de matéria orgânica e
umidade;
Compactação do Solo
Causas da Compactação
 Intenso tráfego de máquinas e implementos agrícolas (pé-de-grade),
principalmente quando solo se encontra na umidade ótima de
compactação;
Operação de Gradagem Operação de retirada de madeira
Causas da Compactação
 pisoteio animal e de pessoas;
Zona de Uso
Intenso
Dg= 1,44 g cm-3
Lixiviação = 76%
Zona de Uso
Moderado
Dg= 1,32 g cm-3
Lixiviação = 62%
Zona de Uso
Reduzido
Dg= 1,28 g cm-3
Lixiviação = 26%
Fonte: UFRRJ, 2000
Implicações
Fonte: Rezende, 2000
Soluções
 Acréscimo de matéria-orgânica diminuem os efeitos por agir como pontes
flexíveis no solo;
 Tratores com melhor distribuição de peso sobre as rodas;
 Subsolagem;
Soluções
 Subsolagem: prática que tem como objetivo único romper as camadas
compactadas do solo, abaixo da camada arável, atingindo
profundidades de trabalho de até 80cm, sem revolvimento do solo;
Subsolador com 3 hastes Subsolador acoplado ao trator
Soluções
 Área experimental para estudo de Subsolagem:
Subsolador com 3 hastes Subsolador acoplado ao trator
EXERCÍCIO
A densidade do solo de uma amostra de um solo de mata foi de
1,35 g cm-3. O mesmo solo quando cultivado apresentou uma
densidade do solo de 1,45 g cm-3. Se a densidade de partícula
em ambos os casos foi de 2,70 g cm-3, qual a mudança na
porosidade total?
CONSISTÊNCIA DO SOLO
A consistência do solo refere-se às manifestações das
forças físicas de COESÃO (entre as partículas do solo) e de
ADESÃO (entre as partículas e outros materiais) verificadas no
solo, conforme variação dos teores de umidade.
Resistência do solo a sua degradação;
 Capacidade do solo de se moldar
Depende da umidade
SOLO SECO (GRAU DE
DUREZA)
SOLTA
MACIA
LIGEIRAMENTE
DURA
DURA
MUITO
DURA
EXTREMAMENTE
DURA
A consistência do solo QUANDO SECO é caracterizada pela
DUREZA OU TENACIDADE. Para avaliá-la, deve-se selecionar um torrão
seco e comprimi-lo entre o polegar e o indicador. Assim, tem-se:
FRIABILIDADE
MUITO
FIRME
EXTREMAMENTE
FIRME
SOLTA
MUITO
FRIÁVEL
FRIÁVEL
FIRME
A consistência do solo quando
ÚMIDO é caracterizada pela FRIABILIDADE
que é determinada num estado de umidade
aproximadamente intermediário entre
SECO AO AR e a CAPACIDADE DE CAMPO.
Pressão
A Consistência do solo QUANDO MOLHADO caracteriza a
plasticidade e pegajosidade.
a) PLASTICIDADE - É a propriedade que pode apresentar o material
do solo de mudar continuamente de forma, pela ação da força
aplicada, e de manter a forma imprimida, quando cessa a ação da
força.
b) PEGAJOSIDADE - É a propriedade que pode apresentar a massa
do solo de aderir a outros objetos. Para avaliação de campo, a
massa do solo quando molhada e homogeneizada é comprimida
entre o indicador e o polegar, e a aderência é então observada.
PLASTICIDADE (GRAU DE
RESISTÊNCIA A DEFORMAÇÃO
EXTREMAMENTE
FIRME
NÃO PLÁSTICO
LIGEIRAMENTE
PLÁSTICO
PLÁSTICO
Tenaz, friável, plástica, viscosa e fluída
Ordem de consistência de acordo com a umidade
Para determinação de campo da plasticidade, rola-se,
depois de amassado, o material do solo entre o indicador e o
polegar e observa-se se pode ser feito ou modelado um fio ou
cilindro fino de solo, com cerca de 4cm de comprimento, conforme
figura abaixo:
FATORES QUE INFLUENCIAM NA CONSISTÊNCIA?
Umidade;
Matéria orgânica
Natureza das argilas (montmorilonita/caulinita);
Textura;
Trabalho mecânico (orientação das partículas).
10 Propriedades Físicas do Solo-aula

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 05 matéria orgânica do solo
Aula 05  matéria orgânica do soloAula 05  matéria orgânica do solo
Aula 05 matéria orgânica do solo
Jadson Belem de Moura
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
Geagra UFG
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Elvio Giasson
 
Solo planta - atmosfera
Solo planta - atmosferaSolo planta - atmosfera
Solo planta - atmosfera
CETEP, FTC, FASA..
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
Leandro Araujo
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Rodrigo Pavesi
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Fatores de formação do solo
Fatores de formação do soloFatores de formação do solo
Fatores de formação do solo
Leandro Araujo
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Aula 03 ecologia do solo
Aula 03   ecologia do soloAula 03   ecologia do solo
Aula 03 ecologia do solo
Jadson Belem de Moura
 
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
Gustavo Avila
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
Geagra UFG
 
Argissolos do RS
Argissolos do RSArgissolos do RS
Argissolos do RS
Carla Machado
 
Apostila implementos preparo de solo
Apostila implementos preparo de soloApostila implementos preparo de solo
Apostila implementos preparo de solo
Luiz Oliveira
 
Solos
SolosSolos
Introdução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloIntrodução a ciência do solo
Introdução a ciência do solo
Rafael Oliveira
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
Carolina Corrêa
 

Mais procurados (20)

Aula 05 matéria orgânica do solo
Aula 05  matéria orgânica do soloAula 05  matéria orgânica do solo
Aula 05 matéria orgânica do solo
 
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIOMANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
MANEJO DO SOLOS EM SISTEMAS DE PLANTIO
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Solo planta - atmosfera
Solo planta - atmosferaSolo planta - atmosfera
Solo planta - atmosfera
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Fatores de formação do solo
Fatores de formação do soloFatores de formação do solo
Fatores de formação do solo
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
Aula 03 ecologia do solo
Aula 03   ecologia do soloAula 03   ecologia do solo
Aula 03 ecologia do solo
 
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Fertilidade do Solo
Fertilidade do SoloFertilidade do Solo
Fertilidade do Solo
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Argissolos do RS
Argissolos do RSArgissolos do RS
Argissolos do RS
 
Apostila implementos preparo de solo
Apostila implementos preparo de soloApostila implementos preparo de solo
Apostila implementos preparo de solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Introdução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloIntrodução a ciência do solo
Introdução a ciência do solo
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 

Semelhante a 10 Propriedades Físicas do Solo-aula

pratica
praticapratica
Mecanica do solo. slide
Mecanica do solo. slideMecanica do solo. slide
Mecanica do solo. slide
engenhar
 
UNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLO
UNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLOUNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLO
UNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLO
Rodrigo Andrade Brígido
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
Ricardo Cirilo
 
Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
engenhar
 
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
OliveiraAMOliveira
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
Carlos Elson Cunha
 
Classificacao dos-solos-hrb
Classificacao dos-solos-hrbClassificacao dos-solos-hrb
Classificacao dos-solos-hrb
Samuel Nolasco
 
Drenagem
DrenagemDrenagem
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Leandro Araujo
 
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos   apresentaçãoPropriedade das particulas sólidas dos solos   apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
engenhar
 
Aula classificação
Aula classificaçãoAula classificação
Aula classificação
Carolina Corrêa
 
24 2-2000 03
24 2-2000 0324 2-2000 03
24 2-2000 03
LIno Almeida
 
Seminário de Pedologia
Seminário de PedologiaSeminário de Pedologia
Seminário de Pedologia
Fernando Ribeiro de Souza
 
atributos do solo.pptx
atributos do solo.pptxatributos do solo.pptx
atributos do solo.pptx
YasserClrio
 
Ec
EcEc
Formação do solo mjr
Formação do solo   mjrFormação do solo   mjr
Formação do solo mjr
fcanico
 
Aula prática sobre características físicas do solo realizadas no campus de sã...
Aula prática sobre características físicas do solo realizadas no campus de sã...Aula prática sobre características físicas do solo realizadas no campus de sã...
Aula prática sobre características físicas do solo realizadas no campus de sã...
Paola Brutti
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
Janine Silotti
 
Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)
Ronei Gonçalves
 

Semelhante a 10 Propriedades Físicas do Solo-aula (20)

pratica
praticapratica
pratica
 
Mecanica do solo. slide
Mecanica do solo. slideMecanica do solo. slide
Mecanica do solo. slide
 
UNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLO
UNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLOUNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLO
UNIDADE II - CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SOLO
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Trabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do soloTrabalho particulas solidas do solo
Trabalho particulas solidas do solo
 
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
02infiltracao_aguanosolo_1.pptx
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
 
Classificacao dos-solos-hrb
Classificacao dos-solos-hrbClassificacao dos-solos-hrb
Classificacao dos-solos-hrb
 
Drenagem
DrenagemDrenagem
Drenagem
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos   apresentaçãoPropriedade das particulas sólidas dos solos   apresentação
Propriedade das particulas sólidas dos solos apresentação
 
Aula classificação
Aula classificaçãoAula classificação
Aula classificação
 
24 2-2000 03
24 2-2000 0324 2-2000 03
24 2-2000 03
 
Seminário de Pedologia
Seminário de PedologiaSeminário de Pedologia
Seminário de Pedologia
 
atributos do solo.pptx
atributos do solo.pptxatributos do solo.pptx
atributos do solo.pptx
 
Ec
EcEc
Ec
 
Formação do solo mjr
Formação do solo   mjrFormação do solo   mjr
Formação do solo mjr
 
Aula prática sobre características físicas do solo realizadas no campus de sã...
Aula prática sobre características físicas do solo realizadas no campus de sã...Aula prática sobre características físicas do solo realizadas no campus de sã...
Aula prática sobre características físicas do solo realizadas no campus de sã...
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
 
Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)Tensoes no solo (recuperado)
Tensoes no solo (recuperado)
 

Mais de Romulo Vinicius Tio Rominho

Aula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funçõesAula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funções
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
10 semeadoras iv und
10   semeadoras iv und10   semeadoras iv und
10 semeadoras iv und
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
08.3 preparo periodico - grades
08.3  preparo periodico - grades08.3  preparo periodico - grades
08.3 preparo periodico - grades
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
08.3 preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador
08.3   preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador08.3   preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador
08.3 preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
08.2 preparo periodico - arados de discos
08.2   preparo periodico - arados de discos08.2   preparo periodico - arados de discos
08.2 preparo periodico - arados de discos
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
08.1 preparo inicial
08.1   preparo inicial08.1   preparo inicial
08.1 preparo inicial
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
07 oficina rural
07   oficina rural07   oficina rural
07 oficina rural
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Noções de petrologia
Noções de petrologiaNoções de petrologia
Noções de petrologia
Romulo Vinicius Tio Rominho
 

Mais de Romulo Vinicius Tio Rominho (8)

Aula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funçõesAula 01 solos-funções
Aula 01 solos-funções
 
10 semeadoras iv und
10   semeadoras iv und10   semeadoras iv und
10 semeadoras iv und
 
08.3 preparo periodico - grades
08.3  preparo periodico - grades08.3  preparo periodico - grades
08.3 preparo periodico - grades
 
08.3 preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador
08.3   preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador08.3   preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador
08.3 preparo periodico - arados de aivecas, subsolador e escarificador
 
08.2 preparo periodico - arados de discos
08.2   preparo periodico - arados de discos08.2   preparo periodico - arados de discos
08.2 preparo periodico - arados de discos
 
08.1 preparo inicial
08.1   preparo inicial08.1   preparo inicial
08.1 preparo inicial
 
07 oficina rural
07   oficina rural07   oficina rural
07 oficina rural
 
Noções de petrologia
Noções de petrologiaNoções de petrologia
Noções de petrologia
 

10 Propriedades Físicas do Solo-aula

  • 1. Propriedades Físicas do Solo Barreiros
  • 3. COR  A cor é considerada como uma das característica morfológicas mais importantes e de mais fácil visualização e identificação nos solos;  Auxilia na distinção das classes de solos e na delimitação de horizontes nos perfis;
  • 4.  Os solos apresentam variadas cores→ vermelhos, amarelos, acinzentados, brunos (pardos), brancos e até pretos.
  • 5.  A cor do solo fornece indicativo sobre:  Material de origem;  Fertilidade do solo  Conteúdo de matéria orgânica;  Condições de drenagem  Teores de óxidos de Fe e Al (fixação de P) Arenosos Ricos em quartzo Claros Ricos em óxidos de Fe e Al Variam do amarelo ao vermelho São mais escuros Solos humíferos
  • 6. Hematita : Óxido de Ferro, α – Fe2O3 Goethita – Oxidróxido de Ferro, α – FeOOH Matéria orgânica
  • 7.
  • 8. Como se determina a cor do solo??? Existe um padrão??? Carta de Cores Munsell para Solos
  • 9.
  • 11. TEXTURA DO SOLO  Proporção relativa dos diferentes grupos de partículas primárias nele existentes (Kiehl, 1979) Significado Proporção de areia, silte e argila do solo Característica estável, de difícil alteração
  • 12. Textura e Granulometria? Textura Sensação, perceptível ao tato Aspecto qualitativo Granulometria Quantificação do tamanho das partículas Aspecto quantitativo
  • 13. Tamanho das frações texturais do solo Frações Grosseiras Diâmetro Matacões > 20 cm Calhaus 20 cm - 2 cm Cascalho < 2 cm - 2 mm Areia grossa 2 a 0,5 mm Areia fina 0,5 a 0,05 mm Silte 0,05 a 0,002mm Argila < 0,002
  • 14.
  • 15. MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO TESTE DE CAMPO: Correlaciona a sensibilidade ao tato com o tamanho e distribuição das partículas
  • 16. Laboratório Peneiramento, peneiramento combinado com sedimentação e sedimentação Dispersão física ou mecânica e química Métodos mais utilizados Dispersão química: Consiste no acréscimo de uma solução constituída de um cátion de elevado raio iônico hidratado, geralmente sódio, para possibilitar a substituição daqueles presentes no complexo de troca catiônica, que favorecem a floculação de argilas. Dispersão física ou mecânica: Consiste na agitação da suspensão de solo, para contribuir à quebra dos pequenos agregados.
  • 17. MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO  Pipeta:  Densímetro ou Bouyoucos:
  • 18. CLASSE TEXTURAL 15 55 30 15% de Areia 30% de Silte 55% de Argila
  • 19. GRUPAMENTOS TEXTURAIS FONTE: EMBRAPA, 2006 40% de Areia 40% de Silte 20% de Argila
  • 20.  É o arranjo das partículas primárias do solo (areia, silte e argila) em agregados, ou seja, refere-se ao tamanho, forma e aspecto do conjunto de agregados que aparecem naturalmente no solo. ESTRUTURA DO SOLO (Brady 1989) Agregação do solo  Reunião de partículas floculadas em mistura íntima com silte e areia
  • 22.  Solo de mata com estrutura preservada – poroso e permeável ao ar, água e raízes  Solo de lavoura com estrutura degradada – deficiente em porosidade e com baixa permeabilidade ao ar, água e raízes Comparação entre solo com estrutura degradada e solo com estrutura preservada
  • 23. Estrutura  Porosidade  Aeração IMPORTÂNCIA ● Menor densidade do solo e compactação; ● Maior porosidade; ● Maior capacidade de retenção de água; ● Melhora a infiltração de água; ● Favorece a troca gasosa entre o solo e a atmosfera; ● Menores restrições mecânicas ao desenvolvimento das raízes; ● Aumenta a atividade microbiana  Densidade do solo  Movimento de água
  • 24.
  • 25. DENSIDADE DO SOLO A DENSIDADE DO SOLO no passado também denominada Densidade Aparente e Densidade Global, representa a relação entre a massa de solo seco em estufa (Ms, kg) e o seu respectivo volume total (V, m3), ou seja, o volume de solo incluindo os espaços ocupados pela ÁGUA (Va) e pelo AR (Var). Ds = Mss V Volume total (Sólido, Líquido e Gasoso) Massa do Solo Seco em Estufa (Unidades→ρ=Ds: g cm-3, kg dm-3 ou Mg m-3)
  • 26. VARIAÇÃO DOS VALORES MÉDIOS DA Ds - Solos argilosos: 1,0 a 1,4 g cm-3 - Solos arenosos: 1,3 a 1,8 g cm-3 - Solos Orgânicos: 0,2 a 0,6 g cm-3 MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO - ANEL OU CILINDRO VOLUMÉTRICO; (textura média) - TORRÃO IMPERMEABILIZADO; (textura argilosa) - PROVETA; (Textura arenosa)
  • 27. ANEL OU CILINDRO VOLUMÉTRICO ● Introduz-se na camada de solo um cilindro com volume conhecido; ● A amostra de solo contida no cilindro é levada para secar em estufa a 105-110 ºC por 48 h; ● A Ds será obtida pela relação entre a massa do solo seco e o volume do cilindro.
  • 28. h Diâmetro ATENÇÃO: No Volume total estão incluídos os volumes da parte sólida, líquida e gasosa
  • 29. - Estrutura; - Textura; - Teor de matéria orgânica; - Uso e manejo do solo; - Compactação x adensamento. FATORES QUE INTERFEREM A Ds De maneira geral, quanto maior a Ds: ● ↑Compactação ● ↓ Estruturação ● ↓ Porosidade total ● ↑ Restrinção para o crescimento e desenvolvimento de plantas
  • 30. O que fazer para baixar a Ds??  Incorporar matéria orgânica ao solo  Adubos verdes  Estercos de animais  Compostos orgânicos  Evitar superlotação de animais  Aração do solo  Evitar uso excessivo de máquinas agrícolas
  • 31. Exercício: Coletou-se uma amostra de solo com estrutura indeformada de uma dada profundidade, por meio de amostrador, num anel volumétrico de diâmetro 7,5 cm e altura de 7,5 cm. Após a coleta, a amostra de solo não saturado foi colocada numa estufa a 105 ºC e, após 24 horas, verificou-se que a sua massa permaneceu constante e igual a 0,458 kg. Qual o valor da densidade do solo? Ds = Mss V
  • 32. DENSIDADE DE PARTÍCULAS A DENSIDADE DE PARTÍCULAS ou Densidade dos Sólidos (ρs, kg m-3), em textos antigos também denominada Densidade Real, representa a relação entre a massa de solo seco em estufa (ms, kg) e o seu respectivo volume de sólidos ou partículas (Vs, m3). É um ATRIBUTO FÍSICO MUITO ESTÁVEL, cuja magnitude depende exclusivamente da composição das partículas sólidas.
  • 33. Minerais, densidades e formas predominantes nas frações texturais MÉDIA: 2,65 g cm-3/ 2,65 kg dm-3 ou 2,65 Mg m-3 A Dp pode ser considerada também como a média ponderada das massas específicas dos diversos componentes da fração sólida do solo Para os solos minerais comuns, a densidade dos sólidos de uma amostra de solo é dada por:
  • 34. MÉTODO DO BALÃO VOLUMÉTRICO Materiais necessários • Balão volumétrico de 50 mL • Bureta • Álcool etílico; • Balança digital; • Estufa; Procedimentos - Pesa-se 20 g de TFSE (Terra Fina Seca em Estufa); - Coloca-se, com ajuda de um funil, no balão volumétrico de 50 mL; - Preenche a bureta graduada com álcool etílico;
  • 35. 50 mL Balão Volumétrico 50 mL 42,5 mL  20 g TFSE VOLUME DO SOLO 50 mL – 42,5 mL = 7,5 mL Dp = Mss Vs = 20 g 7,5 cm3 = 2,67 g cm−3
  • 36. Exercício Em um balão volumétrico de 50 mL foram adicionados 18 g de uma amostra de solo em TFSE. O balão teve seu volume completado com etanol, lentamente, via bureta (50 mL), com movimentos circulares, para eliminação do ar da amostra. Após “tomados” todos os cuidados para aferir o menisco do balão, o volume de álcool gasto foi de 43,2 mL. Qual a densidade de partículas sólidas desta amostra de solo ?
  • 37. POROSIDADE ● Refere-se ao volume do solo ocupado pela água e pelo ar. Equação de Veihmeyer Representação da composição “ideal”de um solo
  • 38. 1) Macroporos 2) Mesoporos 3) Microporos Classificação dos poros Koorevaar et al. (1983) e citados por Libardi (2005)
  • 39. Porosidade  Refere-se aos espaços vazios existentes no solo variando suas dimensões (macro e microporos);  Solos argilosos (a), apresentam grande quantidade de microporos e poucos macroporos;  Solos arenosos (b), apresentam grande quantidade de macroporos; Porosidade de Solos Argilosos e Arenosos (UFRRJ, 2000).
  • 40. Aeração e condução da água durante a infiltração Condução da água durante o processo de redistribuição, quando após a infiltração se esvaziam os macroporos. Retenção e armazenamento da água. Nestes poros, a água se move muito vagarosamente Classificação dos poros
  • 41. Solo compactado Solo não compactado 60% Porosidade 35% Porosidade Compactação Valores médios de densidade e porosidade do solo para diferentes classes texturais
  • 42. “processo dinâmico e gradual de aumento da densidade (maior massa de solo por unidade de volume) pelo excesso de cargas ou pressões ao longo do tempo, exercidas por razões antrópicas, ao solo em condições de umidade elevada” P= F / A  A magnitude dos efeitos da compactação depende principalmente da textura do solo, energia de compactação, teor de matéria orgânica e umidade; Compactação do Solo
  • 43. Causas da Compactação  Intenso tráfego de máquinas e implementos agrícolas (pé-de-grade), principalmente quando solo se encontra na umidade ótima de compactação; Operação de Gradagem Operação de retirada de madeira
  • 44. Causas da Compactação  pisoteio animal e de pessoas; Zona de Uso Intenso Dg= 1,44 g cm-3 Lixiviação = 76% Zona de Uso Moderado Dg= 1,32 g cm-3 Lixiviação = 62% Zona de Uso Reduzido Dg= 1,28 g cm-3 Lixiviação = 26% Fonte: UFRRJ, 2000
  • 46. Soluções  Acréscimo de matéria-orgânica diminuem os efeitos por agir como pontes flexíveis no solo;  Tratores com melhor distribuição de peso sobre as rodas;  Subsolagem;
  • 47. Soluções  Subsolagem: prática que tem como objetivo único romper as camadas compactadas do solo, abaixo da camada arável, atingindo profundidades de trabalho de até 80cm, sem revolvimento do solo; Subsolador com 3 hastes Subsolador acoplado ao trator
  • 48. Soluções  Área experimental para estudo de Subsolagem: Subsolador com 3 hastes Subsolador acoplado ao trator
  • 49. EXERCÍCIO A densidade do solo de uma amostra de um solo de mata foi de 1,35 g cm-3. O mesmo solo quando cultivado apresentou uma densidade do solo de 1,45 g cm-3. Se a densidade de partícula em ambos os casos foi de 2,70 g cm-3, qual a mudança na porosidade total?
  • 50. CONSISTÊNCIA DO SOLO A consistência do solo refere-se às manifestações das forças físicas de COESÃO (entre as partículas do solo) e de ADESÃO (entre as partículas e outros materiais) verificadas no solo, conforme variação dos teores de umidade. Resistência do solo a sua degradação;  Capacidade do solo de se moldar Depende da umidade
  • 51. SOLO SECO (GRAU DE DUREZA) SOLTA MACIA LIGEIRAMENTE DURA DURA MUITO DURA EXTREMAMENTE DURA A consistência do solo QUANDO SECO é caracterizada pela DUREZA OU TENACIDADE. Para avaliá-la, deve-se selecionar um torrão seco e comprimi-lo entre o polegar e o indicador. Assim, tem-se:
  • 52. FRIABILIDADE MUITO FIRME EXTREMAMENTE FIRME SOLTA MUITO FRIÁVEL FRIÁVEL FIRME A consistência do solo quando ÚMIDO é caracterizada pela FRIABILIDADE que é determinada num estado de umidade aproximadamente intermediário entre SECO AO AR e a CAPACIDADE DE CAMPO. Pressão
  • 53. A Consistência do solo QUANDO MOLHADO caracteriza a plasticidade e pegajosidade. a) PLASTICIDADE - É a propriedade que pode apresentar o material do solo de mudar continuamente de forma, pela ação da força aplicada, e de manter a forma imprimida, quando cessa a ação da força. b) PEGAJOSIDADE - É a propriedade que pode apresentar a massa do solo de aderir a outros objetos. Para avaliação de campo, a massa do solo quando molhada e homogeneizada é comprimida entre o indicador e o polegar, e a aderência é então observada.
  • 54. PLASTICIDADE (GRAU DE RESISTÊNCIA A DEFORMAÇÃO EXTREMAMENTE FIRME NÃO PLÁSTICO LIGEIRAMENTE PLÁSTICO PLÁSTICO Tenaz, friável, plástica, viscosa e fluída Ordem de consistência de acordo com a umidade
  • 55. Para determinação de campo da plasticidade, rola-se, depois de amassado, o material do solo entre o indicador e o polegar e observa-se se pode ser feito ou modelado um fio ou cilindro fino de solo, com cerca de 4cm de comprimento, conforme figura abaixo:
  • 56. FATORES QUE INFLUENCIAM NA CONSISTÊNCIA? Umidade; Matéria orgânica Natureza das argilas (montmorilonita/caulinita); Textura; Trabalho mecânico (orientação das partículas).