SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Baixar para ler offline
ERGONOMIA
Professor: Daniel Moura
Disciplina: Ergonomia
Curso: Graduação em Engenharia de Produção
Sistema Nervoso
• Sistema Nervoso Central: Encéfalo (Cérebro,
Cerebelo e Tronco Encefálico) + MedulaCerebelo e Tronco Encefálico) + Medula
Espinhal;
• Neurônios:
– Estrutura: Corpo Celular, Dendritos e Axônio
– Características: irritabilidade e condutibilidade
• Sinapses:• Sinapses:
– Sentido único; Fadiga; Efeito residual;
Desenvolvimento e Acidez.
Tipos de Neurônios
S.N. Central e Periférico
constituído por fibras
(nervos), gânglios
nervosos e órgãosnervosos e órgãos
terminais
Áreas do SNC
Visão
• Sentido mais importante para o trabalho como
para as atividades de vida diária;para as atividades de vida diária;
• Funciona semelhante a uma câmara
fotográfica;
• Principais Estruturas: pupila, iris, cristalino,
musculatura ciliar, retina, células fotossensíveismusculatura ciliar, retina, células fotossensíveis
(cones e bastonetes).
Coluna Vertebral
Movimentos da coluna
FLEXÃOFLEXÃO
Movimentos da coluna
EXTENSÃOEXTENSÃO
Movimentos da coluna
FLEXÃOFLEXÃO
LATERALLATERAL
Movimentos da coluna
ROTAÇÃOROTAÇÃO
Metabolismo
• Estudo dos aspectos energéticos do organismo humano;
• O corpo humano é uma máquina térmica;
• Alimentação => glicogênio, oxidado numa reação exotérmica,
gerando energia;
• Capacidade Muscular Energia
Metabolismo
Anatomia do olho
Características da visão
• Acuidade visual: capacidade para
discriminar pequenos detalhes;discriminar pequenos detalhes;
• Acomodação: capacidade de cada olho em
focalizar objetos a várias distâncias;
• Convergência: capacidade dos 2 olhos se
moverem coordenadamente para focalizar o
mesmo objeto;mesmo objeto;
• Percepção das cores: radiações
eletromagnéticas na faixa de 400 a 750
nanômetros
Movimentos dos olhos
• Rotações para direita e esquerda = 50o; para
cima = 40o; baixo = 60o; próprio eixo = 10o,cima = 40o; baixo = 60o; próprio eixo = 10o,
realizados por 6 músculos;
• Voluntário e os Involuntários:
– Movimentos sacádicos;
– Movimentos visuais de perseguição.– Movimentos visuais de perseguição.
– A velocidade de movimentos dos olhos varia com
o indivíduo e a idade.
Audição
• Função: captar e converter as ondas de pressão
em sinais elétricos p/ o cérebro, para produzirem sinais elétricos p/ o cérebro, para produzir
sensações sonoras.
• Principais Estruturas:
• Ouvido Externo: pavilhão e conduto auditivo, e
termina na membrana do tímpano;
• Ouvido Médio: 3 ossículos (martelo, bigorna e• Ouvido Médio: 3 ossículos (martelo, bigorna e
estribo), terminando na janela oval
• Ouvido Interno: cóclea + receptores vestibulares
Anatomia do ouvido humano
Percepção do som
• Freqüência: é o número de flutuações ou
vibrações por segundo e é expressa em hertzvibrações por segundo e é expressa em hertz
(Hz), subjetivamente percebida como altura do
som;
– Sons Graves: freq. < 1.000Hz;
– Sons Agudos: freq > 3.000Hz– Sons Agudos: freq > 3.000Hz
Percepção do som
• Intensidade: depende da energia das
oscilações e é definida em termos deoscilações e é definida em termos de
potência por unidade de área deciBel (dB);
– Capacidade de percepção humana = 20 a 120
dB, acima disso causa desconforto e dor;
• Duração: medida em segundos. Os de curta
duração (< 0,1s) dificultam a percepção eduração (< 0,1s) dificultam a percepção e
aparentam ser diferentes daqueles de longa
duração (acima de 1s).
Percepção da posição e
movimento
• Receptores vestibulares: permitem manter a• Receptores vestibulares: permitem manter a
postura ereta, movimentar-se sem cair e sentir se
o corpo está sendo acelerado ou desacelerado
em alguma direção, mesmo sem a ajuda dos
olhos.
• Senso cinestésico: informa sobre movimentos de• Senso cinestésico: informa sobre movimentos de
partes do corpo, sem auxílio visual (receptores
musculares, tendinosos e articulares);
– Importante no treinamento para desenvolver
habilidades musculares.
É o responsável pela movimentação do corpo
humano, sendo formado pelo conjunto de
MÚSCULOS e suas inserções nos ossos, através de
TENDÕES E FÁSCIAS.
SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR
São tecidos que seSão tecidos que se
caracterizam pela ampla
flexibilidade das células,
transformando energia química
em mecânica e por sua vasta
vaso-irrigação.
A alimentação muscular se dá
através da respiração onde o
oxigênio quebra a molécula daoxigênio quebra a molécula da
glicose produzindo uma
molécula orgânica (ATP).
MÚSCULOS
CARACTERÍSTICASCARACTERÍSTICAS
São responsáveis pelos movimentos corporais;
Caracterizam-se por sua capacidade de contrair-
se e relaxar-se ;se e relaxar-se ;
São formados por células alongadas (miofribilas);
Temos aproximadamente 212 músculos:
- 112 na região frontal;
- 100 na região dorsal;
Cada músculo possui seu nervo motor, sendoCada músculo possui seu nervo motor, sendo
todas as contrações controladas e coordenadas
pelo cérebro;
Representa cerca de 40 a 45% do peso corporal.
TIPOS DE MÚSCULOS
Músculo liso: o músculo involuntário localiza-se na pele,
órgãos internos, aparelho reprodutor, grandes vasos
sangüíneos e aparelho excretor. O estímulo para a
contração dos músculos lisos é mediado pelo sistema
nervoso vegetativo.
Músculo estriado esquelético: é inervado pelo sistema
nervoso central e, como este se encontra em parte sob
controle consciente, chama-se músculo voluntário. As
contrações do músculo esquelético permitem os
movimentos dos diversos ossos e cartilagens do
esqueleto.
Músculo cardíaco: este tipo de tecido muscular forma
a maior parte do coração dos vertebrados. O músculo
cardíaco carece de controle voluntário. É inervado pelo
sistema nervoso vegetativo.
MÚSCULOS
Feixe de Fibras
Membrana
Fáscia
Fibra Muscular
Fibra Muscular Miofibrila
Filamento
Vaso Capilar
CONTRAÇÃO ISOTÔNICA OU DINÂMICA: Alteraração
no tamanho do músculo, sem tensão interna;
CONTRAÇÃO ISOMÉTRICA OU ESTÁTICA: Sem alteração no
tamnho do músculo, porém, há tenção interna.
Tal classificação é muito importante, pois as diferentes
contrações implicam num consumo diferenciado de oxigênio
pelo músculo.
MÚSCULOS
Outro detalhe muito importante relacionado à alimentação dos
músculos, seja qualquer a contração por eles apresentada,
refere-se à CARGA HEMODINÂMICA, relacionada à coluna a ser
vencida pelo fluxo sangüíneo, quando um membro está
elevado.
DOENÇAS MUSCULARES
TENDINITE: Estrangulamento do tendão (contra
estruturas ósseas da área) e passando a sofrer
atrito com o osso. O resultado final disto é uma
inflamação no tendão;inflamação no tendão;
SINOVITE: Inflamação na Bainha Sinovial;
TENOSSINOVITE: Inflamação no tendão e bainha
sinovial.sinovial.
TENDÕES
São responsáveis pela transmissão de forças
atuantes nos músculos, conferindo movimento
Estruturas anatômicas visco-elástica, com
flexibilidade inferior aos músculos.
Bainha Sinovial
atuantes nos músculos, conferindo movimento
aos segmentos corporais, pois servem de
elemento de ligação entre o corpo central do
músculo e os ossos.
Tendão
DORT-Distúrbios Osteomuslares Relacionados ao Trabalho
DEDO EM GATILHO
O problema ocorre quando um dos tendões que
flexionam o dedo torna-se inflamado.
DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados
ao Trabalho
A partir da publicação da Ordem de Serviço 606 do
MPAS, em 1999, a designação foi mudada para DORT –MPAS, em 1999, a designação foi mudada para DORT –
Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho.
Esta designação, por sinal, indica que a lesão, para que
seja reconhecida, deve ter nexo ocupacional. Tal
designação não impede, contudo, que o trabalhador,
mesmo que sofra fatores externos ao trabalho, como a
prática de esportes (que também pode provocar lesões),
não tenha no ambiente de trabalho, situações em que
também esteja sofrendo riscos que levem aotambém esteja sofrendo riscos que levem ao
desenvolvimento de lesões.
DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados
ao Trabalho
DOENÇA DeQuervain
TENOSSINOVITE DOS EXTENSORES DOS DEDOS
1. Retináculo da articulação do
carpo
2. Bainhas sinoviais dos tendões
extensores
3. Tendão abdutor do polegar
4. Tendão extensor do polegar
5.Tendões extensores dos dedos
DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao
Trabalho
1. Nervo Mediano
2. Retináculo da articulação do carpo
SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO
2. Retináculo da articulação do carpo
Decorrência da compressão do
nervo mediano na altura do carpo,
envolve um estreitamento do túnel
do carpo pelo espessamento do
ligamento anular do carpo
provocando atrito entre tendões e
ligamentos .
DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao
Trabalho
Tendinite do Bicipital
É a inflamação do bíceps, decorre de
atividades repetitivas do braço e do
exercício muscular intensivo ou de
traumas no ombro.
DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao
Trabalho
É a inflamação do tendão do músculo
supra-espinhoso em torno da
Tendinite do Supra-Espinhoso
supra-espinhoso em torno da
articulação do ombro, decorre também
de atividades repetitivas do braço e de
exercício muscular excessivo,
sintomas de sensação de peso até dor
violenta no local.
DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao
Trabalho
Decorrência da compressão de vasos
e nervos entre o pescoço e o ombro na
Síndrome do Desfiladeiro
Torácico
e nervos entre o pescoço e o ombro na
saída do tórax que passa por um canal
delimitado pela clavícula, primeira
costela e músculos, este canal pode se
estreitar mais ainda ao se trabalhar
com a cabeça elevada ou por vícios de
postura.
DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados
ao Trabalho
BURSITE
Bursite é a inflamação da
bursa, pequena bolsabursa, pequena bolsa
contendo líquido que
envolve as articulações e
funciona como
amortecedor entre ossos,
tendões e tecidos
musculares. A bursite
ocorre principalmente nos
ombros, cotovelos eombros, cotovelos e
joelhos.
DOENÇAS MUSCULARES
DORT: Distúrbios Osteomusculares
relacionados ao Trabalho.
1 - POSTURA INADEQUADA (com ângulo-limite);1 - POSTURA INADEQUADA (com ângulo-limite);
2 - FORÇA EXCESSIVA APLICADA NUMA REGIÃO
DO CORPO;
3 - REPETITIVIDADE (fazer uma só coisa e muitas
vezes);
4 - COMPRESSÃO DE TECIDOS NUM PONTO DO
CORPO.
DOENÇAS MUSCULARES
1 - POSTURA INADEQUADA (com ângulo-limite)
Diversas situações de trabalho implicam em posturas
inadequadas, com desequilíbrio do corpo ou de uma parte do
corpo, principalmente nas articulações. Toda articulação tem
o que chamamos de ângulo neutro, ângulo de conforto e deo que chamamos de ângulo neutro, ângulo de conforto e de
ângulo-limite.
FLEXÃO NEUTRO EXTENSÃO
NEUTRODESVIO RADIAL DESVIO ULNAR
DOENÇAS MUSCULARES
Observe que o cotovelo está acima da linha do ombro; a articulação
do punho esquerda está em desvio radial e o dedo polegar está
totalmente abduzido, enquanto faz pressão sobre a madeira. Esta
postura pode resultar numa doença chamada Doença de
DeQuervain, inflamação nos dois tendões que correm numa única
bainha sinovial do polegar.
DOENÇAS MUSCULARES
Bancada de trabalho para estanhar contatos eletromecânicos:
O operário flexiona toda a coluna para obter alcance dos
contatos, pois a bancada é muito baixa (Estatura do operário =
1,90 m).
DOENÇAS MUSCULARES
A banqueta desta vez é estofada, mas o Eletricista não aA banqueta desta vez é estofada, mas o Eletricista não a
usa...não dá (não há espaço para as pernas quando se
senta defronte à bobina) = trabalho constante em pé;
Os cavaletes usados para se apoiar a bobina não têm
regulagem de altura = o Eletricista se abaixa para ver o que
está fazendo e alcançar os contatos a serem refeitos.
DOENÇAS MUSCULARES
2 - FORÇA EXCESSIVA APLICADA NUMA
REGIÃO DO CORPO
Para piorar, se a mão estiver aplicando força
sobre uma ferramenta, por exemplo, ou na
torção de roupas, além de estrangularmos os
tendões, estaremos fazendo muita força, o que
aumenta muito o consumo de oxigênio nos
tecidos da região e também pressiona tendões e
nervos contra ossos (problema que já vimos nanervos contra ossos (problema que já vimos na
situação anterior).
DOENÇAS MUSCULARES
3 - REPETITIVIDADE (fazer uma só coisa e
muitas vezes)
Além das posturas inadequadas, temos
um agravante: fazer isto durante muitas
horas e muitas vezes. Claro está que se os
nervos, tendões e músculos ficarem
pressionados e estrangulados por horas a
fio, pelo fato da pessoa fazer só uma coisa
o dia todo, o problema será agravado.o dia todo, o problema será agravado.
DOENÇAS MUSCULARES
4 - COMPRESSÃO DE TECIDOS NUM PONTO
DO CORPO
O exemplo da chave-de-fenda é muito
bom, pois a palma da mão terá os tecidosbom, pois a palma da mão terá os tecidos
(tendões, músculos e nervos) da área onde
o cabo da ferramenta fica pressionando
esmagados, sem circulação sangüínea.
DOENÇAS MUSCULARES
HORAS EXTRAS E DOBRAS DE TURNO - Se na jornada de
trabalho normal já se verificam casos de lesões, o que não dizer
em relação a uma sobrejornada?
VIBRAÇÃO - A vibração produzida quando do uso de tais
ferramentas acentua os outros fatores, principalmente se
considerarmos a dificuldade do fluxo sangüíneo naquela região
localizada do corpo (a vibração praticamente expulsa o sangue
dos capilares por ela atingidos).
FRIO - ambientes com baixa temperatura aceleram oFRIO - ambientes com baixa temperatura aceleram o
aparecimento das lesões em função da VASOCONSTRIÇÃO
periférica (o sangue se desloca da superfície do corpo, em
direção dos órgãos centrais, como o coração).
DOENÇAS MUSCULARES
TENSÃO PROVOCADA POR FATORES
ORGANIZACIONAIS - a empresa pode pressionar
psicologicamente seus funcionários, aumentando o ritmo de
trabalho, eliminando pausas de repouso, diminuindo o número detrabalho, eliminando pausas de repouso, diminuindo o número de
funcionários numa seção, restringindo o uso de sanitários, etc.
SEXO FEMININO - 77% da população brasileira acometida por
DORTs no Brasil é de mulheres.
DOENÇAS MUSCULARES
FATORES QUE INFLUEM NA ADOÇÃO DE POSTURAS:
➢Fatores relacionados à Natureza da Tarefa: Físico,
Mental ou Ambos;
A - Um operador de painel que trabalha numa sala de controle
de uma fábrica, sentado, observando dezenas de mostradores,
controlando variáveis de um processo industrial. A atividade é
de natureza mental.
B - Um desenhista que está trabalhando em uma prancheta,
executando um desenho técnico com instrumentos (esquadros,
compasso, etc.). A atividade é de natureza mental, mas implicacompasso, etc.). A atividade é de natureza mental, mas implica
também em esforços físicos.
C - Um estivador que trabalha junto a uma correia
transportadora de sacos de café, no cais do porto. Seu trabalho
implica em permanente movimentação e esforço físico.
DOENÇAS MUSCULARES
FATORES QUE INFLUEM NA ADOÇÃO DE POSTURAS:
➢Fatores Físicos Ambientais: ruído, calor, frio,
iluminamentodo posto de trabalho, no qual está o
trabalhador. As pessoas nem percebem, mas estes sãotrabalhador. As pessoas nem percebem, mas estes são
alguns fatores que implicam na adoção de posturas.
DOENÇAS MUSCULARES
➢Fatores Dimensionais: tamanho e à localização de
alavancas, botões, pedais, teclados, volantes, tampos de
mesas e bancadas, comandos de máquinas e
equipamentos. Também a presença de estruturas,
degraus, passagens, influenciam na postura adotada.degraus, passagens, influenciam na postura adotada.
DOENÇAS MUSCULARES
➢Fatores Temporais: São de grande importância,
derivados de atividades desenvolvidas sob pressão de
tempo, em função da tensão nervosa à qual o
trabalhador se expõe.
DOENÇAS MUSCULARES
OCUPACIONAL
➢Salário baixo;
➢Ameaça constante de demissão;
➢Chefia insegura, incompetente, indecisa;
➢Chefia intolerante, que humilha os subordinados, com cenas de
“baixaria”;“baixaria”;
➢Jornada de trabalho excessiva (dobras, horas-extras);
➢Ausência de pausas, rodízios;
➢Horários inadequados de trabalho;
➢Ritmos excessivos, velocidades insuportáveis, organização do
trabalho nos padrões Tayloristas - exemplo: 500 toques por minuto,
para os digitadores;
➢Protecionismo (o sobrinho do gerente é promovido, mas você➢Protecionismo (o sobrinho do gerente é promovido, mas você
não...);
➢Falta de reconhecimento, por parte da empresa, das necessidades
do trabalhador (em qualquer nível - pode ser a falta de um
bebedouro, um banheiro muito longe, um EPI sem condições de uso,
iluminação deficiente no posto de trabalho, demora para a
manutenção de um equipamento, etc.).
DOENÇAS MUSCULARES
DE CONTEXTO
➢Transporte deficiente;➢Transporte deficiente;
➢Condições de moradia precárias;
➢Desajustes familiares;
➢Padrão de vida baixo;
➢Condições de higiene/alimentação precárias;
➢Violência urbana, neurose das grandes metrópoles,
insegurança.insegurança.
O TRABALHO NA POSTURA SENTADA
O ASSENTO:
➢Superfície macia, com revestimento em espuma;
➢Forração lisa, perfurada;
➢Borda frontal arredondada;
➢Altura regulável;
➢Giratório (sempre que possível).
A BASE:
O ENCOSTO:
➢Altura regulável;
➢Inclinável, conforme movimentos do tronco;
➢Definição da inclinação (+ ou - ereto, com trava);
➢Superfície macia, com revestimento em espuma;
➢Forração lisa, perfurada;
➢Espaço livre para a região sacrococigeana.
A BASE:
➢Pés fixos para recepções, salas de aula comuns e auditórios;
➢Pés com rodízios para trabalho de escritório e atendimento a público;
➢Número de rodízios: cinco (menos que isto, pode desequilibrar e
tombar);
➢Estrutura em aço;
➢Mecanismos macios, sem trancos nas travas.
O TRABALHO NA POSTURA SENTADA
ASSENTO MUITO MACIO: não oferece quase nenhuma resistência
fazendo com que a face posterior das coxas, quando encontra-se
totalmente apoiada no assento, promove um lento e progressivo
esmagamento dos tecidos da coxa.
ASSENTO DURO: produz uma concentração de pressão sobre aASSENTO DURO: produz uma concentração de pressão sobre a
parte inferior da cintura pélvica, sobre duas tuberosidades
localizadas na base da bacia. É que todo o peso do corpo que se
encontra acima da bacia é concentrado nesta região, apenas sobre
dois pontos.
ALCANCE MOTOR e o ALCANCE VISUAL
ALCANCE MOTOR: relaciona-se a tudo aquilo que precisamos
alcançar com as mãos ou com os pés (alavancas, botões, chaves,
objetos, peças, pedais, etc.).
ALCANCE VISUAL: relaciona-se a tudo que devemos ver e que
conseguimos interpretar (visores, mostradores, telas, teclados,conseguimos interpretar (visores, mostradores, telas, teclados,
painéis, trajetórias, etc.).
Área de alcance ótimo (ante-braço) e máximo (braço inteiro).
ALCANCE MOTOR e o ALCANCE VISUAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra de ergonomia Nr -17
Palestra de ergonomia Nr -17Palestra de ergonomia Nr -17
Palestra de ergonomia Nr -17Josiel Leite
 
Treinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraTreinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraAne Costa
 
Transporte manual de cargas(2)
Transporte manual de cargas(2)Transporte manual de cargas(2)
Transporte manual de cargas(2)Jupira Silva
 
Tudo o que você queria saber sobre o limite de peso que uma pessoa pode lava...
Tudo o que você queria saber sobre o limite de peso que uma pessoa pode lava...Tudo o que você queria saber sobre o limite de peso que uma pessoa pode lava...
Tudo o que você queria saber sobre o limite de peso que uma pessoa pode lava...EMS Indústria Farmacêutica
 
Movimenta%e7%e3o m cargas cass
Movimenta%e7%e3o m cargas cassMovimenta%e7%e3o m cargas cass
Movimenta%e7%e3o m cargas cassmaxisss
 
Trabalho de ergonomia apresentação 2
Trabalho de ergonomia   apresentação 2Trabalho de ergonomia   apresentação 2
Trabalho de ergonomia apresentação 2Célia Brandão
 
Trabalhos em altura
Trabalhos em alturaTrabalhos em altura
Trabalhos em alturaHacker32
 
Aula de análise de risco i
Aula de análise de risco iAula de análise de risco i
Aula de análise de risco iLuiz Dantas
 
Treinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaTreinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaAne Costa
 
Trabalhe com Segurança - Segurança e medicina do Trabalho
Trabalhe com Segurança - Segurança e medicina do TrabalhoTrabalhe com Segurança - Segurança e medicina do Trabalho
Trabalhe com Segurança - Segurança e medicina do TrabalhoRafael Seixas
 
Eng.introdução
Eng.introduçãoEng.introdução
Eng.introduçãoEliane Blen
 
Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
 Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
Temas para DDS - Dialogo Diario de SegurançaJucilei Moura
 
Ergonomia para escritorios
Ergonomia para escritoriosErgonomia para escritorios
Ergonomia para escritoriosmjmcreatore
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaClaudio Cesar Pontes ن
 
Treinamento em trabalho em altura e prevenção de quedas
Treinamento em trabalho em  altura e prevenção de quedas Treinamento em trabalho em  altura e prevenção de quedas
Treinamento em trabalho em altura e prevenção de quedas Alexandre Roque
 

Mais procurados (20)

Palestra de ergonomia Nr -17
Palestra de ergonomia Nr -17Palestra de ergonomia Nr -17
Palestra de ergonomia Nr -17
 
Treinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraTreinamento Esmerilhadeira
Treinamento Esmerilhadeira
 
Transporte manual de cargas(2)
Transporte manual de cargas(2)Transporte manual de cargas(2)
Transporte manual de cargas(2)
 
Tudo o que você queria saber sobre o limite de peso que uma pessoa pode lava...
Tudo o que você queria saber sobre o limite de peso que uma pessoa pode lava...Tudo o que você queria saber sobre o limite de peso que uma pessoa pode lava...
Tudo o que você queria saber sobre o limite de peso que uma pessoa pode lava...
 
Movimenta%e7%e3o m cargas cass
Movimenta%e7%e3o m cargas cassMovimenta%e7%e3o m cargas cass
Movimenta%e7%e3o m cargas cass
 
Trabalho de ergonomia apresentação 2
Trabalho de ergonomia   apresentação 2Trabalho de ergonomia   apresentação 2
Trabalho de ergonomia apresentação 2
 
Trabalhos em altura
Trabalhos em alturaTrabalhos em altura
Trabalhos em altura
 
Aula de análise de risco i
Aula de análise de risco iAula de análise de risco i
Aula de análise de risco i
 
Treinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaTreinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratória
 
Ergonomia 2013....
Ergonomia 2013....Ergonomia 2013....
Ergonomia 2013....
 
Ergonomia ponto
Ergonomia pontoErgonomia ponto
Ergonomia ponto
 
Segurança no trabalho
Segurança no trabalhoSegurança no trabalho
Segurança no trabalho
 
Trabalhe com Segurança - Segurança e medicina do Trabalho
Trabalhe com Segurança - Segurança e medicina do TrabalhoTrabalhe com Segurança - Segurança e medicina do Trabalho
Trabalhe com Segurança - Segurança e medicina do Trabalho
 
Eng.introdução
Eng.introduçãoEng.introdução
Eng.introdução
 
Ergonomia
ErgonomiaErgonomia
Ergonomia
 
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
Ergonomia no Trabalho, em Casa e na Vida!
 
Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
 Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
Temas para DDS - Dialogo Diario de Segurança
 
Ergonomia para escritorios
Ergonomia para escritoriosErgonomia para escritorios
Ergonomia para escritorios
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Treinamento em trabalho em altura e prevenção de quedas
Treinamento em trabalho em  altura e prevenção de quedas Treinamento em trabalho em  altura e prevenção de quedas
Treinamento em trabalho em altura e prevenção de quedas
 

Semelhante a Ergonomia e anatomia do sistema musculoesquelético

Semelhante a Ergonomia e anatomia do sistema musculoesquelético (20)

Aula 2 fisiologia humana (2)
Aula 2   fisiologia humana (2)Aula 2   fisiologia humana (2)
Aula 2 fisiologia humana (2)
 
Ler dort
Ler dort Ler dort
Ler dort
 
1 - SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR.ppt
1 - SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR.ppt1 - SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR.ppt
1 - SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR.ppt
 
Dort
DortDort
Dort
 
Ergonomia.pptx
Ergonomia.pptxErgonomia.pptx
Ergonomia.pptx
 
Sistema muscular
Sistema muscularSistema muscular
Sistema muscular
 
Modulo 11
Modulo 11Modulo 11
Modulo 11
 
Homos Sapiens Trab Bilo
Homos Sapiens Trab BiloHomos Sapiens Trab Bilo
Homos Sapiens Trab Bilo
 
Sistema Locomotor
Sistema LocomotorSistema Locomotor
Sistema Locomotor
 
Doenças e causas ergonomia.
Doenças e causas   ergonomia.Doenças e causas   ergonomia.
Doenças e causas ergonomia.
 
Aula Relaçao do captor ocular com o sistema postural PDF.pdf
Aula Relaçao do captor ocular com o sistema postural PDF.pdfAula Relaçao do captor ocular com o sistema postural PDF.pdf
Aula Relaçao do captor ocular com o sistema postural PDF.pdf
 
Anatomia humana
Anatomia humanaAnatomia humana
Anatomia humana
 
5 sistema muscular
5 sistema muscular5 sistema muscular
5 sistema muscular
 
Lesão de Extensores
Lesão de ExtensoresLesão de Extensores
Lesão de Extensores
 
Apostila-Musculos.pdf
Apostila-Musculos.pdfApostila-Musculos.pdf
Apostila-Musculos.pdf
 
Miologia do corpo humano
Miologia do corpo humanoMiologia do corpo humano
Miologia do corpo humano
 
Aula 9 Biomec Musculos E Ossos Parte 2
Aula 9  Biomec Musculos E Ossos Parte 2Aula 9  Biomec Musculos E Ossos Parte 2
Aula 9 Biomec Musculos E Ossos Parte 2
 
Aula de introdução ao sistema muscular
Aula de introdução ao sistema muscularAula de introdução ao sistema muscular
Aula de introdução ao sistema muscular
 
RPG nas Escolioses
RPG nas Escolioses RPG nas Escolioses
RPG nas Escolioses
 
Aula 20 sistema nervoso
Aula 20   sistema nervosoAula 20   sistema nervoso
Aula 20 sistema nervoso
 

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção

Mais de Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção (20)

Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 3 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da QualidadeAula 6 - Gestão da Qualidade
Aula 6 - Gestão da Qualidade
 
Aula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da QualidadeAula 3 - Gestão da Qualidade
Aula 3 - Gestão da Qualidade
 
Aula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da QualidadeAula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da Qualidade
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 4 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 6 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 5 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 4 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3.1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 3 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 2 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 

Último

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 

Último (20)

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 

Ergonomia e anatomia do sistema musculoesquelético

  • 1. ERGONOMIA Professor: Daniel Moura Disciplina: Ergonomia Curso: Graduação em Engenharia de Produção
  • 2. Sistema Nervoso • Sistema Nervoso Central: Encéfalo (Cérebro, Cerebelo e Tronco Encefálico) + MedulaCerebelo e Tronco Encefálico) + Medula Espinhal; • Neurônios: – Estrutura: Corpo Celular, Dendritos e Axônio – Características: irritabilidade e condutibilidade • Sinapses:• Sinapses: – Sentido único; Fadiga; Efeito residual; Desenvolvimento e Acidez.
  • 4. S.N. Central e Periférico constituído por fibras (nervos), gânglios nervosos e órgãosnervosos e órgãos terminais
  • 6. Visão • Sentido mais importante para o trabalho como para as atividades de vida diária;para as atividades de vida diária; • Funciona semelhante a uma câmara fotográfica; • Principais Estruturas: pupila, iris, cristalino, musculatura ciliar, retina, células fotossensíveismusculatura ciliar, retina, células fotossensíveis (cones e bastonetes).
  • 12. Metabolismo • Estudo dos aspectos energéticos do organismo humano; • O corpo humano é uma máquina térmica; • Alimentação => glicogênio, oxidado numa reação exotérmica, gerando energia; • Capacidade Muscular Energia
  • 15. Características da visão • Acuidade visual: capacidade para discriminar pequenos detalhes;discriminar pequenos detalhes; • Acomodação: capacidade de cada olho em focalizar objetos a várias distâncias; • Convergência: capacidade dos 2 olhos se moverem coordenadamente para focalizar o mesmo objeto;mesmo objeto; • Percepção das cores: radiações eletromagnéticas na faixa de 400 a 750 nanômetros
  • 16. Movimentos dos olhos • Rotações para direita e esquerda = 50o; para cima = 40o; baixo = 60o; próprio eixo = 10o,cima = 40o; baixo = 60o; próprio eixo = 10o, realizados por 6 músculos; • Voluntário e os Involuntários: – Movimentos sacádicos; – Movimentos visuais de perseguição.– Movimentos visuais de perseguição. – A velocidade de movimentos dos olhos varia com o indivíduo e a idade.
  • 17. Audição • Função: captar e converter as ondas de pressão em sinais elétricos p/ o cérebro, para produzirem sinais elétricos p/ o cérebro, para produzir sensações sonoras. • Principais Estruturas: • Ouvido Externo: pavilhão e conduto auditivo, e termina na membrana do tímpano; • Ouvido Médio: 3 ossículos (martelo, bigorna e• Ouvido Médio: 3 ossículos (martelo, bigorna e estribo), terminando na janela oval • Ouvido Interno: cóclea + receptores vestibulares
  • 19. Percepção do som • Freqüência: é o número de flutuações ou vibrações por segundo e é expressa em hertzvibrações por segundo e é expressa em hertz (Hz), subjetivamente percebida como altura do som; – Sons Graves: freq. < 1.000Hz; – Sons Agudos: freq > 3.000Hz– Sons Agudos: freq > 3.000Hz
  • 20. Percepção do som • Intensidade: depende da energia das oscilações e é definida em termos deoscilações e é definida em termos de potência por unidade de área deciBel (dB); – Capacidade de percepção humana = 20 a 120 dB, acima disso causa desconforto e dor; • Duração: medida em segundos. Os de curta duração (< 0,1s) dificultam a percepção eduração (< 0,1s) dificultam a percepção e aparentam ser diferentes daqueles de longa duração (acima de 1s).
  • 21. Percepção da posição e movimento • Receptores vestibulares: permitem manter a• Receptores vestibulares: permitem manter a postura ereta, movimentar-se sem cair e sentir se o corpo está sendo acelerado ou desacelerado em alguma direção, mesmo sem a ajuda dos olhos. • Senso cinestésico: informa sobre movimentos de• Senso cinestésico: informa sobre movimentos de partes do corpo, sem auxílio visual (receptores musculares, tendinosos e articulares); – Importante no treinamento para desenvolver habilidades musculares.
  • 22. É o responsável pela movimentação do corpo humano, sendo formado pelo conjunto de MÚSCULOS e suas inserções nos ossos, através de TENDÕES E FÁSCIAS. SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR São tecidos que seSão tecidos que se caracterizam pela ampla flexibilidade das células, transformando energia química em mecânica e por sua vasta vaso-irrigação. A alimentação muscular se dá através da respiração onde o oxigênio quebra a molécula daoxigênio quebra a molécula da glicose produzindo uma molécula orgânica (ATP).
  • 24. CARACTERÍSTICASCARACTERÍSTICAS São responsáveis pelos movimentos corporais; Caracterizam-se por sua capacidade de contrair- se e relaxar-se ;se e relaxar-se ; São formados por células alongadas (miofribilas); Temos aproximadamente 212 músculos: - 112 na região frontal; - 100 na região dorsal; Cada músculo possui seu nervo motor, sendoCada músculo possui seu nervo motor, sendo todas as contrações controladas e coordenadas pelo cérebro; Representa cerca de 40 a 45% do peso corporal.
  • 25. TIPOS DE MÚSCULOS Músculo liso: o músculo involuntário localiza-se na pele, órgãos internos, aparelho reprodutor, grandes vasos sangüíneos e aparelho excretor. O estímulo para a contração dos músculos lisos é mediado pelo sistema nervoso vegetativo. Músculo estriado esquelético: é inervado pelo sistema nervoso central e, como este se encontra em parte sob controle consciente, chama-se músculo voluntário. As contrações do músculo esquelético permitem os movimentos dos diversos ossos e cartilagens do esqueleto. Músculo cardíaco: este tipo de tecido muscular forma a maior parte do coração dos vertebrados. O músculo cardíaco carece de controle voluntário. É inervado pelo sistema nervoso vegetativo.
  • 26. MÚSCULOS Feixe de Fibras Membrana Fáscia Fibra Muscular Fibra Muscular Miofibrila Filamento Vaso Capilar CONTRAÇÃO ISOTÔNICA OU DINÂMICA: Alteraração no tamanho do músculo, sem tensão interna; CONTRAÇÃO ISOMÉTRICA OU ESTÁTICA: Sem alteração no tamnho do músculo, porém, há tenção interna. Tal classificação é muito importante, pois as diferentes contrações implicam num consumo diferenciado de oxigênio pelo músculo.
  • 27. MÚSCULOS Outro detalhe muito importante relacionado à alimentação dos músculos, seja qualquer a contração por eles apresentada, refere-se à CARGA HEMODINÂMICA, relacionada à coluna a ser vencida pelo fluxo sangüíneo, quando um membro está elevado.
  • 28. DOENÇAS MUSCULARES TENDINITE: Estrangulamento do tendão (contra estruturas ósseas da área) e passando a sofrer atrito com o osso. O resultado final disto é uma inflamação no tendão;inflamação no tendão; SINOVITE: Inflamação na Bainha Sinovial; TENOSSINOVITE: Inflamação no tendão e bainha sinovial.sinovial.
  • 29. TENDÕES São responsáveis pela transmissão de forças atuantes nos músculos, conferindo movimento Estruturas anatômicas visco-elástica, com flexibilidade inferior aos músculos. Bainha Sinovial atuantes nos músculos, conferindo movimento aos segmentos corporais, pois servem de elemento de ligação entre o corpo central do músculo e os ossos. Tendão
  • 30. DORT-Distúrbios Osteomuslares Relacionados ao Trabalho DEDO EM GATILHO O problema ocorre quando um dos tendões que flexionam o dedo torna-se inflamado.
  • 31. DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao Trabalho A partir da publicação da Ordem de Serviço 606 do MPAS, em 1999, a designação foi mudada para DORT –MPAS, em 1999, a designação foi mudada para DORT – Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho. Esta designação, por sinal, indica que a lesão, para que seja reconhecida, deve ter nexo ocupacional. Tal designação não impede, contudo, que o trabalhador, mesmo que sofra fatores externos ao trabalho, como a prática de esportes (que também pode provocar lesões), não tenha no ambiente de trabalho, situações em que também esteja sofrendo riscos que levem aotambém esteja sofrendo riscos que levem ao desenvolvimento de lesões.
  • 32. DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao Trabalho DOENÇA DeQuervain TENOSSINOVITE DOS EXTENSORES DOS DEDOS 1. Retináculo da articulação do carpo 2. Bainhas sinoviais dos tendões extensores 3. Tendão abdutor do polegar 4. Tendão extensor do polegar 5.Tendões extensores dos dedos
  • 33. DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao Trabalho 1. Nervo Mediano 2. Retináculo da articulação do carpo SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO 2. Retináculo da articulação do carpo Decorrência da compressão do nervo mediano na altura do carpo, envolve um estreitamento do túnel do carpo pelo espessamento do ligamento anular do carpo provocando atrito entre tendões e ligamentos .
  • 34. DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao Trabalho Tendinite do Bicipital É a inflamação do bíceps, decorre de atividades repetitivas do braço e do exercício muscular intensivo ou de traumas no ombro.
  • 35. DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao Trabalho É a inflamação do tendão do músculo supra-espinhoso em torno da Tendinite do Supra-Espinhoso supra-espinhoso em torno da articulação do ombro, decorre também de atividades repetitivas do braço e de exercício muscular excessivo, sintomas de sensação de peso até dor violenta no local.
  • 36. DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao Trabalho Decorrência da compressão de vasos e nervos entre o pescoço e o ombro na Síndrome do Desfiladeiro Torácico e nervos entre o pescoço e o ombro na saída do tórax que passa por um canal delimitado pela clavícula, primeira costela e músculos, este canal pode se estreitar mais ainda ao se trabalhar com a cabeça elevada ou por vícios de postura.
  • 37. DORT-Distúrbios Osteomulares Relacionados ao Trabalho BURSITE Bursite é a inflamação da bursa, pequena bolsabursa, pequena bolsa contendo líquido que envolve as articulações e funciona como amortecedor entre ossos, tendões e tecidos musculares. A bursite ocorre principalmente nos ombros, cotovelos eombros, cotovelos e joelhos.
  • 38. DOENÇAS MUSCULARES DORT: Distúrbios Osteomusculares relacionados ao Trabalho. 1 - POSTURA INADEQUADA (com ângulo-limite);1 - POSTURA INADEQUADA (com ângulo-limite); 2 - FORÇA EXCESSIVA APLICADA NUMA REGIÃO DO CORPO; 3 - REPETITIVIDADE (fazer uma só coisa e muitas vezes); 4 - COMPRESSÃO DE TECIDOS NUM PONTO DO CORPO.
  • 39. DOENÇAS MUSCULARES 1 - POSTURA INADEQUADA (com ângulo-limite) Diversas situações de trabalho implicam em posturas inadequadas, com desequilíbrio do corpo ou de uma parte do corpo, principalmente nas articulações. Toda articulação tem o que chamamos de ângulo neutro, ângulo de conforto e deo que chamamos de ângulo neutro, ângulo de conforto e de ângulo-limite. FLEXÃO NEUTRO EXTENSÃO NEUTRODESVIO RADIAL DESVIO ULNAR
  • 40. DOENÇAS MUSCULARES Observe que o cotovelo está acima da linha do ombro; a articulação do punho esquerda está em desvio radial e o dedo polegar está totalmente abduzido, enquanto faz pressão sobre a madeira. Esta postura pode resultar numa doença chamada Doença de DeQuervain, inflamação nos dois tendões que correm numa única bainha sinovial do polegar.
  • 41. DOENÇAS MUSCULARES Bancada de trabalho para estanhar contatos eletromecânicos: O operário flexiona toda a coluna para obter alcance dos contatos, pois a bancada é muito baixa (Estatura do operário = 1,90 m).
  • 42. DOENÇAS MUSCULARES A banqueta desta vez é estofada, mas o Eletricista não aA banqueta desta vez é estofada, mas o Eletricista não a usa...não dá (não há espaço para as pernas quando se senta defronte à bobina) = trabalho constante em pé; Os cavaletes usados para se apoiar a bobina não têm regulagem de altura = o Eletricista se abaixa para ver o que está fazendo e alcançar os contatos a serem refeitos.
  • 43. DOENÇAS MUSCULARES 2 - FORÇA EXCESSIVA APLICADA NUMA REGIÃO DO CORPO Para piorar, se a mão estiver aplicando força sobre uma ferramenta, por exemplo, ou na torção de roupas, além de estrangularmos os tendões, estaremos fazendo muita força, o que aumenta muito o consumo de oxigênio nos tecidos da região e também pressiona tendões e nervos contra ossos (problema que já vimos nanervos contra ossos (problema que já vimos na situação anterior).
  • 44. DOENÇAS MUSCULARES 3 - REPETITIVIDADE (fazer uma só coisa e muitas vezes) Além das posturas inadequadas, temos um agravante: fazer isto durante muitas horas e muitas vezes. Claro está que se os nervos, tendões e músculos ficarem pressionados e estrangulados por horas a fio, pelo fato da pessoa fazer só uma coisa o dia todo, o problema será agravado.o dia todo, o problema será agravado.
  • 45. DOENÇAS MUSCULARES 4 - COMPRESSÃO DE TECIDOS NUM PONTO DO CORPO O exemplo da chave-de-fenda é muito bom, pois a palma da mão terá os tecidosbom, pois a palma da mão terá os tecidos (tendões, músculos e nervos) da área onde o cabo da ferramenta fica pressionando esmagados, sem circulação sangüínea.
  • 46. DOENÇAS MUSCULARES HORAS EXTRAS E DOBRAS DE TURNO - Se na jornada de trabalho normal já se verificam casos de lesões, o que não dizer em relação a uma sobrejornada? VIBRAÇÃO - A vibração produzida quando do uso de tais ferramentas acentua os outros fatores, principalmente se considerarmos a dificuldade do fluxo sangüíneo naquela região localizada do corpo (a vibração praticamente expulsa o sangue dos capilares por ela atingidos). FRIO - ambientes com baixa temperatura aceleram oFRIO - ambientes com baixa temperatura aceleram o aparecimento das lesões em função da VASOCONSTRIÇÃO periférica (o sangue se desloca da superfície do corpo, em direção dos órgãos centrais, como o coração).
  • 47. DOENÇAS MUSCULARES TENSÃO PROVOCADA POR FATORES ORGANIZACIONAIS - a empresa pode pressionar psicologicamente seus funcionários, aumentando o ritmo de trabalho, eliminando pausas de repouso, diminuindo o número detrabalho, eliminando pausas de repouso, diminuindo o número de funcionários numa seção, restringindo o uso de sanitários, etc. SEXO FEMININO - 77% da população brasileira acometida por DORTs no Brasil é de mulheres.
  • 48. DOENÇAS MUSCULARES FATORES QUE INFLUEM NA ADOÇÃO DE POSTURAS: ➢Fatores relacionados à Natureza da Tarefa: Físico, Mental ou Ambos; A - Um operador de painel que trabalha numa sala de controle de uma fábrica, sentado, observando dezenas de mostradores, controlando variáveis de um processo industrial. A atividade é de natureza mental. B - Um desenhista que está trabalhando em uma prancheta, executando um desenho técnico com instrumentos (esquadros, compasso, etc.). A atividade é de natureza mental, mas implicacompasso, etc.). A atividade é de natureza mental, mas implica também em esforços físicos. C - Um estivador que trabalha junto a uma correia transportadora de sacos de café, no cais do porto. Seu trabalho implica em permanente movimentação e esforço físico.
  • 49. DOENÇAS MUSCULARES FATORES QUE INFLUEM NA ADOÇÃO DE POSTURAS: ➢Fatores Físicos Ambientais: ruído, calor, frio, iluminamentodo posto de trabalho, no qual está o trabalhador. As pessoas nem percebem, mas estes sãotrabalhador. As pessoas nem percebem, mas estes são alguns fatores que implicam na adoção de posturas.
  • 50. DOENÇAS MUSCULARES ➢Fatores Dimensionais: tamanho e à localização de alavancas, botões, pedais, teclados, volantes, tampos de mesas e bancadas, comandos de máquinas e equipamentos. Também a presença de estruturas, degraus, passagens, influenciam na postura adotada.degraus, passagens, influenciam na postura adotada.
  • 51. DOENÇAS MUSCULARES ➢Fatores Temporais: São de grande importância, derivados de atividades desenvolvidas sob pressão de tempo, em função da tensão nervosa à qual o trabalhador se expõe.
  • 52. DOENÇAS MUSCULARES OCUPACIONAL ➢Salário baixo; ➢Ameaça constante de demissão; ➢Chefia insegura, incompetente, indecisa; ➢Chefia intolerante, que humilha os subordinados, com cenas de “baixaria”;“baixaria”; ➢Jornada de trabalho excessiva (dobras, horas-extras); ➢Ausência de pausas, rodízios; ➢Horários inadequados de trabalho; ➢Ritmos excessivos, velocidades insuportáveis, organização do trabalho nos padrões Tayloristas - exemplo: 500 toques por minuto, para os digitadores; ➢Protecionismo (o sobrinho do gerente é promovido, mas você➢Protecionismo (o sobrinho do gerente é promovido, mas você não...); ➢Falta de reconhecimento, por parte da empresa, das necessidades do trabalhador (em qualquer nível - pode ser a falta de um bebedouro, um banheiro muito longe, um EPI sem condições de uso, iluminação deficiente no posto de trabalho, demora para a manutenção de um equipamento, etc.).
  • 53. DOENÇAS MUSCULARES DE CONTEXTO ➢Transporte deficiente;➢Transporte deficiente; ➢Condições de moradia precárias; ➢Desajustes familiares; ➢Padrão de vida baixo; ➢Condições de higiene/alimentação precárias; ➢Violência urbana, neurose das grandes metrópoles, insegurança.insegurança.
  • 54. O TRABALHO NA POSTURA SENTADA O ASSENTO: ➢Superfície macia, com revestimento em espuma; ➢Forração lisa, perfurada; ➢Borda frontal arredondada; ➢Altura regulável; ➢Giratório (sempre que possível). A BASE: O ENCOSTO: ➢Altura regulável; ➢Inclinável, conforme movimentos do tronco; ➢Definição da inclinação (+ ou - ereto, com trava); ➢Superfície macia, com revestimento em espuma; ➢Forração lisa, perfurada; ➢Espaço livre para a região sacrococigeana. A BASE: ➢Pés fixos para recepções, salas de aula comuns e auditórios; ➢Pés com rodízios para trabalho de escritório e atendimento a público; ➢Número de rodízios: cinco (menos que isto, pode desequilibrar e tombar); ➢Estrutura em aço; ➢Mecanismos macios, sem trancos nas travas.
  • 55. O TRABALHO NA POSTURA SENTADA ASSENTO MUITO MACIO: não oferece quase nenhuma resistência fazendo com que a face posterior das coxas, quando encontra-se totalmente apoiada no assento, promove um lento e progressivo esmagamento dos tecidos da coxa. ASSENTO DURO: produz uma concentração de pressão sobre aASSENTO DURO: produz uma concentração de pressão sobre a parte inferior da cintura pélvica, sobre duas tuberosidades localizadas na base da bacia. É que todo o peso do corpo que se encontra acima da bacia é concentrado nesta região, apenas sobre dois pontos.
  • 56. ALCANCE MOTOR e o ALCANCE VISUAL ALCANCE MOTOR: relaciona-se a tudo aquilo que precisamos alcançar com as mãos ou com os pés (alavancas, botões, chaves, objetos, peças, pedais, etc.). ALCANCE VISUAL: relaciona-se a tudo que devemos ver e que conseguimos interpretar (visores, mostradores, telas, teclados,conseguimos interpretar (visores, mostradores, telas, teclados, painéis, trajetórias, etc.). Área de alcance ótimo (ante-braço) e máximo (braço inteiro).
  • 57. ALCANCE MOTOR e o ALCANCE VISUAL