SlideShare uma empresa Scribd logo
A S S I S T Ê N C I A D E
E N F E R M A G E M A
PA C I E N T E S E M E S TA D O
G R AV E
ENF°/PROF° JOSÉ PAULO
ALGUÉM JÁ ESTEVE EM UMA UTI OU
UM CTI?
• COMPARTILHE CONOSCO A SUA EXPERIÊNCIA:
UTI X CTI
• CTI – CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO – o CTI não abriga
casos especializados em uma patologia específica, mas sim todos os
pacientes que precisam de acompanhamento intensivo.
• UTI – UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA OU UNIDADE DE
TRATAMENTO INTENSIVO - UTI é destinada a casos específicos,
como a UTI neonatal, UTI cardiológica, UTI para queimados, etc.
• Ambos os espaços são constituídos por profissionais qualificados e
especializados em diversas áreas da medicina, além de uma vasta
gama de equipamentos e tecnologias que ajudam no trabalho de
vigilância e recuperação dos pacientes.
UTI-UNIDADE DE TERAPIA
INTENSIVA
• As UTIs são Unidade de Terapia Intensiva que fazem parte do
corpo físico de um hospital, e são equipadas com recursos
tecnológicos e científicos sofisticados de ultima geração, e são
para essas unidades que são levados os pacientes criticamente
enfermos que necessitam de um cuidado maior com recursos
humanos qualificados e atenção redobrada, que possibilitem
eficácia e rapidez no atendimento.
HUMANIZAÇÃO NA UTI
• A humanização é uma forma de assistência prestada às
pessoas que estão envolvidas no processo de saúde e
doença, a busca dessa assistência dentro da unidade de
terapia intensiva é devido à rotina diária e complexa que os
profissionais desenvolvem. A realização dessa humanização
e através de atos, do contato, conhecimento, entendimento e
outras ações voltadas ao bem estar de todas as pessoas
envolvidas.
AMBIENTE DO PACIENTE CRÍTICO
• A UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO - UTI –
AMBIENTE FRIO, DE ISOLAMENTO, ACESSO
RESTRITO E SEMPRE ASSOCIADO AO
AGRAVAMENTO DO QUADRO DO PACIENTE.
UTI – ESTRUTURA FÍSICA
PACIENTES NA UTI
MODALIDADES
• CTI GERAL;
• UTI CARDIOLÓGICO;
• UTI NEUROLÓGICO;
• UTI NEONATAL;
• CTI PÓS OPERATÓRIO;
• A QUANTIDADE DE LEITOS DE CADA SETOR SERÁ
CONFORME A ESTRUTURA FÍSICA .
QUE TIPO DE PACIENTE É INTERNADO
NESSA UNIDADE?
• TODOS PACIENTES COM DISFUNÇÃO VITAL. DENTRE ELAS ESTÃO:
- Politraumatismo;
- Grandes Desequilíbrios Eletrolíticos;
- Estados Gerais de Coma;
- Grande queimado;
- Pós-parada Cardiorrespiratória;
- Insuficiência Respiratória ou Renal descompensada;
- Estado de Choque;
- Insuficiência Coronariana Aguda;
- Pós operatório de cirurgias cardiovasculares, neurocirurgia, cirurgia torácica e
grandes cirurgias gerais.
QUAIS SÃO OS PROFISSIONAIS QUE
ATUAM EM SETORES CRÍTICOS?
Enfermeiro
Médico
Fisioterapeuta
Psicólogo
Nutricionista
Técnico em enfermagem
Auxiliar de serviços
ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO EM
ENFERMAGEM NO CTI
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO EM
ENFERMAGEM
• Verificar sinais vitais de 1 em 1 hora;
• Realizar balanço hídrico, horário e fechamento, a cada 12 horas;
• Desobstruir vias aéreas do pacientes por meio da aspiração orotraqueal
ou Nasotraqueal sempre que necessário;
• Trocar curativo diariamente ou sempre que necessário;
• Realizar a irrigação da sonda nasogástrica com 20ml de água filtrada ou
mineral para manter a permeabilidade, após administração de
medicação ou dietas e a cada 4 horas;
• Manter a oxigenoterapia umidificada com água destilada constante no
caso de pacientes entubados ou traqueostomizados;
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO EM
ENFERMAGEM
• Mobilizar o paciente no leito no máximo de 2 em 2 horas a fim de
prevenir lesão por pressão;
• Controlar rigorosamente o gotejamento de infusões;
• Observar constantemente o ritmo e a frequência cardíacos no monitor;
• Em caso de paciente em coma, mantê-lo com os olhos fechados e
cobertos com gaze umedecida com soro fisiológicos;
• Realizar higiene oral com solução antisséptica três vezes ao dia e/ou
quando necessário;
• Trocar todos os equipos a cada 24 horas ou a cada 72 horas e/ou de
acordo com rotina da instituição ou protocolo da ANVISA.
IMPORTÂNCIA DA AFERIÇÃO DOS SINAIS
VITAIS
• QUAIS SÃO OS SINAIS VITAIS QUE A ENFERMAGEM COMUMENTE
AFERE NO PACIENTE CRÍTICO?
- FREQUENCIA CARDÍACA / PULSO
- FREQUENCIA RESPIRATÓRIA
- PRESSÃO ARTERIAL
- TEMPERATURA
- SATURAÇÃO PARCIAL DE OXIGÊNCIO
- PRESSÃO ARTERIAL MÉDIA
QUAIS OS FATORES QUE PODEM
AUMENTAR OU DIMINUIR OS SINAIS
VITAIS?
• Altitude
• Exercícios físicos intensos
• Alimentação pesada
• Idade
• Estresse
• Uso de medicamentos
• Determinadas patologias
VALORES DE PARÂMETRO
SINAIS
IDADES
FC OU P FR PA T Sat O2 PAM
ADULTOS 60 – 100
BPM
14 – 20
IRPM
HIPOTENSÃO
< 100 X 60
mmHg
NORMOTENSÃO
120 X 80
mmHg
HIPERTENSÃO
140 X 90
mmHg
HIPOTERMI
A
< 35° C
AFEBRIL
36,1° a 37,2°
C
FEBRIL
> OU =
37,3°C
NORMAL
95% A
100%
NORMAL
70 A 100
mmHg
CRIANÇAS 80 – 120
BPM
20 – 25
IRPM
BEBÊS 100- 160
BPM
30 – 60
IRPM
DÚVIDAS?
BOA NOITE!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
Alexandre Reis
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
José Carlos Nascimento
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
NaraLcia2
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
gizaraposo
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
tuttitutti1
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
ssuser51d27c1
 
BALANÇO HÍDRICO.pptx
BALANÇO HÍDRICO.pptxBALANÇO HÍDRICO.pptx
BALANÇO HÍDRICO.pptx
Manuelly Silveira
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
Infecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio CirurgicoInfecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio Cirurgico
João Paulo França
 
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagemHemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Rui Lopes
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
Wellington Moreira Ribeiro
 
Transporte do Paciente Crítico*
Transporte do Paciente Crítico*Transporte do Paciente Crítico*
Transporte do Paciente Crítico*
Jeferson Espindola
 
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na HemoterapiaProcessos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
OdeirOdeirSilva
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
Beatriz Cordeiro
 
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Aprova Saúde
 

Mais procurados (20)

Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
 
BALANÇO HÍDRICO.pptx
BALANÇO HÍDRICO.pptxBALANÇO HÍDRICO.pptx
BALANÇO HÍDRICO.pptx
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Infecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio CirurgicoInfecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio Cirurgico
 
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagemHemocomponentes e os cuidados de enfermagem
Hemocomponentes e os cuidados de enfermagem
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Transporte do Paciente Crítico*
Transporte do Paciente Crítico*Transporte do Paciente Crítico*
Transporte do Paciente Crítico*
 
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na HemoterapiaProcessos de Enfermagem na Hemoterapia
Processos de Enfermagem na Hemoterapia
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
 

Semelhante a Pacientes Graves - 1.pptx

AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
ElainneChrisFerreira
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
RosaSantos738119
 
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Dario Barbosa
 
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
CaroBatista3
 
Folheto informativo uti
Folheto informativo utiFolheto informativo uti
Folheto informativo uti
Fabiane Fabihh
 
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI  (1jj).pptxIntrodução Enfermagem na UTI  (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
PedroRobertoCostaLob
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
JorgeFlix14
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
contatofelipearaujos
 
UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
Recepção
RecepçãoRecepção
Recepção
Glaube Nóbrega
 
Recepção
RecepçãoRecepção
Recepção
Glaube Nóbrega
 
aula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdfaula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdf
luciaitsp
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
ThiagosilvaDeoliveir6
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
Elisama Cruz
 
Terminologia hospitalar
Terminologia hospitalarTerminologia hospitalar
Terminologia hospitalar
jaddy xavier
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mangoTeorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
Raimundo Bany
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
Raimundo Bany
 
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdfTrabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
TalitadaSilva16
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
TARCIA1
 
aula 1.1-A-Unidade-de-Terapia-Intensiva-AULA.pptx
aula 1.1-A-Unidade-de-Terapia-Intensiva-AULA.pptxaula 1.1-A-Unidade-de-Terapia-Intensiva-AULA.pptx
aula 1.1-A-Unidade-de-Terapia-Intensiva-AULA.pptx
RAILANELIMAGOMES
 

Semelhante a Pacientes Graves - 1.pptx (20)

AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
 
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
 
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDFUPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
UPA - O que faz un enfermeiro (aula 10).PDF
 
Folheto informativo uti
Folheto informativo utiFolheto informativo uti
Folheto informativo uti
 
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI  (1jj).pptxIntrodução Enfermagem na UTI  (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
 
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdfAula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
Aula 01 - 08-02 - UTI conceito e história e estrutura (1).pdf
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
UTI.pptx
 
Recepção
RecepçãoRecepção
Recepção
 
Recepção
RecepçãoRecepção
Recepção
 
aula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdfaula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdf
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Terminologia hospitalar
Terminologia hospitalarTerminologia hospitalar
Terminologia hospitalar
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mangoTeorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango
 
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx  de fernando mango.2
Teorias sobre o conceito de tecnicas de enfermagem.pptx de fernando mango.2
 
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdfTrabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
Trabalho Final_Instrumentação Biomedica.pdf
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
 
aula 1.1-A-Unidade-de-Terapia-Intensiva-AULA.pptx
aula 1.1-A-Unidade-de-Terapia-Intensiva-AULA.pptxaula 1.1-A-Unidade-de-Terapia-Intensiva-AULA.pptx
aula 1.1-A-Unidade-de-Terapia-Intensiva-AULA.pptx
 

Último

AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
kailanejoyce4
 

Último (9)

AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
 

Pacientes Graves - 1.pptx

  • 1. A S S I S T Ê N C I A D E E N F E R M A G E M A PA C I E N T E S E M E S TA D O G R AV E ENF°/PROF° JOSÉ PAULO
  • 2. ALGUÉM JÁ ESTEVE EM UMA UTI OU UM CTI? • COMPARTILHE CONOSCO A SUA EXPERIÊNCIA:
  • 3. UTI X CTI • CTI – CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO – o CTI não abriga casos especializados em uma patologia específica, mas sim todos os pacientes que precisam de acompanhamento intensivo. • UTI – UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA OU UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO - UTI é destinada a casos específicos, como a UTI neonatal, UTI cardiológica, UTI para queimados, etc. • Ambos os espaços são constituídos por profissionais qualificados e especializados em diversas áreas da medicina, além de uma vasta gama de equipamentos e tecnologias que ajudam no trabalho de vigilância e recuperação dos pacientes.
  • 4. UTI-UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA • As UTIs são Unidade de Terapia Intensiva que fazem parte do corpo físico de um hospital, e são equipadas com recursos tecnológicos e científicos sofisticados de ultima geração, e são para essas unidades que são levados os pacientes criticamente enfermos que necessitam de um cuidado maior com recursos humanos qualificados e atenção redobrada, que possibilitem eficácia e rapidez no atendimento.
  • 5. HUMANIZAÇÃO NA UTI • A humanização é uma forma de assistência prestada às pessoas que estão envolvidas no processo de saúde e doença, a busca dessa assistência dentro da unidade de terapia intensiva é devido à rotina diária e complexa que os profissionais desenvolvem. A realização dessa humanização e através de atos, do contato, conhecimento, entendimento e outras ações voltadas ao bem estar de todas as pessoas envolvidas.
  • 6. AMBIENTE DO PACIENTE CRÍTICO • A UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO - UTI – AMBIENTE FRIO, DE ISOLAMENTO, ACESSO RESTRITO E SEMPRE ASSOCIADO AO AGRAVAMENTO DO QUADRO DO PACIENTE.
  • 9. MODALIDADES • CTI GERAL; • UTI CARDIOLÓGICO; • UTI NEUROLÓGICO; • UTI NEONATAL; • CTI PÓS OPERATÓRIO; • A QUANTIDADE DE LEITOS DE CADA SETOR SERÁ CONFORME A ESTRUTURA FÍSICA .
  • 10. QUE TIPO DE PACIENTE É INTERNADO NESSA UNIDADE? • TODOS PACIENTES COM DISFUNÇÃO VITAL. DENTRE ELAS ESTÃO: - Politraumatismo; - Grandes Desequilíbrios Eletrolíticos; - Estados Gerais de Coma; - Grande queimado; - Pós-parada Cardiorrespiratória; - Insuficiência Respiratória ou Renal descompensada; - Estado de Choque; - Insuficiência Coronariana Aguda; - Pós operatório de cirurgias cardiovasculares, neurocirurgia, cirurgia torácica e grandes cirurgias gerais.
  • 11. QUAIS SÃO OS PROFISSIONAIS QUE ATUAM EM SETORES CRÍTICOS? Enfermeiro Médico Fisioterapeuta Psicólogo Nutricionista Técnico em enfermagem Auxiliar de serviços
  • 12. ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM NO CTI
  • 13. PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM • Verificar sinais vitais de 1 em 1 hora; • Realizar balanço hídrico, horário e fechamento, a cada 12 horas; • Desobstruir vias aéreas do pacientes por meio da aspiração orotraqueal ou Nasotraqueal sempre que necessário; • Trocar curativo diariamente ou sempre que necessário; • Realizar a irrigação da sonda nasogástrica com 20ml de água filtrada ou mineral para manter a permeabilidade, após administração de medicação ou dietas e a cada 4 horas; • Manter a oxigenoterapia umidificada com água destilada constante no caso de pacientes entubados ou traqueostomizados;
  • 14. PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM • Mobilizar o paciente no leito no máximo de 2 em 2 horas a fim de prevenir lesão por pressão; • Controlar rigorosamente o gotejamento de infusões; • Observar constantemente o ritmo e a frequência cardíacos no monitor; • Em caso de paciente em coma, mantê-lo com os olhos fechados e cobertos com gaze umedecida com soro fisiológicos; • Realizar higiene oral com solução antisséptica três vezes ao dia e/ou quando necessário; • Trocar todos os equipos a cada 24 horas ou a cada 72 horas e/ou de acordo com rotina da instituição ou protocolo da ANVISA.
  • 15. IMPORTÂNCIA DA AFERIÇÃO DOS SINAIS VITAIS • QUAIS SÃO OS SINAIS VITAIS QUE A ENFERMAGEM COMUMENTE AFERE NO PACIENTE CRÍTICO? - FREQUENCIA CARDÍACA / PULSO - FREQUENCIA RESPIRATÓRIA - PRESSÃO ARTERIAL - TEMPERATURA - SATURAÇÃO PARCIAL DE OXIGÊNCIO - PRESSÃO ARTERIAL MÉDIA
  • 16. QUAIS OS FATORES QUE PODEM AUMENTAR OU DIMINUIR OS SINAIS VITAIS? • Altitude • Exercícios físicos intensos • Alimentação pesada • Idade • Estresse • Uso de medicamentos • Determinadas patologias
  • 17. VALORES DE PARÂMETRO SINAIS IDADES FC OU P FR PA T Sat O2 PAM ADULTOS 60 – 100 BPM 14 – 20 IRPM HIPOTENSÃO < 100 X 60 mmHg NORMOTENSÃO 120 X 80 mmHg HIPERTENSÃO 140 X 90 mmHg HIPOTERMI A < 35° C AFEBRIL 36,1° a 37,2° C FEBRIL > OU = 37,3°C NORMAL 95% A 100% NORMAL 70 A 100 mmHg CRIANÇAS 80 – 120 BPM 20 – 25 IRPM BEBÊS 100- 160 BPM 30 – 60 IRPM