SlideShare uma empresa Scribd logo
CLIMA
MOVIMENTO DE TRANSLAÇÃO
Link para o vídeo que demonstra o movimento de translação da terra, 
comentando sobre as estações do ano e sobre a incidência dos raios 
solares na terra. 
http://www.youtube.com/watch?v=xCzImAvuXGE
magnetosfera (escudo formado pelo campo magnético da terra) desvia as partículas carregadas provenientes de 
tempestades solares para os pólos terrestres, onde o campo é mais intenso. Quando as partículas atingem a 
atmosfera elas ionizam o ar, o que provoca a aurora boreal no pólo norte e a aurora austral no pólo sul.
A camada de ozônio é uma espécie de capa composta por gás ozônio (O3), sendo responsável 
por filtrar cerca de 95% dos raios ultravioleta B (UVB) emitidos pelo Sol que atingem a Terra.
Diferença entre Tempo e Clima 
•Tempo é uma combinação passageira dos 
elementos do clima. 
•Clima é a sucessão habitual dos tipos de tempo. 
Clima: A palavra clima deriva do grego e significa “inclinação” 
referindo-se a curvatura da Terra, que condiciona em grande parte 
os diferentes tipos climáticos terrestres
Elementos climáticos 
São grandezas (variáveis) que caracterizam o estado da 
atmosfera, ou seja: 
- radiação solar, 
- temperatura do ar, 
- umidade do ar, 
- pressão atmosférica, 
- velocidade e direção do vento, 
- precipitação. 
Esse conjunto de variáveis descreve as condições 
atmosféricas em um dado local e instante.
Fatores ou controles do Clima: 
São os agentes causais que condicionam os elementos do 
clima. Fatores geográficos que interferem nos elesmentos 
do clima: 
- latitude, 
- altitude, 
- continentalidade/ maritimidade, 
- tipo de corrente oceânica (fria ou quente), 
- radiação solar (dia/noite) 
A radiação solar pode ser tomada como elemento ou fator do clima, pois quando 
a radiação solar influencia a variação diária da temperatura do ar esta se torna 
um fator do clima, mas não deixa de ser, por natureza um elemento do clima.
1. Temperatura 
- Latitude: quanto mais próximo uma área estiver da linha do equador, maior será 
sua temperatura; quanto mais distante dessa linha estiver, menor será sua 
temperatura. Assim, nas latitudes baixas (próximas do equador), a temperatura é 
mais elevada e, nas latitudes altas (próximas dos pólos, a temperatura é mais 
baixa. Isso ocorre devido à insolação diferencial, pois a forma esférica da Terra 
faz com que a intensidade da radiação solar recebida seja desigual nas diferentes 
latitudes.
FATORES CLIMÁTICOS: Latitude
- Altitude: quanto maior a altitude, menor será a temperatura. Devido aos 
fatores de pressão ( o ar contém menos massas, superfície e raios solares 
refletidos.
Monte Kilimanjaro – Quênia - África
Campos do Jordão = 1.600 m – 04/05/12 
08:00 = 11°C min 7° e max 11° 
São Paulo = 800m – 04/05/12 
08:00 = 15°C min 13° e max 24°
- Continentalidade/Maritimidade: se refere ao afastamento de uma área em 
relação às grandes massa líquidas: mares e oceanos. Quanto mais afastado do 
mar for um local, maior será a sua continentalidade. A continentalidade aumenta a 
amplitude térmica (diária e anual) de um lugar.
Amplitude térmica 
Variação/Diferença entre a Máxima e a Mínima temperatura 
30 30 
10 
20 20 
10 
Amplitude 
térmica 
Amplitude 
térmica
2 - Pressão atmosférica: 
É a força que o ar exerce sobre a superfície terrestre, o peso 
do ar. Em geral, ela é menor nos lugares mais altos e nas 
regiões quentes. Dessa forma a altitude e a temperatura 
interferem na pressão atmosférica: 
- altitude: a pressão atmosférica varia conforme a altura. 
Quanto menor a altitude maior o volume de gases sobre a 
superfície, portanto maior pressão. Na mediada em que a 
altitude é maior, menor pressão porque a densidade é menor. 
- temperatura: ar aquecido sofre dilatação, tornando-se mais 
leve e por isso, o ar ascende (subir).
3 – Ventos: 
É o ar em movimento. São as diferenças de pressão 
atmosférica que explicam esse movimento, que ocorre 
principalmente na horizontal, isto é, de uma área para outra. 
Mas esse movimento também pode ser vertical, ou seja, da 
superfície, onde o ar é mais aquecido, para as elevadas 
altitudes
4 – Umidade do Ar: 
É a água em suspensão no ar atmosférico. O ar tem uma 
capacidade limite, quando atingido, fica saturado. O ar quente 
tem maior capacidade de conter maior vapor de água do que 
o ar frio. Quando o ar saturado enfrenta uma diminuição de 
temperatura ele condensa originando o orvalho, as nuvens, a 
neve, o nevoeiro e a chuva.
5 – Precipitação: 
A chuva, a neve, a geada, o orvalho e o granizo, são formas 
de precipitação atmosférica. Todas elas resultam da 
condensação, fenômeno que ocorre quando há resfriamento 
ou excesso de vapor de água. 
Chuva de granizo
6 – Massas de Ar: 
Massas de ar são porções da atmosfera que apresentam 
características particulares de temperatura, pressão e 
umidade.
Zona de 
convergência 
intertropical 
(ZCI)
CLIMA BRASIL: tipos climáticos 
1 – Equatorial 
2 – Tropical 
3 – Tropical de Altitude 
4 – Tropical Atlântico/Úmido 
5 – Semi-Árido 
6- Subtropical
Massas de ar: 
São os elementos mais importantes para explicar as mudanças no comportamento 
dos fenômenos atmosféricos. 
Massas de ar: constituem volumes da atmosfera (semelhantes a enormes “bolhas” 
ou “bolsões”) que têm algumas propriedades em comum (pressão, temperatura e 
umidade). 
São cinco as principais massas de ar que interferem no clima brasileiro. 
•mEc (massa equatorial continental) – quente e úmida 
•mTc (massa tropical continental) – quente e seca 
•mEa (massa equatorial atlântica) – quente e úmida 
•mTa (massa tropical atlântica) – quente e úmida 
•mPa (massa polar atlântica) – fria e úmida no inverno provoca frio e chuva no Sul e 
Sudeste; chuvas no Nordeste (litoral e sertão) e friagem no Norte. No verão provoca 
chuva.
verão 
CLIMA BRASIL: massas de ar
inverno 
CLIMA BRASIL: massas de ar
-Inverno rigoroso 
- chuvas distribuídas regularmente pelo ano 
todo, com índices pluviométricos superiores 
os 1.250 mm ao ano 
-duas estações bens definidas: verão quente 
e chuvoso; inverno seco. 
-amplitude térmica oscilando entre 5°C e 6°C 
-Quantidade de chuvas é de 1.500 mm ao 
ano. 
Subtropical 
-2 estações bens definidas:verão quente e 
chuvoso; inverno seco. 
-temperatura mediana o no verão e baixa no 
inverno. 
Clima tropical 
-Temperaturas elevadas 
-Chuvas escassas e irregulares, com uma 
média anual inferior a 750mm. 
tropical de altitude Semi-Árido 
-elevada temperatura e pequena amplitude 
térmica, variando entre 24°C e 26°C 
- Alta pluviosidade, com índices 
pluviométricos superiores a 2.000 mm. 
-2 estações bens definidas:verão quente e 
chuvoso; inverno frio e com alta 
pluviosidade. 
Clima equatorial Clima tropical atlântico
Clima equatorial Clima tropical tropical de altitude 
Clima tropical atlântico 
Semi-Árido Subtropical
POLARES – Ocorrem em latitudes extremas, próximo aos círculos polares Ártico e Antártico, 
grande variação da duração do dia e da noite. Baixas temperaturas o ano todo, máxima de 
10°C no verão. 
TEMPERADOS – Apresentam as quatro estações bem definidas. Há diferenças entre os 
locais próximos e os que estão longe do mar. 
MEDITERRÂNEOS – Verões quentes e secos e invernos amenos e chuvosos. Chuvas de 
outono e no inverno. 
TROPICAIS – Quentes o ano inteiro; duas estações: verão chuvoso e inverno seco. 
Apresentam variações em função da altitude, da maritimidade e da continentalidade. 
EQUATORIAIS – Temperaturas elevadas e chuvas abundantes o ano todo, com pequena 
amplitude térmica anual. 
SUBTROPICAIS – Das médias latitudes onde começam a se delinear as quatro estações. 
Chuvas bem distribuídas, verões quentes e invernos frios, com significativa amplitude 
térmica anual. 
ÁRIDOS – Extrema falta de umidade, elevadas amplitudes térmicas diária e sazonal. Chuvas 
inferiores a 250mm. anuais. 
SEMI-ÁRIDOS – São climas de transição. Chuvas escassas e irregulares. Encontrados tanto 
nas regiões tropicais quanto nas zonas temperadas (onde apresentam invernos frios).
FENÔMENOS CLIMÁTICOS: El niño e La niña 
Link para o vídeo que demonstra a dinâmica do El niño e La niña 
http://www.youtube.com/watch?v=oF4naKtTo6o 
Link com informações e esquemas para quem pretende se aprofundar sobre o tema 
http://enos.cptec.inpe.br/
FENÔMENOS CLIMÁTICOS: frente fria
FENÔMENOS CLIMÁTICOS: ilhas de calor
FENÔMENOS CLIMÁTICOS: inversão térmica
FENÔMENOS CLIMÁTICOS: Monções 
inverno 
verão
Debate: Aquecimento Global 
Aquecimento Resfriamento 
Ação 
Natural 
Ação 
antrópica 
(Homem)
AQUECIMENTO GLOBAL 
http://www.youtube.com/watch?v=S3Xhl63MN_g 
http://www.youtube.com/watch?v=SxgKjg-s4HA 
O primeiro é um documentário americano muito conhecido, defende a ideia de que 
está havendo um aquecimento global e coloca as ações antrópicas (do homem) 
como responsável pelas mudanças. 
O segundo é a entrevista com um pesquisador brasileiro contrário ao aquecimento 
global e principalmente que homem não possui qualquer interferência nessa 
questão. 
Vale a pena assistir e conhecer os vários argumentos sobre esse tema tão 
polêmico e atual, sempre tratado pelas mídias.
5 Resposta Esperada 
a) (2 pontos) 
Comparando-se os mapas do Brasil, que representam a situação das massas de ar no 
inverno e no verão, pode-se perceber que na situação de inverno, a massa Tropical 
Continental (mTc) desaparece e a massa Equatorial Continental (mEc) tem sua ação 
restrita a pequenas áreas da amazônia brasileira. Com isso, abre-se um corredor para 
as incursões da massa Polar para o interior do Brasil. Deve-se destacar que essa 
incursão é viabilizada quando a massa Polar Atlântica (mPa), em sua vertente 
continental, recebe o aporte da massa Polar Pacífica (mPp), que penetra no território 
brasileiro, pois transpõe a cadeia andina na Patagônia Argentina, 
juntando-se assim à mPa, intensificando a ação desta última no interior do Brasil e 
provocando a friagem na amazônia brasileira. 
b) (2 pontos) 
A massa Tropical Continental (mTc) tem seu centro de origem na região do Chaco 
paraguaio-boliviano. É um anticiclone semifixo e temporário, produtor de uma massa 
quente e seca que, no período do verão, pode dominar os tipos de tempo em todo o sul-sudeste 
brasileiro. Esse anticiclone forma-se, tanto por causa do aquecimento do 
continente, quanto pelo deslocamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCI) e do 
equador térmico. 
c) (1 ponto) 
Pode-se dizer que, no nordeste oriental (Zona da Mata e Litoral), as chuvas são frontais e 
ocorrem no inverno devido ao encontro da massa Polar Atlântica (mPa) com a Tropical 
Atlântica (mTa), enquanto que, no interior do Brasil, as chuvas são de verão.
5 Resposta Acima da Média
5 Resposta Abaixo da Média
5 Comentário 
Este tipo de questão é tradicional em uma prova de geografia, mas qual o 
nosso espanto ao ver que a mesma tornou-se difícil. A média geral foi baixa 
1,16. Esta era uma questão em que o aluno precisava apenas ter uma noção 
das massas de ar que atuam no Brasil, nas principais estações do ano e, com 
o auxílio da figura, responder às perguntas. Esta questão apresentou uma 
predominância de nota 1 (31,9%), seguida de nota 1,5, 2 e nota 0, ou seja 
18,5%; 14,4% e 14,0%; respectivamente.
8 Resposta Esperada 
a) (1 ponto) 
O clima é semi-árido. Sua principal área de ocorrência é o sertão 
nordestino. 
b) (2 pontos) 
Possui temperaturas constantemente elevadas, pequenas amplitudes 
térmicas anuais e grandes amplitudes térmicas 
diárias. As precipitações são bastantes irregulares, sendo que o período de 
maior pluviosidade média ocorre no verão. 
Entre abril e outubro há a ocorrência de secas pronunciadas. 
c) (2 pontos) 
Caatinga. Nela, há o predomínio de espécies arbustivas, xerófitas, 
freqüentemente espinhentas, dotadas de folhas 
pequenas, cascas grossas e troncos bastante ramificados. Há também uma 
grande quantidade de espécies suculentas, 
como as cactáceas e bromeliáceas; as gramíneas são resistentes e duras, 
distribuídas de forma descontínua.
8 Resposta Acima da Média
8 Resposta Abaixo da Média
8 Comentário 
O objetivo principal dessa questão foi saber se os candidatos eram capazes de ler um 
gráfico, sendo que informações relevantes estavam contidas no título e na fonte 
bibliográfica. O gráfico em pauta representava um tipo climático do nordeste brasileiro, 
em geral conhecido em razão dos episódios pronunciados de seca. A questão exigia 
ainda que os candidatos tivessem conhecimentos gerais sobre os climas e domínios 
morfoclimáticos do território brasileiro, pois lhes solicitava que identificassem a formação 
vegetal predominante na área representada. As estatísticas mostram que a nota média 
nesta questão foi de 1,63, o que foi surpreendente e demonstrativo de que os candidatos 
apresentam sérias dificuldades de leitura, observação e interpretação de gráficos. O 
tema, deve-se destacar, é tradicional e sempre aparece nos meios de comunicação, ora 
vinculado ao efeito “el niño” e suas conseqüências na dinâmica climática brasileira, ora 
associado ao problema da fome e miséria no sertão nordestino. Outra observação que se 
deve fazer é que muitos candidatos apresentaram sérios problemas de localização de um 
determinado fato ou fenômeno geográfico. Na resposta acima da média, o candidato 
consegue identificar o tipo climático e a área de ocorrência no território brasileiro. Deve-se, 
no entanto, fazer uma observação: a resposta esperada era sertão nordestino, mas a 
esmagadora maioria das provas identificou como área geográfica o nordeste brasileiro, o 
que é problemático, pois a região nordeste apresenta vários outros tipos climáticos. Na 
resposta abaixo da média tem-se o exemplo de candidato que demonstrou total 
desconhecimento da climatologia brasileira, assim como do tipo vegetal associado ao 
padrão climático.
9 Resposta Esperada 
a) Durante o evento do El Niño as águas superficiais do Oceano Pacífico 
tornam-se anormalmente mais quentes. Como o fenômeno se inicia 
próximo ao final do ano, na época do Natal, seu nome seria uma 
referência ao “Menino Jesus”. 
b) Há uma forte redução na atividade pesqueira no Peru associado ao El 
Niño e a região Nordeste no Brasil sofre momentos de redução nas 
precipitações.
9 Resposta Acima da Média
9 Resposta Abaixo da Média
5 Comentário
10 Resposta Esperada 
a) O climograma 1 refere-se ao clima subtropical e o 2 ao clima semiárido. 
b) No clima subtropical (climograma 1), a vegetação característica é a mata de 
araucária e os campos; no semiárido (climagrama 2), a caatinga.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
Guilherme Drumond
 
Grandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestresGrandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestres
João José Ferreira Tojal
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
Professor
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
André Luiz Marques
 
Fontes de energia do brasil
Fontes de energia do brasilFontes de energia do brasil
Fontes de energia do brasil
João José Ferreira Tojal
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
Prof. Francesco Torres
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Africa aspectos fisicos
Africa aspectos fisicosAfrica aspectos fisicos
Africa aspectos fisicos
Professor
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Alexia 14
 
Inversão térmica
Inversão térmicaInversão térmica
Inversão térmica
Laís Hildebrand
 
Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasil
moajr2
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
Leandro A. Machado de Moura
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placas
Cláudia Moura
 
A biosfera
A biosferaA biosfera
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentes
Naira Delazari
 
Biomas
BiomasBiomas
Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
karolpoa
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Roberta Sumar
 
América do sul
América do sulAmérica do sul
América do sul
Bruno Rangel Silvone
 

Mais procurados (20)

Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
 
Grandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestresGrandes biomas terrestres
Grandes biomas terrestres
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
Fontes de energia do brasil
Fontes de energia do brasilFontes de energia do brasil
Fontes de energia do brasil
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
 
Africa aspectos fisicos
Africa aspectos fisicosAfrica aspectos fisicos
Africa aspectos fisicos
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Inversão térmica
Inversão térmicaInversão térmica
Inversão térmica
 
Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasil
 
Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros Biomas Brasileiros
Biomas Brasileiros
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placas
 
A biosfera
A biosferaA biosfera
A biosfera
 
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentes
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
América do sul
América do sulAmérica do sul
América do sul
 

Destaque

Trabalho de geografia modificado
Trabalho de geografia modificadoTrabalho de geografia modificado
Trabalho de geografia modificado
Gabriel Pereira
 
Clima
ClimaClima
C:\Fakepath\Climas Quentes Aula E
C:\Fakepath\Climas Quentes Aula EC:\Fakepath\Climas Quentes Aula E
C:\Fakepath\Climas Quentes Aula E
escrevermuito
 
Climas
ClimasClimas
Climas
guest6c22b4
 
Aula sobre climas do brasil
Aula sobre climas do brasilAula sobre climas do brasil
Aula sobre climas do brasil
Bruno Rangel Silvone
 
Climas do brasil (prof° Elves Alves)
Climas do brasil (prof° Elves Alves)Climas do brasil (prof° Elves Alves)
Climas do brasil (prof° Elves Alves)
elves0927
 
A Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
A Diversidade Dos Climas No Nosso PlanetaA Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
A Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
guest6c22b4
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
Mariane Gomes
 
Climas e formações vegetais
Climas   e formações vegetaisClimas   e formações vegetais
Climas e formações vegetais
fatima4lopes
 
Climas
ClimasClimas
Climas
sandrafaela
 
Tipos De Clima
Tipos De ClimaTipos De Clima
Tipos De Clima
João Morais
 

Destaque (11)

Trabalho de geografia modificado
Trabalho de geografia modificadoTrabalho de geografia modificado
Trabalho de geografia modificado
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
C:\Fakepath\Climas Quentes Aula E
C:\Fakepath\Climas Quentes Aula EC:\Fakepath\Climas Quentes Aula E
C:\Fakepath\Climas Quentes Aula E
 
Climas
ClimasClimas
Climas
 
Aula sobre climas do brasil
Aula sobre climas do brasilAula sobre climas do brasil
Aula sobre climas do brasil
 
Climas do brasil (prof° Elves Alves)
Climas do brasil (prof° Elves Alves)Climas do brasil (prof° Elves Alves)
Climas do brasil (prof° Elves Alves)
 
A Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
A Diversidade Dos Climas No Nosso PlanetaA Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
A Diversidade Dos Climas No Nosso Planeta
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Climas e formações vegetais
Climas   e formações vegetaisClimas   e formações vegetais
Climas e formações vegetais
 
Climas
ClimasClimas
Climas
 
Tipos De Clima
Tipos De ClimaTipos De Clima
Tipos De Clima
 

Semelhante a Climatologia

3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
SarahAlves89
 
Climatologia geográfica
Climatologia geográficaClimatologia geográfica
Climatologia geográfica
Gustavo Silva de Souza
 
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Saulo Lucena
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
Prof.Paulo/geografia
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
AntonioCarlos151949
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
caduisolada
 
06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf
EdicarlosDourado
 
CLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.pptCLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.ppt
AlissonVinicius15
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
Christie Freitas
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
Beth Pettersen
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
ETEC de Barueri
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
André Luiz Marques
 
Geografia a dinamica do clima
Geografia   a dinamica do climaGeografia   a dinamica do clima
Geografia a dinamica do clima
Gustavo Soares
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
Isackson Mendes
 
Fundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologiaFundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologia
Beatriz Ramos
 
Estado de tempo
Estado de tempoEstado de tempo
Estado de tempo
Tânia Vieira
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climas
Goreti Carvalho
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Professor
 
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMAATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
Vanessa Silva
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
Gla Santos
 

Semelhante a Climatologia (20)

3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
 
Climatologia geográfica
Climatologia geográficaClimatologia geográfica
Climatologia geográfica
 
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf
 
CLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.pptCLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.ppt
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Geografia a dinamica do clima
Geografia   a dinamica do climaGeografia   a dinamica do clima
Geografia a dinamica do clima
 
Clima e vegetação
Clima e vegetaçãoClima e vegetação
Clima e vegetação
 
Fundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologiaFundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologia
 
Estado de tempo
Estado de tempoEstado de tempo
Estado de tempo
 
Resumos geografia climas
Resumos geografia climasResumos geografia climas
Resumos geografia climas
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMAATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
ATMOSFERA - TEMPO E CLIMA
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 

Mais de marcokiko84

Estado do tempo
Estado do tempoEstado do tempo
Estado do tempo
marcokiko84
 
Elementos e fatores_climaticos
Elementos e fatores_climaticosElementos e fatores_climaticos
Elementos e fatores_climaticos
marcokiko84
 
Biomas climas-mundo
Biomas climas-mundoBiomas climas-mundo
Biomas climas-mundo
marcokiko84
 
Atlas portugal
Atlas portugalAtlas portugal
Atlas portugal
marcokiko84
 
Relatório sobre demografia e projecções final sem imagens
Relatório sobre demografia e projecções final sem imagensRelatório sobre demografia e projecções final sem imagens
Relatório sobre demografia e projecções final sem imagens
marcokiko84
 
Alto douro vinhateiro_-_vangelis
Alto douro vinhateiro_-_vangelisAlto douro vinhateiro_-_vangelis
Alto douro vinhateiro_-_vangelis
marcokiko84
 
Avaliacao do impacte economico do turismo a nivel regional
Avaliacao do impacte economico do turismo a nivel regionalAvaliacao do impacte economico do turismo a nivel regional
Avaliacao do impacte economico do turismo a nivel regional
marcokiko84
 

Mais de marcokiko84 (7)

Estado do tempo
Estado do tempoEstado do tempo
Estado do tempo
 
Elementos e fatores_climaticos
Elementos e fatores_climaticosElementos e fatores_climaticos
Elementos e fatores_climaticos
 
Biomas climas-mundo
Biomas climas-mundoBiomas climas-mundo
Biomas climas-mundo
 
Atlas portugal
Atlas portugalAtlas portugal
Atlas portugal
 
Relatório sobre demografia e projecções final sem imagens
Relatório sobre demografia e projecções final sem imagensRelatório sobre demografia e projecções final sem imagens
Relatório sobre demografia e projecções final sem imagens
 
Alto douro vinhateiro_-_vangelis
Alto douro vinhateiro_-_vangelisAlto douro vinhateiro_-_vangelis
Alto douro vinhateiro_-_vangelis
 
Avaliacao do impacte economico do turismo a nivel regional
Avaliacao do impacte economico do turismo a nivel regionalAvaliacao do impacte economico do turismo a nivel regional
Avaliacao do impacte economico do turismo a nivel regional
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

Climatologia

  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Link para o vídeo que demonstra o movimento de translação da terra, comentando sobre as estações do ano e sobre a incidência dos raios solares na terra. http://www.youtube.com/watch?v=xCzImAvuXGE
  • 11. magnetosfera (escudo formado pelo campo magnético da terra) desvia as partículas carregadas provenientes de tempestades solares para os pólos terrestres, onde o campo é mais intenso. Quando as partículas atingem a atmosfera elas ionizam o ar, o que provoca a aurora boreal no pólo norte e a aurora austral no pólo sul.
  • 12. A camada de ozônio é uma espécie de capa composta por gás ozônio (O3), sendo responsável por filtrar cerca de 95% dos raios ultravioleta B (UVB) emitidos pelo Sol que atingem a Terra.
  • 13. Diferença entre Tempo e Clima •Tempo é uma combinação passageira dos elementos do clima. •Clima é a sucessão habitual dos tipos de tempo. Clima: A palavra clima deriva do grego e significa “inclinação” referindo-se a curvatura da Terra, que condiciona em grande parte os diferentes tipos climáticos terrestres
  • 14. Elementos climáticos São grandezas (variáveis) que caracterizam o estado da atmosfera, ou seja: - radiação solar, - temperatura do ar, - umidade do ar, - pressão atmosférica, - velocidade e direção do vento, - precipitação. Esse conjunto de variáveis descreve as condições atmosféricas em um dado local e instante.
  • 15. Fatores ou controles do Clima: São os agentes causais que condicionam os elementos do clima. Fatores geográficos que interferem nos elesmentos do clima: - latitude, - altitude, - continentalidade/ maritimidade, - tipo de corrente oceânica (fria ou quente), - radiação solar (dia/noite) A radiação solar pode ser tomada como elemento ou fator do clima, pois quando a radiação solar influencia a variação diária da temperatura do ar esta se torna um fator do clima, mas não deixa de ser, por natureza um elemento do clima.
  • 16. 1. Temperatura - Latitude: quanto mais próximo uma área estiver da linha do equador, maior será sua temperatura; quanto mais distante dessa linha estiver, menor será sua temperatura. Assim, nas latitudes baixas (próximas do equador), a temperatura é mais elevada e, nas latitudes altas (próximas dos pólos, a temperatura é mais baixa. Isso ocorre devido à insolação diferencial, pois a forma esférica da Terra faz com que a intensidade da radiação solar recebida seja desigual nas diferentes latitudes.
  • 17.
  • 18.
  • 20. - Altitude: quanto maior a altitude, menor será a temperatura. Devido aos fatores de pressão ( o ar contém menos massas, superfície e raios solares refletidos.
  • 21. Monte Kilimanjaro – Quênia - África
  • 22. Campos do Jordão = 1.600 m – 04/05/12 08:00 = 11°C min 7° e max 11° São Paulo = 800m – 04/05/12 08:00 = 15°C min 13° e max 24°
  • 23. - Continentalidade/Maritimidade: se refere ao afastamento de uma área em relação às grandes massa líquidas: mares e oceanos. Quanto mais afastado do mar for um local, maior será a sua continentalidade. A continentalidade aumenta a amplitude térmica (diária e anual) de um lugar.
  • 24. Amplitude térmica Variação/Diferença entre a Máxima e a Mínima temperatura 30 30 10 20 20 10 Amplitude térmica Amplitude térmica
  • 25.
  • 26. 2 - Pressão atmosférica: É a força que o ar exerce sobre a superfície terrestre, o peso do ar. Em geral, ela é menor nos lugares mais altos e nas regiões quentes. Dessa forma a altitude e a temperatura interferem na pressão atmosférica: - altitude: a pressão atmosférica varia conforme a altura. Quanto menor a altitude maior o volume de gases sobre a superfície, portanto maior pressão. Na mediada em que a altitude é maior, menor pressão porque a densidade é menor. - temperatura: ar aquecido sofre dilatação, tornando-se mais leve e por isso, o ar ascende (subir).
  • 27. 3 – Ventos: É o ar em movimento. São as diferenças de pressão atmosférica que explicam esse movimento, que ocorre principalmente na horizontal, isto é, de uma área para outra. Mas esse movimento também pode ser vertical, ou seja, da superfície, onde o ar é mais aquecido, para as elevadas altitudes
  • 28. 4 – Umidade do Ar: É a água em suspensão no ar atmosférico. O ar tem uma capacidade limite, quando atingido, fica saturado. O ar quente tem maior capacidade de conter maior vapor de água do que o ar frio. Quando o ar saturado enfrenta uma diminuição de temperatura ele condensa originando o orvalho, as nuvens, a neve, o nevoeiro e a chuva.
  • 29. 5 – Precipitação: A chuva, a neve, a geada, o orvalho e o granizo, são formas de precipitação atmosférica. Todas elas resultam da condensação, fenômeno que ocorre quando há resfriamento ou excesso de vapor de água. Chuva de granizo
  • 30. 6 – Massas de Ar: Massas de ar são porções da atmosfera que apresentam características particulares de temperatura, pressão e umidade.
  • 31.
  • 32. Zona de convergência intertropical (ZCI)
  • 33. CLIMA BRASIL: tipos climáticos 1 – Equatorial 2 – Tropical 3 – Tropical de Altitude 4 – Tropical Atlântico/Úmido 5 – Semi-Árido 6- Subtropical
  • 34. Massas de ar: São os elementos mais importantes para explicar as mudanças no comportamento dos fenômenos atmosféricos. Massas de ar: constituem volumes da atmosfera (semelhantes a enormes “bolhas” ou “bolsões”) que têm algumas propriedades em comum (pressão, temperatura e umidade). São cinco as principais massas de ar que interferem no clima brasileiro. •mEc (massa equatorial continental) – quente e úmida •mTc (massa tropical continental) – quente e seca •mEa (massa equatorial atlântica) – quente e úmida •mTa (massa tropical atlântica) – quente e úmida •mPa (massa polar atlântica) – fria e úmida no inverno provoca frio e chuva no Sul e Sudeste; chuvas no Nordeste (litoral e sertão) e friagem no Norte. No verão provoca chuva.
  • 35. verão CLIMA BRASIL: massas de ar
  • 36. inverno CLIMA BRASIL: massas de ar
  • 37. -Inverno rigoroso - chuvas distribuídas regularmente pelo ano todo, com índices pluviométricos superiores os 1.250 mm ao ano -duas estações bens definidas: verão quente e chuvoso; inverno seco. -amplitude térmica oscilando entre 5°C e 6°C -Quantidade de chuvas é de 1.500 mm ao ano. Subtropical -2 estações bens definidas:verão quente e chuvoso; inverno seco. -temperatura mediana o no verão e baixa no inverno. Clima tropical -Temperaturas elevadas -Chuvas escassas e irregulares, com uma média anual inferior a 750mm. tropical de altitude Semi-Árido -elevada temperatura e pequena amplitude térmica, variando entre 24°C e 26°C - Alta pluviosidade, com índices pluviométricos superiores a 2.000 mm. -2 estações bens definidas:verão quente e chuvoso; inverno frio e com alta pluviosidade. Clima equatorial Clima tropical atlântico
  • 38. Clima equatorial Clima tropical tropical de altitude Clima tropical atlântico Semi-Árido Subtropical
  • 39.
  • 40. POLARES – Ocorrem em latitudes extremas, próximo aos círculos polares Ártico e Antártico, grande variação da duração do dia e da noite. Baixas temperaturas o ano todo, máxima de 10°C no verão. TEMPERADOS – Apresentam as quatro estações bem definidas. Há diferenças entre os locais próximos e os que estão longe do mar. MEDITERRÂNEOS – Verões quentes e secos e invernos amenos e chuvosos. Chuvas de outono e no inverno. TROPICAIS – Quentes o ano inteiro; duas estações: verão chuvoso e inverno seco. Apresentam variações em função da altitude, da maritimidade e da continentalidade. EQUATORIAIS – Temperaturas elevadas e chuvas abundantes o ano todo, com pequena amplitude térmica anual. SUBTROPICAIS – Das médias latitudes onde começam a se delinear as quatro estações. Chuvas bem distribuídas, verões quentes e invernos frios, com significativa amplitude térmica anual. ÁRIDOS – Extrema falta de umidade, elevadas amplitudes térmicas diária e sazonal. Chuvas inferiores a 250mm. anuais. SEMI-ÁRIDOS – São climas de transição. Chuvas escassas e irregulares. Encontrados tanto nas regiões tropicais quanto nas zonas temperadas (onde apresentam invernos frios).
  • 41.
  • 42. FENÔMENOS CLIMÁTICOS: El niño e La niña Link para o vídeo que demonstra a dinâmica do El niño e La niña http://www.youtube.com/watch?v=oF4naKtTo6o Link com informações e esquemas para quem pretende se aprofundar sobre o tema http://enos.cptec.inpe.br/
  • 47. Debate: Aquecimento Global Aquecimento Resfriamento Ação Natural Ação antrópica (Homem)
  • 48. AQUECIMENTO GLOBAL http://www.youtube.com/watch?v=S3Xhl63MN_g http://www.youtube.com/watch?v=SxgKjg-s4HA O primeiro é um documentário americano muito conhecido, defende a ideia de que está havendo um aquecimento global e coloca as ações antrópicas (do homem) como responsável pelas mudanças. O segundo é a entrevista com um pesquisador brasileiro contrário ao aquecimento global e principalmente que homem não possui qualquer interferência nessa questão. Vale a pena assistir e conhecer os vários argumentos sobre esse tema tão polêmico e atual, sempre tratado pelas mídias.
  • 49. 5 Resposta Esperada a) (2 pontos) Comparando-se os mapas do Brasil, que representam a situação das massas de ar no inverno e no verão, pode-se perceber que na situação de inverno, a massa Tropical Continental (mTc) desaparece e a massa Equatorial Continental (mEc) tem sua ação restrita a pequenas áreas da amazônia brasileira. Com isso, abre-se um corredor para as incursões da massa Polar para o interior do Brasil. Deve-se destacar que essa incursão é viabilizada quando a massa Polar Atlântica (mPa), em sua vertente continental, recebe o aporte da massa Polar Pacífica (mPp), que penetra no território brasileiro, pois transpõe a cadeia andina na Patagônia Argentina, juntando-se assim à mPa, intensificando a ação desta última no interior do Brasil e provocando a friagem na amazônia brasileira. b) (2 pontos) A massa Tropical Continental (mTc) tem seu centro de origem na região do Chaco paraguaio-boliviano. É um anticiclone semifixo e temporário, produtor de uma massa quente e seca que, no período do verão, pode dominar os tipos de tempo em todo o sul-sudeste brasileiro. Esse anticiclone forma-se, tanto por causa do aquecimento do continente, quanto pelo deslocamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCI) e do equador térmico. c) (1 ponto) Pode-se dizer que, no nordeste oriental (Zona da Mata e Litoral), as chuvas são frontais e ocorrem no inverno devido ao encontro da massa Polar Atlântica (mPa) com a Tropical Atlântica (mTa), enquanto que, no interior do Brasil, as chuvas são de verão.
  • 50. 5 Resposta Acima da Média
  • 51. 5 Resposta Abaixo da Média
  • 52. 5 Comentário Este tipo de questão é tradicional em uma prova de geografia, mas qual o nosso espanto ao ver que a mesma tornou-se difícil. A média geral foi baixa 1,16. Esta era uma questão em que o aluno precisava apenas ter uma noção das massas de ar que atuam no Brasil, nas principais estações do ano e, com o auxílio da figura, responder às perguntas. Esta questão apresentou uma predominância de nota 1 (31,9%), seguida de nota 1,5, 2 e nota 0, ou seja 18,5%; 14,4% e 14,0%; respectivamente.
  • 53. 8 Resposta Esperada a) (1 ponto) O clima é semi-árido. Sua principal área de ocorrência é o sertão nordestino. b) (2 pontos) Possui temperaturas constantemente elevadas, pequenas amplitudes térmicas anuais e grandes amplitudes térmicas diárias. As precipitações são bastantes irregulares, sendo que o período de maior pluviosidade média ocorre no verão. Entre abril e outubro há a ocorrência de secas pronunciadas. c) (2 pontos) Caatinga. Nela, há o predomínio de espécies arbustivas, xerófitas, freqüentemente espinhentas, dotadas de folhas pequenas, cascas grossas e troncos bastante ramificados. Há também uma grande quantidade de espécies suculentas, como as cactáceas e bromeliáceas; as gramíneas são resistentes e duras, distribuídas de forma descontínua.
  • 54. 8 Resposta Acima da Média
  • 55. 8 Resposta Abaixo da Média
  • 56. 8 Comentário O objetivo principal dessa questão foi saber se os candidatos eram capazes de ler um gráfico, sendo que informações relevantes estavam contidas no título e na fonte bibliográfica. O gráfico em pauta representava um tipo climático do nordeste brasileiro, em geral conhecido em razão dos episódios pronunciados de seca. A questão exigia ainda que os candidatos tivessem conhecimentos gerais sobre os climas e domínios morfoclimáticos do território brasileiro, pois lhes solicitava que identificassem a formação vegetal predominante na área representada. As estatísticas mostram que a nota média nesta questão foi de 1,63, o que foi surpreendente e demonstrativo de que os candidatos apresentam sérias dificuldades de leitura, observação e interpretação de gráficos. O tema, deve-se destacar, é tradicional e sempre aparece nos meios de comunicação, ora vinculado ao efeito “el niño” e suas conseqüências na dinâmica climática brasileira, ora associado ao problema da fome e miséria no sertão nordestino. Outra observação que se deve fazer é que muitos candidatos apresentaram sérios problemas de localização de um determinado fato ou fenômeno geográfico. Na resposta acima da média, o candidato consegue identificar o tipo climático e a área de ocorrência no território brasileiro. Deve-se, no entanto, fazer uma observação: a resposta esperada era sertão nordestino, mas a esmagadora maioria das provas identificou como área geográfica o nordeste brasileiro, o que é problemático, pois a região nordeste apresenta vários outros tipos climáticos. Na resposta abaixo da média tem-se o exemplo de candidato que demonstrou total desconhecimento da climatologia brasileira, assim como do tipo vegetal associado ao padrão climático.
  • 57. 9 Resposta Esperada a) Durante o evento do El Niño as águas superficiais do Oceano Pacífico tornam-se anormalmente mais quentes. Como o fenômeno se inicia próximo ao final do ano, na época do Natal, seu nome seria uma referência ao “Menino Jesus”. b) Há uma forte redução na atividade pesqueira no Peru associado ao El Niño e a região Nordeste no Brasil sofre momentos de redução nas precipitações.
  • 58. 9 Resposta Acima da Média
  • 59. 9 Resposta Abaixo da Média
  • 61. 10 Resposta Esperada a) O climograma 1 refere-se ao clima subtropical e o 2 ao clima semiárido. b) No clima subtropical (climograma 1), a vegetação característica é a mata de araucária e os campos; no semiárido (climagrama 2), a caatinga.