SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 13 – LITERATURA
PROFª Edna Prado
REALISMO – NATURALISMO EM
PORTUGAL
Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para
começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja:
REAL (do Latim res) = fato
REAL+ISMO = REALISMO
ISMO = crença, doutrina
Assim, Realismo é a doutrina do fato, é o movimento literário
pautado na realidade. O Realismo é considerado a estética de reação
aos ideais românticos, principalmente contrária ao seu idealismo e
subjetivismo exagerados. Como pregava um de seus principais autores:
“... a tendência agora é manter-se dentro do campo dos fatos e de
nada mais do que fatos”.
Gustave Flaubert
Como fizemos com o Romantismo, é preciso diferenciarmos o
Realismo enquanto escola literária da atitude realista. A atitude realista,
entendida como a tentativa do artista em reproduzir o fato de maneira
objetiva, sempre existiu em maior ou menor intensidade e sempre
existirá. O que nos interessa neste curso é o Realismo com letra
maiúscula, o Realismo enquanto estética literária.
I - CONTEXTO HISTÓRICO
Veja a próxima imagem:
“As fábricas na sociedade européia”
A Revolução Industrial, iniciada no século anterior, entra numa segunda fase,
marcada pelo crescente aumento das fábricas e da mão-de-obra assalariada, do
proletariado. É o período da utilização do petróleo, da eletricidade, do aço, da
construção das estradas de ferro, da invenção do telégrafo, entre outras
transformações. É o início da estruturação do capitalismo.
O Realismo também reflete uma série de doutrinas filosóficas que
eram muito difundidas na época. Entre elas, destacam-se,
cronologicamente, o Positivismo de Augusto Comte, que rejeitava
interpretações metafísicas da vida e defendia o pensamento científico; o
Socialismo de Marx, através de seu Manifesto Comunista e o
Evolucionismo de Charles Darwim, através da teoria da origem das
espécies que punha em cheque as verdades pregadas pela igreja.
De acordo com os estudiosos, o marco inicial do Realismo na
literatura universal é a publicação de Madame Bovary de Gustave
Flaubert.
A grande característica do Realismo, como o próprio nome já
sugere, era a preocupação com a realidade, com a expressão da
verdade, mesmo que essa não fosse a desejada, mas também se
caracterizava por muitos outros aspectos.
II – CARACTERÍSTICAS
Veja as principais características do Realismo:
* OBJETIVISMO – Preocupado principalmente com a verdade, o autor
realista devia manter-se distante dos fatos narrados, buscando o
máximo de imparcialidade e impessoalismo.
* UNIVERSALISMO – Ao contrário do subjetivismo e individualismo da
estética romântica, o Realismo buscava o que era universal. O “eu”
neste período cede lugar ao “não-eu”.
* PERSONAGENS ESFÉRICAS – Também ao do Romantismo, o
Realismo apresentava personagens mais complexas e dinâmicas, pois
evoluíam psicologicamente ao longo da narrativa. Lembre-se de que no
Romantismo quase todas as personagens eram lineares, ou seja, eram
previsíveis, construídas a partir de um aspecto, ou eram os heróis ou
eram os vilões.
* CONTEMPORANEIDADE – O que interessa ao autor realista é o
tempo presente, o hoje. Daí a freqüente crítica social, procurando
desmascarar a imoralidade da igreja e da burguesia da época.
* DETALHISMO – As personagens e os locais são descritos
detalhadamente pelo autor que buscava um retrato mais fiel da
realidade.
O Realismo apresentou uma outra vertente, que representava a
intensificação de algumas de suas características. É o chamado
Naturalismo, em encontramos o Realismo levado ao extremo,
principalmente no que diz respeito ao cientificismo da época e ao
determinismo.
Embora dependentes, Realismo e Naturalismo, apresentam
algumas diferenças:
Quadro Comparativo entre Realismo e Naturalismo:
REALISMO NATURALISMO
• Romance documental
• Análise exterior e interior
• Ênfase psicológica
• Classes sociais dominantes
• Interpretação indireta
• Romance experimental
• Análise exterior
• Ênfase biológica
• Classes sociais inferiores
• Interpretação direta
Realismo em Portugal tem como marcos inicial a famosa Questão
Coimbrã. Vamos entendê-la:
Lisboa
Mesmo com todas as transformações do período, Lisboa mantinha-
se como palco dos grandes escritores românticos, representados por
Antônio Feliciano de Castilho.
Universidade de Coimbra
Coimbra, por sua vez, abrigou um grupo de jovens estudantes,
que representados por Antero de Quental, identificava-se mais com as
novas idéias realistas.
A Questão Coimbra foi justamente o choque de idéias entre esses
dois grupos.
Tudo começou quando Antônio Feliciano de Castilho fez algumas
referências irônicas aos jovens escritores de Coimbra, atacando
principalmente a obra de Antero de Quental.
Anos depois, praticamente o mesmo grupo de escritores realistas
participou das chamadas Conferências Democráticas Lisbonense.
Essas conferências eram reuniões em que se discutiam as novas
tendências realistas, livres do conservadorismo português.
A grande figura da prosa realista portuguesa foi sem dúvida
alguma Eça de Queirós, autor que será o tema da nossa próxima aula.
III – EXERCÍCIOS
1) (VUNESP) A mais famosa polêmica da história da literatura
portuguesa ficou conhecida como “Questão Coimbrã” ou “Questão do
Bom Senso e Bom Gosto”, e foi iniciada por Antero de Quental com uma
carta resposta a um posfácio de Antônio Feliciano de Castilho, incluído
no livro Poema da Mocidade, de Manuel Pinheiro Chagas. Nessa
polêmica, que começou em 1865 e terminou um ano depois,
amadureceram conceitos que, mais tarde, norteariam a chamada
geração de 70”.
Dos escritores ou simples intervenientes na polêmica abaixo
mencionados, um único não participou dela, sendo todavia o seu mais
brilhante produto. Indique a alternativa na qual se encontra esse
escritor:
a) Camilo Castelo Branco, Teixeira de Vasconcelos.
b) Ramalho Ortigão, Teófilo Braga.
c) Júlio de Castilho, Eça de Queirós.
d) Rui de Porto-Carrero, Manuel Roussado.
e) Augusto Malheiro Dias, Luciano Cordeiro.
R: c
2) (UM-SP) Assinale a alternativa incorreta a respeito do Realismo em
Portugal.
a) Seus seguidos reagiram violentamente contra tudo que se
identificava com o Romantismo.
b) No plano político, o posicionamento dos autores é monarquista e
conservador.
c) Um de seus principais aspectos é o racionalismo.
d)Seus personagens são escolhidos nas várias camadas e grupos sociais
de seu tempo.
e) Apresenta vários pontos comuns em relação ao Naturalismo.
R: b
3) (FCC) Assinale a alternativa onde estão indicados os textos que
analisam corretamente alguns aspectos do romance realista.
I – As personagens independem do julgamento do narrador, reagindo
cada uma de acordo com sua própria vontade e temperamento.
II – A linguagem é poeticamente elaborada nos diálogos, mas procura
alcançar um tom coloquial, com traços de oralidade, nas partes
narrativas e descritivas.
III – Observa-se o predomínio da razão e da observação sobre o
sentimento e a imaginação.
a) I, II, III b) I e II c) II e III d) I e III d) II
R: d
4-) (MEDICINA-ABC) Aponte a alternativa correta:
a)Eça de Queirós é um dos maiores prosadores românticos de Portugal.
b)Camões, além de poeta épico, é notável como lírico.
c) Toda poesia de Bocage se enquadra no Arcadismo.
d) Vieira representa o melhor da poesia barroca.
e) Camilo Castelo Branco é sobretudo lembrado pelo romance histórico.
R: b
5) Assinale a alternativa correta:
A chamada época do Realismo caracterizou-se, na literatura portuguesa:
a) Pelo culto da literatura de caráter nacionalista e individualista.
b) Pelo culto de uma literatura empenhada numa revolução política,
social, moral e mental que superasse a decadência em que se
precipitava Portugal.
c) Pelo culto da literatura inspirada no pitoresco da paisagem e dos
costumes portugueses.
d) Pelo culto de uma literatura empenhada na defesa dos ideais que
fizeram a revolução de 1820.
e) Pelo culto de uma literatura que idealizasse a sociedade portuguesa,
entregue a profunda religiosidade e nacionalismo.
R: b

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
Elayne Beatriz de Farias Pereira
 
O barroco
O barrocoO barroco
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
91118538
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Walace Cestari
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Walace Cestari
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
Amanda Rodrigues
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Naldinho Amorim
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo
Elaine Blogger
 
Barroco
BarrocoBarroco

Mais procurados (20)

1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Gregório de matos
Gregório de matosGregório de matos
Gregório de matos
 
Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 

Semelhante a Aula 13 realismo - naturalismo em portugal

Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Dafne Beatriz Santos
 
ROMANCE II
ROMANCE IIROMANCE II
ROMANCE II
AndrCamargo46
 
apostila segundo ano.docx
apostila   segundo ano.docxapostila   segundo ano.docx
apostila segundo ano.docx
Andrea Parlen
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
Maiara Giordani
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
Josi Motta
 
Realismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Realismo; Natualismo; Parnasianismo PortuguêsRealismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Realismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Uiles Martins
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
Clarice Menezes
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
nagelaviana
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx
GoisTec
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
Vitor Barreto
 
Movimento Literário Realismo
Movimento Literário RealismoMovimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo
David Souza
 
O realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literaturaO realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literatura
Universidad Nacional de Misiones
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
martinsramon
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 03
Revisando o realismo e o naturalismo, 03Revisando o realismo e o naturalismo, 03
Revisando o realismo e o naturalismo, 03
ma.no.el.ne.ves
 
Literaturas sobre realismo (7)
Literaturas sobre realismo (7)Literaturas sobre realismo (7)
Literaturas sobre realismo (7)
Equipemundi2014
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
RealismoRealismo
Realismo naturalismo
Realismo naturalismoRealismo naturalismo
Realismo naturalismo
BriefCase
 
Ultrarromantismo uma introdução
Ultrarromantismo uma introduçãoUltrarromantismo uma introdução
Ultrarromantismo uma introdução
Samara Silva
 

Semelhante a Aula 13 realismo - naturalismo em portugal (20)

Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
Movimento Literário Realismo: Realismo, movimento literário compromissado em ...
 
ROMANCE II
ROMANCE IIROMANCE II
ROMANCE II
 
apostila segundo ano.docx
apostila   segundo ano.docxapostila   segundo ano.docx
apostila segundo ano.docx
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
Realismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Realismo; Natualismo; Parnasianismo PortuguêsRealismo; Natualismo; Parnasianismo Português
Realismo; Natualismo; Parnasianismo Português
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
Movimento Literário Realismo
Movimento Literário RealismoMovimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo
 
O realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literaturaO realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literatura
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 03
Revisando o realismo e o naturalismo, 03Revisando o realismo e o naturalismo, 03
Revisando o realismo e o naturalismo, 03
 
Literaturas sobre realismo (7)
Literaturas sobre realismo (7)Literaturas sobre realismo (7)
Literaturas sobre realismo (7)
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo naturalismo
Realismo naturalismoRealismo naturalismo
Realismo naturalismo
 
Ultrarromantismo uma introdução
Ultrarromantismo uma introduçãoUltrarromantismo uma introdução
Ultrarromantismo uma introdução
 

Mais de Jonatas Carlos

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Jonatas Carlos
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Jonatas Carlos
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
Jonatas Carlos
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
Jonatas Carlos
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Jonatas Carlos
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
Jonatas Carlos
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugal
Jonatas Carlos
 

Mais de Jonatas Carlos (20)

Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26   modernismo no brasil - 3ª faseAula 26   modernismo no brasil - 3ª fase
Aula 26 modernismo no brasil - 3ª fase
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23   modernismo no brasil - 1ª faseAula 23   modernismo no brasil - 1ª fase
Aula 23 modernismo no brasil - 1ª fase
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Aula 20 vanguarda européia
Aula 20   vanguarda européiaAula 20   vanguarda européia
Aula 20 vanguarda européia
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
Aula 15   realismo - naturalismo no brasilAula 15   realismo - naturalismo no brasil
Aula 15 realismo - naturalismo no brasil
 
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
Aula 14   eça de queiroz e o realismoAula 14   eça de queiroz e o realismo
Aula 14 eça de queiroz e o realismo
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
Aula 09 romantismo
Aula 09   romantismoAula 09   romantismo
Aula 09 romantismo
 
Aula 08 arcadismo no brasil
Aula 08   arcadismo no brasilAula 08   arcadismo no brasil
Aula 08 arcadismo no brasil
 
Aula 07 arcadismo em portugal
Aula 07   arcadismo em portugalAula 07   arcadismo em portugal
Aula 07 arcadismo em portugal
 

Último

JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

Aula 13 realismo - naturalismo em portugal

  • 1. AULA 13 – LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO – NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL (do Latim res) = fato REAL+ISMO = REALISMO ISMO = crença, doutrina Assim, Realismo é a doutrina do fato, é o movimento literário pautado na realidade. O Realismo é considerado a estética de reação aos ideais românticos, principalmente contrária ao seu idealismo e subjetivismo exagerados. Como pregava um de seus principais autores: “... a tendência agora é manter-se dentro do campo dos fatos e de nada mais do que fatos”. Gustave Flaubert Como fizemos com o Romantismo, é preciso diferenciarmos o Realismo enquanto escola literária da atitude realista. A atitude realista, entendida como a tentativa do artista em reproduzir o fato de maneira objetiva, sempre existiu em maior ou menor intensidade e sempre existirá. O que nos interessa neste curso é o Realismo com letra maiúscula, o Realismo enquanto estética literária.
  • 2. I - CONTEXTO HISTÓRICO Veja a próxima imagem: “As fábricas na sociedade européia” A Revolução Industrial, iniciada no século anterior, entra numa segunda fase, marcada pelo crescente aumento das fábricas e da mão-de-obra assalariada, do proletariado. É o período da utilização do petróleo, da eletricidade, do aço, da construção das estradas de ferro, da invenção do telégrafo, entre outras transformações. É o início da estruturação do capitalismo. O Realismo também reflete uma série de doutrinas filosóficas que eram muito difundidas na época. Entre elas, destacam-se, cronologicamente, o Positivismo de Augusto Comte, que rejeitava interpretações metafísicas da vida e defendia o pensamento científico; o Socialismo de Marx, através de seu Manifesto Comunista e o Evolucionismo de Charles Darwim, através da teoria da origem das espécies que punha em cheque as verdades pregadas pela igreja. De acordo com os estudiosos, o marco inicial do Realismo na literatura universal é a publicação de Madame Bovary de Gustave Flaubert.
  • 3. A grande característica do Realismo, como o próprio nome já sugere, era a preocupação com a realidade, com a expressão da verdade, mesmo que essa não fosse a desejada, mas também se caracterizava por muitos outros aspectos. II – CARACTERÍSTICAS Veja as principais características do Realismo: * OBJETIVISMO – Preocupado principalmente com a verdade, o autor realista devia manter-se distante dos fatos narrados, buscando o máximo de imparcialidade e impessoalismo. * UNIVERSALISMO – Ao contrário do subjetivismo e individualismo da estética romântica, o Realismo buscava o que era universal. O “eu” neste período cede lugar ao “não-eu”. * PERSONAGENS ESFÉRICAS – Também ao do Romantismo, o Realismo apresentava personagens mais complexas e dinâmicas, pois evoluíam psicologicamente ao longo da narrativa. Lembre-se de que no Romantismo quase todas as personagens eram lineares, ou seja, eram previsíveis, construídas a partir de um aspecto, ou eram os heróis ou eram os vilões. * CONTEMPORANEIDADE – O que interessa ao autor realista é o tempo presente, o hoje. Daí a freqüente crítica social, procurando desmascarar a imoralidade da igreja e da burguesia da época. * DETALHISMO – As personagens e os locais são descritos detalhadamente pelo autor que buscava um retrato mais fiel da realidade. O Realismo apresentou uma outra vertente, que representava a intensificação de algumas de suas características. É o chamado Naturalismo, em encontramos o Realismo levado ao extremo,
  • 4. principalmente no que diz respeito ao cientificismo da época e ao determinismo. Embora dependentes, Realismo e Naturalismo, apresentam algumas diferenças: Quadro Comparativo entre Realismo e Naturalismo: REALISMO NATURALISMO • Romance documental • Análise exterior e interior • Ênfase psicológica • Classes sociais dominantes • Interpretação indireta • Romance experimental • Análise exterior • Ênfase biológica • Classes sociais inferiores • Interpretação direta Realismo em Portugal tem como marcos inicial a famosa Questão Coimbrã. Vamos entendê-la: Lisboa Mesmo com todas as transformações do período, Lisboa mantinha- se como palco dos grandes escritores românticos, representados por Antônio Feliciano de Castilho.
  • 5. Universidade de Coimbra Coimbra, por sua vez, abrigou um grupo de jovens estudantes, que representados por Antero de Quental, identificava-se mais com as novas idéias realistas. A Questão Coimbra foi justamente o choque de idéias entre esses dois grupos. Tudo começou quando Antônio Feliciano de Castilho fez algumas referências irônicas aos jovens escritores de Coimbra, atacando principalmente a obra de Antero de Quental. Anos depois, praticamente o mesmo grupo de escritores realistas participou das chamadas Conferências Democráticas Lisbonense. Essas conferências eram reuniões em que se discutiam as novas tendências realistas, livres do conservadorismo português. A grande figura da prosa realista portuguesa foi sem dúvida alguma Eça de Queirós, autor que será o tema da nossa próxima aula. III – EXERCÍCIOS 1) (VUNESP) A mais famosa polêmica da história da literatura portuguesa ficou conhecida como “Questão Coimbrã” ou “Questão do Bom Senso e Bom Gosto”, e foi iniciada por Antero de Quental com uma carta resposta a um posfácio de Antônio Feliciano de Castilho, incluído no livro Poema da Mocidade, de Manuel Pinheiro Chagas. Nessa polêmica, que começou em 1865 e terminou um ano depois, amadureceram conceitos que, mais tarde, norteariam a chamada geração de 70”.
  • 6. Dos escritores ou simples intervenientes na polêmica abaixo mencionados, um único não participou dela, sendo todavia o seu mais brilhante produto. Indique a alternativa na qual se encontra esse escritor: a) Camilo Castelo Branco, Teixeira de Vasconcelos. b) Ramalho Ortigão, Teófilo Braga. c) Júlio de Castilho, Eça de Queirós. d) Rui de Porto-Carrero, Manuel Roussado. e) Augusto Malheiro Dias, Luciano Cordeiro. R: c 2) (UM-SP) Assinale a alternativa incorreta a respeito do Realismo em Portugal. a) Seus seguidos reagiram violentamente contra tudo que se identificava com o Romantismo. b) No plano político, o posicionamento dos autores é monarquista e conservador. c) Um de seus principais aspectos é o racionalismo. d)Seus personagens são escolhidos nas várias camadas e grupos sociais de seu tempo. e) Apresenta vários pontos comuns em relação ao Naturalismo. R: b 3) (FCC) Assinale a alternativa onde estão indicados os textos que analisam corretamente alguns aspectos do romance realista. I – As personagens independem do julgamento do narrador, reagindo cada uma de acordo com sua própria vontade e temperamento. II – A linguagem é poeticamente elaborada nos diálogos, mas procura alcançar um tom coloquial, com traços de oralidade, nas partes narrativas e descritivas. III – Observa-se o predomínio da razão e da observação sobre o sentimento e a imaginação. a) I, II, III b) I e II c) II e III d) I e III d) II R: d 4-) (MEDICINA-ABC) Aponte a alternativa correta:
  • 7. a)Eça de Queirós é um dos maiores prosadores românticos de Portugal. b)Camões, além de poeta épico, é notável como lírico. c) Toda poesia de Bocage se enquadra no Arcadismo. d) Vieira representa o melhor da poesia barroca. e) Camilo Castelo Branco é sobretudo lembrado pelo romance histórico. R: b 5) Assinale a alternativa correta: A chamada época do Realismo caracterizou-se, na literatura portuguesa: a) Pelo culto da literatura de caráter nacionalista e individualista. b) Pelo culto de uma literatura empenhada numa revolução política, social, moral e mental que superasse a decadência em que se precipitava Portugal. c) Pelo culto da literatura inspirada no pitoresco da paisagem e dos costumes portugueses. d) Pelo culto de uma literatura empenhada na defesa dos ideais que fizeram a revolução de 1820. e) Pelo culto de uma literatura que idealizasse a sociedade portuguesa, entregue a profunda religiosidade e nacionalismo. R: b