SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE PROJEÇÃO




                     ADMINISTRAÇÃO EM PUBLICIDADE




Estrutura e Gerência de Empresas Publicitárias
Professor: Edson de Carvalho
Alunas: Cristiane Abreu de Oliviera/ Sâmara da Nóbrega
Curso/Turma: CSPP/ 4AN




                        Taguatinga,12 de Dezembro de 2009
SUMÁRIO




1.As principais teorias da administração...............................................................1
2.Cinco teóricos da administração.........................................................................4
3.O que é gestão de pessoas...................................................................................7
4.Planejamento Estratégico.....................................................................................8
5.Forma Moderna de Demissão..............................................................................10
6.Diferença de Coach,Líder e Chefe......................................................................12
7.Como Você Gestaria Sua Empresa......................................................................13
8.Referência Bibliográficas.....................................................................................14
PRINCIPAIS TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO


      TEORIA CLÁSSICA: é a organização de um regime fechado, rígido e mecânicos
sem conexão com seu ambiente exterior. A preocupação dos autores clássicos era
encontrar a melhor maneira de organizar, valendo para qualquer tipo de organização.
Nessa teoria clássica aplica-se o bom senso. O que valia para uma organização valia
para as demais. Henri Fayol

      TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS: Nessa teoriaa maior preocupação era o
comportamento humano e o relacionamento informal e social dos participantes dos
grupos sociais que determinam o comportamento individual. O que era válido para as
demais.

      TEORIA DA BUROCRACIA: Foi trazida das obras de Max Weber preocupado com
os aspectos internos e formalidades de um sistema fechado,na divisão de trabalho,no
poder da autoridade,na imposoção de regras e disciplina. Buscando um caráter
racional,legal,impessoal e formal para a máxima eficiência. Com essa teoria inicia-se a
critica da organização burocrática.

      TEORIA ESTRUTURALISTA: O conceito de organização e do homem são
amplificados numa tentativa de integração entre as abordagens clássicas e humanísticas
a partir de uma moldura da teoria da burocracia. Os estruturalistas desenvolvem análise
comparativas das organizações facilitando a localização de características
organizacionais.

      TEORIA NEOCLÁSSICA: Marca um retorno dos clássicos atualizados inovando e
adaptando a mudança,utilizando velhos conceitos de uma teoria que é a única que
apresenta caráter universal.

      TEORIA COMPORTAMENTAL: É uma teoria deixada de “herança” da teoria das
RH,ela ampliou o conceito do comportamento social,comparando estilo tradicional de
administração com o estilo moderno na compreensão dos conceitos de comportamento
de motivação. Para mudar uma organização e para se adaptar à dinâmica é preciso
mudar o comportamento de seus participantese suas relações.

      TEORIA DE SISTEMAS: Ela desenvolveu ampla visão de organização seguindo
uma preocupação com a construção de modelos abertos. O sistema se divide em
subsistemas que tem organizações interrelacionadas e o supra sistema com os
subsistemas e com a organização como um todo.

      TEORIA DA CONTINGÊNCIA: Onde ocorreu o deslocamento da visualização de
dentro para fora da organização. Tudo depende das características ambientais para a
organização. Os sistemas culturaisafetam as organizações. Essa teoria é um passo além
da teoria de sistemas em administração,ela procura entendercomo operam outras
organizaçoes.
CINCO TEÓRICOS DA ADMINISTRAÇÃO


       Jules Henri Fayol:Jules Henri Fayol (Istambul, 29 de Julho de 1841 — Paris,
19 de Novembro de 1925) foi um engenheiro de minas francês e um dos teóricos
clássicos da Ciência da Administração, sendo o fundador da Teoria Clássica
daAdministração e autor de Administração Industrial e Geral (título original: Administration
industrielle et générale - prévoyance organisation - commandement, coordination –
contrôle).
       Criou o Centro de Estudos Administrativos, onde se reuniam semanalmente
pessoas interessadas na administração de negócios comerciais, industriais e
governamentais, contribuindo para a difusão das doutrinas administrativas. Entre seus
seguidores estavam Luther Guilick, James D. Mooney, Oliver Sheldon e Lyndal F. Urwick.

       Henri Fayol é um dos principais contribuintes para o desenvolvimento do
conhecimento administrativo moderno. Uma das contribuições da teoria criada e
divulgada por ele foi o desenvolvimento a abordagem conhecida como Gestão
Administrativa ou processo administrativo, onde pela primeira vez falou-se em
administração como disciplina e profissão, que por sua vez, poderia ser ensinada através
de uma Teoria Geral da Administração.

       Outra contribuição da teoria de Fayol é a identificação das atuais quatro funções da
Administração que são: Planejar, Organizar, Liderar e Controlar, à qual Fayol ainda
acrescenta a função de Coordenar.

       Max Weber:Maximillian Carl Emil Weber (Erfurt, 21 de Abril de 1864 — Munique,
14 de Junho de 1920) foi um intelectual alemão, jurista, economista e considerado um dos
fundadores da Sociologia. Seu irmão foi o também famoso sociólogo e economista Alfred
Weber. A esposa de Max Weber, Marianne Schnitger, era socióloga e historiadora do
Direito.

       Weber também é conhecido pelo seu estudo da burocratização da sociedade. No
seu trabalho, Weber delineia a famosa descrição da burocratização como uma mudança
da organização baseada em valores e acção (a chamada autoridade tradicional) para uma
organização orientada para os objectivos e acção (chamada legal-racional). O resultado,
segundo Weber, é uma "noite polar de frio glacial" na qual a crescente burocratização da
vida humana a coloca numa gaiola de metal de regras e de controle racional. Seus
estudos sobre a burocracia da sociedade tiveram grande importância no estudo da Teoria
da Burocracia, dentro do campo de estudo da administração de empresas

       Max Weber morreu de pneumonia em Munique, Alemanha, a 14 de Junho de 1920.

       Frederick Taylor:Frederick Winslow Taylor (Filadélfia, Pensilvânia, 20 de Março de
1856 - Filadélfia, Pensilvânia, 21 de Março de 1915) mais conhecido por F. W. Taylor, foi
um engenheiro mecânico estadunidense, inicialmente técnico em mecânica e operário,
formou-se engenheiro mecânico estudando à noite. É considerado o "Pai da
Administração Científica" por propor a utilização de métodos científicos cartesianos na
administração de empresas. Seu foco era a eficiência e eficácia operacional na
administração industrial.

       Sua orientação cartesiana extrema é ao mesmo tempo sua força e fraqueza. Seu
controle inflexível, mecanicista, elevou enormemente o desempenho das indústrias em
que atuou, todavia, igualmente gerou demissões, insatisfação e estresse para seus
subordinados e sindicalistas.

       Herbert Simon:Herbert Alexander Simon (Milwaukee, 15 de junhode 1916 —
Pittsburgh, 9 de fevereiro de 2001) foi um economista estadunidense.

       Foi agraciado com o Prémio de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel
de 1978. Foi um pesquisador nos campos de Psicologia Cognitiva, Informática,
Administração Pública, Sociologia Económica, e Filosofia. Por vezes, descreveram-no
como um polímata.

       Recebeu em 1975 o Prêmio Turing da ACM, juntamente com Allen Newell, pelas
suas "contribuições básicas à Inteligência Artificial, à Psicologia de Cognição Humana, e
ao processamento de listas." Em 1978, foi agraciado com o Prémio Nobel de Economia,
pela sua "pesquisa precursora no processo de tomada de decisões dentro de
organizações económicas". Recebeu ainda a Medalha Nacional de Ciência, em 1986 e o
Award for Outstanding Lifetime Contributions to Psychology, da APA, em 1993.
      Chester Barnard:Chester Irving Barnard (1886–1961) foi um pensador da
Escola das Relações Humanas, corrente da Administração, surgida com a Crise de 1929.
      Barnard também é tido como um pensador do behaviorismo. Foi o criador da teoria
da cooperação, em que estuda a autoridade e a liderança.
      Foi um dos primeiros teóricos da administração a ver o homem como um ser social,
e a estudar suas organizações informais dentro das empresas.



                              GESTÃO DE PESSOAS

      A Gestão de Pessoas é uma das áreas que mais tem passado por mudanças e
transformações nestes últimos anos. A visão que se tem hoje da área é totalmente
diferente de sua tradicional configuração, quando recebia o nome de Administração de
Recursos Humanos (ARH). O objetivo central deste livro é mostrar as novas
características e o novo perfil dessa área de atividade. Nessa transição, o termo Gestão
de Pessoas caracteriza as novas tendências que estão acontecendo na ARH.

      A Gestão de Pessoas tem sido a responsável pela excelência de organizações
bem-sucedidas e pelo aporte de capital intelectual que simboliza, mais do que tudo, a
importância do fator humano em plena Era da Informação. Com a globalização dos
negócios, o desenvolvimento tecnológico, o forte impacto da mudança e o intenso
movimento pela qualidade e produtividade, surge uma eloqüente constatação na maioria
das organizações: o grande diferencial, a principal vantagem competitiva das empresas
decorre das pessoas que nelas trabalham. Surge, portanto, uma nova visão: as pessoas
como agentes proativos e empreendedores. São as pessoas que geram e fortalecem a
inovação e que produzem, vendem, servem ao cliente, tomam decisões, lideram,
motivam, comunicam, supervisionam, gerenciam e dirigem os negócios das empresas. No
fundo, as organizações são conjuntos de pessoas.
      A Gestão de Pessoas vem passando por um amplo processo de transformação, na
medida em que os sistemas tradicionalmente utilizados como referencial - centrados em
cargos - vem demonstrando fragilidades diante do ambiente turbulento e mutável pelo
qual vem passando as organizações.

      No contexto em que mudanças ocorrem a todo o momento, a organização precisa
estar alinhada em torno de definições estratégicas claras, sustentadas por uma gestão
com amplo envolvimento e participação.Uma organização que pretende ter de si mesma
uma visão estratégica precisa levar em conta que há um fluxo de conhecimentos que
afeta a produção como um todo.

      É preciso, portanto, estabelecer um compromisso com a força de trabalho, baseado
em respeito mútuo em uma comunicação aberta, ou seja, com o envolvimento dos
clientes internos e externos.

      O momento atual exige ampla transformação, uma nova "filosofia de gestão", o que
implica uma grande mudança no paradigma anterior.

      Torna-se fundamental ao gestor aprender a criar novas formas organizacionais em
torno de equipes e processo.
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO


      O planejamento estratégico é a "ferramenta" gerencial que permite a formulação de
uma estratégia. Primeiro, estuda-se o mais profundamente possível o desempenho
passado da empresa e projeta-se o desempenho futuro. Em seguida, constroem-se
cenários possíveis e se escolhe um deles para servir de referência. Com o cenário de
referência escolhido, faz-se a avaliação estratégica da empresa (a famosa matriz SWOT
— oportunidades, ameaças, forças e fraquezas), tendo como referência o que a empresa
quer ser (visão) dentro de um determinado horizonte de tempo (5, 10, 15 anos, por
exemplo). Depois, definem-se os objetivos básicos a serem alcançados dentro de um
período de tempo menor do que o definido na visão (constrói-se, com isso, uma espécie
de "degrau" para alcançar os objetivos de médio e longo prazos). Por fim, são
estabelecidas as ações necessárias para alcançar o objetivo estratégico de curto prazo,
bem como a forma de acompanhar e ajustar o que foi planejado.
FORMA MODERNA DE DEMISSÃO


      Outplacement:Outplacement é uma solução profissional, elaborada com o
objetivo de conduzir com dignidade e respeito os processos de demissão nas
companhias. É um sistema de ganha-ganha, que busca o beneficio de todos os
envolvidos.
      Os Serviços de outplacement, no início de seu desenvolvimento, eram somente
oferecidos em países mais desenvolvidos. Com o advento da globalização, a solução se
tornou um produto altamente procurado, e a prática de outplacement passou a ser mais
procurada e oferecida em outros mercados. Os países que, anteriormente, eram imunes a
mudanças na estrutura organizacional, passaram a estar expostos as mesma práticas
comuns no primeiro mundo. Começaram a ocorrer fusões e aquisições, reengenharias e
reestruturações, reorganizações e reduções de efetivo em busca de mais lucratividade em
uma economia aberta e competitiva. Esta mudança na ordem mundial não trouxe apenas
novas oportunidades ao mercado mas também novos desafios, empresariais e
profissionais, característicos deste novo mundo que se formava. No Brasil, em meados da
década de 80, as soluções de outplacement passaram a ser mais conhecidas, com o
surgimento das primeiras empresas nacionais prestadoras deste tipo de serviço. Em
meados da década de 90 começaram a chegar ao Brasil as primeiras empresas
multinacionais do ramo, aumentando a competitivedade deste mercado. Hoje, no Brasil,
este tipo de serviço conta com diversas empresas, nacionais e multinacionais, alem de
profissionais e consultores autonômos, que dentre outros serviços oferecem soluções
diversas de gestão de talentos, dentre elas o Outplacement.


                                Atividades de Outplacement


      Planejamento do processo de demissão
      A empresa empregadora e a consultoria contratada por ela para realizar o
outplacement definem como será o processo de demissão, antecipadamente, podendo
incluir até mesmo a uma análise para definição de quem fica e quem sai, alem de definir a
melhor forma de fazer o desligamento do profissional, de maneira que o mesmo não
permaneça nenhum minuto sem um acompanhamento e resguardo adequado.




      Planejamento do dia da demissão


      O dia do desligamento é planejado detalhadamente, as atividade detalhadas
minuciosamente, riscos e impactos para o indivíduo e para a organização são
considerados, é definido se o trabalho será em grupo ou individualmente, no caso de uma
demissão de mais de uma pessoa da mesma organização. É ainda definido como
ocorrerá o processo, fim-a-fim, quanto tempo levará o processo, e por exemplo se o dia
não é um dia de grande importância para o demitido, tais como natal e ano novo, ou
mesmo uma data familiar.


      Comunicação dos benefícios


      O funcionário é comunicado sobre os benefícios que vai receber da empresa,
inclusive com explicação detalhada da importância da atividade da empresa que ira
acompanhar seu processo de transição de carreira. Alguns exemplos são a prorrogação
do seguro saúde, uma porcentagem sobre a remuneração anual e o direito de utilizar o
carro da empresa por mais um período, entre outros.


      A recolocação


      E finalmente , a recolocação propriamente dita, na qual a empresa de consultoria
trabalha para recolocar o demitido no mercado de trabalho, auxiliando-o a refazer seu
currículo, aplicando avaliações para identificar seu desempenho, promovendo
"workshops" e palestras sobre gestão e mercado, cursos de imersão em inglês e
espanhol ou oferecendo apoio psicológico, entre outros serviços.
Trabalho
Diferença de Coach, Líder e Chefe

       Coach: É o profissional que faz coaching, que por sua vez é uma atividade
especializada em ajudar as pessoas a atingir seus objetivos por meio de um trabalho que
envolve profunda reflexão sobre a sua vida e que pode ser utilizada no âmbito pessoal e
profissional.
       “Coaching vem da palavra inglesa coach, que significa carruagem. Nesse contexto,
transmite a idéia de transportar. Ou seja, o coaching treina e ajuda as pessoas a se
dedicarem e a cumprirem com entusiasmo seus objetivos, saindo de um estado para
alcançar outro desejado.” (Rosana Ferreira, artigo para terra.com.br)
       "Com perguntas, o coach vai percebendo o que dificulta chegar à meta e trabalha o
auto-conhecimento do cliente”, (Jaqueline Weigel - coach).
       Líder: “Liderança é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem
entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem
comum”. James C. Hunter, em seu livro “O Monge e o Executivo Uma História Sobre a
Essência da Liderança” (Editora Sextante – Rio de Janeiro – 2004).
       O líder está envolvido no desenvolvimento de todo o processo das metas para o
objetivo final planejado, ou seja, o líder está a frente da elaboração, implantação e
desenvolvimento das atividades que envolvem o processo como um todo, além disso,
mantém uma boa relação,se identifica com as pessoas que estão à sua volta.
       Chefe: baseia-se nos resultados obtidos, quer saber sobre os números, os
gráficos, enfim, dados precisos sobre o objetivo planejado.
COMO VOCÊ GESTARIA
                                      SUA EMPRESA
                                     DE PUBLICIDADE


      Por: Sâmara da Nóbrega


      Minha empresa seria um lugar onde as pessoas deveriam ser pró-ativas e todos
participariam da gestão.
      Não exisitiria o sistema chefe-funcionário e sim colaboradores e facilitadores
trabalhando juntos e todos deveriam ter a mínima experiência em todos os setores da
empresa para colaborar com o desempenho de todas as funções e poder dessa forma
atuar em todas as áreas.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


www.suamente.com.br
www.gestãoesucesso.com.br
www.via6.com.br
www.wikipédia.com.br
www.uol.com.br/notícias
www.administradores.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria da burocracia modelos de administração - 2013.2
Teoria da burocracia   modelos de administração - 2013.2Teoria da burocracia   modelos de administração - 2013.2
Teoria da burocracia modelos de administração - 2013.2
Jefferson Petilo
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula2
Aula2Aula2
Visão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da AdministraçãoVisão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da Administração
Diego Lopes
 
Tipos e modelos de organização
Tipos e modelos de organizaçãoTipos e modelos de organização
Tipos e modelos de organização
Leonel Mendes
 
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagemAplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
suerlilton
 
Slides aula 3 barley
Slides aula 3 barleySlides aula 3 barley
Slides aula 3 barley
Rita De Cassia Zuccolotto
 
Tga 02 Curso
Tga 02 CursoTga 02 Curso
Tga 02 Curso
guest25496
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
Ester Santiago
 
Aula8
Aula8Aula8
Primordios da administração apresentação
Primordios da administração apresentaçãoPrimordios da administração apresentação
Primordios da administração apresentação
calinesa
 
Aula10
Aula10Aula10
Origem da administração
Origem da administraçãoOrigem da administração
Origem da administração
Ricardo_Roque
 
To seminário aula02_artur_fernando_alvarenga_vfinal
To seminário aula02_artur_fernando_alvarenga_vfinalTo seminário aula02_artur_fernando_alvarenga_vfinal
To seminário aula02_artur_fernando_alvarenga_vfinal
Fernando Alvarenga
 
Teoria das Organizações by:@ivanildo_bds
Teoria das Organizações by:@ivanildo_bds Teoria das Organizações by:@ivanildo_bds
Teoria das Organizações by:@ivanildo_bds
Ivanildo Rodrigues
 
Administração enfermagem - SESRJ
Administração enfermagem - SESRJAdministração enfermagem - SESRJ
Administração enfermagem - SESRJ
Ismael Costa
 
Os homens da tga
Os homens da tgaOs homens da tga
Os homens da tga
Ismael Costa
 
Teorias gerais da administração
Teorias gerais da administraçãoTeorias gerais da administração
Teorias gerais da administração
Silvia Raquel Freitas Vieira
 
Enfoque comportamental
Enfoque comportamentalEnfoque comportamental
Enfoque comportamental
Rodrigo Silva
 
3 apresentao-050519
3 apresentao-0505193 apresentao-050519
3 apresentao-050519
beirario
 

Mais procurados (20)

Teoria da burocracia modelos de administração - 2013.2
Teoria da burocracia   modelos de administração - 2013.2Teoria da burocracia   modelos de administração - 2013.2
Teoria da burocracia modelos de administração - 2013.2
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Aula2
Aula2Aula2
Aula2
 
Visão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da AdministraçãoVisão Histórica Da Administração
Visão Histórica Da Administração
 
Tipos e modelos de organização
Tipos e modelos de organizaçãoTipos e modelos de organização
Tipos e modelos de organização
 
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagemAplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
Aplicação conceitual da teoria da burocracia na área de enfermagem
 
Slides aula 3 barley
Slides aula 3 barleySlides aula 3 barley
Slides aula 3 barley
 
Tga 02 Curso
Tga 02 CursoTga 02 Curso
Tga 02 Curso
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
 
Aula8
Aula8Aula8
Aula8
 
Primordios da administração apresentação
Primordios da administração apresentaçãoPrimordios da administração apresentação
Primordios da administração apresentação
 
Aula10
Aula10Aula10
Aula10
 
Origem da administração
Origem da administraçãoOrigem da administração
Origem da administração
 
To seminário aula02_artur_fernando_alvarenga_vfinal
To seminário aula02_artur_fernando_alvarenga_vfinalTo seminário aula02_artur_fernando_alvarenga_vfinal
To seminário aula02_artur_fernando_alvarenga_vfinal
 
Teoria das Organizações by:@ivanildo_bds
Teoria das Organizações by:@ivanildo_bds Teoria das Organizações by:@ivanildo_bds
Teoria das Organizações by:@ivanildo_bds
 
Administração enfermagem - SESRJ
Administração enfermagem - SESRJAdministração enfermagem - SESRJ
Administração enfermagem - SESRJ
 
Os homens da tga
Os homens da tgaOs homens da tga
Os homens da tga
 
Teorias gerais da administração
Teorias gerais da administraçãoTeorias gerais da administração
Teorias gerais da administração
 
Enfoque comportamental
Enfoque comportamentalEnfoque comportamental
Enfoque comportamental
 
3 apresentao-050519
3 apresentao-0505193 apresentao-050519
3 apresentao-050519
 

Destaque

Administração de agência #6
Administração de agência #6Administração de agência #6
Administração de agência #6
Alexandre Rodriguez
 
Administração de agência #4
Administração de agência #4Administração de agência #4
Administração de agência #4
Alexandre Rodriguez
 
Administração de agência #7
Administração de agência #7Administração de agência #7
Administração de agência #7
Alexandre Rodriguez
 
Administração de agência #3
Administração de agência #3Administração de agência #3
Administração de agência #3
Alexandre Rodriguez
 
Legislação Publicitária - Aula 01 (02/09)
Legislação Publicitária - Aula 01 (02/09)Legislação Publicitária - Aula 01 (02/09)
Legislação Publicitária - Aula 01 (02/09)
Ney Queiroz
 
Administração de agência #9
Administração de agência #9Administração de agência #9
Administração de agência #9
Alexandre Rodriguez
 
Administração de agência #8
Administração de agência #8Administração de agência #8
Administração de agência #8
Alexandre Rodriguez
 
Administração de agência #5
Administração de agência #5Administração de agência #5
Administração de agência #5
Alexandre Rodriguez
 
Administração de agência #1
Administração de agência #1Administração de agência #1
Administração de agência #1
Alexandre Rodriguez
 
Administração de agência #2
Administração de agência #2Administração de agência #2
Administração de agência #2
Alexandre Rodriguez
 
Principios de administração
Principios de administraçãoPrincipios de administração
Principios de administração
Taize Lima
 
Gerenciamento e administração de uma agência de comunicação
Gerenciamento e administração de uma agência de comunicaçãoGerenciamento e administração de uma agência de comunicação
Gerenciamento e administração de uma agência de comunicação
Leonardo Tostes
 
14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração
Taizi Mendes Izaguirre
 
Administração Sistêmica
Administração SistêmicaAdministração Sistêmica
Administração Sistêmica
Denise Reis
 
Estrutura básica da agência de propaganda - Parte 1
Estrutura básica da agência de propaganda - Parte 1Estrutura básica da agência de propaganda - Parte 1
Estrutura básica da agência de propaganda - Parte 1
Paulo Marquêz
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Grupo VAHALI
 
Gestão Publicitária
Gestão PublicitáriaGestão Publicitária
Gestão Publicitária
Rodrigo Jorge
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 

Destaque (18)

Administração de agência #6
Administração de agência #6Administração de agência #6
Administração de agência #6
 
Administração de agência #4
Administração de agência #4Administração de agência #4
Administração de agência #4
 
Administração de agência #7
Administração de agência #7Administração de agência #7
Administração de agência #7
 
Administração de agência #3
Administração de agência #3Administração de agência #3
Administração de agência #3
 
Legislação Publicitária - Aula 01 (02/09)
Legislação Publicitária - Aula 01 (02/09)Legislação Publicitária - Aula 01 (02/09)
Legislação Publicitária - Aula 01 (02/09)
 
Administração de agência #9
Administração de agência #9Administração de agência #9
Administração de agência #9
 
Administração de agência #8
Administração de agência #8Administração de agência #8
Administração de agência #8
 
Administração de agência #5
Administração de agência #5Administração de agência #5
Administração de agência #5
 
Administração de agência #1
Administração de agência #1Administração de agência #1
Administração de agência #1
 
Administração de agência #2
Administração de agência #2Administração de agência #2
Administração de agência #2
 
Principios de administração
Principios de administraçãoPrincipios de administração
Principios de administração
 
Gerenciamento e administração de uma agência de comunicação
Gerenciamento e administração de uma agência de comunicaçãoGerenciamento e administração de uma agência de comunicação
Gerenciamento e administração de uma agência de comunicação
 
14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração
 
Administração Sistêmica
Administração SistêmicaAdministração Sistêmica
Administração Sistêmica
 
Estrutura básica da agência de propaganda - Parte 1
Estrutura básica da agência de propaganda - Parte 1Estrutura básica da agência de propaganda - Parte 1
Estrutura básica da agência de propaganda - Parte 1
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
 
Gestão Publicitária
Gestão PublicitáriaGestão Publicitária
Gestão Publicitária
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
 

Semelhante a Trabalho

BetaCodex 14 - Heróis da Liderança
BetaCodex 14 - Heróis da LiderançaBetaCodex 14 - Heróis da Liderança
BetaCodex 14 - Heróis da Liderança
BetaCodex Brasil
 
Atps Teorias da Administração
Atps Teorias da Administração Atps Teorias da Administração
Atps Teorias da Administração
Adélio Castro
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
aula de administracao marco 2010
aula de administracao   marco 2010aula de administracao   marco 2010
aula de administracao marco 2010
themis dovera
 
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS
 
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Niloar Bissani
 
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdfABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
Paulus
 
Aula De Administracao Marco 2010
Aula De Administracao   Marco 2010Aula De Administracao   Marco 2010
Aula De Administracao Marco 2010
themis dovera
 
administracao.ppt
administracao.pptadministracao.ppt
administracao.ppt
RAFAEL COSTA
 
administracao.ppt
administracao.pptadministracao.ppt
administracao.ppt
ClaudiaGuginskiPiva
 
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e WeberModelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Tonigerley Silveira
 
SlidesVideoaulasTGA_revisados.pptx
SlidesVideoaulasTGA_revisados.pptxSlidesVideoaulasTGA_revisados.pptx
SlidesVideoaulasTGA_revisados.pptx
andrikazi
 
Cap 2 Empreendedorismo
Cap 2 EmpreendedorismoCap 2 Empreendedorismo
Cap 2 Empreendedorismo
Graphic Designer
 
Teoria das organizações
Teoria das organizaçõesTeoria das organizações
Teoria das organizações
Juliana Siqueira
 
Adm ms 2012
Adm ms 2012Adm ms 2012
Adm ms 2012
Ismael Costa
 
Teorias administrativas
Teorias administrativasTeorias administrativas
Teorias administrativas
Universidade Pedagogica
 
Aula 1 (2)
Aula 1 (2)Aula 1 (2)
Aula 1 (2)
Felipe Pereira
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1

Semelhante a Trabalho (20)

BetaCodex 14 - Heróis da Liderança
BetaCodex 14 - Heróis da LiderançaBetaCodex 14 - Heróis da Liderança
BetaCodex 14 - Heróis da Liderança
 
Atps Teorias da Administração
Atps Teorias da Administração Atps Teorias da Administração
Atps Teorias da Administração
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
aula de administracao marco 2010
aula de administracao   marco 2010aula de administracao   marco 2010
aula de administracao marco 2010
 
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
 
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
Teoria geral da adm unidade 1 tópico 1
 
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdfABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
ABORDAGENS ORGANIZACIONAIS EDUCATIVAS.pdf
 
Aula De Administracao Marco 2010
Aula De Administracao   Marco 2010Aula De Administracao   Marco 2010
Aula De Administracao Marco 2010
 
administracao.ppt
administracao.pptadministracao.ppt
administracao.ppt
 
administracao.ppt
administracao.pptadministracao.ppt
administracao.ppt
 
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e WeberModelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
Modelos Organizacionais de Taylor, Fayol e Weber
 
SlidesVideoaulasTGA_revisados.pptx
SlidesVideoaulasTGA_revisados.pptxSlidesVideoaulasTGA_revisados.pptx
SlidesVideoaulasTGA_revisados.pptx
 
Cap 2 Empreendedorismo
Cap 2 EmpreendedorismoCap 2 Empreendedorismo
Cap 2 Empreendedorismo
 
Teoria das organizações
Teoria das organizaçõesTeoria das organizações
Teoria das organizações
 
Adm ms 2012
Adm ms 2012Adm ms 2012
Adm ms 2012
 
Teorias administrativas
Teorias administrativasTeorias administrativas
Teorias administrativas
 
Aula 1 (2)
Aula 1 (2)Aula 1 (2)
Aula 1 (2)
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 

Último (20)

VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 

Trabalho

  • 1. FACULDADE PROJEÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM PUBLICIDADE Estrutura e Gerência de Empresas Publicitárias Professor: Edson de Carvalho Alunas: Cristiane Abreu de Oliviera/ Sâmara da Nóbrega Curso/Turma: CSPP/ 4AN Taguatinga,12 de Dezembro de 2009
  • 2. SUMÁRIO 1.As principais teorias da administração...............................................................1 2.Cinco teóricos da administração.........................................................................4 3.O que é gestão de pessoas...................................................................................7 4.Planejamento Estratégico.....................................................................................8 5.Forma Moderna de Demissão..............................................................................10 6.Diferença de Coach,Líder e Chefe......................................................................12 7.Como Você Gestaria Sua Empresa......................................................................13 8.Referência Bibliográficas.....................................................................................14
  • 3. PRINCIPAIS TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO TEORIA CLÁSSICA: é a organização de um regime fechado, rígido e mecânicos sem conexão com seu ambiente exterior. A preocupação dos autores clássicos era encontrar a melhor maneira de organizar, valendo para qualquer tipo de organização. Nessa teoria clássica aplica-se o bom senso. O que valia para uma organização valia para as demais. Henri Fayol TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS: Nessa teoriaa maior preocupação era o comportamento humano e o relacionamento informal e social dos participantes dos grupos sociais que determinam o comportamento individual. O que era válido para as demais. TEORIA DA BUROCRACIA: Foi trazida das obras de Max Weber preocupado com os aspectos internos e formalidades de um sistema fechado,na divisão de trabalho,no poder da autoridade,na imposoção de regras e disciplina. Buscando um caráter racional,legal,impessoal e formal para a máxima eficiência. Com essa teoria inicia-se a critica da organização burocrática. TEORIA ESTRUTURALISTA: O conceito de organização e do homem são amplificados numa tentativa de integração entre as abordagens clássicas e humanísticas a partir de uma moldura da teoria da burocracia. Os estruturalistas desenvolvem análise comparativas das organizações facilitando a localização de características organizacionais. TEORIA NEOCLÁSSICA: Marca um retorno dos clássicos atualizados inovando e adaptando a mudança,utilizando velhos conceitos de uma teoria que é a única que apresenta caráter universal. TEORIA COMPORTAMENTAL: É uma teoria deixada de “herança” da teoria das RH,ela ampliou o conceito do comportamento social,comparando estilo tradicional de
  • 4. administração com o estilo moderno na compreensão dos conceitos de comportamento de motivação. Para mudar uma organização e para se adaptar à dinâmica é preciso mudar o comportamento de seus participantese suas relações. TEORIA DE SISTEMAS: Ela desenvolveu ampla visão de organização seguindo uma preocupação com a construção de modelos abertos. O sistema se divide em subsistemas que tem organizações interrelacionadas e o supra sistema com os subsistemas e com a organização como um todo. TEORIA DA CONTINGÊNCIA: Onde ocorreu o deslocamento da visualização de dentro para fora da organização. Tudo depende das características ambientais para a organização. Os sistemas culturaisafetam as organizações. Essa teoria é um passo além da teoria de sistemas em administração,ela procura entendercomo operam outras organizaçoes.
  • 5. CINCO TEÓRICOS DA ADMINISTRAÇÃO Jules Henri Fayol:Jules Henri Fayol (Istambul, 29 de Julho de 1841 — Paris, 19 de Novembro de 1925) foi um engenheiro de minas francês e um dos teóricos clássicos da Ciência da Administração, sendo o fundador da Teoria Clássica daAdministração e autor de Administração Industrial e Geral (título original: Administration industrielle et générale - prévoyance organisation - commandement, coordination – contrôle). Criou o Centro de Estudos Administrativos, onde se reuniam semanalmente pessoas interessadas na administração de negócios comerciais, industriais e governamentais, contribuindo para a difusão das doutrinas administrativas. Entre seus seguidores estavam Luther Guilick, James D. Mooney, Oliver Sheldon e Lyndal F. Urwick. Henri Fayol é um dos principais contribuintes para o desenvolvimento do conhecimento administrativo moderno. Uma das contribuições da teoria criada e divulgada por ele foi o desenvolvimento a abordagem conhecida como Gestão Administrativa ou processo administrativo, onde pela primeira vez falou-se em administração como disciplina e profissão, que por sua vez, poderia ser ensinada através de uma Teoria Geral da Administração. Outra contribuição da teoria de Fayol é a identificação das atuais quatro funções da Administração que são: Planejar, Organizar, Liderar e Controlar, à qual Fayol ainda acrescenta a função de Coordenar. Max Weber:Maximillian Carl Emil Weber (Erfurt, 21 de Abril de 1864 — Munique, 14 de Junho de 1920) foi um intelectual alemão, jurista, economista e considerado um dos fundadores da Sociologia. Seu irmão foi o também famoso sociólogo e economista Alfred Weber. A esposa de Max Weber, Marianne Schnitger, era socióloga e historiadora do
  • 6. Direito. Weber também é conhecido pelo seu estudo da burocratização da sociedade. No seu trabalho, Weber delineia a famosa descrição da burocratização como uma mudança da organização baseada em valores e acção (a chamada autoridade tradicional) para uma organização orientada para os objectivos e acção (chamada legal-racional). O resultado, segundo Weber, é uma "noite polar de frio glacial" na qual a crescente burocratização da vida humana a coloca numa gaiola de metal de regras e de controle racional. Seus estudos sobre a burocracia da sociedade tiveram grande importância no estudo da Teoria da Burocracia, dentro do campo de estudo da administração de empresas Max Weber morreu de pneumonia em Munique, Alemanha, a 14 de Junho de 1920. Frederick Taylor:Frederick Winslow Taylor (Filadélfia, Pensilvânia, 20 de Março de 1856 - Filadélfia, Pensilvânia, 21 de Março de 1915) mais conhecido por F. W. Taylor, foi um engenheiro mecânico estadunidense, inicialmente técnico em mecânica e operário, formou-se engenheiro mecânico estudando à noite. É considerado o "Pai da Administração Científica" por propor a utilização de métodos científicos cartesianos na administração de empresas. Seu foco era a eficiência e eficácia operacional na administração industrial. Sua orientação cartesiana extrema é ao mesmo tempo sua força e fraqueza. Seu controle inflexível, mecanicista, elevou enormemente o desempenho das indústrias em que atuou, todavia, igualmente gerou demissões, insatisfação e estresse para seus subordinados e sindicalistas. Herbert Simon:Herbert Alexander Simon (Milwaukee, 15 de junhode 1916 — Pittsburgh, 9 de fevereiro de 2001) foi um economista estadunidense. Foi agraciado com o Prémio de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel de 1978. Foi um pesquisador nos campos de Psicologia Cognitiva, Informática, Administração Pública, Sociologia Económica, e Filosofia. Por vezes, descreveram-no como um polímata. Recebeu em 1975 o Prêmio Turing da ACM, juntamente com Allen Newell, pelas suas "contribuições básicas à Inteligência Artificial, à Psicologia de Cognição Humana, e ao processamento de listas." Em 1978, foi agraciado com o Prémio Nobel de Economia, pela sua "pesquisa precursora no processo de tomada de decisões dentro de organizações económicas". Recebeu ainda a Medalha Nacional de Ciência, em 1986 e o
  • 7. Award for Outstanding Lifetime Contributions to Psychology, da APA, em 1993. Chester Barnard:Chester Irving Barnard (1886–1961) foi um pensador da Escola das Relações Humanas, corrente da Administração, surgida com a Crise de 1929. Barnard também é tido como um pensador do behaviorismo. Foi o criador da teoria da cooperação, em que estuda a autoridade e a liderança. Foi um dos primeiros teóricos da administração a ver o homem como um ser social, e a estudar suas organizações informais dentro das empresas. GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é uma das áreas que mais tem passado por mudanças e transformações nestes últimos anos. A visão que se tem hoje da área é totalmente diferente de sua tradicional configuração, quando recebia o nome de Administração de Recursos Humanos (ARH). O objetivo central deste livro é mostrar as novas características e o novo perfil dessa área de atividade. Nessa transição, o termo Gestão de Pessoas caracteriza as novas tendências que estão acontecendo na ARH. A Gestão de Pessoas tem sido a responsável pela excelência de organizações bem-sucedidas e pelo aporte de capital intelectual que simboliza, mais do que tudo, a importância do fator humano em plena Era da Informação. Com a globalização dos negócios, o desenvolvimento tecnológico, o forte impacto da mudança e o intenso movimento pela qualidade e produtividade, surge uma eloqüente constatação na maioria das organizações: o grande diferencial, a principal vantagem competitiva das empresas decorre das pessoas que nelas trabalham. Surge, portanto, uma nova visão: as pessoas como agentes proativos e empreendedores. São as pessoas que geram e fortalecem a inovação e que produzem, vendem, servem ao cliente, tomam decisões, lideram, motivam, comunicam, supervisionam, gerenciam e dirigem os negócios das empresas. No fundo, as organizações são conjuntos de pessoas. A Gestão de Pessoas vem passando por um amplo processo de transformação, na medida em que os sistemas tradicionalmente utilizados como referencial - centrados em cargos - vem demonstrando fragilidades diante do ambiente turbulento e mutável pelo qual vem passando as organizações. No contexto em que mudanças ocorrem a todo o momento, a organização precisa estar alinhada em torno de definições estratégicas claras, sustentadas por uma gestão com amplo envolvimento e participação.Uma organização que pretende ter de si mesma
  • 8. uma visão estratégica precisa levar em conta que há um fluxo de conhecimentos que afeta a produção como um todo. É preciso, portanto, estabelecer um compromisso com a força de trabalho, baseado em respeito mútuo em uma comunicação aberta, ou seja, com o envolvimento dos clientes internos e externos. O momento atual exige ampla transformação, uma nova "filosofia de gestão", o que implica uma grande mudança no paradigma anterior. Torna-se fundamental ao gestor aprender a criar novas formas organizacionais em torno de equipes e processo.
  • 9. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O planejamento estratégico é a "ferramenta" gerencial que permite a formulação de uma estratégia. Primeiro, estuda-se o mais profundamente possível o desempenho passado da empresa e projeta-se o desempenho futuro. Em seguida, constroem-se cenários possíveis e se escolhe um deles para servir de referência. Com o cenário de referência escolhido, faz-se a avaliação estratégica da empresa (a famosa matriz SWOT — oportunidades, ameaças, forças e fraquezas), tendo como referência o que a empresa quer ser (visão) dentro de um determinado horizonte de tempo (5, 10, 15 anos, por exemplo). Depois, definem-se os objetivos básicos a serem alcançados dentro de um período de tempo menor do que o definido na visão (constrói-se, com isso, uma espécie de "degrau" para alcançar os objetivos de médio e longo prazos). Por fim, são estabelecidas as ações necessárias para alcançar o objetivo estratégico de curto prazo, bem como a forma de acompanhar e ajustar o que foi planejado.
  • 10. FORMA MODERNA DE DEMISSÃO Outplacement:Outplacement é uma solução profissional, elaborada com o objetivo de conduzir com dignidade e respeito os processos de demissão nas companhias. É um sistema de ganha-ganha, que busca o beneficio de todos os envolvidos. Os Serviços de outplacement, no início de seu desenvolvimento, eram somente oferecidos em países mais desenvolvidos. Com o advento da globalização, a solução se tornou um produto altamente procurado, e a prática de outplacement passou a ser mais procurada e oferecida em outros mercados. Os países que, anteriormente, eram imunes a mudanças na estrutura organizacional, passaram a estar expostos as mesma práticas comuns no primeiro mundo. Começaram a ocorrer fusões e aquisições, reengenharias e reestruturações, reorganizações e reduções de efetivo em busca de mais lucratividade em uma economia aberta e competitiva. Esta mudança na ordem mundial não trouxe apenas novas oportunidades ao mercado mas também novos desafios, empresariais e profissionais, característicos deste novo mundo que se formava. No Brasil, em meados da década de 80, as soluções de outplacement passaram a ser mais conhecidas, com o surgimento das primeiras empresas nacionais prestadoras deste tipo de serviço. Em meados da década de 90 começaram a chegar ao Brasil as primeiras empresas multinacionais do ramo, aumentando a competitivedade deste mercado. Hoje, no Brasil, este tipo de serviço conta com diversas empresas, nacionais e multinacionais, alem de profissionais e consultores autonômos, que dentre outros serviços oferecem soluções diversas de gestão de talentos, dentre elas o Outplacement. Atividades de Outplacement Planejamento do processo de demissão A empresa empregadora e a consultoria contratada por ela para realizar o
  • 11. outplacement definem como será o processo de demissão, antecipadamente, podendo incluir até mesmo a uma análise para definição de quem fica e quem sai, alem de definir a melhor forma de fazer o desligamento do profissional, de maneira que o mesmo não permaneça nenhum minuto sem um acompanhamento e resguardo adequado. Planejamento do dia da demissão O dia do desligamento é planejado detalhadamente, as atividade detalhadas minuciosamente, riscos e impactos para o indivíduo e para a organização são considerados, é definido se o trabalho será em grupo ou individualmente, no caso de uma demissão de mais de uma pessoa da mesma organização. É ainda definido como ocorrerá o processo, fim-a-fim, quanto tempo levará o processo, e por exemplo se o dia não é um dia de grande importância para o demitido, tais como natal e ano novo, ou mesmo uma data familiar. Comunicação dos benefícios O funcionário é comunicado sobre os benefícios que vai receber da empresa, inclusive com explicação detalhada da importância da atividade da empresa que ira acompanhar seu processo de transição de carreira. Alguns exemplos são a prorrogação do seguro saúde, uma porcentagem sobre a remuneração anual e o direito de utilizar o carro da empresa por mais um período, entre outros. A recolocação E finalmente , a recolocação propriamente dita, na qual a empresa de consultoria trabalha para recolocar o demitido no mercado de trabalho, auxiliando-o a refazer seu currículo, aplicando avaliações para identificar seu desempenho, promovendo "workshops" e palestras sobre gestão e mercado, cursos de imersão em inglês e espanhol ou oferecendo apoio psicológico, entre outros serviços.
  • 13. Diferença de Coach, Líder e Chefe Coach: É o profissional que faz coaching, que por sua vez é uma atividade especializada em ajudar as pessoas a atingir seus objetivos por meio de um trabalho que envolve profunda reflexão sobre a sua vida e que pode ser utilizada no âmbito pessoal e profissional. “Coaching vem da palavra inglesa coach, que significa carruagem. Nesse contexto, transmite a idéia de transportar. Ou seja, o coaching treina e ajuda as pessoas a se dedicarem e a cumprirem com entusiasmo seus objetivos, saindo de um estado para alcançar outro desejado.” (Rosana Ferreira, artigo para terra.com.br) "Com perguntas, o coach vai percebendo o que dificulta chegar à meta e trabalha o auto-conhecimento do cliente”, (Jaqueline Weigel - coach). Líder: “Liderança é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum”. James C. Hunter, em seu livro “O Monge e o Executivo Uma História Sobre a Essência da Liderança” (Editora Sextante – Rio de Janeiro – 2004). O líder está envolvido no desenvolvimento de todo o processo das metas para o objetivo final planejado, ou seja, o líder está a frente da elaboração, implantação e desenvolvimento das atividades que envolvem o processo como um todo, além disso, mantém uma boa relação,se identifica com as pessoas que estão à sua volta. Chefe: baseia-se nos resultados obtidos, quer saber sobre os números, os gráficos, enfim, dados precisos sobre o objetivo planejado.
  • 14. COMO VOCÊ GESTARIA SUA EMPRESA DE PUBLICIDADE Por: Sâmara da Nóbrega Minha empresa seria um lugar onde as pessoas deveriam ser pró-ativas e todos participariam da gestão. Não exisitiria o sistema chefe-funcionário e sim colaboradores e facilitadores trabalhando juntos e todos deveriam ter a mínima experiência em todos os setores da empresa para colaborar com o desempenho de todas as funções e poder dessa forma atuar em todas as áreas.