SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Conferência: “A mulher no contexto multicultural” A mulher na sociedade portuguesa Agrupamento de Escolas de Gondomar 6 de abril de 2011 Maria Olinda Moura
O papel da Mulher na sociedade (perspetiva internacional desde os primórdios do século XIX) ,[object Object]
Exploração violenta do seu trabalho       metade do salário dos homens; 16 a18 horas de trabalho diário;
Alteração do seu papel na família e questionamento da relação homem/mulher na sociedade;
Surgimento de lutas laborais por ação das mulheres;    (8 de Março de 1857, Nova Iorque. Várias centenas de mulheres violentamente agredidas, presas e mortas pela polícia e em incêndio provocado numa fábrica onde faziam greve);
Vitórias graduais na obtenção da jornada de trabalho de 10 horas e surgimento dos primeiros sindicatos .,[object Object]
Em 1887, em Paris, é proclamado o direito da mulher ao trabalho (Congresso Constitutivo da II Internacional Socialista)A mulher não abdica do mundo do trabalho; Aumenta a sua participação na luta por melhores condições laborais. Trabalho da mulher concorrente com o do homem; Aumento do salário do homem; Mulheres em casa.
Em 1910 é aceite o dia 8 de Março para o Dia Internacional das Mulheres. (Proposta de Clara Zetkin no Congresso Internacional Socialista de Copenhaga “Em nome das nossas irmãs americanas, para exigir os nossos direitos e exprimir a solidariedade e o amor pela paz que nos une.”); Em 1911, mais de um milhão de mulheres celebra esse dia, um pouco por todo o mundo. 1914, França e Alemanha, 8 de Março, luta contra a guerra e pela libertação de Rosa Luxemburgo;
Rosa Luxemburgo (1871-1919 (assassinada)) Filósofa e economista marxista judeu-polaca, naturalizada alemã, tornou-se mundialmente conhecida pela militância revolucionária. Participou na fundação do grupo de tendência marxista do SPD, que viria a tornar-se mais tarde o Partido Comunista da Alemanha (KPD).
1915, Berna. Manifestação contra a guerra (Alexandra Kolontai) e Conferência de Mulheres (Clara Zetkin); 1917, Petrogrado. Mulheres manifestam-se massivamente, reclamando o fim da guerra (será o princípio da Revolução de Fevereiro). 1918, mulheres inglesas ganham o direito ao voto, parcialmente. Só dez anos depois, em 1928, o ganham totalmente.
A mulher na sociedade portuguesa Início do século XX – cerca de 35% dos trabalhadores na indústria eram mulheres (tabaco, têxtil e papel); País flagelado pela miséria e por degradantes condições de trabalho e de habitação; Surgimento de organizações de mulheres no contexto da luta contra a monarquia;
[object Object],	Portuguesas (Ana de  	Castro Osório, escritora); ,[object Object]
1911 – Ainda sem direito ao voto, 	a médica Carolina Beatriz Ângelo  	vai ser a primeira mulher a votar;
1914 – Adelaide Cabete, médica, funda o Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas (CNMP); 1924 – O CNMP organiza o I Congresso Feminista (17 teses sobre diversos aspetos da realidade da mulher). Em 1928 realiza-se o II Congresso deste organismo;
1936 – Nasce a Associação Feminina para a Paz; Manuela Porto (1908-1950). Tradutora e escritora, dedicou-se ao teatro nos últimos anos de vida. Isabel Aboim Inglez, (1902-1963) Grande lutadora anti-fascista. Professora da Faculdade de Letras de Lisboa. Maria Alda Nogueira (1923-1988) Professora Licenciada em Físico-química.
1947 – o CNMP realiza, na Sociedade Nacional de Belas-Artes, uma Exposição das Mulheres Escritoras de todo o mundo que se revelou um certame de grande sucesso e intervenção política. Nesse mesmo ano a PIDE encerra a sede do CNMP; Maria Lamas (1893-1983) Escritora e jornalista. Participa na formação do MUD juvenil e preside ao CNMP. Em 1948 publica o livro “Mulheres do Meu País” 1914  Pintora e Ilustradora, elaborou o cartaz da Exposição.
[object Object]
1969 – No âmbito da Comissão Eleitoral Democrática (movimento oposicionista ao regime) as mulheres constituem-se em Comissão Democrática Eleitoral de Mulheres, desenvolvendo grande atividade política e social;
No fim do período eleitoral, extinguem-se as Comissões e estas mulheres criam o Movimento Democrático de Mulheres (MDM) que vem a desenvolver grandes lutas em semi-clandestinidade, subsistindo até aos dias de hoje.,[object Object]
Sophia de Mello Breyner (1919-2004) Escritora, desde muito cedo ligada à luta anti-fascista, foi deputada à Assembleia Constituinte a seguir ao 25 de Abril de 1974 Maria Teresa Horta (1937). Escritora, co-autora das célebres “Novas Cartas Portuguesas” (1971) com Maria Velho da Costa e Maria Isabel Barreno Maria de Lourdes Pintasilgo (1930-2004) Eng.ª Química, única mulher que desempenhou o cargo de 1ª Ministra em Portugal e 2ª na Europa. Licenciada em 1953, era uma das três mulheres do curso num universo de 250 alunos. Virgínia Moura (1915 -1998). 1ª Engª Civil em Portugal. Integrou o “Socorro Vermelho”, organização de apoio aos presos políticos portugueses e espanhóis.
A mulher na família, no trabalho e na luta pela igualdade ,[object Object]
Em 1931, foi permitido o direito ao voto às mulheres que tivessem cursos secundários ou superiores (aos homens bastava-lhes saber ler e escrever);
A Constituição de 1933 estabelece a igualdade dos cidadãos perante a lei “salvo quanto à mulher, às diferenças da sua natureza e do bem da família.”,[object Object]
Manual de Educação Moral e Cívica (anos 40) – “À mulher compete tornar a casa atraente e acolhedora, prestar ao marido a deferência e submissão como chefe de família.” ; “…o trabalho da mulher fora do lar desagrega este…”
Provérbios populares: “A casa é das mulheres e a rua é dos homens”; “A mulher e o melão, o calado é o melhor”; “Quem a sua mulher ensina a ler ou é cornudo ou está para ser”; “Não provam bem as senhoras que se metem a doutoras”…;,[object Object]
1964 – Apenas 24,3% dos partos ocorridos no continente se faziam em hospital. A mortalidade infantil atingia 65 crianças em mil (Em Bragança, 109/1000);
Finais da década de 60 – 48% das mulheres eram analfabetas;
1967 – Novo Código Civil – É ao marido que compete decidir em relação à vida conjugal e aos filhos;,[object Object]
Em Abril de 1974, as mulheres portuguesas viram consagrado o seu direito ao voto, refletindo, a Constituição de Abril, grandes conquistas para as mulheres; A partir desta data foram dados grandes passos civilizacionais no reconhecimento dos direitos da mulher, tendo-se criado um quadro legislativo de referência que tem vindo, paulatinamente, a legitimar o papel da mulher na sociedade em geral.  No entanto, e apesar disso, nos últimos anos tem-se verificado um retrocesso económico e social que vitimiza, em primeiro lugar, as mulheres.,[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Preconceito contra a Mulher
Preconceito contra a MulherPreconceito contra a Mulher
Preconceito contra a Mulhercarolpixel
 
Mulher República
Mulher RepúblicaMulher República
Mulher Repúblicaeb23ja
 
Material completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
Material completo sobre o FEMINISMO - SociologiaMaterial completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
Material completo sobre o FEMINISMO - SociologiaAna Maciel
 
2011 07-27 - mulheres republicanas
2011 07-27 - mulheres republicanas2011 07-27 - mulheres republicanas
2011 07-27 - mulheres republicanasO Ciclista
 
Os direitos das mulher como direitos humanos
Os direitos das mulher como direitos humanosOs direitos das mulher como direitos humanos
Os direitos das mulher como direitos humanosVanessa Ribeiro
 
As Mulheres da República
As Mulheres da RepúblicaAs Mulheres da República
As Mulheres da Repúblicamileituras
 
As mulheres e a filosofia
As mulheres e a filosofiaAs mulheres e a filosofia
As mulheres e a filosofiaErica Frau
 
A Feminização no mundo do trabalho: entre a emacipação e a precarização
A Feminização no mundo do trabalho: entre a emacipação e a precarizaçãoA Feminização no mundo do trabalho: entre a emacipação e a precarização
A Feminização no mundo do trabalho: entre a emacipação e a precarizaçãoJonessa Maíra
 
NECESSIDADE DA EXISTÊNCIA DO DIA DA MULHER E DA DECLARAÇÃO DOS SEUS DIREITOS
NECESSIDADE DA EXISTÊNCIA DO DIA DA MULHER E DA DECLARAÇÃO DOS SEUS DIREITOSNECESSIDADE DA EXISTÊNCIA DO DIA DA MULHER E DA DECLARAÇÃO DOS SEUS DIREITOS
NECESSIDADE DA EXISTÊNCIA DO DIA DA MULHER E DA DECLARAÇÃO DOS SEUS DIREITOSbejr
 
Feminismo slides II
Feminismo slides IIFeminismo slides II
Feminismo slides IILilianeTesch
 
A evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário políticoA evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário políticoDanillo Rodrigues
 
As mulheres na República
As mulheres na República As mulheres na República
As mulheres na República eb23ja
 
Dia das mulheres e os seus direitos
Dia das mulheres e os seus direitosDia das mulheres e os seus direitos
Dia das mulheres e os seus direitosbejr
 
Mulheres na 1ª República
Mulheres na 1ª República Mulheres na 1ª República
Mulheres na 1ª República becreebsr
 
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICOA EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICODanillo Rodrigues
 
A CONDIÇÃO DA MULHER
A CONDIÇÃO DA MULHERA CONDIÇÃO DA MULHER
A CONDIÇÃO DA MULHERMELORIBEIRO
 

Mais procurados (20)

Preconceito contra a Mulher
Preconceito contra a MulherPreconceito contra a Mulher
Preconceito contra a Mulher
 
Dia Das Mulheres Vanessa
Dia Das Mulheres VanessaDia Das Mulheres Vanessa
Dia Das Mulheres Vanessa
 
Mulher República
Mulher RepúblicaMulher República
Mulher República
 
MOVIMENTO FEMINISTA
MOVIMENTO FEMINISTAMOVIMENTO FEMINISTA
MOVIMENTO FEMINISTA
 
Dia das mulheres
Dia das mulheresDia das mulheres
Dia das mulheres
 
Material completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
Material completo sobre o FEMINISMO - SociologiaMaterial completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
Material completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
 
2011 07-27 - mulheres republicanas
2011 07-27 - mulheres republicanas2011 07-27 - mulheres republicanas
2011 07-27 - mulheres republicanas
 
Os direitos das mulher como direitos humanos
Os direitos das mulher como direitos humanosOs direitos das mulher como direitos humanos
Os direitos das mulher como direitos humanos
 
As Mulheres da República
As Mulheres da RepúblicaAs Mulheres da República
As Mulheres da República
 
As mulheres e a filosofia
As mulheres e a filosofiaAs mulheres e a filosofia
As mulheres e a filosofia
 
A Feminização no mundo do trabalho: entre a emacipação e a precarização
A Feminização no mundo do trabalho: entre a emacipação e a precarizaçãoA Feminização no mundo do trabalho: entre a emacipação e a precarização
A Feminização no mundo do trabalho: entre a emacipação e a precarização
 
NECESSIDADE DA EXISTÊNCIA DO DIA DA MULHER E DA DECLARAÇÃO DOS SEUS DIREITOS
NECESSIDADE DA EXISTÊNCIA DO DIA DA MULHER E DA DECLARAÇÃO DOS SEUS DIREITOSNECESSIDADE DA EXISTÊNCIA DO DIA DA MULHER E DA DECLARAÇÃO DOS SEUS DIREITOS
NECESSIDADE DA EXISTÊNCIA DO DIA DA MULHER E DA DECLARAÇÃO DOS SEUS DIREITOS
 
Feminismo slides II
Feminismo slides IIFeminismo slides II
Feminismo slides II
 
A evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário políticoA evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário político
 
As mulheres na República
As mulheres na República As mulheres na República
As mulheres na República
 
Dia das mulheres e os seus direitos
Dia das mulheres e os seus direitosDia das mulheres e os seus direitos
Dia das mulheres e os seus direitos
 
Mulheres na 1ª República
Mulheres na 1ª República Mulheres na 1ª República
Mulheres na 1ª República
 
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICOA EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
 
Dia Internacional da Mulher
Dia Internacional da MulherDia Internacional da Mulher
Dia Internacional da Mulher
 
A CONDIÇÃO DA MULHER
A CONDIÇÃO DA MULHERA CONDIÇÃO DA MULHER
A CONDIÇÃO DA MULHER
 

Destaque

Desktop manager di Linux
Desktop manager di LinuxDesktop manager di Linux
Desktop manager di LinuxTri Sapto Adji
 
Poluição - Ana Raquel 5.º I
Poluição - Ana Raquel 5.º IPoluição - Ana Raquel 5.º I
Poluição - Ana Raquel 5.º ICoordTic
 
Realizações da 1ª república
Realizações da 1ª repúblicaRealizações da 1ª república
Realizações da 1ª repúblicaGina Rodrigues
 
Russia History Photo
Russia History PhotoRussia History Photo
Russia History Photohalffast
 
эрхэм сайн хєвїїний ёсоныг дурдвал
эрхэм сайн хєвїїний ёсоныг дурдвалэрхэм сайн хєвїїний ёсоныг дурдвал
эрхэм сайн хєвїїний ёсоныг дурдвалUranchimeg GB
 
Costos prendas para mascotas
Costos prendas para mascotasCostos prendas para mascotas
Costos prendas para mascotasLorena Orjuela
 
Proceso administrativo
Proceso administrativoProceso administrativo
Proceso administrativofovi96
 
Trabajo en equipo
Trabajo en equipoTrabajo en equipo
Trabajo en equipomariavanel
 
Llistat sol·licituds proteccions TOV_2013_2
Llistat sol·licituds proteccions TOV_2013_2Llistat sol·licituds proteccions TOV_2013_2
Llistat sol·licituds proteccions TOV_2013_2Carles Folch Castell
 
Solidão trabalho de sociologia
Solidão trabalho de sociologiaSolidão trabalho de sociologia
Solidão trabalho de sociologiaEASYMATICA
 
Workshop TIC@Algarve 2011 - As Redes Sociais na Internet como Ferramentas de ...
Workshop TIC@Algarve 2011 - As Redes Sociais na Internet como Ferramentas de ...Workshop TIC@Algarve 2011 - As Redes Sociais na Internet como Ferramentas de ...
Workshop TIC@Algarve 2011 - As Redes Sociais na Internet como Ferramentas de ...Hugo Mártires
 
Instituto educacion superior tecnologico copia
Instituto educacion superior tecnologico   copiaInstituto educacion superior tecnologico   copia
Instituto educacion superior tecnologico copiaMARIELA TOCARRRE PAU
 
Llista sol·licituds Proteccions TOV_2009_7.PDF
Llista sol·licituds Proteccions TOV_2009_7.PDFLlista sol·licituds Proteccions TOV_2009_7.PDF
Llista sol·licituds Proteccions TOV_2009_7.PDFCarles Folch Castell
 

Destaque (20)

Campanha Contra o Extermínio da Juventude
Campanha Contra o Extermínio da JuventudeCampanha Contra o Extermínio da Juventude
Campanha Contra o Extermínio da Juventude
 
Feliz 2008
Feliz 2008Feliz 2008
Feliz 2008
 
Gecko level 1 tech seminar
Gecko level 1 tech seminarGecko level 1 tech seminar
Gecko level 1 tech seminar
 
Climatechange Es
Climatechange EsClimatechange Es
Climatechange Es
 
Desktop manager di Linux
Desktop manager di LinuxDesktop manager di Linux
Desktop manager di Linux
 
Poluição - Ana Raquel 5.º I
Poluição - Ana Raquel 5.º IPoluição - Ana Raquel 5.º I
Poluição - Ana Raquel 5.º I
 
Realizações da 1ª república
Realizações da 1ª repúblicaRealizações da 1ª república
Realizações da 1ª república
 
Russia History Photo
Russia History PhotoRussia History Photo
Russia History Photo
 
эрхэм сайн хєвїїний ёсоныг дурдвал
эрхэм сайн хєвїїний ёсоныг дурдвалэрхэм сайн хєвїїний ёсоныг дурдвал
эрхэм сайн хєвїїний ёсоныг дурдвал
 
Costos prendas para mascotas
Costos prendas para mascotasCostos prendas para mascotas
Costos prendas para mascotas
 
Proceso administrativo
Proceso administrativoProceso administrativo
Proceso administrativo
 
Mulberry
MulberryMulberry
Mulberry
 
Trabajo en equipo
Trabajo en equipoTrabajo en equipo
Trabajo en equipo
 
Llistat sol·licituds proteccions TOV_2013_2
Llistat sol·licituds proteccions TOV_2013_2Llistat sol·licituds proteccions TOV_2013_2
Llistat sol·licituds proteccions TOV_2013_2
 
Boe Apc
Boe ApcBoe Apc
Boe Apc
 
Solidão trabalho de sociologia
Solidão trabalho de sociologiaSolidão trabalho de sociologia
Solidão trabalho de sociologia
 
Chafarizes de Lisboa
Chafarizes de LisboaChafarizes de Lisboa
Chafarizes de Lisboa
 
Workshop TIC@Algarve 2011 - As Redes Sociais na Internet como Ferramentas de ...
Workshop TIC@Algarve 2011 - As Redes Sociais na Internet como Ferramentas de ...Workshop TIC@Algarve 2011 - As Redes Sociais na Internet como Ferramentas de ...
Workshop TIC@Algarve 2011 - As Redes Sociais na Internet como Ferramentas de ...
 
Instituto educacion superior tecnologico copia
Instituto educacion superior tecnologico   copiaInstituto educacion superior tecnologico   copia
Instituto educacion superior tecnologico copia
 
Llista sol·licituds Proteccions TOV_2009_7.PDF
Llista sol·licituds Proteccions TOV_2009_7.PDFLlista sol·licituds Proteccions TOV_2009_7.PDF
Llista sol·licituds Proteccions TOV_2009_7.PDF
 

Semelhante a CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL

Movimento feminista - trabalho word
Movimento feminista - trabalho wordMovimento feminista - trabalho word
Movimento feminista - trabalho wordBeatrizSantos567
 
O anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistasO anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistasalinesantana1422
 
Margareth rago mujeres libres anarco feminismo e subjetividade na revolução e...
Margareth rago mujeres libres anarco feminismo e subjetividade na revolução e...Margareth rago mujeres libres anarco feminismo e subjetividade na revolução e...
Margareth rago mujeres libres anarco feminismo e subjetividade na revolução e...moratonoise
 
A mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docxA mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docxDaiani Wagner
 
A mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docxA mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docxDaiani Wagner
 
Powerpoint Mulheres Portuguesas CéLebres
Powerpoint Mulheres Portuguesas CéLebresPowerpoint Mulheres Portuguesas CéLebres
Powerpoint Mulheres Portuguesas CéLebresisabel mgm
 
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedadeFeminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedadeClaudio Henrique Ramos Sales
 
Feminismo sociologia
Feminismo sociologiaFeminismo sociologia
Feminismo sociologiaAna Maciel
 
Trabalho qualitativo de inglês
Trabalho qualitativo de inglêsTrabalho qualitativo de inglês
Trabalho qualitativo de inglêsFelipe Klayn
 
Trabalho qualitativo de inglês
Trabalho qualitativo de inglêsTrabalho qualitativo de inglês
Trabalho qualitativo de inglêsFelipe Klayn
 
Ydocumentosdosprofessoresvanessa educaofsicadiadasmulheresvanessa-09031206164...
Ydocumentosdosprofessoresvanessa educaofsicadiadasmulheresvanessa-09031206164...Ydocumentosdosprofessoresvanessa educaofsicadiadasmulheresvanessa-09031206164...
Ydocumentosdosprofessoresvanessa educaofsicadiadasmulheresvanessa-09031206164...adrnsilva
 
Texto introdutório - As Sufragistas
Texto introdutório - As SufragistasTexto introdutório - As Sufragistas
Texto introdutório - As SufragistasPIBIDSolondeLucena
 

Semelhante a CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL (20)

Femina2011 oficina prof_eustaquio
Femina2011 oficina prof_eustaquioFemina2011 oficina prof_eustaquio
Femina2011 oficina prof_eustaquio
 
Movimento feminista - trabalho word
Movimento feminista - trabalho wordMovimento feminista - trabalho word
Movimento feminista - trabalho word
 
O anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistasO anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistas
 
A marca do batom
A marca do batomA marca do batom
A marca do batom
 
Feminismo
FeminismoFeminismo
Feminismo
 
Pdf movimento feminista
Pdf movimento feministaPdf movimento feminista
Pdf movimento feminista
 
Margareth rago mujeres libres anarco feminismo e subjetividade na revolução e...
Margareth rago mujeres libres anarco feminismo e subjetividade na revolução e...Margareth rago mujeres libres anarco feminismo e subjetividade na revolução e...
Margareth rago mujeres libres anarco feminismo e subjetividade na revolução e...
 
A mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docxA mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docx
 
A mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docxA mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docx
 
Powerpoint Mulheres Portuguesas CéLebres
Powerpoint Mulheres Portuguesas CéLebresPowerpoint Mulheres Portuguesas CéLebres
Powerpoint Mulheres Portuguesas CéLebres
 
A ditadura militar
A ditadura militarA ditadura militar
A ditadura militar
 
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedadeFeminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
 
Feminismo sociologia
Feminismo sociologiaFeminismo sociologia
Feminismo sociologia
 
Trabalho qualitativo de inglês
Trabalho qualitativo de inglêsTrabalho qualitativo de inglês
Trabalho qualitativo de inglês
 
Apresentação 12.pdf
Apresentação 12.pdfApresentação 12.pdf
Apresentação 12.pdf
 
Mulheres
MulheresMulheres
Mulheres
 
Trabalho qualitativo de inglês
Trabalho qualitativo de inglêsTrabalho qualitativo de inglês
Trabalho qualitativo de inglês
 
Ydocumentosdosprofessoresvanessa educaofsicadiadasmulheresvanessa-09031206164...
Ydocumentosdosprofessoresvanessa educaofsicadiadasmulheresvanessa-09031206164...Ydocumentosdosprofessoresvanessa educaofsicadiadasmulheresvanessa-09031206164...
Ydocumentosdosprofessoresvanessa educaofsicadiadasmulheresvanessa-09031206164...
 
Movimento feminista no brasil
Movimento feminista no brasilMovimento feminista no brasil
Movimento feminista no brasil
 
Texto introdutório - As Sufragistas
Texto introdutório - As SufragistasTexto introdutório - As Sufragistas
Texto introdutório - As Sufragistas
 

Mais de CoordTic

Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaCoordTic
 
Dia Mundial da Árvore
Dia Mundial da ÁrvoreDia Mundial da Árvore
Dia Mundial da ÁrvoreCoordTic
 
Floresta Tropical
Floresta TropicalFloresta Tropical
Floresta TropicalCoordTic
 
Dia mundial da floresta
Dia mundial da florestaDia mundial da floresta
Dia mundial da florestaCoordTic
 
Desflorestação
Desflorestação   Desflorestação
Desflorestação CoordTic
 
Dia Mundial da Árvore
Dia Mundial da ÁrvoreDia Mundial da Árvore
Dia Mundial da ÁrvoreCoordTic
 
Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaCoordTic
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
BiodiversidadeCoordTic
 
A floresta
A florestaA floresta
A florestaCoordTic
 
Desflorestação - Gonçalo Vieira 6.º I
Desflorestação - Gonçalo Vieira 6.º IDesflorestação - Gonçalo Vieira 6.º I
Desflorestação - Gonçalo Vieira 6.º ICoordTic
 
Desflorestação - Maria Luís 6ºI
Desflorestação - Maria Luís 6ºIDesflorestação - Maria Luís 6ºI
Desflorestação - Maria Luís 6ºICoordTic
 
Dia da Floresta -Tiago 5.º G
Dia da Floresta -Tiago 5.º GDia da Floresta -Tiago 5.º G
Dia da Floresta -Tiago 5.º GCoordTic
 
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º IPowerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º ICoordTic
 
Poluição atmosférica - Luana, Ana Sofia, Filipa 5.º I
Poluição atmosférica - Luana, Ana Sofia, Filipa 5.º IPoluição atmosférica - Luana, Ana Sofia, Filipa 5.º I
Poluição atmosférica - Luana, Ana Sofia, Filipa 5.º ICoordTic
 
O meio ambiente - Filipe, Diogo e Guilherme 5ºD
O meio ambiente - Filipe, Diogo e Guilherme 5ºDO meio ambiente - Filipe, Diogo e Guilherme 5ºD
O meio ambiente - Filipe, Diogo e Guilherme 5ºDCoordTic
 
O ciclo da água - Leonor e Mafalda 5ºD
O ciclo da água - Leonor e Mafalda 5ºDO ciclo da água - Leonor e Mafalda 5ºD
O ciclo da água - Leonor e Mafalda 5ºDCoordTic
 
Natureza ambiental - Inês Malhadinhas e Graça Rocha
Natureza ambiental - Inês Malhadinhas  e Graça Rocha Natureza ambiental - Inês Malhadinhas  e Graça Rocha
Natureza ambiental - Inês Malhadinhas e Graça Rocha CoordTic
 
Dia mundial da floresta - Maria João 5ºB
Dia mundial da floresta - Maria João 5ºBDia mundial da floresta - Maria João 5ºB
Dia mundial da floresta - Maria João 5ºBCoordTic
 
Desflorestação - Cristiano Carvalho
Desflorestação - Cristiano CarvalhoDesflorestação - Cristiano Carvalho
Desflorestação - Cristiano CarvalhoCoordTic
 
Desflorestação - André, Miguel Tiago, Henrique nº 12
Desflorestação - André, Miguel Tiago,  Henrique nº 12Desflorestação - André, Miguel Tiago,  Henrique nº 12
Desflorestação - André, Miguel Tiago, Henrique nº 12CoordTic
 

Mais de CoordTic (20)

Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da Floresta
 
Dia Mundial da Árvore
Dia Mundial da ÁrvoreDia Mundial da Árvore
Dia Mundial da Árvore
 
Floresta Tropical
Floresta TropicalFloresta Tropical
Floresta Tropical
 
Dia mundial da floresta
Dia mundial da florestaDia mundial da floresta
Dia mundial da floresta
 
Desflorestação
Desflorestação   Desflorestação
Desflorestação
 
Dia Mundial da Árvore
Dia Mundial da ÁrvoreDia Mundial da Árvore
Dia Mundial da Árvore
 
Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da Floresta
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
A floresta
A florestaA floresta
A floresta
 
Desflorestação - Gonçalo Vieira 6.º I
Desflorestação - Gonçalo Vieira 6.º IDesflorestação - Gonçalo Vieira 6.º I
Desflorestação - Gonçalo Vieira 6.º I
 
Desflorestação - Maria Luís 6ºI
Desflorestação - Maria Luís 6ºIDesflorestação - Maria Luís 6ºI
Desflorestação - Maria Luís 6ºI
 
Dia da Floresta -Tiago 5.º G
Dia da Floresta -Tiago 5.º GDia da Floresta -Tiago 5.º G
Dia da Floresta -Tiago 5.º G
 
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º IPowerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
Powerpoint do dia mundial da floresta - Ana e Adriana 6.º I
 
Poluição atmosférica - Luana, Ana Sofia, Filipa 5.º I
Poluição atmosférica - Luana, Ana Sofia, Filipa 5.º IPoluição atmosférica - Luana, Ana Sofia, Filipa 5.º I
Poluição atmosférica - Luana, Ana Sofia, Filipa 5.º I
 
O meio ambiente - Filipe, Diogo e Guilherme 5ºD
O meio ambiente - Filipe, Diogo e Guilherme 5ºDO meio ambiente - Filipe, Diogo e Guilherme 5ºD
O meio ambiente - Filipe, Diogo e Guilherme 5ºD
 
O ciclo da água - Leonor e Mafalda 5ºD
O ciclo da água - Leonor e Mafalda 5ºDO ciclo da água - Leonor e Mafalda 5ºD
O ciclo da água - Leonor e Mafalda 5ºD
 
Natureza ambiental - Inês Malhadinhas e Graça Rocha
Natureza ambiental - Inês Malhadinhas  e Graça Rocha Natureza ambiental - Inês Malhadinhas  e Graça Rocha
Natureza ambiental - Inês Malhadinhas e Graça Rocha
 
Dia mundial da floresta - Maria João 5ºB
Dia mundial da floresta - Maria João 5ºBDia mundial da floresta - Maria João 5ºB
Dia mundial da floresta - Maria João 5ºB
 
Desflorestação - Cristiano Carvalho
Desflorestação - Cristiano CarvalhoDesflorestação - Cristiano Carvalho
Desflorestação - Cristiano Carvalho
 
Desflorestação - André, Miguel Tiago, Henrique nº 12
Desflorestação - André, Miguel Tiago,  Henrique nº 12Desflorestação - André, Miguel Tiago,  Henrique nº 12
Desflorestação - André, Miguel Tiago, Henrique nº 12
 

Último

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 

CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL

  • 1. Conferência: “A mulher no contexto multicultural” A mulher na sociedade portuguesa Agrupamento de Escolas de Gondomar 6 de abril de 2011 Maria Olinda Moura
  • 2.
  • 3. Exploração violenta do seu trabalho metade do salário dos homens; 16 a18 horas de trabalho diário;
  • 4. Alteração do seu papel na família e questionamento da relação homem/mulher na sociedade;
  • 5. Surgimento de lutas laborais por ação das mulheres; (8 de Março de 1857, Nova Iorque. Várias centenas de mulheres violentamente agredidas, presas e mortas pela polícia e em incêndio provocado numa fábrica onde faziam greve);
  • 6.
  • 7. Em 1887, em Paris, é proclamado o direito da mulher ao trabalho (Congresso Constitutivo da II Internacional Socialista)A mulher não abdica do mundo do trabalho; Aumenta a sua participação na luta por melhores condições laborais. Trabalho da mulher concorrente com o do homem; Aumento do salário do homem; Mulheres em casa.
  • 8. Em 1910 é aceite o dia 8 de Março para o Dia Internacional das Mulheres. (Proposta de Clara Zetkin no Congresso Internacional Socialista de Copenhaga “Em nome das nossas irmãs americanas, para exigir os nossos direitos e exprimir a solidariedade e o amor pela paz que nos une.”); Em 1911, mais de um milhão de mulheres celebra esse dia, um pouco por todo o mundo. 1914, França e Alemanha, 8 de Março, luta contra a guerra e pela libertação de Rosa Luxemburgo;
  • 9. Rosa Luxemburgo (1871-1919 (assassinada)) Filósofa e economista marxista judeu-polaca, naturalizada alemã, tornou-se mundialmente conhecida pela militância revolucionária. Participou na fundação do grupo de tendência marxista do SPD, que viria a tornar-se mais tarde o Partido Comunista da Alemanha (KPD).
  • 10. 1915, Berna. Manifestação contra a guerra (Alexandra Kolontai) e Conferência de Mulheres (Clara Zetkin); 1917, Petrogrado. Mulheres manifestam-se massivamente, reclamando o fim da guerra (será o princípio da Revolução de Fevereiro). 1918, mulheres inglesas ganham o direito ao voto, parcialmente. Só dez anos depois, em 1928, o ganham totalmente.
  • 11. A mulher na sociedade portuguesa Início do século XX – cerca de 35% dos trabalhadores na indústria eram mulheres (tabaco, têxtil e papel); País flagelado pela miséria e por degradantes condições de trabalho e de habitação; Surgimento de organizações de mulheres no contexto da luta contra a monarquia;
  • 12.
  • 13. 1911 – Ainda sem direito ao voto, a médica Carolina Beatriz Ângelo vai ser a primeira mulher a votar;
  • 14. 1914 – Adelaide Cabete, médica, funda o Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas (CNMP); 1924 – O CNMP organiza o I Congresso Feminista (17 teses sobre diversos aspetos da realidade da mulher). Em 1928 realiza-se o II Congresso deste organismo;
  • 15. 1936 – Nasce a Associação Feminina para a Paz; Manuela Porto (1908-1950). Tradutora e escritora, dedicou-se ao teatro nos últimos anos de vida. Isabel Aboim Inglez, (1902-1963) Grande lutadora anti-fascista. Professora da Faculdade de Letras de Lisboa. Maria Alda Nogueira (1923-1988) Professora Licenciada em Físico-química.
  • 16. 1947 – o CNMP realiza, na Sociedade Nacional de Belas-Artes, uma Exposição das Mulheres Escritoras de todo o mundo que se revelou um certame de grande sucesso e intervenção política. Nesse mesmo ano a PIDE encerra a sede do CNMP; Maria Lamas (1893-1983) Escritora e jornalista. Participa na formação do MUD juvenil e preside ao CNMP. Em 1948 publica o livro “Mulheres do Meu País” 1914 Pintora e Ilustradora, elaborou o cartaz da Exposição.
  • 17.
  • 18. 1969 – No âmbito da Comissão Eleitoral Democrática (movimento oposicionista ao regime) as mulheres constituem-se em Comissão Democrática Eleitoral de Mulheres, desenvolvendo grande atividade política e social;
  • 19.
  • 20. Sophia de Mello Breyner (1919-2004) Escritora, desde muito cedo ligada à luta anti-fascista, foi deputada à Assembleia Constituinte a seguir ao 25 de Abril de 1974 Maria Teresa Horta (1937). Escritora, co-autora das célebres “Novas Cartas Portuguesas” (1971) com Maria Velho da Costa e Maria Isabel Barreno Maria de Lourdes Pintasilgo (1930-2004) Eng.ª Química, única mulher que desempenhou o cargo de 1ª Ministra em Portugal e 2ª na Europa. Licenciada em 1953, era uma das três mulheres do curso num universo de 250 alunos. Virgínia Moura (1915 -1998). 1ª Engª Civil em Portugal. Integrou o “Socorro Vermelho”, organização de apoio aos presos políticos portugueses e espanhóis.
  • 21.
  • 22. Em 1931, foi permitido o direito ao voto às mulheres que tivessem cursos secundários ou superiores (aos homens bastava-lhes saber ler e escrever);
  • 23.
  • 24. Manual de Educação Moral e Cívica (anos 40) – “À mulher compete tornar a casa atraente e acolhedora, prestar ao marido a deferência e submissão como chefe de família.” ; “…o trabalho da mulher fora do lar desagrega este…”
  • 25.
  • 26. 1964 – Apenas 24,3% dos partos ocorridos no continente se faziam em hospital. A mortalidade infantil atingia 65 crianças em mil (Em Bragança, 109/1000);
  • 27. Finais da década de 60 – 48% das mulheres eram analfabetas;
  • 28.
  • 29.
  • 30. aumento da idade de reforma dos 62 para os 65 anos com pensões de invalidez e velhice mais baixas que as dos homens;
  • 31. média dos salários mais baixa que a dos homens (cerca de 60%);
  • 32. regressão no direito ao trabalho com grande aumento da instabilidade laboral e discriminação da mulher pelo factor da maternidade;
  • 33. aumento do assédio sexual nos locais de trabalho;
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37. Enfrenta cada vez mais dificuldades na sua gestão familiar dado o aumento da degradação económica do país (cortes nos abonos de família; orçamentos familiares penalizados; carestia de vida; cada vez mais dificuldades na emancipação dos filhos; suporte dos ascendentes com dificuldades de saúde;…)
  • 38. Continua a ser vítima de violência doméstica, física e psicológica;
  • 39.
  • 40. Participação Cívica Muitas mulheres têm transformado o descontentamento em força viva, em ação reivindicativa e confiante pela emancipação e pela dignidade; Apesar das mulheres constituirem a maioria da população (51,7% - Censos de 2001), o acesso das mulheres ao poder e a cargos de responsabilidade continua muito reduzido (20,9% com cargos políticos em 1999).
  • 41.
  • 42. A 21 de Agosto de 2006 foi publicada a Lei da Paridade (Lei Orgânica nº 3/2006) que estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as Autarquias Locais são compostas de modo a assegurar a representação mínima de 33 por cento de cada um dos sexos.
  • 43. A mulher portuguesa atual casa mais tarde, tem menos filhos, trabalha a tempo inteiro, está em maioria nas faculdades (56,1% - Censos de 2001), continua a ganhar menos do que os homens nos quadros superiores, é a mais afetada quando o desemprego bate à porta, continua a ter uma participação institucional muito reduzida, é a maior vítima de assédio sexual, de violência doméstica e do analfabetismo que ainda grassa em Portugal (No total de analfabetos, 66,4% são mulheres – Censos de 2001)
  • 44. “Hábitos culturais profundamente enraizados, ao longo dos séculos, têm uma força que nenhuma constituição ou revolução podem extirpar. A sua evolução, lentíssima, exige que os actuais e os futuros governantes respeitem a resolução adoptada em Junho de 2000, durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, que garante o direito, sem discriminação, dos dois sexos, à conciliação entre a vida profissional e a vida familiar. Aliás, essa era já uma conquista traduzida na revisão constitucional de 1997, exigindo que as leis do trabalho não conheçam recuos que dificultem, em vez de facilitarem, as mudanças. (…) Enquanto, para se realizar como pessoa, a mulher tiver de ser uma super criatura, nem ela nem o homem que, consciente ou inconscientemente, aceita ou exige tal esforço, poderão sentir-se livres.” Adília Alarcão, Conservadora e Diretora do Museu Machado de Castro
  • 45. Porque   Porque os outros se mascaram mas tu não Porque os outros usam a virtude Para comprar o que não tem perdão. Porque os outros têm medo mas tu não.   Porque os outros são os túmulos caiados Onde germina calada a podridão. Porque os outros se calam mas tu não.   Porque os outros se compram e se vendem E os seus gestos dão sempre dividendo. Porque os outros são hábeis mas tu não.   Porque os outros vão à sombra dos abrigos E tu vais de mãos dadas com os perigos. Porque os outros calculam mas tu não.     Sophia de Mello Breyner “No Tempo  Dividido e Mar Novo” Edições Salamandra, 1985, p. 79