SlideShare uma empresa Scribd logo
História: Conceitos e categorias em sala de aula Nila Michele Bastos Santos Historiadora, Psicopedagoga, Professora da Rede Municipal de São Luis –Ma e da Faculdade Santa Fé
O que é História? Narração ordenada, escrita, dos acontecimentos e atividades humanas ocorridas no passado.Ramo da ciência que se ocupa de registrar cronologicamente, apreciar e explicar os fatos do passado da humanidade em geral, e das diversas nações, países e localidades em particular. Os fatos do passado da humanidade registrados cronologicamente.  Dicionário Michaellis disponível    <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/> Disciplina que se ocupa do estudo dos fatos relativos ao Homem ao longo do tempo. Nova enciclopédia Barsa. São Paulo, 1999. v7
	“A Historia é o registro da sociedade humana, ou civilização mundial; das mudanças que acontecem na natureza dessa sociedade[...]. De revoluções e insurreições de um conjunto de pessoas contra outro[...]das diferentes atividades e ocupações dos homens, seja para ganharem seu sustento ou nas várias ciências e artes; e, em geral, de todas as transformações sofridas pela sociedade [...]” KHALDUN, Ibn, apud  HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo, Cia das Letras, 1998. Historia inclui todo traço e vestígio de tudo o que o homem fez ou pensou desde seu primeiro aparecimento sobre a terra. BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo, Unesp, 1992. História é uma ciência social que estuda a transformação da sociedade no decorrer do tempo. MELLO, Leonel Itaussu de A. Construindo Consciências: História. São Paulo: Scipione, 2006 (livro didático)
Afinal o que a História estuda? Política Religiões
Brasil Mundo Ela estuda as experiências dos homens e mulheres no decorrer do tempo
História é o estudo das EXPERIÊNCIAS HUMANAS, no decorrer do TEMPO. O estudo da História é subjetivo. Depende do olhar do HISTORIADOR Como é o oficio do Historiador?
Segundo o historiador Marc Bloch, o  historiador tem o papel de investigar, e  seu objeto de estudo é “o homem”, ou melhor, “os homens”, e mais precisamente “homens no tempo”. BLOCH, Marc Leopold Benjamin. Apologia da História ou O ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001. O historiador se utiliza das fontes históricas para realizar seu estudo. E fonte pode ser tudo aquilo que ajudar ao historiador a comprovar o que diz.  É o que guarda em si a memória individual ou coletiva de um povo.
As fontes históricas podem ser: Etc... Fotos Documentos Vestígios Pessoas ( Historia oral) Monumentos Filmes Objetos
O historiador pode selecionar um evento para estudo que passe totalmente desapercebido por outro, ou seja, não apenas a interpretação é pessoal, mas a própria escolha dos fatos. O mesmo acontecimento pode ser visto e revisto de diversas formas. Isso afinal, destrói qualquer possibilidade de objetividade na história. Não existe apenas uma verdade, mas sim Verdades e cada historiador tem seu ponto de vista diante do mesmo fato histórico analisado. CARR, E. H. Que é história? Rio de Janeiro, Paz e Terra, 3a ed. 1982.
É impossível para o historiador se afastar de seu objeto de estudo suficientemente para uma relação distinta entre Sujeito e Objeto. O historiador é fruto de seu tempo e portanto incapaz de imparcialidade total.
Contudo no século XIX, a história era pensada, sobretudo, como narrativa. O que interessava eram os grandes fatos, os grandes heróis, a nação, uma história diplomática. Esta forma de fazer história estava ligada intimamente aos eventos políticos e às mudanças, que, segundo seus defensores, trariam sempre algo de novo e melhor. Para aqueles historiadores, o presente era melhor que o passado, enquanto que o futuro seria sempre promissor – visão evolutiva e progressiva da história. A historia seria uma ciência objetiva que analisava os Fatos do passado através de métodos científicos e como tal exigia a imparcialidade do historiador. Foi dada ênfase nas fontes dos arquivos, apenas documentos escritos e oficiais,  a história não política foi excluída.
A Historia positivista respondia as perguntas? 	Num momento de transformações e dúvidas, portanto, emergia uma nova forma de ver a história e lançava sobre o ofício do historiador um novo olhar que serve de modelo até os dias atuais.
A partir de 1929, e mais densamente a partir de 1970, os historiadores sentiram a necessidade de rever seus métodos e conceitos, ampliando a noção de quem são os sujeitos da história. Buscando desenvolver uma reflexão historiográfica sobre essas questões, além da capacidade de investigação e de compreensão, a História passa a ser vista em seu papel múltiplo e subjetivo surgindo assim novos métodos e campos históricos.
Devemos  pensar a História de forma múltipla, isto é, no olhar em conjunto lançado para os objetos, métodos e documentação ela se amplia e adquire novas formas, novas especialidades. O historiador, no entanto precisa buscar as “interconexões” entre os diversos campos para tanto, é necessário conhecer todos os enfoques possíveis. E jamais esquecer do tempo. Contudo o tempo, assim como a História é Plural.
Tempo, tempo, tempos... ,[object Object]
Tempo cronológico.
Datas, calendários, periodizações.
Mesmos estes modificam-se de acordo com a cultura de cada sociedade.
Os acontecimentos, identificados pelas datas, assumem a idéia de uniformidade, de regularidade e, ao mesmo tempo, de sucessão crescente e acumulativa.,[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
Paulo Alexandre
 
Para que estudar História
Para que estudar HistóriaPara que estudar História
Para que estudar História
Liz Prates
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 

Mais procurados (20)

Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
 
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
 
1 história, cultura, patrimônio e tempo
1   história, cultura, patrimônio e tempo1   história, cultura, patrimônio e tempo
1 história, cultura, patrimônio e tempo
 
Para que estudar História
Para que estudar HistóriaPara que estudar História
Para que estudar História
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
 
Conceito de História
Conceito de HistóriaConceito de História
Conceito de História
 
O Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o anoO Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o ano
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Aula 1 o que é história
Aula 1   o que é históriaAula 1   o que é história
Aula 1 o que é história
 
A origem dos seres humanos
A origem dos seres humanosA origem dos seres humanos
A origem dos seres humanos
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º AnoA Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
 
História,sujeito e fato histórico
História,sujeito e fato históricoHistória,sujeito e fato histórico
História,sujeito e fato histórico
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 

Destaque (9)

História antiga/Dica Enem!
História antiga/Dica Enem!História antiga/Dica Enem!
História antiga/Dica Enem!
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
Resumão história antiga
Resumão história antigaResumão história antiga
Resumão história antiga
 
As primeiras civilizações 6º ano Prof. Marcia
As primeiras civilizações 6º ano Prof. MarciaAs primeiras civilizações 6º ano Prof. Marcia
As primeiras civilizações 6º ano Prof. Marcia
 
Apostila de historia antiga vol i
Apostila de historia antiga vol iApostila de historia antiga vol i
Apostila de historia antiga vol i
 
Introdução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricasIntrodução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricas
 
Pré-História, História Antiga
Pré-História, História AntigaPré-História, História Antiga
Pré-História, História Antiga
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇOO TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
 

Semelhante a O QUE É HISTÓRIA

PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOSPRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
Jorge Marcos Oliveira
 
A ciência histórica
A ciência históricaA ciência histórica
A ciência histórica
cattonia
 
O ensino de história e a relação com o presente
O ensino de história e a relação com o presenteO ensino de história e a relação com o presente
O ensino de história e a relação com o presente
eunamahcado
 

Semelhante a O QUE É HISTÓRIA (20)

Aula de introdução aos estudos Históricos
Aula de introdução aos estudos Históricos  Aula de introdução aos estudos Históricos
Aula de introdução aos estudos Históricos
 
Módulo 0
Módulo 0Módulo 0
Módulo 0
 
História conceitos
História   conceitosHistória   conceitos
História conceitos
 
A ciência histórica.pptx
A ciência histórica.pptxA ciência histórica.pptx
A ciência histórica.pptx
 
Aula II - Fato histórico, sujeito histórico, a história.pptx
Aula II - Fato histórico, sujeito histórico, a história.pptxAula II - Fato histórico, sujeito histórico, a história.pptx
Aula II - Fato histórico, sujeito histórico, a história.pptx
 
Historiografia da História
Historiografia da HistóriaHistoriografia da História
Historiografia da História
 
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOSPRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
PRE SEED - 2014 - CONCEITOS BÁSICOS
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
 
Introdução à História.pptx
Introdução à História.pptxIntrodução à História.pptx
Introdução à História.pptx
 
A ciência histórica
A ciência históricaA ciência histórica
A ciência histórica
 
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
 
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
O tempo presente o trabalho do historiador e a relação passadopresente no est...
 
Desafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdf
Desafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdfDesafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdf
Desafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdf
 
O ensino de história e a relação com o presente
O ensino de história e a relação com o presenteO ensino de história e a relação com o presente
O ensino de história e a relação com o presente
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
 
Os annales e a história nova
Os annales e a história novaOs annales e a história nova
Os annales e a história nova
 
Introdução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do HistoriadorIntrodução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do Historiador
 
O que é historia?
O que é historia? O que é historia?
O que é historia?
 

Mais de Nila Michele Bastos Santos (13)

HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRioHistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
 
Sociedades antigas
Sociedades antigasSociedades antigas
Sociedades antigas
 
A EducaçãO Renascentista
A  EducaçãO  RenascentistaA  EducaçãO  Renascentista
A EducaçãO Renascentista
 
Africa Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos EuropeusAfrica Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos Europeus
 
O Que é EducaçãO
O Que é  EducaçãOO Que é  EducaçãO
O Que é EducaçãO
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
 
Documento e monumento
Documento e monumentoDocumento e monumento
Documento e monumento
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
A china antiga
A china antigaA china antiga
A china antiga
 
A revolução da historiografia
A revolução da historiografiaA revolução da historiografia
A revolução da historiografia
 
IndependêNcia NãO é Só Grito!
IndependêNcia NãO é Só Grito!IndependêNcia NãO é Só Grito!
IndependêNcia NãO é Só Grito!
 
Os Rivais De Portugal No Brasil
Os Rivais De Portugal No BrasilOs Rivais De Portugal No Brasil
Os Rivais De Portugal No Brasil
 

Último

Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 

O QUE É HISTÓRIA

  • 1. História: Conceitos e categorias em sala de aula Nila Michele Bastos Santos Historiadora, Psicopedagoga, Professora da Rede Municipal de São Luis –Ma e da Faculdade Santa Fé
  • 2. O que é História? Narração ordenada, escrita, dos acontecimentos e atividades humanas ocorridas no passado.Ramo da ciência que se ocupa de registrar cronologicamente, apreciar e explicar os fatos do passado da humanidade em geral, e das diversas nações, países e localidades em particular. Os fatos do passado da humanidade registrados cronologicamente. Dicionário Michaellis disponível <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/> Disciplina que se ocupa do estudo dos fatos relativos ao Homem ao longo do tempo. Nova enciclopédia Barsa. São Paulo, 1999. v7
  • 3. “A Historia é o registro da sociedade humana, ou civilização mundial; das mudanças que acontecem na natureza dessa sociedade[...]. De revoluções e insurreições de um conjunto de pessoas contra outro[...]das diferentes atividades e ocupações dos homens, seja para ganharem seu sustento ou nas várias ciências e artes; e, em geral, de todas as transformações sofridas pela sociedade [...]” KHALDUN, Ibn, apud HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo, Cia das Letras, 1998. Historia inclui todo traço e vestígio de tudo o que o homem fez ou pensou desde seu primeiro aparecimento sobre a terra. BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo, Unesp, 1992. História é uma ciência social que estuda a transformação da sociedade no decorrer do tempo. MELLO, Leonel Itaussu de A. Construindo Consciências: História. São Paulo: Scipione, 2006 (livro didático)
  • 4. Afinal o que a História estuda? Política Religiões
  • 5. Brasil Mundo Ela estuda as experiências dos homens e mulheres no decorrer do tempo
  • 6. História é o estudo das EXPERIÊNCIAS HUMANAS, no decorrer do TEMPO. O estudo da História é subjetivo. Depende do olhar do HISTORIADOR Como é o oficio do Historiador?
  • 7. Segundo o historiador Marc Bloch, o historiador tem o papel de investigar, e seu objeto de estudo é “o homem”, ou melhor, “os homens”, e mais precisamente “homens no tempo”. BLOCH, Marc Leopold Benjamin. Apologia da História ou O ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001. O historiador se utiliza das fontes históricas para realizar seu estudo. E fonte pode ser tudo aquilo que ajudar ao historiador a comprovar o que diz. É o que guarda em si a memória individual ou coletiva de um povo.
  • 8. As fontes históricas podem ser: Etc... Fotos Documentos Vestígios Pessoas ( Historia oral) Monumentos Filmes Objetos
  • 9. O historiador pode selecionar um evento para estudo que passe totalmente desapercebido por outro, ou seja, não apenas a interpretação é pessoal, mas a própria escolha dos fatos. O mesmo acontecimento pode ser visto e revisto de diversas formas. Isso afinal, destrói qualquer possibilidade de objetividade na história. Não existe apenas uma verdade, mas sim Verdades e cada historiador tem seu ponto de vista diante do mesmo fato histórico analisado. CARR, E. H. Que é história? Rio de Janeiro, Paz e Terra, 3a ed. 1982.
  • 10. É impossível para o historiador se afastar de seu objeto de estudo suficientemente para uma relação distinta entre Sujeito e Objeto. O historiador é fruto de seu tempo e portanto incapaz de imparcialidade total.
  • 11. Contudo no século XIX, a história era pensada, sobretudo, como narrativa. O que interessava eram os grandes fatos, os grandes heróis, a nação, uma história diplomática. Esta forma de fazer história estava ligada intimamente aos eventos políticos e às mudanças, que, segundo seus defensores, trariam sempre algo de novo e melhor. Para aqueles historiadores, o presente era melhor que o passado, enquanto que o futuro seria sempre promissor – visão evolutiva e progressiva da história. A historia seria uma ciência objetiva que analisava os Fatos do passado através de métodos científicos e como tal exigia a imparcialidade do historiador. Foi dada ênfase nas fontes dos arquivos, apenas documentos escritos e oficiais, a história não política foi excluída.
  • 12. A Historia positivista respondia as perguntas? Num momento de transformações e dúvidas, portanto, emergia uma nova forma de ver a história e lançava sobre o ofício do historiador um novo olhar que serve de modelo até os dias atuais.
  • 13. A partir de 1929, e mais densamente a partir de 1970, os historiadores sentiram a necessidade de rever seus métodos e conceitos, ampliando a noção de quem são os sujeitos da história. Buscando desenvolver uma reflexão historiográfica sobre essas questões, além da capacidade de investigação e de compreensão, a História passa a ser vista em seu papel múltiplo e subjetivo surgindo assim novos métodos e campos históricos.
  • 14. Devemos pensar a História de forma múltipla, isto é, no olhar em conjunto lançado para os objetos, métodos e documentação ela se amplia e adquire novas formas, novas especialidades. O historiador, no entanto precisa buscar as “interconexões” entre os diversos campos para tanto, é necessário conhecer todos os enfoques possíveis. E jamais esquecer do tempo. Contudo o tempo, assim como a História é Plural.
  • 15.
  • 18. Mesmos estes modificam-se de acordo com a cultura de cada sociedade.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Nila Michele Bastos Santos Historiadora, Psicopedagoga, Professora da Rede Municipal e Privada de São Luis –Ma. Professora Da Faculdade Santa Fé Email: nilamichele@yahoo.com.br