SlideShare uma empresa Scribd logo
Professor Gilson Nunes Arte abstrata: Suprematismo, abstracionismo geométrico e neoplasticismo -  1910-1950
Princípios da arte abstrata. O impressionismo (1874-1886) e pós-impressionismo (1885-1900) serviram de base para o fovismo (1900-1908), este por sua vez serviu de base para o cubismo ( 1908-1914), que também por sua vez serviu de base para o abstracionismo (1910-1950).  The White WaterLilies. 1899. Oiloncanvas. ThePushkinMuseumof Fine Arts, Moscow, Rússia
Sistemática do estilo: Opós-impressionismo (1885-1900) serviu de base para o fovismo (1900-1908), este por sua vez serviu de base para o cubismo ( 1908-1914), que também por sua vez serviu de base para o abstracionismo (1910-1950).  Paul Cézanne. Bridge and Pool. 1888-90. Oil on canvas. The Pushkin Museum of Fine Art, Moscow, Russia.
Sistemática do estilo: O  fovismo (1900-1908), este por sua vez serviu de base para o cubismo ( 1908-1914), que também por sua vez serviu de base para o abstracionismo (1910-1950).  Henrri Matisse. Alegria de viver.  1905-6. 1,74x2,38. Copyryght Barnes Foundation, Merion, Pennsylvania.
O que é abstrato: Meio convencional que se abstém de representar a realidade, imagem de compreensão difícil – “tirar para fora, separar”. O que você consegue ver nesta imagem?
Georges Rouault. Cabeça de Cristo, 1905. Óleo em papel, montado em tela, 1,14x0,78 m. Coleção de Walter P. Chrysler, Jr., Nova Iorque.
“Pintar é libertar-se, e isso é o essencial” (Pablo Picasso) O  cubismo ( 1908-1914), que também por sua vez serviu de base para o abstracionismo (1910-1950).  Pablo Picasso. Sketch for the Demoiselles d”Avignon. 1907. Museu de Arte Moderna de Nova York.
Kandinsky – O primeiro artista abstrato da história da arte. falecer no dia 13 de dezembro de 1944, em Neuilly-sur-Seine  aos 78 anos de idade .  falecer no dia 13 de dezembro de 1944, em Neuilly-sur-Seine  aos 78 anos de idade .  falecer no dia 13 de dezembro de 1944, em Neuilly-sur-Seine  aos 78 anos de idade .  Wassily Kandinsky nasceu em Moscou, no  dia  4   de   dezembro de  1866. Em 1901, fundou a "Phalanx" (Falange)  uma associação de  artistas – expositores, que foi inaugurada com a exposição de obras suas e de seus colegas do ateliê de Stuck , dentre eles: Stern,  Hüsgen , Hecker , Klee.   Durante os anos de 1918 a 1921, colaborou nos domínios da pedagogia  de arte e  reforma de museus.  Organizou  22  museus em várias cidades  russas,  era encarregado de selecionar e distribuir as obras. Faleceu em 13 de dezembro de 1944, aos 78 anos.
Como encontrou o estilo abstrato?  Inscreve-se no curso do Prof. Von Stuck,  mas foi rejeitado,  retornou um ano depois, quando finalmente foi aceito. Permaneceu no ateliê de Stuck até 1900. A imagem ao lado lembra a influência do pós-impressinonismo. Wassily Kandinsky – A Cascata – 1900
Influência pós-impressionista e fovista. Kandinsky, Outono da Bavária – 1908 Kandinsky, Munique o Isar – 1901
Obra completamente abstrata. Kandinsky, Jardim do Murnau II – 1910 Em 1910, o artista une teoria e prática, concluindo o livro “Do Espiritual na Arte“
Kandinsky, Pintura de todos os Santos – 1911 – Óleo sobre cartão
Influência do Cubismo. Kandinsky, AllSaints I. 1911. Oilon card. 50 x 64.5 cm. StädtischeGalerieimLenbachhaus, Munich, Germany. Pablo Picasso. Sketch for theDemoiselles d”Avignon. 1907. Museu de Arte da  Filadélfia.
Abstracionismo total. Kandinsky, Compisição IV – 1911 O estilo causou tanta estranheza que muitas pessoas achavam que tratava-se de uma obra de um louco ou de um viciado em morfina ou haxixe.
Kandinsky, Composição V – 1911. Quadro recusado na exposição por fugir do tamanho da norma estabelecida. “Impressões”com referência a um modelo naturalista, “Improvisações” – que pretendiam  refletir emoções espontâneas e “Composições” – o grau mais complicado e mais elevado, alcançado após longos trabalhos preparatórios e,  pelo menos uma vez fez alusão à música  ao dar os títulos de  “Improvisação”e “composição”. Era também por analogia à música que via as cores e as formas ”vibrarem” e “ressoarem” .
Kandinsky, Com o Arco Negro – 1912 – ost, 188x196 cm. Museu de Arte Moderna Centre Georges Pompidou. Paris. “Pintar significa trabalhar a matéria tinta pela adição de camadas e de gestualidade, a fim de construir um texto visual”. (BUORO, 2002, p. 153)
Kandinsky, Pequenos prazeres – 1912 “Os sentimentos elementares, como o medo, a tristeza, a alegria, que teriam podido, durante o período da tentação, servir de conteúdo para a arte, atrairão pouco o artista. Ele se esforçara por despertar sentimentos mais matizados, ainda sem nome.  O próprio artista vive uma existência completa, relativamente requintada, e a obra, nascida de seu cérebro, provocara no espectador capaz de experimentá-las, emoções mais delicadas, que nossa linguagem é incapaz de exprimir.” (Wassily Kandinsky)
Kandinsky, Fragmento 2 para composição 7 – 1913 "E assim as artes estão invadindo umas às outras, e de um uso apropriado dessa invasão surgirá a arte que é verdadeiramente monumental“ (Kandinsky).
Kandinsky, Composição VII – 1913 “É evidente, portanto, que a harmonia das cores deve se basear unicamente no principio do contato eficaz. A alma humana tocada em seu ponto mais sensível responde. Chamaremos essa base de Principio da Necessidade Interior”. (Kandinsky)
“Os que duvidam do futuro da arte abstrata fundamentam seu juízo sobre um estágio evolutivo comparável ao dos anfíbios [...]; estes não representam  o resultado final da criação, apenas seu começo.” Kandinsky
Kandinsky, Moscow I. 1916. Oil on canvas. 51.5 x 49.5 cm. The Tretyakov Gallery, Moscow, Russia. "Criar uma obra de arte é criar um mundo". (Kandinsky)
“A cor é a tecla. O olho é o martelo. A alma é o piano de inúmeras cordas”. Kandinsky Kandinsky, No cinza – 1919
Kandisnky, Red Oval. 1920. Oil on canvas. 71.5 x 71.5 cm. The Solomon R. Guggebheim Museum, New York, NY, USA.  A partir de 1920, as obras abstratas são marcadas poruma tendência crescente a geometrização de cada um dos elementos, que Kandinsky  devia, por um lado,  à sua própria evolução, e por outro, ao clima vanguardista que reinava em Moscou.  Sobre forte influência do abstracionismo geométrico de Mondriand – ou seja, neoplasticismo de 1913.
 Em 1921, Walter Gropius convidou-o para lecionar na Bauhaus, em Weimar. Na Escola que tinha como objetivo unir as artes plásticas com as artes aplicadas, assumiu a cadeira de “Pintura Mural”,onde  retomou os programas e os métodos de ensino que tinha experimentado no “Instituto de Cultura Artística” e que deveriam representar aqui o essencial de seu ensino de arte .  Improvisação VII 1923 Kandinsky, Improvisação VII 1923
Forte influência do neoplasticismo de Mondriand. PietMondrian. Composition / Compositie. 1916. Oiloncanvas. 119 x 75.1 cm. TheSolomon R. GuggebheimMuseum, New York, NY, USA. Kandinsky, Preto e Violeta – 1923
Influência do neoplasticismo. PietMondrian. Composition: Light Color Planes withGreyLines. 1919. Oiloncanvas. Diagonal 67 cm. RijksmuseumKröller-Müller, Otterlo, theNetherlands. Kandinsk, Sons Contrastantes – 1924
Kandinsky, Yellow-Red-Blue. 1925. Oiloncanvas. 127 x 200 cm. MuséeNational d'ArtModerne, Centre Georges Pompidou, Paris, France.  PietMondrian. Composition / Compositie. 1921. Oiloncanvas. 49.5 x 41.5 cm. KunstmuseumBasel, Emanuel Hoffman Bequest, Basel, Switzerland.  “Maravilhosa é a tela vazia. Mais bela que certos quadros”. Kandinsky
“Pintar é um estrondoso choque de mundos opostos predestinados a criar juntos, na luta e a partir dela, um novo mundo que se chama obra”. Kandinsky Composition X. 1939. Oiloncanvas. 130 x 195 cm. KunstzammlungNordrhein-Westfallen, Düsseldorf.
Abstracionismo geométrico: Suprematismo:                                                                                "a supremacia do puro sentimento".  FrantisekKupka.
FrantisekKupka. O primeiro artista da história da arte a produzir um quadro abstrato geométrico. Em 1911 realizou uma série de grandiosas telas que batizou como arquiteturas filosóficas. O primeiro artista do suprematismo. FrantisekKupka. 1911. MuseumKampa.
FrantisekKupka. Os discos de Newton, 1911/12. Kupka foi um eterno estudioso da arte, passou por várias academias, escolas e ateliês de artistas. Dedicou-se ao estudo da cor com suas experiências com os discos de Newton, uma marga registrada nos seus trabalhos.
FrantisekKupka. Disco de Newton. 1912. FrantisekKupka. Formo f yellou (NotreDame). 1911/12.
FrantisekKupka.  Espaço. 1911/12. Formas circulares coloridas e linhas organizadas em disposição rítmica.
FrantisekKupka. Amorfa: fuga em duas cores. 1912.
FrantisekKupka. Amorfa: fuga em duas cores. 1912. Exercício prático: ponha o lápis sobre uma folha de papel, feche os olhos e passeie com o lápis, riscando toda a folha por alguns segundos, depois abra os olhos e encontre o ponto de partida do lápis. Pinte os espaços ao seu critério.
FrantisekKupka. Amorfa: fuga em duas cores. 1912. FrantisekKupka. Ondas, 1912/13.
Participa da Primeira Guerra Mundial (1914), promovido ao posto de capitão.  Em 1920 realiza a sua primeira exposição individual, bastante aceito pela crítica, mas um fracasso de vendas. FrantisekKupka. Kosmickéjaro, 1913/14.
FrantisekKupka. Vértice, plano I. 1912/13. Museu de Arte Moderna de Paris. FrantisekKupka. Vertical planos III 1912/13.
FrantisekKupka. Arquitetura filosofal, 1913-14.
FrantisekKupka. Abstração e composição. 1925/30.
FrantisekKupha. Okolobodu, 1927-30.
Kupka foi apoiado financeiramente por seu bom amigo, o coleccionador de arte e empresário industrial Jindřich Waldes, que comprou vários quadros produzidos pelo artista entre 1918-35. FrantisekKupka. Vértice em degradê. 1935.
Frantisek Kupka. Elevação IV, 1938. Frantisek Kupka. Elevação IV, 1938. FrantisekKupka. Elevação IV, 1938.
FrantisekKupka. Prisma. 1947. Suas obras só passaram a ser reconhecidas após a Segunda Guerra Mundial 1945 e em 1957 o artista faleceu.
O segundo artista do suprematismo abstrato. Artista russo, que em 1913, na exposição “O alvo”, apresentou uma quatro sob título: Quadrado negro sobre fundo branco”, eliminando por completo a cor da pintura. Que os críticos consideraram o fim da pintura. O teórico: “Por Suprematismo entendo a supremacia da sensação pura nas artes visuais”.  Em latim: Supremus – “O mais elevado”. KasimirMalevich
Excluir a cor do quadro foi considerado o gesto mais corajoso praticado pelo artista. Promovendo um jogo óptico, a ambigüidade de figura-fundo. Seu olho não identifica quem é primeiro quem é o fundo.  KasimirMalevich. Quadrado negro sobre fundo branco, 1913.
O quadrilátero negro representa o eclipse do sol da pintura ocidental. A inspiração veio quando o artista estava trabalhando projetos para a ópera Vitória sobre o Sol, uma das produções mais importantes da era moderna. KasimirMalevich. Quadrado negro sobre fundo branco, 1913.
Escreveu o artista: “Em 1913, quando, numa tentava desesperada para libertar a arte do peso morto da objetividade, me refugiei na forma do quadrado e expus uma tela que representava, simplesmente, um quadrado negro sobre um campo branco, os críticos – e, como eles, a sociedade – suspiraram: Perdeu-se tudo o que amávamos.  Encontramo-nos num deserto. Diante de nós, ergue-se um quadrado negro sobre um fundo branco...Mas o deserto está repleto do espírito que vem dos sentimentos não-objetivos, o qual tudo penetra”. KasimirMalevich. Quadrado negro sobre fundo branco, 1913.
O quadrilátero negro representa o eclipse do sol da pintura ocidental.  A inspiração veio quando o artista estava trabalhando projetos para a ópera Vitória sobre o Sol, uma das produções mais importantes da era moderna.  A obra pode ser vista como o triunfo do Oriente sobre o Ocidente, do homem sobre a natureza, do espírito sobre a matéria.  Em síntese, a substituição da trindade cristã “suprema”, uma abstração. KasimirMalevich. Quadrilátero negro sobre fundo branco, 1913/15.
O suprematismo de Malevich segue um princípio filosófico da cor com conotação mística e científica. O preto poderíamos associar ao espaço, o infinito, a morte, a ausência de todas a cores, e a lateral, o branco a presença de toda a luz, o divino, o eterno. KasimirMalevich. Quadrilátero negro sobre fundo branco, 1913/15.
Kazimir Malevich, Painterly Realism. Boy with Knapsack – Color Masses in the Fourth Dimension (1915), 71,1 x 44,5 cm:
KasimirMalevich. Trapézio negro e quadrado vermelho. 1915. Ost. Museu Stedelijk, Amsterdã.
Abstração geométrica P PietMondrian Neoplasticismo
                    Encontrando as bases para seu estilo geométrico. Mondrian: o terceiro artista abstrato da história da Arte. Influencia do impressionismo,  pós-impressionismo e do fovismo. PietMondrian. Moinho ao Sol 1908.
A árvore representava um signo, o princípio masculino, a linha vertical. E o complemento (feminino) a linha do horizonte do mar. PietMondrian. Woods nearOele. / BosbijOele. 1908. Oiloncanvas. 128 x 158 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
“A arte é apenas um substituto enquanto a beleza da vida for deficiente. Desaparecerá proporcionalmente, à medida que a vida adquirir equilíbrio”. (PietMondrian. In: STANGOS, 1993:103) PietMondrian. Arvore Vermelha – 1908
PietMondrian. Dune IV. / Duin IV. 1909/10. Oilon card. 33 x 46 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
PietMondrian. ChurchnearDomburg ./ Kerk te Domburg. 1910/11. Oiloncanvas. 114 x 75 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands. Em 1911 foi realizada em Amsterdã uma exposição de dois grandes artistas do cubismo (Picasso e Braque) em homenagem a Cézanne. Mondian sabia que naqueles quadros existia um signo. E mudou-se para Paris em 1912 para  submeter-se a mesma disciplina.
Árvore Cinzenta – 1911 PietMondrian, Árvore Cinzenta – 1911
PietMondrian. Still LifewithGingerJar I. / Stillevenmetgemberpot I. 1911/12. Oiloncanvas. 65.5 x 75 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
PietMondrian. Trees in Blossom. / Bloeiendebomen. 1912. Oiloncanvas.65 x 75 cm. The Judith RothschildFoundation, New York, NY, USA.
PietMondrian. CompositionTrees II./  Compositiebomen II. 1912. Oiloncanvas. 98 x 65 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
PietMondrian. Oval Composition. / Ovalecompositie. 1913/14. Charcoalonpaper. 152.5 x 100 cm. Peggy Guggenheim Collection, Venice, Italy. Em 1914, escreveu em seus cadernos de anotações o seguinte conceito: “Um objeto é tanto mais belo, quanto mais profundamente desvendar as leis que o condicionam e o lugar que ocupa no universal”.
PietMondrian. ChurchatDamburg. / Kerk te Domburg. c. 1914. Inkonpaper. 63 x 50 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands. PietMondrian. ChurchnearDomburg ./ Kerk te Domburg. 1910/11. Oiloncanvas. 114 x 75 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
PietMondrian. Composition No.6. / Compositienr.6.  1914. Oiloncanvas. 88 x 61 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.  PietMondrian. ChurchatDamburg. / Kerk te Domburg. c. 1914. Inkonpaper. 63 x 50 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
PietMondrian. Composition No.10 (PierandOcean) / Compositienr.10 (Pierenoceaan).Oiloncanvas. 85 x 108 cm. RijksmuseumKröller-Müller, Otterlo, theNetherlands. A árvore representava um signo, o princípio masculino, a linha vertical. E o complemento (feminino) a linha do horizonte do mar. Aqui, o artista abstraiu a representação real da natureza. Encontrou o signo (estilo) de sua arte.
PietMondrian. Oceano 5 – 1915 – Gouache sobre papel 87x103                 A crítica da época foi implacável com o artista, negando-lhe qualquer talento.
PietMondrian. Composition / Compositie. 1916. Oiloncanvas. 119 x 75.1 cm. TheSolomon R. GuggebheimMuseum, New York, NY, USA.
PietMondrian. Composition in Color A / Compositie in kleur A. 1917. Oiloncanvas. 50 x 44 cm. RijksmuseumKröller-Müller, Otterlo, theNetherlands.
Gerrit Thomas Rietveld. Cadeira vermelha e azul. 1917.
PietMondrian. Composição com cores planas e linhas cinzas 1 – 1918 – ost – 49x60 Estilo influenciado pelas idéias do cubismo e pelas corrente filosófica da teosofia. Os adeptos da teosofia acreditavam no equilíbrio da espiritualidade com a ciência. O cosmo e a espécie humana estariam vivendo sucessivas encarnações rumo a perfeição. E a arte como responsável por estabelecer o caráter ético-espeiritual.
PietMondrian. LozengewithGreyLines / Losangiquemetgrijzelijnen. 1918. Oiloncanvas, diagonal 121 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
PietMondrian. Composition: Light Color Planes withGreyLines. 1919. Oiloncanvas. Diagonal 67 cm. RijksmuseumKröller-Müller, Otterlo, theNetherlands.
PietMondrian. CompositionwithRed, BlueandYellowish-Green / Compositiemetrood, blauwengeel-groen. 1920. Oiloncanvas. 67 x 57 cm. Wilhelm-Hack-Museum, LudwigshafenamRhein, Germany.
Características do estilo: Ressalta o aspecto artificial da arte – equilíbrio assimétrico. Usam apenas vermelho, amarelo e azul.  E as não cores preto (ausência da luz) e o branco (a luz total). Limpeza espacial da pintura, elimina-se os elementos decorativos.  Oposição a natureza animal, primitiva e grosseira do homem. Através da combinação de linhas e ângulos retos buscam a beleza universal.  O olhar do receptor parece caminhar sobre as linhas e os retângulos e quadrados sumulam uma perspectiva óptica.  PietMondrian. Composição em vermelho, amarelo e azul – 1921 – ost – 39x35
Outro seguidor do neoplasticismo.  Theo van Doesburg: "Aquilo que se expressa positivamente na plasticidade moderna – uma proporção equilibrada do peculiar e da generalidade – manifesta-se mais ou menos também na vida do homem moderno e constitui a causa original da reconstrução social de que somos testemunhas. Afirmou: “O quadro é para nós o que a cruz era para os antigos cristãos”.  Theo van Doesburg. Counter-composition V. 1924.
Neoplasticimo exerceu forte influência na arquitetura. Gerrit Tomas Rietveld. A residência Schroder, 1924.Utrecht.
PietMondrian. Composição com vermelho, amarelo e azul. 1930. Ost. 48xx48. Coleção Alfred Roth, Zurique.
PietMondrian. Composition II with Black Lines. / Compositienr.2 metswartelijnen. 1930. Oiloncanvas. 50 x 51 cm. Stedelijk Van AbbeMuseum, Eindhoven, theNetherlands. PietMondrian. Composição em atalho amarelo – 1930 – ost – 46x46
PietMondrian. CompositionwithTwoLines / Compositiemettweelijnen. 1931. Oiloncanvas, diagonal 114 cm. StedelijkMuseum, Amsterdam, Netherlands. PietMondrian. CompositionwithYellowLines / Compositiemet gele lijnen. 1933. Oiloncanvas, diagonal 133. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
PietMondrian.Composição nº III – 1935-42 – ost – 101x55 Segundo a análise de H.B.Chipp da ótica do movimento "no futuro, a materialização concreta dos valores pictóricos suplantará a arte. Então, já não precisaremos de quadros, pois viveremos no meio da arte realizada".
PietMondrian. Composição vertical em azul e brando – 1936 – ost – 121x59 “Não basta explicar o valor de uma obra de arte em si; é necessário, acima de tudo, mostrar o lugar que ela ocupa na escola da evolução da arte plástica. Assim, ao falar da arte, não se pode dizer é assim que eu vejo, ou essa é a minha idéia. A verdadeira arte, como a verdadeira vida, segue um caminho único”. (PietMondrian – 1937)
PietMondrian. Composição nº 10 – 1939-42 – ost – 80x73 PietMondrian. Composition / Compositie. 1939. Oiloncanvas. 105.2 x 102.3 cm. Peggy Guggenheim Collection, Venice, Italy.
PietMondrian.New York City – 1941-1942 – ost – 119x114
PietMondrian. BrodwayBoogiWoogie – 1942-43 – ost – 50x50
PietMondrian. VictoryBoogie-Woogie. 1943/44 (unfinished). Oilandpaperoncanvas, diagonal 177.5 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
Referências: BUORO, Anamelia Bueno. Olhos que pintam: uma leitura da imagem e o ensino da arte. 2ª ed. – São Paulo, Educ/Fapesp/Cortez, 2003. p. 208-223. JANSON, H. W. História da Arte: o mundo moderno. São Paulo, Marins Fontes, 1993.  KANDINSKY, Wassily. Do espeiritual na arte. São Paulo, Martins Fonstes, 1990. ___________. Ponto e linha sobre plano. São Paulo, Marins fontes, 1997. LYNTON, Norbert. O mundo da arte: arte moderna. 7ª ed. – Rio de janeiro, Expressão e Cultura, 1979. p. 79-84. MILLER, Joseph Emile. O fauvismo. Tradução: Adelaide Penha e Costa. Verbo, Ed. da USP, 1976. MICHEL, Mario. As vanguardas artísticas. São Paulo, Martins Fontes, 1991. STANGOS, Nikos (0rg.). Conceitos da moderna. Rio de Janeiro, Zahar, 1993. VALLIER, Dora. A arte abstrata. São Paulo, Martins Fontes, 1980. VALSECCHI, Marco. Galeria delta da pintura universal. V. II, Rio de Janeiro, Delta, 1972. WOLFE, Tom. Da bauhaus ao nosso caos. Rio de Janeiro, Rocco, 1990. www.historiadaarte.com.br www.jvanguarda.com.br www.portalartes.com.br www.ricci-art.com www.abcgallery.com www.ocaiw.com
Autoria e criação:             Gilson Cruz Nunes  –                  Especialista em Artes Visuais – UFPB Professor da Disciplina de Artes das Escolas: Dr. Hortênsio de Sousa Ribeiro – Rede Estadual Pe. Antonino e Dr. Francisco Brasileiro – Rede Municipal. Campina Grande, 1 setembro 2010. gilsonunes2000@bol.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Abstracionismo em pdf
Abstracionismo em pdfAbstracionismo em pdf
Abstracionismo em pdf
Janete Garcia de Freitas
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Carlos Vieira
 
Abstraccionismo
AbstraccionismoAbstraccionismo
Abstraccionismo
Carlos Vieira
 
Abstracionismo Informal
Abstracionismo  InformalAbstracionismo  Informal
Abstracionismo Informal
Thalles Yvson
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Murderdoll_Natty
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Sara Oliveira
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
guestf586e5
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Stefanie Fernandes
 
Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03
William Marques
 
Tachismo
TachismoTachismo
Tachismo
Michele Pó
 
Unidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Unidade 3 aula_em_powerpoint_elianaUnidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Unidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Elianacapimdourado
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Andrea Garcia
 
Abstracionismo Wassily Kandinsky
Abstracionismo Wassily KandinskyAbstracionismo Wassily Kandinsky
Abstracionismo Wassily Kandinsky
Ana Luiza Falcão
 
Kandinsky
Kandinsky Kandinsky
Kandinsky
ruca03
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
ArtesElisa
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Andrea Dressler
 
Fovismo
FovismoFovismo
Fovismo
Lu Rebordosa
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Angeli Arte Educadora
 
Arte informal
Arte informalArte informal
Arte informal
Rita Costa
 

Mais procurados (20)

Abstracionismo em pdf
Abstracionismo em pdfAbstracionismo em pdf
Abstracionismo em pdf
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Abstraccionismo
AbstraccionismoAbstraccionismo
Abstraccionismo
 
Abstracionismo Informal
Abstracionismo  InformalAbstracionismo  Informal
Abstracionismo Informal
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03
 
Tachismo
TachismoTachismo
Tachismo
 
Unidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Unidade 3 aula_em_powerpoint_elianaUnidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Unidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Abstracionismo Wassily Kandinsky
Abstracionismo Wassily KandinskyAbstracionismo Wassily Kandinsky
Abstracionismo Wassily Kandinsky
 
Kandinsky
Kandinsky Kandinsky
Kandinsky
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
 
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Fovismo
FovismoFovismo
Fovismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Arte informal
Arte informalArte informal
Arte informal
 

Destaque

Aula 03 - Abstracionismos
Aula 03 - AbstracionismosAula 03 - Abstracionismos
Aula 03 - Abstracionismos
Lele Lili Lolo
 
6º ano diferenciação figurativo e abstrato
6º ano diferenciação figurativo e abstrato6º ano diferenciação figurativo e abstrato
6º ano diferenciação figurativo e abstrato
Fabiola Oliveira
 
Técnicas de Propaganda
Técnicas de PropagandaTécnicas de Propaganda
Técnicas de Propaganda
Rodrigo Ortiz Rueda
 
Como funciona a propaganda
Como funciona a propagandaComo funciona a propaganda
Como funciona a propaganda
Sergio Montes
 
Construtivismo russo
Construtivismo russoConstrutivismo russo
Construtivismo russo
Macedo1634
 
6 suprematismo e construtivismo
6 suprematismo e construtivismo6 suprematismo e construtivismo
6 suprematismo e construtivismo
FBAUL História da arte contemporânea II
 
Pintura figurativa e abstrata
Pintura figurativa e abstrataPintura figurativa e abstrata
Pintura figurativa e abstrata
manasantos
 
Arte design propaganda
Arte design propagandaArte design propaganda
Arte design propaganda
Daph Diesel
 
Introdução A Propaganda
Introdução A PropagandaIntrodução A Propaganda
Introdução A Propaganda
Prof. Claudir Segura
 
Desconstruir arte
Desconstruir arteDesconstruir arte
Desconstruir arte
Cristiana Gomes
 
Suprematismo
SuprematismoSuprematismo
Suprematismo
Michele Pó
 
Geometria e arte
Geometria e arte Geometria e arte
Geometria e arte
renatapennacarneiro
 
Geometria Tarsila Do Amaral
Geometria Tarsila Do AmaralGeometria Tarsila Do Amaral
Geometria Tarsila Do Amaral
Karinacampos
 
Hangout história da arte
Hangout história da arteHangout história da arte
Hangout história da arte
conhece2013
 
Arte e propaganda
Arte e propagandaArte e propaganda
Arte e propaganda
Ana Lucia
 
Técnicas em Publicidade e Propaganda
Técnicas em Publicidade e PropagandaTécnicas em Publicidade e Propaganda
Técnicas em Publicidade e Propaganda
DAC UFS
 
Arte Abstrata
Arte AbstrataArte Abstrata

Destaque (17)

Aula 03 - Abstracionismos
Aula 03 - AbstracionismosAula 03 - Abstracionismos
Aula 03 - Abstracionismos
 
6º ano diferenciação figurativo e abstrato
6º ano diferenciação figurativo e abstrato6º ano diferenciação figurativo e abstrato
6º ano diferenciação figurativo e abstrato
 
Técnicas de Propaganda
Técnicas de PropagandaTécnicas de Propaganda
Técnicas de Propaganda
 
Como funciona a propaganda
Como funciona a propagandaComo funciona a propaganda
Como funciona a propaganda
 
Construtivismo russo
Construtivismo russoConstrutivismo russo
Construtivismo russo
 
6 suprematismo e construtivismo
6 suprematismo e construtivismo6 suprematismo e construtivismo
6 suprematismo e construtivismo
 
Pintura figurativa e abstrata
Pintura figurativa e abstrataPintura figurativa e abstrata
Pintura figurativa e abstrata
 
Arte design propaganda
Arte design propagandaArte design propaganda
Arte design propaganda
 
Introdução A Propaganda
Introdução A PropagandaIntrodução A Propaganda
Introdução A Propaganda
 
Desconstruir arte
Desconstruir arteDesconstruir arte
Desconstruir arte
 
Suprematismo
SuprematismoSuprematismo
Suprematismo
 
Geometria e arte
Geometria e arte Geometria e arte
Geometria e arte
 
Geometria Tarsila Do Amaral
Geometria Tarsila Do AmaralGeometria Tarsila Do Amaral
Geometria Tarsila Do Amaral
 
Hangout história da arte
Hangout história da arteHangout história da arte
Hangout história da arte
 
Arte e propaganda
Arte e propagandaArte e propaganda
Arte e propaganda
 
Técnicas em Publicidade e Propaganda
Técnicas em Publicidade e PropagandaTécnicas em Publicidade e Propaganda
Técnicas em Publicidade e Propaganda
 
Arte Abstrata
Arte AbstrataArte Abstrata
Arte Abstrata
 

Semelhante a Arte abstrata 1910 1950

Fauvismo ou fovismo – 1900 1908
Fauvismo ou fovismo – 1900 1908Fauvismo ou fovismo – 1900 1908
Fauvismo ou fovismo – 1900 1908
Professor Gilson Nunes
 
3 expressionismo - der blaue reiter
3 expressionismo - der blaue reiter3 expressionismo - der blaue reiter
3 expressionismo - der blaue reiter
FBAUL História da arte contemporânea II
 
Aula 10 Expressionismo Abstrato
Aula 10  Expressionismo AbstratoAula 10  Expressionismo Abstrato
Aula 10 Expressionismo Abstrato
Aline Okumura
 
Cor1 110814191209-phpapp01
Cor1 110814191209-phpapp01Cor1 110814191209-phpapp01
Cor1 110814191209-phpapp01
Cidaarte Silva
 
Vanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I ModernismoVanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I Modernismo
Carlos Vieira
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
Aline Raposo
 
Franz Weissmann
Franz WeissmannFranz Weissmann
Franz Weissmann
atelieplasticaexposicao
 
Franz Weissmann
Franz WeissmannFranz Weissmann
Franz Weissmann
atelieplasticaexposicao
 
Kandinsky
KandinskyKandinsky
Caderno picasso ccbb_2015
Caderno picasso ccbb_2015Caderno picasso ccbb_2015
Caderno picasso ccbb_2015
Daniele Alves
 
Arte abstrata 2º ano médio Novo Colégio
Arte abstrata 2º ano médio Novo ColégioArte abstrata 2º ano médio Novo Colégio
Arte abstrata 2º ano médio Novo Colégio
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte Século XX
Arte Século XXArte Século XX
Arte Século XX
Carlos Vieira
 
Aula 8 Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aula 8   Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismoAula 8   Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aula 8 Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aline Okumura
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte Contemporânea
Sergio Proença
 
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismoAula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Marcio Duarte
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
Junior Onildo
 
Cubismo 1907-1914
Cubismo   1907-1914Cubismo   1907-1914
Cubismo 1907-1914
Professor Gilson Nunes
 
abstracionismo-160507173026.pdf
abstracionismo-160507173026.pdfabstracionismo-160507173026.pdf
abstracionismo-160507173026.pdf
LucimeireMellodosRei
 
abstracionismo arte
abstracionismo arteabstracionismo arte
abstracionismo arte
WILSONXAVIERBARBOSA1
 
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao SurrealismoHistória da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
Raphael Lanzillotte
 

Semelhante a Arte abstrata 1910 1950 (20)

Fauvismo ou fovismo – 1900 1908
Fauvismo ou fovismo – 1900 1908Fauvismo ou fovismo – 1900 1908
Fauvismo ou fovismo – 1900 1908
 
3 expressionismo - der blaue reiter
3 expressionismo - der blaue reiter3 expressionismo - der blaue reiter
3 expressionismo - der blaue reiter
 
Aula 10 Expressionismo Abstrato
Aula 10  Expressionismo AbstratoAula 10  Expressionismo Abstrato
Aula 10 Expressionismo Abstrato
 
Cor1 110814191209-phpapp01
Cor1 110814191209-phpapp01Cor1 110814191209-phpapp01
Cor1 110814191209-phpapp01
 
Vanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I ModernismoVanguardas Europeias - I Modernismo
Vanguardas Europeias - I Modernismo
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
 
Franz Weissmann
Franz WeissmannFranz Weissmann
Franz Weissmann
 
Franz Weissmann
Franz WeissmannFranz Weissmann
Franz Weissmann
 
Kandinsky
KandinskyKandinsky
Kandinsky
 
Caderno picasso ccbb_2015
Caderno picasso ccbb_2015Caderno picasso ccbb_2015
Caderno picasso ccbb_2015
 
Arte abstrata 2º ano médio Novo Colégio
Arte abstrata 2º ano médio Novo ColégioArte abstrata 2º ano médio Novo Colégio
Arte abstrata 2º ano médio Novo Colégio
 
Arte Século XX
Arte Século XXArte Século XX
Arte Século XX
 
Aula 8 Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aula 8   Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismoAula 8   Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
Aula 8 Suprematismo de Stij Construtivismo russo e decostrutivismo
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte Contemporânea
 
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismoAula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Cubismo 1907-1914
Cubismo   1907-1914Cubismo   1907-1914
Cubismo 1907-1914
 
abstracionismo-160507173026.pdf
abstracionismo-160507173026.pdfabstracionismo-160507173026.pdf
abstracionismo-160507173026.pdf
 
abstracionismo arte
abstracionismo arteabstracionismo arte
abstracionismo arte
 
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao SurrealismoHistória da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
 

Mais de Professor Gilson Nunes

A reforma política que queremos
A reforma política que queremosA reforma política que queremos
A reforma política que queremos
Professor Gilson Nunes
 
Carta de um professor aos paraibanos
Carta de um professor aos paraibanosCarta de um professor aos paraibanos
Carta de um professor aos paraibanos
Professor Gilson Nunes
 
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardioPNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
Professor Gilson Nunes
 
O planeta movido a internet é escravo...
O planeta movido a internet é escravo...O planeta movido a internet é escravo...
O planeta movido a internet é escravo...
Professor Gilson Nunes
 
Segredos da arte brasileira 1
Segredos da arte brasileira 1Segredos da arte brasileira 1
Segredos da arte brasileira 1
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 10
Trabalho de arte 10Trabalho de arte 10
Trabalho de arte 10
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 9
Trabalho de arte 9Trabalho de arte 9
Trabalho de arte 9
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 8
Trabalho de arte 8Trabalho de arte 8
Trabalho de arte 8
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 7
Trabalho de arte   7Trabalho de arte   7
Trabalho de arte 7
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 5
Trabalho de arte 5Trabalho de arte 5
Trabalho de arte 5
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 4
Trabalho de arte 4Trabalho de arte 4
Trabalho de arte 4
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 6
Trabalho   de arte  6Trabalho   de arte  6
Trabalho de arte 6
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 3
Trabalho de arte 3Trabalho de arte 3
Trabalho de arte 3
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 1
Trabalho de arte 1Trabalho de arte 1
Trabalho de arte 1
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 2
Trabalho de arte 2Trabalho de arte 2
Trabalho de arte 2
Professor Gilson Nunes
 
Neo-impressionismo 4
Neo-impressionismo 4Neo-impressionismo 4
Neo-impressionismo 4
Professor Gilson Nunes
 
Neo-impressionismo - 3
Neo-impressionismo - 3Neo-impressionismo - 3
Neo-impressionismo - 3
Professor Gilson Nunes
 
Neo-impressionismo parte 2
Neo-impressionismo parte 2Neo-impressionismo parte 2
Neo-impressionismo parte 2
Professor Gilson Nunes
 
Neo-impressionismo parte 1
Neo-impressionismo parte 1Neo-impressionismo parte 1
Neo-impressionismo parte 1
Professor Gilson Nunes
 
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educaçãoReflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Professor Gilson Nunes
 

Mais de Professor Gilson Nunes (20)

A reforma política que queremos
A reforma política que queremosA reforma política que queremos
A reforma política que queremos
 
Carta de um professor aos paraibanos
Carta de um professor aos paraibanosCarta de um professor aos paraibanos
Carta de um professor aos paraibanos
 
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardioPNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
 
O planeta movido a internet é escravo...
O planeta movido a internet é escravo...O planeta movido a internet é escravo...
O planeta movido a internet é escravo...
 
Segredos da arte brasileira 1
Segredos da arte brasileira 1Segredos da arte brasileira 1
Segredos da arte brasileira 1
 
Trabalho de arte 10
Trabalho de arte 10Trabalho de arte 10
Trabalho de arte 10
 
Trabalho de arte 9
Trabalho de arte 9Trabalho de arte 9
Trabalho de arte 9
 
Trabalho de arte 8
Trabalho de arte 8Trabalho de arte 8
Trabalho de arte 8
 
Trabalho de arte 7
Trabalho de arte   7Trabalho de arte   7
Trabalho de arte 7
 
Trabalho de arte 5
Trabalho de arte 5Trabalho de arte 5
Trabalho de arte 5
 
Trabalho de arte 4
Trabalho de arte 4Trabalho de arte 4
Trabalho de arte 4
 
Trabalho de arte 6
Trabalho   de arte  6Trabalho   de arte  6
Trabalho de arte 6
 
Trabalho de arte 3
Trabalho de arte 3Trabalho de arte 3
Trabalho de arte 3
 
Trabalho de arte 1
Trabalho de arte 1Trabalho de arte 1
Trabalho de arte 1
 
Trabalho de arte 2
Trabalho de arte 2Trabalho de arte 2
Trabalho de arte 2
 
Neo-impressionismo 4
Neo-impressionismo 4Neo-impressionismo 4
Neo-impressionismo 4
 
Neo-impressionismo - 3
Neo-impressionismo - 3Neo-impressionismo - 3
Neo-impressionismo - 3
 
Neo-impressionismo parte 2
Neo-impressionismo parte 2Neo-impressionismo parte 2
Neo-impressionismo parte 2
 
Neo-impressionismo parte 1
Neo-impressionismo parte 1Neo-impressionismo parte 1
Neo-impressionismo parte 1
 
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educaçãoReflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
Reflexão epistemológica dos estudos culturais numa perspectiva da educação
 

Arte abstrata 1910 1950

  • 1. Professor Gilson Nunes Arte abstrata: Suprematismo, abstracionismo geométrico e neoplasticismo - 1910-1950
  • 2. Princípios da arte abstrata. O impressionismo (1874-1886) e pós-impressionismo (1885-1900) serviram de base para o fovismo (1900-1908), este por sua vez serviu de base para o cubismo ( 1908-1914), que também por sua vez serviu de base para o abstracionismo (1910-1950). The White WaterLilies. 1899. Oiloncanvas. ThePushkinMuseumof Fine Arts, Moscow, Rússia
  • 3. Sistemática do estilo: Opós-impressionismo (1885-1900) serviu de base para o fovismo (1900-1908), este por sua vez serviu de base para o cubismo ( 1908-1914), que também por sua vez serviu de base para o abstracionismo (1910-1950). Paul Cézanne. Bridge and Pool. 1888-90. Oil on canvas. The Pushkin Museum of Fine Art, Moscow, Russia.
  • 4. Sistemática do estilo: O fovismo (1900-1908), este por sua vez serviu de base para o cubismo ( 1908-1914), que também por sua vez serviu de base para o abstracionismo (1910-1950). Henrri Matisse. Alegria de viver. 1905-6. 1,74x2,38. Copyryght Barnes Foundation, Merion, Pennsylvania.
  • 5. O que é abstrato: Meio convencional que se abstém de representar a realidade, imagem de compreensão difícil – “tirar para fora, separar”. O que você consegue ver nesta imagem?
  • 6. Georges Rouault. Cabeça de Cristo, 1905. Óleo em papel, montado em tela, 1,14x0,78 m. Coleção de Walter P. Chrysler, Jr., Nova Iorque.
  • 7. “Pintar é libertar-se, e isso é o essencial” (Pablo Picasso) O cubismo ( 1908-1914), que também por sua vez serviu de base para o abstracionismo (1910-1950). Pablo Picasso. Sketch for the Demoiselles d”Avignon. 1907. Museu de Arte Moderna de Nova York.
  • 8. Kandinsky – O primeiro artista abstrato da história da arte. falecer no dia 13 de dezembro de 1944, em Neuilly-sur-Seine aos 78 anos de idade . falecer no dia 13 de dezembro de 1944, em Neuilly-sur-Seine aos 78 anos de idade . falecer no dia 13 de dezembro de 1944, em Neuilly-sur-Seine aos 78 anos de idade . Wassily Kandinsky nasceu em Moscou, no  dia  4   de   dezembro de  1866. Em 1901, fundou a "Phalanx" (Falange) uma associação de artistas – expositores, que foi inaugurada com a exposição de obras suas e de seus colegas do ateliê de Stuck , dentre eles: Stern, Hüsgen , Hecker , Klee.   Durante os anos de 1918 a 1921, colaborou nos domínios da pedagogia de arte e reforma de museus. Organizou 22 museus em várias cidades russas, era encarregado de selecionar e distribuir as obras. Faleceu em 13 de dezembro de 1944, aos 78 anos.
  • 9. Como encontrou o estilo abstrato? Inscreve-se no curso do Prof. Von Stuck, mas foi rejeitado, retornou um ano depois, quando finalmente foi aceito. Permaneceu no ateliê de Stuck até 1900. A imagem ao lado lembra a influência do pós-impressinonismo. Wassily Kandinsky – A Cascata – 1900
  • 10. Influência pós-impressionista e fovista. Kandinsky, Outono da Bavária – 1908 Kandinsky, Munique o Isar – 1901
  • 11. Obra completamente abstrata. Kandinsky, Jardim do Murnau II – 1910 Em 1910, o artista une teoria e prática, concluindo o livro “Do Espiritual na Arte“
  • 12. Kandinsky, Pintura de todos os Santos – 1911 – Óleo sobre cartão
  • 13. Influência do Cubismo. Kandinsky, AllSaints I. 1911. Oilon card. 50 x 64.5 cm. StädtischeGalerieimLenbachhaus, Munich, Germany. Pablo Picasso. Sketch for theDemoiselles d”Avignon. 1907. Museu de Arte da Filadélfia.
  • 14. Abstracionismo total. Kandinsky, Compisição IV – 1911 O estilo causou tanta estranheza que muitas pessoas achavam que tratava-se de uma obra de um louco ou de um viciado em morfina ou haxixe.
  • 15. Kandinsky, Composição V – 1911. Quadro recusado na exposição por fugir do tamanho da norma estabelecida. “Impressões”com referência a um modelo naturalista, “Improvisações” – que pretendiam refletir emoções espontâneas e “Composições” – o grau mais complicado e mais elevado, alcançado após longos trabalhos preparatórios e, pelo menos uma vez fez alusão à música ao dar os títulos de “Improvisação”e “composição”. Era também por analogia à música que via as cores e as formas ”vibrarem” e “ressoarem” .
  • 16. Kandinsky, Com o Arco Negro – 1912 – ost, 188x196 cm. Museu de Arte Moderna Centre Georges Pompidou. Paris. “Pintar significa trabalhar a matéria tinta pela adição de camadas e de gestualidade, a fim de construir um texto visual”. (BUORO, 2002, p. 153)
  • 17. Kandinsky, Pequenos prazeres – 1912 “Os sentimentos elementares, como o medo, a tristeza, a alegria, que teriam podido, durante o período da tentação, servir de conteúdo para a arte, atrairão pouco o artista. Ele se esforçara por despertar sentimentos mais matizados, ainda sem nome. O próprio artista vive uma existência completa, relativamente requintada, e a obra, nascida de seu cérebro, provocara no espectador capaz de experimentá-las, emoções mais delicadas, que nossa linguagem é incapaz de exprimir.” (Wassily Kandinsky)
  • 18. Kandinsky, Fragmento 2 para composição 7 – 1913 "E assim as artes estão invadindo umas às outras, e de um uso apropriado dessa invasão surgirá a arte que é verdadeiramente monumental“ (Kandinsky).
  • 19. Kandinsky, Composição VII – 1913 “É evidente, portanto, que a harmonia das cores deve se basear unicamente no principio do contato eficaz. A alma humana tocada em seu ponto mais sensível responde. Chamaremos essa base de Principio da Necessidade Interior”. (Kandinsky)
  • 20. “Os que duvidam do futuro da arte abstrata fundamentam seu juízo sobre um estágio evolutivo comparável ao dos anfíbios [...]; estes não representam  o resultado final da criação, apenas seu começo.” Kandinsky
  • 21. Kandinsky, Moscow I. 1916. Oil on canvas. 51.5 x 49.5 cm. The Tretyakov Gallery, Moscow, Russia. "Criar uma obra de arte é criar um mundo". (Kandinsky)
  • 22. “A cor é a tecla. O olho é o martelo. A alma é o piano de inúmeras cordas”. Kandinsky Kandinsky, No cinza – 1919
  • 23. Kandisnky, Red Oval. 1920. Oil on canvas. 71.5 x 71.5 cm. The Solomon R. Guggebheim Museum, New York, NY, USA. A partir de 1920, as obras abstratas são marcadas poruma tendência crescente a geometrização de cada um dos elementos, que Kandinsky devia, por um lado, à sua própria evolução, e por outro, ao clima vanguardista que reinava em Moscou. Sobre forte influência do abstracionismo geométrico de Mondriand – ou seja, neoplasticismo de 1913.
  • 24. Em 1921, Walter Gropius convidou-o para lecionar na Bauhaus, em Weimar. Na Escola que tinha como objetivo unir as artes plásticas com as artes aplicadas, assumiu a cadeira de “Pintura Mural”,onde retomou os programas e os métodos de ensino que tinha experimentado no “Instituto de Cultura Artística” e que deveriam representar aqui o essencial de seu ensino de arte . Improvisação VII 1923 Kandinsky, Improvisação VII 1923
  • 25. Forte influência do neoplasticismo de Mondriand. PietMondrian. Composition / Compositie. 1916. Oiloncanvas. 119 x 75.1 cm. TheSolomon R. GuggebheimMuseum, New York, NY, USA. Kandinsky, Preto e Violeta – 1923
  • 26. Influência do neoplasticismo. PietMondrian. Composition: Light Color Planes withGreyLines. 1919. Oiloncanvas. Diagonal 67 cm. RijksmuseumKröller-Müller, Otterlo, theNetherlands. Kandinsk, Sons Contrastantes – 1924
  • 27. Kandinsky, Yellow-Red-Blue. 1925. Oiloncanvas. 127 x 200 cm. MuséeNational d'ArtModerne, Centre Georges Pompidou, Paris, France.  PietMondrian. Composition / Compositie. 1921. Oiloncanvas. 49.5 x 41.5 cm. KunstmuseumBasel, Emanuel Hoffman Bequest, Basel, Switzerland. “Maravilhosa é a tela vazia. Mais bela que certos quadros”. Kandinsky
  • 28. “Pintar é um estrondoso choque de mundos opostos predestinados a criar juntos, na luta e a partir dela, um novo mundo que se chama obra”. Kandinsky Composition X. 1939. Oiloncanvas. 130 x 195 cm. KunstzammlungNordrhein-Westfallen, Düsseldorf.
  • 29. Abstracionismo geométrico: Suprematismo: "a supremacia do puro sentimento". FrantisekKupka.
  • 30. FrantisekKupka. O primeiro artista da história da arte a produzir um quadro abstrato geométrico. Em 1911 realizou uma série de grandiosas telas que batizou como arquiteturas filosóficas. O primeiro artista do suprematismo. FrantisekKupka. 1911. MuseumKampa.
  • 31. FrantisekKupka. Os discos de Newton, 1911/12. Kupka foi um eterno estudioso da arte, passou por várias academias, escolas e ateliês de artistas. Dedicou-se ao estudo da cor com suas experiências com os discos de Newton, uma marga registrada nos seus trabalhos.
  • 32. FrantisekKupka. Disco de Newton. 1912. FrantisekKupka. Formo f yellou (NotreDame). 1911/12.
  • 33. FrantisekKupka. Espaço. 1911/12. Formas circulares coloridas e linhas organizadas em disposição rítmica.
  • 34. FrantisekKupka. Amorfa: fuga em duas cores. 1912.
  • 35. FrantisekKupka. Amorfa: fuga em duas cores. 1912. Exercício prático: ponha o lápis sobre uma folha de papel, feche os olhos e passeie com o lápis, riscando toda a folha por alguns segundos, depois abra os olhos e encontre o ponto de partida do lápis. Pinte os espaços ao seu critério.
  • 36. FrantisekKupka. Amorfa: fuga em duas cores. 1912. FrantisekKupka. Ondas, 1912/13.
  • 37. Participa da Primeira Guerra Mundial (1914), promovido ao posto de capitão. Em 1920 realiza a sua primeira exposição individual, bastante aceito pela crítica, mas um fracasso de vendas. FrantisekKupka. Kosmickéjaro, 1913/14.
  • 38. FrantisekKupka. Vértice, plano I. 1912/13. Museu de Arte Moderna de Paris. FrantisekKupka. Vertical planos III 1912/13.
  • 40. FrantisekKupka. Abstração e composição. 1925/30.
  • 42. Kupka foi apoiado financeiramente por seu bom amigo, o coleccionador de arte e empresário industrial Jindřich Waldes, que comprou vários quadros produzidos pelo artista entre 1918-35. FrantisekKupka. Vértice em degradê. 1935.
  • 43. Frantisek Kupka. Elevação IV, 1938. Frantisek Kupka. Elevação IV, 1938. FrantisekKupka. Elevação IV, 1938.
  • 44. FrantisekKupka. Prisma. 1947. Suas obras só passaram a ser reconhecidas após a Segunda Guerra Mundial 1945 e em 1957 o artista faleceu.
  • 45. O segundo artista do suprematismo abstrato. Artista russo, que em 1913, na exposição “O alvo”, apresentou uma quatro sob título: Quadrado negro sobre fundo branco”, eliminando por completo a cor da pintura. Que os críticos consideraram o fim da pintura. O teórico: “Por Suprematismo entendo a supremacia da sensação pura nas artes visuais”. Em latim: Supremus – “O mais elevado”. KasimirMalevich
  • 46. Excluir a cor do quadro foi considerado o gesto mais corajoso praticado pelo artista. Promovendo um jogo óptico, a ambigüidade de figura-fundo. Seu olho não identifica quem é primeiro quem é o fundo. KasimirMalevich. Quadrado negro sobre fundo branco, 1913.
  • 47. O quadrilátero negro representa o eclipse do sol da pintura ocidental. A inspiração veio quando o artista estava trabalhando projetos para a ópera Vitória sobre o Sol, uma das produções mais importantes da era moderna. KasimirMalevich. Quadrado negro sobre fundo branco, 1913.
  • 48. Escreveu o artista: “Em 1913, quando, numa tentava desesperada para libertar a arte do peso morto da objetividade, me refugiei na forma do quadrado e expus uma tela que representava, simplesmente, um quadrado negro sobre um campo branco, os críticos – e, como eles, a sociedade – suspiraram: Perdeu-se tudo o que amávamos. Encontramo-nos num deserto. Diante de nós, ergue-se um quadrado negro sobre um fundo branco...Mas o deserto está repleto do espírito que vem dos sentimentos não-objetivos, o qual tudo penetra”. KasimirMalevich. Quadrado negro sobre fundo branco, 1913.
  • 49. O quadrilátero negro representa o eclipse do sol da pintura ocidental. A inspiração veio quando o artista estava trabalhando projetos para a ópera Vitória sobre o Sol, uma das produções mais importantes da era moderna. A obra pode ser vista como o triunfo do Oriente sobre o Ocidente, do homem sobre a natureza, do espírito sobre a matéria. Em síntese, a substituição da trindade cristã “suprema”, uma abstração. KasimirMalevich. Quadrilátero negro sobre fundo branco, 1913/15.
  • 50. O suprematismo de Malevich segue um princípio filosófico da cor com conotação mística e científica. O preto poderíamos associar ao espaço, o infinito, a morte, a ausência de todas a cores, e a lateral, o branco a presença de toda a luz, o divino, o eterno. KasimirMalevich. Quadrilátero negro sobre fundo branco, 1913/15.
  • 51. Kazimir Malevich, Painterly Realism. Boy with Knapsack – Color Masses in the Fourth Dimension (1915), 71,1 x 44,5 cm:
  • 52. KasimirMalevich. Trapézio negro e quadrado vermelho. 1915. Ost. Museu Stedelijk, Amsterdã.
  • 53. Abstração geométrica P PietMondrian Neoplasticismo
  • 54. Encontrando as bases para seu estilo geométrico. Mondrian: o terceiro artista abstrato da história da Arte. Influencia do impressionismo, pós-impressionismo e do fovismo. PietMondrian. Moinho ao Sol 1908.
  • 55. A árvore representava um signo, o princípio masculino, a linha vertical. E o complemento (feminino) a linha do horizonte do mar. PietMondrian. Woods nearOele. / BosbijOele. 1908. Oiloncanvas. 128 x 158 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
  • 56. “A arte é apenas um substituto enquanto a beleza da vida for deficiente. Desaparecerá proporcionalmente, à medida que a vida adquirir equilíbrio”. (PietMondrian. In: STANGOS, 1993:103) PietMondrian. Arvore Vermelha – 1908
  • 57. PietMondrian. Dune IV. / Duin IV. 1909/10. Oilon card. 33 x 46 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
  • 58. PietMondrian. ChurchnearDomburg ./ Kerk te Domburg. 1910/11. Oiloncanvas. 114 x 75 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands. Em 1911 foi realizada em Amsterdã uma exposição de dois grandes artistas do cubismo (Picasso e Braque) em homenagem a Cézanne. Mondian sabia que naqueles quadros existia um signo. E mudou-se para Paris em 1912 para submeter-se a mesma disciplina.
  • 59. Árvore Cinzenta – 1911 PietMondrian, Árvore Cinzenta – 1911
  • 60. PietMondrian. Still LifewithGingerJar I. / Stillevenmetgemberpot I. 1911/12. Oiloncanvas. 65.5 x 75 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
  • 61. PietMondrian. Trees in Blossom. / Bloeiendebomen. 1912. Oiloncanvas.65 x 75 cm. The Judith RothschildFoundation, New York, NY, USA.
  • 62. PietMondrian. CompositionTrees II./  Compositiebomen II. 1912. Oiloncanvas. 98 x 65 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
  • 63. PietMondrian. Oval Composition. / Ovalecompositie. 1913/14. Charcoalonpaper. 152.5 x 100 cm. Peggy Guggenheim Collection, Venice, Italy. Em 1914, escreveu em seus cadernos de anotações o seguinte conceito: “Um objeto é tanto mais belo, quanto mais profundamente desvendar as leis que o condicionam e o lugar que ocupa no universal”.
  • 64. PietMondrian. ChurchatDamburg. / Kerk te Domburg. c. 1914. Inkonpaper. 63 x 50 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands. PietMondrian. ChurchnearDomburg ./ Kerk te Domburg. 1910/11. Oiloncanvas. 114 x 75 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
  • 65. PietMondrian. Composition No.6. / Compositienr.6.  1914. Oiloncanvas. 88 x 61 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands. PietMondrian. ChurchatDamburg. / Kerk te Domburg. c. 1914. Inkonpaper. 63 x 50 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
  • 66. PietMondrian. Composition No.10 (PierandOcean) / Compositienr.10 (Pierenoceaan).Oiloncanvas. 85 x 108 cm. RijksmuseumKröller-Müller, Otterlo, theNetherlands. A árvore representava um signo, o princípio masculino, a linha vertical. E o complemento (feminino) a linha do horizonte do mar. Aqui, o artista abstraiu a representação real da natureza. Encontrou o signo (estilo) de sua arte.
  • 67. PietMondrian. Oceano 5 – 1915 – Gouache sobre papel 87x103 A crítica da época foi implacável com o artista, negando-lhe qualquer talento.
  • 68. PietMondrian. Composition / Compositie. 1916. Oiloncanvas. 119 x 75.1 cm. TheSolomon R. GuggebheimMuseum, New York, NY, USA.
  • 69. PietMondrian. Composition in Color A / Compositie in kleur A. 1917. Oiloncanvas. 50 x 44 cm. RijksmuseumKröller-Müller, Otterlo, theNetherlands.
  • 70. Gerrit Thomas Rietveld. Cadeira vermelha e azul. 1917.
  • 71. PietMondrian. Composição com cores planas e linhas cinzas 1 – 1918 – ost – 49x60 Estilo influenciado pelas idéias do cubismo e pelas corrente filosófica da teosofia. Os adeptos da teosofia acreditavam no equilíbrio da espiritualidade com a ciência. O cosmo e a espécie humana estariam vivendo sucessivas encarnações rumo a perfeição. E a arte como responsável por estabelecer o caráter ético-espeiritual.
  • 72. PietMondrian. LozengewithGreyLines / Losangiquemetgrijzelijnen. 1918. Oiloncanvas, diagonal 121 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
  • 73. PietMondrian. Composition: Light Color Planes withGreyLines. 1919. Oiloncanvas. Diagonal 67 cm. RijksmuseumKröller-Müller, Otterlo, theNetherlands.
  • 74. PietMondrian. CompositionwithRed, BlueandYellowish-Green / Compositiemetrood, blauwengeel-groen. 1920. Oiloncanvas. 67 x 57 cm. Wilhelm-Hack-Museum, LudwigshafenamRhein, Germany.
  • 75. Características do estilo: Ressalta o aspecto artificial da arte – equilíbrio assimétrico. Usam apenas vermelho, amarelo e azul. E as não cores preto (ausência da luz) e o branco (a luz total). Limpeza espacial da pintura, elimina-se os elementos decorativos. Oposição a natureza animal, primitiva e grosseira do homem. Através da combinação de linhas e ângulos retos buscam a beleza universal. O olhar do receptor parece caminhar sobre as linhas e os retângulos e quadrados sumulam uma perspectiva óptica. PietMondrian. Composição em vermelho, amarelo e azul – 1921 – ost – 39x35
  • 76. Outro seguidor do neoplasticismo. Theo van Doesburg: "Aquilo que se expressa positivamente na plasticidade moderna – uma proporção equilibrada do peculiar e da generalidade – manifesta-se mais ou menos também na vida do homem moderno e constitui a causa original da reconstrução social de que somos testemunhas. Afirmou: “O quadro é para nós o que a cruz era para os antigos cristãos”. Theo van Doesburg. Counter-composition V. 1924.
  • 77. Neoplasticimo exerceu forte influência na arquitetura. Gerrit Tomas Rietveld. A residência Schroder, 1924.Utrecht.
  • 78. PietMondrian. Composição com vermelho, amarelo e azul. 1930. Ost. 48xx48. Coleção Alfred Roth, Zurique.
  • 79. PietMondrian. Composition II with Black Lines. / Compositienr.2 metswartelijnen. 1930. Oiloncanvas. 50 x 51 cm. Stedelijk Van AbbeMuseum, Eindhoven, theNetherlands. PietMondrian. Composição em atalho amarelo – 1930 – ost – 46x46
  • 80. PietMondrian. CompositionwithTwoLines / Compositiemettweelijnen. 1931. Oiloncanvas, diagonal 114 cm. StedelijkMuseum, Amsterdam, Netherlands. PietMondrian. CompositionwithYellowLines / Compositiemet gele lijnen. 1933. Oiloncanvas, diagonal 133. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
  • 81. PietMondrian.Composição nº III – 1935-42 – ost – 101x55 Segundo a análise de H.B.Chipp da ótica do movimento "no futuro, a materialização concreta dos valores pictóricos suplantará a arte. Então, já não precisaremos de quadros, pois viveremos no meio da arte realizada".
  • 82. PietMondrian. Composição vertical em azul e brando – 1936 – ost – 121x59 “Não basta explicar o valor de uma obra de arte em si; é necessário, acima de tudo, mostrar o lugar que ela ocupa na escola da evolução da arte plástica. Assim, ao falar da arte, não se pode dizer é assim que eu vejo, ou essa é a minha idéia. A verdadeira arte, como a verdadeira vida, segue um caminho único”. (PietMondrian – 1937)
  • 83. PietMondrian. Composição nº 10 – 1939-42 – ost – 80x73 PietMondrian. Composition / Compositie. 1939. Oiloncanvas. 105.2 x 102.3 cm. Peggy Guggenheim Collection, Venice, Italy.
  • 84. PietMondrian.New York City – 1941-1942 – ost – 119x114
  • 85. PietMondrian. BrodwayBoogiWoogie – 1942-43 – ost – 50x50
  • 86. PietMondrian. VictoryBoogie-Woogie. 1943/44 (unfinished). Oilandpaperoncanvas, diagonal 177.5 cm. Gemeentemuseum, theHague, Netherlands.
  • 87. Referências: BUORO, Anamelia Bueno. Olhos que pintam: uma leitura da imagem e o ensino da arte. 2ª ed. – São Paulo, Educ/Fapesp/Cortez, 2003. p. 208-223. JANSON, H. W. História da Arte: o mundo moderno. São Paulo, Marins Fontes, 1993. KANDINSKY, Wassily. Do espeiritual na arte. São Paulo, Martins Fonstes, 1990. ___________. Ponto e linha sobre plano. São Paulo, Marins fontes, 1997. LYNTON, Norbert. O mundo da arte: arte moderna. 7ª ed. – Rio de janeiro, Expressão e Cultura, 1979. p. 79-84. MILLER, Joseph Emile. O fauvismo. Tradução: Adelaide Penha e Costa. Verbo, Ed. da USP, 1976. MICHEL, Mario. As vanguardas artísticas. São Paulo, Martins Fontes, 1991. STANGOS, Nikos (0rg.). Conceitos da moderna. Rio de Janeiro, Zahar, 1993. VALLIER, Dora. A arte abstrata. São Paulo, Martins Fontes, 1980. VALSECCHI, Marco. Galeria delta da pintura universal. V. II, Rio de Janeiro, Delta, 1972. WOLFE, Tom. Da bauhaus ao nosso caos. Rio de Janeiro, Rocco, 1990. www.historiadaarte.com.br www.jvanguarda.com.br www.portalartes.com.br www.ricci-art.com www.abcgallery.com www.ocaiw.com
  • 88. Autoria e criação: Gilson Cruz Nunes – Especialista em Artes Visuais – UFPB Professor da Disciplina de Artes das Escolas: Dr. Hortênsio de Sousa Ribeiro – Rede Estadual Pe. Antonino e Dr. Francisco Brasileiro – Rede Municipal. Campina Grande, 1 setembro 2010. gilsonunes2000@bol.com.br