SlideShare uma empresa Scribd logo
Pelo Professor Gilson Nunes

SEGREDOS DA ARTE BRASILEIRA 1
O quadro “O grito do Ipiranga”, pintado por Pedro Américo, foi uma obra
contratada em 14 de janeiro de 1886. Uma encomenda da comissão de
construção do monumento do Ipiranga – São Paulo/Brasil.
Título original do quadro: “independência ou morte” –
Altura: 7,60 x 4,15m. Concluída em Veneza, em 1888.
Descrevendo os personagens do cenário da pintura
1 – Sargento-mor Antonio Ramos Cordeiro, representante da guarda real.
2 – Paulo Emílio Bregaro – Responsável por entregar a Dom Pedro já em São
Paulo, correspondência da Imperatriz Leopoldina. E o encontro se deu no
riacho do Ipiranga, no dia 7 de setembro, junto com Antonio Cordeiro.
Apelidado com o “Correio da independência”.

Dom Pedro reuniu a guarda e, arrancando os laços de cores portuguesas,
ordenou: “Laços fora, soldados! Camaradas, as cortes de Lisboa querem mesmo
escravizar o Brasil: cumpre, portanto, declarar a sua independência. Estamos
definitivamente separados de Portugal”. E bradou a famosa frase:
“Independência ou morte seja a nossa divisa!”.
3 – Francisco Gomes da Silva, o Chalaça, era dono de caligrafia
excelente, dominava várias línguas, escrevia com correção, tinha o
pensamento organizado - perfeito administrador. Por outro lado,
prestava também outros "servicinhos", como arregimentar belas
mulheres. A mais fascinante de todas surge na vida de D. Pedro
exatamente nesta viagem a São Paulo e se chamava Maria Domitila
deCastro Canto e Melo, que mais tarde receberia o título de

Marquesa   de Santos.
4 – Antonio Leite Pereira da Gama Lobo. Responsável pelas
Armas do Governo Provisório do Brasil.
5 – Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão – não esteve
presente no ato do grito, homem rico que emprestava
dinheiro para socorrer as crises públicas.
6 – Luis Filipe de Saldanha da Gama – Militar da Marinha
brasileira, lutou na Guerra do Paraguai e liderou a segunda
revolta armada em 1893
7 - Dom Pedro I
8 – Capitão-mor Manuel Marcondes Mello – comandante do I
Esquadrão da guarda de honra. Barão e rico fazendeiro do
Vale do Paraíba
9 – Pedro Américo – Autorretrato.
10 – Casa do Grito
11 – Córrego do Ipiranga
12 – Trabalhador anônimo
Detalhes da obra: D. Pedro I ergue seu chapéu e não uma
espada, fechando o semicírculo dos cavalheiros da comitiva.
Segundo o romancista Stieg Larsson, muitas mulheres se
vestiam de homens para participar das manifestações, mas
são omitidas da representação. O fato é apenas de um herói
e não coletivo.
D. Pedro I não montava um cavalo castanho-escuro, mas uma
“besta baia gateada” – uma mula amarelo-avermelhado. Burros
e mulas eram o meio de transporte habitual para subir a
Serra do Mar.
O fardamento era simples, e não essa sofisticada majestosa
farda. Pois, à época não existia a Guarda de Honra. D.
Pedro estava escoltado por guardas voluntários.
O carreiro foi posto no cenário para representar o povo,
que se apresenta assustado e surpreendido com o ato. Pois
nunca esteve presente a cena. Tipificando um cenário rural
perturbado por acontecimento inesperado.
Detalhes da obra: D. Pedro I ergue seu chapéu e não uma
espada, fechando o semicírculo dos cavalheiros da comitiva.
Usou farda branca para contrastar com a farda escura dos
civis. Ampliou o número de regentes a sua volta e reduziu a
tropa para manter o equilíbrio da cena.
À distância de 405 metros da colina onde se encontra D.
Pedro ao riacho, coloca-o em posição de destaque.
Para o Professor José Murilo de Carvalho, o artista
desprezava os asnos em suas obras, e a parada ao riacho foi
motivada por uma diarréia de D. Pedro, que o incômodo não
se fez revelar em sua fisionomia. (Museu do Ipiranga/SP –
Brasil)
Composição questionada 1: o quadro lembra a batalha de
Friedland, vencida em 1807 por Napoleão, obra de Ernest
Meissonier, pintada em 1875.
Composição questionada 2: outra obra intitulada
Independência – a pedido do Senado Imperial, pintada no
Brasil em 1844, pelo francês François-René Moreaux.
Semelhanças e contradições. (Museu Imperial de
Petrópolis/RJ – Brasil)
Bibliografia:
- CARVALHO, José Murilo de. Os esplendores da imortalidade.
Folha de São Paulo – mais!, 26/12/1999, pag. 12
- JÚNIOR, Donato Mello. Pedro Américo e Melo, 1843-1905.
Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
- ROSEMBERG, Liana Ruth Bergstein. Pedro Américo e o olhar
oitocentista. Rio de Janeiro; Relume Dumará, 1995.
- CARDOSO, Rafael. A arte brasileira em 25 quadros 1790-
1930. Rio de Janeiro, Record, 2008.

Criação do Slide, Prof. Gilson Nunes, 16/02/2013
Campina Grande – Paraíba – Brasil

Contato: gilsonunes2000@bol.com.br

professorgilsonunes@facebook.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

José Saramago - Vida e Obra
José Saramago - Vida e ObraJosé Saramago - Vida e Obra
José Saramago - Vida e Obra
Daniela Martins
 
Biografia
BiografiaBiografia
Biografia
becresforte
 
Vida e obra de almeida garrett
Vida  e obra de almeida garrettVida  e obra de almeida garrett
Vida e obra de almeida garrett
Marta Marinho
 
A língua e a literatura portuguesas
A língua e a literatura portuguesasA língua e a literatura portuguesas
A língua e a literatura portuguesas
Licínio Rocha
 
Biografia José Saramago
Biografia José SaramagoBiografia José Saramago
Biografia José Saramago
Fernando Mota
 
José saramago
José saramagoJosé saramago
José saramago
Endl Félix Muriel
 
Destaques Enciclopédia 15-12-2014 a 21-12-2014
Destaques Enciclopédia 15-12-2014 a 21-12-2014Destaques Enciclopédia 15-12-2014 a 21-12-2014
Destaques Enciclopédia 15-12-2014 a 21-12-2014
Umberto Neves
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
bibliotecadomeiral
 
Almeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historiaAlmeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historia
Tomás Verdelho
 
Alves redol
Alves redolAlves redol
Alves redol
Eugénia Santos
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
ESVieira do Minho
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Daniel Leitão
 
Alves Redol
Alves RedolAlves Redol
Alves Redol
SusanaCruz
 
Biografia almeida garrett
Biografia almeida garrettBiografia almeida garrett
Biografia almeida garrett
Sara Gonçalves
 
José saramago
José saramago José saramago
José saramago
Melanie Moreira
 
Alves redol
Alves redolAlves redol
Alves redol
aramalho340
 
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Maria Batista
 
QUESTÕES DO PRÉ-MODERNISMO À SEMANA DE ARTE MODERNA
QUESTÕES DO PRÉ-MODERNISMO À SEMANA DE ARTE MODERNAQUESTÕES DO PRÉ-MODERNISMO À SEMANA DE ARTE MODERNA
QUESTÕES DO PRÉ-MODERNISMO À SEMANA DE ARTE MODERNA
Vera Oliveira
 
Triste fim exercícios
Triste fim exercíciosTriste fim exercícios
Triste fim exercícios
João Marcos Professor Literatura
 
Semana de 22
Semana de 22 Semana de 22
Semana de 22
Jorge Abdalla
 

Mais procurados (20)

José Saramago - Vida e Obra
José Saramago - Vida e ObraJosé Saramago - Vida e Obra
José Saramago - Vida e Obra
 
Biografia
BiografiaBiografia
Biografia
 
Vida e obra de almeida garrett
Vida  e obra de almeida garrettVida  e obra de almeida garrett
Vida e obra de almeida garrett
 
A língua e a literatura portuguesas
A língua e a literatura portuguesasA língua e a literatura portuguesas
A língua e a literatura portuguesas
 
Biografia José Saramago
Biografia José SaramagoBiografia José Saramago
Biografia José Saramago
 
José saramago
José saramagoJosé saramago
José saramago
 
Destaques Enciclopédia 15-12-2014 a 21-12-2014
Destaques Enciclopédia 15-12-2014 a 21-12-2014Destaques Enciclopédia 15-12-2014 a 21-12-2014
Destaques Enciclopédia 15-12-2014 a 21-12-2014
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
Almeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historiaAlmeida Garrett, historia
Almeida Garrett, historia
 
Alves redol
Alves redolAlves redol
Alves redol
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
 
Alves Redol
Alves RedolAlves Redol
Alves Redol
 
Biografia almeida garrett
Biografia almeida garrettBiografia almeida garrett
Biografia almeida garrett
 
José saramago
José saramago José saramago
José saramago
 
Alves redol
Alves redolAlves redol
Alves redol
 
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obra
 
QUESTÕES DO PRÉ-MODERNISMO À SEMANA DE ARTE MODERNA
QUESTÕES DO PRÉ-MODERNISMO À SEMANA DE ARTE MODERNAQUESTÕES DO PRÉ-MODERNISMO À SEMANA DE ARTE MODERNA
QUESTÕES DO PRÉ-MODERNISMO À SEMANA DE ARTE MODERNA
 
Triste fim exercícios
Triste fim exercíciosTriste fim exercícios
Triste fim exercícios
 
Semana de 22
Semana de 22 Semana de 22
Semana de 22
 

Semelhante a Segredos da arte brasileira 1

Cap independncia do br
Cap   independncia do brCap   independncia do br
Cap independncia do br
marceloks
 
Arte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à RepúblicaArte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à República
Robson Ferraz
 
Independência e Independências
Independência e IndependênciasIndependência e Independências
Independência e Independências
seixasmarianas
 
10 curiosidades sobre a independência
10 curiosidades sobre a independência10 curiosidades sobre a independência
10 curiosidades sobre a independência
Lucas Reis
 
D.carlos (lacrimosa)
D.carlos (lacrimosa)D.carlos (lacrimosa)
D.carlos (lacrimosa)
cab3032
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Ueber Vale
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Douglas Barraqui
 
Imagens da nação brasileira
Imagens da nação brasileiraImagens da nação brasileira
Imagens da nação brasileira
Priscila Aristimunha
 
Imagens da nação brasileira
Imagens da nação brasileiraImagens da nação brasileira
Imagens da nação brasileira
Priscila Aristimunha
 
República
RepúblicaRepública
República
BE ESGN
 
A estatuária pública e a escultura monumental
A estatuária pública e a escultura monumentalA estatuária pública e a escultura monumental
A estatuária pública e a escultura monumental
António Silva
 
Personalidades históricas de Vila Real
Personalidades históricas de Vila RealPersonalidades históricas de Vila Real
Personalidades históricas de Vila Real
1010101064
 
D.Carlos (Lacrimosa)
D.Carlos (Lacrimosa)D.Carlos (Lacrimosa)
D.Carlos (Lacrimosa)
Helena
 
D. Carlos
D. CarlosD. Carlos
D. Carlos
smdsm
 
Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contexto
cnlx
 
Regicídio
RegicídioRegicídio
Regicídio
eb23ja
 
Regicídio
RegicídioRegicídio
Regicídio
eb23ja
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
gracafigueiredo2
 
Instauraçãodo liberalismo
Instauraçãodo liberalismoInstauraçãodo liberalismo
Instauraçãodo liberalismo
Maria Gomes
 
Revista de historia
Revista de historiaRevista de historia
Revista de historia
mahhhluiza
 

Semelhante a Segredos da arte brasileira 1 (20)

Cap independncia do br
Cap   independncia do brCap   independncia do br
Cap independncia do br
 
Arte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à RepúblicaArte Brasileira; do Império à República
Arte Brasileira; do Império à República
 
Independência e Independências
Independência e IndependênciasIndependência e Independências
Independência e Independências
 
10 curiosidades sobre a independência
10 curiosidades sobre a independência10 curiosidades sobre a independência
10 curiosidades sobre a independência
 
D.carlos (lacrimosa)
D.carlos (lacrimosa)D.carlos (lacrimosa)
D.carlos (lacrimosa)
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Imagens da nação brasileira
Imagens da nação brasileiraImagens da nação brasileira
Imagens da nação brasileira
 
Imagens da nação brasileira
Imagens da nação brasileiraImagens da nação brasileira
Imagens da nação brasileira
 
República
RepúblicaRepública
República
 
A estatuária pública e a escultura monumental
A estatuária pública e a escultura monumentalA estatuária pública e a escultura monumental
A estatuária pública e a escultura monumental
 
Personalidades históricas de Vila Real
Personalidades históricas de Vila RealPersonalidades históricas de Vila Real
Personalidades históricas de Vila Real
 
D.Carlos (Lacrimosa)
D.Carlos (Lacrimosa)D.Carlos (Lacrimosa)
D.Carlos (Lacrimosa)
 
D. Carlos
D. CarlosD. Carlos
D. Carlos
 
Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contexto
 
Regicídio
RegicídioRegicídio
Regicídio
 
Regicídio
RegicídioRegicídio
Regicídio
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
Instauraçãodo liberalismo
Instauraçãodo liberalismoInstauraçãodo liberalismo
Instauraçãodo liberalismo
 
Revista de historia
Revista de historiaRevista de historia
Revista de historia
 

Mais de Professor Gilson Nunes

A reforma política que queremos
A reforma política que queremosA reforma política que queremos
A reforma política que queremos
Professor Gilson Nunes
 
Carta de um professor aos paraibanos
Carta de um professor aos paraibanosCarta de um professor aos paraibanos
Carta de um professor aos paraibanos
Professor Gilson Nunes
 
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardioPNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
Professor Gilson Nunes
 
O planeta movido a internet é escravo...
O planeta movido a internet é escravo...O planeta movido a internet é escravo...
O planeta movido a internet é escravo...
Professor Gilson Nunes
 
Cubismo 1907-1914
Cubismo   1907-1914Cubismo   1907-1914
Cubismo 1907-1914
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 10
Trabalho de arte 10Trabalho de arte 10
Trabalho de arte 10
Professor Gilson Nunes
 
Arte abstrata 1910 1950
Arte abstrata        1910 1950Arte abstrata        1910 1950
Arte abstrata 1910 1950
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 9
Trabalho de arte 9Trabalho de arte 9
Trabalho de arte 9
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 8
Trabalho de arte 8Trabalho de arte 8
Trabalho de arte 8
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 7
Trabalho de arte   7Trabalho de arte   7
Trabalho de arte 7
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 5
Trabalho de arte 5Trabalho de arte 5
Trabalho de arte 5
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 4
Trabalho de arte 4Trabalho de arte 4
Trabalho de arte 4
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 6
Trabalho   de arte  6Trabalho   de arte  6
Trabalho de arte 6
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 3
Trabalho de arte 3Trabalho de arte 3
Trabalho de arte 3
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 1
Trabalho de arte 1Trabalho de arte 1
Trabalho de arte 1
Professor Gilson Nunes
 
Trabalho de arte 2
Trabalho de arte 2Trabalho de arte 2
Trabalho de arte 2
Professor Gilson Nunes
 
Neo-impressionismo 4
Neo-impressionismo 4Neo-impressionismo 4
Neo-impressionismo 4
Professor Gilson Nunes
 
Neo-impressionismo - 3
Neo-impressionismo - 3Neo-impressionismo - 3
Neo-impressionismo - 3
Professor Gilson Nunes
 
Neo-impressionismo parte 2
Neo-impressionismo parte 2Neo-impressionismo parte 2
Neo-impressionismo parte 2
Professor Gilson Nunes
 
Neo-impressionismo parte 1
Neo-impressionismo parte 1Neo-impressionismo parte 1
Neo-impressionismo parte 1
Professor Gilson Nunes
 

Mais de Professor Gilson Nunes (20)

A reforma política que queremos
A reforma política que queremosA reforma política que queremos
A reforma política que queremos
 
Carta de um professor aos paraibanos
Carta de um professor aos paraibanosCarta de um professor aos paraibanos
Carta de um professor aos paraibanos
 
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardioPNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
PNE - 2011-2020: construindo um presente tardio
 
O planeta movido a internet é escravo...
O planeta movido a internet é escravo...O planeta movido a internet é escravo...
O planeta movido a internet é escravo...
 
Cubismo 1907-1914
Cubismo   1907-1914Cubismo   1907-1914
Cubismo 1907-1914
 
Trabalho de arte 10
Trabalho de arte 10Trabalho de arte 10
Trabalho de arte 10
 
Arte abstrata 1910 1950
Arte abstrata        1910 1950Arte abstrata        1910 1950
Arte abstrata 1910 1950
 
Trabalho de arte 9
Trabalho de arte 9Trabalho de arte 9
Trabalho de arte 9
 
Trabalho de arte 8
Trabalho de arte 8Trabalho de arte 8
Trabalho de arte 8
 
Trabalho de arte 7
Trabalho de arte   7Trabalho de arte   7
Trabalho de arte 7
 
Trabalho de arte 5
Trabalho de arte 5Trabalho de arte 5
Trabalho de arte 5
 
Trabalho de arte 4
Trabalho de arte 4Trabalho de arte 4
Trabalho de arte 4
 
Trabalho de arte 6
Trabalho   de arte  6Trabalho   de arte  6
Trabalho de arte 6
 
Trabalho de arte 3
Trabalho de arte 3Trabalho de arte 3
Trabalho de arte 3
 
Trabalho de arte 1
Trabalho de arte 1Trabalho de arte 1
Trabalho de arte 1
 
Trabalho de arte 2
Trabalho de arte 2Trabalho de arte 2
Trabalho de arte 2
 
Neo-impressionismo 4
Neo-impressionismo 4Neo-impressionismo 4
Neo-impressionismo 4
 
Neo-impressionismo - 3
Neo-impressionismo - 3Neo-impressionismo - 3
Neo-impressionismo - 3
 
Neo-impressionismo parte 2
Neo-impressionismo parte 2Neo-impressionismo parte 2
Neo-impressionismo parte 2
 
Neo-impressionismo parte 1
Neo-impressionismo parte 1Neo-impressionismo parte 1
Neo-impressionismo parte 1
 

Segredos da arte brasileira 1

  • 1. Pelo Professor Gilson Nunes SEGREDOS DA ARTE BRASILEIRA 1
  • 2. O quadro “O grito do Ipiranga”, pintado por Pedro Américo, foi uma obra contratada em 14 de janeiro de 1886. Uma encomenda da comissão de construção do monumento do Ipiranga – São Paulo/Brasil.
  • 3. Título original do quadro: “independência ou morte” – Altura: 7,60 x 4,15m. Concluída em Veneza, em 1888.
  • 4. Descrevendo os personagens do cenário da pintura
  • 5. 1 – Sargento-mor Antonio Ramos Cordeiro, representante da guarda real.
  • 6. 2 – Paulo Emílio Bregaro – Responsável por entregar a Dom Pedro já em São Paulo, correspondência da Imperatriz Leopoldina. E o encontro se deu no riacho do Ipiranga, no dia 7 de setembro, junto com Antonio Cordeiro. Apelidado com o “Correio da independência”. Dom Pedro reuniu a guarda e, arrancando os laços de cores portuguesas, ordenou: “Laços fora, soldados! Camaradas, as cortes de Lisboa querem mesmo escravizar o Brasil: cumpre, portanto, declarar a sua independência. Estamos definitivamente separados de Portugal”. E bradou a famosa frase: “Independência ou morte seja a nossa divisa!”.
  • 7. 3 – Francisco Gomes da Silva, o Chalaça, era dono de caligrafia excelente, dominava várias línguas, escrevia com correção, tinha o pensamento organizado - perfeito administrador. Por outro lado, prestava também outros "servicinhos", como arregimentar belas mulheres. A mais fascinante de todas surge na vida de D. Pedro exatamente nesta viagem a São Paulo e se chamava Maria Domitila deCastro Canto e Melo, que mais tarde receberia o título de Marquesa de Santos.
  • 8. 4 – Antonio Leite Pereira da Gama Lobo. Responsável pelas Armas do Governo Provisório do Brasil.
  • 9. 5 – Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão – não esteve presente no ato do grito, homem rico que emprestava dinheiro para socorrer as crises públicas.
  • 10. 6 – Luis Filipe de Saldanha da Gama – Militar da Marinha brasileira, lutou na Guerra do Paraguai e liderou a segunda revolta armada em 1893
  • 11. 7 - Dom Pedro I
  • 12. 8 – Capitão-mor Manuel Marcondes Mello – comandante do I Esquadrão da guarda de honra. Barão e rico fazendeiro do Vale do Paraíba
  • 13. 9 – Pedro Américo – Autorretrato.
  • 14. 10 – Casa do Grito
  • 15. 11 – Córrego do Ipiranga
  • 16. 12 – Trabalhador anônimo
  • 17. Detalhes da obra: D. Pedro I ergue seu chapéu e não uma espada, fechando o semicírculo dos cavalheiros da comitiva.
  • 18. Segundo o romancista Stieg Larsson, muitas mulheres se vestiam de homens para participar das manifestações, mas são omitidas da representação. O fato é apenas de um herói e não coletivo.
  • 19. D. Pedro I não montava um cavalo castanho-escuro, mas uma “besta baia gateada” – uma mula amarelo-avermelhado. Burros e mulas eram o meio de transporte habitual para subir a Serra do Mar.
  • 20. O fardamento era simples, e não essa sofisticada majestosa farda. Pois, à época não existia a Guarda de Honra. D. Pedro estava escoltado por guardas voluntários.
  • 21. O carreiro foi posto no cenário para representar o povo, que se apresenta assustado e surpreendido com o ato. Pois nunca esteve presente a cena. Tipificando um cenário rural perturbado por acontecimento inesperado.
  • 22. Detalhes da obra: D. Pedro I ergue seu chapéu e não uma espada, fechando o semicírculo dos cavalheiros da comitiva.
  • 23. Usou farda branca para contrastar com a farda escura dos civis. Ampliou o número de regentes a sua volta e reduziu a tropa para manter o equilíbrio da cena.
  • 24. À distância de 405 metros da colina onde se encontra D. Pedro ao riacho, coloca-o em posição de destaque.
  • 25. Para o Professor José Murilo de Carvalho, o artista desprezava os asnos em suas obras, e a parada ao riacho foi motivada por uma diarréia de D. Pedro, que o incômodo não se fez revelar em sua fisionomia. (Museu do Ipiranga/SP – Brasil)
  • 26. Composição questionada 1: o quadro lembra a batalha de Friedland, vencida em 1807 por Napoleão, obra de Ernest Meissonier, pintada em 1875.
  • 27. Composição questionada 2: outra obra intitulada Independência – a pedido do Senado Imperial, pintada no Brasil em 1844, pelo francês François-René Moreaux. Semelhanças e contradições. (Museu Imperial de Petrópolis/RJ – Brasil)
  • 28. Bibliografia: - CARVALHO, José Murilo de. Os esplendores da imortalidade. Folha de São Paulo – mais!, 26/12/1999, pag. 12 - JÚNIOR, Donato Mello. Pedro Américo e Melo, 1843-1905. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. - ROSEMBERG, Liana Ruth Bergstein. Pedro Américo e o olhar oitocentista. Rio de Janeiro; Relume Dumará, 1995. - CARDOSO, Rafael. A arte brasileira em 25 quadros 1790- 1930. Rio de Janeiro, Record, 2008. Criação do Slide, Prof. Gilson Nunes, 16/02/2013 Campina Grande – Paraíba – Brasil Contato: gilsonunes2000@bol.com.br professorgilsonunes@facebook.com