SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária /B3 de Pedro Alexandrino Percurso RVCC - Secundário
PERCURSO RVCC - Secundário O que é o percurso RVCC? Consiste numa oportunidade que permite ao candidato ver reconhecidas, validadas e certificadas as competências e os conhecimentos (formais e não-formais) adquiridos ao longo da vida, nas mais variadas situações (pessoais, sociais e profissionais). 1
PERCURSO RVCC - Secundário Cidadania e Profissionalidade (CP) Assume um carácter explicitamente transversal, ao reflectir conhecimentos, comportamentos e atitudes articulados e integradores das outras áreas. Sociedade, Tecnologia e Ciência (STC) Assumem um carácter instrumental e operatório, envolvendo domínios de competências específicas, cobrindo campos científicos e técnicos muito diversos, mas utilizando estruturas iguais e os mesmos temas de vida. Cultura, Língua, Comunicação (CLC) 2
PercursoRVCC - Secundário A dimensão formativa do percurso RVCC Gestão do tempo Linguísticas  A realização do percurso RVCC exige a aquisição e/ou o desenvolvimento de diversas competências Autonomia TIC Capacidade Reflexiva Elaboração de projectos pessoais 3
PercursoRVCC - Secundário Como de desenvolve o percurso RVCC? Através do PRA Portefólio Reflexivo de Aprendizagens Abordagem Auto-Biográfica / Historias de Vida Balanço de Competências 4
PercursoRVCC - Secundário O Portefólio Reflexivo de Aprendizagens  (PRA) Retrata o percurso de aquisição de competências do candidato; Os elementos escolhidos representam de forma clara as competências adquiridas pelo candidato;  É um documento PESSOAL, pelo que não segue uma forma rígida. Cabe a cada candidato a escolha da sua organização e apresentação; O Portefólio Reflexivo de Aprendizagens deve ser lido como um «livro», não devendo existir separadores para as Áreas de Competências-Chave. 5
PercursoRVCC - Secundário O Portefólio Reflexivo de Aprendizagens  (PRA) Pode/deve integrar:  ,[object Object]
Desenvolvimento da autobiografia manifestando o balanço de competências e documentos produzidos no âmbito das Áreas de Competências-Chave, acompanhados de reflexão e de uma auto-avaliação das competências evidenciadas;
Documentação inerente ao processo de RVCC;
Reflexão sobre a frequência do processo;
Projectos para o futuro;
Documentação relativa à formação complementar, caso tenha existido;
Documentação diversa: certificados, diplomas, etc.;
Outros...6
PERCURSO RVCC - Secundário A História de Vida Abordagem auto-biográfica/ História de vida  BALANÇO DE COMPETÊNCIAS OBJECTIVOS: Demonstrar as competências adquiridas ao longo da vida, demonstrando igualmente capacidade autónoma e auto-reflexiva para o levar a cabo. 7
PERCURSO RVCC - Secundário A utilização da História ou Temas de Vida podem ser um ponto de partida. Mas é necessário que se faça acompanhar de uma reflexão  Questões orientadoras para a reflexão sobre os temas de vida: Como é que este acontecimento alterou a minha vida? O que aprendi com esta experiência? O que deixei de fazer por ter tido esta experiência?  Que aprendizagens adquiri para além deste acontecimento?  Quais os pontos fortes e fracos dessa aprendizagem?   O que poderia ter feito melhor?   Que relação teve este acontecimento/facto com o que sou hoje enquanto profissional e pessoa?  8
PERCURSO RVCC - Secundário Exemplo Parcial de História de Vida ou Autobiografia Oabandono escolar e a música Aos 18 deixei a escola, porque só me interessava pela música e por fotografia e não havia nada mais que me despertasse o interesse. Assim, iniciei o meu percurso na profissão que exerço hoje e que tanto me fez aprender e perceber sobre mim próprio. Aos 20 anos já tinha escrito mais de 120 músicas e letras. 9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Processo rvcc nível básico espera activa
Processo rvcc nível básico   espera activaProcesso rvcc nível básico   espera activa
Processo rvcc nível básico espera activa
cnocastrodaire
 
Rvcc SecundáRio
Rvcc SecundáRioRvcc SecundáRio
Rvcc SecundáRio
João Lima
 
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
luciardeus
 
Rvcc – NíVel SecundáRio
Rvcc – NíVel SecundáRioRvcc – NíVel SecundáRio
Rvcc – NíVel SecundáRio
Anabela Luís
 
Processo rvcc secundário espera activa
Processo rvcc secundário   espera activaProcesso rvcc secundário   espera activa
Processo rvcc secundário espera activa
cnocastrodaire
 
RVCC Secundário: Organização
RVCC Secundário: OrganizaçãoRVCC Secundário: Organização
RVCC Secundário: Organização
João Lima
 
Rvcc Secundario - Um esboço do processo
Rvcc Secundario - Um esboço do processoRvcc Secundario - Um esboço do processo
Rvcc Secundario - Um esboço do processo
Leonor Alves
 
RVCC Secundário
RVCC SecundárioRVCC Secundário
RVCC Secundário
João Lima
 
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
J P
 
15 Pistas
15 Pistas15 Pistas
15 Pistas
João Lima
 
RVCC - NB
RVCC - NBRVCC - NB
RVCC - NB
J P
 
Como Construir Um PortefóLio
Como Construir Um PortefóLioComo Construir Um PortefóLio
Como Construir Um PortefóLio
Nome Sobrenome
 
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandesClc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
SILVIA G. FERNANDES
 
1237823952 portefolio reflexivo_de_aprendizagem_(pra)
1237823952 portefolio reflexivo_de_aprendizagem_(pra)1237823952 portefolio reflexivo_de_aprendizagem_(pra)
1237823952 portefolio reflexivo_de_aprendizagem_(pra)
Helena Sabino Salvaterra
 
Tópicos importantes para evidenciar competências em cp
Tópicos importantes para evidenciar competências em cpTópicos importantes para evidenciar competências em cp
Tópicos importantes para evidenciar competências em cp
Lena Nabais
 
Rvcc
RvccRvcc
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
Sizes & Patterns
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
SILVIA G. FERNANDES
 
Autobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptistaAutobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptista
Sonia Batista
 
Deolinda Autobiografia
Deolinda   AutobiografiaDeolinda   Autobiografia
Deolinda Autobiografia
josemorais
 

Mais procurados (20)

Processo rvcc nível básico espera activa
Processo rvcc nível básico   espera activaProcesso rvcc nível básico   espera activa
Processo rvcc nível básico espera activa
 
Rvcc SecundáRio
Rvcc SecundáRioRvcc SecundáRio
Rvcc SecundáRio
 
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
Sou Técnica Administrativa, o livro portfólio.
 
Rvcc – NíVel SecundáRio
Rvcc – NíVel SecundáRioRvcc – NíVel SecundáRio
Rvcc – NíVel SecundáRio
 
Processo rvcc secundário espera activa
Processo rvcc secundário   espera activaProcesso rvcc secundário   espera activa
Processo rvcc secundário espera activa
 
RVCC Secundário: Organização
RVCC Secundário: OrganizaçãoRVCC Secundário: Organização
RVCC Secundário: Organização
 
Rvcc Secundario - Um esboço do processo
Rvcc Secundario - Um esboço do processoRvcc Secundario - Um esboço do processo
Rvcc Secundario - Um esboço do processo
 
RVCC Secundário
RVCC SecundárioRVCC Secundário
RVCC Secundário
 
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
PRA - Portefólio Reflexivo Aprendizagens [RVCC]
 
15 Pistas
15 Pistas15 Pistas
15 Pistas
 
RVCC - NB
RVCC - NBRVCC - NB
RVCC - NB
 
Como Construir Um PortefóLio
Como Construir Um PortefóLioComo Construir Um PortefóLio
Como Construir Um PortefóLio
 
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandesClc 7 reflexão_sílvia_fernandes
Clc 7 reflexão_sílvia_fernandes
 
1237823952 portefolio reflexivo_de_aprendizagem_(pra)
1237823952 portefolio reflexivo_de_aprendizagem_(pra)1237823952 portefolio reflexivo_de_aprendizagem_(pra)
1237823952 portefolio reflexivo_de_aprendizagem_(pra)
 
Tópicos importantes para evidenciar competências em cp
Tópicos importantes para evidenciar competências em cpTópicos importantes para evidenciar competências em cp
Tópicos importantes para evidenciar competências em cp
 
Rvcc
RvccRvcc
Rvcc
 
Reflexão - CP1
Reflexão - CP1Reflexão - CP1
Reflexão - CP1
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
 
Autobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptistaAutobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptista
 
Deolinda Autobiografia
Deolinda   AutobiografiaDeolinda   Autobiografia
Deolinda Autobiografia
 

Semelhante a Apresentação RVCC-Secundário (Diogo Santos)

ApresentaçãOluciana
ApresentaçãOlucianaApresentaçãOluciana
ApresentaçãOluciana
Pedro Félix
 
3ª SessãO
3ª SessãO3ª SessãO
3ª SessãO
Pedro Félix
 
Apresentação_RCC 3ªsessão.ppt
Apresentação_RCC 3ªsessão.pptApresentação_RCC 3ªsessão.ppt
Apresentação_RCC 3ªsessão.ppt
DanielaGuedes38
 
Desenho e-montagem-pip giro
Desenho e-montagem-pip giroDesenho e-montagem-pip giro
Desenho e-montagem-pip giro
esaapoio
 
1ª SessãO
1ª SessãO1ª SessãO
1ª SessãO
Pedro Félix
 
1ª SessãO
1ª SessãO1ª SessãO
1ª SessãO
Pedro Félix
 
1ª SessãO Pc
1ª SessãO Pc1ª SessãO Pc
1ª SessãO Pc
Pedro Félix
 
Trilhas de aprendizagem_07 de novembro (1).pptx
Trilhas de aprendizagem_07 de novembro (1).pptxTrilhas de aprendizagem_07 de novembro (1).pptx
Trilhas de aprendizagem_07 de novembro (1).pptx
AyllaMairaMuniz1
 
1ª sessão do Processo de RVCC
1ª sessão do Processo de RVCC1ª sessão do Processo de RVCC
1ª sessão do Processo de RVCC
guest31659b
 
1ª sessão do Processo de RVCC
1ª sessão do Processo de RVCC1ª sessão do Processo de RVCC
1ª sessão do Processo de RVCC
Pedro Félix
 
1ª SessãO
1ª SessãO1ª SessãO
1ª SessãO
guest31659b
 
RVCC Secundário
RVCC SecundárioRVCC Secundário
RVCC Secundário
Antero Ferreira
 
Apresentacao CNO ACCOAVC
Apresentacao CNO ACCOAVCApresentacao CNO ACCOAVC
Apresentacao CNO ACCOAVC
PGM
 
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
casaredondacultural
 
1.ª Sessão
1.ª Sessão1.ª Sessão
1.ª Sessão
CNO Ansião
 
1ª Sessão
1ª Sessão1ª Sessão
1ª Sessão
soniandreia
 
1ª Sessão TV
1ª Sessão TV1ª Sessão TV
1ª Sessão TV
soniandreia
 
Sessao Esclarecimento Secundario
Sessao Esclarecimento SecundarioSessao Esclarecimento Secundario
Sessao Esclarecimento Secundario
cnofigueiradafoz
 
Sessão de acolhimento secundário
Sessão de acolhimento   secundárioSessão de acolhimento   secundário
Sessão de acolhimento secundário
ajcfalbano
 
Esquema geral cursos efa
Esquema geral cursos efaEsquema geral cursos efa
Esquema geral cursos efa
Bruno Miguel Bordalo Lourenço
 

Semelhante a Apresentação RVCC-Secundário (Diogo Santos) (20)

ApresentaçãOluciana
ApresentaçãOlucianaApresentaçãOluciana
ApresentaçãOluciana
 
3ª SessãO
3ª SessãO3ª SessãO
3ª SessãO
 
Apresentação_RCC 3ªsessão.ppt
Apresentação_RCC 3ªsessão.pptApresentação_RCC 3ªsessão.ppt
Apresentação_RCC 3ªsessão.ppt
 
Desenho e-montagem-pip giro
Desenho e-montagem-pip giroDesenho e-montagem-pip giro
Desenho e-montagem-pip giro
 
1ª SessãO
1ª SessãO1ª SessãO
1ª SessãO
 
1ª SessãO
1ª SessãO1ª SessãO
1ª SessãO
 
1ª SessãO Pc
1ª SessãO Pc1ª SessãO Pc
1ª SessãO Pc
 
Trilhas de aprendizagem_07 de novembro (1).pptx
Trilhas de aprendizagem_07 de novembro (1).pptxTrilhas de aprendizagem_07 de novembro (1).pptx
Trilhas de aprendizagem_07 de novembro (1).pptx
 
1ª sessão do Processo de RVCC
1ª sessão do Processo de RVCC1ª sessão do Processo de RVCC
1ª sessão do Processo de RVCC
 
1ª sessão do Processo de RVCC
1ª sessão do Processo de RVCC1ª sessão do Processo de RVCC
1ª sessão do Processo de RVCC
 
1ª SessãO
1ª SessãO1ª SessãO
1ª SessãO
 
RVCC Secundário
RVCC SecundárioRVCC Secundário
RVCC Secundário
 
Apresentacao CNO ACCOAVC
Apresentacao CNO ACCOAVCApresentacao CNO ACCOAVC
Apresentacao CNO ACCOAVC
 
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
GESTÃO DO EMPREENDIMENTO CULTURAL E CRIATIVO - AULA 5
 
1.ª Sessão
1.ª Sessão1.ª Sessão
1.ª Sessão
 
1ª Sessão
1ª Sessão1ª Sessão
1ª Sessão
 
1ª Sessão TV
1ª Sessão TV1ª Sessão TV
1ª Sessão TV
 
Sessao Esclarecimento Secundario
Sessao Esclarecimento SecundarioSessao Esclarecimento Secundario
Sessao Esclarecimento Secundario
 
Sessão de acolhimento secundário
Sessão de acolhimento   secundárioSessão de acolhimento   secundário
Sessão de acolhimento secundário
 
Esquema geral cursos efa
Esquema geral cursos efaEsquema geral cursos efa
Esquema geral cursos efa
 

Mais de Diogo Santos

Bem comum
Bem comumBem comum
Bem comum
Diogo Santos
 
Diálogo no nosso dia a-dia democrático
Diálogo no nosso dia a-dia democráticoDiálogo no nosso dia a-dia democrático
Diálogo no nosso dia a-dia democrático
Diogo Santos
 
A casa do diálogo
A casa do diálogoA casa do diálogo
A casa do diálogo
Diogo Santos
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
Diogo Santos
 
ONU: instituições e papel
ONU: instituições e papelONU: instituições e papel
ONU: instituições e papel
Diogo Santos
 
Génese da ONU
Génese da ONUGénese da ONU
Génese da ONU
Diogo Santos
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
Diogo Santos
 
Make and do
Make and doMake and do
Make and do
Diogo Santos
 
Limites da intervenção democrática intro
Limites da intervenção democrática introLimites da intervenção democrática intro
Limites da intervenção democrática intro
Diogo Santos
 
Intervenção democrática intro
Intervenção democrática introIntervenção democrática intro
Intervenção democrática intro
Diogo Santos
 
Cidadania democrática intro
Cidadania democrática introCidadania democrática intro
Cidadania democrática intro
Diogo Santos
 
Casos práticos intro
Casos práticos   introCasos práticos   intro
Casos práticos intro
Diogo Santos
 
Amizade rapaz rapariga intro
Amizade rapaz rapariga   introAmizade rapaz rapariga   intro
Amizade rapaz rapariga intro
Diogo Santos
 
Simple past
Simple pastSimple past
Simple past
Diogo Santos
 
Simple past rules
Simple past rulesSimple past rules
Simple past rules
Diogo Santos
 
Women and literature
Women and literatureWomen and literature
Women and literature
Diogo Santos
 
Since and for
Since and forSince and for
Since and for
Diogo Santos
 
Quantifiers
QuantifiersQuantifiers
Quantifiers
Diogo Santos
 
Present perfect
Present perfectPresent perfect
Present perfect
Diogo Santos
 
Past conditionals
Past conditionalsPast conditionals
Past conditionals
Diogo Santos
 

Mais de Diogo Santos (20)

Bem comum
Bem comumBem comum
Bem comum
 
Diálogo no nosso dia a-dia democrático
Diálogo no nosso dia a-dia democráticoDiálogo no nosso dia a-dia democrático
Diálogo no nosso dia a-dia democrático
 
A casa do diálogo
A casa do diálogoA casa do diálogo
A casa do diálogo
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
ONU: instituições e papel
ONU: instituições e papelONU: instituições e papel
ONU: instituições e papel
 
Génese da ONU
Génese da ONUGénese da ONU
Génese da ONU
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Make and do
Make and doMake and do
Make and do
 
Limites da intervenção democrática intro
Limites da intervenção democrática introLimites da intervenção democrática intro
Limites da intervenção democrática intro
 
Intervenção democrática intro
Intervenção democrática introIntervenção democrática intro
Intervenção democrática intro
 
Cidadania democrática intro
Cidadania democrática introCidadania democrática intro
Cidadania democrática intro
 
Casos práticos intro
Casos práticos   introCasos práticos   intro
Casos práticos intro
 
Amizade rapaz rapariga intro
Amizade rapaz rapariga   introAmizade rapaz rapariga   intro
Amizade rapaz rapariga intro
 
Simple past
Simple pastSimple past
Simple past
 
Simple past rules
Simple past rulesSimple past rules
Simple past rules
 
Women and literature
Women and literatureWomen and literature
Women and literature
 
Since and for
Since and forSince and for
Since and for
 
Quantifiers
QuantifiersQuantifiers
Quantifiers
 
Present perfect
Present perfectPresent perfect
Present perfect
 
Past conditionals
Past conditionalsPast conditionals
Past conditionals
 

Último

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 

Último (20)

Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 

Apresentação RVCC-Secundário (Diogo Santos)

  • 1. Escola Secundária /B3 de Pedro Alexandrino Percurso RVCC - Secundário
  • 2. PERCURSO RVCC - Secundário O que é o percurso RVCC? Consiste numa oportunidade que permite ao candidato ver reconhecidas, validadas e certificadas as competências e os conhecimentos (formais e não-formais) adquiridos ao longo da vida, nas mais variadas situações (pessoais, sociais e profissionais). 1
  • 3. PERCURSO RVCC - Secundário Cidadania e Profissionalidade (CP) Assume um carácter explicitamente transversal, ao reflectir conhecimentos, comportamentos e atitudes articulados e integradores das outras áreas. Sociedade, Tecnologia e Ciência (STC) Assumem um carácter instrumental e operatório, envolvendo domínios de competências específicas, cobrindo campos científicos e técnicos muito diversos, mas utilizando estruturas iguais e os mesmos temas de vida. Cultura, Língua, Comunicação (CLC) 2
  • 4. PercursoRVCC - Secundário A dimensão formativa do percurso RVCC Gestão do tempo Linguísticas A realização do percurso RVCC exige a aquisição e/ou o desenvolvimento de diversas competências Autonomia TIC Capacidade Reflexiva Elaboração de projectos pessoais 3
  • 5. PercursoRVCC - Secundário Como de desenvolve o percurso RVCC? Através do PRA Portefólio Reflexivo de Aprendizagens Abordagem Auto-Biográfica / Historias de Vida Balanço de Competências 4
  • 6. PercursoRVCC - Secundário O Portefólio Reflexivo de Aprendizagens (PRA) Retrata o percurso de aquisição de competências do candidato; Os elementos escolhidos representam de forma clara as competências adquiridas pelo candidato; É um documento PESSOAL, pelo que não segue uma forma rígida. Cabe a cada candidato a escolha da sua organização e apresentação; O Portefólio Reflexivo de Aprendizagens deve ser lido como um «livro», não devendo existir separadores para as Áreas de Competências-Chave. 5
  • 7.
  • 8. Desenvolvimento da autobiografia manifestando o balanço de competências e documentos produzidos no âmbito das Áreas de Competências-Chave, acompanhados de reflexão e de uma auto-avaliação das competências evidenciadas;
  • 9. Documentação inerente ao processo de RVCC;
  • 10. Reflexão sobre a frequência do processo;
  • 11. Projectos para o futuro;
  • 12. Documentação relativa à formação complementar, caso tenha existido;
  • 15. PERCURSO RVCC - Secundário A História de Vida Abordagem auto-biográfica/ História de vida BALANÇO DE COMPETÊNCIAS OBJECTIVOS: Demonstrar as competências adquiridas ao longo da vida, demonstrando igualmente capacidade autónoma e auto-reflexiva para o levar a cabo. 7
  • 16. PERCURSO RVCC - Secundário A utilização da História ou Temas de Vida podem ser um ponto de partida. Mas é necessário que se faça acompanhar de uma reflexão Questões orientadoras para a reflexão sobre os temas de vida: Como é que este acontecimento alterou a minha vida? O que aprendi com esta experiência? O que deixei de fazer por ter tido esta experiência? Que aprendizagens adquiri para além deste acontecimento? Quais os pontos fortes e fracos dessa aprendizagem? O que poderia ter feito melhor? Que relação teve este acontecimento/facto com o que sou hoje enquanto profissional e pessoa? 8
  • 17. PERCURSO RVCC - Secundário Exemplo Parcial de História de Vida ou Autobiografia Oabandono escolar e a música Aos 18 deixei a escola, porque só me interessava pela música e por fotografia e não havia nada mais que me despertasse o interesse. Assim, iniciei o meu percurso na profissão que exerço hoje e que tanto me fez aprender e perceber sobre mim próprio. Aos 20 anos já tinha escrito mais de 120 músicas e letras. 9
  • 18.
  • 21. O meu percurso escolar
  • 23. O meu percurso profissional
  • 26. PERCURSO RVCC - Secundário Cidadania e Profissionalidade (CP) 11
  • 27. PERCURSO RVCC - Secundário Sociedade, Tecnologia, Ciência (STC) / Cultura, Língua, Comunicação (CLC) 12
  • 28. PERCURSO RVCC - Secundário Estrutura das 3 Áreas de Competências-Chave 13
  • 29. PERCURSO RVCC - Secundário Certificação - Nível Secundário A Certificação que confere a equivalência ao nível Secundário ocorre quando o candidato evidencia um mínimo de 44 Competências, sendo que terá de Em Cidadania e Profissionalidade (CP), evidenciar no mínimo 16 competências (sendo 2 competências obrigatórias por cada um dos 8 núcleos geradores); Em Sociedade, Tecnologia e Ciência (STC) e Cultura, Língua, Comunicação (CLC), respectivamente, terá de evidenciar no mínimo 14 competências (sendo 2 competências obrigatórias por cada um dos 7 núcleos geradores) 14
  • 30. Adenda – A utilização de Fontes Exteriores A utilização de fontes exteriores para a demonstração de competências é, muitas vezes, necessária, mas ela deve seguir algumas regras fundamentais: 1. As citações devem aparecer devidamente identificadas (entre aspas e com a fonte – ex. «o homem é um animal social», Aristóteles, Política). 2. As citações devem ser usadas apenas como meio auxiliar no desenvolvimento de um tema e não como parte fundamental. 3. As competências não podem ser demonstradas apenas com texto de fontes exteriores. 15
  • 31. A utilização de Fontes Exteriores O que não se deve fazer O Vidro Pode definir-se o vidro como sendo um corpo sólido, brilhante, transparente e frágil. Obtém-se pela fusão a altas temperaturas da areia com soda ou potassa. Em tempos muitos antigos, era um material fascinante e estranho, que deslumbrou o Mundo. Hoje, é ignorado. Por se ter tornado habitual aos nossos olhos é banalizado pela nossa sociedade. Através de testemunhos encontrados pelos arqueólogos, pensa-se que terá surgido na Mesopotâmia, actual território do Iraque, no 4º milénio. Os Egípcios conheciam já o vidro transparente , produzindo, com ele, objectos que vendiam a  outros povos. Os Romanos introduziram a produção vidreira em diferentes territórios do seu império, tornando-o um material quotidiano, a par da cerâmica e dos metais. Séculos mais tarde, Veneza desenvolve e expande a produção vidreira. Os objectos em vidro veneziano ficam famosos pela sua quantidade e transparência. Inventam-se novos processos de fabrico, fazem-se novos projectos de peças. A produção Veneziana assume cada vez mais, um lugar de destaque, o que a torna ainda mais famosa. Entretanto, outros vidros de grande qualidade tornaram-se igualmente conhecidos. É o caso dos vidros da Boémia e da Inglaterra. Os achados arqueológicos mais antigos, encontrados em Portugal, são contas de vidro, que se julga serem egípcias e remontam ao 2º milénio a.C. Surgiram, também, outros objectos de adorno, de culto, caixas para cosméticos e unguentos. Segundo investigadores, só a partir do século V se inicia, no nosso país, o fabrico do vidro, com os fornos de Palmela. Seguiram-se os fornos de Alcochete, Alcácer do Sal, Pombal, Santarém e Lisboa. Lisboa foi um centro vidreiro importante, existindo em 1551 quatro oculistas, quatro vidreiros e oito fabricantes de espelhos. No entanto, a nossa produção de vidro era baixa e de fraca qualidade, pelo que se importavam vidros de Veneza, Alemanha e França. 16