SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
umatraSementes de Pastagem
Manual de Formação de Pastagem
Tudo o que o produtor rural precisa saber
para obter bons resultados na implantação
de sua pastagem
umatraSementes de Pastagem
1
Introdução ................................................................. 2
1 - Diagnóstico da área .............................................. 3
2 - Análise e correção ................................................ 3
3 - Preparo do solo .................................................. 4 - 5
4 - A época e métodos de plantio .............................. 6
5 - Os principais métodos de plantio ........................ 6
a) Plantio convencional (em linha) ........................................ 6
b) Distribuição a Lanço ..................................................... 6
c) Distribuição manual ...................................................... 6
d) Plantio aéreo .............................................................. 6
6 - Escolha a variedade ideal ..................................... 7
a) Buscar sempre a diversificação .................................... 7
b) Fertilidade do solo ...................................................... 7
c) Variedades de acordo com o solo ................................. 8
d) Proteção dos solos .................................................... 8
e) Consórcio de variedades .......................................... 8 - 9
f) Atividade da variedade ................................................ 10
g) Pastagens para equinos e bovinos .............................. 11
7 - O Manejo ............................................................... 11
a) O primeiro pastejo ................................................ 12
b) Manejo de pastagem ............................................. 12
Especificação dos Produtos....................................... 13
Semensol Top ............................................................. 13
Semensol Top X .......................................................... 14
Semensol MAX ............................................................ 15
Tabela de Variedades ................................................. 16
SUMÁRIO
Introdução
As variedades de forrageiras existentes no Brasil (Brachiarias e Panicuns)
ainda não foram “domesticadas” pelo homem como a soja e o milho que estão
dezenas de anos à frente em pesquisas, assim, já existe todo um mapa genético
destas plantas que permite controlar seu ciclo (precoce ou tardio), época de
florescimento, entre outras. No caso das pastagens ainda não existe este controle,
pois por ser uma planta ainda “selvagem” tende a lutar pela perpetuação de sua
espécie. Traduzindo essa rusticidade, na prática as sementes de pastagem não
seguem um ciclo definido de fecundação, florescimento e maturação dos grãos, e em
seu período reprodutivo as sementes vão ficando fisiologicamente maturas caindo ao
solo gradativamente ao longo dos meses.
Esta forma de maturação fisiológica existente nas pastagens dificulta muito sua
colheita, e para garantir o máximo possível de sementes fisiologicamente maturas são
colhidas do “chão”. Mas mesmo sendo colhidas do chão, as sementes quando ainda
estão na planta, devido a algumas intempéries (ventos fortes, passagem de animais
ou chuvas), acabam caindo da planta não estando 100% maturas. Essas sementes
são consideradas sementes intermediárias (baixo vigor).
Vamos conhecer passo a passo o que é necessário ser feito para que
tenhamos um bom resultado na implantação de uma nova pastagem.
FORMAÇÃO DE PASTAGEM
umatraSementes de Pastagem
2
1- Diagnóstico da área
Visitando a área a ser plantada é que avaliaremos os seguintes pontos:
· Identificação topográfica e física da área;
· Declividade do solo. Solos com mais declives necessitam de pastagem com
maior e melhor cobertura de solo;
· Presença de pedras no solo (solo de cascalho);
· Encharcamento e drenagem do solo, sempre recomendando variedades
específicas para solos mal drenados, assim como para solos encharcados;
· Se há a presença de invasoras (brotos ou pragas moles);
· Se for uma área de forma nova (desmate) ou área de reforma;
· Características físicas (se o solo é argiloso ou arenoso, etc.).
Antes de qualquer atividade mecânica é necessário coletar uma amostra do solo
para verificar as características físicas e químicas do mesmo.
1- Análise do solo e correção
A análise do solo possibilita a verificação das condições físicas, químicas, o
teor do PH, as deficiências e o desequilíbrio nutricional do mesmo.
Com os resultados obtidos podemos recomendar as quantidades de nutrientes
e corretivos necessários. É importante salientar que a aplicação de calcário deve
ser efetuada, no mínimo, de 70 a 90 dias antes do plantio da semente e o mesmo
deve ser incorporado ao solo de preferência com grade pesada ou arado para que
possa reagir com o solo. No caso de o cliente optar por não corrigir o solo,
podemos recomendar as variedades que melhor se adaptarão àquele tipo de solo
e terão assim uma melhor produtividade. No entanto, é sempre bom corrigir o solo
antes do plantio da pastagem e ou efetuar adubações de cobertura para obtermos
maior produtividade da pastagem implantada.
umatraSementes de Pastagem
3
1- Diagnóstico da área
2- Análise e correção
1- Preparo do solo
O preparo do solo é de suma importância para obtermos um bom
estabelecimento da pastagem e deve ser iniciado alguns meses antes de
distribuirmos as sementes na área. No caso de uma reforma, é necessário fazer
uma avaliação da área. Se houver a presença de invasoras, diagnosticar o tipo
(Brotos ou Pragas moles), pois no caso de infestação por brotos de cerrado é
necessária uma gradagem pesada ou uso de arado, pelo menos 3 meses antes do
plantio. Isto porque o sistema radicular do broto é muito profundo e utilizando uma
grade intermediária de 28 polegadas, por exemplo, não teremos um resultado
favorável no controle dessa invasora pois a mesma terá uma grande porcentagem
de rebrote com o passar do tempo em meio à pastagem. Utilizando uma grade
pesada de 32 ou 34 polegadas ou até mesmo um arado, teremos uma grande
eficiência no controle dessa invasora, pois essa grade pesada ou o arado cortará
seu sistema radicular mais a fundo evitando assim que a planta rebrote com
facilidade. Esse tipo de operação tem tido um controle em torno de 70% no rebrote
dos brotos de cerrado; nunca esquecendo que devemos respeitar a altura mínima
das pastagens para ajudar a abafar as invasoras. No caso de a infestação ser de
pragas moles (fedegoso, canela de perdiz, malvas, guanxumas etc.), o controle
das mesmas é feito com uma grade intermediária, também começando a operação
alguns meses antes do plantio. Se a infestação for muito grande,
consequentemente temos no solo um grande banco de semente dessas invasoras.
Com as mãos de grades vamos eliminando grande parte desse banco. Gradeamos
o solo, esperamos esse banco germinar e repetimos a operação. Quanto mais
vezes passarmos a grade, menos pragas restarão. E assim, chegando o período
do plantio não teremos tanta competição por luz, nutrientes e água dessas
invasoras com a pastagem que está sendo implantada, obtendo assim um melhor
resultado na formação desse pasto.
Nos dois casos é necessário incorporar bem essa matéria orgânica ao solo
para que a mesma se decomponha por completo, evitando a fermentação desse
material que pode vir a matar a semente, pois a mesma é distribuída diretamente
no solo.
No ato do plantio finalizamos o preparo do solo com uma ou mais mãos de
grade niveladora, dependendo da necessidade e da estrutura desse solo. O intuito
do uso da niveladora é quebrar torrões existentes na área, deixando o solo
umatraSementes de Pastagem
4
3- Preparo do solo
uniforme para receber a semente. Após a distribuição da semente é muito
importante incorporar essa semente ao solo, evitando assim problemas em sua
germinação. Os problemas mais comuns que ocorrem quando não incorporamos a
semente ao solo são: pássaros, formigas, desidratação da semente, ocasionada
pela incidência direta dos raios do sol. Essa desidratação desencadeia um
processo de dormência que é uma medida de sobrevivência da semente e que
leva a não germinação da mesma por um longo período. O mau enraizamento da
plântula, devido a não estar sob o solo, pode ocasionar a morte da mesma que fica
suscetível a ser levada pela água das chuvas, e outras ocorrências mais.
Existem vários modos para incorporar essa semente de pastagem ao solo. O
mais eficaz é o rolo compactador. Esse implemento comprime a semente junto ao
solo retirando todo o ar existente entre a semente e o solo, esse processo acelera
e uniformiza a germinação dessa semente aumentado assim as chances de a
planta se tornar adulta. Podemos citar o exemplo da semente que nasce no local
onde passaram os pneus do trator. O rolo compactador é recomendado para
qualquer tipo de solo. No solo arenoso ele tem um ótimo rendimento; já em solos
argilosos não podemos passar o rolo se a terra estiver muito úmida, pois a
semente vai grudar no rolo junto com a terra e o resultado não será bom. Um dos
métodos mais utilizados para incorporar a semente de pastagem é a grade
niveladora fechada. Realmente essa operação tem bons resultados, porém,
devemos nos atentar a alguns pontos: em um solo arenoso que foi bem gradeado
e que está muito fofo, não é recomendado o uso da grade niveladora, mas se o
produtor só dispuser desse método para incorporar a semente, temos que tomar
algumas precauções quanto à velocidade do trator e à abertura dessa grade. Não
podemos passar essa grade niveladora aberta; ela tem que estar totalmente
fechada e travada; o trator tem que seguir em baixa velocidade, pois muito
depressa a tendência é que essa grande enterre demais a semente. Já em um
solo argiloso, os resultados com a grade niveladora são bons. Outro método muito
utilizado é arrastar uma galhada. Esse método funciona melhor em solos
arenosos, mas temos que ter o cuidado de escolher um galho que fará um bom
serviço.
umatraSementes de Pastagem
5
1- A época de plantio e seus métodos
A semente de pastagem deve ser plantada na estação chuvosa. Aqui no
Centro Oeste, dependendo da região e do ano, normalmente essa chuva se inicia
em Setembro podendo ir até Março. Porém, devemos nos programar para efetuar
o plantio em um período de abundância e regularidade de chuvas, evitando assim
os veranicos que podem comprometer o desenvolvimento dessa pastagem recém-
implantada.
2- Os principais métodos de plantio
a- Plantio convencional (em linha).
1- Plantadeiras (de soja, milho etc.).
2- Semeadeiras (de trigo, arroz com espaçamento entre linhas menor. Ex:
TD).
b- Distribuição a lanço
1- Distribuidoras a lanço hidráulicas pendulares ou de disco (mono ou duplo)
Ex: Vicon, Jan, Lancer, Nogueira Etc.
OBS. As distribuidoras pendulares oferecem melhor resultado, pois têm uma
distribuição uniforme e proporcionam uma regulagem para quantidades
menores/ha.
c- Distribuição manual
1- Matraca
2- Enxada ou enxadão.
d- Plantio aéreo
No caso do plantio aéreo é indicada a utilização de uma semente com
um grau de pureza elevado (80 a 95%) para obtermos uma distribuição com
melhor uniformidade, e devemos utilizar de 80 a 100% a mais na
recomendação se comparada com a distribuição tratorizada. Essa
recomendação é utilizada, pois na maioria das vezes a semente que é
distribuída de avião não é incorporada ao solo.
OBS: A SEMENSOL TOP tem um ótimo resultado no plantio aéreo.
IMPORTANTE: Para o plantio de SEMENSOL TOP devemos utilizar
apenas as distribuídora pendulares sem o misturador. As distribuidoras
de disco quebram o revestimento da semente no momento da distribuição
e nem sempre jogam a mesma distância para os dois lados
SEMENSOL
umatra
Credibilidade Aliada a Produção
Sementes de Pastagem
PARCERIA:
SEMENTES DE ALTA PUREZA, ESCARIFICADAS, TRATADAS E INCRUSTADAS COM MICRO E MACRO NUTRIENTES
SEMENSOL TOPTOP
umatraSementes de Pastagem
6
4- A época de plantio e seus metódos4- A época de plantio e seus metódos
5- Os principais métodos de plantio5- Os principais métodos de plantio
a - Plantio convencional ( em linha ).
b - Distribuição a lanço
c - Distribuição manual
d - Plantio aéreo
1- Escolha da variedade ideal.
a- Buscar sempre a diversificação
Devemos evitar a monocultura na propriedade; a monocultura aumenta o risco
da atividade. Por que devemos diversificar?
Cada espécie tem uma capacidade diferente de tolerâncias a pragas e
doenças. Quanto à fertilidade do solo, temos espécies que se adaptam a
diferentes tipos de solo (fertilidade e propriedades físicas), têm tolerância a
diferentes graus de encharcamento do solo ou diferem na cobertura de solo.
Temos que recomendar a pastagem quanto à atividade que a propriedade explora.
Exemplo: Se plantarmos a Brachiaria Decumbens, teremos várias vantagens como
adaptação a solos de baixa fertilidade, a altitudes variadas, facilidade de
disseminação, rápida formação, boa cobertura de solo, bom desempenho na seca
e boa rebrota. Porém, teremos vários pontos negativos, como a suscetibilidade a
cigarrinha e fotossensibilização em bezerros e ovinos. Devemos ter invernadas
com outras espécies para que possamos fazer o manejo correto desses animais
na propriedade.
b- Fertilidade do solo.
É comum que uma propriedade tenha vários tipos de solos com diferentes
características físicas e químicas. O correto seria fazer uma correção e uma
adubação diferentes para cada tipo de solo, o que raramente é feito devido a
razões técnicas e econômicas. Hoje temos variedades adaptadas às diferentes
condições de fertilidades do solo, portanto devemos recomendar a variedade que
se adapta melhor a cada tipo de solo dentro da propriedade.
O correto seria fazer um mapeamento de cada tipo de solo existente na
propriedade, mas como isso demanda um alto custo e nem sempre é possível,
podemos utilizar uma regra genérica para recomendação das forrageiras de
acordo com o tipo de solo.
umatraSementes de Pastagem
7
6- Escolha a variedade ideal
a - Buscar sempre a disversificação
b - Fertilidade do solo.
BAIXA FERTILIDADE MÉDIA FERTILIDADE ALTA FERTILIDADE
BRACHIARIA DECUMBENS BRACHIARIA B. CV. MARANDU PANICUM MOMBAÇA
BRACHIARIA HUMIDICOLA BRACHIARIA B. CV MG-4 PANICUM TANZANIA
BRACHIARIA LLANERO BRACHIARIA B. CV BRS PIATÃ PANICUM MASSAI
- BRACHIARIA MG-5 PANICUM ARUANA
- BRACHIARIA RUZIZIENSIS BRACHIARIA MG-5
Não podemos esquecer que apesar de termos variedades que se adaptam aos
mais diferentes níveis de fertilidade do solo, não devemos deixar de lado a
adubação e correção deste solo, pois assim aproveitaremos ao máximo o potencial
produtivo dessa forrageira.
a- Variedades de acordo com drenagem do solo.
ALTA TOLERÂNCIA MÉDIA TOLERÂNCIA BAIXA TOLERÂNCIA
Brachiaria Humidicola Brachiaria Llanero Demais variedades
- Brachiaria MG-5 -
- Brachiaria BRS Piatã -
b- Proteção dos solos
Áreas inclinadas: utilizar variedades que tenham uma boa cobertura do solo e
rápido estabelecimento. EX: Brachiaria Decumbens, Brachiaria Humidicola,
Brachiaria Llanero. Obs: nos casos de utilização de Humidicola e Llanero é
recomendado fazer a mistura com outra variedade, que pode ser a Brachiaria
Marandu ou a Decumbens, pois as Humidicolas têm um crescimento e um
estabelecimento lento, mas quando estabelecidas têm uma ótima cobertura de
solo.
e- Consórcio de variedades
Essa é uma prática muito utilizada na região do pantanal. Sabemos que a
Humidicola é uma variedade que tem alta tolerância ao encharcamento, realidade
da maior parte da planície pantaneira, e tem um estabelecimento lento.
umatraSementes de Pastagem
8
c - Variedades de acordo com drenagem do solo.
d - Proteção dos solos
e - Consórcio de variedades
No consórcio com a Humidicola, a recomendação é que se utilize no mínimo
150 pontos de vc de Humidicola/ha. Recomendamos o consórcio com outras
brachiarias que têm seu estabelecimento mais rápido. Ex: Decumbens,
Ruziziensis, Marandu, MG-4, MG-5. Dentre as citadas, as mais recomendadas
seriam a Decumbens e a Ruziziensis. Podemos utilizar as outras variedades em
áreas que não alagam totalmente onde se formam as cordilheiras (morretes de
terra que a água não cobre). Nessas áreas é interessante colocarmos um capim
de melhor qualidade, pois parte dele perdurará o ano todo. Em uma área que
alaga completamente e fica por semanas ou até meses com uma lâmina d’água
recomendamos a utilização da Decumbes ou da Ruziziensis. Ambas têm um
rápido crescimento e estabelecimento e, assim, vão se adiantar às invasoras
abafando seu crescimento e antecipando o pastejo. Quando essa área alagar,
ambas morrerão, mas já vão ter cumprido seu papel que era de segurar as
invasoras e adiantar o pastejo. Daí para frente o gado pasta a Humidicola que já
vai estar bem estabelecida.
No planalto também se usa o consórcio de variedades. Na maioria das vezes
as variedades são consorciadas para obtermos melhores resultados combinando
suas características. Um consórcio muito utilizado e quem vem dando bons
resultados é o consórcio da Brachiaria Bz. Cv Marandu com a Brachiaria
Decumbens, na proporção de 20% a 30% de Decumbens e de 80% a 70% de
Marandu. Por ser uma planta cespitosa que forma touceiras, o Marandu deixa
entre suas touceiras pequenos espaços de solos descobertos, e é nesses espaços
que a Decumbens vai se estabelecer. Outra vantagem desse consórcio é que no
período seco a Decumbens se torna mais palatável para os animais e na época
das águas ela complementa a dieta à base de Marandu.
Porém em outros tipos de consórcio onde são utilizadas variedades com
características muito diferentes (palatabilidade, teor de proteína, capacidade de
rebrote, etc), os animais vão dar preferência para a variedade mais palatável.
Assim, a tendência é que a outra variedade vá tomando conta da área. Ex: em um
consórcio de Marandu com Humidicola os animais vão pastar primeiro a Marandu,
dando tempo para a Humidicola se estabelecer e ir tomando aos poucos o espaço
da Marandu. Quando a disponibilidade de Marandu for muito pequena é que os
animais passam a comer a Humidicola. Quando isso acontecer, praticamente não
existirão mais plantas de Marandu nessa área.
umatraSementes de Pastagem
9
f- Atividade da propriedade
Quanto à recomendação de variedades, um dos itens importantes é
recomendar a variedade certa para a atividade que a propriedade exerce.
CRIA- Essa categoria admite pastagem de menor qualidade, com variedades que se
adaptam bem a solos mais fracos. EX: Brachiaria Decumbens, Brachiaria Llanero e
Brachiaria Humidicola. A pastagem destinada a vacas de cria não tem o intuito de
engordar esses animais, mas o de mantê-los saudáveis e bem nutridos para que
possam cumprir seu papel reprodutivo dentro da propriedade. Uma variedade de
pastagem com menos qualidade, mas acompanhada do fornecimento de um
suplemento mineral traz ótimos resultados.
RECRIA- No caso da recria, recomendamos uma maior diversificação de forragens
visando variedades que produzam mais e com um teor de proteína maior durante o
período chuvoso e variedades que possam suprir as necessidades destes animais no
período de seca. Ex: variedades que produzem bem nos períodos chuvosos como
Panicuns (mombaça, Tanzânia e Massai) e Brachiaria MG-5 são, porém mais
exigentes em solo; e variedades que possam fornecer matéria seca de melhor
qualidade no período seco como ( Brachiaria marandu, Decumbens e MG-4).
Os Panicuns e a MG-5 são variedades com um potencial produtivo e um teor
de proteína muito bom. Quando bem implantados e manejados é possível trabalhar
com uma lotação muito grande; porém no período seco sofrem bastante com a
estiagem caindo muito sua produção de forragem e seu teor de proteína. É nesse
intervalo que necessitamos ter pastos implantados com outras variedades que
auxiliarão na mantença desses animais durante o período de seca (variedades que
foram citadas acima).
ENGORDA- Necessita de pastagens de alta produção de massa e teor de proteína
elevado durante o período chuvoso, e com um grau de diversificação menor, pois o
acabamento dos animais será completado em único período de chuvas. Ex:
Destinamos as variedades mais produtivas como Panicuns (Mombaça, Tanzânia e
Massai) e a Brachiaria MG-5.
umatraSementes de Pastagem
10
f - Atividade da propriedade
g- Pastagens para equinos e ovinos
Os equinos, assim como os ovinos, têm hábitos de pastejo e preferência por
forrageiras bem diferentes dos bovinos. Ovinos e equinos se adaptam melhor em uma
pastagem mais baixa, onde um animal pode ver o outro, pois assim se sentem mais
seguros e mais à vontade para se alimentar. Em se tratando de equinos, os cavalos
não têm boa aceitação ou nenhuma quanto às Brachiarias, com exceção das
Brachiarias Humidicola e Llanero, que por sua vez contêm um teor muito alto de
oxalato (desencadeia a cara inchada) . Nesse caso é necessário fornecer a esses
animais um suplemento mineral de qualidade visando extinguir esse problema. As
variedades mais indicadas para equinos são os Panicuns (Mombaça, Tanzânia e
Massai). Hoje o Panicum Massai está sendo muito utilizado e obtendo ótimos
resultados devido a seu crescimento ser menor que o do Mombaça e do Tanzania,
atingindo de 70 a 90 cm de altura, com uma produção de massa muito boa e um teor
de proteína elevado.
1- O manejo
a- O primeiro pastejo
Esse primeiro pastejo se dá em média de 60 a 70 dias depois do plantio. Isso
se as condições do tempo forem favoráveis. Temos que observar se as plantas
estão bem desenvolvidas, se já temos uma boa cobertura do solo e se estão bem
enraizadas. A intenção desse pastejo é despontar essas plantas, aumentando a
incidência de luz, estimulando o perfilhamento, aumentando a cobertura do solo e
a densidade das plantas. Esse pastejo deve ser feito com animais novos e leves e
não com animais adultos e pesados, pois estes podem arrancar as plantas durante
o pastejo.
a- Manejo de pastagens
Para obter bons resultados e uma longevidade das pastagens é importante
respeitar a altura de pastejo de cada variedade. Vamos usar como exemplo uma
variedade que tem um crescimento cespitoso e que é muito utilizada no Brasil, a
Brachiaria Brizantha cv. Marandu. Plantas de crescimento cespitoso possuem um
meristema apical elevado, e um super pastejo é muito prejudicial, pois destrói em
grande parte os pontos de crescimento da planta. Com o uso contínuo desse super
pastejo, a planta vai enfraquecendo e não tem mais recursos para voltar a produzir
a quantidade de folhagem que produzia, e isso acarreta a degradação dessa
pastagem, possibilitando assim o surgimento de invasoras.
umatraSementes de Pastagem
7- O Manejo
g - Pastagens para equinos e ovinos
a - O primeiro pastejo
b - Manejo de pastagens
11
Citando como exemplo o Marandu, podemos utilizar uma regra bem básica que
nos ajudará nesse manejo. Entraremos com o gado quando o capim estiver
batendo em nossa cintura (70 a 80 cm) e tiraremos o gado quando o mesmo for
rebaixado à altura de nossa canela (25 a 30 cm). Respeitando essa altura de corte
teremos uma resposta de rebrote desse capim muito mais rápida e vigorosa.
Outro ponto que é importante salientar na formação de uma pastagem é o
momento de entrar com o gado nessa nova formação, como citamos a cima.
Buscaremos efetuar o primeiro pastejo em torno de 60 a 70 dias depois do plantio.
Uma prática muito utilizada antigamente e que nos deparamos com ela ainda nos
dias de hoje é a prática de entrar com o gado na área que foi reformada somente
quando o capim sementear. Vamos citar vários motivos que condenam essa
prática. Quando a planta está no auge de seu estado vegetativo produzindo uma
folhagem com uma qualidade nutricional excelente, citando como exemplo o
Marandu, seu teor de proteína pode chegar a 12%. No momento em que a planta
começa a produzir semente, esse teor de proteína vai caindo, chegando a menos
de 4%. Esse capim “passado” não fornece aos animais os nutrientes necessários
para uma boa nutrição e ganho de peso; outro problema é o acamamento dessas
plantas. Como as mesmas crescem muito, têm tendência natural de acamar e isso
é potencializado com a entrada dos animais, que urinam e defecam sobre esse
capim acamado e não o pastam mais.
Para obtermos uma boa produtividade e longevidade das pastagens é
importante respeitarmos a altura de pastejo. Na época das chuvas quando o capim
está em pleno estado vegetativo é necessário manejá-lo corretamente para
aproveitar ao máximo essa produção de forragem, entrando com os animais no
momento certo e retirando-os quando necessário. Assim aproveitaremos todo o
potencial produtivo desse capim e estaremos fornecendo aos animais uma
forragem com grande valor nutricional. Esse capim bem manejado durante o
período chuvoso formará um sistema radicular profundo e robusto; com o sistema
radicular bem desenvolvido esse capim se portará melhor durante o período de
estiagem e quando recomeçar o período chuvoso vai se restabelecer mais rápido.
umatraSementes de Pastagem
12
Sendo assim, o produtor ao adquirir um produto com a credibilidade e
qualidade da Semensol Top, terá a certeza de estar levando para a sua propriedade,
sementes puras de alto vigor e germinação, sem pragas, terra, palha ou qualquer
outro material que não seja semente e adubo.
A Semensol Top tem um valor cultural equivalente a 50% VC, mas sem
nenhum tipo de material inerte que não seja o adubo.
A Semensol Top tem uma pureza física 95% e uma viabilidade de 85%, mas
como são sementes incrustadas, não se define seu valor cultural, e sim o número de
sementes por grama, e é através deste número que obtemos a recomendação de
quilos por hectare para uma boa formação.
Abaixo segue Informações sobre nossos tratamentos. São eles: SEMENSOL
TOP, SEMENSOL TOP X e SEMENSOL MAX.
SEMENSOL
umatra
Credibilidade Aliada a Produção
Sementes de Pastagem
PARCERIA:
SEMENTES DE ALTA PUREZA, ESCARIFICADAS, TRATADAS E INCRUSTADAS COM MICRO E MACRO NUTRIENTES
SEMENSOL TOPTOP
Para a realização do processo de revestimento da Semensol Top, as
sementes são elevadas a 98% de pureza, eliminando assim as sementes
intermediárias, ou mal formadas (baixo vigor). Após este rigoroso
processo, são escarificadas mecanicamente. A escarificação consiste em
retirar o tegumento (película protetora das sementes), acelerando e
uniformizando sua germinação a campo. As mesmas são recobertas com
micro e macro nutrientes que proporcionarão uma melhor qualidade no
estabelecimento e enraizamento inicial das plântulas. Desta forma cada
semente está envolta por uma camada que é composta por micro e macro
nutrientes, fornecendo assim diretamente os nutrientes necessários para dar um "start"
inicial nas plântulas, proporcionando um número muito maior de plantas que atingirão a
fase adulta.
SEMENSOL TOP
S e g u e u m e x e m p lo , p a ra B ra c h ia ria B riz a n th a c v M a ra n d u .
E x . P e s o d e m il s e m e n te s 2 3 ,2 6 g ra m a s = 4 3 s e m e n te s p o r g ra m a .
R e c o m e n d a ç ã o : S e m e n s o l T o p
1 0 k g / h e c ta re / 1 0 .0 0 0 g ra m a s
1 0 .0 0 0 g ra m a s x 4 3 s e m e n te s = 4 3 0 .0 0 0 s e m e n te s p o r h e c ta re
1 h e c ta re = 1 0 .0 0 0 m e tro s q u a d ra d o s
4 3 0 .0 0 0 s e m e n te s / 1 0 .0 0 0 m 2
4 3 s e m e n te s p o r m e tro q u a d ra d o
D e s c o n ta n d o a g e rm in a ç ã o
4 3 x 8 5 % = 3 6 s e m e n te s v iá v e is p o r m 2
umatraSementes de Pastagem
13
SEMENSOL TOP X
Para a realização do processo de revestimento da Semensol Top X, as
sementes são elevadas a 98% de pureza, eliminando assim as sementes
intermediárias, ou mal formadas (baixo vigor). Após este rigoroso
processo, são escarificadas mecanicamente. A escarificação consiste
em retirar o tegumento (película protetora das sementes), acelerando e
uniformizando sua germinação a campo. As sementes são tratadas com
fungicida e recobertas com uma fina camada de micro e macro nutrientes
que proporcionará uma melhor qualidade no estabelecimento e
enraizamento inicial das plântulas. Desta forma cada semente está
envolta por uma fina camada que é composta por micro e macro nutrientes, fornecendo
assim diretamente os nutrientes necessários para dar um "start" inicial nas plântulas,
proporcionando um número muito maior de plantas que atingirão a fase adulta.
SEMENSOL
umatra
Credibilidade Aliada a Produção
Sementes de Pastagem
PARCERIA:
SEMENTES DE ALTA PUREZA, ESCARIFICADAS, TRATADAS E INCRUSTADAS COM MICRO E MACRO NUTRIENTES
SEMENSOL TOP XTOP X
Sendo assim, o produtor ao adquirir um produto com a credibilidade e
qualidade da Semensol Top X, terá a certeza de estar levando para sua propriedade
sementes puras de alto vigor e germinação, sem pragas, terra, palha ou qualquer
outro material que não seja semente e adubo.
A Semensol Top X tem um valor cultural equivalente a 65% VC, mas sem
nenhum tipo de material inerte que não seja o adubo.
A Semensol Top X tem uma pureza física 95% e uma viabilidade de 85%, mas
como são sementes incrustadas, não se define seu valor cultural, e sim o número de
sementes por grama, e é através deste número que obtemos a recomendação de
quilos por hectare para uma boa formação.
S e g u e u m e x e m p lo , p a ra B ra ch ia ria B riz a n th a c v M a ra n d u .
E x . P e s o d e m il s e m e n te s 1 6 ,7 g ra m a s = 5 9 se m e n te s p o r g ra m a .
R e c o m e n d a çã o : S e m e n so l T o p X
7 ,5 k g / h e c ta re / 7 .5 0 0 g ra m a s
7 .5 0 0 g ra m a s x 5 9 s e m e n te s = 4 4 2 .5 0 0 s e m e n te s p o r h e cta re
1 h e c ta re = 1 0 .0 0 0 m e tro s q u a d ra d o s
4 4 2 .5 0 0 s e m e n te s / 1 0 .0 0 0 m 2
4 4 se m e n te s p o r m e tro q u a d ra d o
D e s c o n ta n d o a g e rm in a ç ã o
4 4 x 8 5 % = 3 7 s e m e n te s v iá v e is p o r m 2
umatraSementes de Pastagem
14
MAXMAXMAXMAX
SemensolSemensolSemensol
Para a realização do processo de Produção e Industrialização da
Semensol Max, os campos de produção são rigorosamente selecionados,
implantados sob a colheita da soja, livres de pragas e patógenos. Após sua
colheita, as sementes são elevadas a 98% de pureza, eliminando assim as
sementes intermediárias ou mal formadas (baixo vigor). Após este rigoroso
processo, são escarificadas mecanicamente. A escarificação consiste em
retirar o tegumento (película protetora das sementes), acelerando e
uniformizando sua germinação a campo.
As mesmas são tratadas com inseticida e fungicida, e após recebem uma
fina película de grafite. Desta forma a Semensol Max é uma semente de alta pureza,
tratada e livre de nematoides (Heterodera glycines).
ASemensol Max foi idealizada focando a integração lavoura-pecuária, seguindo rigorosos
critérios de qualidade para que o produtor mais exigente fique tranquilo na hora de realizar
esse processo. Sendo assim, o produtor ao adquirir um produto com a credibilidade e
qualidade da Semensol Max terá a certeza de estar levando para sua propriedade
sementes de alta pureza e vigor, sem pragas, doenças, terra, palha ou qualquer outro
material que não seja semente.
A Semensol Max tem uma pureza física 97% e uma viabilidade mínima de 85%, chegando
a um valor cultural mínimo de 82%. Sendo assim, sua recomendação de quilos por hectare
é bem menor.
S e g u e u m e x e m p lo , p a r a B r a c h ia r ia R u z iz ie n s is c v B . r u z iz ie s is .
E x . P e s o d e m il s e m e n te s 5 , 0 g r a m a s = 2 0 0 s e m e n te s p o r g ra m a .
R e c o m e n d a ç ã o : S e m e n s o l M a x
4 , 5 k g / h e c ta r e / 4 .5 0 0 g r a m a s
4 . 5 0 0 g r a m a s x 2 0 0 s e m e n t e s = 9 0 0 .0 0 0 s e m e n t e s p o r h e c t a re
1 h e c ta r e = 1 0 .0 0 0 m e t r o s q u a d ra d o s
9 0 0 . 0 0 0 s e m e n te s / 1 0 .0 0 0 m 2
9 0 s e m e n te s p o r m e t r o q u a d r a d o
D e s c o n t a n d o a g e r m in a ç ã o 9 0 x 8 5 % = 7 6 s e m e n t e s v iá v e is p o r m 2
umatraSementes de Pastagem
16
Dados Embrapa:
“para o bom início da formação de uma pastagem é necessário que se obtenham, no
mínimo, 20 plantinhas nascidas (e bem distribuídas) por metro quadrado no caso dos
capins Braquiarão (Brizantão), Decumbens e Humidícola; enquanto que 4 plantinhas
por metro quadrado são necessárias no caso dos capins Setária, Andropógon,
Colonião, Tanzânia e Mombaça.”
Fonte:
http://www.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/naoseriadas/passoapasso/passapasso.html
Parceria
MAXMAXMAXMAX
SemensolSemensolSemensol
umatraSementes de Pastagem
17
EspéciesTeorPB*
Tolerância
FrioSecaUmidade
ProvadeVC/ha
CondiçõesdePlantio**
ÓtimaMédiaRuimCigarrinha
Exigência
em
Fertilidade
Profundidade
de
Plantio(cm)
Brachiariabrizantha
cv.Marandu
Brachiariabrizantha
cv.BRSPiatã
Brachiariabrizantha
cv.Xaraes
Brachiariabrizantha
cv.MG-4
Brachiariadictyonera
cv.llanero
Brachiariadecumbens
cv.Basilisk
Brachiariaruziziensis
cv.Ruziziensis
Brachiariahumidicola
cv.Humidícola
PanicumMaximum
cv.Mombaça
PanicumMaximum
cv.Tanzânia
PanicumMaximum
cv.Massai
MédiaaAlta
MédiaaAlta
MédiaaAlta
MédiaaAlta
MédiaaBaixa
Média
Média
Média
Média
10a12%
Média
10a12%
Média
11a13%
Média
9a11%
Média
6a10%
Média
8a10%
Média
10a16%
Média
10a12%
Média
Média
Média
Média
Média
Média
Média
Média
Alta
Média
Boa
Boa
Boa
Resistente
Resistente
Tolerante
Tolerante
Tolerante
Resistente
Susceptível
Susceptível
Baixa
Média
Baixa
Média
Baixa
Média
Baixa
Baixa
Baixa
BaixaBoa
Baixa
Baixa
Alta
2-4
2-4
2-4
2-4
2-4
1-3
0,5-2,5
0,5-2,5
300
300
350
300
240
250
250
250
400
400
400
400
300
400
300
300
500
500
500
500
400
450
450
450
Fonte:EmbrapaGadodeCorte.
MédiaaAltaBoaBoa
Média
11a13%
SusceptívelBaixa2-4300300500
Média
7a9%
MédiaBoaResistenteBaixaAlta1-3250350450
Média
10a16%MédiaMédiaToleranteBaixaAlta0,5-2,5250300450
umatraSementes de Pastagem
umatraSementes de Pastagem
Sumatra Sementes Ltda.
Av. João Lemes de Rezende (Av. Guaicurus), 1389
Jd. Itamaracá CEP: 79008-510 Campo Grande-MS www.sumatrasementes.com.br
(67) 3387 - 8444 / 9957 - 6061

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Minicurso alimentação alternativa
Minicurso alimentação alternativaMinicurso alimentação alternativa
Minicurso alimentação alternativaSilia Negreiros
 
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...AgroTalento
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasMarília Gomes
 
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens TropicaisFormação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens TropicaisSérgio Amaral
 
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári..."Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...UNDP Policy Centre
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoJosmar Almeida Junior
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptMirianFernandes15
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoDaniel Mol
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Brenda Bueno
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Jacqueline Gomes
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 
Seminário de caprino melhoramento genético
Seminário de caprino melhoramento genéticoSeminário de caprino melhoramento genético
Seminário de caprino melhoramento genéticoIsabela Yohanna
 

Mais procurados (20)

Minicurso alimentação alternativa
Minicurso alimentação alternativaMinicurso alimentação alternativa
Minicurso alimentação alternativa
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageiras
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
 
AdubaçãO De Pastagens
AdubaçãO De PastagensAdubaçãO De Pastagens
AdubaçãO De Pastagens
 
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
[Palestra] Armindo Kichel: Sistemas de Produção Integrado Lavoura-Pecuária-Fl...
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageiras
 
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens TropicaisFormação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
 
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári..."Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
"Restauração de Pastagens Degradadas e Sistemas de Integração Lavoura-Pecuári...
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
 
Adm. rural 3
Adm. rural 3Adm. rural 3
Adm. rural 3
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 
Codornas
CodornasCodornas
Codornas
 
Seminário de caprino melhoramento genético
Seminário de caprino melhoramento genéticoSeminário de caprino melhoramento genético
Seminário de caprino melhoramento genético
 

Destaque

Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Denysson Amorim
 
Apresentação do projeto turismo cultural em grao mogol at
Apresentação do projeto turismo cultural em grao mogol atApresentação do projeto turismo cultural em grao mogol at
Apresentação do projeto turismo cultural em grao mogol atClotildes Clere Alcântara
 
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoBruno Rodrigues
 
Projeto: Alimentação Saudável & Jardim e Arte na Escola II
Projeto: Alimentação Saudável & Jardim e Arte na Escola IIProjeto: Alimentação Saudável & Jardim e Arte na Escola II
Projeto: Alimentação Saudável & Jardim e Arte na Escola IIgrupo1unb
 
Plantas Medicinais do Cerrado
Plantas Medicinais do CerradoPlantas Medicinais do Cerrado
Plantas Medicinais do CerradoThaiane Muniz
 
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerradoBruno Rodrigues
 
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar NativoArvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativomargosanta
 
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuáriaLeguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuáriaDaniel Staciarini Corrêa
 
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentaisAspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentaisAiara Lacerda
 
Elementos utilizados para fazer um jardim
Elementos utilizados para fazer um jardimElementos utilizados para fazer um jardim
Elementos utilizados para fazer um jardimAna Cunha
 
Cartilha - Curso de Sementes Florestais
Cartilha - Curso de Sementes FlorestaisCartilha - Curso de Sementes Florestais
Cartilha - Curso de Sementes FlorestaisElaine Dutra
 

Destaque (12)

Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.Apostila forragicultura.
Apostila forragicultura.
 
Apresentação do projeto turismo cultural em grao mogol at
Apresentação do projeto turismo cultural em grao mogol atApresentação do projeto turismo cultural em grao mogol at
Apresentação do projeto turismo cultural em grao mogol at
 
2 okviveiro
2 okviveiro2 okviveiro
2 okviveiro
 
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
 
Projeto: Alimentação Saudável & Jardim e Arte na Escola II
Projeto: Alimentação Saudável & Jardim e Arte na Escola IIProjeto: Alimentação Saudável & Jardim e Arte na Escola II
Projeto: Alimentação Saudável & Jardim e Arte na Escola II
 
Plantas Medicinais do Cerrado
Plantas Medicinais do CerradoPlantas Medicinais do Cerrado
Plantas Medicinais do Cerrado
 
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
5 producao-de-mudas-de-plantas-nativa-do-cerrado
 
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar NativoArvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
Arvores Frutíferas do Cerrado-Projeto Pomar Nativo
 
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuáriaLeguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
 
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentaisAspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
 
Elementos utilizados para fazer um jardim
Elementos utilizados para fazer um jardimElementos utilizados para fazer um jardim
Elementos utilizados para fazer um jardim
 
Cartilha - Curso de Sementes Florestais
Cartilha - Curso de Sementes FlorestaisCartilha - Curso de Sementes Florestais
Cartilha - Curso de Sementes Florestais
 

Semelhante a Manual de Formação de Pastagem

Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5trLivro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5trAlex Slobodian
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Az. O.
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptUFV
 
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicaçõesSilagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicaçõesRural Pecuária
 
Prg aula 2 pragas de pastagens
 Prg aula 2 pragas de pastagens Prg aula 2 pragas de pastagens
Prg aula 2 pragas de pastagensCarol Castro
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Portal Canal Rural
 
Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerAlexandre Panerai
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsleneschabbach
 
Apostila agricultura geral
Apostila agricultura geralApostila agricultura geral
Apostila agricultura geralLuiz Oliveira
 
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)Sara Cabral
 

Semelhante a Manual de Formação de Pastagem (20)

Oriental comtec235
Oriental comtec235Oriental comtec235
Oriental comtec235
 
Plantando aruana
Plantando aruanaPlantando aruana
Plantando aruana
 
Relatorio aureo
Relatorio aureoRelatorio aureo
Relatorio aureo
 
Senar go ppv_cultprodgraos_mod1
Senar go ppv_cultprodgraos_mod1Senar go ppv_cultprodgraos_mod1
Senar go ppv_cultprodgraos_mod1
 
Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)
 
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5trLivro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
Livro banana cap_5_id-oidu1fw5tr
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
10 semeadoras iv und
10   semeadoras iv und10   semeadoras iv und
10 semeadoras iv und
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
 
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicaçõesSilagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
 
Prg aula 2 pragas de pastagens
 Prg aula 2 pragas de pastagens Prg aula 2 pragas de pastagens
Prg aula 2 pragas de pastagens
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
 
Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazer
 
Resumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produçãoResumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produção
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
 
Apostila agricultura geral
Apostila agricultura geralApostila agricultura geral
Apostila agricultura geral
 
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
 

Mais de Pablo Henrique Batista Souza (8)

Info Wolf 11
Info Wolf 11Info Wolf 11
Info Wolf 11
 
Info Wolf n°10
Info Wolf n°10 Info Wolf n°10
Info Wolf n°10
 
Info Wolf n°09
Info Wolf n°09Info Wolf n°09
Info Wolf n°09
 
Info Wolf 09
Info Wolf 09Info Wolf 09
Info Wolf 09
 
Informativo Wolf 07
Informativo Wolf 07Informativo Wolf 07
Informativo Wolf 07
 
Informativo Wolf Seeds 06
Informativo Wolf Seeds 06Informativo Wolf Seeds 06
Informativo Wolf Seeds 06
 
PORTFÓLIO DE PRODUTOS GREEN VALLEY SEMENTES
PORTFÓLIO DE PRODUTOS GREEN VALLEY SEMENTESPORTFÓLIO DE PRODUTOS GREEN VALLEY SEMENTES
PORTFÓLIO DE PRODUTOS GREEN VALLEY SEMENTES
 
AERO SOLO E AEROFÉRTIL - Equipamentos para melhoramento de campo nativo e pas...
AERO SOLO E AEROFÉRTIL - Equipamentos para melhoramento de campo nativo e pas...AERO SOLO E AEROFÉRTIL - Equipamentos para melhoramento de campo nativo e pas...
AERO SOLO E AEROFÉRTIL - Equipamentos para melhoramento de campo nativo e pas...
 

Manual de Formação de Pastagem

  • 1. umatraSementes de Pastagem Manual de Formação de Pastagem Tudo o que o produtor rural precisa saber para obter bons resultados na implantação de sua pastagem
  • 2. umatraSementes de Pastagem 1 Introdução ................................................................. 2 1 - Diagnóstico da área .............................................. 3 2 - Análise e correção ................................................ 3 3 - Preparo do solo .................................................. 4 - 5 4 - A época e métodos de plantio .............................. 6 5 - Os principais métodos de plantio ........................ 6 a) Plantio convencional (em linha) ........................................ 6 b) Distribuição a Lanço ..................................................... 6 c) Distribuição manual ...................................................... 6 d) Plantio aéreo .............................................................. 6 6 - Escolha a variedade ideal ..................................... 7 a) Buscar sempre a diversificação .................................... 7 b) Fertilidade do solo ...................................................... 7 c) Variedades de acordo com o solo ................................. 8 d) Proteção dos solos .................................................... 8 e) Consórcio de variedades .......................................... 8 - 9 f) Atividade da variedade ................................................ 10 g) Pastagens para equinos e bovinos .............................. 11 7 - O Manejo ............................................................... 11 a) O primeiro pastejo ................................................ 12 b) Manejo de pastagem ............................................. 12 Especificação dos Produtos....................................... 13 Semensol Top ............................................................. 13 Semensol Top X .......................................................... 14 Semensol MAX ............................................................ 15 Tabela de Variedades ................................................. 16 SUMÁRIO
  • 3. Introdução As variedades de forrageiras existentes no Brasil (Brachiarias e Panicuns) ainda não foram “domesticadas” pelo homem como a soja e o milho que estão dezenas de anos à frente em pesquisas, assim, já existe todo um mapa genético destas plantas que permite controlar seu ciclo (precoce ou tardio), época de florescimento, entre outras. No caso das pastagens ainda não existe este controle, pois por ser uma planta ainda “selvagem” tende a lutar pela perpetuação de sua espécie. Traduzindo essa rusticidade, na prática as sementes de pastagem não seguem um ciclo definido de fecundação, florescimento e maturação dos grãos, e em seu período reprodutivo as sementes vão ficando fisiologicamente maturas caindo ao solo gradativamente ao longo dos meses. Esta forma de maturação fisiológica existente nas pastagens dificulta muito sua colheita, e para garantir o máximo possível de sementes fisiologicamente maturas são colhidas do “chão”. Mas mesmo sendo colhidas do chão, as sementes quando ainda estão na planta, devido a algumas intempéries (ventos fortes, passagem de animais ou chuvas), acabam caindo da planta não estando 100% maturas. Essas sementes são consideradas sementes intermediárias (baixo vigor). Vamos conhecer passo a passo o que é necessário ser feito para que tenhamos um bom resultado na implantação de uma nova pastagem. FORMAÇÃO DE PASTAGEM umatraSementes de Pastagem 2
  • 4. 1- Diagnóstico da área Visitando a área a ser plantada é que avaliaremos os seguintes pontos: · Identificação topográfica e física da área; · Declividade do solo. Solos com mais declives necessitam de pastagem com maior e melhor cobertura de solo; · Presença de pedras no solo (solo de cascalho); · Encharcamento e drenagem do solo, sempre recomendando variedades específicas para solos mal drenados, assim como para solos encharcados; · Se há a presença de invasoras (brotos ou pragas moles); · Se for uma área de forma nova (desmate) ou área de reforma; · Características físicas (se o solo é argiloso ou arenoso, etc.). Antes de qualquer atividade mecânica é necessário coletar uma amostra do solo para verificar as características físicas e químicas do mesmo. 1- Análise do solo e correção A análise do solo possibilita a verificação das condições físicas, químicas, o teor do PH, as deficiências e o desequilíbrio nutricional do mesmo. Com os resultados obtidos podemos recomendar as quantidades de nutrientes e corretivos necessários. É importante salientar que a aplicação de calcário deve ser efetuada, no mínimo, de 70 a 90 dias antes do plantio da semente e o mesmo deve ser incorporado ao solo de preferência com grade pesada ou arado para que possa reagir com o solo. No caso de o cliente optar por não corrigir o solo, podemos recomendar as variedades que melhor se adaptarão àquele tipo de solo e terão assim uma melhor produtividade. No entanto, é sempre bom corrigir o solo antes do plantio da pastagem e ou efetuar adubações de cobertura para obtermos maior produtividade da pastagem implantada. umatraSementes de Pastagem 3 1- Diagnóstico da área 2- Análise e correção
  • 5. 1- Preparo do solo O preparo do solo é de suma importância para obtermos um bom estabelecimento da pastagem e deve ser iniciado alguns meses antes de distribuirmos as sementes na área. No caso de uma reforma, é necessário fazer uma avaliação da área. Se houver a presença de invasoras, diagnosticar o tipo (Brotos ou Pragas moles), pois no caso de infestação por brotos de cerrado é necessária uma gradagem pesada ou uso de arado, pelo menos 3 meses antes do plantio. Isto porque o sistema radicular do broto é muito profundo e utilizando uma grade intermediária de 28 polegadas, por exemplo, não teremos um resultado favorável no controle dessa invasora pois a mesma terá uma grande porcentagem de rebrote com o passar do tempo em meio à pastagem. Utilizando uma grade pesada de 32 ou 34 polegadas ou até mesmo um arado, teremos uma grande eficiência no controle dessa invasora, pois essa grade pesada ou o arado cortará seu sistema radicular mais a fundo evitando assim que a planta rebrote com facilidade. Esse tipo de operação tem tido um controle em torno de 70% no rebrote dos brotos de cerrado; nunca esquecendo que devemos respeitar a altura mínima das pastagens para ajudar a abafar as invasoras. No caso de a infestação ser de pragas moles (fedegoso, canela de perdiz, malvas, guanxumas etc.), o controle das mesmas é feito com uma grade intermediária, também começando a operação alguns meses antes do plantio. Se a infestação for muito grande, consequentemente temos no solo um grande banco de semente dessas invasoras. Com as mãos de grades vamos eliminando grande parte desse banco. Gradeamos o solo, esperamos esse banco germinar e repetimos a operação. Quanto mais vezes passarmos a grade, menos pragas restarão. E assim, chegando o período do plantio não teremos tanta competição por luz, nutrientes e água dessas invasoras com a pastagem que está sendo implantada, obtendo assim um melhor resultado na formação desse pasto. Nos dois casos é necessário incorporar bem essa matéria orgânica ao solo para que a mesma se decomponha por completo, evitando a fermentação desse material que pode vir a matar a semente, pois a mesma é distribuída diretamente no solo. No ato do plantio finalizamos o preparo do solo com uma ou mais mãos de grade niveladora, dependendo da necessidade e da estrutura desse solo. O intuito do uso da niveladora é quebrar torrões existentes na área, deixando o solo umatraSementes de Pastagem 4 3- Preparo do solo
  • 6. uniforme para receber a semente. Após a distribuição da semente é muito importante incorporar essa semente ao solo, evitando assim problemas em sua germinação. Os problemas mais comuns que ocorrem quando não incorporamos a semente ao solo são: pássaros, formigas, desidratação da semente, ocasionada pela incidência direta dos raios do sol. Essa desidratação desencadeia um processo de dormência que é uma medida de sobrevivência da semente e que leva a não germinação da mesma por um longo período. O mau enraizamento da plântula, devido a não estar sob o solo, pode ocasionar a morte da mesma que fica suscetível a ser levada pela água das chuvas, e outras ocorrências mais. Existem vários modos para incorporar essa semente de pastagem ao solo. O mais eficaz é o rolo compactador. Esse implemento comprime a semente junto ao solo retirando todo o ar existente entre a semente e o solo, esse processo acelera e uniformiza a germinação dessa semente aumentado assim as chances de a planta se tornar adulta. Podemos citar o exemplo da semente que nasce no local onde passaram os pneus do trator. O rolo compactador é recomendado para qualquer tipo de solo. No solo arenoso ele tem um ótimo rendimento; já em solos argilosos não podemos passar o rolo se a terra estiver muito úmida, pois a semente vai grudar no rolo junto com a terra e o resultado não será bom. Um dos métodos mais utilizados para incorporar a semente de pastagem é a grade niveladora fechada. Realmente essa operação tem bons resultados, porém, devemos nos atentar a alguns pontos: em um solo arenoso que foi bem gradeado e que está muito fofo, não é recomendado o uso da grade niveladora, mas se o produtor só dispuser desse método para incorporar a semente, temos que tomar algumas precauções quanto à velocidade do trator e à abertura dessa grade. Não podemos passar essa grade niveladora aberta; ela tem que estar totalmente fechada e travada; o trator tem que seguir em baixa velocidade, pois muito depressa a tendência é que essa grande enterre demais a semente. Já em um solo argiloso, os resultados com a grade niveladora são bons. Outro método muito utilizado é arrastar uma galhada. Esse método funciona melhor em solos arenosos, mas temos que ter o cuidado de escolher um galho que fará um bom serviço. umatraSementes de Pastagem 5
  • 7. 1- A época de plantio e seus métodos A semente de pastagem deve ser plantada na estação chuvosa. Aqui no Centro Oeste, dependendo da região e do ano, normalmente essa chuva se inicia em Setembro podendo ir até Março. Porém, devemos nos programar para efetuar o plantio em um período de abundância e regularidade de chuvas, evitando assim os veranicos que podem comprometer o desenvolvimento dessa pastagem recém- implantada. 2- Os principais métodos de plantio a- Plantio convencional (em linha). 1- Plantadeiras (de soja, milho etc.). 2- Semeadeiras (de trigo, arroz com espaçamento entre linhas menor. Ex: TD). b- Distribuição a lanço 1- Distribuidoras a lanço hidráulicas pendulares ou de disco (mono ou duplo) Ex: Vicon, Jan, Lancer, Nogueira Etc. OBS. As distribuidoras pendulares oferecem melhor resultado, pois têm uma distribuição uniforme e proporcionam uma regulagem para quantidades menores/ha. c- Distribuição manual 1- Matraca 2- Enxada ou enxadão. d- Plantio aéreo No caso do plantio aéreo é indicada a utilização de uma semente com um grau de pureza elevado (80 a 95%) para obtermos uma distribuição com melhor uniformidade, e devemos utilizar de 80 a 100% a mais na recomendação se comparada com a distribuição tratorizada. Essa recomendação é utilizada, pois na maioria das vezes a semente que é distribuída de avião não é incorporada ao solo. OBS: A SEMENSOL TOP tem um ótimo resultado no plantio aéreo. IMPORTANTE: Para o plantio de SEMENSOL TOP devemos utilizar apenas as distribuídora pendulares sem o misturador. As distribuidoras de disco quebram o revestimento da semente no momento da distribuição e nem sempre jogam a mesma distância para os dois lados SEMENSOL umatra Credibilidade Aliada a Produção Sementes de Pastagem PARCERIA: SEMENTES DE ALTA PUREZA, ESCARIFICADAS, TRATADAS E INCRUSTADAS COM MICRO E MACRO NUTRIENTES SEMENSOL TOPTOP umatraSementes de Pastagem 6 4- A época de plantio e seus metódos4- A época de plantio e seus metódos 5- Os principais métodos de plantio5- Os principais métodos de plantio a - Plantio convencional ( em linha ). b - Distribuição a lanço c - Distribuição manual d - Plantio aéreo
  • 8. 1- Escolha da variedade ideal. a- Buscar sempre a diversificação Devemos evitar a monocultura na propriedade; a monocultura aumenta o risco da atividade. Por que devemos diversificar? Cada espécie tem uma capacidade diferente de tolerâncias a pragas e doenças. Quanto à fertilidade do solo, temos espécies que se adaptam a diferentes tipos de solo (fertilidade e propriedades físicas), têm tolerância a diferentes graus de encharcamento do solo ou diferem na cobertura de solo. Temos que recomendar a pastagem quanto à atividade que a propriedade explora. Exemplo: Se plantarmos a Brachiaria Decumbens, teremos várias vantagens como adaptação a solos de baixa fertilidade, a altitudes variadas, facilidade de disseminação, rápida formação, boa cobertura de solo, bom desempenho na seca e boa rebrota. Porém, teremos vários pontos negativos, como a suscetibilidade a cigarrinha e fotossensibilização em bezerros e ovinos. Devemos ter invernadas com outras espécies para que possamos fazer o manejo correto desses animais na propriedade. b- Fertilidade do solo. É comum que uma propriedade tenha vários tipos de solos com diferentes características físicas e químicas. O correto seria fazer uma correção e uma adubação diferentes para cada tipo de solo, o que raramente é feito devido a razões técnicas e econômicas. Hoje temos variedades adaptadas às diferentes condições de fertilidades do solo, portanto devemos recomendar a variedade que se adapta melhor a cada tipo de solo dentro da propriedade. O correto seria fazer um mapeamento de cada tipo de solo existente na propriedade, mas como isso demanda um alto custo e nem sempre é possível, podemos utilizar uma regra genérica para recomendação das forrageiras de acordo com o tipo de solo. umatraSementes de Pastagem 7 6- Escolha a variedade ideal a - Buscar sempre a disversificação b - Fertilidade do solo.
  • 9. BAIXA FERTILIDADE MÉDIA FERTILIDADE ALTA FERTILIDADE BRACHIARIA DECUMBENS BRACHIARIA B. CV. MARANDU PANICUM MOMBAÇA BRACHIARIA HUMIDICOLA BRACHIARIA B. CV MG-4 PANICUM TANZANIA BRACHIARIA LLANERO BRACHIARIA B. CV BRS PIATÃ PANICUM MASSAI - BRACHIARIA MG-5 PANICUM ARUANA - BRACHIARIA RUZIZIENSIS BRACHIARIA MG-5 Não podemos esquecer que apesar de termos variedades que se adaptam aos mais diferentes níveis de fertilidade do solo, não devemos deixar de lado a adubação e correção deste solo, pois assim aproveitaremos ao máximo o potencial produtivo dessa forrageira. a- Variedades de acordo com drenagem do solo. ALTA TOLERÂNCIA MÉDIA TOLERÂNCIA BAIXA TOLERÂNCIA Brachiaria Humidicola Brachiaria Llanero Demais variedades - Brachiaria MG-5 - - Brachiaria BRS Piatã - b- Proteção dos solos Áreas inclinadas: utilizar variedades que tenham uma boa cobertura do solo e rápido estabelecimento. EX: Brachiaria Decumbens, Brachiaria Humidicola, Brachiaria Llanero. Obs: nos casos de utilização de Humidicola e Llanero é recomendado fazer a mistura com outra variedade, que pode ser a Brachiaria Marandu ou a Decumbens, pois as Humidicolas têm um crescimento e um estabelecimento lento, mas quando estabelecidas têm uma ótima cobertura de solo. e- Consórcio de variedades Essa é uma prática muito utilizada na região do pantanal. Sabemos que a Humidicola é uma variedade que tem alta tolerância ao encharcamento, realidade da maior parte da planície pantaneira, e tem um estabelecimento lento. umatraSementes de Pastagem 8 c - Variedades de acordo com drenagem do solo. d - Proteção dos solos e - Consórcio de variedades
  • 10. No consórcio com a Humidicola, a recomendação é que se utilize no mínimo 150 pontos de vc de Humidicola/ha. Recomendamos o consórcio com outras brachiarias que têm seu estabelecimento mais rápido. Ex: Decumbens, Ruziziensis, Marandu, MG-4, MG-5. Dentre as citadas, as mais recomendadas seriam a Decumbens e a Ruziziensis. Podemos utilizar as outras variedades em áreas que não alagam totalmente onde se formam as cordilheiras (morretes de terra que a água não cobre). Nessas áreas é interessante colocarmos um capim de melhor qualidade, pois parte dele perdurará o ano todo. Em uma área que alaga completamente e fica por semanas ou até meses com uma lâmina d’água recomendamos a utilização da Decumbes ou da Ruziziensis. Ambas têm um rápido crescimento e estabelecimento e, assim, vão se adiantar às invasoras abafando seu crescimento e antecipando o pastejo. Quando essa área alagar, ambas morrerão, mas já vão ter cumprido seu papel que era de segurar as invasoras e adiantar o pastejo. Daí para frente o gado pasta a Humidicola que já vai estar bem estabelecida. No planalto também se usa o consórcio de variedades. Na maioria das vezes as variedades são consorciadas para obtermos melhores resultados combinando suas características. Um consórcio muito utilizado e quem vem dando bons resultados é o consórcio da Brachiaria Bz. Cv Marandu com a Brachiaria Decumbens, na proporção de 20% a 30% de Decumbens e de 80% a 70% de Marandu. Por ser uma planta cespitosa que forma touceiras, o Marandu deixa entre suas touceiras pequenos espaços de solos descobertos, e é nesses espaços que a Decumbens vai se estabelecer. Outra vantagem desse consórcio é que no período seco a Decumbens se torna mais palatável para os animais e na época das águas ela complementa a dieta à base de Marandu. Porém em outros tipos de consórcio onde são utilizadas variedades com características muito diferentes (palatabilidade, teor de proteína, capacidade de rebrote, etc), os animais vão dar preferência para a variedade mais palatável. Assim, a tendência é que a outra variedade vá tomando conta da área. Ex: em um consórcio de Marandu com Humidicola os animais vão pastar primeiro a Marandu, dando tempo para a Humidicola se estabelecer e ir tomando aos poucos o espaço da Marandu. Quando a disponibilidade de Marandu for muito pequena é que os animais passam a comer a Humidicola. Quando isso acontecer, praticamente não existirão mais plantas de Marandu nessa área. umatraSementes de Pastagem 9
  • 11. f- Atividade da propriedade Quanto à recomendação de variedades, um dos itens importantes é recomendar a variedade certa para a atividade que a propriedade exerce. CRIA- Essa categoria admite pastagem de menor qualidade, com variedades que se adaptam bem a solos mais fracos. EX: Brachiaria Decumbens, Brachiaria Llanero e Brachiaria Humidicola. A pastagem destinada a vacas de cria não tem o intuito de engordar esses animais, mas o de mantê-los saudáveis e bem nutridos para que possam cumprir seu papel reprodutivo dentro da propriedade. Uma variedade de pastagem com menos qualidade, mas acompanhada do fornecimento de um suplemento mineral traz ótimos resultados. RECRIA- No caso da recria, recomendamos uma maior diversificação de forragens visando variedades que produzam mais e com um teor de proteína maior durante o período chuvoso e variedades que possam suprir as necessidades destes animais no período de seca. Ex: variedades que produzem bem nos períodos chuvosos como Panicuns (mombaça, Tanzânia e Massai) e Brachiaria MG-5 são, porém mais exigentes em solo; e variedades que possam fornecer matéria seca de melhor qualidade no período seco como ( Brachiaria marandu, Decumbens e MG-4). Os Panicuns e a MG-5 são variedades com um potencial produtivo e um teor de proteína muito bom. Quando bem implantados e manejados é possível trabalhar com uma lotação muito grande; porém no período seco sofrem bastante com a estiagem caindo muito sua produção de forragem e seu teor de proteína. É nesse intervalo que necessitamos ter pastos implantados com outras variedades que auxiliarão na mantença desses animais durante o período de seca (variedades que foram citadas acima). ENGORDA- Necessita de pastagens de alta produção de massa e teor de proteína elevado durante o período chuvoso, e com um grau de diversificação menor, pois o acabamento dos animais será completado em único período de chuvas. Ex: Destinamos as variedades mais produtivas como Panicuns (Mombaça, Tanzânia e Massai) e a Brachiaria MG-5. umatraSementes de Pastagem 10 f - Atividade da propriedade
  • 12. g- Pastagens para equinos e ovinos Os equinos, assim como os ovinos, têm hábitos de pastejo e preferência por forrageiras bem diferentes dos bovinos. Ovinos e equinos se adaptam melhor em uma pastagem mais baixa, onde um animal pode ver o outro, pois assim se sentem mais seguros e mais à vontade para se alimentar. Em se tratando de equinos, os cavalos não têm boa aceitação ou nenhuma quanto às Brachiarias, com exceção das Brachiarias Humidicola e Llanero, que por sua vez contêm um teor muito alto de oxalato (desencadeia a cara inchada) . Nesse caso é necessário fornecer a esses animais um suplemento mineral de qualidade visando extinguir esse problema. As variedades mais indicadas para equinos são os Panicuns (Mombaça, Tanzânia e Massai). Hoje o Panicum Massai está sendo muito utilizado e obtendo ótimos resultados devido a seu crescimento ser menor que o do Mombaça e do Tanzania, atingindo de 70 a 90 cm de altura, com uma produção de massa muito boa e um teor de proteína elevado. 1- O manejo a- O primeiro pastejo Esse primeiro pastejo se dá em média de 60 a 70 dias depois do plantio. Isso se as condições do tempo forem favoráveis. Temos que observar se as plantas estão bem desenvolvidas, se já temos uma boa cobertura do solo e se estão bem enraizadas. A intenção desse pastejo é despontar essas plantas, aumentando a incidência de luz, estimulando o perfilhamento, aumentando a cobertura do solo e a densidade das plantas. Esse pastejo deve ser feito com animais novos e leves e não com animais adultos e pesados, pois estes podem arrancar as plantas durante o pastejo. a- Manejo de pastagens Para obter bons resultados e uma longevidade das pastagens é importante respeitar a altura de pastejo de cada variedade. Vamos usar como exemplo uma variedade que tem um crescimento cespitoso e que é muito utilizada no Brasil, a Brachiaria Brizantha cv. Marandu. Plantas de crescimento cespitoso possuem um meristema apical elevado, e um super pastejo é muito prejudicial, pois destrói em grande parte os pontos de crescimento da planta. Com o uso contínuo desse super pastejo, a planta vai enfraquecendo e não tem mais recursos para voltar a produzir a quantidade de folhagem que produzia, e isso acarreta a degradação dessa pastagem, possibilitando assim o surgimento de invasoras. umatraSementes de Pastagem 7- O Manejo g - Pastagens para equinos e ovinos a - O primeiro pastejo b - Manejo de pastagens 11
  • 13. Citando como exemplo o Marandu, podemos utilizar uma regra bem básica que nos ajudará nesse manejo. Entraremos com o gado quando o capim estiver batendo em nossa cintura (70 a 80 cm) e tiraremos o gado quando o mesmo for rebaixado à altura de nossa canela (25 a 30 cm). Respeitando essa altura de corte teremos uma resposta de rebrote desse capim muito mais rápida e vigorosa. Outro ponto que é importante salientar na formação de uma pastagem é o momento de entrar com o gado nessa nova formação, como citamos a cima. Buscaremos efetuar o primeiro pastejo em torno de 60 a 70 dias depois do plantio. Uma prática muito utilizada antigamente e que nos deparamos com ela ainda nos dias de hoje é a prática de entrar com o gado na área que foi reformada somente quando o capim sementear. Vamos citar vários motivos que condenam essa prática. Quando a planta está no auge de seu estado vegetativo produzindo uma folhagem com uma qualidade nutricional excelente, citando como exemplo o Marandu, seu teor de proteína pode chegar a 12%. No momento em que a planta começa a produzir semente, esse teor de proteína vai caindo, chegando a menos de 4%. Esse capim “passado” não fornece aos animais os nutrientes necessários para uma boa nutrição e ganho de peso; outro problema é o acamamento dessas plantas. Como as mesmas crescem muito, têm tendência natural de acamar e isso é potencializado com a entrada dos animais, que urinam e defecam sobre esse capim acamado e não o pastam mais. Para obtermos uma boa produtividade e longevidade das pastagens é importante respeitarmos a altura de pastejo. Na época das chuvas quando o capim está em pleno estado vegetativo é necessário manejá-lo corretamente para aproveitar ao máximo essa produção de forragem, entrando com os animais no momento certo e retirando-os quando necessário. Assim aproveitaremos todo o potencial produtivo desse capim e estaremos fornecendo aos animais uma forragem com grande valor nutricional. Esse capim bem manejado durante o período chuvoso formará um sistema radicular profundo e robusto; com o sistema radicular bem desenvolvido esse capim se portará melhor durante o período de estiagem e quando recomeçar o período chuvoso vai se restabelecer mais rápido. umatraSementes de Pastagem 12
  • 14. Sendo assim, o produtor ao adquirir um produto com a credibilidade e qualidade da Semensol Top, terá a certeza de estar levando para a sua propriedade, sementes puras de alto vigor e germinação, sem pragas, terra, palha ou qualquer outro material que não seja semente e adubo. A Semensol Top tem um valor cultural equivalente a 50% VC, mas sem nenhum tipo de material inerte que não seja o adubo. A Semensol Top tem uma pureza física 95% e uma viabilidade de 85%, mas como são sementes incrustadas, não se define seu valor cultural, e sim o número de sementes por grama, e é através deste número que obtemos a recomendação de quilos por hectare para uma boa formação. Abaixo segue Informações sobre nossos tratamentos. São eles: SEMENSOL TOP, SEMENSOL TOP X e SEMENSOL MAX. SEMENSOL umatra Credibilidade Aliada a Produção Sementes de Pastagem PARCERIA: SEMENTES DE ALTA PUREZA, ESCARIFICADAS, TRATADAS E INCRUSTADAS COM MICRO E MACRO NUTRIENTES SEMENSOL TOPTOP Para a realização do processo de revestimento da Semensol Top, as sementes são elevadas a 98% de pureza, eliminando assim as sementes intermediárias, ou mal formadas (baixo vigor). Após este rigoroso processo, são escarificadas mecanicamente. A escarificação consiste em retirar o tegumento (película protetora das sementes), acelerando e uniformizando sua germinação a campo. As mesmas são recobertas com micro e macro nutrientes que proporcionarão uma melhor qualidade no estabelecimento e enraizamento inicial das plântulas. Desta forma cada semente está envolta por uma camada que é composta por micro e macro nutrientes, fornecendo assim diretamente os nutrientes necessários para dar um "start" inicial nas plântulas, proporcionando um número muito maior de plantas que atingirão a fase adulta. SEMENSOL TOP S e g u e u m e x e m p lo , p a ra B ra c h ia ria B riz a n th a c v M a ra n d u . E x . P e s o d e m il s e m e n te s 2 3 ,2 6 g ra m a s = 4 3 s e m e n te s p o r g ra m a . R e c o m e n d a ç ã o : S e m e n s o l T o p 1 0 k g / h e c ta re / 1 0 .0 0 0 g ra m a s 1 0 .0 0 0 g ra m a s x 4 3 s e m e n te s = 4 3 0 .0 0 0 s e m e n te s p o r h e c ta re 1 h e c ta re = 1 0 .0 0 0 m e tro s q u a d ra d o s 4 3 0 .0 0 0 s e m e n te s / 1 0 .0 0 0 m 2 4 3 s e m e n te s p o r m e tro q u a d ra d o D e s c o n ta n d o a g e rm in a ç ã o 4 3 x 8 5 % = 3 6 s e m e n te s v iá v e is p o r m 2 umatraSementes de Pastagem 13
  • 15. SEMENSOL TOP X Para a realização do processo de revestimento da Semensol Top X, as sementes são elevadas a 98% de pureza, eliminando assim as sementes intermediárias, ou mal formadas (baixo vigor). Após este rigoroso processo, são escarificadas mecanicamente. A escarificação consiste em retirar o tegumento (película protetora das sementes), acelerando e uniformizando sua germinação a campo. As sementes são tratadas com fungicida e recobertas com uma fina camada de micro e macro nutrientes que proporcionará uma melhor qualidade no estabelecimento e enraizamento inicial das plântulas. Desta forma cada semente está envolta por uma fina camada que é composta por micro e macro nutrientes, fornecendo assim diretamente os nutrientes necessários para dar um "start" inicial nas plântulas, proporcionando um número muito maior de plantas que atingirão a fase adulta. SEMENSOL umatra Credibilidade Aliada a Produção Sementes de Pastagem PARCERIA: SEMENTES DE ALTA PUREZA, ESCARIFICADAS, TRATADAS E INCRUSTADAS COM MICRO E MACRO NUTRIENTES SEMENSOL TOP XTOP X Sendo assim, o produtor ao adquirir um produto com a credibilidade e qualidade da Semensol Top X, terá a certeza de estar levando para sua propriedade sementes puras de alto vigor e germinação, sem pragas, terra, palha ou qualquer outro material que não seja semente e adubo. A Semensol Top X tem um valor cultural equivalente a 65% VC, mas sem nenhum tipo de material inerte que não seja o adubo. A Semensol Top X tem uma pureza física 95% e uma viabilidade de 85%, mas como são sementes incrustadas, não se define seu valor cultural, e sim o número de sementes por grama, e é através deste número que obtemos a recomendação de quilos por hectare para uma boa formação. S e g u e u m e x e m p lo , p a ra B ra ch ia ria B riz a n th a c v M a ra n d u . E x . P e s o d e m il s e m e n te s 1 6 ,7 g ra m a s = 5 9 se m e n te s p o r g ra m a . R e c o m e n d a çã o : S e m e n so l T o p X 7 ,5 k g / h e c ta re / 7 .5 0 0 g ra m a s 7 .5 0 0 g ra m a s x 5 9 s e m e n te s = 4 4 2 .5 0 0 s e m e n te s p o r h e cta re 1 h e c ta re = 1 0 .0 0 0 m e tro s q u a d ra d o s 4 4 2 .5 0 0 s e m e n te s / 1 0 .0 0 0 m 2 4 4 se m e n te s p o r m e tro q u a d ra d o D e s c o n ta n d o a g e rm in a ç ã o 4 4 x 8 5 % = 3 7 s e m e n te s v iá v e is p o r m 2 umatraSementes de Pastagem 14
  • 16. MAXMAXMAXMAX SemensolSemensolSemensol Para a realização do processo de Produção e Industrialização da Semensol Max, os campos de produção são rigorosamente selecionados, implantados sob a colheita da soja, livres de pragas e patógenos. Após sua colheita, as sementes são elevadas a 98% de pureza, eliminando assim as sementes intermediárias ou mal formadas (baixo vigor). Após este rigoroso processo, são escarificadas mecanicamente. A escarificação consiste em retirar o tegumento (película protetora das sementes), acelerando e uniformizando sua germinação a campo. As mesmas são tratadas com inseticida e fungicida, e após recebem uma fina película de grafite. Desta forma a Semensol Max é uma semente de alta pureza, tratada e livre de nematoides (Heterodera glycines). ASemensol Max foi idealizada focando a integração lavoura-pecuária, seguindo rigorosos critérios de qualidade para que o produtor mais exigente fique tranquilo na hora de realizar esse processo. Sendo assim, o produtor ao adquirir um produto com a credibilidade e qualidade da Semensol Max terá a certeza de estar levando para sua propriedade sementes de alta pureza e vigor, sem pragas, doenças, terra, palha ou qualquer outro material que não seja semente. A Semensol Max tem uma pureza física 97% e uma viabilidade mínima de 85%, chegando a um valor cultural mínimo de 82%. Sendo assim, sua recomendação de quilos por hectare é bem menor. S e g u e u m e x e m p lo , p a r a B r a c h ia r ia R u z iz ie n s is c v B . r u z iz ie s is . E x . P e s o d e m il s e m e n te s 5 , 0 g r a m a s = 2 0 0 s e m e n te s p o r g ra m a . R e c o m e n d a ç ã o : S e m e n s o l M a x 4 , 5 k g / h e c ta r e / 4 .5 0 0 g r a m a s 4 . 5 0 0 g r a m a s x 2 0 0 s e m e n t e s = 9 0 0 .0 0 0 s e m e n t e s p o r h e c t a re 1 h e c ta r e = 1 0 .0 0 0 m e t r o s q u a d ra d o s 9 0 0 . 0 0 0 s e m e n te s / 1 0 .0 0 0 m 2 9 0 s e m e n te s p o r m e t r o q u a d r a d o D e s c o n t a n d o a g e r m in a ç ã o 9 0 x 8 5 % = 7 6 s e m e n t e s v iá v e is p o r m 2 umatraSementes de Pastagem 16 Dados Embrapa: “para o bom início da formação de uma pastagem é necessário que se obtenham, no mínimo, 20 plantinhas nascidas (e bem distribuídas) por metro quadrado no caso dos capins Braquiarão (Brizantão), Decumbens e Humidícola; enquanto que 4 plantinhas por metro quadrado são necessárias no caso dos capins Setária, Andropógon, Colonião, Tanzânia e Mombaça.” Fonte: http://www.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/naoseriadas/passoapasso/passapasso.html Parceria MAXMAXMAXMAX SemensolSemensolSemensol
  • 17. umatraSementes de Pastagem 17 EspéciesTeorPB* Tolerância FrioSecaUmidade ProvadeVC/ha CondiçõesdePlantio** ÓtimaMédiaRuimCigarrinha Exigência em Fertilidade Profundidade de Plantio(cm) Brachiariabrizantha cv.Marandu Brachiariabrizantha cv.BRSPiatã Brachiariabrizantha cv.Xaraes Brachiariabrizantha cv.MG-4 Brachiariadictyonera cv.llanero Brachiariadecumbens cv.Basilisk Brachiariaruziziensis cv.Ruziziensis Brachiariahumidicola cv.Humidícola PanicumMaximum cv.Mombaça PanicumMaximum cv.Tanzânia PanicumMaximum cv.Massai MédiaaAlta MédiaaAlta MédiaaAlta MédiaaAlta MédiaaBaixa Média Média Média Média 10a12% Média 10a12% Média 11a13% Média 9a11% Média 6a10% Média 8a10% Média 10a16% Média 10a12% Média Média Média Média Média Média Média Média Alta Média Boa Boa Boa Resistente Resistente Tolerante Tolerante Tolerante Resistente Susceptível Susceptível Baixa Média Baixa Média Baixa Média Baixa Baixa Baixa BaixaBoa Baixa Baixa Alta 2-4 2-4 2-4 2-4 2-4 1-3 0,5-2,5 0,5-2,5 300 300 350 300 240 250 250 250 400 400 400 400 300 400 300 300 500 500 500 500 400 450 450 450 Fonte:EmbrapaGadodeCorte. MédiaaAltaBoaBoa Média 11a13% SusceptívelBaixa2-4300300500 Média 7a9% MédiaBoaResistenteBaixaAlta1-3250350450 Média 10a16%MédiaMédiaToleranteBaixaAlta0,5-2,5250300450
  • 18. umatraSementes de Pastagem umatraSementes de Pastagem Sumatra Sementes Ltda. Av. João Lemes de Rezende (Av. Guaicurus), 1389 Jd. Itamaracá CEP: 79008-510 Campo Grande-MS www.sumatrasementes.com.br (67) 3387 - 8444 / 9957 - 6061