SlideShare uma empresa Scribd logo
Dimensionamento de silos
Mestranda: Aurielle Silva Medeiros
Orientador: Prof. Dr. Vicente Imbroisi Teixeira
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO – UFRPE
UNIDADE ACADÊMICA DE SERRA TALHADA – UAST
SERRA TALHADA – PE
Maio, 2016
INTRODUÇÃO
• O consumo de forragem diretamente das pastagens, na forma de
pastejo, é a forma mais econômica de se alimentar um rebanho
INTRODUÇÃO
• Estacionalidade da produção de forragem
• 80% da produção é concentrada na época chuvosa
INTRODUÇÃO
• Consequências:
• Ineficiência do processo produtivo
• Variação anual nos preços dos animais de reposição e de descarte, e também
do leite
• Solução prática:
• CONSERVAÇÃO DE FORRAGEM !!!
INTRODUÇÃO
• Condições climáticas da região, tipo de planta forrageira, custos
X
FENO SILAGEM
CONSERVAÇÃO DE FORRAGEM POR ENSILAGEM
• Termos explicativos:
• SILAGEM – produto resultante de um processo de fermentação na ausência
de O2 por acidificação (diminuição do pH) do material verde vegetal.
• SILOS – são estruturas ou dispositivos formando compartimento fechado,
onde a forrageira picada é colocada e compactada para expulsar o máximo
possível do ar.
CONSERVAÇÃO DE FORRAGEM POR ENSILAGEM
• ENSILAGEM – é o processo que dá origem à silagem e consiste nas
seguintes etapas:
1. Corte e picagem da planta forrageira que se pretende utilizar;
2. Enchimento do silo;
3. Compactação da massa verde picada e;
4. Posterior vedação do silo para que ocorra o processo de fermentação.
• Quando bem-feita, o valor nutritivo da silagem é semelhante ao da forragem verde,
porém é importante salientar que a ensilagem NÃO melhora a qualidade das forragens,
apenas conserva a qualidade original.
ACIDIFICAÇÃO
+
ANAEROBIOSE
PROCESSO DE DEGRADAÇÃO DA
MATÉRIA ORGÂNICA
FERMENTAÇÃO
ÁCIDOS ORGÂNICOS
IMPORTÂNCIA DE TODAS AS ETAPAS
PRINCÍPIO DE CONSERVAÇÃO DA FORRAGEM
• As melhores forrageiras para ensilagem são aquelas com elevado teor
de açúcares solúveis, que serão consumidos no processo de
fermentação.
• Os valores ideais de matéria seca (MS) devem se situar entre 25% e
35%.
MILHO
SORGO
CAPINS
CAPIM-ELEFANTE
LEGUMINOSAS
< R$> R$
PRINCÍPIO DE CONSERVAÇÃO DA FORRAGEM
• Teores > de umidade favorecem o desenvolvimento de bactérias do gênero
Clostridium, produtoras de ácido butírico, além de as perdas de
nutrientes pela liberação de efluentes.
• Entretanto, uma forragem muito seca torna difícil a compactação e
eliminação do ar. Quando necessário, há a possibilidade de fazer o uso de
algumas estratégias para melhorar a qualidade da silagem. Dentre estas:
• Há a pré-secagem, utilizada para forragem com menos de 25% de MS;
• Adubação da forragem com N e o uso de aditivos de elevado teor de MS (que
funcionariam com extratores de umidade, aumentando a MS da massa a ser
ensilada).
PRINCÍPIO DE CONSERVAÇÃO DA FORRAGEM
• Características de uma boa silagem:
• Deve ter cheiro agradável e cor clara (Mofo
indica presença de ar, que pode ser devido à
má compactação ou vedação inadequada);
• Não deve estar seco, o que poderia indicar
problemas na compactação;
• Tampouco possuir efluentes escorrendo, o
que poderia indicar fermentação
inadequada;
• O pH de deve ser inferior a 4,2;
• Ácido lático > 2%, e o ácido butírico < 1%.
CLOSTRIDIUM
TIPOS DE SILOS
• Silos-de-superfície
• Silo-trincheira
• Silos do tipo “bag”
TIPOS DE SILOS
• Na escolha para construção, deve-se levar em conta:
• O tipo que melhor se adapta às condições topográficas do local onde vai ser
construído;
• O custo de construção e manutenção, e;
• A facilidade no uso para carga e descarga.
• O silo deve ser construído próximo ao curral ou local de trato e em
terreno bem drenado.
TIPOS DE SILOS
Silo-de-superfície
• VANTAGENS:
NÃO envolve construção (baixo custo)
> flexibilidade quanto ao local
• DESVANTAGENS:
> superfície para vedação
< densidade da massa ensilada
> perdas
Largura máxima de 5m
TIPOS DE SILOS
Silo-trincheira
• VANTAGENS:
Facilidade de enchimento
< perdas
• DESVANTAGENS:
Envolve construção
Exige local com declividade
TIPOS DE SILOS
“Bag”
• VANTAGENS:
> flexibilidade quanto ao local
< superfície frontal
• DESVANTAGENS:
Custo do equipamento e lona
plástica
EMBUTIDORA
DIMENSIONAMENTO DE SILOS
• O dimensionamento de silos requer a consideração de alguns pontos:
• Nº de animais que serão alimentados, levando em consideração o peso inicial e a
produtividade que se deseja alcançar (carne, leite)
• Nº de dias ou período em que os animais receberão a silagem
• Qtde de silagem fornecida aos animais/dia, que é determinada em função do peso do
animal, da produtividade que se deseja alcançar, e se outro tipo de volumoso será fornecido
• A espessura de corte diário da silagem, devido ao contato com o ar atmosférico
• O peso médio da silagem/m³
• O Percentual de perdas, consideradas normais devido a processos fermentativos e perdas
diárias comuns
Dimensionamento de silos
PERDAS
• As perdas ligadas à planta e seus processos naturais (respiração,
fermentação, umidade, etc.) são de difícil controle. O cuidado a ser
tomado nestes fatores é o manejo adequado dos processos de corte e
transporte do material, para que todo o processo seja concluído no
menor tempo possível.
• Com relação às outras perdas, silos bem dimensionados,
compactação bem feita, uso de inoculantes (quando for o caso),
rapidez no processo, perfeita vedação dos silos, etc., são medidas
eficazes para reduzi-las.
DIMENSIONAMENTO DE SILOS
DIMENSIONAMENTO DE SILOS
A. Cálculo da necessidade de silagem por cabeça
DIMENSIONAMENTO DE SILOS
B. Cálculo do volume necessário de silagem
Exemplo: 50 cabeças; consumo diário silagem/cabeça de 27,4 kg;
Período de uso igual a 180 dias
VNSD* = 50 x 27,4kg x 1,20**
VNSD = 1.644kg de silagem/dia
VSP*** = 1.644kg x 180 dias = 295.920kg e silagem = 296 t/período
*Volume Necessário de Silagem/Dia
**Fator de correção de perdas naturais do processo = 20%
***Volume Necessário de Silagem/Período
C. Cálculo da área a ser plantada
Exemplo: Milho híbrido com produtividade média de 35t de massa verde/ha
CAP* = 296t / 35t/ha
CAP = 8,46 ha área plantada, ou seja, 9ha
*Cálculo de Área Plantada
D. Cálculo do volume necessário de silo
Exemplo: necessidade de 296t/período, considerando a densidade da silagem de
600kg/m³ (média para milho e sorgo)
VST* = 296.000kg / 600kg/m³
VST = 493,33m³ de silo
*Volume Silo Trincheira
DIMENSIONAMENTO DE SILOS
DIMENSIONAMENTO DE SILOS
E. Cálculo da fatia retirada/dia
Exemplo: necessidade de 1.644kg de silagem/dia, densidade da silagem de 600kg/m³ e
considerando a área frontal do silo tipo trincheira de 15m² (B = 9m, b = 6m, h = 2m)
VNSD* = 1.644kg / 600kg/m³ = 2,74m³ diário
CF** = 2,74m³ / 15m² = 0,18m = 18 cm
*Volume Necessário de Silagem Diário
**Cálculo da Fatia
F. Cálculo do comprimento do silo
Exemplo: área frontal do silo de 15m²; volume total necessário de 493,33m³
CS* = 493,33m³ / 15m² = 32,89 ~ aproximadamente 33m de comprimento
*Comprimento do silo
DIMENSIONAMENTO DE SILOS
= 15m²
= 9m
= 6m
= 33m
h = 2m
• Silo-trincheira para alimentar 50 vacas com 500kg de PV, produzindo
20kg de leite/dia, durante 180 dias
CONSIDERAÇÕES FINAIS
• Silos dimensionados corretamente revertem-se em lucro, pois
determinam redução nos processos de oxidação de nutrientes pelos
microrganismos aeróbicos, e na consequente deterioração da silagem
após a abertura do silo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
Carlos Robério Maia Bandeira
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
velton12
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique Reis
 
08.1 preparo inicial
08.1   preparo inicial08.1   preparo inicial
08.1 preparo inicial
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
Rogger Wins
 
Slide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animalSlide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animal
Larisse Gonçalves
 
Introdução a-mecanização-agrícola22
Introdução a-mecanização-agrícola22Introdução a-mecanização-agrícola22
Introdução a-mecanização-agrícola22
Djair Felix
 
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdfManejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
ssuser49dad81
 
Prg aula 2 pragas de pastagens
 Prg aula 2 pragas de pastagens Prg aula 2 pragas de pastagens
Prg aula 2 pragas de pastagens
Carol Castro
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
Alvaro Galdos
 
6. sistemas de criação
6. sistemas de criação6. sistemas de criação
6. sistemas de criação
rafaeladp
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animal
mvezzone
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
André Ferreira
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
AM Placas Ltda. Placas
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
Marília Gomes
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinos
Lenildo Araujo
 

Mais procurados (20)

Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
 
08.1 preparo inicial
08.1   preparo inicial08.1   preparo inicial
08.1 preparo inicial
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 
Slide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animalSlide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animal
 
Introdução a-mecanização-agrícola22
Introdução a-mecanização-agrícola22Introdução a-mecanização-agrícola22
Introdução a-mecanização-agrícola22
 
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdfManejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
 
Prg aula 2 pragas de pastagens
 Prg aula 2 pragas de pastagens Prg aula 2 pragas de pastagens
Prg aula 2 pragas de pastagens
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
 
6. sistemas de criação
6. sistemas de criação6. sistemas de criação
6. sistemas de criação
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animal
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 
Doenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIEDoenças de suídeos OIE
Doenças de suídeos OIE
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinos
 

Semelhante a Dimensionamento de silos

QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
equipeagroplus
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
HailtonBarbosadosSan
 
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinantes da produção a pasto - Fórum...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinantes da produção a pasto - Fórum...[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinantes da produção a pasto - Fórum...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinantes da produção a pasto - Fórum...
AgroTalento
 
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
AgroTalento
 
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃOBENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
Geagra UFG
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Kalliany Kellzer
 
Palestra Marcelo
Palestra MarceloPalestra Marcelo
Palestra Marcelo
Diego de Oliveira Carvalho
 
Palestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo CandiottoPalestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo Candiotto
Embrapa Milho e Sorgo
 
F95 a3f16
F95 a3f16F95 a3f16
F95 a3f16
Igor Bulhões
 
Silos ROMA
Silos ROMASilos ROMA
Silos ROMA
Thalita Silva
 
03 flavio-abdo-130226-wbeef-confinamento
03 flavio-abdo-130226-wbeef-confinamento03 flavio-abdo-130226-wbeef-confinamento
03 flavio-abdo-130226-wbeef-confinamento
AgroTalento
 
Cobb-Manual-Frango-Corte---------------BR.pdf
Cobb-Manual-Frango-Corte---------------BR.pdfCobb-Manual-Frango-Corte---------------BR.pdf
Cobb-Manual-Frango-Corte---------------BR.pdf
LimaEdificaes
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
Geagra UFG
 
Sistema ILPF
Sistema ILPFSistema ILPF
Sistema ILPF
GETA - UFG
 
Sacharina
SacharinaSacharina
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptxColheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Geagra UFG
 
Processamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaProcessamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandioca
Tiago Maboni Derlan
 
Tecnologia de cereais
Tecnologia de cereaisTecnologia de cereais
Tecnologia de cereais
Alvaro Galdos
 
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
afermartins
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
AmiltonMaia
 

Semelhante a Dimensionamento de silos (20)

QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
 
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinantes da produção a pasto - Fórum...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinantes da produção a pasto - Fórum...[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinantes da produção a pasto - Fórum...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinantes da produção a pasto - Fórum...
 
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
[Palestra] Marcelo Pimenta: Fatores determinante da produtividade à pasto - F...
 
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃOBENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
 
Palestra Marcelo
Palestra MarceloPalestra Marcelo
Palestra Marcelo
 
Palestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo CandiottoPalestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo Candiotto
 
F95 a3f16
F95 a3f16F95 a3f16
F95 a3f16
 
Silos ROMA
Silos ROMASilos ROMA
Silos ROMA
 
03 flavio-abdo-130226-wbeef-confinamento
03 flavio-abdo-130226-wbeef-confinamento03 flavio-abdo-130226-wbeef-confinamento
03 flavio-abdo-130226-wbeef-confinamento
 
Cobb-Manual-Frango-Corte---------------BR.pdf
Cobb-Manual-Frango-Corte---------------BR.pdfCobb-Manual-Frango-Corte---------------BR.pdf
Cobb-Manual-Frango-Corte---------------BR.pdf
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
 
Sistema ILPF
Sistema ILPFSistema ILPF
Sistema ILPF
 
Sacharina
SacharinaSacharina
Sacharina
 
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptxColheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
Colheita, armazenamento e comercialização de feijão.pptx
 
Processamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaProcessamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandioca
 
Tecnologia de cereais
Tecnologia de cereaisTecnologia de cereais
Tecnologia de cereais
 
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 

Dimensionamento de silos

  • 1. Dimensionamento de silos Mestranda: Aurielle Silva Medeiros Orientador: Prof. Dr. Vicente Imbroisi Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO – UFRPE UNIDADE ACADÊMICA DE SERRA TALHADA – UAST SERRA TALHADA – PE Maio, 2016
  • 2. INTRODUÇÃO • O consumo de forragem diretamente das pastagens, na forma de pastejo, é a forma mais econômica de se alimentar um rebanho
  • 3. INTRODUÇÃO • Estacionalidade da produção de forragem • 80% da produção é concentrada na época chuvosa
  • 4. INTRODUÇÃO • Consequências: • Ineficiência do processo produtivo • Variação anual nos preços dos animais de reposição e de descarte, e também do leite • Solução prática: • CONSERVAÇÃO DE FORRAGEM !!!
  • 5. INTRODUÇÃO • Condições climáticas da região, tipo de planta forrageira, custos X FENO SILAGEM
  • 6. CONSERVAÇÃO DE FORRAGEM POR ENSILAGEM • Termos explicativos: • SILAGEM – produto resultante de um processo de fermentação na ausência de O2 por acidificação (diminuição do pH) do material verde vegetal. • SILOS – são estruturas ou dispositivos formando compartimento fechado, onde a forrageira picada é colocada e compactada para expulsar o máximo possível do ar.
  • 7. CONSERVAÇÃO DE FORRAGEM POR ENSILAGEM • ENSILAGEM – é o processo que dá origem à silagem e consiste nas seguintes etapas: 1. Corte e picagem da planta forrageira que se pretende utilizar; 2. Enchimento do silo; 3. Compactação da massa verde picada e; 4. Posterior vedação do silo para que ocorra o processo de fermentação. • Quando bem-feita, o valor nutritivo da silagem é semelhante ao da forragem verde, porém é importante salientar que a ensilagem NÃO melhora a qualidade das forragens, apenas conserva a qualidade original. ACIDIFICAÇÃO + ANAEROBIOSE PROCESSO DE DEGRADAÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA FERMENTAÇÃO ÁCIDOS ORGÂNICOS IMPORTÂNCIA DE TODAS AS ETAPAS
  • 8. PRINCÍPIO DE CONSERVAÇÃO DA FORRAGEM • As melhores forrageiras para ensilagem são aquelas com elevado teor de açúcares solúveis, que serão consumidos no processo de fermentação. • Os valores ideais de matéria seca (MS) devem se situar entre 25% e 35%. MILHO SORGO CAPINS CAPIM-ELEFANTE LEGUMINOSAS < R$> R$
  • 9. PRINCÍPIO DE CONSERVAÇÃO DA FORRAGEM • Teores > de umidade favorecem o desenvolvimento de bactérias do gênero Clostridium, produtoras de ácido butírico, além de as perdas de nutrientes pela liberação de efluentes. • Entretanto, uma forragem muito seca torna difícil a compactação e eliminação do ar. Quando necessário, há a possibilidade de fazer o uso de algumas estratégias para melhorar a qualidade da silagem. Dentre estas: • Há a pré-secagem, utilizada para forragem com menos de 25% de MS; • Adubação da forragem com N e o uso de aditivos de elevado teor de MS (que funcionariam com extratores de umidade, aumentando a MS da massa a ser ensilada).
  • 10. PRINCÍPIO DE CONSERVAÇÃO DA FORRAGEM • Características de uma boa silagem: • Deve ter cheiro agradável e cor clara (Mofo indica presença de ar, que pode ser devido à má compactação ou vedação inadequada); • Não deve estar seco, o que poderia indicar problemas na compactação; • Tampouco possuir efluentes escorrendo, o que poderia indicar fermentação inadequada; • O pH de deve ser inferior a 4,2; • Ácido lático > 2%, e o ácido butírico < 1%. CLOSTRIDIUM
  • 11. TIPOS DE SILOS • Silos-de-superfície • Silo-trincheira • Silos do tipo “bag”
  • 12. TIPOS DE SILOS • Na escolha para construção, deve-se levar em conta: • O tipo que melhor se adapta às condições topográficas do local onde vai ser construído; • O custo de construção e manutenção, e; • A facilidade no uso para carga e descarga. • O silo deve ser construído próximo ao curral ou local de trato e em terreno bem drenado.
  • 13. TIPOS DE SILOS Silo-de-superfície • VANTAGENS: NÃO envolve construção (baixo custo) > flexibilidade quanto ao local • DESVANTAGENS: > superfície para vedação < densidade da massa ensilada > perdas Largura máxima de 5m
  • 14. TIPOS DE SILOS Silo-trincheira • VANTAGENS: Facilidade de enchimento < perdas • DESVANTAGENS: Envolve construção Exige local com declividade
  • 15. TIPOS DE SILOS “Bag” • VANTAGENS: > flexibilidade quanto ao local < superfície frontal • DESVANTAGENS: Custo do equipamento e lona plástica EMBUTIDORA
  • 16. DIMENSIONAMENTO DE SILOS • O dimensionamento de silos requer a consideração de alguns pontos: • Nº de animais que serão alimentados, levando em consideração o peso inicial e a produtividade que se deseja alcançar (carne, leite) • Nº de dias ou período em que os animais receberão a silagem • Qtde de silagem fornecida aos animais/dia, que é determinada em função do peso do animal, da produtividade que se deseja alcançar, e se outro tipo de volumoso será fornecido • A espessura de corte diário da silagem, devido ao contato com o ar atmosférico • O peso médio da silagem/m³ • O Percentual de perdas, consideradas normais devido a processos fermentativos e perdas diárias comuns
  • 18. PERDAS • As perdas ligadas à planta e seus processos naturais (respiração, fermentação, umidade, etc.) são de difícil controle. O cuidado a ser tomado nestes fatores é o manejo adequado dos processos de corte e transporte do material, para que todo o processo seja concluído no menor tempo possível. • Com relação às outras perdas, silos bem dimensionados, compactação bem feita, uso de inoculantes (quando for o caso), rapidez no processo, perfeita vedação dos silos, etc., são medidas eficazes para reduzi-las.
  • 20. DIMENSIONAMENTO DE SILOS A. Cálculo da necessidade de silagem por cabeça
  • 21. DIMENSIONAMENTO DE SILOS B. Cálculo do volume necessário de silagem Exemplo: 50 cabeças; consumo diário silagem/cabeça de 27,4 kg; Período de uso igual a 180 dias VNSD* = 50 x 27,4kg x 1,20** VNSD = 1.644kg de silagem/dia VSP*** = 1.644kg x 180 dias = 295.920kg e silagem = 296 t/período *Volume Necessário de Silagem/Dia **Fator de correção de perdas naturais do processo = 20% ***Volume Necessário de Silagem/Período
  • 22. C. Cálculo da área a ser plantada Exemplo: Milho híbrido com produtividade média de 35t de massa verde/ha CAP* = 296t / 35t/ha CAP = 8,46 ha área plantada, ou seja, 9ha *Cálculo de Área Plantada D. Cálculo do volume necessário de silo Exemplo: necessidade de 296t/período, considerando a densidade da silagem de 600kg/m³ (média para milho e sorgo) VST* = 296.000kg / 600kg/m³ VST = 493,33m³ de silo *Volume Silo Trincheira DIMENSIONAMENTO DE SILOS
  • 23. DIMENSIONAMENTO DE SILOS E. Cálculo da fatia retirada/dia Exemplo: necessidade de 1.644kg de silagem/dia, densidade da silagem de 600kg/m³ e considerando a área frontal do silo tipo trincheira de 15m² (B = 9m, b = 6m, h = 2m) VNSD* = 1.644kg / 600kg/m³ = 2,74m³ diário CF** = 2,74m³ / 15m² = 0,18m = 18 cm *Volume Necessário de Silagem Diário **Cálculo da Fatia F. Cálculo do comprimento do silo Exemplo: área frontal do silo de 15m²; volume total necessário de 493,33m³ CS* = 493,33m³ / 15m² = 32,89 ~ aproximadamente 33m de comprimento *Comprimento do silo
  • 24. DIMENSIONAMENTO DE SILOS = 15m² = 9m = 6m = 33m h = 2m • Silo-trincheira para alimentar 50 vacas com 500kg de PV, produzindo 20kg de leite/dia, durante 180 dias
  • 25. CONSIDERAÇÕES FINAIS • Silos dimensionados corretamente revertem-se em lucro, pois determinam redução nos processos de oxidação de nutrientes pelos microrganismos aeróbicos, e na consequente deterioração da silagem após a abertura do silo.