SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
AULA EXTENSÃO RURAL
PLANEJAMENTO EM
EXTENSÃO
PERGUNTA-SE
• Para vocês qual seria a função (objetivo) de se
planejar a atividade de extensão rural?
• Como você acha que se faz um planejamento em
extensão rural?
• Como você faria este planejamento:
Onde iniciaria?
Quais os passos que deveria fazer para planejar a
atividade de extensionistas?
O que é planejar?
• O Planejamento é um momento de reflexão sobre
as melhores alternativas de ação em um dado
contexto.
• É necessário descobrir as melhores alternativas,
avaliar suas consequências, convencer todos os
envolvidos de sua importância e viabilidade e
possuir capacidade técnica e operacional de
executá-las da melhor maneira possível
Como deve ser?
• Precisa ser ainda dinâmico e flexível de modo a
admitir correções e aperfeiçoamento das propostas
e metas, assim como deve ser possível ajustá-lo no
caso de pequenas mudanças no contexto mais
geral (grandes transformações possivelmente
exigiriam um novo planejamento).
Etapas do planejamento
• 1. Diagnóstico da realidade - pode ser entendido
como uma das fases do plano de trabalho
• 2. Elaboração do Plano de Trabalho e/ou Projeto
• 3. Avaliação dos resultados - não deve ser
realizada somente ao final, mas de preferência
durante todo o processo.
• Estas etapas devem se interelacionar
1. Diagnóstico da realidade
• Para estabelecer os objetivos de um trabalho é
necessário conhecer em detalhes uma determinada
realidade, identificar os problemas (e suas causas) e
as potencialidades existentes.
• Os objetivos devem sempre solucionar problemas
ou desenvolver potencialidades; daí a importância
de se realizar um diagnóstico adequado da
realidade.
Diagnóstico em ER
• Consiste no conhecimento, análise e interpretação
dinâmica de uma determinada realidade, como um
município, uma comunidade, os produtores de uma
microbacia, os produtores clientes de uma
empresa, etc.
• No nosso caso será LOTE
• Antes de iniciar um diagnóstico é necessário que se
faça uma delimitação do público e da área a ser
pesquisada, e a definição dos objetivos específicos
que se pretende.
• O diagnóstico destina-se a fornecer subsídios a um
plano geral de trabalho ou visa levantar informações
detalhadas para um projeto específico?
• Estes aspectos é que irão definir quais informações
são necessárias e a forma mais adequada para coletá-
las.
Levantamento dos informações
• a) As características econômicas, sociais, culturais e outras
do grupo social (público) com o qual se objetiva trabalhar;
• b) Os sistemas de produção predominantes: tipos de
atividades e suas interrelações, produção, produtividade,
tecnologia empregada, mão-de-obra e crédito disponível,
limitações e potencialidades;
• c) Os recursos naturais como a topografia, o solo, a água,
o clima, as áreas de preservação (descrição e avaliação);
• d) Caracterização geral do entorno da área (município ou
região).
Abrangência e nível de detalhe do
Diagnóstico
• Depende objetivos que temos
• Informações insuficientes - podem comprometer a
identificação das questões mais relevantes e a
solução dos problemas reais;
• Informações excessivas - significam perda tempo e
dinheiro.
• O diagnóstico não é um fim em si mesmo, não é o
objetivo do trabalho, mas um instrumental
utilizado para apoiar a metodologia.
• É uma etapa do trabalho e além da coleta criteriosa
das informações, deve-se interpretá-las
corretamente.
Como realizar?
• Melhor maneira em equipe (com as pessoas que
irão participar do trabalho) e com a participação do
público tanto na fase de coleta dos dados, como na
elaboração do plano de trabalho/projeto.
• Este envolvimento no diagnóstico aumenta o grau
de engajamento e compromisso da equipe e do
público com as ações propostas.
DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO
(DRP)
• O diagnóstico parcialmente estruturado (ou seja, aquele
que admite a introdução de novas variáveis durante o
processo), realizado de maneira intensiva e sistemática
por uma equipe (de preferência multidisciplinar).
• Busca identificar os problemas e as potencialidades de
um local a partir da perspectiva da população que ali
vive e/ou trabalha, visando construir um conhecimento
conjunto que aponte para soluções mais viáveis e
sustentáveis.
• É muito utilizado em projetos de desenvolvimento rural.
2. Plano de Trabalho e/ou Projeto
• Consiste na descrição, de maneira organizada e
metódica, de todas as ações passíveis de serem
previstas e planejadas, desenvolvidas por uma pessoa
ou equipe.
• Utiliza como base o diagnóstico da realidade
previamente realizado.
• Um plano de trabalho pode envolver um ou mais
projetos específicos, e outras atividades isoladas de
atendimento, capacitação técnica e gerencial do
público, assim como as ações de capacitação da
própria equipe ou técnico.
• De forma análoga ao Plano, o Projeto é uma proposta
de trabalho que contém todos os elementos
necessários para a sua avaliação e execução.
• Descreve as finalidades a serem atingidas, os
procedimentos, os recursos e o tempo necessário.
• Na elaboração de um Plano de Trabalho (e também
de um Projeto), este é dividido em partes, que
embora devam estar interligadas, formando um
todo coerente, são organizadas em uma sequência
lógica que denominamos de ordem dos elementos
da programação.
ELEMENTOS
• 2.1 Público:
a) Caracterização
b) Problema ou necessidade e potencialidades
• 2.2 Objetivo (geral e específicos)
• 2.3 Conteúdo (ações prioritárias e metas)
• 2.4 Método
• 2.5 Cronograma de atividades
• 2.6 Apoio e recurso
• O público e o objetivo são classificados como elementos
que comandam a ação, pois deles dependem os demais.
• É em função destes elementos que os outros são
definidos.
• Isto não significa que uns elementos são mais importantes
do que os outros.
• Todos têm igual importância no sucesso da implantação
do plano ou projeto.
• Apenas programamos uns antes dos outros, porque o
conteúdo e método, por exemplo, dependem do público e
do objetivo, sendo programados em função destes.
2.1 Público
• A definição e caracterização do público são os
primeiros aspectos a serem considerados na
programação, em função dos quais devem ser
amoldados todos os demais elementos.
• Na caracterização do público é necessário que o
extensionistas conheça as tradições culturais, o nível
de escolaridade e econômico, e as formas de
organização predominantes (formais e informais) dos
produtores.
• Não há limite para o conhecimento desejável do
público: quanto maior o conhecimento, melhor pode
ser o planejamento e eficácia das ações.
• Nesta fase de elaboração do Plano ou Projeto, o
diagnóstico já foi realizado e apontou os
problemas/necessidades e as potencialidades
existentes, além disso, o extensionista já analisou
estas questões com o público e fez uma
hierarquização das prioridades que devem ser
tratadas pela extensão rural.
• Este procedimento permite que os objetivos fixados
pelo técnico sejam viáveis e adequados aos objetivos
imediatos e específicos do público.
• Na elaboração de propostas é importante também
conhecer os antecedentes em termos de
experiências de sucesso e fracasso, suas causas e as
opiniões existentes sobre o assunto.
O problema ou necessidade deve ser definido
obedecendo três aspectos principais:
• a) Ser bem específico e claro: problemas gerais
orientam as estratégias do trabalho, mas sua resolução
depende quase sempre de um conjunto de ações
específicas que precisam ser definidas com clareza;
• b) Não confundir causa com efeito: não basta
identificar e combater os efeitos sem conhecer as
causas, mesmo tendo consciência de que nem sempre
é possível eliminar todas as causas;
• c) Deve ser prioritário para uma parte significativa do
público
2.2 Objetivo
• É o segundo comando a ser considerado, portanto
o objetivo deve se ajustar ao público, bem como as
suas necessidades.
• Há com frequência confusão entre o objetivo de
uma atividade metodológica com os objetivos
gerais do trabalho, bem como confusão entre o
objetivo e o conteúdo a ser discutido com o
público.
OBJETIVO GERAL
• O objetivo geral contido em um plano de trabalho
ou projeto é o fim (visa resolver o problema),
enquanto os objetivos específicos ou educativos
são os meios para atingir aquele fim (a capacitação
dos produtores para saber fazer e saber resolver).
• É o objetivo geral que dá sentido e articula as
diversas ações metodológicas específicas.
OBJETIVO ESPECÍFICO
• Um objetivo específico, corretamente descrito e
definido de forma precisa, deve comunicar, qual
operação deve ser observada para sabermos se o
mesmo foi alcançado ou não.
• O objetivo descreve o que o público deve ser capaz
de fazer depois de participar de uma atividade
(como um curso) e não o que fará durante a mesma.
• Também não pode permitir dupla interpretação,
ambigüidade.
2.3 Conteúdo
• É o terceiro elemento a ser considerado no
planejamento.
• Trata-se do programa, do conhecimento a ser
analisado, dos assuntos a serem debatidos e
problematizados.
• Os conteúdos devem ser dependentes (comandados)
pelo público, pois devem estar relacionados aos seus
interesses e necessidades.
• São também dependentes dos objetivos e devem ser
viáveis e adequados às condições sociais e culturais do
público.
• Em um plano de trabalho ou projeto a definição do
conteúdo é realizada explicitando para cada objetivo
específico quais as ações prioritárias e as metas
(quantificação das ações prioritárias) que se pretende
alcançar.
• Por exemplo:
Aumentar a cobertura do solo no inverno para reduzir
erosão (objetivo específico);
Adubação verde e roçada/cultivo mínimo (ações
prioritárias);
50 ha e 15 produtores (metas para cada uma das
ações).
• Para definir os conteúdos de uma atividade específica,
devemos fazer a seguinte pergunta: que conteúdo o
público deve dominar para que o objetivo seja
alcançado?
• No caso de atividades práticas é desejável que os
produtores passem pela experiência de executarem a
ação.
• É comum o extensionista começar a planejar a ação
pelo conteúdo, desconsiderando o público e o
objetivo ou supondo estes dois elementos já
determinados, cometendo o erro da superficialidade.
• Como se tem um conteúdo técnico disponível e
considera-se importante “repassá-lo” ao público,
programa-se a ação, invertendo a ordem do trabalho
educativo.
• Após o insucesso pela falta de público ou pela não
adoção da prática, há a tendência de se colocar a
culpa no público.
2.3 Método
• No planejamento este é o último elemento a ser
considerado, mas sem ele, nada aconteceria por
melhor que tivessem sido planejados os elementos
anteriores.
Método em extensão rural
• É um conjunto coerente de técnicas de comunicação,
fundamentado nos princípios do
ensino/aprendizagem, utilizado para atingir um
objetivo pré-determinado.
• É necessário compreender também que a
metodologia não é um fim, mas um meio, uma forma
desejável de ação, uma estratégia para atingir o
objetivo predefinido.
• No trabalho educativo não existe o método
ou “receita” válida para qualquer situação e
sim critérios que norteiam a criatividade do
extensionista numa permanente
reformulação da metodologia, visando seu
aperfeiçoamento.
Tipos de métodos de ER
• Quanto ao número de pessoas alcançadas podem
ser :
Individuais (contato, visita e entrevista);
Grupais (curso, dia de campo, palestra, reunião,
painel, encontro, excursão, seminário e outros)
Massais (rádio, televisão, jornal, cartazes, folhetos,
campanha, folder, exposição educativa e outros).
Quanto ao uso
• Simples, quando usados isoladamente, sejam
individuais, grupais ou massais;
• Complexos: aqueles cuja utilização exige a
combinação de outros métodos.
• Os principais métodos complexos são a campanha,
o concurso, a demonstração de resultados, a
exposição, a unidade demonstrativa, a unidade de
observação e a semana especial.
• A escolha do método e das técnicas didáticas
(discussão em grupo; aula expositiva;
apresentação de um vídeo seguida de debate;
execução prática de uma técnica, dentre outras)
deve ser feita em função do conteúdo ou
programa de cada ação educativa, que por sua
vez é definido com base nas características do
público e no objetivo.
Como definir o método?
• a) Para que os produtores dominem o conteúdo, qual
o método (ou combinação de métodos) é mais
adequado?
Ou seja, para assimilar estas idéias e/ou aprender esta
técnica que tipo de experiência deve ser passada ao
público? Há necessidade de execução prática de quais
procedimentos?
• b) Quais os hábitos do público em relação às
atividades metodológicas propostas?
• Para atingir um objetivo como a adoção de
determinadas técnicas ou mudanças de
procedimentos gerenciais, pode ser necessário um
conjunto de atividades metodológicas
sequenciais, como será visto quando for discutido
o processo de adoção.
• Há uma tendência do extensionista sobrevalorizar os
procedimentos metodológicos e especialmente a
utilização de recursos audiovisuais.
• Mas estes recursos, quaisquer que sejam, são apenas
suporte das técnicas didáticas.
• São meras ajudas, reforços que devem se adequar às
técnicas, aos métodos, aos conteúdos, aos objetivos e
ao público.
• Os recursos não são facilitadores “naturais” da
aprendizagem; apenas quando usados de maneira
adequada facilitam a comunicação e contribuem para
o aprendizado.
2.4 Cronograma de atividades
• O cronograma consiste em uma matriz em que as
linhas representam as atividades e as colunas
unidades de tempo (dias, semanas, meses, etc.),
organizadas em sequência cronológica, embora
também possam alocadas atividades paralelas.
• O cronograma, como toda previsão, está sujeito a
erros de estimativa e/ou devido a fatores
imprevistos; e pode sofrer ajustes ao longo do
período.
• Trata-se de um instrumento útil para a organização
tarefas cotidianas do trabalho e controle do
andamento do Plano de Trabalho ou Projeto.
2.5 Recursos e apoio (parcerias)
• Toda atividade, enquanto conjunto de operações,
requer para a sua execução, recursos. Recursos são
elementos que interagem para produzir
transformações.
• Os recursos podem ser divididos em dois grandes
grupos: humanos e materiais.
Recursos humanos
• Referem-se às pessoas envolvidas no trabalho e ao
grau de conhecimento que possuem para executar
as atividades previstas (conhecimento técnico,
gerencial e logístico).
• O Plano pode incluir também a previsão sobre a
necessidade de utilização de serviços de terceiros.
Recursos materiais
• Referem-se às instalações, equipamentos, material
de consumo e outros itens necessários para a
execução do Plano de Trabalho e/ou Projeto.
Apoio
• Refere-se as outras entidades (Prefeitura, Conselho
de Desenvolvimento Rural, cooperativas,
sindicatos, associações, ONGs, Secretaria da Saúde,
universidades, firmas privadas e outras) que
deverão colaborar na execução do Plano de
Trabalho.
• Devem ser explicitado o tipo de colaboração e as
responsabilidades das entidades parceiras e da
instituição a que pertence o técnico ou equipe que
está formulando o Plano ou Projeto.
• Esta definição implica que em uma negociação
prévia com estas entidades.
Parceiras
• São importantes não apenas para reduzir os custos
da atividade, mas porque podem ampliar a
abrangência do trabalho e/ou ser um reforço
decisivo para formar a decisão do produtor.
• Exemplo: convidar um médico para falar dos
perigos da contaminação com os agrotóxicos pode
causar mais impacto do que uma palestra do
próprio extensionista.
3. Avaliação dos resultados
• O planejamento deve prever como serão avaliados os
resultados do trabalho ao fim de determinado período.
• É preferível que esta avaliação seja composta de
avaliações parciais a cada etapa do trabalho, visando
ajustar o Plano de Trabalho.
• Por outro lado, não deve ser muito frequente, pois
sendo um momento formal em que se interrompe o
trabalho e se realiza uma reflexão sobre o mesmo, é
necessário um tempo razoável para que os resultados
possam ser avaliados de modo objetivo.
Avaliação global do trabalho
• Normalmente é feita pela instituição como um
todo, não substitui as avaliações que devem ser
realizadas a cada ação metodológica, no cotidiano
do trabalho.
Avaliações de cada atividade
• Buscam verificar se o público está considerando
relevantes nossas ações e compreendendo as
mensagens, se o que está sendo ensinado está
sendo aprendido, ou seja, se os objetivos
específicos estabelecidos estão sendo alcançados.
Instrumentos específicos de avaliação
• Avaliação oral ou escrita ao final (ou durante) de
uma atividade metodológica;
• Registro das demandas geradas a partir das ações,
para esclarecer detalhes ou adequação às
condições específicas, visando à adoção;
• Registro das mudanças de comportamento e/ou
adoção de tecnologias que foram efetivamente
alcançados.
• Em extensão rural um princípio básico a ser obedecido
é que não se deve colocar a avaliação como se o
público tivesse sendo avaliado, pois pode inibir as
pessoas.
• Deve-se propor a avaliação em termos de que o
instrutor é que está sendo avaliado.
• Exemplo: em uma palestra após explicar como ocorre o
controle biológico, o extensionista pode perguntar,
“seu João, eu acabei de explicar como acontece o
controle biológico da lagarta, será que fui claro? O
senhor podia repetir para nós, para ver se expliquei
bem?”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Apostila de administração rural
Apostila de administração ruralApostila de administração rural
Apostila de administração rural
 
Introducao agroecologia
Introducao agroecologiaIntroducao agroecologia
Introducao agroecologia
 
Cadeia produtiva da soja
Cadeia produtiva da sojaCadeia produtiva da soja
Cadeia produtiva da soja
 
Adm. rural 3
Adm. rural 3Adm. rural 3
Adm. rural 3
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Palestra Politicas Publicas no Meio Rural
Palestra Politicas Publicas no Meio RuralPalestra Politicas Publicas no Meio Rural
Palestra Politicas Publicas no Meio Rural
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
 
Introdução a agronomia
Introdução a agronomiaIntrodução a agronomia
Introdução a agronomia
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesNormas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Ovinos
OvinosOvinos
Ovinos
 
Enxertia
EnxertiaEnxertia
Enxertia
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Introdução a-mecanização-agrícola22
Introdução a-mecanização-agrícola22Introdução a-mecanização-agrícola22
Introdução a-mecanização-agrícola22
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
 

Semelhante a Aula extensão rural planejamento

Gerenciamento de Comunicação em Projetos-parte 2
Gerenciamento de Comunicação em Projetos-parte 2Gerenciamento de Comunicação em Projetos-parte 2
Gerenciamento de Comunicação em Projetos-parte 2Cláudia
 
ELABORAÇÃO DE PROJETOS.pptx
ELABORAÇÃO DE PROJETOS.pptxELABORAÇÃO DE PROJETOS.pptx
ELABORAÇÃO DE PROJETOS.pptxElizabeteNunes7
 
Como fazer projetos pioneiros
Como fazer projetos pioneirosComo fazer projetos pioneiros
Como fazer projetos pioneirosIsmael Strada
 
Projeto em Educação/Animação Comunitária.
Projeto em Educação/Animação Comunitária.Projeto em Educação/Animação Comunitária.
Projeto em Educação/Animação Comunitária.Henrique Santos
 
Roteiro Para ConstruçãO De Projetos 18
Roteiro Para ConstruçãO De Projetos 18Roteiro Para ConstruçãO De Projetos 18
Roteiro Para ConstruçãO De Projetos 18Formação FURB
 
Projetos sociais como escrever
Projetos sociais   como escreverProjetos sociais   como escrever
Projetos sociais como escreverEliana Reis
 
AULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdf
AULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdfAULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdf
AULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdfLuisCSIssufo
 
Topicos De Um Projeto
Topicos De Um ProjetoTopicos De Um Projeto
Topicos De Um Projetobethbal
 
Manual de apoio à elaboração de projetos culturais
Manual de apoio à elaboração de projetos culturaisManual de apoio à elaboração de projetos culturais
Manual de apoio à elaboração de projetos culturaisThiago Neri
 
DICAS-PARA-ELABORAÇÃO-DE-PROJETOS.pdf
DICAS-PARA-ELABORAÇÃO-DE-PROJETOS.pdfDICAS-PARA-ELABORAÇÃO-DE-PROJETOS.pdf
DICAS-PARA-ELABORAÇÃO-DE-PROJETOS.pdfSheilaCampos24
 
Elaboração de projeto - interdisciplina para pesquisa
Elaboração de projeto - interdisciplina para pesquisaElaboração de projeto - interdisciplina para pesquisa
Elaboração de projeto - interdisciplina para pesquisaalexpercon007
 
Noções básicas de projectos
Noções básicas de projectosNoções básicas de projectos
Noções básicas de projectosUEM/Mozambique
 
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de ProjetosApostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de ProjetosLéo De Melo
 

Semelhante a Aula extensão rural planejamento (20)

Gerenciamento de Comunicação em Projetos-parte 2
Gerenciamento de Comunicação em Projetos-parte 2Gerenciamento de Comunicação em Projetos-parte 2
Gerenciamento de Comunicação em Projetos-parte 2
 
ELABORAÇÃO DE PROJETOS.pptx
ELABORAÇÃO DE PROJETOS.pptxELABORAÇÃO DE PROJETOS.pptx
ELABORAÇÃO DE PROJETOS.pptx
 
Como fazer projetos pioneiros
Como fazer projetos pioneirosComo fazer projetos pioneiros
Como fazer projetos pioneiros
 
Elaboracao projetos
Elaboracao projetosElaboracao projetos
Elaboracao projetos
 
Elaboracao projetos
Elaboracao projetosElaboracao projetos
Elaboracao projetos
 
Projeto em Educação/Animação Comunitária.
Projeto em Educação/Animação Comunitária.Projeto em Educação/Animação Comunitária.
Projeto em Educação/Animação Comunitária.
 
Roteiro Para ConstruçãO De Projetos 18
Roteiro Para ConstruçãO De Projetos 18Roteiro Para ConstruçãO De Projetos 18
Roteiro Para ConstruçãO De Projetos 18
 
Projetos sociais como escrever
Projetos sociais   como escreverProjetos sociais   como escrever
Projetos sociais como escrever
 
Incandescent
IncandescentIncandescent
Incandescent
 
Planeamento em saúde
Planeamento em saúdePlaneamento em saúde
Planeamento em saúde
 
Aula nº 1
Aula nº 1Aula nº 1
Aula nº 1
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
AULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdf
AULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdfAULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdf
AULA SOBRE ELABORACAO_DE_PROJECTOS, .pdf
 
Topicos De Um Projeto
Topicos De Um ProjetoTopicos De Um Projeto
Topicos De Um Projeto
 
Elaboração de projetos sociais
Elaboração de projetos sociaisElaboração de projetos sociais
Elaboração de projetos sociais
 
Manual de apoio à elaboração de projetos culturais
Manual de apoio à elaboração de projetos culturaisManual de apoio à elaboração de projetos culturais
Manual de apoio à elaboração de projetos culturais
 
DICAS-PARA-ELABORAÇÃO-DE-PROJETOS.pdf
DICAS-PARA-ELABORAÇÃO-DE-PROJETOS.pdfDICAS-PARA-ELABORAÇÃO-DE-PROJETOS.pdf
DICAS-PARA-ELABORAÇÃO-DE-PROJETOS.pdf
 
Elaboração de projeto - interdisciplina para pesquisa
Elaboração de projeto - interdisciplina para pesquisaElaboração de projeto - interdisciplina para pesquisa
Elaboração de projeto - interdisciplina para pesquisa
 
Noções básicas de projectos
Noções básicas de projectosNoções básicas de projectos
Noções básicas de projectos
 
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de ProjetosApostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
Apostila Fundamentos do Gerenciamento de Projetos
 

Último

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

Aula extensão rural planejamento

  • 2. PERGUNTA-SE • Para vocês qual seria a função (objetivo) de se planejar a atividade de extensão rural? • Como você acha que se faz um planejamento em extensão rural? • Como você faria este planejamento: Onde iniciaria? Quais os passos que deveria fazer para planejar a atividade de extensionistas?
  • 3. O que é planejar? • O Planejamento é um momento de reflexão sobre as melhores alternativas de ação em um dado contexto. • É necessário descobrir as melhores alternativas, avaliar suas consequências, convencer todos os envolvidos de sua importância e viabilidade e possuir capacidade técnica e operacional de executá-las da melhor maneira possível
  • 4. Como deve ser? • Precisa ser ainda dinâmico e flexível de modo a admitir correções e aperfeiçoamento das propostas e metas, assim como deve ser possível ajustá-lo no caso de pequenas mudanças no contexto mais geral (grandes transformações possivelmente exigiriam um novo planejamento).
  • 5. Etapas do planejamento • 1. Diagnóstico da realidade - pode ser entendido como uma das fases do plano de trabalho • 2. Elaboração do Plano de Trabalho e/ou Projeto • 3. Avaliação dos resultados - não deve ser realizada somente ao final, mas de preferência durante todo o processo. • Estas etapas devem se interelacionar
  • 6. 1. Diagnóstico da realidade • Para estabelecer os objetivos de um trabalho é necessário conhecer em detalhes uma determinada realidade, identificar os problemas (e suas causas) e as potencialidades existentes. • Os objetivos devem sempre solucionar problemas ou desenvolver potencialidades; daí a importância de se realizar um diagnóstico adequado da realidade.
  • 7. Diagnóstico em ER • Consiste no conhecimento, análise e interpretação dinâmica de uma determinada realidade, como um município, uma comunidade, os produtores de uma microbacia, os produtores clientes de uma empresa, etc. • No nosso caso será LOTE
  • 8. • Antes de iniciar um diagnóstico é necessário que se faça uma delimitação do público e da área a ser pesquisada, e a definição dos objetivos específicos que se pretende. • O diagnóstico destina-se a fornecer subsídios a um plano geral de trabalho ou visa levantar informações detalhadas para um projeto específico? • Estes aspectos é que irão definir quais informações são necessárias e a forma mais adequada para coletá- las.
  • 9. Levantamento dos informações • a) As características econômicas, sociais, culturais e outras do grupo social (público) com o qual se objetiva trabalhar; • b) Os sistemas de produção predominantes: tipos de atividades e suas interrelações, produção, produtividade, tecnologia empregada, mão-de-obra e crédito disponível, limitações e potencialidades; • c) Os recursos naturais como a topografia, o solo, a água, o clima, as áreas de preservação (descrição e avaliação); • d) Caracterização geral do entorno da área (município ou região).
  • 10. Abrangência e nível de detalhe do Diagnóstico • Depende objetivos que temos • Informações insuficientes - podem comprometer a identificação das questões mais relevantes e a solução dos problemas reais; • Informações excessivas - significam perda tempo e dinheiro.
  • 11. • O diagnóstico não é um fim em si mesmo, não é o objetivo do trabalho, mas um instrumental utilizado para apoiar a metodologia. • É uma etapa do trabalho e além da coleta criteriosa das informações, deve-se interpretá-las corretamente.
  • 12. Como realizar? • Melhor maneira em equipe (com as pessoas que irão participar do trabalho) e com a participação do público tanto na fase de coleta dos dados, como na elaboração do plano de trabalho/projeto. • Este envolvimento no diagnóstico aumenta o grau de engajamento e compromisso da equipe e do público com as ações propostas.
  • 13. DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO (DRP) • O diagnóstico parcialmente estruturado (ou seja, aquele que admite a introdução de novas variáveis durante o processo), realizado de maneira intensiva e sistemática por uma equipe (de preferência multidisciplinar). • Busca identificar os problemas e as potencialidades de um local a partir da perspectiva da população que ali vive e/ou trabalha, visando construir um conhecimento conjunto que aponte para soluções mais viáveis e sustentáveis. • É muito utilizado em projetos de desenvolvimento rural.
  • 14. 2. Plano de Trabalho e/ou Projeto • Consiste na descrição, de maneira organizada e metódica, de todas as ações passíveis de serem previstas e planejadas, desenvolvidas por uma pessoa ou equipe. • Utiliza como base o diagnóstico da realidade previamente realizado. • Um plano de trabalho pode envolver um ou mais projetos específicos, e outras atividades isoladas de atendimento, capacitação técnica e gerencial do público, assim como as ações de capacitação da própria equipe ou técnico.
  • 15. • De forma análoga ao Plano, o Projeto é uma proposta de trabalho que contém todos os elementos necessários para a sua avaliação e execução. • Descreve as finalidades a serem atingidas, os procedimentos, os recursos e o tempo necessário.
  • 16. • Na elaboração de um Plano de Trabalho (e também de um Projeto), este é dividido em partes, que embora devam estar interligadas, formando um todo coerente, são organizadas em uma sequência lógica que denominamos de ordem dos elementos da programação.
  • 17. ELEMENTOS • 2.1 Público: a) Caracterização b) Problema ou necessidade e potencialidades • 2.2 Objetivo (geral e específicos) • 2.3 Conteúdo (ações prioritárias e metas) • 2.4 Método • 2.5 Cronograma de atividades • 2.6 Apoio e recurso
  • 18. • O público e o objetivo são classificados como elementos que comandam a ação, pois deles dependem os demais. • É em função destes elementos que os outros são definidos. • Isto não significa que uns elementos são mais importantes do que os outros. • Todos têm igual importância no sucesso da implantação do plano ou projeto. • Apenas programamos uns antes dos outros, porque o conteúdo e método, por exemplo, dependem do público e do objetivo, sendo programados em função destes.
  • 19. 2.1 Público • A definição e caracterização do público são os primeiros aspectos a serem considerados na programação, em função dos quais devem ser amoldados todos os demais elementos. • Na caracterização do público é necessário que o extensionistas conheça as tradições culturais, o nível de escolaridade e econômico, e as formas de organização predominantes (formais e informais) dos produtores. • Não há limite para o conhecimento desejável do público: quanto maior o conhecimento, melhor pode ser o planejamento e eficácia das ações.
  • 20. • Nesta fase de elaboração do Plano ou Projeto, o diagnóstico já foi realizado e apontou os problemas/necessidades e as potencialidades existentes, além disso, o extensionista já analisou estas questões com o público e fez uma hierarquização das prioridades que devem ser tratadas pela extensão rural. • Este procedimento permite que os objetivos fixados pelo técnico sejam viáveis e adequados aos objetivos imediatos e específicos do público.
  • 21. • Na elaboração de propostas é importante também conhecer os antecedentes em termos de experiências de sucesso e fracasso, suas causas e as opiniões existentes sobre o assunto.
  • 22. O problema ou necessidade deve ser definido obedecendo três aspectos principais: • a) Ser bem específico e claro: problemas gerais orientam as estratégias do trabalho, mas sua resolução depende quase sempre de um conjunto de ações específicas que precisam ser definidas com clareza; • b) Não confundir causa com efeito: não basta identificar e combater os efeitos sem conhecer as causas, mesmo tendo consciência de que nem sempre é possível eliminar todas as causas; • c) Deve ser prioritário para uma parte significativa do público
  • 23. 2.2 Objetivo • É o segundo comando a ser considerado, portanto o objetivo deve se ajustar ao público, bem como as suas necessidades. • Há com frequência confusão entre o objetivo de uma atividade metodológica com os objetivos gerais do trabalho, bem como confusão entre o objetivo e o conteúdo a ser discutido com o público.
  • 24. OBJETIVO GERAL • O objetivo geral contido em um plano de trabalho ou projeto é o fim (visa resolver o problema), enquanto os objetivos específicos ou educativos são os meios para atingir aquele fim (a capacitação dos produtores para saber fazer e saber resolver). • É o objetivo geral que dá sentido e articula as diversas ações metodológicas específicas.
  • 25. OBJETIVO ESPECÍFICO • Um objetivo específico, corretamente descrito e definido de forma precisa, deve comunicar, qual operação deve ser observada para sabermos se o mesmo foi alcançado ou não. • O objetivo descreve o que o público deve ser capaz de fazer depois de participar de uma atividade (como um curso) e não o que fará durante a mesma. • Também não pode permitir dupla interpretação, ambigüidade.
  • 26. 2.3 Conteúdo • É o terceiro elemento a ser considerado no planejamento. • Trata-se do programa, do conhecimento a ser analisado, dos assuntos a serem debatidos e problematizados. • Os conteúdos devem ser dependentes (comandados) pelo público, pois devem estar relacionados aos seus interesses e necessidades. • São também dependentes dos objetivos e devem ser viáveis e adequados às condições sociais e culturais do público.
  • 27. • Em um plano de trabalho ou projeto a definição do conteúdo é realizada explicitando para cada objetivo específico quais as ações prioritárias e as metas (quantificação das ações prioritárias) que se pretende alcançar. • Por exemplo: Aumentar a cobertura do solo no inverno para reduzir erosão (objetivo específico); Adubação verde e roçada/cultivo mínimo (ações prioritárias); 50 ha e 15 produtores (metas para cada uma das ações).
  • 28. • Para definir os conteúdos de uma atividade específica, devemos fazer a seguinte pergunta: que conteúdo o público deve dominar para que o objetivo seja alcançado? • No caso de atividades práticas é desejável que os produtores passem pela experiência de executarem a ação.
  • 29. • É comum o extensionista começar a planejar a ação pelo conteúdo, desconsiderando o público e o objetivo ou supondo estes dois elementos já determinados, cometendo o erro da superficialidade. • Como se tem um conteúdo técnico disponível e considera-se importante “repassá-lo” ao público, programa-se a ação, invertendo a ordem do trabalho educativo. • Após o insucesso pela falta de público ou pela não adoção da prática, há a tendência de se colocar a culpa no público.
  • 30. 2.3 Método • No planejamento este é o último elemento a ser considerado, mas sem ele, nada aconteceria por melhor que tivessem sido planejados os elementos anteriores.
  • 31. Método em extensão rural • É um conjunto coerente de técnicas de comunicação, fundamentado nos princípios do ensino/aprendizagem, utilizado para atingir um objetivo pré-determinado. • É necessário compreender também que a metodologia não é um fim, mas um meio, uma forma desejável de ação, uma estratégia para atingir o objetivo predefinido.
  • 32. • No trabalho educativo não existe o método ou “receita” válida para qualquer situação e sim critérios que norteiam a criatividade do extensionista numa permanente reformulação da metodologia, visando seu aperfeiçoamento.
  • 33. Tipos de métodos de ER • Quanto ao número de pessoas alcançadas podem ser : Individuais (contato, visita e entrevista); Grupais (curso, dia de campo, palestra, reunião, painel, encontro, excursão, seminário e outros) Massais (rádio, televisão, jornal, cartazes, folhetos, campanha, folder, exposição educativa e outros).
  • 34. Quanto ao uso • Simples, quando usados isoladamente, sejam individuais, grupais ou massais; • Complexos: aqueles cuja utilização exige a combinação de outros métodos. • Os principais métodos complexos são a campanha, o concurso, a demonstração de resultados, a exposição, a unidade demonstrativa, a unidade de observação e a semana especial.
  • 35. • A escolha do método e das técnicas didáticas (discussão em grupo; aula expositiva; apresentação de um vídeo seguida de debate; execução prática de uma técnica, dentre outras) deve ser feita em função do conteúdo ou programa de cada ação educativa, que por sua vez é definido com base nas características do público e no objetivo.
  • 36. Como definir o método? • a) Para que os produtores dominem o conteúdo, qual o método (ou combinação de métodos) é mais adequado? Ou seja, para assimilar estas idéias e/ou aprender esta técnica que tipo de experiência deve ser passada ao público? Há necessidade de execução prática de quais procedimentos? • b) Quais os hábitos do público em relação às atividades metodológicas propostas?
  • 37. • Para atingir um objetivo como a adoção de determinadas técnicas ou mudanças de procedimentos gerenciais, pode ser necessário um conjunto de atividades metodológicas sequenciais, como será visto quando for discutido o processo de adoção.
  • 38. • Há uma tendência do extensionista sobrevalorizar os procedimentos metodológicos e especialmente a utilização de recursos audiovisuais. • Mas estes recursos, quaisquer que sejam, são apenas suporte das técnicas didáticas. • São meras ajudas, reforços que devem se adequar às técnicas, aos métodos, aos conteúdos, aos objetivos e ao público. • Os recursos não são facilitadores “naturais” da aprendizagem; apenas quando usados de maneira adequada facilitam a comunicação e contribuem para o aprendizado.
  • 39. 2.4 Cronograma de atividades • O cronograma consiste em uma matriz em que as linhas representam as atividades e as colunas unidades de tempo (dias, semanas, meses, etc.), organizadas em sequência cronológica, embora também possam alocadas atividades paralelas. • O cronograma, como toda previsão, está sujeito a erros de estimativa e/ou devido a fatores imprevistos; e pode sofrer ajustes ao longo do período. • Trata-se de um instrumento útil para a organização tarefas cotidianas do trabalho e controle do andamento do Plano de Trabalho ou Projeto.
  • 40. 2.5 Recursos e apoio (parcerias) • Toda atividade, enquanto conjunto de operações, requer para a sua execução, recursos. Recursos são elementos que interagem para produzir transformações. • Os recursos podem ser divididos em dois grandes grupos: humanos e materiais.
  • 41. Recursos humanos • Referem-se às pessoas envolvidas no trabalho e ao grau de conhecimento que possuem para executar as atividades previstas (conhecimento técnico, gerencial e logístico). • O Plano pode incluir também a previsão sobre a necessidade de utilização de serviços de terceiros.
  • 42. Recursos materiais • Referem-se às instalações, equipamentos, material de consumo e outros itens necessários para a execução do Plano de Trabalho e/ou Projeto.
  • 43. Apoio • Refere-se as outras entidades (Prefeitura, Conselho de Desenvolvimento Rural, cooperativas, sindicatos, associações, ONGs, Secretaria da Saúde, universidades, firmas privadas e outras) que deverão colaborar na execução do Plano de Trabalho. • Devem ser explicitado o tipo de colaboração e as responsabilidades das entidades parceiras e da instituição a que pertence o técnico ou equipe que está formulando o Plano ou Projeto. • Esta definição implica que em uma negociação prévia com estas entidades.
  • 44. Parceiras • São importantes não apenas para reduzir os custos da atividade, mas porque podem ampliar a abrangência do trabalho e/ou ser um reforço decisivo para formar a decisão do produtor. • Exemplo: convidar um médico para falar dos perigos da contaminação com os agrotóxicos pode causar mais impacto do que uma palestra do próprio extensionista.
  • 45. 3. Avaliação dos resultados • O planejamento deve prever como serão avaliados os resultados do trabalho ao fim de determinado período. • É preferível que esta avaliação seja composta de avaliações parciais a cada etapa do trabalho, visando ajustar o Plano de Trabalho. • Por outro lado, não deve ser muito frequente, pois sendo um momento formal em que se interrompe o trabalho e se realiza uma reflexão sobre o mesmo, é necessário um tempo razoável para que os resultados possam ser avaliados de modo objetivo.
  • 46. Avaliação global do trabalho • Normalmente é feita pela instituição como um todo, não substitui as avaliações que devem ser realizadas a cada ação metodológica, no cotidiano do trabalho.
  • 47. Avaliações de cada atividade • Buscam verificar se o público está considerando relevantes nossas ações e compreendendo as mensagens, se o que está sendo ensinado está sendo aprendido, ou seja, se os objetivos específicos estabelecidos estão sendo alcançados.
  • 48. Instrumentos específicos de avaliação • Avaliação oral ou escrita ao final (ou durante) de uma atividade metodológica; • Registro das demandas geradas a partir das ações, para esclarecer detalhes ou adequação às condições específicas, visando à adoção; • Registro das mudanças de comportamento e/ou adoção de tecnologias que foram efetivamente alcançados.
  • 49. • Em extensão rural um princípio básico a ser obedecido é que não se deve colocar a avaliação como se o público tivesse sendo avaliado, pois pode inibir as pessoas. • Deve-se propor a avaliação em termos de que o instrutor é que está sendo avaliado. • Exemplo: em uma palestra após explicar como ocorre o controle biológico, o extensionista pode perguntar, “seu João, eu acabei de explicar como acontece o controle biológico da lagarta, será que fui claro? O senhor podia repetir para nós, para ver se expliquei bem?”.