SlideShare uma empresa Scribd logo
23/10/2015
1
Sistemas de cultivo em
arroz inundado e sequeiro
Anna Carolinne Silva
Marielle Harnisch
Natália Justino
Raphaela Cristine
Características
Ordem Poales Família Poaceae Gênero Oryza
• É a terceira maior cultura cerealífera do mundo;
• O ciclo de desenvolvimento: plântula, vegetativa e
reprodutiva;
• Duas formas de cultivo: Inundado e Sequeiro
Histórico
• Origem no sudeste da Ásia;
• Cultivado desde o ano 3.000 a.C.;
• Ano Internacional do Arroz (2004);
• Cerca de 90% do arroz mundial é produzido e
consumido nos países asiáticos;
• O Brasil também se destaca por sua participação no
fornecimento do produto.
23/10/2015
2
ARROZ SEQUEIROARROZ INUNDADO
ARROZ INUNDADO
Zoneamento Agroclimático
• Temperatura;
• não semear antes da temperatura média diária do solo, a
5cm de profundidade, atingir em torno de 20ºC;
• usar cultivares mais tolerantes, principalmente nas
regiões mais problemáticas;
• efetuar a semeadura de modo que as fases críticas da
planta coincidam com os períodos de menor
probabilidade de ocorrência do frio;
• Radiação Solar
23/10/2015
3
Solo, adubação e calagem
• Os solos para arroz inundado são geralmente de
drenagem naturalmente deficiente;
• Tipos de solo:
• Planossolos;
• Gleissolos;
• Chernossolos;
• Plintossolos;
• Vertissolos;
• Organossolos;
• Cambissolos;
• Espodossolos e Neossolos
Solo, adubação e calagem
• No cultivo de arroz inundado a calagem é feita para
reduzir os efeitos prejudiciais da toxidez por ferro;
• A adubação é feita por adição de nitrogênio, fósforo
e potássio.
Irrigação e drenagem
• A quantidade de água exigida para o cultivo de
arroz é o somatório da água necessária para saturar
o solo, formar uma lâmina, compensar a
evapotranspiração e repor as perdas por percolação
vertical, as perdas laterais e dos canais de irrigação;
• Para suprir a necessidade de água durante o ciclo
recomendam-se a utilização de vazões contínuas;
• A drenagem é feita quando a maioria dos grãos tiver
alcançado o estado pastoso;
23/10/2015
4
Sistemas de Plantio
• Sistema convencional
• Cultivo mínimo
• Plantio direto
• Pré germinado
• Mix
• Transplante de mudas
Sistemas de Plantio
Os sistemas de cultivo utilizados na cultura do arroz
irrigado diferenciam-se, basicamente, quanto:
• Forma de preparo do solo
• Métodos de semeadura
• Manejo inicial da água
23/10/2015
5
Sistema Convencional
• O sistemaconvencional, consiste em operaçõesmais
profundas, normalmente realizadas com arado, que
visam principalmente o rompimentode camadas
compactadas e a eliminação e/ouenterriodacobertura
vegetal. No preparo secundário, as operações são mais
superficiais, utilizando se grades ouplainas para nivelar,
destorroar, destruir crostas superficiais, incorporar
agroquímicos e eliminar plantas daninhas no início do
seudesenvolvimento, criando assim um ambiente
favorável à germinação, emergênciae desenvolvimento
da culturaimplantada. Convém ressaltar que todas essas
atividades concorrem paraa deformação daestruturado
solo. No sistemaconvencional asemeaduraé realizada
a lanço ouem linha.
Cultivo mínimo
• O cultivo mínimo é o sistema no qual se utiliza menor
mobilização do solo, quando comparado ao sistema convencional.
No caso da cultura do arroz irrigado, os trabalhos de preparo do
solo tanto podem ser realizados no verão como no final do inverno
e início da primavera, sendo, neste último caso, com uma
antecedência mínima que permita a formação de uma cobertura
vegetal. Por ocasião do preparo do solo é conveniente que se faça
também o entaipamento, com taipas de base larga e de perfil
baixo. Esse tipo de taipa, desde que bem construída, pode ser
transposta por máquinas e tratores sem maiores danos à sua
estrutura. Dessa forma, a semeadura do arroz pode ser realizada
sobre a taipa previamente construída, uma vez que existem
máquinas com dispositivos que permitem tal procedimento.
A semeadura é realizada diretamente sobre a cobertura vegetal
previamente dessecada com herbicida, sem o revolvimento do
solo. Desta forma, a incidência de plantas daninhas,
principalmente arroz vermelho, é bastante reduzida
Plantio Direto
Princípios básicos:
• A mínima movimentação do solo;
• A permanente cobertura do solo;
• A prática de rotação de culturas.
23/10/2015
6
Sistema pré germinado
• Este sistemacaracteriza-se pelouso de sementes pré-germinadas em
solopreviamente inundado. Há necessidade da formação de lama,
nivelamento e alisamento.
• Primeira fase:camada superficialpara a formação de lama, podendoser
realizada em solo seco composteriorinundação ou emsolo já inundado.
• As principais técnicas
• aração emsolo úmido, seguida de destorroamento sob inundaçãocom
enxada rotativa
• aração seguida de destorroamento comgrade de disco ou enxada rotativa
em solo seco
• uso de enxada rotativa semaração,preferencialmente emsolo inundado,
semdeixar restos de plantasdaninhas.
• A segunda fase compreende o renivelamento e o alisamento do terreno
próprio para recebera semente pré germinada.
Sistema mix
• Este sistema é uma
variante do sistema pré-
germinado. Um dos
pontos importantes a ser
observado neste sistema
é o desenvolvimento da
cobertura vegetal.
Sistema de transplante de mudas
• O método de cultivo por
transplante de mudas
objetiva a obtenção de
sementes de alta
qualidade.
23/10/2015
7
Produção de mudas
• As mudas são produzidas em caixas, com fundo
perfurado (dimensões de 60 cm de comprimento x
30 cm de largura x 5 cm de altura)
• O solo a ser utilizado deve apresentar textura franco
arenosa, baixo teor de matéria orgânica e ser livre
de sementes nocivas.
• Após passar por peneiras com abertura de malha de
5 mm, o solo é colocado nas caixas numa espessura
de 2,5 cm.
• São semeadas em torno de 300 gramas de sementes
pré-germinadas por caixa e cobertas com uma
camada de solo com 1 cm de espessura.
• Após a semeadura, as caixas são irrigadas
abundantemente, empilhadas e cobertas com lona
plástica por 2 a 4 dias, até a emergência das
plântulas.
• A duração desta fase varia em função da
temperatura.
• Quando as plântulas iniciam a emergência, as
caixas são espalhadas em um viveiro até a fase de
duas folhas (12 a 18 dias). Na ocorrência de
doenças nas plântulas, estas devem ser controladas
com a aplicação de fungicidas específicos.
Transplante
• O transplante é feito quando as mudas alcançam de 10 a
12 cm de altura (12 a 18 dias após a semeadura). Esta
operação deve ser realizada com a área previamente
drenada.
• As transplantadoras permite o plantio de 3 a 10 mudas
por cova, espaçamentos entre14 e 22 cm entre covas e
30 cm entre linhas.
• O rendimento médio de uma transplantadora com 6
linhas é em torno de 3.000 m2 por hora, sendo
necessárias 110a130 caixas de mudas por hectare (30 a
40 kg ha-1 de semente).
• A inundação permanente deve ser evitada por uns 2 a 3
dias até o pegamento das mudas.
23/10/2015
8
Colheita
• A colheita nesse sistema é mecanizada;
Pós-colheita
• Não submeter o arrozà exposição prolongadaao sol e
evitar mantê-lo abafado soba lona do caminhão ou
outro transportador, antes de ser submetido àsecagem;
• Evitar esperas e/oulongos tempos de carga, realizando
o transporte para a unidade de secagem tão logo realize
a colheita;
• Fazer adequada limpezado transportador, evitando que
resíduos de uma carga possam servir como fonte de
inóculos paraoutra;
• Inspecionar periodicamente o transportador e acarga,
para evitar perdas de arrozpor vazamento ou
derramamento;
• Não usar o mesmo transportador paratransporte
simultâneo de grãos de cultivares diferentes, paraevitar
misturas varietais.
ARROZ SEQUEIRO
23/10/2015
9
Zoneamento Agroclimático
• Fotoperíodo;
• Temperatura do ar;
• Pluviosidade
Disponibilidade de água ≈ Rendimento de grãos
Solo, adubação e calagem
• Produzido em solos do cerrado (Oxissolos);
• Pouco férteis e ácidos
• Adubação é feita para aumentar a taxa de nitrogênio
(N), o fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca),
magnésio (Mg) e zinco (Zn).
• O pH adequado está em torno de 5,5.
Irrigação
• Distribuição irregular das chuvas (estiagens de duas
a três semanas);
• A baixa capacidade de retenção de água dos solos;
• SOLUÇÃO: irrigação suplementar por aspersão
23/10/2015
10
Sistemas de Plantio
• Sistema de rotação;
• Sistema Plantio Direto;
• Sistemas de plantio conduzidos em áreas de
pastagens;
• Sistema de rotação:
• Produtividade é maior comparado ao de
monocultura;
• O preparo do solo é feito com arado de aiveca ou
escarificador, aplicados a, aproximadamente, 35 40
cm de profundidade;
23/10/2015
11
• Sistema Plantio Direto:
• Possui as mesmas vantagens do sistema de rotação;
• Possui maior risco em solos que apresentam
limitações ao crescimento radicular;
• Favorável a compactação do solo, devido a
mecanização agrícola;
• Sistemas de plantio conduzidos em
áreas de pastagens:
• São muito eficientes;
• Realiza-se a semeadura do capim após a emergência
do arroz ou imediatamente após sua colheita;
• É adotado o maquinaria agrícola geralmente
disponível na propriedade rural.
Colheita e pós-colheita
• A colheita pode ser:
• Manual: as operações de corte, enleiramento,
recolhimento e trilhamento são feitas manualmente;
• Semi mecanizado: o corte, o enleiramento e o
recolhimento das plantas são, geralmente, manuais, e o
trilhamento, mecanizado;
• Mecanizado: todas as operações são feitas à máquina
23/10/2015
12
Colheita e pós-colheita
• Pós colheita:
• Natural: consiste em utilizar o calor e o vento para a
secagem;
• Artificial: com a utilização de equipamentos (secadores)
especialmente projetados para esse fim.
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
Denifer Teixeira
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
Killer Max
 
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do AmendoimConhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Wilgner Landemberger
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
Josimar Oliveira
 
Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)
Portal Canal Rural
 
Relatorio aureo
Relatorio aureoRelatorio aureo
Relatorio aureo
Portal Canal Rural
 
Goiaba
GoiabaGoiaba
Goiaba
josesebrian
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
Killer Max
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
Killer Max
 
Oriental comtec235
Oriental comtec235Oriental comtec235
Oriental comtec235
Cléoma Guimarães
 
A cultura da manga
A cultura da mangaA cultura da manga
A cultura da manga
Nevio Carlos de Alarcão
 
Aula 3 do preparo do solo ao corte da cana
Aula 3  do preparo do solo ao corte da canaAula 3  do preparo do solo ao corte da cana
Aula 3 do preparo do solo ao corte da cana
Dr. Matrículas Edivaldo
 
Apresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slideApresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slide
Sementes Agromax Ltda
 
Arquivo do agrônomo como a soja desenvolve
Arquivo do agrônomo   como a soja desenvolveArquivo do agrônomo   como a soja desenvolve
Arquivo do agrônomo como a soja desenvolve
gersonagronomia
 
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Antonio Davi Vaz Lima
 
Forragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminárioForragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminário
UNICAP
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
Sabrina Nascimento
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuáriaantonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
ANTONIO INACIO FERRAZ
 

Mais procurados (20)

Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
 
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do AmendoimConhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Cultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeiraCultivo de mandioca macaxeira
Cultivo de mandioca macaxeira
 
Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)Relatorio aureo (1)
Relatorio aureo (1)
 
Relatorio aureo
Relatorio aureoRelatorio aureo
Relatorio aureo
 
Goiaba
GoiabaGoiaba
Goiaba
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
 
Oriental comtec235
Oriental comtec235Oriental comtec235
Oriental comtec235
 
A cultura da manga
A cultura da mangaA cultura da manga
A cultura da manga
 
Aula 3 do preparo do solo ao corte da cana
Aula 3  do preparo do solo ao corte da canaAula 3  do preparo do solo ao corte da cana
Aula 3 do preparo do solo ao corte da cana
 
Apresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slideApresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slide
 
Arquivo do agrônomo como a soja desenvolve
Arquivo do agrônomo   como a soja desenvolveArquivo do agrônomo   como a soja desenvolve
Arquivo do agrônomo como a soja desenvolve
 
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
 
Forragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminárioForragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminário
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Pessegueiro
 
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuáriaantonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
antonio inacio ferraz-Cana de açucar 4-técnico em agropecuária
 

Semelhante a G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)

Slide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptxSlide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptx
IvanildoCalixto3
 
Resumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produçãoResumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produção
Michele Varela Greggio
 
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
Antonio Inácio Ferraz
 
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdfaula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
Janielly Costa
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
UFV
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Kalliany Kellzer
 
III conservacao
III conservacaoIII conservacao
Sistemas de cultivo
Sistemas de cultivoSistemas de cultivo
Sistemas de cultivo
Wilian Dias
 
Pronto
ProntoPronto
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
IFMT - Campus Juína
 
Formação de pastagens
Formação de pastagensFormação de pastagens
Formação de pastagens
Francisco Santos
 
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Ítalo Arrais
 
Tomate e cenoura
Tomate e cenouraTomate e cenoura
Tomate e cenoura
Letícia Costa
 
1206019480 germinados
1206019480 germinados1206019480 germinados
1206019480 germinados
Pelo Siro
 
A agricultura
A agriculturaA agricultura
A agricultura
flaviocosac
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Revista Cafeicultura
 
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
Marcio Claro de Oliveira
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
Philipe Assunção
 
Planejamento do viveiro de mudas florestais
Planejamento do viveiro de mudas florestaisPlanejamento do viveiro de mudas florestais
Planejamento do viveiro de mudas florestais
andersonwebler1
 

Semelhante a G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1) (20)

Slide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptxSlide-Couve.pptx
Slide-Couve.pptx
 
Resumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produçãoResumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produção
 
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
 
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdfaula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
aula 6 - sisemas de preparo do solo.pdf
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
 
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas ForrageirasConsorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
Consorciação e Conservação de Plantas Forrageiras
 
III conservacao
III conservacaoIII conservacao
III conservacao
 
Sistemas de cultivo
Sistemas de cultivoSistemas de cultivo
Sistemas de cultivo
 
Pronto
ProntoPronto
Pronto
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
 
Formação de pastagens
Formação de pastagensFormação de pastagens
Formação de pastagens
 
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
 
Tomate e cenoura
Tomate e cenouraTomate e cenoura
Tomate e cenoura
 
1206019480 germinados
1206019480 germinados1206019480 germinados
1206019480 germinados
 
A agricultura
A agriculturaA agricultura
A agricultura
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
 
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
 
Planejamento do viveiro de mudas florestais
Planejamento do viveiro de mudas florestaisPlanejamento do viveiro de mudas florestais
Planejamento do viveiro de mudas florestais
 

Último

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 

Último (20)

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 

G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)

  • 1. 23/10/2015 1 Sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro Anna Carolinne Silva Marielle Harnisch Natália Justino Raphaela Cristine Características Ordem Poales Família Poaceae Gênero Oryza • É a terceira maior cultura cerealífera do mundo; • O ciclo de desenvolvimento: plântula, vegetativa e reprodutiva; • Duas formas de cultivo: Inundado e Sequeiro Histórico • Origem no sudeste da Ásia; • Cultivado desde o ano 3.000 a.C.; • Ano Internacional do Arroz (2004); • Cerca de 90% do arroz mundial é produzido e consumido nos países asiáticos; • O Brasil também se destaca por sua participação no fornecimento do produto.
  • 2. 23/10/2015 2 ARROZ SEQUEIROARROZ INUNDADO ARROZ INUNDADO Zoneamento Agroclimático • Temperatura; • não semear antes da temperatura média diária do solo, a 5cm de profundidade, atingir em torno de 20ºC; • usar cultivares mais tolerantes, principalmente nas regiões mais problemáticas; • efetuar a semeadura de modo que as fases críticas da planta coincidam com os períodos de menor probabilidade de ocorrência do frio; • Radiação Solar
  • 3. 23/10/2015 3 Solo, adubação e calagem • Os solos para arroz inundado são geralmente de drenagem naturalmente deficiente; • Tipos de solo: • Planossolos; • Gleissolos; • Chernossolos; • Plintossolos; • Vertissolos; • Organossolos; • Cambissolos; • Espodossolos e Neossolos Solo, adubação e calagem • No cultivo de arroz inundado a calagem é feita para reduzir os efeitos prejudiciais da toxidez por ferro; • A adubação é feita por adição de nitrogênio, fósforo e potássio. Irrigação e drenagem • A quantidade de água exigida para o cultivo de arroz é o somatório da água necessária para saturar o solo, formar uma lâmina, compensar a evapotranspiração e repor as perdas por percolação vertical, as perdas laterais e dos canais de irrigação; • Para suprir a necessidade de água durante o ciclo recomendam-se a utilização de vazões contínuas; • A drenagem é feita quando a maioria dos grãos tiver alcançado o estado pastoso;
  • 4. 23/10/2015 4 Sistemas de Plantio • Sistema convencional • Cultivo mínimo • Plantio direto • Pré germinado • Mix • Transplante de mudas Sistemas de Plantio Os sistemas de cultivo utilizados na cultura do arroz irrigado diferenciam-se, basicamente, quanto: • Forma de preparo do solo • Métodos de semeadura • Manejo inicial da água
  • 5. 23/10/2015 5 Sistema Convencional • O sistemaconvencional, consiste em operaçõesmais profundas, normalmente realizadas com arado, que visam principalmente o rompimentode camadas compactadas e a eliminação e/ouenterriodacobertura vegetal. No preparo secundário, as operações são mais superficiais, utilizando se grades ouplainas para nivelar, destorroar, destruir crostas superficiais, incorporar agroquímicos e eliminar plantas daninhas no início do seudesenvolvimento, criando assim um ambiente favorável à germinação, emergênciae desenvolvimento da culturaimplantada. Convém ressaltar que todas essas atividades concorrem paraa deformação daestruturado solo. No sistemaconvencional asemeaduraé realizada a lanço ouem linha. Cultivo mínimo • O cultivo mínimo é o sistema no qual se utiliza menor mobilização do solo, quando comparado ao sistema convencional. No caso da cultura do arroz irrigado, os trabalhos de preparo do solo tanto podem ser realizados no verão como no final do inverno e início da primavera, sendo, neste último caso, com uma antecedência mínima que permita a formação de uma cobertura vegetal. Por ocasião do preparo do solo é conveniente que se faça também o entaipamento, com taipas de base larga e de perfil baixo. Esse tipo de taipa, desde que bem construída, pode ser transposta por máquinas e tratores sem maiores danos à sua estrutura. Dessa forma, a semeadura do arroz pode ser realizada sobre a taipa previamente construída, uma vez que existem máquinas com dispositivos que permitem tal procedimento. A semeadura é realizada diretamente sobre a cobertura vegetal previamente dessecada com herbicida, sem o revolvimento do solo. Desta forma, a incidência de plantas daninhas, principalmente arroz vermelho, é bastante reduzida Plantio Direto Princípios básicos: • A mínima movimentação do solo; • A permanente cobertura do solo; • A prática de rotação de culturas.
  • 6. 23/10/2015 6 Sistema pré germinado • Este sistemacaracteriza-se pelouso de sementes pré-germinadas em solopreviamente inundado. Há necessidade da formação de lama, nivelamento e alisamento. • Primeira fase:camada superficialpara a formação de lama, podendoser realizada em solo seco composteriorinundação ou emsolo já inundado. • As principais técnicas • aração emsolo úmido, seguida de destorroamento sob inundaçãocom enxada rotativa • aração seguida de destorroamento comgrade de disco ou enxada rotativa em solo seco • uso de enxada rotativa semaração,preferencialmente emsolo inundado, semdeixar restos de plantasdaninhas. • A segunda fase compreende o renivelamento e o alisamento do terreno próprio para recebera semente pré germinada. Sistema mix • Este sistema é uma variante do sistema pré- germinado. Um dos pontos importantes a ser observado neste sistema é o desenvolvimento da cobertura vegetal. Sistema de transplante de mudas • O método de cultivo por transplante de mudas objetiva a obtenção de sementes de alta qualidade.
  • 7. 23/10/2015 7 Produção de mudas • As mudas são produzidas em caixas, com fundo perfurado (dimensões de 60 cm de comprimento x 30 cm de largura x 5 cm de altura) • O solo a ser utilizado deve apresentar textura franco arenosa, baixo teor de matéria orgânica e ser livre de sementes nocivas. • Após passar por peneiras com abertura de malha de 5 mm, o solo é colocado nas caixas numa espessura de 2,5 cm. • São semeadas em torno de 300 gramas de sementes pré-germinadas por caixa e cobertas com uma camada de solo com 1 cm de espessura. • Após a semeadura, as caixas são irrigadas abundantemente, empilhadas e cobertas com lona plástica por 2 a 4 dias, até a emergência das plântulas. • A duração desta fase varia em função da temperatura. • Quando as plântulas iniciam a emergência, as caixas são espalhadas em um viveiro até a fase de duas folhas (12 a 18 dias). Na ocorrência de doenças nas plântulas, estas devem ser controladas com a aplicação de fungicidas específicos. Transplante • O transplante é feito quando as mudas alcançam de 10 a 12 cm de altura (12 a 18 dias após a semeadura). Esta operação deve ser realizada com a área previamente drenada. • As transplantadoras permite o plantio de 3 a 10 mudas por cova, espaçamentos entre14 e 22 cm entre covas e 30 cm entre linhas. • O rendimento médio de uma transplantadora com 6 linhas é em torno de 3.000 m2 por hora, sendo necessárias 110a130 caixas de mudas por hectare (30 a 40 kg ha-1 de semente). • A inundação permanente deve ser evitada por uns 2 a 3 dias até o pegamento das mudas.
  • 8. 23/10/2015 8 Colheita • A colheita nesse sistema é mecanizada; Pós-colheita • Não submeter o arrozà exposição prolongadaao sol e evitar mantê-lo abafado soba lona do caminhão ou outro transportador, antes de ser submetido àsecagem; • Evitar esperas e/oulongos tempos de carga, realizando o transporte para a unidade de secagem tão logo realize a colheita; • Fazer adequada limpezado transportador, evitando que resíduos de uma carga possam servir como fonte de inóculos paraoutra; • Inspecionar periodicamente o transportador e acarga, para evitar perdas de arrozpor vazamento ou derramamento; • Não usar o mesmo transportador paratransporte simultâneo de grãos de cultivares diferentes, paraevitar misturas varietais. ARROZ SEQUEIRO
  • 9. 23/10/2015 9 Zoneamento Agroclimático • Fotoperíodo; • Temperatura do ar; • Pluviosidade Disponibilidade de água ≈ Rendimento de grãos Solo, adubação e calagem • Produzido em solos do cerrado (Oxissolos); • Pouco férteis e ácidos • Adubação é feita para aumentar a taxa de nitrogênio (N), o fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca), magnésio (Mg) e zinco (Zn). • O pH adequado está em torno de 5,5. Irrigação • Distribuição irregular das chuvas (estiagens de duas a três semanas); • A baixa capacidade de retenção de água dos solos; • SOLUÇÃO: irrigação suplementar por aspersão
  • 10. 23/10/2015 10 Sistemas de Plantio • Sistema de rotação; • Sistema Plantio Direto; • Sistemas de plantio conduzidos em áreas de pastagens; • Sistema de rotação: • Produtividade é maior comparado ao de monocultura; • O preparo do solo é feito com arado de aiveca ou escarificador, aplicados a, aproximadamente, 35 40 cm de profundidade;
  • 11. 23/10/2015 11 • Sistema Plantio Direto: • Possui as mesmas vantagens do sistema de rotação; • Possui maior risco em solos que apresentam limitações ao crescimento radicular; • Favorável a compactação do solo, devido a mecanização agrícola; • Sistemas de plantio conduzidos em áreas de pastagens: • São muito eficientes; • Realiza-se a semeadura do capim após a emergência do arroz ou imediatamente após sua colheita; • É adotado o maquinaria agrícola geralmente disponível na propriedade rural. Colheita e pós-colheita • A colheita pode ser: • Manual: as operações de corte, enleiramento, recolhimento e trilhamento são feitas manualmente; • Semi mecanizado: o corte, o enleiramento e o recolhimento das plantas são, geralmente, manuais, e o trilhamento, mecanizado; • Mecanizado: todas as operações são feitas à máquina
  • 12. 23/10/2015 12 Colheita e pós-colheita • Pós colheita: • Natural: consiste em utilizar o calor e o vento para a secagem; • Artificial: com a utilização de equipamentos (secadores) especialmente projetados para esse fim. OBRIGADA!