SlideShare uma empresa Scribd logo
Manejo de Pastagem
Novembro
2021
1
Samara Sousa Santos
Agronomia - 6° Período
Coordenadora de marketing
Sumário
• O que é
• Objetivos
• Pastagem no Brasil
• Pastagem degradada
• Sistema de pastejo
• Período de descanso e ocupação
• Forrageiras
• Capacidade de suporte
• Integração de cultura
2
Manejo de Patagem
Fonte: Embrapa.
O que é o manejo de pastagem?
É um conjunto de ações que visa obter do
rebanho a maior quantidade de carne e leite
que o animal pode produzir por área, sem
afetar o desenvolvimento da forrageira e a
qualidade do solo.
3
Objetivo
• Manter constante a produção de capim por unidade de área;
• Conservar a qualidade do solo;
• Proporcionar ao animal alimentação em quantidade e qualidade
nutritiva;
• Evitar a degradação da pastagem.
4
Pastagem no Brasil
• 173 milhões de hectares de pastagem;
• 80% apresenta nível de degradação;
• principal e mais barata fonte de alimentação dos rebanhos;
• Durante a seca não garantem, em qualidade e quantidade a alimentação do
rebanho;
• Alternativas tecnológicas;
• Durante o tempo favorável, o único problema é a degradação.
5
Pastagem degradadas
Fonte: Cpt.
Fonte: comprerural.
Fonte: Giro do boi. 6
Pastagem Degradada
• redução progressiva da produtividade de forragem;
• plantas com folhas de menor tamanho;
• planta com sistema radicular comprometido;
• aumento da área de solo descoberto;
• solo com erosão;
• maior presença de plantas invasoras;
• maior susceptibilidade a pragas e doenças.
Como resultado, tem-se uma baixa produtividade animal (carne, leite,
bezerros).
7
Sistemas de pastejo
Contínuo: os animais permanecem na mesma área de pastagem durante todo o ano.
Pontos positivos:
• mão de obra
• Sem a necessidade de alternação de área
Pontos negativos:
• pressão exercida pelos animais sobre a forrageira.
• Em caso de ataque de pragas ou estiagem prolongada, não haveria outras áreas para alocar
os animais.
8
Sistemas de pastejo
Fonte: Agriconline
Rotacionado: a pastagem é subdividida em piquetes (áreas menores) que são utilizados um
em seguida do outro, determinando períodos de ocupação e descanso da pastagem.
9
Sistemas de pastejo
Pontos positivos do pastejo rotacionado:
• Possibilita maior volume de forragem
• Maior valor nutritivo;
• Menor desperdício de forragem;
• Alternância de áreas, melhora a cobertura e diminui a compactação do solo.
10
Sistemas de pastejo
Fonte: Agriconline
Diferido: quando a pastagem é deixada em descanso, sem animais, por algum período
de tempo. O principal motivo é promover o acúmulo de forragem (capim) para o uso
posterior, em geral no período de escassez de forragem
11
Sistema de pastejo
• permite o controle da quantidade e qualidade de forragem disponível;
• sem a interferência dos animais a pastagem se recupera;
• como o pastejo é mais uniforme a forragem é mais bem aproveitada, assim
diminuindo perdas;
• ocorre uma melhor distribuição de excreções dos animais, melhorando a ciclagem
dos nutrientes no solo;
• auxilia no controle das plantas invasoras, já que o sistema proporciona ao pasto
melhores condições de desenvolvimento.
12
Périodo de descanço e ocupação
Fonte: Ipora.ifgoiano
• precipitação
• irrigado ou não
• uso de fertilizantes
• espécie forrageira empregada
• categoria animal
• tamanho de lote
• topografia
• condições do solo
• dentre outros fatores
13
Périodo de descanso e ocupação
A nível de campo, as espécies do gênero Brachiaria e Cynodon em
pastejo rotacionado apresentam altura de entrada média entre 30-40
cm e saída entre 20-25 cm, com período de descanso de 21 a 30 dias.
Já as cultivares do gênero Panicum, exemplo a cultivar Colonião
geralmente apresentam altura de entrada de 80-90 cm e saída de 40-
50 cm e períodos de descanso de 28 a 35 dias.
14
Forrageiras
15
Forrageiras
16
Forrageiras
17
Fonte: Polite
Fonte: Revistaag
Forrageiras
• Podem ser gramíneas ou leguminosas.
• A forragem pode ser plantada e servir para os animais pastarem ou pode ser produzida
e depois colhida para ser servida como alimento, um exemplo é o feno e a silagem.
• Quando um produtor escolhe uma forrageira, ele deve considerar a produtividade e a
qualidade nutritiva que deseja para o seu rebanho.
• Cada uma delas se desenvolve melhor em diferentes ambientes.
18
Forrageiras
Forrageira anual: são aquelas que regeneram-se totalmente durante a estação de
crescimento.
Forrageira perene: são aquelas que se formam durante o primeiro ano, porém seguem
produzindo no ano seguinte
19
Forrageiras
20
Capim Mombaça:
Fonte: Safrasulsementes
Fonte: Embrapa
Fonte: Embrapa
Feijão Guandu :
Capim braquiária:
Capim Elefante :
Fonte: Afe
Auxilio para o produtor
21
Aplicativo Pasto Certo
Sobre o manejo de pastagem
22
23
Capacidade de suporte
É a taxa de lotação em uma pressão de pastejo ótima, durante um período de
tempo definido, no qual se observa a máxima produção animal por área, sem
causar a degradação da pastagem;
• Subpastejo - poucos animais para muito pasto.
• Pastejo ótimo – há equilíbrio entre a produção de forragem e o número de
animais em uma determinada área.
• Superpastejo - há excesso de animais na pastagem. A produção é irregular,
compromete a produção animal e desgasta a pastagem.
24
Integração de cultura
• ILP.
• Estudo da Embrapa Cerrados (DF)
• Pode proporcionar algumas vantagens para o produtor, tais como maior
renda por área, maior diversificação de atividades, menor risco econômico
e menor custo de produção.
• biodiversidade e melhoria da qualidade do solo
25
Integração de cultura
Fonte:embrapabr Fonte: comprerural.
Referências
26
https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CPAF-RO-
2010/14520/1/folderpastagem.pdf
https://www.sementesguinossi.com.br/blog/pastagem/manejo-de-pastagem-conheca-
mais-sobre-essa-pratica/
https://prodap.com.br/pt/blog/manejo-de-pastegam-continuo-alternado-rotacionado
https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/soja/301728-consorcio-de-graos-com-
forrageiras-controla-plantas-daninhas-na-soja
https://www.scielo.br/j/cr/a/nbsHhcVgsQmz7SnHSqVKSYN/?lang=pt
Dúvidas ?
27
Muito Obrigada!
28
Samara Sousa Santos
Samarasousa18@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corteCadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
Tiago Maboni Derlan
 
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Ibá – Indústria Brasileira de Árvores
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
Brunna Silva Moreira
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
JoilsonEcheverria
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Marília Gomes
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
Carlos Robério Maia Bandeira
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Rural Pecuária
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
Evaldo Potma
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
Kelwin Souza
 
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdfManejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
ssuser49dad81
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
Marília Gomes
 
Dimensionamento de silos
Dimensionamento de silosDimensionamento de silos
Dimensionamento de silos
Aurielle Medeiros
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Daniel Staciarini Corrêa
 
Pf&p aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
Pf&p   aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira bPf&p   aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
Pf&p aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
Jefferson Pastuszak
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
Aurielle Medeiros
 
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptxAula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
ThonJovita
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Glaucia Moraes
 
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
equipeagroplus
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Renata Lara
 

Mais procurados (20)

Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corteCadeia produtiva da bovinocultura de corte
Cadeia produtiva da bovinocultura de corte
 
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageiras
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
 
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdfManejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Dimensionamento de silos
Dimensionamento de silosDimensionamento de silos
Dimensionamento de silos
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageiras
 
Pf&p aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
Pf&p   aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira bPf&p   aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
Pf&p aula 1 - 2015 - 1º sem - 5ª feira b
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
 
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptxAula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
 
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
QualiLeiteFunarbe_Capacitação_2016.06.24
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 

Semelhante a Manejo de pastagem 1

Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
Natália A Koritiaki
 
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção OvinaPlanejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Rural Pecuária
 
Aulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.pptAulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.ppt
LeandroGalzerano1
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
Lenildo Araujo
 
Uso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageiraUso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageira
Patricia Epifanio
 
Sistema ILPF
Sistema ILPFSistema ILPF
Sistema ILPF
GETA - UFG
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
Moicano Jason
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
Celtaagro
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
HailtonBarbosadosSan
 
Forragem.ppt
Forragem.pptForragem.ppt
Forragem.ppt
LeandroGalzerano1
 
1206019480 germinados
1206019480 germinados1206019480 germinados
1206019480 germinados
Pelo Siro
 
4
44
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
AmiltonMaia
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
Guilherme MartinsCosta
 
Capim não é mato!.pptx
Capim não é mato!.pptxCapim não é mato!.pptx
Capim não é mato!.pptx
HELIDAFERNANDESLEAO
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
Geagra UFG
 
Girassol: Biodiesel / torta
Girassol: Biodiesel / tortaGirassol: Biodiesel / torta
Girassol: Biodiesel / torta
Leidiane Fernandes
 
Agrocurso cartilha
Agrocurso cartilhaAgrocurso cartilha
Agrocurso cartilha
Portal Canal Rural
 

Semelhante a Manejo de pastagem 1 (20)

Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção OvinaPlanejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
 
Aulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.pptAulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.ppt
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
 
Uso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageiraUso do milheto como forrageira
Uso do milheto como forrageira
 
Sistema ILPF
Sistema ILPFSistema ILPF
Sistema ILPF
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
 
Alimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corteAlimentação para bov de corte
Alimentação para bov de corte
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
 
Forragem.ppt
Forragem.pptForragem.ppt
Forragem.ppt
 
1206019480 germinados
1206019480 germinados1206019480 germinados
1206019480 germinados
 
4
44
4
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
 
Capim não é mato!.pptx
Capim não é mato!.pptxCapim não é mato!.pptx
Capim não é mato!.pptx
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
 
Girassol: Biodiesel / torta
Girassol: Biodiesel / tortaGirassol: Biodiesel / torta
Girassol: Biodiesel / torta
 
Agrocurso cartilha
Agrocurso cartilhaAgrocurso cartilha
Agrocurso cartilha
 

Mais de GETA - UFG

Subdosagem de herbicidas na soja
Subdosagem de herbicidas na sojaSubdosagem de herbicidas na soja
Subdosagem de herbicidas na soja
GETA - UFG
 
Mecanização na horticulltura
Mecanização na horticullturaMecanização na horticulltura
Mecanização na horticulltura
GETA - UFG
 
Manejo do Solo.pptx
Manejo do Solo.pptxManejo do Solo.pptx
Manejo do Solo.pptx
GETA - UFG
 
Apresentação - GETA.pptx
Apresentação - GETA.pptxApresentação - GETA.pptx
Apresentação - GETA.pptx
GETA - UFG
 
Crise dos fertilizantes - apresentação GETA.pptx
Crise dos fertilizantes - apresentação GETA.pptxCrise dos fertilizantes - apresentação GETA.pptx
Crise dos fertilizantes - apresentação GETA.pptx
GETA - UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
GETA - UFG
 
Sistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoSistemas de irrigação
Sistemas de irrigação
GETA - UFG
 
manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
GETA - UFG
 
Café do plantio a colheita
Café do plantio a colheitaCafé do plantio a colheita
Café do plantio a colheita
GETA - UFG
 
CONTROLE BIOLÓGICO
CONTROLE BIOLÓGICOCONTROLE BIOLÓGICO
CONTROLE BIOLÓGICO
GETA - UFG
 
Inseticidas - Carbamatos e Piretróides
Inseticidas - Carbamatos e PiretróidesInseticidas - Carbamatos e Piretróides
Inseticidas - Carbamatos e Piretróides
GETA - UFG
 
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforadoInseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
GETA - UFG
 
Apresentação Inseticidas - Inibidores da Respiração Celular e Neonicotinóides...
Apresentação Inseticidas - Inibidores da Respiração Celular e Neonicotinóides...Apresentação Inseticidas - Inibidores da Respiração Celular e Neonicotinóides...
Apresentação Inseticidas - Inibidores da Respiração Celular e Neonicotinóides...
GETA - UFG
 
Politica externa brasileira_do_agronegocio
Politica externa brasileira_do_agronegocioPolitica externa brasileira_do_agronegocio
Politica externa brasileira_do_agronegocio
GETA - UFG
 
Fungicidas Sistêmicos
Fungicidas SistêmicosFungicidas Sistêmicos
Fungicidas Sistêmicos
GETA - UFG
 
Rotação de Culturas
Rotação de CulturasRotação de Culturas
Rotação de Culturas
GETA - UFG
 
Dinamica do calcio_magnesio_e_enxofre_-_apresentacao_geta
Dinamica do calcio_magnesio_e_enxofre_-_apresentacao_getaDinamica do calcio_magnesio_e_enxofre_-_apresentacao_geta
Dinamica do calcio_magnesio_e_enxofre_-_apresentacao_geta
GETA - UFG
 
Deficiencia Nutricional ou Doença
Deficiencia Nutricional ou DoençaDeficiencia Nutricional ou Doença
Deficiencia Nutricional ou Doença
GETA - UFG
 
Dinâmica do nitrogênio no solo e na planta
Dinâmica do nitrogênio no solo e na plantaDinâmica do nitrogênio no solo e na planta
Dinâmica do nitrogênio no solo e na planta
GETA - UFG
 
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxinaHerbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
GETA - UFG
 

Mais de GETA - UFG (20)

Subdosagem de herbicidas na soja
Subdosagem de herbicidas na sojaSubdosagem de herbicidas na soja
Subdosagem de herbicidas na soja
 
Mecanização na horticulltura
Mecanização na horticullturaMecanização na horticulltura
Mecanização na horticulltura
 
Manejo do Solo.pptx
Manejo do Solo.pptxManejo do Solo.pptx
Manejo do Solo.pptx
 
Apresentação - GETA.pptx
Apresentação - GETA.pptxApresentação - GETA.pptx
Apresentação - GETA.pptx
 
Crise dos fertilizantes - apresentação GETA.pptx
Crise dos fertilizantes - apresentação GETA.pptxCrise dos fertilizantes - apresentação GETA.pptx
Crise dos fertilizantes - apresentação GETA.pptx
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Sistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoSistemas de irrigação
Sistemas de irrigação
 
manejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrialmanejo das principais doenças do tomate industrial
manejo das principais doenças do tomate industrial
 
Café do plantio a colheita
Café do plantio a colheitaCafé do plantio a colheita
Café do plantio a colheita
 
CONTROLE BIOLÓGICO
CONTROLE BIOLÓGICOCONTROLE BIOLÓGICO
CONTROLE BIOLÓGICO
 
Inseticidas - Carbamatos e Piretróides
Inseticidas - Carbamatos e PiretróidesInseticidas - Carbamatos e Piretróides
Inseticidas - Carbamatos e Piretróides
 
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforadoInseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
Inseticidas: reguladores de crescimento e organofosforado
 
Apresentação Inseticidas - Inibidores da Respiração Celular e Neonicotinóides...
Apresentação Inseticidas - Inibidores da Respiração Celular e Neonicotinóides...Apresentação Inseticidas - Inibidores da Respiração Celular e Neonicotinóides...
Apresentação Inseticidas - Inibidores da Respiração Celular e Neonicotinóides...
 
Politica externa brasileira_do_agronegocio
Politica externa brasileira_do_agronegocioPolitica externa brasileira_do_agronegocio
Politica externa brasileira_do_agronegocio
 
Fungicidas Sistêmicos
Fungicidas SistêmicosFungicidas Sistêmicos
Fungicidas Sistêmicos
 
Rotação de Culturas
Rotação de CulturasRotação de Culturas
Rotação de Culturas
 
Dinamica do calcio_magnesio_e_enxofre_-_apresentacao_geta
Dinamica do calcio_magnesio_e_enxofre_-_apresentacao_getaDinamica do calcio_magnesio_e_enxofre_-_apresentacao_geta
Dinamica do calcio_magnesio_e_enxofre_-_apresentacao_geta
 
Deficiencia Nutricional ou Doença
Deficiencia Nutricional ou DoençaDeficiencia Nutricional ou Doença
Deficiencia Nutricional ou Doença
 
Dinâmica do nitrogênio no solo e na planta
Dinâmica do nitrogênio no solo e na plantaDinâmica do nitrogênio no solo e na planta
Dinâmica do nitrogênio no solo e na planta
 
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxinaHerbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
Herbicidas inibidores da_als_protox_e_auxina
 

Último

Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUSCAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdfrepresentações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
EVERALDODEOLIVEIRA2
 

Último (9)

Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUSCAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdfrepresentações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
 

Manejo de pastagem 1

  • 1. Manejo de Pastagem Novembro 2021 1 Samara Sousa Santos Agronomia - 6° Período Coordenadora de marketing
  • 2. Sumário • O que é • Objetivos • Pastagem no Brasil • Pastagem degradada • Sistema de pastejo • Período de descanso e ocupação • Forrageiras • Capacidade de suporte • Integração de cultura 2
  • 3. Manejo de Patagem Fonte: Embrapa. O que é o manejo de pastagem? É um conjunto de ações que visa obter do rebanho a maior quantidade de carne e leite que o animal pode produzir por área, sem afetar o desenvolvimento da forrageira e a qualidade do solo. 3
  • 4. Objetivo • Manter constante a produção de capim por unidade de área; • Conservar a qualidade do solo; • Proporcionar ao animal alimentação em quantidade e qualidade nutritiva; • Evitar a degradação da pastagem. 4
  • 5. Pastagem no Brasil • 173 milhões de hectares de pastagem; • 80% apresenta nível de degradação; • principal e mais barata fonte de alimentação dos rebanhos; • Durante a seca não garantem, em qualidade e quantidade a alimentação do rebanho; • Alternativas tecnológicas; • Durante o tempo favorável, o único problema é a degradação. 5
  • 6. Pastagem degradadas Fonte: Cpt. Fonte: comprerural. Fonte: Giro do boi. 6
  • 7. Pastagem Degradada • redução progressiva da produtividade de forragem; • plantas com folhas de menor tamanho; • planta com sistema radicular comprometido; • aumento da área de solo descoberto; • solo com erosão; • maior presença de plantas invasoras; • maior susceptibilidade a pragas e doenças. Como resultado, tem-se uma baixa produtividade animal (carne, leite, bezerros). 7
  • 8. Sistemas de pastejo Contínuo: os animais permanecem na mesma área de pastagem durante todo o ano. Pontos positivos: • mão de obra • Sem a necessidade de alternação de área Pontos negativos: • pressão exercida pelos animais sobre a forrageira. • Em caso de ataque de pragas ou estiagem prolongada, não haveria outras áreas para alocar os animais. 8
  • 9. Sistemas de pastejo Fonte: Agriconline Rotacionado: a pastagem é subdividida em piquetes (áreas menores) que são utilizados um em seguida do outro, determinando períodos de ocupação e descanso da pastagem. 9
  • 10. Sistemas de pastejo Pontos positivos do pastejo rotacionado: • Possibilita maior volume de forragem • Maior valor nutritivo; • Menor desperdício de forragem; • Alternância de áreas, melhora a cobertura e diminui a compactação do solo. 10
  • 11. Sistemas de pastejo Fonte: Agriconline Diferido: quando a pastagem é deixada em descanso, sem animais, por algum período de tempo. O principal motivo é promover o acúmulo de forragem (capim) para o uso posterior, em geral no período de escassez de forragem 11
  • 12. Sistema de pastejo • permite o controle da quantidade e qualidade de forragem disponível; • sem a interferência dos animais a pastagem se recupera; • como o pastejo é mais uniforme a forragem é mais bem aproveitada, assim diminuindo perdas; • ocorre uma melhor distribuição de excreções dos animais, melhorando a ciclagem dos nutrientes no solo; • auxilia no controle das plantas invasoras, já que o sistema proporciona ao pasto melhores condições de desenvolvimento. 12
  • 13. Périodo de descanço e ocupação Fonte: Ipora.ifgoiano • precipitação • irrigado ou não • uso de fertilizantes • espécie forrageira empregada • categoria animal • tamanho de lote • topografia • condições do solo • dentre outros fatores 13
  • 14. Périodo de descanso e ocupação A nível de campo, as espécies do gênero Brachiaria e Cynodon em pastejo rotacionado apresentam altura de entrada média entre 30-40 cm e saída entre 20-25 cm, com período de descanso de 21 a 30 dias. Já as cultivares do gênero Panicum, exemplo a cultivar Colonião geralmente apresentam altura de entrada de 80-90 cm e saída de 40- 50 cm e períodos de descanso de 28 a 35 dias. 14
  • 18. Forrageiras • Podem ser gramíneas ou leguminosas. • A forragem pode ser plantada e servir para os animais pastarem ou pode ser produzida e depois colhida para ser servida como alimento, um exemplo é o feno e a silagem. • Quando um produtor escolhe uma forrageira, ele deve considerar a produtividade e a qualidade nutritiva que deseja para o seu rebanho. • Cada uma delas se desenvolve melhor em diferentes ambientes. 18
  • 19. Forrageiras Forrageira anual: são aquelas que regeneram-se totalmente durante a estação de crescimento. Forrageira perene: são aquelas que se formam durante o primeiro ano, porém seguem produzindo no ano seguinte 19
  • 20. Forrageiras 20 Capim Mombaça: Fonte: Safrasulsementes Fonte: Embrapa Fonte: Embrapa Feijão Guandu : Capim braquiária: Capim Elefante : Fonte: Afe
  • 21. Auxilio para o produtor 21 Aplicativo Pasto Certo
  • 22. Sobre o manejo de pastagem 22
  • 23. 23 Capacidade de suporte É a taxa de lotação em uma pressão de pastejo ótima, durante um período de tempo definido, no qual se observa a máxima produção animal por área, sem causar a degradação da pastagem; • Subpastejo - poucos animais para muito pasto. • Pastejo ótimo – há equilíbrio entre a produção de forragem e o número de animais em uma determinada área. • Superpastejo - há excesso de animais na pastagem. A produção é irregular, compromete a produção animal e desgasta a pastagem.
  • 24. 24 Integração de cultura • ILP. • Estudo da Embrapa Cerrados (DF) • Pode proporcionar algumas vantagens para o produtor, tais como maior renda por área, maior diversificação de atividades, menor risco econômico e menor custo de produção. • biodiversidade e melhoria da qualidade do solo
  • 28. Muito Obrigada! 28 Samara Sousa Santos Samarasousa18@gmail.com