SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Antropologia da Alimentação
ANTROPOLOGIA
ANTROPOLOGIA – NOÇÕES INTRODUTÓRIAS
A palavra antropologia remete à noção de
estudo do homem. Etimologicamente:
antrophos = homem / logos = estudo.
Ciência que estuda a espécie humana
levando em consideração os aspectos da
cultura e da organização social específicos
a cada grupo humano pesquisado.
ASPECTOS
a) Natural: busca o conhecimento
psicossomático do homem; sua evolução,
características fisiológicas e anatômicas –
Ciência Natural.
b) Humano: investigação global envolvendo
História, crença, Arte, linguagem,
costumes, usos, Filosofia etc.) – Ciência
Humana;
c) Social: compreende o homem enquanto
integrante de um grupo (sociedade,
comunidade etc.) – Ciência Social.
OBJETO DA ANTROPOLOGIA
É o homem em sua completude de
relações (sociais, humanas e naturais).
O objetivo do antropólogo é compreender a
sociedade do “outro”, em especial as
sociedades consideradas primitivas ou com um
modo de vida tradicional.
Cada escola antropológica dará maior ênfase a
um aspecto específico, localizando-o como
objeto de suas análises. Inicialmente (séc. XIX), o
objeto de estudo preferencial eram as cidades
chamadas de primitivas. Posteriormente, (séc.
XX) houve uma ampliação para abarcar o
homem independentemente da sociedade ou da
época.
SURGIMENTO
DA
ANTROPOLOGIA
PERÍODO CARACTERÍSTICAS
400 a.C. a
400 d.C.
Preocupação antropológica fundada por Sócrates. A Filosofia passa a analisar
o homem em busca da verdade e suas relações com o outro.
400 d.C. a
1500 d.C.
Santo Agostinho e posteriormente São Tomás de Aquino retomam os
estudos filosóficos oriundos da Antiguidade Clássica e voltam a se preocupar
com o homem em suas características físicas e metafísicas. Agora, o objetivo
é justificar a fé; comprovar a existência de Deus de maneira racional.
1500 d.C. a
1700 d.C.
O expansionismo e as grandes navegações fazem com que os Europeus
tenham contato com povos absolutamente desconhecidos. Surge o interesse
em analisar e compreender o outro tendo em vista possíveis vantagens
econômicas.
1700 d.C. a
1800 d.C.
O Renascimento associado à Revolução Francesa e à Revolução Industrial
(inglesa) abre o caminho para o surgimento de novas ciências humanas tais
como a Sociologia e a Antropologia. Ainda que as mesmas se apresentem em
uma forma embrionária (de formação de suas metodologias e consolidação
de seus objetos).
1800 d.C.
Até hoje
Surgimento da Antropologia Científica que buscou substituir
posicionamentos fundamentados em preconceitos e em dados
metodologicamente inválidos pela análise científica baseada em estudos de
campo.
ANTROPOLOGIA E ALIMENTAÇÃO
Ambas as ciências estão intimamente
ligadas por partilharem o mesmo objeto de
estudos: o homem e suas relações com a
natureza e com outros homens.
Apesar da comunicação gerada pelo
objeto, seus métodos e funções são
bastantes distintos.
A Antropologia se enquadra no campo das
ciências zetéticas, pois seus postulados
primários são passíveis de revisão e
questionamentos.
Não se trata de aceitar ou não uma
verdade imposta ou basilar, mas de
formular questões e buscar respostas e
explicações para determinados fenômenos
humanos a partir de uma metodologia que
garanta cientificidade às conclusões.
SUBDIVISÕES E MÉTODOS
Dada a sua extensão e natureza dos
fenômenos estudados, a Antropologia se
divide em dois grandes grupos:
a) Antropologia física;
b) Antropologia cultural.
ANTROPOLOGIA FÍSICA
É a parte da Antropologia que guarda a
maior afinidade com as ciências naturais.
Aquela que se preocupa com as
características biológicas e fisiológicas do
homem, tanto quanto com sua evolução e
particularidades raciais.
SUBDIVISÕES OBJETIVO
Paleontologia
Humana
Estuda o homem a partir dos vestígios preservados (fósseis).
Por seu intermédio, é possível obter informações como a
idade do fóssil, causa da morte, condições de vida na época
etc.
Somatologia Estudo do corpo do homem. Busca de variedades físicas por
meio de comparações.
Raciologia Estudo e delimitação de raças. Preocupa-se com a
classificação humana (em raças) e com modificações raciais
causadas pelo contato com outras raças (miscigenação).
Também objetiva construir o que poderia ser chamado de
história das raças.
Antropometria Também consiste no estudo do corpo humano, mas com um
recorte bastante específico. Trata-se da busca pelas medidas
do corpo (tamanho do crânio, peso etc.) de tal sorte a
fomentar análises comparativas.
ANTROPOLOGIA CULTURAL
É o estudo do homem enquanto criador e
criatura de seu meio social. Trata-se do
campo mais amplo da Antropologia, posto
que objetiva a análise do comportamento
cultural humano em diferentes culturas e
tempos. Subdivide-se em diversas áreas:
Arqueologia, Etnografia, Etnologia,
Linguística e Folclore.
ARQUEOLOGIA
É o estudo de culturas
extintas por meio de
vestígios que, de alguma
maneira, foram
preservados ao longo dos
anos.
As pinturas rupestres são objetos de
estudos da Arqueologia
ETNOGRAFIA
É a descrição de sociedade humanas,
realizadas por meio da observação e
análise de particularidades encontradas
em grupos, visando sua reconstrução e
registro. Tais dados embasam
cientificamente teorias acerca da
sociedade estudada e de outras que
possam ser comparadas a esta.
Hans Staden (de barba, no centro, ao fundo) observa ritual antropofágico entre tupinambás.
ETNOLOGIA
É a análise e interpretação dos dados
fornecidos pelo etnógrafo tendo em vista
estabelecer comparações entre as mais
distintas culturas. Tais comparações podem
se operar no todo, porém, normalmente
apenas alguns aspectos são comparados,
evitando generalizações que dificilmente
retratariam a realidade destas sociedades.
LINGUÍSTICA
É o estudo científico das línguas. Trata-se
de um complexo que interfere na forma
como os indivíduos, em determinada
cultura, pensam e agem.
FOLCLORE
É o estudo da cultura espontânea de um
grupo materializada em eventos (festas
populares, cantigas, danças, lendas etc.),
que de alguma forma quebram a rotina
restrita (mas integram a ampla) de
determinada sociedade. São fenômenos
indissociáveis e característicos de uma
cultura específica.
EXEMPLOS DE FOLCLORE
Da Cultura Brasileira
em sentido amplo
podemos citar:
Bumba meu boi,
Bonecos de Olinda,
Frevo, Festa do
Divino, Folia de
Reis, Maracatu etc. Bonecos de Olinda
ANTROPOLOGIA SOCIAL
É o estudo dos processos culturais de
cunho social com ênfase às instituições.
Busca-se o conhecimento das relações
sociais em todos os âmbitos (familiar,
econômico, jurídico e político) e o
entendimento de quais regras se ocultam e
estruturam tais relações.
CULTURA E PERSONALIDADE
É o ramo da Antropologia cultural que se
ocupa precipuamente da personalidade
individual, atribuindo-lhes status de objeto
de estudo enquanto meio de compreensão
sociocultural.
MÉTODOS DE ESTUDO ANTROPOLÓGICO
MÉTODO CARACTERÍSTICAS
Histórico Busca de causas e explicações para determinada
ocorrência social em outras que incidiram
anteriormente. Reconstrução cultural a partir da
qual se observam as modificações culturais
sofridas
Estatístico Perquirição de significados e interpretações de
fenômenos específicos por meio da análise
quantitativa dos dados.
Etnográfico Coleta e descrição exaustiva de dados por meio da
observação.
Etnológico Análise de dados coletados na Etnografia a partir
da qual se estabelecem comparações entre
culturas e sociedades distintas.
MÉTODOS DE ESTUDO ANTROPOLÓGICO
MÉTODO CARACTERÍSTICAS
Monográfico Estudo aprofundado e complexo acerca de um
caso específico que pode, por indução, revelar
características culturais gerais.
Genealógico Estudo da estrutura familiar e suas relações
internas com vistas à influência destas na cultura
e na sociedade como um todo.
Funcionalista Análise que pressupõe que cada unidade da
cultura tem uma função. A partir desta premissa,
objetiva determinar e descrever tais funções.
ESCOLAS ANTROPOLÓGICAS
EVOLUCIONISMO
Para os evolucionistas,
todas as sociedades
partes de um mesmo
ponto original e se
desenvolvem passando
necessariamente pelos
mesmos estágios.
PRINCÍPIOS ANALÍTICOS
Os antropólogos evolucionistas partiam de
algumas premissas, para os seus estudos,
como as que seguem:
a) Existe apenas uma espécie humana, que
se desenvolveu em ritmos diferentes
gerando sociedades mais ou menos
evoluídas. (Sucessão unilinear);
b) Os europeus são os mais evoluídos
(etnocentrismo) e outras sociedades
estariam no equivalente à infância ou à
adolescência em relação à civilização
europeia;
c) Todo dado observado corresponde a um
suposto estágio da evolução, já que o
processo de evolução é o mesmo para
todos só diferindo o estágio de cada
sociedade;
d) Há três estágios da evolução pelos quais
todas as sociedades passam: selvageria,
barbárie e civilização;
e) Não há nenhuma predisposição que
condicione o indivíduo.
ESCOLAS ANTROPOLÓGICAS
DIFUSIONISMO
Escola antropológica que vigorou por um
curto período (1900-1930) percebendo seu
apogeu na década de 20.
O nome da escola é oriundo do termo
inglês diffuse que significa disseminar,
difundir.
Os difusionistas acreditavam que as
culturas possuíam uma pequena
capacidade de autoinovação e que suas
modificações decorriam principalmente da
influência de outras culturas. Assim sendo,
o desenvolvimento, alteração ou
manutenção de uma dada cultura
dependeria de uma maior ou menor
ocorrência da difusão cultural.
Difusão cultural é o nome dado
ao processo no qual se operam
os empréstimos e influências de
uma cultura em outra.
ESCOLAS ANTROPOLÓGICAS
FUNCIONALISMO
Para a antropologia funcionalista, o antropólogo deve conviver
um tempo com a sociedade e estudar para compreendê-la.
Seu objeto é o funcionamento dos
elementos componentes da cultura em
determinado momento.
Princípios analíticos:
a) Cada elemento na cultura apresenta
uma função que está sempre relacionada à
satisfação de uma necessidade biológica
(teoria das necessidades);
b) O elemento persiste inalterado quanto
não surge outro que desempenhe a
mesma função de maneira mais adequada
às necessidades existentes no momento;
c) Em surgindo elementos mais adequado,
o antecessor é descartado, já que não
subsiste, no sistema, a instituição
desprovida da função;
d) Cultura e sociedade são um todo
orgânico no qual as instituições são os
órgãos, ou seja, a sociedade deve ser vista
como um sistema completo;
e) Cabe ao antropólogo a análise do
funcionamento de cada elemento deste
sistema (instituições) e do sistema como
um todo (cultura);
f) O elemento pode ser entendido como
isolado; a cultura deve ser entendida
enquanto conjunto de elementos
constitutivos;
g) Funcionamento e elemento se
modificam com o tempo, mas os sistemas
são estáveis, ou seja, as sociedades
tradicionais não apresentam conflitos.
ESCOLAS ANTROPOLÓGICAS
CONFIGURACIONISMO
Objeto: A busca pela individualidade,
personalidade ou especificidade das
culturas.
Princípios Analíticos:
a) As culturas são constituídas pela
influência e empréstimos de outras;
b) Apesar disso, cada qual se apresenta de
maneira singular; possui uma
individualidade;
c) Todo comportamento cultural é
simbólico, ou seja, significa algo além da
mera ação em si;
d) As investigações devem ser basear em
pesquisa de campo a partir da observação
de casos concretos.
ESCOLAS ANTROPOLÓGICAS
ESTRUTURALISMO
É preciso desvendar as estruturas sociais e os símbolos, assim como as
relações estabelecidas entre eles e os indivíduos.
O objeto preferencial dos estruturalistas é
o conjunto de relações sociais constitutivas
dos modelos com os quais se tornará
possível analisar a estrutura social.
Para conhecer uma cultura seria necessário
compreender as suas estruturas sociais. E
não é possível observar as referidas
estruturas, mas somente seus efeitos.
b) Apesar disso, cada qual se apresenta de
maneira singular; possui uma
individualidade;
c) Todo comportamento cultural é
simbólico, ou seja, significa algo além da
mera ação em si;
d) As investigações devem ser basear em
pesquisa de campo a partir da observação
de casos concretos.
Estrutura é o nome dado ao conjunto
de relações sociais específicas de uma
determinada organização da
produção para a vida em grupo. Deve
se comportar como um sistema
fechado no qual a modificação de um
elemento altere todos os demais.
Exemplos: Relações de parentesco,
religiosidade, produção etc.
Princípios Analíticos:
a) Toda estrutura é uma combinação de
elementos, não sendo possível conhecer
uma estrutura por meio de outras;
b) Toda estrutura é um conjunto
determinado de relações organizados por
regras internas passíveis de alteração;
c) A união de estruturas forma sistema
sociais complexos;
d) Devem-se empregar modelos eficazes
para a análise cultural;
e) Modelo eficaz é aquele capaz de explicar
todos os fatos observados em seu âmbito e
de prever o resultado da alteração de um
elemento no sistema.
Bibliografia:
1. GONZAGA, Álvaro de Azevedo; Campitelli. Vade Mecum
Humanístico. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.
2. KÜMPEL, Vitor Frederico. Manual de antropologia jurídica de
acordo com o provimento N. 136/2009. São Paulo: Saraiva.
3. PAULINO, Gustavo Smizmaul. Roteiros jurídicos -
antropologia jurídica. São Paulo: Saraiva
4. MARCONI, Marina de Andrade. Antropologia: uma
introdução. São Paulo: Atlas.
5. MATTA, Roberto da. Relativizando: uma introdução à
antropologia social. Petrópolis: Vozes

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação

Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica. Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica.
Direito2012sl08
 
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Claudia araujo
 
Antropologia -introdução_e_e_conceito[1]
Antropologia  -introdução_e_e_conceito[1]Antropologia  -introdução_e_e_conceito[1]
Antropologia -introdução_e_e_conceito[1]
Carlos Vieira
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e Educação
Clarim Natal
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
danielaleite59
 

Semelhante a Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação (20)

ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
 
Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica. Antropologia jurídica.
Antropologia jurídica.
 
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
 
Apresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.ppt
Apresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.pptApresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.ppt
Apresentação em Aula 1 Antropologia versão 97-2003.ppt
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
 
Fainte Antropologia.pdf
Fainte Antropologia.pdfFainte Antropologia.pdf
Fainte Antropologia.pdf
 
Antropologia da educação
Antropologia da educaçãoAntropologia da educação
Antropologia da educação
 
Cienciassociais
CienciassociaisCienciassociais
Cienciassociais
 
Antro cult lucas
Antro cult lucasAntro cult lucas
Antro cult lucas
 
introdução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptxintrodução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptx
 
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaAula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
 
Antropologia -introdução_e_e_conceito[1]
Antropologia  -introdução_e_e_conceito[1]Antropologia  -introdução_e_e_conceito[1]
Antropologia -introdução_e_e_conceito[1]
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e Educação
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
 
Antropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptAntropologia (1).ppt
Antropologia (1).ppt
 
Ciencias humanas
Ciencias humanasCiencias humanas
Ciencias humanas
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Apostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticosApostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticos
 
Antropologia cultural
Antropologia culturalAntropologia cultural
Antropologia cultural
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação

  • 2. ANTROPOLOGIA – NOÇÕES INTRODUTÓRIAS A palavra antropologia remete à noção de estudo do homem. Etimologicamente: antrophos = homem / logos = estudo. Ciência que estuda a espécie humana levando em consideração os aspectos da cultura e da organização social específicos a cada grupo humano pesquisado.
  • 3. ASPECTOS a) Natural: busca o conhecimento psicossomático do homem; sua evolução, características fisiológicas e anatômicas – Ciência Natural. b) Humano: investigação global envolvendo História, crença, Arte, linguagem, costumes, usos, Filosofia etc.) – Ciência Humana; c) Social: compreende o homem enquanto integrante de um grupo (sociedade, comunidade etc.) – Ciência Social.
  • 4. OBJETO DA ANTROPOLOGIA É o homem em sua completude de relações (sociais, humanas e naturais).
  • 5. O objetivo do antropólogo é compreender a sociedade do “outro”, em especial as sociedades consideradas primitivas ou com um modo de vida tradicional. Cada escola antropológica dará maior ênfase a um aspecto específico, localizando-o como objeto de suas análises. Inicialmente (séc. XIX), o objeto de estudo preferencial eram as cidades chamadas de primitivas. Posteriormente, (séc. XX) houve uma ampliação para abarcar o homem independentemente da sociedade ou da época.
  • 7. PERÍODO CARACTERÍSTICAS 400 a.C. a 400 d.C. Preocupação antropológica fundada por Sócrates. A Filosofia passa a analisar o homem em busca da verdade e suas relações com o outro. 400 d.C. a 1500 d.C. Santo Agostinho e posteriormente São Tomás de Aquino retomam os estudos filosóficos oriundos da Antiguidade Clássica e voltam a se preocupar com o homem em suas características físicas e metafísicas. Agora, o objetivo é justificar a fé; comprovar a existência de Deus de maneira racional. 1500 d.C. a 1700 d.C. O expansionismo e as grandes navegações fazem com que os Europeus tenham contato com povos absolutamente desconhecidos. Surge o interesse em analisar e compreender o outro tendo em vista possíveis vantagens econômicas. 1700 d.C. a 1800 d.C. O Renascimento associado à Revolução Francesa e à Revolução Industrial (inglesa) abre o caminho para o surgimento de novas ciências humanas tais como a Sociologia e a Antropologia. Ainda que as mesmas se apresentem em uma forma embrionária (de formação de suas metodologias e consolidação de seus objetos). 1800 d.C. Até hoje Surgimento da Antropologia Científica que buscou substituir posicionamentos fundamentados em preconceitos e em dados metodologicamente inválidos pela análise científica baseada em estudos de campo.
  • 8. ANTROPOLOGIA E ALIMENTAÇÃO Ambas as ciências estão intimamente ligadas por partilharem o mesmo objeto de estudos: o homem e suas relações com a natureza e com outros homens. Apesar da comunicação gerada pelo objeto, seus métodos e funções são bastantes distintos.
  • 9. A Antropologia se enquadra no campo das ciências zetéticas, pois seus postulados primários são passíveis de revisão e questionamentos. Não se trata de aceitar ou não uma verdade imposta ou basilar, mas de formular questões e buscar respostas e explicações para determinados fenômenos humanos a partir de uma metodologia que garanta cientificidade às conclusões.
  • 10. SUBDIVISÕES E MÉTODOS Dada a sua extensão e natureza dos fenômenos estudados, a Antropologia se divide em dois grandes grupos: a) Antropologia física; b) Antropologia cultural.
  • 11. ANTROPOLOGIA FÍSICA É a parte da Antropologia que guarda a maior afinidade com as ciências naturais. Aquela que se preocupa com as características biológicas e fisiológicas do homem, tanto quanto com sua evolução e particularidades raciais.
  • 12. SUBDIVISÕES OBJETIVO Paleontologia Humana Estuda o homem a partir dos vestígios preservados (fósseis). Por seu intermédio, é possível obter informações como a idade do fóssil, causa da morte, condições de vida na época etc. Somatologia Estudo do corpo do homem. Busca de variedades físicas por meio de comparações. Raciologia Estudo e delimitação de raças. Preocupa-se com a classificação humana (em raças) e com modificações raciais causadas pelo contato com outras raças (miscigenação). Também objetiva construir o que poderia ser chamado de história das raças. Antropometria Também consiste no estudo do corpo humano, mas com um recorte bastante específico. Trata-se da busca pelas medidas do corpo (tamanho do crânio, peso etc.) de tal sorte a fomentar análises comparativas.
  • 13. ANTROPOLOGIA CULTURAL É o estudo do homem enquanto criador e criatura de seu meio social. Trata-se do campo mais amplo da Antropologia, posto que objetiva a análise do comportamento cultural humano em diferentes culturas e tempos. Subdivide-se em diversas áreas: Arqueologia, Etnografia, Etnologia, Linguística e Folclore.
  • 14. ARQUEOLOGIA É o estudo de culturas extintas por meio de vestígios que, de alguma maneira, foram preservados ao longo dos anos. As pinturas rupestres são objetos de estudos da Arqueologia
  • 15. ETNOGRAFIA É a descrição de sociedade humanas, realizadas por meio da observação e análise de particularidades encontradas em grupos, visando sua reconstrução e registro. Tais dados embasam cientificamente teorias acerca da sociedade estudada e de outras que possam ser comparadas a esta.
  • 16. Hans Staden (de barba, no centro, ao fundo) observa ritual antropofágico entre tupinambás.
  • 17. ETNOLOGIA É a análise e interpretação dos dados fornecidos pelo etnógrafo tendo em vista estabelecer comparações entre as mais distintas culturas. Tais comparações podem se operar no todo, porém, normalmente apenas alguns aspectos são comparados, evitando generalizações que dificilmente retratariam a realidade destas sociedades.
  • 18. LINGUÍSTICA É o estudo científico das línguas. Trata-se de um complexo que interfere na forma como os indivíduos, em determinada cultura, pensam e agem.
  • 19. FOLCLORE É o estudo da cultura espontânea de um grupo materializada em eventos (festas populares, cantigas, danças, lendas etc.), que de alguma forma quebram a rotina restrita (mas integram a ampla) de determinada sociedade. São fenômenos indissociáveis e característicos de uma cultura específica.
  • 20. EXEMPLOS DE FOLCLORE Da Cultura Brasileira em sentido amplo podemos citar: Bumba meu boi, Bonecos de Olinda, Frevo, Festa do Divino, Folia de Reis, Maracatu etc. Bonecos de Olinda
  • 21. ANTROPOLOGIA SOCIAL É o estudo dos processos culturais de cunho social com ênfase às instituições. Busca-se o conhecimento das relações sociais em todos os âmbitos (familiar, econômico, jurídico e político) e o entendimento de quais regras se ocultam e estruturam tais relações.
  • 22. CULTURA E PERSONALIDADE É o ramo da Antropologia cultural que se ocupa precipuamente da personalidade individual, atribuindo-lhes status de objeto de estudo enquanto meio de compreensão sociocultural.
  • 23. MÉTODOS DE ESTUDO ANTROPOLÓGICO MÉTODO CARACTERÍSTICAS Histórico Busca de causas e explicações para determinada ocorrência social em outras que incidiram anteriormente. Reconstrução cultural a partir da qual se observam as modificações culturais sofridas Estatístico Perquirição de significados e interpretações de fenômenos específicos por meio da análise quantitativa dos dados. Etnográfico Coleta e descrição exaustiva de dados por meio da observação. Etnológico Análise de dados coletados na Etnografia a partir da qual se estabelecem comparações entre culturas e sociedades distintas.
  • 24. MÉTODOS DE ESTUDO ANTROPOLÓGICO MÉTODO CARACTERÍSTICAS Monográfico Estudo aprofundado e complexo acerca de um caso específico que pode, por indução, revelar características culturais gerais. Genealógico Estudo da estrutura familiar e suas relações internas com vistas à influência destas na cultura e na sociedade como um todo. Funcionalista Análise que pressupõe que cada unidade da cultura tem uma função. A partir desta premissa, objetiva determinar e descrever tais funções.
  • 25. ESCOLAS ANTROPOLÓGICAS EVOLUCIONISMO Para os evolucionistas, todas as sociedades partes de um mesmo ponto original e se desenvolvem passando necessariamente pelos mesmos estágios.
  • 26. PRINCÍPIOS ANALÍTICOS Os antropólogos evolucionistas partiam de algumas premissas, para os seus estudos, como as que seguem: a) Existe apenas uma espécie humana, que se desenvolveu em ritmos diferentes gerando sociedades mais ou menos evoluídas. (Sucessão unilinear);
  • 27. b) Os europeus são os mais evoluídos (etnocentrismo) e outras sociedades estariam no equivalente à infância ou à adolescência em relação à civilização europeia; c) Todo dado observado corresponde a um suposto estágio da evolução, já que o processo de evolução é o mesmo para todos só diferindo o estágio de cada sociedade;
  • 28. d) Há três estágios da evolução pelos quais todas as sociedades passam: selvageria, barbárie e civilização; e) Não há nenhuma predisposição que condicione o indivíduo.
  • 30. Escola antropológica que vigorou por um curto período (1900-1930) percebendo seu apogeu na década de 20. O nome da escola é oriundo do termo inglês diffuse que significa disseminar, difundir.
  • 31. Os difusionistas acreditavam que as culturas possuíam uma pequena capacidade de autoinovação e que suas modificações decorriam principalmente da influência de outras culturas. Assim sendo, o desenvolvimento, alteração ou manutenção de uma dada cultura dependeria de uma maior ou menor ocorrência da difusão cultural.
  • 32. Difusão cultural é o nome dado ao processo no qual se operam os empréstimos e influências de uma cultura em outra.
  • 33. ESCOLAS ANTROPOLÓGICAS FUNCIONALISMO Para a antropologia funcionalista, o antropólogo deve conviver um tempo com a sociedade e estudar para compreendê-la.
  • 34. Seu objeto é o funcionamento dos elementos componentes da cultura em determinado momento. Princípios analíticos: a) Cada elemento na cultura apresenta uma função que está sempre relacionada à satisfação de uma necessidade biológica (teoria das necessidades);
  • 35. b) O elemento persiste inalterado quanto não surge outro que desempenhe a mesma função de maneira mais adequada às necessidades existentes no momento; c) Em surgindo elementos mais adequado, o antecessor é descartado, já que não subsiste, no sistema, a instituição desprovida da função;
  • 36. d) Cultura e sociedade são um todo orgânico no qual as instituições são os órgãos, ou seja, a sociedade deve ser vista como um sistema completo; e) Cabe ao antropólogo a análise do funcionamento de cada elemento deste sistema (instituições) e do sistema como um todo (cultura);
  • 37. f) O elemento pode ser entendido como isolado; a cultura deve ser entendida enquanto conjunto de elementos constitutivos; g) Funcionamento e elemento se modificam com o tempo, mas os sistemas são estáveis, ou seja, as sociedades tradicionais não apresentam conflitos.
  • 38. ESCOLAS ANTROPOLÓGICAS CONFIGURACIONISMO Objeto: A busca pela individualidade, personalidade ou especificidade das culturas. Princípios Analíticos: a) As culturas são constituídas pela influência e empréstimos de outras;
  • 39. b) Apesar disso, cada qual se apresenta de maneira singular; possui uma individualidade; c) Todo comportamento cultural é simbólico, ou seja, significa algo além da mera ação em si; d) As investigações devem ser basear em pesquisa de campo a partir da observação de casos concretos.
  • 40. ESCOLAS ANTROPOLÓGICAS ESTRUTURALISMO É preciso desvendar as estruturas sociais e os símbolos, assim como as relações estabelecidas entre eles e os indivíduos.
  • 41. O objeto preferencial dos estruturalistas é o conjunto de relações sociais constitutivas dos modelos com os quais se tornará possível analisar a estrutura social. Para conhecer uma cultura seria necessário compreender as suas estruturas sociais. E não é possível observar as referidas estruturas, mas somente seus efeitos.
  • 42. b) Apesar disso, cada qual se apresenta de maneira singular; possui uma individualidade; c) Todo comportamento cultural é simbólico, ou seja, significa algo além da mera ação em si; d) As investigações devem ser basear em pesquisa de campo a partir da observação de casos concretos.
  • 43. Estrutura é o nome dado ao conjunto de relações sociais específicas de uma determinada organização da produção para a vida em grupo. Deve se comportar como um sistema fechado no qual a modificação de um elemento altere todos os demais. Exemplos: Relações de parentesco, religiosidade, produção etc.
  • 44. Princípios Analíticos: a) Toda estrutura é uma combinação de elementos, não sendo possível conhecer uma estrutura por meio de outras; b) Toda estrutura é um conjunto determinado de relações organizados por regras internas passíveis de alteração;
  • 45. c) A união de estruturas forma sistema sociais complexos; d) Devem-se empregar modelos eficazes para a análise cultural; e) Modelo eficaz é aquele capaz de explicar todos os fatos observados em seu âmbito e de prever o resultado da alteração de um elemento no sistema.
  • 46. Bibliografia: 1. GONZAGA, Álvaro de Azevedo; Campitelli. Vade Mecum Humanístico. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais. 2. KÜMPEL, Vitor Frederico. Manual de antropologia jurídica de acordo com o provimento N. 136/2009. São Paulo: Saraiva. 3. PAULINO, Gustavo Smizmaul. Roteiros jurídicos - antropologia jurídica. São Paulo: Saraiva 4. MARCONI, Marina de Andrade. Antropologia: uma introdução. São Paulo: Atlas. 5. MATTA, Roberto da. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Petrópolis: Vozes