SlideShare uma empresa Scribd logo
Os livros. A sua cálida,
                                                                terna, serena pele. Amorosa
                             Análise do poema                   companhia. Dispostos sempre
                                                                a partilhar o sol
                « Num exemplar das Geórgicas* »
                                                                das suas águas. Tão dóceis,
                                                                tão calados, tão leais.
                                                                Tão luminosos na sua
                                                                branca e vegetal e cerrada
                                                                melancolia. Amados
                                                                como nenhuns outros companheiros
                                                                da alma. Tão musicais
                                                                no fluvial e transbordante
                                                                ardor de cada dia.

                                                                Eugénio de Andrade
                                                                In Poesia, Rosto Editora, 2011




* Geórgicas: obra literária que tem relação com a agricultura
Análise temática | estrutura interna
                                 Recursos expressivos que dão ênfase à temática do poema
                                  
                                 •   Adjetivação expressiva
                                 •   Qualidade dos livros que possuem uma textura “cálida”, “terna” e “serena” (vv. 1-2)
                                 •   São uma companhia “amorosa”, são “dóceis”, “calados”, “leais”, “luminosos” e
                                     “musicais” (vv. 2, 5-6)
                                 •   Iluminam, dão conhecimento, na sua melancolia “branca e vegetal e cerrada” (v. 8)
                                  
                                 •   Polissíndeto – o uso da conjunção coordenativa copulativa “e” reforça a melancolia –
                                     o caráter harmonioso, aprazível dos livros
                                  
                                 •   Personificação salienta a importância dos livros que adquirem vida para o sujeito
                                     poético: “Tão dóceis,/tão calados, tão leais.” (vv. 5-6)

                                 •    Metáfora que realça o sol como conhecimento inesgotável que emana das suas folhas
Os livros. A sua cálida,
                                      “Dispostos sempre/ a partilhar o sol/ das suas águas.” (vv. 3-5)
terna, serena pele. Amorosa
companhia. Dispostos sempre
a partilhar o sol                •    Comparação situa os livros ao nível do amor do sujeito poético por outros
das suas águas. Tão dóceis,           companheiros “Amados/como nenhuns outros companheiros/da alma” (vv. 9-11)
tão calados, tão leais.
Tão luminosos na sua
branca e vegetal e cerrada       •    O advérbio de intensidade “tão” que acentua o caráter excecional do livro: “Tão
melancolia. Amados                    luminosos”, “Tão musicais” (vv. 7, 11)
como nenhuns outros companheiros  
da alma. Tão musicais            •    Metáfora através da qual se compara cada dia a um curso de água agitado com recurso
no fluvial e transbordante
                                      à dupla adjetivação : “fluvial e transbordante ardor de cada dia” (vv. 12-13) – aí emergem
ardor de cada dia.
                                      os livros que de “tão musicais” (v.11) permitem ao sujeito poético descontrair com uma
Eugénio de Andrade                    melodia suave, fonte de prazer.
Análise formal | estrutura externa



Poema | classificação

•                                                 Os livros. A sua cálida,
    Uma estrofe de 13 versos
                                                  terna, serena pele. Amorosa
•   Versos irregulares quanto à métrica e         companhia. Dispostos sempre
    acentuação:                                   a partilhar o sol
          - Verso hexassílabo agudo:              das suas águas. Tão dóceis,
                                                  tão calados, tão leais.
          “a| par|ti|lhar| o| sol                 Tão luminosos na sua
                                                  branca e vegetal e cerrada
                                                  melancolia. Amados
          - Verso eneassílabo grave:
                                                  como nenhuns outros companheiros
    “co|mo| ne|nhuns| ou|tros| com|pa|nhei|ros”   da alma. Tão musicais
                                                  no fluvial e transbordante
•   Rima irregular                                ardor de cada dia.

                                                  Eugénio de Andrade
Relacionando com outro poema: disposição gráfica
dos versos e tema; relação com o primeiro poema

  Livros

  De quantas árvores
  Se faz um livro…
      Por isso os folheio
             devagar
                                                   -disposição dos versos
                                                  sugere agitação e rumor
  p’ra sentir ainda                               das folhas das árvores e
      nos dedos                                      do folhear do livro
                                                  - em ambos os poemas:
             as folhas macias                     afinidade entre o sujeito
             as folhas rugosas                    poético e os livros, fonte
                                                     de conhecimento e
  E escutar
                                                           prazer.
             o seu rumor.


  In Guardador de Árvores, João Pedro Mésseder,
       Trampolim Edições, 2009
Escrita criativa: constrói poemas com a técnica do ACRÓSTICO




Á
R
V                                           L
O                                           I
R                                           V
E                                           R
                                            O
                                                           © PCA| 2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
Iga Almeida
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Helena Coutinho
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
Cristina Martins
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
domplex123
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
Helena Coutinho
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
Cátia Ramalhinho
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Dina Baptista
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Anabela Fernandes
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
Sofia_Afonso
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
MariaVerde1995
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
Diogo Tavares
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 

Mais procurados (20)

D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 

Destaque

Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
Ana Clara San
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Correcção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativaCorrecção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativa
Diogo Tavares
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
Samuel Neves
 
Orgulho e preconceito mariana afonso
Orgulho e preconceito   mariana afonsoOrgulho e preconceito   mariana afonso
Orgulho e preconceito mariana afonso
fantas45
 
Exercícios de metrificação
Exercícios de metrificaçãoExercícios de metrificação
Exercícios de metrificação
ma.no.el.ne.ves
 
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa OrtónimoSistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
Dina Baptista
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
ESVieira do Minho
 
Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)
guestcb31cc
 
Alberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática AmorAlberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática Amor
Tânia Patrícia
 
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
Higor Lopes Gonçalves
 
O guardador de rebanhos
O guardador de rebanhosO guardador de rebanhos
O guardador de rebanhos
euequesei
 
Poesias fernando pessoa
Poesias fernando pessoaPoesias fernando pessoa
Poesias fernando pessoa
Luciane tonete
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
Leonardo C. Arinelli
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Ricardo Amaral
 
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Ana Isabel Falé
 
Programa da disciplina de Português 12º ano
Programa da disciplina de Português 12º anoPrograma da disciplina de Português 12º ano
Programa da disciplina de Português 12º ano
Dina Baptista
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Ana Isabel Falé
 
Mensagem
MensagemMensagem
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 

Destaque (20)

Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Correcção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativaCorrecção ficha de avaliação formativa
Correcção ficha de avaliação formativa
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
Orgulho e preconceito mariana afonso
Orgulho e preconceito   mariana afonsoOrgulho e preconceito   mariana afonso
Orgulho e preconceito mariana afonso
 
Exercícios de metrificação
Exercícios de metrificaçãoExercícios de metrificação
Exercícios de metrificação
 
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa OrtónimoSistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)Fernando Pessoa(Power Point)
Fernando Pessoa(Power Point)
 
Alberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática AmorAlberto Caeiro - Temática Amor
Alberto Caeiro - Temática Amor
 
Fernando Pessoa
Fernando Pessoa Fernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
O guardador de rebanhos
O guardador de rebanhosO guardador de rebanhos
O guardador de rebanhos
 
Poesias fernando pessoa
Poesias fernando pessoaPoesias fernando pessoa
Poesias fernando pessoa
 
Poemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto CaeiroPoemas de Alberto Caeiro
Poemas de Alberto Caeiro
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
 
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do conventoTópicos de análise do espaço social em memorial do convento
Tópicos de análise do espaço social em memorial do convento
 
Programa da disciplina de Português 12º ano
Programa da disciplina de Português 12º anoPrograma da disciplina de Português 12º ano
Programa da disciplina de Português 12º ano
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 

Semelhante a Analise de poemas

Oficina toninha
Oficina toninhaOficina toninha
Oficina toninha
labteotonio
 
resumo-exame-10oano.pdf
resumo-exame-10oano.pdfresumo-exame-10oano.pdf
resumo-exame-10oano.pdf
AdliaMarques5
 
Musica no feminino
Musica no femininoMusica no feminino
Musica no feminino
Leonorme
 
Conceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poeticaConceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poetica
Ludmiilaa
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
ma.no.el.ne.ves
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesias
klauddia
 
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptxAULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
RenildoLima2
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
ma.no.el.ne.ves
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
Paula Oliveira Cruz
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
eduardo22urbano
 
Revisional de estilos de época 01, quinhentismo
Revisional de estilos de época 01, quinhentismoRevisional de estilos de época 01, quinhentismo
Revisional de estilos de época 01, quinhentismo
ma.no.el.ne.ves
 
cordel - histórico e características.pptx
cordel - histórico e características.pptxcordel - histórico e características.pptx
cordel - histórico e características.pptx
CeaspOliveira
 
A poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeiraA poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeira
ma.no.el.ne.ves
 
Marly de Oliveira: A Suave Pantera
Marly de Oliveira: A Suave PanteraMarly de Oliveira: A Suave Pantera
Marly de Oliveira: A Suave Pantera
Renata Bomfim
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Canastra véia - De Cosme Ferreira Marques
Canastra véia   - De Cosme Ferreira MarquesCanastra véia   - De Cosme Ferreira Marques
Canastra véia - De Cosme Ferreira Marques
Gilberto Dos Santos
 
Canastra véia - Cosme Ferreira Marques
Canastra véia   - Cosme Ferreira MarquesCanastra véia   - Cosme Ferreira Marques
Canastra véia - Cosme Ferreira Marques
Gilberto Dos Santos
 
Canastra véia - Cosme F. Marques
Canastra véia   - Cosme F. MarquesCanastra véia   - Cosme F. Marques
Canastra véia - Cosme F. Marques
Gilberto Dos Santos
 
Parcial gramática e literatura
Parcial gramática e literaturaParcial gramática e literatura
Parcial gramática e literatura
Colégio Parthenon
 
21 de março dia da poesia 2
21 de março dia da poesia 221 de março dia da poesia 2
21 de março dia da poesia 2
auroraoliveira
 

Semelhante a Analise de poemas (20)

Oficina toninha
Oficina toninhaOficina toninha
Oficina toninha
 
resumo-exame-10oano.pdf
resumo-exame-10oano.pdfresumo-exame-10oano.pdf
resumo-exame-10oano.pdf
 
Musica no feminino
Musica no femininoMusica no feminino
Musica no feminino
 
Conceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poeticaConceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poetica
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesias
 
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptxAULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Revisional de estilos de época 01, quinhentismo
Revisional de estilos de época 01, quinhentismoRevisional de estilos de época 01, quinhentismo
Revisional de estilos de época 01, quinhentismo
 
cordel - histórico e características.pptx
cordel - histórico e características.pptxcordel - histórico e características.pptx
cordel - histórico e características.pptx
 
A poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeiraA poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeira
 
Marly de Oliveira: A Suave Pantera
Marly de Oliveira: A Suave PanteraMarly de Oliveira: A Suave Pantera
Marly de Oliveira: A Suave Pantera
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Canastra véia - De Cosme Ferreira Marques
Canastra véia   - De Cosme Ferreira MarquesCanastra véia   - De Cosme Ferreira Marques
Canastra véia - De Cosme Ferreira Marques
 
Canastra véia - Cosme Ferreira Marques
Canastra véia   - Cosme Ferreira MarquesCanastra véia   - Cosme Ferreira Marques
Canastra véia - Cosme Ferreira Marques
 
Canastra véia - Cosme F. Marques
Canastra véia   - Cosme F. MarquesCanastra véia   - Cosme F. Marques
Canastra véia - Cosme F. Marques
 
Parcial gramática e literatura
Parcial gramática e literaturaParcial gramática e literatura
Parcial gramática e literatura
 
21 de março dia da poesia 2
21 de março dia da poesia 221 de março dia da poesia 2
21 de março dia da poesia 2
 

Último

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 

Último (20)

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 

Analise de poemas

  • 1. Os livros. A sua cálida, terna, serena pele. Amorosa Análise do poema companhia. Dispostos sempre a partilhar o sol « Num exemplar das Geórgicas* » das suas águas. Tão dóceis, tão calados, tão leais. Tão luminosos na sua branca e vegetal e cerrada melancolia. Amados como nenhuns outros companheiros da alma. Tão musicais no fluvial e transbordante ardor de cada dia. Eugénio de Andrade In Poesia, Rosto Editora, 2011 * Geórgicas: obra literária que tem relação com a agricultura
  • 2. Análise temática | estrutura interna Recursos expressivos que dão ênfase à temática do poema   • Adjetivação expressiva • Qualidade dos livros que possuem uma textura “cálida”, “terna” e “serena” (vv. 1-2) • São uma companhia “amorosa”, são “dóceis”, “calados”, “leais”, “luminosos” e “musicais” (vv. 2, 5-6) • Iluminam, dão conhecimento, na sua melancolia “branca e vegetal e cerrada” (v. 8)   • Polissíndeto – o uso da conjunção coordenativa copulativa “e” reforça a melancolia – o caráter harmonioso, aprazível dos livros   • Personificação salienta a importância dos livros que adquirem vida para o sujeito poético: “Tão dóceis,/tão calados, tão leais.” (vv. 5-6) • Metáfora que realça o sol como conhecimento inesgotável que emana das suas folhas Os livros. A sua cálida, “Dispostos sempre/ a partilhar o sol/ das suas águas.” (vv. 3-5) terna, serena pele. Amorosa companhia. Dispostos sempre a partilhar o sol • Comparação situa os livros ao nível do amor do sujeito poético por outros das suas águas. Tão dóceis, companheiros “Amados/como nenhuns outros companheiros/da alma” (vv. 9-11) tão calados, tão leais. Tão luminosos na sua branca e vegetal e cerrada • O advérbio de intensidade “tão” que acentua o caráter excecional do livro: “Tão melancolia. Amados luminosos”, “Tão musicais” (vv. 7, 11) como nenhuns outros companheiros   da alma. Tão musicais • Metáfora através da qual se compara cada dia a um curso de água agitado com recurso no fluvial e transbordante à dupla adjetivação : “fluvial e transbordante ardor de cada dia” (vv. 12-13) – aí emergem ardor de cada dia. os livros que de “tão musicais” (v.11) permitem ao sujeito poético descontrair com uma Eugénio de Andrade melodia suave, fonte de prazer.
  • 3. Análise formal | estrutura externa Poema | classificação • Os livros. A sua cálida, Uma estrofe de 13 versos terna, serena pele. Amorosa • Versos irregulares quanto à métrica e companhia. Dispostos sempre acentuação: a partilhar o sol - Verso hexassílabo agudo: das suas águas. Tão dóceis, tão calados, tão leais. “a| par|ti|lhar| o| sol Tão luminosos na sua branca e vegetal e cerrada melancolia. Amados - Verso eneassílabo grave: como nenhuns outros companheiros “co|mo| ne|nhuns| ou|tros| com|pa|nhei|ros” da alma. Tão musicais no fluvial e transbordante • Rima irregular ardor de cada dia. Eugénio de Andrade
  • 4. Relacionando com outro poema: disposição gráfica dos versos e tema; relação com o primeiro poema Livros De quantas árvores Se faz um livro… Por isso os folheio devagar -disposição dos versos sugere agitação e rumor p’ra sentir ainda das folhas das árvores e nos dedos do folhear do livro - em ambos os poemas: as folhas macias afinidade entre o sujeito as folhas rugosas poético e os livros, fonte de conhecimento e E escutar prazer. o seu rumor. In Guardador de Árvores, João Pedro Mésseder, Trampolim Edições, 2009
  • 5. Escrita criativa: constrói poemas com a técnica do ACRÓSTICO Á R V L O I R V E R O © PCA| 2012