SlideShare uma empresa Scribd logo
Fernando Pessoa
Ortónimo e Heterónimos
FERNANDO
PESSOA
Fernando Pessoa
 Fernando António Nogueira Pessoa;
 13 de Junho de 1888 —30 de Novembro de
1935
 Poeta, escritor e tradutor;
 Solitário
 Muito retraído

 Pouca vida amorosa/social
 Bem sucedido
Caraterísticas Temáticas
Identidade perdida
Nostalgia da infância
Dor de viver
Dor de pensar
Ironia
Caraterísticas Temáticas
Tentativa de superação da dor através de:
 Evocação da infância;
 Refúgio no sonho;

 Ocultismo (correspondência entre o visível e o invisível);
 Criação dos heterónimos
Fernando Pessoa – O que me dói não é
O que me dói não é
O que há no coração
Mas essas coisas lindas
Que nunca existirão...
São as formas sem forma
Que passam sem que a dor
As possa conhecer
Ou as sonhar o amor.
São como se a tristeza
Fosse árvore e, uma a uma,
Caíssem suas folhas
Entre o vestígio e a bruma.
Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
Analise interna

O que me dói não é
O que há no coração
Mas essas coisas lindas
Que nunca existirão... Ausência
São as formas sem forma Ocultismo
Que passam sem que a dor
As possa conhecer
Ou as sonhar o amor. Refugio no sonho
São como se a tristeza
Fosse árvore e, uma a uma,
Caíssem suas folhas
Entre o vestígio e a bruma.
Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
Quadra Quadra Quadra

Analise externa
O que me dói não é
O que há no coração
Mas essas coisas lindas
Que nunca existirão...
São as formas sem forma
Que passam sem que a dor
As possa conhecer
Ou as sonhar o amor.
São como se a tristeza
Fosse árvore e, uma a uma,
Caíssem suas folhas
Entre o vestígio e a bruma.

Redondilha menor

Cruzada

Cruzada

Cruzada
Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
ALBERTO CAEIRO
Caraterísticas Temáticas

Objectivismo

Sensacionismo

Anti-metafísico

Panteísmo Naturalista
Caraterísticas estilísticas
 Discurso em verso livre;
 Ausência de preocupações estilísticas;
 Indisciplina
espontâneo;

formal

e

ritmo

lento

mas

 Vocabulário simples e familiar;
 Número reduzido de vocábulos e de classes de
palavras;
 Pouca adjectivação, predomínio de substantivos
concretos, uso de verbos no presente do
indicativo ou no gerúndio;

 Frases predominantemente coordenadas;
 Uso de paralelismos
comparações simples;

de

construção,

de
Alberto Caeiro – Guardador de Rebanhos
O que nós vemos das cousas são as cousas.
Por que veríamos nós uma cousa se houvesse outra?
Por que é que ver e ouvir seriam iludirmo-nos
Se ver e ouvir são ver e ouvir?
O essencial é saber ver,
Saber ver sem estar a pensar,
Saber ver quando se vê,
E nem pensar quando se vê
Nem ver quando se pensa.
Mas isso (tristes de nós que trazemos a alma vestida!),
Isso exige um estudo profundo,
Uma aprendizagem de desaprender
E uma sequestração na liberdade daquele convento
De que os poetas dizem que as estrelas são as freiras eternas
E as flores as penitentes convictas de um só dia,
Mas onde afinal as estrelas não são senão estrelas
Nem as flores senão flores,
Sendo por isso que lhes chamamos estrelas e flores.
RICARDO REIS
Caraterísticas Temáticas
 É um poeta clássico e romântico, da serenidade
epicurista
 Tem crença nos deuses enquanto as nossas emoções e
sentimentos
 Estoicista
Caraterísticas Temáticas

 A filosofia do poeta é de um epicurismo triste
 Ataraxista (tranquilidade
perturbação)
 Carpe Diem

capaz

de

evitar

a
Caraterísticas Temáticas
 Ricardo Reis acredita que a felicidade e a tranquilidade
não é 100% alcançável
 Tem um ideal ético de apatia que permite a ausência da
paixão e a liberdade.
 É um poeta Inexorável
Ricardo Reis – Amor o que vejo
Amo o que vejo porque deixarei
Qualquer dia de o ver.
Amo-o também porque é.
No plácido intervalo em que me sinto,
Do amar, mais que ser,
Amo o haver tudo e a mim.
Melhor me não dariam, se voltassem,
Os primitivos deuses,
Que também, nada sabem.
Ricardo Reis, in "Odes" (Inédito)
Análise Externa
Divisão Métrica

A/mo/ o /que/ ve/jo/ por/que/ dei/xa/rei (Decassílabo)
Estrofes
Tem três estrofes, cada estrofe composta por três versos

chamando-as de Terceto.
Rimas
Este poema é composto por versos soltos e por uma rima
interpolada (“(…) dia de o ver,/(…)mais que ser,”)
Análise Externa
Recursos Estilísticos

Eufemismo (“Amo o que vejo porque deixarei/Qualquer dia
de o ver.”)
Hipérbato (“Melhor não me dariam (…)”)
Hipérbole (“(…) amo o haver tudo e a mim.”)
Perífrase (“No plácido intervalo em que me sinto, (…)”)
Análise Interna
O poema tem como principais características:
 Efemeridade da vida

 A inevitabilidade da morte e por sua vez a sua aceitação
calma e serena da ordem das coisas
ÁLVARO DE
CAMPOS
Biografia
 Nasceu a 15 de Outubro de 1890, em Tavira, por volta das
13:30;
 Altura: 1,75m;
 Magro;
 Cabelo liso pertado ao lado;
 Cara tapada, tipo judeu português;
 Educação vulgar de Liceu;
 Extremo oposto a Ricardo Reis.
Caraterísticas Temáticas

Fase decadentista

Fase
futurista/sensacionista

Fase intimista
e pessoa
Fase decadentista
 Fase de tédio, da abulia e do cansaço
 Procura de novas sensações

“É antes do ópio que a minh'alma é doente.
Sentir a vida convalesce e estiola
E eu vou buscar ao ópio que consola
Um Oriente ao oriente do Oriente. “
Opiário
Fase futurista/sensacionista
Atração pelas máquinas, pelo progresso e pela vida moderna

Sensações provocadas por esta atração

Angústia existencial
Fase futurista/sensacionista

“...
Deixai-me partir a cabeça de encontro às vossas esquinas,
E ser levado da rua cheio de sangue
Sem ninguém saber quem eu sou!”
Ode Triunfal
Fase intimista e pessoa
Apatia, melancólica e abulia, angustia, tédio, cansaço
Encontro com Pessoa ortónimo

 Nostalgia da infância
 Dor de pensar
 Fragmentação do eu
 Angústia existencial
Fase intimista e pessoa
“NÃO: Não quero nada.
Já disse que não quero nada.
Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer. “

Lisbon Revisited (1923)
Álvaro De campos – Ode triunfal
À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica
Tenho febre e escrevo.
Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,
Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.

Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno!
Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria!
Em fúria fora e dentro de mim,
Por todos os meus nervos dissecados fora,
Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto!
Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos,
De os ouvir demasiadamente de perto,
E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso
De expressão contemporâneo de vós, ó máquinas!
Ode triunfal
Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical Grandes trópicos humanos de ferro e fogo e força Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro.
Porque o presente é todo o passado e todo o futuro
E há Platão e Virgílio dentro das máquinas e das luzes eléctricas
Só porque houve outrora e foram humanos Virgílio e Platão,
E pedaços do Alexandre Magno do século talvez cinquenta,
Átomos que hão-de ir ter febre para o cérebro do Ésquilo do século
cem,
Andam por estas correias de transmissão e por estes êmbolos e por
estes volantes,
Rugindo, rangendo, ciciando, estrugindo, ferrejando,
Fazendo-me um excesso de carícias ao corpo numa só carícia à alma.
Ode triunfal

Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime!
Ser completo como uma máquina!
Poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo!
Poder ao menos penetrar-me fisicamente de tudo isto,
Rasgar-me todo, abrir-me completamente, tornar-me passento
A todos os perfumes de óleos e calores e carvões
Desta flora estupenda, negra, artificial e insaciável!
Analise externa e interna
Bárbaro

Quadra

Tenho febre e escrevo.
Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,

Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.

Rima branca

À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica
Nona

Analise externa e interna

Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno!
Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria!
Em fúria fora e dentro de mim,
Por todos os meus nervos dissecados fora,
Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto!
Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos,
De os ouvir demasiadamente de perto,
E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso
De expressão contemporâneo de vós, ó máquinas!

Rima
Cruzada
Irregular

Analise externa e interna
Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical Grandes trópicos humanos de ferro e fogo e força Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro.
Rima
Porque o presente é todo o passado e todo o futuro
Emparelhada
E há Platão e Virgílio dentro das máquinas e das luzes eléctricas
Só porque houve outrora e foram humanos Virgílio e Platão,
E pedaços do Alexandre Magno do século talvez cinquenta,
Átomos que hão-de ir ter febre para o cérebro do Ésquilo do
século cem,
Andam por estas correias de transmissão e por estes êmbolos e
por estes volantes,
Rugindo, rangendo, ciciando, estrugindo, ferrejando,
Fazendo-me um excesso de carícias ao corpo numa só carícia à
alma.
Sétima (redondilha maior)

Analise externa e interna

Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime!
Ser completo como uma máquina!
Poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo!
Poder ao menos penetrar-me fisicamente de tudo isto,
Rasgar-me todo, abrir-me completamente, tornar-me passento
A todos os perfumes de óleos e calores e carvões
Desta flora estupenda, negra, artificial e insaciável!

Rima
Emparelhada
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimos
António Fraga
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
Pedro Matos
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
010693
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
Iga Almeida
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Dina Baptista
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Modernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando PessoaModernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando Pessoa
Carla Luís
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Inesa M
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Claudia Ribeiro
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Dina Baptista
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Lurdes Augusto
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
Dina Baptista
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
Catarina Castro
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Mariana Domingues
 
Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo
nanasimao
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 

Mais procurados (20)

Pessoa ortónimo e heterónimos
Pessoa   ortónimo e heterónimosPessoa   ortónimo e heterónimos
Pessoa ortónimo e heterónimos
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Modernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando PessoaModernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando Pessoa
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 

Destaque

características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Fernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimosFernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimos
guest40b640
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
fromgaliza
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
guest1a60537
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
Ana Clara San
 
DNA fingerprint
DNA fingerprintDNA fingerprint
DNA fingerprint
Margarida Rodrigues
 
Trabalho etar
Trabalho etarTrabalho etar
Trabalho etar
goncaloesag
 
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
guest5761d7
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
Margarida Rodrigues
 
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa OrtónimoSistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
Dina Baptista
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Dina Baptista
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
ESVieira do Minho
 
ÁLvaro de campos
ÁLvaro de camposÁLvaro de campos
ÁLvaro de campos
Margarida Tomaz
 
Poesias fernando pessoa
Poesias fernando pessoaPoesias fernando pessoa
Poesias fernando pessoa
Luciane tonete
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
Paula CAA
 
Tratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas ResiduaisTratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas Residuais
guest3c1e728
 
OraçõEs
OraçõEsOraçõEs
OraçõEs
Luísa Freixo
 

Destaque (19)

características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Fernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimosFernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimos
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
DNA fingerprint
DNA fingerprintDNA fingerprint
DNA fingerprint
 
Trabalho etar
Trabalho etarTrabalho etar
Trabalho etar
 
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
Trabalho De Grupo "Fernando Pessoa"
 
Fernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimosFernando Pessoa e heterónimos
Fernando Pessoa e heterónimos
 
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa OrtónimoSistematização - F. Pessoa Ortónimo
Sistematização - F. Pessoa Ortónimo
 
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando PessoaPoema Liberdade, de Fernando Pessoa
Poema Liberdade, de Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
ÁLvaro de campos
ÁLvaro de camposÁLvaro de campos
ÁLvaro de campos
 
Poesias fernando pessoa
Poesias fernando pessoaPoesias fernando pessoa
Poesias fernando pessoa
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 
Tratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas ResiduaisTratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas Residuais
 
OraçõEs
OraçõEsOraçõEs
OraçõEs
 

Semelhante a Fernando pessoa ortónimo e heterónimos

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
litegatuga
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Érika Lúcia
 
Construção de poemas
Construção de poemasConstrução de poemas
Construção de poemas
Eliane Salete Hirt
 
SIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptxSIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptx
MatoseRodriguesAdvoc
 
Pessoa heteronimos
Pessoa heteronimosPessoa heteronimos
Pessoa heteronimos
FernandoLima654843
 
FPessoa Heterónimos
FPessoa HeterónimosFPessoa Heterónimos
FPessoa Heterónimos
guest53f8bc
 
Fernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - HeterónimosFernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - Heterónimos
ESVieira do Minho
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
rafabebum
 
Figurasdelinguagem slide-120914120327-phpapp02
Figurasdelinguagem slide-120914120327-phpapp02Figurasdelinguagem slide-120914120327-phpapp02
Figurasdelinguagem slide-120914120327-phpapp02
sirlenemaciel
 
Orfeu rebelde
Orfeu rebeldeOrfeu rebelde
Orfeu rebelde
Inês Oliveira
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slide
Ivana Bastos
 
A obra eterniza o poeta (f. pessoa)
A obra eterniza o poeta (f. pessoa)A obra eterniza o poeta (f. pessoa)
A obra eterniza o poeta (f. pessoa)
Margarida Botelho da Silva
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
armindaalmeida
 
Ocidentais
OcidentaisOcidentais
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
Raquel Alves
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
Vinicius Lutz
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
Renata Silva Nunes Ribeiro
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docx
ssusere47050
 
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemasAugusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
ericasilveira
 

Semelhante a Fernando pessoa ortónimo e heterónimos (20)

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Construção de poemas
Construção de poemasConstrução de poemas
Construção de poemas
 
SIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptxSIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptx
 
Pessoa heteronimos
Pessoa heteronimosPessoa heteronimos
Pessoa heteronimos
 
FPessoa Heterónimos
FPessoa HeterónimosFPessoa Heterónimos
FPessoa Heterónimos
 
Fernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - HeterónimosFernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - Heterónimos
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Figurasdelinguagem slide-120914120327-phpapp02
Figurasdelinguagem slide-120914120327-phpapp02Figurasdelinguagem slide-120914120327-phpapp02
Figurasdelinguagem slide-120914120327-phpapp02
 
Orfeu rebelde
Orfeu rebeldeOrfeu rebelde
Orfeu rebelde
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slide
 
A obra eterniza o poeta (f. pessoa)
A obra eterniza o poeta (f. pessoa)A obra eterniza o poeta (f. pessoa)
A obra eterniza o poeta (f. pessoa)
 
Introdução texto poético
Introdução texto poéticoIntrodução texto poético
Introdução texto poético
 
Ocidentais
OcidentaisOcidentais
Ocidentais
 
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docx
 
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemasAugusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
Augusto dos anjos_eu_e_outros_poemas
 

Mais de Ricardo Amaral

A última ceia
A última ceia A última ceia
A última ceia
Ricardo Amaral
 
Ultima ceia trabalho
Ultima ceia trabalhoUltima ceia trabalho
Ultima ceia trabalho
Ricardo Amaral
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
Ricardo Amaral
 
Documentos comerciais
Documentos comerciais Documentos comerciais
Documentos comerciais
Ricardo Amaral
 
Parlamento europeu
Parlamento europeuParlamento europeu
Parlamento europeu
Ricardo Amaral
 
Lisboa no Estado Novo
Lisboa no Estado NovoLisboa no Estado Novo
Lisboa no Estado Novo
Ricardo Amaral
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
Ricardo Amaral
 
Suécia
Suécia  Suécia
Suécia
Ricardo Amaral
 
Cubo - Geometria
Cubo - GeometriaCubo - Geometria
Cubo - Geometria
Ricardo Amaral
 
tap
taptap

Mais de Ricardo Amaral (10)

A última ceia
A última ceia A última ceia
A última ceia
 
Ultima ceia trabalho
Ultima ceia trabalhoUltima ceia trabalho
Ultima ceia trabalho
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Documentos comerciais
Documentos comerciais Documentos comerciais
Documentos comerciais
 
Parlamento europeu
Parlamento europeuParlamento europeu
Parlamento europeu
 
Lisboa no Estado Novo
Lisboa no Estado NovoLisboa no Estado Novo
Lisboa no Estado Novo
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
 
Suécia
Suécia  Suécia
Suécia
 
Cubo - Geometria
Cubo - GeometriaCubo - Geometria
Cubo - Geometria
 
tap
taptap
tap
 

Último

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

Fernando pessoa ortónimo e heterónimos

  • 3. Fernando Pessoa  Fernando António Nogueira Pessoa;  13 de Junho de 1888 —30 de Novembro de 1935  Poeta, escritor e tradutor;  Solitário  Muito retraído  Pouca vida amorosa/social  Bem sucedido
  • 4. Caraterísticas Temáticas Identidade perdida Nostalgia da infância Dor de viver Dor de pensar Ironia
  • 5. Caraterísticas Temáticas Tentativa de superação da dor através de:  Evocação da infância;  Refúgio no sonho;  Ocultismo (correspondência entre o visível e o invisível);  Criação dos heterónimos
  • 6. Fernando Pessoa – O que me dói não é O que me dói não é O que há no coração Mas essas coisas lindas Que nunca existirão... São as formas sem forma Que passam sem que a dor As possa conhecer Ou as sonhar o amor. São como se a tristeza Fosse árvore e, uma a uma, Caíssem suas folhas Entre o vestígio e a bruma. Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
  • 7. Analise interna O que me dói não é O que há no coração Mas essas coisas lindas Que nunca existirão... Ausência São as formas sem forma Ocultismo Que passam sem que a dor As possa conhecer Ou as sonhar o amor. Refugio no sonho São como se a tristeza Fosse árvore e, uma a uma, Caíssem suas folhas Entre o vestígio e a bruma. Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
  • 8. Quadra Quadra Quadra Analise externa O que me dói não é O que há no coração Mas essas coisas lindas Que nunca existirão... São as formas sem forma Que passam sem que a dor As possa conhecer Ou as sonhar o amor. São como se a tristeza Fosse árvore e, uma a uma, Caíssem suas folhas Entre o vestígio e a bruma. Redondilha menor Cruzada Cruzada Cruzada Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
  • 11. Caraterísticas estilísticas  Discurso em verso livre;  Ausência de preocupações estilísticas;  Indisciplina espontâneo; formal e ritmo lento mas  Vocabulário simples e familiar;  Número reduzido de vocábulos e de classes de palavras;  Pouca adjectivação, predomínio de substantivos concretos, uso de verbos no presente do indicativo ou no gerúndio;  Frases predominantemente coordenadas;  Uso de paralelismos comparações simples; de construção, de
  • 12. Alberto Caeiro – Guardador de Rebanhos O que nós vemos das cousas são as cousas. Por que veríamos nós uma cousa se houvesse outra? Por que é que ver e ouvir seriam iludirmo-nos Se ver e ouvir são ver e ouvir? O essencial é saber ver, Saber ver sem estar a pensar, Saber ver quando se vê, E nem pensar quando se vê Nem ver quando se pensa. Mas isso (tristes de nós que trazemos a alma vestida!), Isso exige um estudo profundo, Uma aprendizagem de desaprender E uma sequestração na liberdade daquele convento De que os poetas dizem que as estrelas são as freiras eternas E as flores as penitentes convictas de um só dia, Mas onde afinal as estrelas não são senão estrelas Nem as flores senão flores, Sendo por isso que lhes chamamos estrelas e flores.
  • 14. Caraterísticas Temáticas  É um poeta clássico e romântico, da serenidade epicurista  Tem crença nos deuses enquanto as nossas emoções e sentimentos  Estoicista
  • 15. Caraterísticas Temáticas  A filosofia do poeta é de um epicurismo triste  Ataraxista (tranquilidade perturbação)  Carpe Diem capaz de evitar a
  • 16. Caraterísticas Temáticas  Ricardo Reis acredita que a felicidade e a tranquilidade não é 100% alcançável  Tem um ideal ético de apatia que permite a ausência da paixão e a liberdade.  É um poeta Inexorável
  • 17. Ricardo Reis – Amor o que vejo Amo o que vejo porque deixarei Qualquer dia de o ver. Amo-o também porque é. No plácido intervalo em que me sinto, Do amar, mais que ser, Amo o haver tudo e a mim. Melhor me não dariam, se voltassem, Os primitivos deuses, Que também, nada sabem. Ricardo Reis, in "Odes" (Inédito)
  • 18. Análise Externa Divisão Métrica A/mo/ o /que/ ve/jo/ por/que/ dei/xa/rei (Decassílabo) Estrofes Tem três estrofes, cada estrofe composta por três versos chamando-as de Terceto. Rimas Este poema é composto por versos soltos e por uma rima interpolada (“(…) dia de o ver,/(…)mais que ser,”)
  • 19. Análise Externa Recursos Estilísticos Eufemismo (“Amo o que vejo porque deixarei/Qualquer dia de o ver.”) Hipérbato (“Melhor não me dariam (…)”) Hipérbole (“(…) amo o haver tudo e a mim.”) Perífrase (“No plácido intervalo em que me sinto, (…)”)
  • 20. Análise Interna O poema tem como principais características:  Efemeridade da vida  A inevitabilidade da morte e por sua vez a sua aceitação calma e serena da ordem das coisas
  • 22. Biografia  Nasceu a 15 de Outubro de 1890, em Tavira, por volta das 13:30;  Altura: 1,75m;  Magro;  Cabelo liso pertado ao lado;  Cara tapada, tipo judeu português;  Educação vulgar de Liceu;  Extremo oposto a Ricardo Reis.
  • 24. Fase decadentista  Fase de tédio, da abulia e do cansaço  Procura de novas sensações “É antes do ópio que a minh'alma é doente. Sentir a vida convalesce e estiola E eu vou buscar ao ópio que consola Um Oriente ao oriente do Oriente. “ Opiário
  • 25. Fase futurista/sensacionista Atração pelas máquinas, pelo progresso e pela vida moderna Sensações provocadas por esta atração Angústia existencial
  • 26. Fase futurista/sensacionista “... Deixai-me partir a cabeça de encontro às vossas esquinas, E ser levado da rua cheio de sangue Sem ninguém saber quem eu sou!” Ode Triunfal
  • 27. Fase intimista e pessoa Apatia, melancólica e abulia, angustia, tédio, cansaço Encontro com Pessoa ortónimo  Nostalgia da infância  Dor de pensar  Fragmentação do eu  Angústia existencial
  • 28. Fase intimista e pessoa “NÃO: Não quero nada. Já disse que não quero nada. Não me venham com conclusões! A única conclusão é morrer. “ Lisbon Revisited (1923)
  • 29. Álvaro De campos – Ode triunfal À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim, Por todos os meus nervos dissecados fora, Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto! Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos, De os ouvir demasiadamente de perto, E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso De expressão contemporâneo de vós, ó máquinas!
  • 30. Ode triunfal Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical Grandes trópicos humanos de ferro e fogo e força Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro. Porque o presente é todo o passado e todo o futuro E há Platão e Virgílio dentro das máquinas e das luzes eléctricas Só porque houve outrora e foram humanos Virgílio e Platão, E pedaços do Alexandre Magno do século talvez cinquenta, Átomos que hão-de ir ter febre para o cérebro do Ésquilo do século cem, Andam por estas correias de transmissão e por estes êmbolos e por estes volantes, Rugindo, rangendo, ciciando, estrugindo, ferrejando, Fazendo-me um excesso de carícias ao corpo numa só carícia à alma.
  • 31. Ode triunfal Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime! Ser completo como uma máquina! Poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo! Poder ao menos penetrar-me fisicamente de tudo isto, Rasgar-me todo, abrir-me completamente, tornar-me passento A todos os perfumes de óleos e calores e carvões Desta flora estupenda, negra, artificial e insaciável!
  • 32. Analise externa e interna Bárbaro Quadra Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Rima branca À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica
  • 33. Nona Analise externa e interna Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim, Por todos os meus nervos dissecados fora, Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto! Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos, De os ouvir demasiadamente de perto, E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso De expressão contemporâneo de vós, ó máquinas! Rima Cruzada
  • 34. Irregular Analise externa e interna Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical Grandes trópicos humanos de ferro e fogo e força Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro. Rima Porque o presente é todo o passado e todo o futuro Emparelhada E há Platão e Virgílio dentro das máquinas e das luzes eléctricas Só porque houve outrora e foram humanos Virgílio e Platão, E pedaços do Alexandre Magno do século talvez cinquenta, Átomos que hão-de ir ter febre para o cérebro do Ésquilo do século cem, Andam por estas correias de transmissão e por estes êmbolos e por estes volantes, Rugindo, rangendo, ciciando, estrugindo, ferrejando, Fazendo-me um excesso de carícias ao corpo numa só carícia à alma.
  • 35. Sétima (redondilha maior) Analise externa e interna Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime! Ser completo como uma máquina! Poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo! Poder ao menos penetrar-me fisicamente de tudo isto, Rasgar-me todo, abrir-me completamente, tornar-me passento A todos os perfumes de óleos e calores e carvões Desta flora estupenda, negra, artificial e insaciável! Rima Emparelhada
  • 36. FIM