SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Prova aberta de Literatura Brasileira
    UFMG-2012
           Manoel Neves
Literatura Brasileira, UFMG-2012
Neste	
  arquivo,	
  você	
  encontra	
  as	
  questões	
  de	
  literatura	
  brasileira	
  das	
  provas	
  “A”.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
         Leia	
  estes	
  poemas.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
                                                   “Ora	
  (direis)	
  ouvir	
  estrelas!	
  Certo	
  	
  
                                          Perdeste	
  o	
  senso!”	
  E	
  eu	
  vos	
  direi,	
  no	
  entanto,	
  	
  
                                             Que,	
  para	
  ouvi-­‐Ias,	
  muita	
  vez	
  desperto	
  	
  
                                             E	
  abro	
  as	
  janelas,	
  pálido	
  de	
  espanto	
  ...	
  	
  
                                              E	
  conversamos	
  toda	
  a	
  noite,	
  enquanto	
  	
  
                                                  A	
  via	
  láctea,	
  como	
  um	
  pálio	
  aberto,	
  	
  
                                           CinIla.	
  E,	
  ao	
  vir	
  do	
  sol,	
  saudoso	
  e	
  em	
  pranto,	
  	
  
                                                    Inda	
  as	
  procuro	
  pelo	
  céu	
  deserto.	
  	
  
                                                Direis	
  agora:	
  "Tresloucado	
  amigo!	
  	
  
                                               Que	
  conversas	
  com	
  elas?	
  Que	
  senIdo	
  	
  
                                             Tem	
  o	
  que	
  dizem,	
  quando	
  estão	
  conIgo?"	
  	
  
                                                E	
  eu	
  vos	
  direi:	
  "Amai	
  para	
  entendê-­‐las!	
  	
  
                                                     Pois	
  só	
  quem	
  ama	
  pode	
  ter	
  ouvido	
  	
  
                                                Capaz	
  de	
  ouvir	
  e	
  de	
  entender	
  estrelas."	
  	
  
BILAC,	
  O.	
  Via	
  Láctea	
  	
  XIII.	
  Obra	
  reunida.	
  Organização	
  e	
  introdução	
  de	
  Alexei	
  Bueno.	
  RJ:	
  Nova	
  Aguilar,	
  1996.	
  p.	
  117.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
                                               Ora!	
  –	
  direis	
  –	
  ouvir	
  panelas!	
  Certo	
  
                                           Ficaste	
  louco.	
  E	
  eu	
  vos	
  direito,	
  no	
  entanto,	
  
                                              Que	
  muitas	
  vezes	
  paro,	
  boquiaberto,	
  
                                               Para	
  escutá-­‐las	
  pálido	
  de	
  espanto.	
  
                                               Direis	
  agora:	
  –	
  Mas	
  meu	
  louco	
  amigo,	
  
                                                   Que	
  poderão	
  dizer	
  umas	
  panelas?	
  
                                             O	
  que	
  é	
  que	
  dizem	
  quando	
  estão	
  conIgo	
  
                                                   E	
  que	
  senIdo	
  têm	
  as	
  frases	
  delas?	
  
                                              E	
  direi	
  mais:	
  –	
  Isso	
  quanto	
  ao	
  senIdo,	
  
                                                  Só	
  quem	
  tem	
  fome	
  pode	
  ter	
  ouvido	
  
                                                   Capaz	
  de	
  ouvir	
  e	
  entender	
  panelas.	
  
TORELLY,	
  A.	
  –	
  Barão	
  de	
  Itararé.	
  In:	
  SALIBA,	
  Elias	
  Thomé.	
  Raízes	
  do	
  riso.	
  SP:	
  Companhia	
  das	
  Letras,	
  2002.	
  p.	
  217.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
a)	
  Iden&fique	
  a relação intertextual que o segundo poema estabelece com o primeiro.
b)	
  Justifique sua resposta.
Literatura Brasileira, UFMG-2012
A	
  relação	
  que	
  o	
  segundo	
  poema	
  estabelece	
  com	
  o	
  primeiro	
  é	
  paródica.	
  Se,	
  no	
  poema	
  de	
  Bilac,	
  o	
  
assunto	
   é	
   elevado	
   –	
   amor	
   –,	
   no	
   de	
   Torelly,	
   por	
   intermédio	
   de	
   uma	
   uma	
   palavra	
   prosaica	
  
[panelas],	
  promove-­‐se	
  não	
  só	
  uma	
  ruptura	
  com	
  o	
  tratamento	
  elevado	
  dado	
  ao	
  texto	
  poéIco	
  em	
  
geral,	
   mas	
   também	
   se	
   traz	
   a	
   poesia	
   para	
   o	
   coIdiano,	
   para	
   o	
   comum,	
   para	
   o	
   prosaico.	
   Ademais,	
  
enquanto	
   no	
   poema	
   01	
   adota-­‐se	
   uma	
   perspecIva	
   elevada,	
   poéIca,	
   sublime,	
   o	
   poema	
   02	
  
revela-­‐se	
  prosaico,	
  social,	
  engajado.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
           Leia	
  este	
  texto:	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
O	
  céu,	
  transparente	
  que	
  doía,	
  vibrava,	
  tremendo	
  feito	
  uma	
  gaze	
  repuxada.	
  
Vicente	
  senIa	
  por	
  toda	
  parte	
  uma	
  impressão	
  ressequida	
  de	
  calor	
  e	
  aspereza.	
  
Verde,	
   na	
   monotonia	
   cinzenta	
   da	
   paisagem,	
   só	
   algum	
   juazeiro	
   ainda	
   escapo	
   à	
   devastação	
   da	
  
rama;	
  mas	
  em	
  geral	
  as	
  pobres	
  árvores	
  apareciam	
  lamentáveis,	
  mostrando	
  os	
  cotos	
  dos	
  galhos	
  
como	
  membros	
  amputados	
  e	
  a	
  casca	
  toda	
  raspada	
  em	
  grandes	
  zonas	
  brancas.	
  
E	
   o	
   chão,	
   que	
   em	
   outro	
   tempo	
   a	
   sombra	
   cobria,	
   era	
   uma	
   confusão	
   desolada	
   de	
   galhos	
   secos,	
  
cuja	
  agressividade	
  ainda	
  mais	
  se	
  acentuava	
  pelos	
  espinhos.	
  
                               QUEIROZ,	
  Rachel	
  de.	
  O	
  quinze.	
  São	
  Paulo:	
  Círculo	
  do	
  Livro,	
  1992.	
  p.17-­‐18.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
Nesse	
  texto,	
  o	
  narrador	
  refere-­‐se	
  à	
  seca	
  nordesIna.	
  
IDENTIFIQUE	
  e	
  EXPLIQUE	
  a	
  tendência,	
  na	
  literatura	
  brasileira,	
  de	
  os	
  romancistas	
  se	
  disporem	
  a	
  
escrever	
  sobre	
  essa	
  temáIca.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
A	
  seca	
  nordesIna	
  é	
  temáIca	
  tendência	
  regionalista	
  [neonaturalista	
  ou	
  de	
  tensão	
  exteriorizada]	
  
da	
  Segunda	
  Geração	
  do	
  Modernismo	
  Brasileiro.	
  Nesta	
  tendência	
  são	
  apresentadas	
  as	
  condições	
  
de	
  vida	
  do	
  homem	
  do	
  sertão	
  –	
  a	
  opressão	
  promovida	
  pelo	
  laIfúndio,	
  a	
  exclusão	
  social,	
  a	
  vida	
  
dos	
  reIrantes,	
  o	
  coronelismo,	
  a	
  fome	
  e	
  a	
  seca	
  vivenciadas	
  pelo	
  homem	
  nordesIno.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
         Leia	
  estes	
  poemas.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
                                       Minha	
  pátria	
  é	
  minha	
  infância:	
  
                                          Por	
  isso	
  vivo	
  no	
  exílio.	
  
CACASO	
  [Antônio	
  Carlos	
  de	
  Brito].	
  Beijo	
  na	
  boca	
  e	
  outros	
  poemas.	
  SP:	
  Brasiliense,	
  1985.	
  p.83.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
                    é	
  sempre	
  mais	
  divcil	
  
                 ancorar	
  um	
  navio	
  no	
  espaço	
  
CESAR,	
  Ana	
  CrisIna.	
  A	
  teus	
  pés.	
  SP:	
  Brasiliense,	
  1987.	
  p.57.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
RELACIONE	
   os	
   dois	
   poemas,	
   ANALISANDO	
   a	
   concepção	
   expressa	
   em	
   cada	
   um,	
   sobre	
   as	
  
diferentes	
  fases	
  da	
  vida.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
Os	
   dois	
   poemas	
   apresentam	
   temáIca	
   filosófico-­‐existencial.	
   Por	
   intermédio	
   do	
   lirismo	
  
metavsico,	
  os	
  locutores	
  revelam-­‐se	
  deslocados	
  temporal	
  e	
  espacialmente.	
  	
  
No	
  primeiro	
  texto,	
  o	
  locutor,	
  no	
  primeiro	
  verso,	
  qualifica	
  posiIvamente	
  o	
  período	
  da	
  infância	
  [=	
  
pátria]	
  e,	
  no	
  segundo,	
  indica	
  a	
  angúsIa	
  e	
  o	
  deslocamento	
  em	
  que	
  vive	
  no	
  "presente"	
  [vivo]	
  da	
  
enunciação	
  [=	
  exílio].	
  
No	
   segundo	
   poema,	
   a	
   adolescência,	
   referida	
   no	
   ytulo,	
   aparece	
   como	
   a	
   época	
   das	
   grandes	
  
realizações	
   [=	
   ancorar	
   navio	
   no	
   espaço],	
   o	
   que	
   permite	
   ao	
   leitor	
   inferir	
   que,	
   no	
   momento	
   da	
  
enunciação,	
  a	
  vida	
  do	
  locutor	
  não	
  é/era	
  tão	
  emocionante.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
          Leia	
  estes	
  trechos.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
Colombo	
   sabe	
   perfeitamente	
   que	
   as	
   ilhas	
   já	
   têm	
   nome,	
   de	
   uma	
   certa	
   forma,	
   nomes	
   naturais	
  
(mas	
   em	
   outra	
   acepção	
   do	
   termo);	
   as	
   palavras	
   dos	
   outros,	
   entretanto,	
   não	
   lhe	
   interessam	
  
muito,	
   e	
   ele	
   quer	
   rebaIzar	
   os	
   lugares	
   em	
   função	
   do	
   lugar	
   que	
   ocupam	
   em	
   sua	
   descoberta,	
   dar-­‐
lhes	
  nomes	
  justos;	
  a	
  nomeação,	
  além	
  disso,	
  equivale	
  a	
  tomar	
  posse.	
  
                             TODOROV,	
  Tzevetan.	
  A	
  conquista	
  da	
  América.	
  SP:	
  MarIns	
  Fontes,	
  1993.	
  p.27.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
[...]	
  e	
  a	
  quarta-­‐feira	
  seguinte,	
  pela	
  manhã,	
  topamos	
  aves	
  a	
  que	
  chamam	
  fura-­‐buchos	
  e	
  neste	
  dia,	
  
a	
  horas	
  de	
  véspera,	
  houvemos	
  vista	
  de	
  terra,	
  a	
  saber:	
  primeiramente	
  dum	
  grande	
  monte	
  mui	
  
alto	
   e	
   redondo,	
   e	
   de	
   outras	
   serras	
   mais	
   baixas	
   ao	
   sul	
   dele,	
   e	
   de	
   terra	
   chã	
   com	
   grandes	
  
arvoredos;	
  ao	
  qual	
  monte	
  alto	
  o	
  Capitão	
  pôs	
  nome	
  o	
  Monte	
  Pascoal,	
  e	
  à	
  terra	
  a	
  Terra	
  de	
  Vera	
  
Cruz.	
                  CAMINHA,	
  Pero	
  Vaz	
  de.	
  Carta	
  ao	
  Rei	
  Dom	
  Manuel.	
  Belo	
  Horizonte:	
  Crisálida,	
  2002.	
  p.17.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
EXPLICITE,	
  comparando	
  os	
  dois	
  trechos,	
  a	
  relação	
  existente	
  entre	
  os	
  atos	
  de	
  nomear	
  e	
  tomar	
  
posse.	
  
Literatura Brasileira, UFMG-2012
O	
  vocábulo	
  "nomear",	
  em	
  uma	
  de	
  suas	
  acepções,	
  significa	
  "exercer	
  direito	
  de	
  posse".	
  É	
  nesse	
  
senIdo	
   que	
   se	
   deve	
   entender	
   a	
   relação	
   existente	
   entre	
   as	
   circunstâncias	
   da	
   "conquista	
   da	
  
América"	
   por	
   Colombo	
   e	
   da	
   Carta	
   sobre	
   o	
   "descobrimento	
   do	
   Brasil".	
   Os	
   viajantes,	
   no	
   contexto	
  
em	
  que	
  se	
  encontravam,	
  preferiram	
  ignorar	
  que	
  as	
  terras	
  encontradas	
  já	
  estavam	
  nomeadas	
  e	
  
ocupadas	
   por	
   seus	
   "nomeadores".	
   Trata-­‐se,	
   evidentemente,	
   de	
   um	
   exercício	
   de	
   poder	
   que	
  
emprega	
   a	
   língua	
   como	
   instrumento	
   de	
   dominação.	
   Como	
   se	
   sabe,	
   a	
   parIr	
   da	
   nomeação	
   das	
  
terras,	
  os	
  conquistadores	
  recomendaram	
  aos	
  seus	
  reis	
  que	
  promovessem	
  o	
  ensino	
  das	
  línguas	
  
espanhola	
  e	
  portuguesa	
  para	
  os	
  naIvos,	
  a	
  fim	
  de	
  "civilizá-­‐los".	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
Lucas Reis
 
Resumo sobre a vinda da família real
Resumo sobre a vinda da família realResumo sobre a vinda da família real
Resumo sobre a vinda da família real
Janine Schwartz
 

Mais procurados (20)

Atividades Revolução Francesa
Atividades   Revolução FrancesaAtividades   Revolução Francesa
Atividades Revolução Francesa
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
Atividades discursivas grécia antiga
Atividades discursivas grécia antigaAtividades discursivas grécia antiga
Atividades discursivas grécia antiga
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
Caça palavras sobre a Idade Média
Caça palavras sobre a Idade MédiaCaça palavras sobre a Idade Média
Caça palavras sobre a Idade Média
 
Atividades de historia revisao 2013
Atividades de historia revisao 2013Atividades de historia revisao 2013
Atividades de historia revisao 2013
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
A Revolução Russa
A Revolução RussaA Revolução Russa
A Revolução Russa
 
Resumo sobre a vinda da família real
Resumo sobre a vinda da família realResumo sobre a vinda da família real
Resumo sobre a vinda da família real
 
OFICINA CARTAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
OFICINA CARTAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIALOFICINA CARTAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
OFICINA CARTAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Africa Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos EuropeusAfrica Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos Europeus
 
Atenas e Esparta
Atenas e EspartaAtenas e Esparta
Atenas e Esparta
 
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra MundialImperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo, Belle Époque e Primeira Guerra Mundial
 
Abolição da escravatura no Brasil.pptx
Abolição da escravatura no Brasil.pptxAbolição da escravatura no Brasil.pptx
Abolição da escravatura no Brasil.pptx
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
Revolta dos malês
Revolta dos malêsRevolta dos malês
Revolta dos malês
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do  BrasilDescobrimento Do  Brasil
Descobrimento Do Brasil
 

Destaque

Exercícios sobre intertextualidades
Exercícios sobre intertextualidadesExercícios sobre intertextualidades
Exercícios sobre intertextualidades
ma.no.el.ne.ves
 
03. exercícios sobre funções da linguagem
03. exercícios sobre funções da linguagem03. exercícios sobre funções da linguagem
03. exercícios sobre funções da linguagem
ma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre intertextualidade
Exercícios sobre intertextualidadeExercícios sobre intertextualidade
Exercícios sobre intertextualidade
ma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre funções da linguagem, 02
Exercícios sobre funções da linguagem, 02Exercícios sobre funções da linguagem, 02
Exercícios sobre funções da linguagem, 02
ma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre intertextualidades, 02
Exercícios sobre intertextualidades, 02Exercícios sobre intertextualidades, 02
Exercícios sobre intertextualidades, 02
ma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
ma.no.el.ne.ves
 
Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade
Olivier Fausti Olivier
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
CrisBiagio
 

Destaque (10)

Exercícios sobre intertextualidades
Exercícios sobre intertextualidadesExercícios sobre intertextualidades
Exercícios sobre intertextualidades
 
03. exercícios sobre funções da linguagem
03. exercícios sobre funções da linguagem03. exercícios sobre funções da linguagem
03. exercícios sobre funções da linguagem
 
Exercícios sobre intertextualidade
Exercícios sobre intertextualidadeExercícios sobre intertextualidade
Exercícios sobre intertextualidade
 
Exercícios sobre funções da linguagem, 02
Exercícios sobre funções da linguagem, 02Exercícios sobre funções da linguagem, 02
Exercícios sobre funções da linguagem, 02
 
Exercícios sobre intertextualidades, 02
Exercícios sobre intertextualidades, 02Exercícios sobre intertextualidades, 02
Exercícios sobre intertextualidades, 02
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
 
Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
 
Revisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e Artes
Revisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e ArtesRevisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e Artes
Revisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e Artes
 

Semelhante a Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1

Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
ma.no.el.ne.ves
 
Revisional de estilos de época 07, parnasianismo
Revisional de estilos de época 07, parnasianismoRevisional de estilos de época 07, parnasianismo
Revisional de estilos de época 07, parnasianismo
ma.no.el.ne.ves
 
Lp e literatura brasileira
Lp e literatura brasileiraLp e literatura brasileira
Lp e literatura brasileira
cavip
 
Linguagens, c¢digos e suas tecnologias
Linguagens, c¢digos e suas tecnologiasLinguagens, c¢digos e suas tecnologias
Linguagens, c¢digos e suas tecnologias
jullyvi
 
Revisional de estilos de época 06, naturalismo
Revisional de estilos de época 06, naturalismoRevisional de estilos de época 06, naturalismo
Revisional de estilos de época 06, naturalismo
ma.no.el.ne.ves
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
Aline Almeida
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
luisprista
 
Parcial gramática e literatura
Parcial gramática e literaturaParcial gramática e literatura
Parcial gramática e literatura
Colégio Parthenon
 
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
ma.no.el.ne.ves
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
ma.no.el.ne.ves
 

Semelhante a Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1 (20)

Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
 
ENEM-2001
ENEM-2001ENEM-2001
ENEM-2001
 
13. tqa ufmg 2012, 10
13. tqa ufmg 2012, 1013. tqa ufmg 2012, 10
13. tqa ufmg 2012, 10
 
Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010
 
Revisional de estilos de época 07, parnasianismo
Revisional de estilos de época 07, parnasianismoRevisional de estilos de época 07, parnasianismo
Revisional de estilos de época 07, parnasianismo
 
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
 
Lp e literatura brasileira
Lp e literatura brasileiraLp e literatura brasileira
Lp e literatura brasileira
 
Poetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo Paes
Poetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo PaesPoetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo Paes
Poetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo Paes
 
5 exercicios arcadismo-literatura_portugues
5   exercicios arcadismo-literatura_portugues5   exercicios arcadismo-literatura_portugues
5 exercicios arcadismo-literatura_portugues
 
Linguagens, c¢digos e suas tecnologias
Linguagens, c¢digos e suas tecnologiasLinguagens, c¢digos e suas tecnologias
Linguagens, c¢digos e suas tecnologias
 
Revisional de estilos de época 06, naturalismo
Revisional de estilos de época 06, naturalismoRevisional de estilos de época 06, naturalismo
Revisional de estilos de época 06, naturalismo
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
Apresentação para décimo segundo ano, aula 9
 
Gênero lírico no enem
Gênero lírico no enemGênero lírico no enem
Gênero lírico no enem
 
Parcial gramática e literatura
Parcial gramática e literaturaParcial gramática e literatura
Parcial gramática e literatura
 
Boletim da Bibliotea 2
Boletim da Bibliotea 2Boletim da Bibliotea 2
Boletim da Bibliotea 2
 
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
 
intertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptx
intertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptxintertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptx
intertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptx
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesias
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1

  • 1. Prova aberta de Literatura Brasileira UFMG-2012 Manoel Neves
  • 2. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Neste  arquivo,  você  encontra  as  questões  de  literatura  brasileira  das  provas  “A”.  
  • 3. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Leia  estes  poemas.  
  • 4. Literatura Brasileira, UFMG-2012 “Ora  (direis)  ouvir  estrelas!  Certo     Perdeste  o  senso!”  E  eu  vos  direi,  no  entanto,     Que,  para  ouvi-­‐Ias,  muita  vez  desperto     E  abro  as  janelas,  pálido  de  espanto  ...     E  conversamos  toda  a  noite,  enquanto     A  via  láctea,  como  um  pálio  aberto,     CinIla.  E,  ao  vir  do  sol,  saudoso  e  em  pranto,     Inda  as  procuro  pelo  céu  deserto.     Direis  agora:  "Tresloucado  amigo!     Que  conversas  com  elas?  Que  senIdo     Tem  o  que  dizem,  quando  estão  conIgo?"     E  eu  vos  direi:  "Amai  para  entendê-­‐las!     Pois  só  quem  ama  pode  ter  ouvido     Capaz  de  ouvir  e  de  entender  estrelas."     BILAC,  O.  Via  Láctea    XIII.  Obra  reunida.  Organização  e  introdução  de  Alexei  Bueno.  RJ:  Nova  Aguilar,  1996.  p.  117.  
  • 5. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Ora!  –  direis  –  ouvir  panelas!  Certo   Ficaste  louco.  E  eu  vos  direito,  no  entanto,   Que  muitas  vezes  paro,  boquiaberto,   Para  escutá-­‐las  pálido  de  espanto.   Direis  agora:  –  Mas  meu  louco  amigo,   Que  poderão  dizer  umas  panelas?   O  que  é  que  dizem  quando  estão  conIgo   E  que  senIdo  têm  as  frases  delas?   E  direi  mais:  –  Isso  quanto  ao  senIdo,   Só  quem  tem  fome  pode  ter  ouvido   Capaz  de  ouvir  e  entender  panelas.   TORELLY,  A.  –  Barão  de  Itararé.  In:  SALIBA,  Elias  Thomé.  Raízes  do  riso.  SP:  Companhia  das  Letras,  2002.  p.  217.  
  • 6. Literatura Brasileira, UFMG-2012 a)  Iden&fique  a relação intertextual que o segundo poema estabelece com o primeiro. b)  Justifique sua resposta.
  • 7. Literatura Brasileira, UFMG-2012 A  relação  que  o  segundo  poema  estabelece  com  o  primeiro  é  paródica.  Se,  no  poema  de  Bilac,  o   assunto   é   elevado   –   amor   –,   no   de   Torelly,   por   intermédio   de   uma   uma   palavra   prosaica   [panelas],  promove-­‐se  não  só  uma  ruptura  com  o  tratamento  elevado  dado  ao  texto  poéIco  em   geral,   mas   também   se   traz   a   poesia   para   o   coIdiano,   para   o   comum,   para   o   prosaico.   Ademais,   enquanto   no   poema   01   adota-­‐se   uma   perspecIva   elevada,   poéIca,   sublime,   o   poema   02   revela-­‐se  prosaico,  social,  engajado.  
  • 8. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Leia  este  texto:  
  • 9. Literatura Brasileira, UFMG-2012 O  céu,  transparente  que  doía,  vibrava,  tremendo  feito  uma  gaze  repuxada.   Vicente  senIa  por  toda  parte  uma  impressão  ressequida  de  calor  e  aspereza.   Verde,   na   monotonia   cinzenta   da   paisagem,   só   algum   juazeiro   ainda   escapo   à   devastação   da   rama;  mas  em  geral  as  pobres  árvores  apareciam  lamentáveis,  mostrando  os  cotos  dos  galhos   como  membros  amputados  e  a  casca  toda  raspada  em  grandes  zonas  brancas.   E   o   chão,   que   em   outro   tempo   a   sombra   cobria,   era   uma   confusão   desolada   de   galhos   secos,   cuja  agressividade  ainda  mais  se  acentuava  pelos  espinhos.   QUEIROZ,  Rachel  de.  O  quinze.  São  Paulo:  Círculo  do  Livro,  1992.  p.17-­‐18.  
  • 10. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Nesse  texto,  o  narrador  refere-­‐se  à  seca  nordesIna.   IDENTIFIQUE  e  EXPLIQUE  a  tendência,  na  literatura  brasileira,  de  os  romancistas  se  disporem  a   escrever  sobre  essa  temáIca.  
  • 11. Literatura Brasileira, UFMG-2012 A  seca  nordesIna  é  temáIca  tendência  regionalista  [neonaturalista  ou  de  tensão  exteriorizada]   da  Segunda  Geração  do  Modernismo  Brasileiro.  Nesta  tendência  são  apresentadas  as  condições   de  vida  do  homem  do  sertão  –  a  opressão  promovida  pelo  laIfúndio,  a  exclusão  social,  a  vida   dos  reIrantes,  o  coronelismo,  a  fome  e  a  seca  vivenciadas  pelo  homem  nordesIno.  
  • 12. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Leia  estes  poemas.  
  • 13. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Minha  pátria  é  minha  infância:   Por  isso  vivo  no  exílio.   CACASO  [Antônio  Carlos  de  Brito].  Beijo  na  boca  e  outros  poemas.  SP:  Brasiliense,  1985.  p.83.  
  • 14. Literatura Brasileira, UFMG-2012 é  sempre  mais  divcil   ancorar  um  navio  no  espaço   CESAR,  Ana  CrisIna.  A  teus  pés.  SP:  Brasiliense,  1987.  p.57.  
  • 15. Literatura Brasileira, UFMG-2012 RELACIONE   os   dois   poemas,   ANALISANDO   a   concepção   expressa   em   cada   um,   sobre   as   diferentes  fases  da  vida.  
  • 16. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Os   dois   poemas   apresentam   temáIca   filosófico-­‐existencial.   Por   intermédio   do   lirismo   metavsico,  os  locutores  revelam-­‐se  deslocados  temporal  e  espacialmente.     No  primeiro  texto,  o  locutor,  no  primeiro  verso,  qualifica  posiIvamente  o  período  da  infância  [=   pátria]  e,  no  segundo,  indica  a  angúsIa  e  o  deslocamento  em  que  vive  no  "presente"  [vivo]  da   enunciação  [=  exílio].   No   segundo   poema,   a   adolescência,   referida   no   ytulo,   aparece   como   a   época   das   grandes   realizações   [=   ancorar   navio   no   espaço],   o   que   permite   ao   leitor   inferir   que,   no   momento   da   enunciação,  a  vida  do  locutor  não  é/era  tão  emocionante.  
  • 17. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Leia  estes  trechos.  
  • 18. Literatura Brasileira, UFMG-2012 Colombo   sabe   perfeitamente   que   as   ilhas   já   têm   nome,   de   uma   certa   forma,   nomes   naturais   (mas   em   outra   acepção   do   termo);   as   palavras   dos   outros,   entretanto,   não   lhe   interessam   muito,   e   ele   quer   rebaIzar   os   lugares   em   função   do   lugar   que   ocupam   em   sua   descoberta,   dar-­‐ lhes  nomes  justos;  a  nomeação,  além  disso,  equivale  a  tomar  posse.   TODOROV,  Tzevetan.  A  conquista  da  América.  SP:  MarIns  Fontes,  1993.  p.27.  
  • 19. Literatura Brasileira, UFMG-2012 [...]  e  a  quarta-­‐feira  seguinte,  pela  manhã,  topamos  aves  a  que  chamam  fura-­‐buchos  e  neste  dia,   a  horas  de  véspera,  houvemos  vista  de  terra,  a  saber:  primeiramente  dum  grande  monte  mui   alto   e   redondo,   e   de   outras   serras   mais   baixas   ao   sul   dele,   e   de   terra   chã   com   grandes   arvoredos;  ao  qual  monte  alto  o  Capitão  pôs  nome  o  Monte  Pascoal,  e  à  terra  a  Terra  de  Vera   Cruz.   CAMINHA,  Pero  Vaz  de.  Carta  ao  Rei  Dom  Manuel.  Belo  Horizonte:  Crisálida,  2002.  p.17.  
  • 20. Literatura Brasileira, UFMG-2012 EXPLICITE,  comparando  os  dois  trechos,  a  relação  existente  entre  os  atos  de  nomear  e  tomar   posse.  
  • 21. Literatura Brasileira, UFMG-2012 O  vocábulo  "nomear",  em  uma  de  suas  acepções,  significa  "exercer  direito  de  posse".  É  nesse   senIdo   que   se   deve   entender   a   relação   existente   entre   as   circunstâncias   da   "conquista   da   América"   por   Colombo   e   da   Carta   sobre   o   "descobrimento   do   Brasil".   Os   viajantes,   no   contexto   em  que  se  encontravam,  preferiram  ignorar  que  as  terras  encontradas  já  estavam  nomeadas  e   ocupadas   por   seus   "nomeadores".   Trata-­‐se,   evidentemente,   de   um   exercício   de   poder   que   emprega   a   língua   como   instrumento   de   dominação.   Como   se   sabe,   a   parIr   da   nomeação   das   terras,  os  conquistadores  recomendaram  aos  seus  reis  que  promovessem  o  ensino  das  línguas   espanhola  e  portuguesa  para  os  naIvos,  a  fim  de  "civilizá-­‐los".